miércoles, 9 de marzo de 2022

FORO 29. Geopolítica y conflictos bélicos en la educación geográfica. El caso de Ucrania.

 

Xosé M. Souto. Universitat de València y Gea-Clío

Sérgio Claudino. Universidade de Lisboa. IGOT y Nós Propomos

La geopolítica se define como aquella rama de la Geografía que estudia las relaciones entre las actividades humanas y el territorio en su forma de organización y control. Mantiene una relación interdisciplinaria con otras materias, en especial con la Historia de las relaciones internacionales, la ciencia política y la sociología. Su presencia en el sistema escolar aparece de forma sutil en los estudios territoriales políticos de la geografía, en la cual esta materia crea una imagen del mundo definida por fronteras y personas identificadas con un medio único e irrepetible, que en su concepción canónica es una región geográfica. Los recursos ecológicos, terrestres, marinos o aéreos, son vistos desde una perspectiva administrativa del Estado y sus competencias políticas.

Algo semejante es la geografía política, que se entiende de forma más específica como el estudio de las instituciones políticas, tanto en su forma de organizarse como en los procesos que generan los sistemas de gobierno. Un conjunto de conceptos y hechos que aparecen a los ojos de los estudiantes como algo abstracto y fuera de su sentido práctico de la vida, pues no se relacionan con aspectos cotidianos, como el derecho de reunión, el uso de infraestructuras o la creación de parques de juegos. El estudio de los Estados es más complejo que en el momento de surgir los sistemas escolares. Procesos supranacionales (Unión Europea, Mercosur…) y competencias infra-estatales (provincias, comunas, municipios) nos permiten estudiar la estructura del poder con ayuda de las escalas geográficas. El papel del Estado afecta a la vida cotidiana, regula el acceso a los derechos básicos, como la salud y el bienestar de la población; se busca satisfacer sus necesidades, garantizar los servicios básicos, repartir los recursos naturales y favorecer la cohesión social.

A los problemas de la geografía política, utilizando el caso concreto de los movimientos antidemocráticos de Brasil, hemos dedicado el Foro 23, Política, sociedad, educación y ciencias sociales http://geoforoforo2.blogspot.com/2016/04/foro-23-politica-sociedad-educacion-y.html, iniciado por Jaeme Luiz Callai. Un foro que alcanzó a finales del año 2021 casi trescientos comentarios y, sobre todo, facilitó la difusión sobre el poder democrático en una sociedad ciudadana. Ahora queremos abordar el análisis en la escala planetaria y con un enfoque geoestratégico.

Este Foro guarda así relación con el imperialismo, lo que incide en el auge de las teorías geoestratégicas de finales del siglo XIX y principios del XX, sobre todo con las aportaciones de Friedrich Ratzel (1844-1904) y posteriormente con Mackinder (1861-1947). La teoría de Heartland (de Mackinder) define un territorio clave (centro de Eurasia) que, de llegar a ser dominado por un país, le convertiría en la potencia más poderosa del mundo, una teoría de 1921 que tiene su relevancia cien años después. En este sentido, la aplicación de conceptos geopolíticos en el siglo XX ha explicado las dos grandes confrontaciones mundiales, en especial por la teoría organicista del espacio vital de los nazis. La globalización de finales del siglo anterior, y del presente, determina nuevos elementos geopolíticos y su explicación en los conflictos mundiales, como es el caso de las guerras regionales y la amenaza de una tercera guerra mundial en el caso de Ucrania. Y así regresamos al concepto nuclear de Heartland.

Las aportaciones desde la Historia europea, en especial T. Judt (2007) nos permiten ver la fragilidad del mundo posterior a 1945 en Europa, en especial en la parte oriental, que pierde potencia económica y ve reducida su soberanía estatal. Los grandes desplazamientos de los períodos bélicos continuaron en la postguerra y se produjo una homogeneización étnica sobre los territorios delimitados por fronteras políticas. En este ámbito hemos de ver el origen de problemas como el actual de Ucrania, donde la convivencia de rusos y ucranianos se hace imposible por las presiones externas del poder geopolítico.

La invasión de este Estado de Europa oriental por una superpotencia, como es Rusia, nos permite plantear la necesidad de abordar contenidos didácticos que surgen de las noticias en los medios de comunicación, pero que al alumnado no les suele preocupar ni motivar, si no se relacionan con sus discursos narrativos personales. Para ello es preciso comprender las sensaciones y emociones que producen las imágenes y palabras de los conflictos bélicos en el alumnado, creando así un conflicto entre sus sentimientos y racionalidad. Y ante ello generar una secuencia de actividades didácticas.

La guerra de Ucrania nos remite a los objetivos y metodología de la educación geográfica. Si en el siglo XIX esta disciplina colabora en la legitimidad de los estados nacionales, con las guerras mundiales busca la comprensión internacional y la paz entre los pueblos, como se aprecia en las diferentes Cartas Internacionales de Educación Geográfica. Una defensa de la soberanía de los estados que busca la convivencia intercultural y el desarrollo sostenible, como se evidencia en las Cartas de 1992 y 2016.

La retransmisión por los medios de comunicación de masas de esta guerra supone que un territorio lejano se transforma en un espacio de conflicto cercano para los niños y adolescentes que ocupan las aulas de la educación escolar. Y por eso debemos actuar. Más allá de los edificios de los centros escolares existen movimientos sociales y organizaciones no gubernamentales que se han movilizado para ayudar a las víctimas de una guerra de intereses imperialistas. Seres humanos que padecen frío, mutilaciones, hambre, desplazamientos forzados… víctimas de un juego geopolítico que se decide con amenazas de guerras nucleares e invasión de territorios.

Ante estos sucesos es preciso actuar explicando cómo se producen estos fenómenos. Y ayudando a comprender desde la empatía social a personas que tienen que huir de sus hogares por las decisiones del poder político y militar. El desafío didáctico es mostrar cómo esas noticias impugnan las garantías de los derechos humanos y las reglas internacionales, pero también que son parte de una situación más compleja y que sí les afecta en su vida cotidiana: las normativas sobre restricción de libertades, las guerras que provocan muerte y desplazamientos de personas o la economía que es afectada. Para motivar es preciso saber qué le preocupa al alumnado, pero al mismo tiempo, dominar los conceptos que se van a utilizar para explicar las situaciones analizadas. Y en este sentido, la Geografía nos ayuda con su análisis territorial desde el poder político y económico.   

En un reciente número monográfico de la revista Iber, didáctica de la geografía e historia, (https://www.grao.com/es/producto/revista-iber-105-octubre-21-globalizacion-y-geopolitica-ib105)  hemos colaborado en la difusión de estas teorías y, al mismo tiempo, presentamos experiencias didácticas de cómo es posible abordar estos asuntos en las aulas escolares. Mostramos cómo es posible combinar la actualidad de las noticias con la reflexión académica de la geografía, en la cual trabajos como los de Lacoste (1977) o Sanguin (1981) tienen una relevancia para poder abordar asuntos presentes.

Desde el Geoforo Iberoamericano de Educación queremos abrir este Foro 29 para promover el debate sobre la geopolítica mundial y su aplicación en las diferentes escalas de la cotidianidad. Esperamos que ello pueda repercutir en un mejor aprendizaje crítico de las personas que son el presente y futuro de esta humanidad.

 REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Comissão da Educação Geográfica/União Geográfica Internacional (1992, 2016). Carta Internacional da Educação Geográfica. Washington e Pequim: União Geográfica Internacional.

Judt, Tony (2007). Postguerra. Una historia de Europa desde 1945, Madrid: Taurus, 2007.

Lacoste, Yves (1977). La Geografía: un arma para la guerra, Barcelona: Editorial Anagrama

Sanguin, André-Louis (1981). Geografía política, Barcelona: Oikos Tau

 

 

 

 

Geopolítica e conflitos de guerra na educação geográfica. O caso da Ucrânia.

A Geopolítica é definida como o ramo da Geografia que estuda as relações entre as atividades humanas e o território, do ponto de vista da sua organização e controle. Mantém uma relação interdisciplinar com outras disciplinas, especialmente com a História das Relações Internacionais, Ciência Política e Sociologia. A sua presença no sistema escolar aparece subtilmente nos estudos políticos territoriais da Geografia, em que esta cria uma imagem do mundo definida por fronteiras e pessoas identificadas com um ambiente único e irrepetível, que na sua concepção canónica é uma região geográfica. Os recursos ecológicos, terrestres, marinhos ou aéreos são vistos na perspectiva administrativa do Estado e dos seus poderes políticos.

Algo semelhante é a Geografia Política, entendida mais especificamente como o estudo das instituições políticas, tanto na forma como se organizam como nos processos que geram os sistemas de governo. Um conjunto de conceitos e factos que aparecem aos alunos como algo abstrato e fora do seu sentido prático de vida, uma vez que não estão relacionados com aspetos quotidianos, como o direito de reunião, a utilização de infraestruturas ou a criação de parques de jogos. O estudo dos estados é mais complexo do que quando surgiram os sistemas escolares. Processos supranacionais (União Européia, Mercosul...) e poderes infra-estatais (províncias, comunas, municípios) permitem-nos estudar a estrutura de poder com a ajuda de escalas geográficas. O papel do Estado afeta a vida quotidiana, regula o acesso a direitos básicos, como a saúde e o bem-estar da população; procura satisfazer as suas necessidades, garantir os serviços básicos, distribuir os recursos naturais e promover a coesão social.

Aos problemas da Geografia Política, usando o caso específico dos movimentos antidemocráticos no Brasil, dedicámos o Fórum 23, Política, sociedade, educação e ciências sociais http://geoforoforo2.blogspot.com/2016/04/foro-23 -politics-society-education-y.html , iniciado por Jaeme Luiz Callai. Um fórum que alcançou quase trezentos comentários no final de 2021 e, sobretudo, facilitou a difusão do poder democrático na sociedade cidadã. Agora, queremos abordar a análise à escala planetária e com um enfoque geoestratégico.

Este Fórum está, assim, relacionado com o imperialismo, que afeta a ascensão das teorias geoestratégicas no final do século XIX e início do XX, especialmente com as contribuições de Friedrich Ratzel (1844-1904) e, posteriormente, com Mackinder (1861-1947). A teoria Heartland (de Mackinder) define um território chave (Eurásia central) que, se fosse dominado por um país, o tornaria a potência mais poderosa do mundo, uma teoria de 1921 que tem relevância cem anos depois. Nesse sentido, a aplicação de conceitos geopolíticos no século XX tem explicado os dois grandes confrontos mundiais, especialmente devido à teoria organicista do espaço vital dos nazistas. A globalização, no final do século passado e no presente, determina novos elementos geopolíticos e a sua explicação nos conflitos mundiais, como é o caso das guerras regionais e a ameaça de uma terceira guerra mundial, no caso da Ucrânia. E assim voltamos ao conceito central de Heartland.

As contribuições da História Europeia, especialmente de T. Judt (2007), permitem ver a fragilidade do mundo após 1945 na Europa, especialmente na parte oriental, que perde poder econômico e vê sua soberania estatal reduzida. As grandes deslocações dos períodos de guerra continuaram no Pós-guerra, tendo ocorrido uma homogeneização étnica nos territórios delimitados pelas fronteiras políticas. Nesta área, temos que ver a origem de problemas como o atual na Ucrânia, onde a coexistência de russos e ucranianos é impossibilitada por pressões externas do poder geopolítico.

A invasão deste Estado do Leste Europeu por uma superpotência, como a Rússia, permite-nos levantar a necessidade de abordar conteúdos educativos que surgem das notícias nos media, mas que os alunos não costumam preocupar ou motivar, caso não os relacionem com os seus discursos narrativos pessoais. Para isso, é necessário compreender as sensações e emoções produzidas pelas imagens e palavras dos conflitos de guerra nos alunos, criando, assim, um conflito entre seus sentimentos e a racionalidade. E, antes o mesmo, gerar uma sequência de atividades didáticas.

A guerra na Ucrânia remete-nos para os objetivos e metodologia da educação geográfica. Se no século XIX essa disciplina colaborou na legitimação dos Estados nacionais, com as guerras mundiais buscou a compreensão internacional e a paz entre os povos, como se pode constatar nas diferentes Cartas Internacionais de Educação Geográfica. Uma defesa da soberania dos Estados que procura a convivência intercultural e o desenvolvimento sustentável, conforme evidenciado nas Cartas de 1992 e 2016.

A retransmissão pelos meios de comunicação social da guerra supõe que um território distante se transforme em um espaço de conflito próximo para as crianças e adolescentes que ocupam as salas de aula da educação escolar. E é por isso que devemos agir. Além dos prédios escolares, há movimentos sociais e organizações não governamentais que se mobilizaram para ajudar as vítimas de uma guerra de interesses imperialistas. Seres humanos que sofrem com frio, mutilações, fome, deslocações forçadas… vítimas de um jogo geopolítico que se decide com ameaças de guerras nucleares e invasão de territórios.

Diante desses eventos, é necessário agir explicando como estes fenômenos ocorrem. E ajudando a entender, a partir da empatia social, pessoas que têm que fugir de suas casas por decisões do poder político e militar. O desafio educacional é mostrar como esta notícia contesta as garantias dos direitos humanos e as regras internacionais, mas também que elas fazem parte de uma situação mais complexa e que as afeta no seu quotidiano: a restrição de liberdades, as guerras que causam morte, a deslocação de pessoas ou a economia afetada. Para motivar, é necessário saber com o que os alunos se preocupam mas, ao mesmo tempo, dominar os conceitos que vão ser usados ​​para explicar as situações analisadas. E, nesse sentido, a Geografia auxilia-nos com a sua análise territorial a partir do poder político e econômico.

Num recente número monográfico da revista Iber, didática da geografia e história, (https://www.grao.com/es/producto/revista-iber-105-octubre-21-globalizacion-y-geopolitica-ib105) colaboramos na divulgação dessas teorias e, ao mesmo tempo, apresentamos experiências educativas sobre como é possível abordar essas questões nas salas de aula das escolas. Mostramos como é possível combinar notícias atuais com a reflexão académica sobre geografia, em que obras como as de Lacoste (1977) ou Sanguin (1981) são relevantes para abordar questões atuais.

A partir do Geoforo da Educação Ibero-americana, queremos abrir este Fórum 29 para promover o debate sobre a geopolítica mundial e sua aplicação nas diferentes escalas da vida cotidiana. Esperamos que isso possa contribuir para uma melhor aprendizagem crítica das pessoas que são o presente e o futuro desta humanidade.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Comissão da Educação Geográfica/União Geográfica Internacional (1992, 2016). Carta Internacional da Educação Geográfica. Washington e Pequim: União Geográfica Internacional.

Judt, Tony (2007). Postguerra. Una historia de Europa desde 1945, Madrid: Taurus, 2007.

Lacoste, Yves (1977). La Geografía: un arma para la guerra, Barcelona: Editorial Anagrama

Sanguin, André-Louis (1981). Geografía política, Barcelona: Oikos Tau

64 comentarios:

  1. Os acompaño algunos documentos que se han utilizado en conversaciones de grupo. Sirven para organizar las ideas:
    Chomsky y Harvey
    Chomsky
    https://ctxt.es/es/20220301/Politica/38974/Noam-Chomsky-guerra-Ucrania-Rusia-Putin-EEUU-OTAN-geopolitica-Polychroniou.htm
    Un buen artículo de David Harvey para empezar a hacer cabeza
    https://ctxt.es/es/20220301/Firmas/38957/david-harvey-ucrania-rusia-putin-otan-guerra-eeuu.htm
    Le Monde Diplotamatique
    https://mondiplo.com/ataque-ruso-a-ucrania


    Artículo de Araceli Mangas
    https://www.iustel.com/diario_del_derecho/noticia.asp?ref_iustel=1218963#.Yh0PU5uhHAw.whatsapp

    Mayor Zaragoza:
    https://www.other-news.info/noticias/guerra-en-ucrania-diplomacia-con-veto/

    ResponderEliminar
  2. Saludos a todos los visitantes al Geoforo.
    Si la geopolítica es el arte de gobernar incluyendo la dimensión territorial en las políticas, cuestión poco actuada en países como la Argentina que en general no lo hace; la geografía política es una disciplina vinculada a la geografía como una de sus ramas integradas más relevantes.

    Quisiera adjuntar para relacionar este Foro con el tema de la educación geográfica, la invasión de Rusia a Ucrania, un trabajo realizado por el profesor Lic. Sergio Páez de Posadas, Misiones, Argentina con alumnos de nivel secundario en base a un cuento territorial de mi autoría.
    El trabajo se difundió por las redes con gran apetencia de muchos profesores que preguntaron sobre cómo aplicar la experiencia que se difundió en toda la Argentina. Por ello adjunto este link para su conocimiento y posible réplica.

    https://www.facebook.com/diana.a.duran/posts/10228482552553778

    Aquí el link al cuento "Ucrania. La decisión de Kalina" https://cuentosterritoriales.blogspot.com/2022/03/ucrania-la-decision-de-kalina.html

    Saludos,

    ResponderEliminar
  3. Desde que comenzó el ataque ruso al pueblo de Ucrania me he preguntado por el papel que desempeñaría China en este conflicto. Desde hace unas décadas se ha hablado de China como un agente silencioso en la geopolítica mundial. Un ejemplo es la "colonización" desarrollada en buena parte del continente africano, donde cuenta con gobiernos aliados que han alentado su crecimiento económico. En las últimas horas se ha hecho patente que en una guerra abierta no se puede ser neutro. De hecho, ni Suiza lo ha sido pese a su histórico papel de país ausente en estos conflictos. Ahora Estados Unidos teme que el gobierno Chino ayude al ruso en esta guerra. Las consecuencias de esa posible ayuda trascienden el marco de la propia guerra. No podemos negar la importancia de que esa ayuda económica alargue más tiempo la guerra y la intensifique, pues eso traería consecuencias devastadoras para todo el planeta. A largo plazo, la alineación manifiesta de China con Rusia podría modificar las características de la geopolítica mundial, cuestionándose el mismo sistema político globalizado. Eso nos llevaría a un debate más profundo en este o en otros foros. De momento, esperemos que el gobierno de China se sume a las medidas de aislamiento sugeridas por los Estados Unidos y Europa. Ante este conflicto, la didáctica de la geografía debe ofrecer un marco crítico de explicación para seguir educando en una ciudadanía responsable y comprometida con los valores democráticos.
    Diego García Monteagudo
    Profesor del Departamento de Didáctica de las Ciencias Experimentales y Sociales. Universitat de València.

    ResponderEliminar
  4. Este comentario ha sido eliminado por el autor.

    ResponderEliminar
  5. Parte 2. Para Ricardo Méndez Gutiérrez del Valle, profesor de la Universidad Complutense de Madrid, en la geopolítica actual entran varios factores, a partir de la última década del siglo XX: en primer lugar la disolución de límites que han implicado a personas, información, tecnología y bienes que ha resultado en la globalización. En segundo lugar, la desintegración de la antigua URSS que provoca la difusión del capitalismo y las democracias parlamentarias y en tercer lugar, el liderazgo de Estados Unidos como la gran potencia después de la caída del muro de Berlín.
    Otro tema que se puede tratar en clase y tiene mucho que ver con la guerra de Ucrania es el pulso por el control de la energía, y como la dependencia de energías no renovables ha debilitado la fortaleza de las democracias. En los estudios de geopolítica, que se ocupa de estudiar las relaciones de poder, podemos ver ejemplificado en los estados que Joseph Nye llama hard power que son potencias militares, económicas y tecnológicas, en contra de los estados soft power, considerados las democracias parlamentarias en las que las instituciones y la cultura tienen mayor peso.

    En mi experiencia, las preguntas más repetidas por los estudiantes han sido:
    ¿Rusia pretende recuperar la antigua URSS?
    ¿Habrá una tercera guerra mundial?
    ¿Nos puede afectar la guerra de Ucrania?
    ¿España entraría en una hipotética tercera guerra mundial?
    ¿Se puede librar una contienda económica que venza a la guerra armamentística que ha iniciado Rusia con la invasión a Ucrania?

    Para concluir, desde el punto de vista de la didáctica de la Geografía, el interés que ha manifestado el alumnado se tiene que aprovechar con el objetivo de construir conocimiento escolar, en forma de contenidos disciplinares, y también actitudinales, consiguiendo fomentar el espíritu crítico, la empatía y la protección de los valores democráticos de convivencia entre países.

    Bibliografía:
    Méndez Gutiérrez del Valle, Ricardo. (2021). Problemas globales y su interpretación geopolítica. Íber Didáctica de las Ciencias Sociales, Geografía e Historia, número 105, 10-19.
    Pineda-Alfonso, José Antonio. (2021). Los conflictos internacionales en el aula de secundaria. Una propuesta didáctica. Íber Didáctica de las Ciencias Sociales, Geografía e Historia, número 105, 41-47.

    ResponderEliminar
  6. Parte 1. Buenas tardes, mi nombre es Ada Talens, y soy estudiante del MAES en la Universitat de València. He estado realizando prácticas en un centro público desde enero hasta hace una semana, y he podido observar el creciente interés del alumnado por la guerra de Ucrania. La primera intervención que realizó un alumno de segundo de ESO sobre el tema fue a finales de enero y en ese caso, mi mentor explicó la naturaleza política e histórica del conflicto entre los dos países sin entrar a comentar la situación estratégica de Ucrania ni los intereses por el control del territorio. Me llamó la atención y pensé que fue una buena oportunidad de aprovechar el interés de los estudiantes para captar su atención y compromiso con la asignatura.

    Por otra parte, según la escalada de tensión incrementaba, también lo hacían las intervenciones de alumnos, y en las dos primeras semanas de invasión, era un tema habitual en los pasillos y cambios de clase de los cursos de ESO. Los alumnos se mostraban interesados, participativos y ellos mismos iniciaban el debate en clase. Por esto mismo, se puede tratar dentro de clase como un problema social relevante entre el alumnado, en este caso de carácter global y geopolítico. Según José Antonio Pineda-Alfonso, “el tratamiento de problemas mundiales en forma de temas controvertidos puede ayudar a desarrollar habilidades de planificación, de investigación y de puesta a prueba de teorías y conclusiones, usando el pensamiento creativo y la imaginación”.

    Por el contrario, en la asignatura de Geografía de segundo de bachiller no se trató el tema, y opino que la madurez de los estudiantes hubiera hecho que fuera una sesión muy interesante y enriquecedora, además de que la geopolítica y la relación de España con la Unión Europea es un campo que entra dentro de los contenidos curriculares del curso. Pero de nuevo nos topamos con el problema en este curso de los contenidos que determinan los tiempos de cara a la EBAU.

    El conflicto político y posterior guerra debe de tener cabida dentro de la clase de Geografía, ya que es una gran oportunidad para poner en práctica conocimientos sobre geopolítica que en el plano teórico suelen resultar difíciles de entender al alumnado. Además, se tiene la facilidad de que es un tema muy mediático que provoca mucha preocupación, del que estamos obteniendo mucha información en los medios tradicionales de televisión y prensa escrita, así como en los nuevos formatos para informarse y redes sociales, como twitter, Tik Tok y Instagram.

    ResponderEliminar
  7. Me ha interesado el comentario de Ada Talens, en especial la diferencia que establece, siguiendo a J. Nye entre hard power (potencias militares, económicas y tecnológicas) y los estados soft power(considerados las democracias parlamentarias) en las que instituciones y la cultura tienen mayor peso.
    Me parece que esta diferenciación es muy útil para trabajar la organización geopolítica del mundo en relación con las ideas de ciudadanía y poder
    En la escala global predominan las relaciones de fuerza y control de los recursos. El territorio es visto como un escenario del que se pueden obtener productos. El espacio ciudadano queda relegado. No existe, pese a las proclamas de la identidad global.
    Por su parte, en las relaciones locales, el espacio ciudadano cobra mayor vigor, sobre todo en los sistemas democráticos formales. se puede participar en la construcción de un espacio público desde las percepciones e intereses subjetivos, aunque no se cumplan todas las expectativas personales.
    La cuestión clave es plantear cómo se puede pasar de un espacio local ciudadano a otro global. En principio creo que será un tiempo largo, una espera a que se puedan construir relaciones entre pueblos y culturas.
    Por eso es tan importante disponer de plataformas como esta, del Geoforo, y buscar los lazos interculturales con otrosm pueblos y personas
    Un saludo,

    ResponderEliminar
  8. GEOGRAFIAS CAPITALISTAS DA GUERRA
    Como ontem, hoje também os poderes oligarcas capitalistas do mundo regozijam-se com a guerra. Ela é a condição primária e extrema de "destruição criativa" dos territórios e paisagens ao serviço do capitalismo. Qual "capitalismo de desastre"...
    A máquina da guerra não alimenta só o escoamento dos produtos da indústria do armamento, logo produção, circulação e distribuição capitalista. Ela vive da destruição dos corpos - território e do absoluto imperativo capitalista da reestruturação daqueles para gerar uma nova geografia favorável à expansão e aprofundamento do seu modo de produção.
    Como David Harvey demonstra há décadas com o conceito de "ajuste espacial" do Capital: Para sobreviver e multiplicar-se às suas crises, o Capital tem que construir um espaço fixo (produzir “paisagem”) necessário para seu próprio funcionamento em um certo ponto de sua história, apenas para destruir esse espaço (destruição criativa e desvalorizar grande parte do capital investido) a fim de dar lugar a uma nova “fixação espacial” (abertura para novas frentes de acumulação em novos espaços e territórios) em um ponto posterior de sua evolução. O capital está sempre representado na forma de uma paisagem física e de uma determinada organização do espaço que, embora criada como valor de uso e condição de garantia de acumulação e reprodução, coroa o desenvolvimento expansível do capital na forma de capital fixo e imobilizado, mas inibe a expansão adicional futura da acumulação, funcionando, simultaneamente, como barreira espacial. A história do desenvolvimento capitalista, sobretudo na sua geografia, demonstra como este precisa de superar constantemente o delicado equilíbrio entre preservar o valor dos investimentos passados de capital fixo na produção de ambiente construído e destruir esses investimentos para abrir espaço novo para a acumulação, abrindo ou articulando novas escalas. Persiste a contradição entre o capital fixo necessário à absorção de excedentes pela produção de espaço urbano, e o capital móvel em constante rotatividade, movimento e circulação. E se é verdade que toda a forma de mobilidade geográfica do capital requer infraestruturas espaciais fixas e seguras para funcionar efectivamente, tal não põe em causa todo o tipo de tensões e contradições inerentes ao processo de circulação de capital produzidas pela capacidade diferencial de diferentes tipos de destruição criativa de ambiente construído responderem ao desafio da constante mobilidade geográfica do capital e da sua reprodução.
    Ele circula de reconstrução em reconstrução: Japão, Iraque, Afeganistão, Síria...num movimento cíclico nos/dos/entre espaços do mundo que, quanto mais acelerado, mais extração de mais-valia gera. Estas são as geografias capitalistas da guerra.
    Luís Mendes
    Geógrafo, CEG/IGOT-UL

    ResponderEliminar
  9. Bon dia,

    Enguany, durant els meus estudis de master d'educació secundària, he tingut la possibilitat de realitzar una estada de pràctiques a un centre educatiu des de gener a març, on he pogut observar el desenvolupament del conflicte a Ucraïna, i junt a aquest, l'augment de la preocupació de l'alumnat. Açò ha supossat que en molts casos el claustre ha hagut d'abandonar el temari programat per tractar este tema. Personalment ho trobe molt enriquidor. Crec que és menester saber reflectir com allò que s'ensenya dintre de l'aula té un reflexe fora d'ella.
    Una cosa semblant seria per exemple el cas del volcà de la Palma. Al master he hagut de realitzar un Informe en el qual vaig analitzar com l'educació va haver d'adaptar-se a la situació del volcà ja no només en l'illa sino a la resta d'aules que no comprenien què ocorria. Cal tenir present sempre que molts cops el professorat explica conceptes que poden semblar abstractes o llunyans i dificils d'empatitzar, pel que viure de primera mà les conseqüències siga del volcà o d'una guerra en Europa cal veure'l com una malaurada oportunitat per poder il·lustrar d'una manera més clara i propera aquests conceptes.
    A arrel de l'erupció del volcà va haver tota una movilització didàctica on diversos professionals de la docència adaptaren la seua programació per fer unitats didàctiques centrades en ensenyar el seu temari mitjançant l'observació del desenvolupament de l'activitat volcànica a l'illa canària. Me sembla que no és només una oportunitat sinò que seria negligent per part del claustre ignorar i deixar de banda tot allò que passa al món i no portar-lo a l'aula, ja que no alimenta la curiositat de l'alumnat que tan difícil és de trobar cada vegada més.

    Guillem Vidal

    ResponderEliminar
  10. El acercamiento a este tipo de temas de carácter coyuntural, como el caso de la guerra Ucrania y Rusia es una oportunidad para desarrollar habilidades de pensamiento crítico, que permitan una mirada objetiva de la situación. Según Paul y Elder (2005), quienes justifican el desarrollo de estas habilidades en nuestro tiempo, debido precisamente a los cambios acelerados, el aumento de las complejidades, la intensificación de la interdependencia, las grandes redes y fuentes de información estas últimas que generalmente sirven a determinados grupos e intereses. En este caso donde se involucran intereses geopolíticos, que reviven las relaciones bipolares de tensión que se dieron durante la guerra fría, es muy útil y necesario acudir a este tipo de estrategias en el aula.
    Teniendo en cuenta los preceptos del pensamiento crítico se puede iniciar identificando las percepciones, conocimientos e interese que pueden tener los estudiantes con relación a estos hechos, mediante, el sondeo sobre la información que poseen al respecto, las fuentes consultadas, las preocupaciones e inquietudes que poseen, entre otros.
    Posteriormente se les puede invitar a consultar diferentes fuentes, preferiblemente que presenten información controversial, de diversos tipos de textos (expositivos, argumentativos, descriptivos). Con la información recogida se les puede solicitar que la clasifiquen, la analicen, hagan inferencias al respecto, que contrasten los datos recogidos y finalmente que puedan describir sus propias conclusiones. También se les puede pedir que propongan posibles soluciones o posibles decisiones que tomarían si fueran habitante de Ucrania. también identificar el impacto que pueden ocasionar estas circunstancias en nuestro país. Lo ideal es que los estudiantes logren determinar que no estamos ajenos a vivir este tipo de situaciones, a desarrollar sensibilidad por el dolor ajeno.

    Paul, R., & Elder, L. (2005). Estándares de competencia para el pensamiento. crítico. Estándares, Principios, Desempeño, Indicadores y Resultados. Con una Rubrica maestra en el pensamiento crítico. Recuperado el, 20(3), 2015.

    Yenidce Castillo Barrera
    Facultad de Educación
    Estudiante de Doctorado en Educación
    Universidad Santo Tomás
    Bogotá, Colombia

    ResponderEliminar
  11. Achei incrível essa perspectiva! Tratamos da guerra, mas sem contextualiza-la. Comentamos sobre o acontecimento, mas sem inferir um sentido dentro da sala de aula.
    Por estar nas maiores mídias digitais, cria-se a ideia de que: tudo encaixa, posso trazer ao meu aluno o assunto, pois está "todo mundo falando", ou seja, está presente em seu cotidiano pelas redes sociais e falácias das mais diversas pessoas.

    Então... por que não problematizar? Tratar em disciplinas variadas e em diferentes perspectivas?
    A história vêm para contar e narrar os acontecimentos, a geografia para nos mostrar onde isso acontece, a sociologia para tratar da nossa sociedade, a filosofia dos filósofos, a física e a matemática dos estragos calculados e a língua portuguesa como uma produção dos ensinamentos adquiridos.
    Tudo está interligado. Ao se trabalhar a interdisciplinaridade, também ajudamos uns aos outros no enriquecimento dos argumentos de nossos alunos. Promovendo a criticidade, o senso científico, a curiosidade e a aquisição de dos mais variados conhecimentos.

    Isabela Araújo dos Santos, graduanda em pedagogia da faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP - USP)

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Oi, Isabela!
      Em primeiro lugar, só o fato de levar temas como esse (de guerra) para a sala de aula já é um posicionamento político do(a) professor(a), bem como trabalhá-los de modo interdisciplinar é importante deixar tudo isso explícito no Projeto Político Pedagógico da escola.
      Entretanto, considerando seu comentário, quero chamar-lhe a atenção para refletir sobre o papel da Geografia em qualquer estudo, que não é apenas o de localizar o fato em um mapa. Vai muito além disso!
      Todo o texto que introduz as discussões desse fórum diz respeito à Geografia. Portanto, com ele nota-se a complexidade da ciência geográfica!
      Neste texto há uma diferenciação entre Geopolítica e Geografia Política. Para você, que está se graduando para trabalhar com crianças menores pode até achar que não precisará disso, já que no Brasil há uma cultura em que se supervaloriza os estudos em Língua Portuguesa e Matemática e trata as outras áreas como apêndices dessas duas. Mas, quando você trabalha textos como Direitos das Crianças e o ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente), você está trabalhando Geografia Política também, não apenas interpretação de texto.
      Daí a importância da interdisciplinaridade, que às vezes é tão difícil de percebe-la devido ao
      histórico que temos de uma Educação com divisões dos componentes curriculares de modo cartesiano. É preciso pensar a ciência de modo integrado!
      Abraços!
      Sonara Souza
      Doutoranda do PPGEDU-FFCLRP-USP-Ribeirão Preto.

      Eliminar
  12. A geopolítica da Guerra é um tema muito profícuo para o ensino de Geografia e tem lugar de destaque no currículo do Estado de São Paulo, Brasil, no 9o Ano do Ensino Fundamental (14 anos), ao se discutir o território.
    Um dos aspectos mais destacados para o ensino do Território como categoria geográfica é a possibilidade de relaciona-la com as relações de poder e, na acepção de Geografia Clássica, relações de poder entre os Estados Nacionais.
    O atual conflito na Ucrânia é revelador das relações de poder entre os dois Estados Nacionais (Rússia e Ucrânia), além de possibilitar a discussão sobre os interesses ocultos ou difusos deste conflito. Para além dos interesses econômicos nos recursos minerais do território ucraniano a dimensão da dominação política e cultural ocorrida ao longo da história nos 3 últimos séculos naquela região.
    Os professores de Geografia seja na educação básica ou mesmo nos cursos de formação na Universidade devem destacar essas múltiplas dimensões do conflito.

    Saudações a todos,

    Silvia Fernandes
    Unesp/Marília-SP

    ResponderEliminar
  13. Ótima discussão e verdadeiramente pertinente para a formação de professores. Como aluna vindo de um ensino básico cuja forma de educar era muitas das vezes abstrata, percebo o quanto a compreensão de fatos e do próprio cotidiano se torna distorcida. Quando a guerra entre Rússia e Ucrânia se iniciou, me lembro de perguntar "qual a motivação da invasão russa?"

    Nesse sentido, essa discussão nos ajuda a refletir na posição que teremos como professores diante de nossos alunos, de modo a fazê-los compreender cada área do conhecimento como um todo do homem, que não existe na abstração, mas sim na concretude.

    Julia Garcia Chrispolim - Tradutora pela UNESP de São José do Rio Preto e graduanda em Pedagogia da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP - USP)

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Oi, Julia!
      Concordo com você! E o fato de professores deixarem temas tão relevantes fora das discussões em seu cotidiano de ensino pode prejudicar a formação crítica dos alunos que acabam reproduzindo falas que, no Brasil, surgiram no período de censura: "Política, religião e futebol não se discutem", o que é uma falácia!
      Tudo pode ser discutido, argumentado e levar a um posicionamento dos indivíduos.
      Achei interessante essa sua perspectiva de colocar que é preciso colocar a reflexão em cada área do conhecimento afim de que a Educação forme o sujeito como um todo.
      Abraços!
      Sonara Souza
      Doutoranda do PPGEDU-FFCLRP-USP-Ribeirão Preto.

      Eliminar
  14. Otávio Y. USP-RP

    Como foi dito anteriormente por nossos companheiros, chama muito a atenção da classe estudantil acerca da iminência incerta de uma terceira guerra mundial, ainda mais que remota a possibilidade. Por se tratar de uma área mais subjetiva das ciências sociais, acredito que a formação teórica sobre os conceitos e fatos que permeiam a geografia política não satisfaçam os anseios dos nossos alunos.
    Na escola que trabalho surgiram muito mais questões do que esclarecimentos, e num clima de medo e confronto nuclear iminente surge um certo "pânico informacional". Isso ainda sem desprender um pontapé inicial das crianças com as consequências desse conflito. A necessidade latente que esses jovens estão sentido de entender é inclusive aquém a nós, educadores e futuros educadores, pois nós mesmos estamos sendo influenciados pelas diversas bombas midiáticas.
    Acredito que cabe a nós nesse momento explicitar o uso crítico das tecnologias de informação e comunicação e orientar sobre o uso das plataformas sociais como fonte de informação, saber conversar sobre o que os conflitos reagem no nosso dia-a-dia (como a alta de preços e o fluxo de refugiados, por exemplo). Tudo isso sem alencar que não existem culpados ou heróis, questionar o sensacionalismo em frente a um conflito que merece muito mais discernimento. Não podemos esquecer da questão palestina, por exemplo, e diversos outros conflitos que há anos vem se estendendo e nunca tiveram tanta relevância pelas mídias e população.
    Além do mais, a construção dos estados nacionais e da analise territorial alavanca uma construção mais enraizada na realidade, uma vez que o entendimento desses conflitos arrasta a construção de diversos conhecimentos que caminham juntos, e agora vemos, infelizmente, um exemplo vivo e real sobre o desenvolvimento do poder e da politica geográfica.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Oi, Otávio!
      Acredito que você tocou em dois pontos fundamentais: 1) Para que o professor fale de qualquer assunto em sala de aula, é preciso ter conhecimento sobre ele; 2) É preciso ter cautela quando se trata de assuntos que estão sendo intensamente divulgados pela mídia e formando opiniões.
      Penso que é essencial trazer sempre uma contraposição e colocar opiniões divergentes em debates em sala de aula para fortalecer a habilidade de argumentação dos estudantes.
      Como você vê a questão do medo perante a possibilidade de uma "3ª Guerra Mundial" agora, 2 meses após a sua postagem?
      Abraços!
      Sonara Souza
      Doutoranda do PPGEDU-FFCLRP-USP-Ribeirão Preto.

      Eliminar
  15. Precy Anne Gabriel Ferreira - Graduanda em Pedagogia da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP - USP

    Continuando a discussão sobre a guerra e seus aspectos, tenho observado o quanto estamos menos alarmados com as notícias, embora as notícias do conflito tenham alagado as nossas plataformas digitais, é impressionante o quanto diminuímos as discussão sobre o que esta acontecendo lá. A impressão é que ficamos de certa forma aliviados pois não aconteceu nada por aqui. Esse também é um ponto que julgo ser importante em estender no ensino e propor discussões que gerem pensamento reflexivo acerca na nossa humanidade e como nos organizamos socialmente.
    A falta de contextualização torna o ensino sobre o conflito supérfluo e desumano, como se a guerra um dia magicamente de dissolvesse, resolvendo -se por si e nós passivamente esperássemos a paz. Acreditando dessa maneira que a questão não nos atinge de nenhuma forma. Concluo que ao levarmos algum assunto para a sala de aula apenas pelo fato de que o algoritmo está lotando nosso feed nos coloca numa engrenagem não reflexiva e é um ponto importante a ser debatido com os alunos. O professor Doutor Manoel Oriosvaldo de Moura afirma que "A idealização do que é ser professor, nos molda em comportamento e ética. O que vai diferenciar um professor do outro, dimensão da maior relevância , é termos também presente que ensinar alguma coisa é ter a dimensão histórica do seu desenvolvimento porque o conceito que está sendo ensinado, carrega toda a história humana que o produziu.
    Assim podemos concluir que aquilo que também produzimos fora de sala, nossas histórias pessoais, como debatemos esses assuntos longe dos alunos e como nos relacionamos como o mundo reflete diretamente na maneira que iremos refletir certos conceitos dentro da sala de aula.



    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Oi, Precy Anne!
      Com suas colocações ressalta-se a importância do ensino da Geografia, principalmente da Geografia Política, quando se quer formar um cidadão crítico em relação às formas de organização de sua própria sociedade. Desde muito pequenos podem pensar criticamente ou apenas reproduzir falas sobre como fazer "arminha" com as mãos "é ser bom presidente", mesmo que quem defenda essa ideia esteja passando fome. É importante esse papel do professor, de desvelar com o poder da argumentação.
      Um abraço!
      Sonara Souza
      Doutoranda da PPGEDU-FFCLRP-USP-Ribeirão Preto.

      Eliminar
  16. Lucas S. O. - Graduando em Pedagogia na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP) da Universidade de São Paulo (USP) - BRASIL.

    Acredito que a discussão sobre geopolítica nas escolas deve ser aprofundada e melhorada. Quando trabalhada com os estudantes sobre a organização dos países, das cidades e dos bairros envolvemos diversas discussões políticas, culturais e econômicas. Inseri-los no contexto permitimos uma melhor compreensão da sociedade, que é dividida.
    Na guerra da Ucrânia, a disputa imperialista Russa e Estadunidense pelo território influencia diretamente os cidadãos tanto da Ucrânia como dos países imperialistas. A primeira e segunda guerra mundial foram conflitos por território, econômicos e culturais. Não envolvia a necessidade dos cidadãos mas sim de um regime de exploração.
    É difícil fazer a discussão sobre paz entre os povos sendo que quem comanda são as classes dominantes e a população está menos informada sobre a situação e afastada das decisões. Aprofundar o ensino sobre geopolíticas nas escolas e inserir a população na tomada de decisões é um primeiro, e pequeno, passo para evitar as guerras imperialistas que buscam a dominação.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Oi, Lucas!
      Você percebe, então, que não é tão difícil fazer a discussão sobre a paz entre os povos? O difícil e que a paz seja permanente em sociedades que buscam por poder.
      O papel fundamental da escola é colocar a discussão e faz parte da utopia dos docentes acreditar na paz.
      A Educação se alimenta disso, do acreditar em seu papel transformador.
      Um abraço!
      Sonara Souza
      Doutoranda do PPGEDU-FFCLRP-USP-Ribeirão Preto.

      Eliminar
  17. Buenas tardes, mi nombre es Lídia Escrivà Sala y soy alumna del Máster de Profesor/a de Educación Secundaria de la Universidad de Valencia, especialidad de Geografía e Historia. He realizado las prácticas en un centro público de una localidad de la Comunidad Valenciana y he podido comprobar que, si bien para la gente adulta, el tema de la guerra de Ucrania despierta un gran interés, este se puede comprobar también en los y las adolescentes. En mi caso, fue alumnado de entre 15 y 19 años, pero hablando con otros docentes me han comunicado que el creciente interés se daba en todos los cursos.
    Así, mi aportación va respecto a cómo tratarlo. Si bien en muchos casos he visto que el docente intentaba esquivar el tema porque lo consideraba una pérdida de tiempo porque veía que las preguntas que hacían los alumnos eran solo para no dar clase (que en algunos casos era así) o porque no controlaba sobre el tema, pienso que se puede aprovechar como una lección en el aula en muchos aspectos.
    En una de las asignaturas en las que pude estar, el profesor le planteó a la clase la realización de una actividad que consistía en planear cómo sería el viaje a Polonia para ofrecer ayuda humanitaria. Así, se informaron de las experiencias de la gente que estaba yendo desde España para ayudar y elaboraron una especie de guía. De esta forma no sólo trataron el tema de la guerra, sino también geografía porque tenían que planear un viaje a partir de mapas teniendo en cuenta muchos aspectos como accidentes geográficos, fronteras, carreteras… También trataban cuestiones de valores éticos como el voluntariado y los refugiados de guerra.
    Así, como conclusión, mi opinión es que el tema de la guerra en Ucrania se debe enseñar al alumnado desde una perspectiva adecuada para su edad y que les sirva para aprender de forma multidisciplinar. Este planteamiento, además, se puede aplicar a otros lugares con conflictos como Palestina, Yemen o el Sáhara.

    ResponderEliminar
  18. Hola, mi nombre es Gonzalo García Villarrubia y soy estudiante del Máster de Profesorado de Educación Secundaria en la Universidad de Valencia.

    Al igual que han comentado otros compañeros, durante el período de prácticas, la Guerra de Ucrania suscitó gran interés tanto en el alumnado como en el profesorado. En mi caso, el desencadenante fue la presencia de dos estudiantes ucranianos en 2º de la ESO provenientes de la anterior oleada de inmigración iniciada tras el estallido del conflicto en el año 2014. Mi mentor aprovechó la oportunidad y profundizó en el tema haciendo un repaso de la historia compartida entre ambos países.

    De la misma forma, considero que existen también enormes posibilidades didácticas asociadas al campo de la Geografía, tales como: el impacto de la Guerra en la subida del IPC atendiendo a temas como la escasez de alimentos esenciales como el aceite de girasol o el impacto en la subida de la luz; el proceso de adhesión de un país a la UE y todo lo que ello conlleva en materia de reformas política, económicas o sociales; beneficios y perjuicios de la energía nuclear en un momento en el que Chernobyl o Zaporiyia son amenazadas por tropas rusas; posibles soluciones a la dependencia energética europea hacia Rusia y sus consecuencias en la geopolítica mundial...

    En una didáctica comprometida con los problemas socialmente relevantes resulta indispensable abordar este tipo de acontecimientos para mejorar la implicación del alumnado, así como el aprendizaje y la comprensión integral de este mundo tan global e interconectado en el que vivimos.

    ResponderEliminar
  19. Miguel Silvestre Romero3 de mayo de 2022, 11:20

    Buenas tardes, mi nombre es Miguel Silvestre Romero, soy alumno del Máster de Profesorado de Educación Secundaria, especialidad Geografía e Historia, en la Universidad de Valencia.

    He realizado las prácticas de profesor de geografía e historia en un instituto público de una pequeña ciudad del interior de la provincia de Valencia; durante la experiencia como asistente de docente, he podido comprobar a flor de piel como, desde el inicio de la Guerra de Ucrania a finales de febrero, el alumnado de secundaria se interesaba por el tema, y no solo los estudiantes pertenecientes a los cursos más elevados, como 4º de ESO o Bachillerato, sino que también surgió curiosidad y el interés entre los alumnos de 2º de ESO. Por lo tanto, durante las primeras dos semanas del conflicto bélico entre Rusia y Ucrania, el alumnado de entre 14 y 18 años estuvo muy pendiente de la actualidad de la guerra. Pero, la información que recibía el alumnado sobre el desarrollo de este problema geopolítico del Este de Europa, provenía en general de fuentes poco fiables, la mayoría de los alumnos a los que se les preguntaba de donde habían extraído la información sobre las diferentes noticias que mencionaban en las aulas, relataban que esta provenía de redes sociales, como Twitter o Facebook. Por lo que eran frecuentes en el aula preguntas como:

    ¿Habrá una tercera guerra mundial?

    ¿Rusia va a invadir el resto de Europa?

    ¿Es verdad que Rusia quiere restablecer la URSS?

    ¿Por qué no asesinan a Putin para acabar con la guerra?

    Por lo tanto, ante la amenaza de las “fake news” que pudieran estar recibiendo los alumnos, el departamento del IES donde realice las prácticas, decidió dedicar unos 20 minutos de clase en todos los cursos interesados para exponer la realidad del conflicto, y responder todas las posibles preguntas que surgían en el alumnado. En concreto puedo hablar de como se trató el caso de 4º de ESO, porque fui el profesor encargado de explicar el porqué del conflicto, donde se estaba llevando a cabo y cuáles eran los principales intereses de la invasión rusa. Hay que dejar en claro, que para explicar brevemente esté problema bélico a nivel europeo, se requirió de recursos como mapas geopolíticos y noticias de actualidad, además de recordar las funciones de la ONU, la OTAN o el papel de la Unión Europea. Los estudiantes de 4º de ESO, en un principio favorables a la intervención bélica contra Rusia, comprendieron la gravedad de las guerras, y las consecuencias económicas que acarrean. Además, se les explicó que este conflicto no es una excepción en la actualidad, sino que en otros países como Afganistán, Irán o Irak se han vivido situaciones similares en los últimos años, pero por la lejana localización de estos países, los ciudadanos europeos no empatizamos con su situación.

    Un saludo,

    Miguel.

    ResponderEliminar
  20. Iker Vidal Vallés3 de mayo de 2022, 14:51

    Buenas tardes, mi nombre es Iker Vidal, soy alumno del Máster de Formación de Profesorado de Educación Secundaria en la especialidad de Geografía e Historia de la Universidad de València.
    Al igual que mis compañeros, he realizado las prácticas de profesor de Geografía e Historia en una localidad cercana a la ciudad de Valencia. Así pues, lo que me propongo reseñar en este apartado son las emociones e intereses que generó el estallido del conflicto entre el alumnado de 2º de Bachillerato.
    En líneas generales, la mayor parte de los estudiantes desconocía la naturaleza de los motivos de la guerra, pero algunos mostraban un verdadero nerviosismo frente a la posibilidad de que España se viese inmersa en el conflicto. El tutor del grupo intervino poniendo el foco en las ambiciones económicas y territoriales rusas, obviando la complejidad cultural y étnica que se reproducen bajo la cuestión ucraniana. Frente a este discurso, uno de los alumnos añadió en un tono visceral y belicista que los países miembros de la OTAN tenían la obligación de atacar a Rusia en respuesta a la invasión de Ucrania. En respuesta a sus comentarios, el tutor y yo nos vimos obligados a interrumpir el debate que se estaba desarrollando entre los alumnos con objeto de demostrarles que la mitificación de la guerra es completamente absurda a la par que peligrosa. En cambio, les invitamos a que pensaran en las posibles consecuencias materiales de este conflicto para su vida cotidiana. Añadiendo, además, que la empresa sobre Ucrania es una decisión que responde a patrones geopolíticos, y que hay que evitar caer en el simplismo de actuar de manera discriminatoria hacia el pueblo ruso. Una alumna se suma a nuestra disertación y añade que la situación ucraniana se remonta a varios años atrás y que por parte de los gobiernos de este país se ha producido una auténtica persecución hacia sus minorías. En este momento, un alumno toma la palabra y afirma que recuerda el atentado de un grupo de ultraderecha en la ciudad de Odesa en el 2014. El debate concluyó con una reflexión bastante interesante, se plateó el porqué de la repercusión de la guerra de Ucrania en nuestra sociedad y la indiferencia que mostramos hacia conflictos que escapan del marco europeo.
    En conclusión, este tema nos ofrece un buen escenario sobre el que trabajar el pensamiento geográfico, atendiendo a los problemas que percibe el alumnado y que interpreta como socialmente relevantes.

    Salud,

    Iker

    ResponderEliminar
  21. Cristian Rodriguez Sentandreu5 de mayo de 2022, 4:33

    Buenos días, como bien a descrito mi compañera Ada Talens, durante las semanas finales de mi período de prácticas en un centro de educación secundaria valenciano pude observar un creciente interés por todo tipo de cuestiones referentes al conflicto entre Ucrania y Rusia aunque, siendo fieles a la verdad, en la mayor parte de las ocasiones los comentarios se centraban intentar adivinar la psicología y los posibles planes de futuro de los personajes políticos que daban cara a la guerra.

    Si bien nuestro mentor desarrollo algunas explicaciones que contextualizaban históricamente el conflicto en las clases de 1º y 2º de ESO, a pesar de la insistencia de los alumnos se negó a hacer lo mismo en los cursos de bachiller aduciendo la falta de tiempo en relación a los contenidos que quedan por tratar. Sin embargo, por cuestiones que no vienen al caso, la última semana de mi período de prácticas el mentor no pudo impartir las sesiones y mi compañero de prácticas y yo decidimos hacernos responsables de ello. Dado que era la semana antes de la festividad de las Fallas y de las vacaciones que van asociadas a ésta, que nos encontrábamos en un centro educativo situado en la ciudad de Valencia y que pocos días antes había estallado la actual guerra entre Rusia y Ucrania, decidimos darles a escoger entre la posibilidad de seguir tratando en clase los contenidos o dedicar las sesiones a explicar los antecedentes del conflicto y la situación pasada y actual de ambos países. Los alumnos escogieron la segunda opción.

    Como profesores de ciencias sociales, nuestro objetivo para las sesiones fue que los alumnos entendieses de una manera correcta el concepto de geopolítica y como este se podía utilizar para entender de una manera más precisa las motivaciones de los estados en el desarrollo de sus relaciones internacionales. A modo de breve resumen se trataron los siguientes temas: el concepto de geopolítica en relación con los análisis que solemos ver en los principales medios de comunicación, muchas veces centrados en abordar este tipo de conflictos desde una visión maniquea, es decir, entre buenos y malos. Se consideró también oportuno tratar las consecuencias económicas (por ejemplo: recursos estratégicos y la distribución actual de las infraestructuras necesarias para su extracción) y demográficas (guerras y las migraciones forzosas que las acompañaron) derivadas del desmantelamiento de la URSS, así como, el potencial, en lo que se refiere a recursos estratégicos, que alberga la Federación Rusa actual. Se trataron cuestiones relativas al peso de EEUU en las relaciones internacionales como poder hegemónico durante gran parte de los últimos 30 años, pero, más importante, se hizo una explicación pormenorizada del cambio y la evolución acaecida en China desde 1978. En este punto, más allá de hablar de la explosión demográfica y económica experimentada por esta región, se habló también de los antecedentes históricos de la civilización china y como su forma de ver mundo condiciona su forma de actuar en la política internacional. Por último, en lo que se refiere a Ucrania, nos centramos en dar a conocer los recursos naturales propios de esta región mostrando especial atención en el Chernozen y, por otra parte, de los problemas que vienen derivados del proceso de privatización de las industrias estatales, tomando como ejemplo comparativo el desarrollo de este mismo proceso en la República Checa.

    Por lo que respecta a los resultados, es imperativo nombrar que la asistencia a estas sesiones por parte de los alumnos fue muy baja, en ambos grupos no vinieron ni la mitad de los alumnos. Dicho esto, es importante reseñar que en ambos hubo uno aumento de la asistencia en la 2ª sesión. Los alumnos se mostraron muy interesados en los conocimientos que se les estaban transmitiendo, participaron con preguntas frecuentes y en la parte final de la 2ª sesión se creó un debate en el aula sobre el concepto de libertad de expresión en torno a la prohibición por parte de los gobiernos occidentales de las emisiones de algunos canales de televisión rusos.

    ResponderEliminar
  22. Los comentarios de Iker y Cristian nos confirman que en estos momentos es necesario utilizar conceptos precisos para explicar las guerras del siglo XXI y, más en concreto, la de Ucrania. La geopolítica hace ver la complejidad de las situaciones de los países, con sus personas, en el tablero de intereses económicos y militares. Además, nos permite ver la limitación del concepto de soberanía democrática del pueblo, pues en los conflictos internacionales poco pueden decidir. Quizá lo que hay que trabajar más es cómo desarrollar una cultura de la paz para evitar conflictos y eso supone impugnar la realidad que nos muestran los medios de comunicación.
    Igualmente las opiniones anteriores nos muestran las diferencias entre comprender y explicar. Podemos explicar un conflicto, pero puede ser que no comprendamos los motivos personales y colectivos que dan lugar a una determinada movilización del ejército o de cualquier otra institución, por ejemplo económica. Hemos de saber incoporar las emociones y comprensiones subjetivas a los debates de educación, pero cuidando mucho de diferenciar estas características personales del ámbito de la explicación pública.

    ResponderEliminar
  23. Como seres humanos, nacemos libres y nos concebimos de tal manera, sin embargo, no podemos concebir este concepto de libertad, si no somos considerados como seres vivos que nos podemos desplazar por el planeta a entera libertad. En tal sentido, la libertad se encuentra limitada por la geopolítica, como uno de los aspectos que determina y condiciona las posibilidades que tenemos de movilizarnos y permanecer en un territorio.
    Por lo anterior, no solamente surgen interrogantes a nivel social o político, sino otros que se refieren a aquellos que puedan afectar el libre y completo desarrollo del ser humano, en tal sentido, en la medida que vamos formándonos como seres políticos y sociales, somos conscientes que no podemos movilizarnos tan libremente como consideramos en nuestra niñez y que dependemos de las normas que a nivel geopolítico existan.
    Frente al conflicto actual, son varias las consideraciones que se pueden hacer, expresamente si se tiene en cuenta el contexto histórico de tal conflicto. Sin embargo, tal y como lo expresa Morin (1999) en su libro "los siete saberes para la educación"; si no conocemos la historia estamos condenados a repetirla.
    Por lo anterior, es preciso reconocer el sentido humanista de la educación y procurar de tal manera que los niños y niñas no sufran los errores del pasado y brindarles la oportunidad de crear un nuevo futuro.

    Leidy Rocio Solano Beltran
    Facultad de Educación
    Estudiante de Doctorado en Educación
    Universidad Santo Tomas
    Bogotá Colombia

    ResponderEliminar
  24. Buenos días soy Àlex Soldevila y también tuve la oportunidad de impartir dos sesiones sobre el conflicto entre Ucrania y Rusia durante el periodo de prácticas de MAES. Durante la primera semana de la invasión de Ucrania se pudo ver el interés de parte del alumnado en el conflicto, también su percepción sobre las noticias y la información que recibían a través de la rrss y de la televisión.
    Mi compañero de prácticas Cristian Rodríguez elaboró un magnífico Power Point que completamos con algunas imágenes, mapas y gráficas que tenían como objetivo mostrar los orígenes del conflicto y enseñar al alumnado el contexto geopolítico de las regiones afectadas por la guerra.
    A pesar de ser una sesión optativa, la asistencia a la presentación fue notable y la participación de los alumnos fue clave para identificar las fuentes en las que solían informarse y ayudó a elaborar una segunda sesión para los alumnos de 2º de Bachiller humanístico. Esta segunda sesión se centró en el tratamiento de la información y generó un debate sobre la importancia de ampliar las fuentes y evitar la propaganda y las fake news. Fue sorprendente ver como gran parte del alumnado seguía algunos canales de YouTube de geopolítica y pudieron realizar aportaciones y formular preguntas muy interesantes. Destacó el interés por conocer si el conflicto podía deribar en una guerra nuclear y la incertidumbre e incluso miedo que mostraron los alumnos y alumnas generó una conversación centrada en la necesidad de resolver los conflictos a través del diálogo. Les resultaba sorprendente que en pleno siglo XXI se produjera un conflicto armado de esa dimensión en territorio Europeo. Aprovechamos la sesión para tratar estos temas desde un punto de vista neutral y prudente y cuyo único posicionamiento claro fue el rechazo a la resolución de conflictos a través de la guerra y la necesidad de fortalecer los lazos diplomáticos entre los estados.

    ResponderEliminar
  25. El término "geopolítica" fue designado por vez primera en 1899, por Rudolf Kjellén, politólogo y geógrafo sueco. Él entendía los Estados como grupos con características propias de los seres vivos, cumpliendo con sus mismas etapas: nacer, crecer, desarrollarse y morir.
    Después de las dos guerras mundiales, el concepto tomó mayor fuerza debido a la necesidad de explicar los sucesos que acompañaron el desarrollo de estas guerras.
    Era necesario entender los orígenes de los conflictos y para ello se hizo relevante el estudio de la geografía a través de los procesos económicos y políticos que ayudaron a construir las naciones a nivel global, y como la competencia económica tuvo un gran impacto en la manera en que se relacionaron políticamente.
    Al comparar estos hechos con el panorama actual del conflicto entre Rusia y Ucrania es necesario volver a estudiar el desarrollo geopolítico de estas naciones, ya que sus relaciones actuales son consecuencia de los acuerdos hechos después de dichos conflictos y cómo fue variando su geografía durante la etapa posguerra.
    La forma en que se mueve la comunicación actual es impresionante, es por ello que suelen surgir opiniones divididas frente a conflictos de los que poco o nada se conocen a profundidad. Debido a la cultura actual de "viralizar" ciertos temas y convertirlos en puntos de controversia para ganar "likes", cabe preguntarse cómo podemos contrarrestar esos elementos de desinformación y noticias falsas que se mueven dentro de las redes para pasar a examinar este tipo de noticias de forma adecuada.
    Es en el estudio de la historia geopolítica donde se hallan las respuestas, es en el plano educativo donde se hace importante enseñar a las nuevas ciudadanías a buscar fuentes de información fidedignas, a leer con un enfoque crítico de manera que sus aportes desde el conocimiento ayuden en la construcción de estrategias participativas para la resolución de conflictos.

    Araceli Panche
    Facultad de educación
    Estudiante de Doctorado en educación
    Universidad Santo Tomás
    Bogotá, Colombia

    ResponderEliminar
  26. Clara Osa Patón, curso 4ºD, Grado de Educación Primaria-Magisterio, Universitat de València.

    Después de 2 años de pandemia mundial, el mundo entero deseaba que el 2022 trajera normalidad, calma y un poco de paz. Sin embargo, al inicio del año, concretamente el 24 de febrero, se desató la invasión de Ucrania por parte de Rusia. Este conflicto realmente se remonta a 2013 cuando Ucrania realizaba un acuerdo político con la Unión Europea, hecho que tensó la relación con Rusia, por lo que el presidente de Ucrania zanjó los acuerdos. Ucrania lleva años tratando de entrar en la OTAN hasta que finalmente el 24 de febrero estallaron explosivos en Kiev y en Járkov, momento en el que Vladimir Putin manifestó la decisión de la operación militar. Esta situación, por supuesto, ha traído consecuencias a nivel mundial, ya sea en cuanto a situación económica, comercio, materia, energía o situación migratoria, entre otras, o en cuanto a víctimas de los países afectados.
    Como es lógico, esta realidad llega a la escuela, y es importante que lo haga, ya que conocer de manera cercana el conflicto, posiblemente cree mayor interés por aprender el funcionamiento de la sociedad, la realidad de otros conflictos ya sean acabados o activos y las causas y consecuencias de estos. Además, mediante este conflicto no solo se puede trabajar desde el punto histórico sino que también se debe dar una perspectiva diferente, trabajando los valores de cada persona, los derechos humanos y los objetivos del desarrollo sostenible, ya que no únicamente se deben explicar contenidos sino educar y formar personas, ayudar a crecer para crear una sociedad más humana, más justa y más libre. Precisamente así, educando en valores y de manera crítica, también alejamos al mundo de este tipo de conflictos.

    ResponderEliminar
  27. veromas, 4ºD, mención PT, Grado de Educación Primaria-Magisterio, Universitat de València.

    Como seres sociales estamos sujetos a las ideas que fueron tomando forma en la sociedad que vivimos. Lejos de poder despojarnos de la influencia de la cultura que adoptamos, la escuela permite perpetuar (para bien y/o para mal) estas ideas que a veces sentimos tan propias y no dejan de ser tan colectivas.
    Cómo cuestionar aquello que forma parte de nosotros y cómo ayudar a reflexionar sobre cuestiones que nos otorgan identidad.
    Cómo poner en duda una idea, como ampliar la perspectiva de una creencia…
    Como trabajar para andamiar las reflexiones de otros sin caer en la defensa de ideas aceptadas como verdades absolutas.
    Siempre me llamó la atención que exista una especie de código/ética/moral de guerra y que durante una guerra se puede condenar por “crímenes de guerra” aquellos “actos” que salen de ese código/ética/moral/ley. No es en sí misma una guerra un “acto” condenable y aún así un “acto” usual por la humanidad para resolver cuestiones territoriales.
    Tratamos la “Guerra” como si fuera un caso raro, algo que hacen personas “locas” sin escrúpulos y le quitamos todo el sentido que tiene, su logística y su razón de ser.
    ¿Para qué sirve una guerra? ¿Se pueden evitar? ¿Existe la democracia? ¿Qué es un estado de derecho? Y lo más importante ¿Cómo funciona el mundo?
    La sociología, la política, la geopolítica, las leyes, los acuerdos, los tratados, los estados, los medios de comunicación, las redes sociales, la información que desinforma, las personas, los reyes y las reinas, los políticos… los seres humanos y sus relaciones de poder que ejercen una violencia explícita para enmascarar una violencia simbólica, esa que no se ve a simple vista como las bombas o los misiles.
    La historia muestra y oculta partes de lo ocurrido en otros tiempos… desarrollar el pensamiento crítico no permitirá reconstruir, reflexionar, y poner todas las cartas sobre la mesa (al menos todas las disponibles). Esto no nos hará encontrar la verdad pero nos ayudará a “entender” y con suerte a ser más libres… aunque sea de pensamiento.

    ResponderEliminar
  28. He escogido la noticia “Más de un millón de valencianos se encuentran en alto riesgo de exclusión social”. La fuente dónde la podemos encontrar es la página web del periódico La Vanguardia:
    https://www.lavanguardia.com/local/valencia/20220210/8045758/mas-millon-valencianos-encuentran-situacion-alto-riesgo-exclusion-social.html
    Por tanto, el problema del que hablamos es la desigualdad y el riesgo de exclusión social en València, y las cinco palabras clave que lo definen son: exclusión social, desigualdad, pobreza, brecha y barreras. Podemos relacionar este problema que hemos escogido con el objetivo de desarrollo sostenible (ODS) número 10: reducción de las desigualdades. Y del mismo modo, lo relacionamos con las metas:
    10.2. De aquí a 2030, potenciar y promover la inclusión social, económica y política de todas las personas, independientemente de su edad, sexo, discapacidad, raza, etnia, origen, religión o situación económica u otra condición.
    10.4. Adoptar políticas, especialmente fiscales, salariales y de protección social, y lograr progresivamente una mayor igualdad.
    Hemos escogido este problema porque puede afectar a toda la población y el impacto que tiene en las vidas de las personas es enorme, condiciona toda relación que puedan tener, tanto social, como escolar, laboral e incluso con el medio, la ciudad, el entorno. En València puede observarse que, geográficamente, la exclusión social está más presente en unas zonas de la ciudad que en otras. Por un lado, tenemos los barrios con denominación de “bajo”, que son el Calvari, Tres Forques, la Fontsanta, na Rovella, el Cabanyal-Canyamelar, la Malva-Rosa, Natzaret, les Moreres, Orriols y Ciutat Fallera, todos incluidos en los distritos de Campanar; y l’Olivereta, Quatre Carreres, Poblats Marítims, Rascanya y Benicalap, estos situados en la periferia urbana (Uceda i Maza 2013). Así, es en estos barrios en los que encontramos un riesgo de exclusión social superior a la media.
    Este problema de exclusión social, con toda probabilidad, sólo hará que empeorar en el futuro. En primer lugar, porque aquellos niños y niñas que crecen en riesgo de exclusión social tendrán muy pocas posibilidades de construir un proyecto de vida al hacerse adultos con el que salir de este contexto de pobreza y marginalidad. Por otro lado, la situación actual de la economía y la sociedad no da pie a pensar que se podrá terminar con esta desigualdad.
    El camino que podemos proponer con tal de desarrollar una posible situación es llevar adelante proyectos de inclusión social. Crear leyes de protección, así como renovar la ley laboral de manera que se protejan los derechos de los trabajadores y se acabe con la precariedad laboral, una de las causas de la exclusión social. Se debería también de regular el precio de los alquileres, así como de las necesidades básicas como la luz, el gas o el agua, que son en esencia otra de las causas de esta desigualdad, pobreza y exclusión social.
    Como futuras maestras, este problema nos debe importar mucho ya que la exclusión social no afecta solo a las familias en el contexto laboral o social, sinó que también son víctimas los niños y niñas que, en la escuela, ven reflejada esta exclusión y desigualdad, y que conlleva normalmente una tasa de fracaso escolar entre este sector de la población superior a la media. Cómo podemos leer en la noticia, un perfil novedoso respecto a informes anteriores es el de jóvenes de entre 19 y 29 años que, al estar afectados por complejos procesos de exclusión social, se ven impedidos para realizar proyectos de vida con los que transicionar a la vida adulta. Y en este aspecto tiene mucho que ver este problema escolar del que hablábamos.


    REFERENCIAS
    Uceda, F. X., Pitarch, M. D., & Montón, C. (2012). La incidència de l'oferta de serveis educatius públics i privats en la vulnerabilitat i l'exclusió social: el cas de la ciutat de València. Pedagogia i Treball Social, 2(2), 25-46.

    Carmen Lance Porfilio 4A

    ResponderEliminar
  29. Essa é uma discussão que deve ser pautada na formação de professores e professoras de geografia. A relação do Estado e seus desdobramentos no que se refere ao acesso a direitos básicos passa pela compreensão e amadurecimento da cidadania. O sujeito político se constrói, especialmente, nas aulas de geografia – na educação básica, quando temos a oportunidade de desenvolver temas que dialogam com a prática social. O Foro 29 possibilita não só pensarmos o espaço a partir da Geopolítica, mas também discutirmos a necessidade de da reflexão de aspectos da cidadania na construção social de alunos e alunas para que, a partir da Geografia, tornem-se sujeitos críticos, emancipados e reflexivos. Marcos Bohrer – UFRGS

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Coincido com Marcos Brohrer. A construção da cidadania desde o Estado possibilita a análise da democrácia no século XXI, em especial no que se corresponde ao exercicio dos dereitos básicos humanos e o papel das instituições respeito a liderdade de cada suxeito. Aquí temos um dos elementos fulcrais da nosa convivência.

      Eliminar
  30. Olá, sou Leonardo de Alexandria, aluno do programa de pós-Graduação em Geografia da UFRGS e gostaria de destacar, a partir das reflexões levantadas no texto "Geopolítica e conflitos de guerra na educação geográfica. O caso da Ucrânia." que a pauta da formação para cidadania tem deve ganhar mais espaço ao longo da formação de licenciandos, licenciandas e bacharéis em geografia. Isso constitui um movimento ajuda a pensar a própria geografia. A formação para a cidadania do educando serve de alicerce para toda uma práxis docente que realmente almeja o desenvolvimento social dos educandos e educandas, assim como do país inteiro, ainda fortemente marcado pela desigualdades de oportunidades no acesso a uma educação de qualidade.

    Entretanto, cabe também refletir, a partir da situação apresentada, o que nós - refiro a mim e a outros colegas que atuam na Educação Básica - definimos enquanto uma "educação de qualidade". Será que somente os indicadores educativos como o Ideb e PISA devem servir de norteadores para a construção dos currículos escolares? Ou reformulando a indagação: até onde vai a importância concedida aos válidos indicadores da educação na formulação de políticas públicas que anseiam equidade educacional e social nas escolas brasileiras?

    Enquanto professor-pesquisador prefiro deixar estas indagações e levantar o debate do

    ResponderEliminar
  31. Olá, sou Leonardo de Alexandria, aluno do programa de pós-Graduação em Geografia da UFRGS e gostaria de destacar, a partir das reflexões levantadas no texto "Geopolítica e conflitos de guerra na educação geográfica. O caso da Ucrânia." que a pauta da formação para cidadania tem deve ganhar mais espaço ao longo da formação de licenciandos, licenciandas e bacharéis em geografia. Isso constitui um movimento ajuda a pensar a própria geografia. A formação para a cidadania do educando serve de alicerce para toda uma práxis docente que realmente almeja o desenvolvimento social dos educandos e educandas, assim como do país inteiro, ainda fortemente marcado pela desigualdades de oportunidades no acesso a uma educação de qualidade.

    Entretanto, cabe também refletir, a partir da situação apresentada, o que nós - refiro a mim e a outros colegas que atuam na Educação Básica - definimos enquanto uma "educação de qualidade". Será que somente os indicadores educativos como o Ideb e PISA devem servir de norteadores para a construção dos currículos escolares? Ou reformulando a indagação: até onde vai a importância concedida aos válidos indicadores da educação na formulação de políticas públicas que anseiam equidade educacional e social nas escolas brasileiras?

    Enquanto professor-pesquisador que atua na intersecção dos campos de Educação e Geografia prefiro deixar estas indagações e levantar o debate de como conciliar uma educação de fato cidadã com a construção de currículos escolares igualmente voltados para a formação cidadã.

    ResponderEliminar
  32. Me chamo Audria Luiza Paranhos de Oliveira Ribeiro de Almeida, sou aluna do curso de Ciências Sociais da UNESP de Marília e estou matriculado na disciplina de Tópicos de Geografia ministrada pela professora Silvia Fernandes.

    Por meio deste comentário, pretendo abordar sobre geopolítica e o atual contexto da guerra e a importância de discutir essa temática na atualidade, e a importância do tema geopolítica na formação de estudantes da educação básica, além da reorganização do mundo global, mais precisamente na Rússia e Ucrânia.
    Após a sua independência no começo dos anos 90 a Ucrânia se tornou um país muito cobiçado, por sua posição estratégica na região e seus recursos naturais. No lado ocidental havia a União Europeia, que lançou a sua influência sobre o país para aproximá-lo do bloco, na tentativa de evitar que os russos pudessem retomar o seu poder na região que havia sido parte da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas. Após o fim da URRS, a Rússia iniciou uma geoestratégia, ao invadir um país soberano como a Ucrânia, a fim de assumir posições estratégicas, e com isso, dominar o comércio nessa área de via marítima, bem como consolidar, seu poder na região, alegando que não seria um país “adequado” e que seriam apenas marionetes do Ocidente.
    Tudo que o Estado Nacional organiza para controlar, impor para dominar um território vai ser chamado de geopolítica. Essas disputas estatais são novos processos de produção espacial que estão associadas ao controle do espaço, a exploração de commodities (gás natural, petróleo, produto agrícolas), mercados financeiros e a conquista de novas zonas (Leste europeu, Cáucaso e a Ásia Central) de influência econômica, política e também militar. As novas geopolíticas dos principais atores do cenário político mundial do século XXI (Rússia, EUA, China) buscam, principalmente, estabelecer hegemonias e a dominação de territórios.
    A GEOPOLÍTICA ESTA COMPLETAMENTE LIGADA AO TERRITÓRIO, ENQUANTO A GEOESTRATÉGIA ESTA LIGADA A VÁRIAS MUDANÇAS DO ESPAÇO.

    Ratzel, que atuou dentro da área da Geografia Política, na Geografia Clássica, aborda a o conceito de “espaço vital”, sua principal função foi a de justificar a necessidade de crescimento do Estado, pois como todo organismo vivo, o Estado necessita de um espaço e de recursos para crescer e fortalecer sua existência. O espaço, juntamente com o Estado, são elementos fundamentais para compreender a relação dos povos com o meio, isto é, para que um Estado se tornasse poderoso seria necessário um amplo território. Ratzel entende o Estado como uma essência tão dinâmica quanto a sociedade nele presente. Para a manutenção da sua existência e soberania, o Estado deveria estar sempre em busca de aumentar o seu “Espaço Vital”, indo à busca de melhores áreas e recursos. Um Estado que mantivesse essa dinâmica seria o sinônimo de um Estado forte, e quanto maior fosse o “espaço vital” conquistado, maior seria a ligação da sociedade para com o solo, o que faria com que a idéia de nacionalismo se tornasse mais intrínseca à vida dos homens, ou seja, regiões geograficamente mais importantes para a manutenção do fluxo social, comercial e político do Estado. O imperialismo não deixou de ser exercido, apenas ganhou uma nova roupagem, entretanto, sua lógica continua a mesma. A leitura de Ratzel é válida no sentido de possibilitar uma leitura das estratégicas estatais e organização territorial que possa apreender os objetivos reais das ações. Sendo assim, a lógica territorialista dos Estados modernos continua sendo a de conquista de territórios, sendo estes econômicos ou políticos, sendo a obra de Ratzel uma das fontes para a compreensão destas lógicas.

    continua

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Além disso, o Estado estadunidense, também possui, sua política com base no expansionismo, as invasões ao Afeganistão e do Iraque, supostamente para a limpeza das forças terroristas regionais, também se destacam como saídas para o acréscimo da influência norte americana no Oriente Médio e Ásia.
      Essa temática é de suma importância para nós, que vamos atuar na educação no ensino básico, para que consigam compreender a própria geografia, e a formação da geopolítica, além de conseguirem identificar a geopolítica brasileira, inclusive, onde o governo passado adotou uma política que contraria nossa soberania, e a democracia, pois acabou com órgãos importantes na defesa do território, como por exemplo no vale do Javari, onde interesses de garimpeiros ilegais, pesca ilegal e predatória, como também ausência de ações governamentais na proteção das terras dos povos indígenas da Amazônia, principalmente, invadidas e também em outras áreas que, por lei, deveriam merecer melhor atenção das autoridades para evitar a exploração de seus recursos, afim da hegemonia e extermínio de povos nativos.

      Eliminar
  33. Meu nome é Victória Braulio Sotero sou aluna do curso de Ciências Sociais na Unesp de Marília e matriculada na matéria Tópicos de Geografia II da Professora Silvia Fernandes.
    Meu objetivo ao redigir esse comentário é abordar questões acerca da geopolítica da guerra e a importância desse debate na atualidade, inclusive para compreensão dos conflitos recentes ao redor do mundo e a importância do ensino de uma geopolítica verdadeiramente crítica na formação dos estudantes da educação básica.
    Para melhor compreensão do assunto usamos durante as aulas da Professora Silvia o capítulo II do livro de Joan Nogué Font e Joan Vicente Rufi: GeopolÍtica, identidade e globalização onde é abordado a diferença entre Geopolítica e Geografia Política num discurso envolvendo as escolas geográficas e os diferentes autores. A Geografia Política e a Geopolítica passaram a ser consideradas como disciplina, a partir do final do século XIX e XX, mas as discussões protagonizadas por elas remontam tempos mais antigos.
    Ao longo dos séculos diversos autores vem usando de sua influência e escritas para justificar a dominação e expansão de Estados e territórios através de guerras, colonizações e ataques imperialistas a nações consideradas menores ou mais fracas para garantir o interesse das chamadas potências ao redor do globo terrestre. Essa visão do homem branco colonizador não a toa é a narrativa apresentada dentro do ensino de geografia e geopolítica dentro das escolas de ensino básico, não diferentemente do que é vendido na mídia: a visão de uma necessidade de “fazer guerras” para proteger riquezas e territórios, disseminando preconceito e xenofobia com diversas culturas e imigrantes que buscam refugio em países que não estão em guerra.
    Hegel acreditava que apenas através do Estado o ser humano conseguiria transcender e ascender objetivos superiores. O que faria muito sentido, mas esse Estado governa pelos interesses de quem? Quem transcende através dele? Ritter disseminou que “homens de qualidade” serão capazes de dirigir a humanidade em direção ao progresso. Progresso para quem?
    Foi através de discursos como esse que Ratzel, zoologista com influências darwinistas, fundamentou discursos nacionalistas, que impactaram diretamente a Alemanha e influenciou diversos autores que instrumentalizaram guerras ao redor do mundo. A teoria ratzeliana do espaço vital foi aplicada na Alemanha após a Primeira Guerra Mundial para justificar, através de Haushofer, Kjellén, entre outros a Geopolitik Nazista e é usada até hoje para alegar o imperialismo e o fascismo. Não precismos ir muito longe para entendermos essa teoria, hoje no Brasil vivenciamos diversos conflitos no território amazônico(espaço vital), desde Vargas e a “Marcha para o Oeste”, passando pela ditadura militar e o lema “Integrar para não Entregar” e recentemente pelo bolsonarismo para justificar a expansão desmedida do agronegócio e o genocídio dos povos originários em busca do tal progresso da nação.
    “Cada cidadão deverá tomar consciência do caráter vital do território e de suas possibilidades de expansão: o sentido de espaço(RAUMSINN) garante a perenidade da nação, a fortaleza e a independência do Estado” (Gallois, 1990)
    O próprio conceito hobbesiano amplamente difundido nas escolas naturaliza essa eterna competição entre Estados, como algo que estaria intrínseco ao homem, “a guerra de todos contra todos”, “o homem é o lobo do homem”, como se não houvesse uma motivação para tais guerras e conflitos ao longo da história do mundo.
    Durante o capítulo II, Nogué e Rufi, também frisam que Haushofer incutiu o conceito de “lebensraum” (segundo o nazismo, espaço para a autossuficiência econômica de uma população em expansão) através de revistas, algo que é feito ainda na contemporaneidade por diversos governos em a união com os grandes veículos de comunicação e propaganda para agitação das massas.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. O que foi feito na Alemanha nazista, também foi desempenhado com o fascismo de Mussolini na Itália, elaborado pela Coroa Britânica e seu imperialismo na Ásia, África e Oceania, disseminado pelos Estados Unidos financiando ditaduras por toda América e munindo belicamente guerras ao redor do mundo a favor de seus interesses políticos. Está sendo feito pela Rússia na Ucrânia e continuara sendo feito por essas potências capitalistas para dominar, lucrar e expandir suas influências.
      Segundo Lenin, o imperialismo não resultaria de uma perversão do capitalismo, ele seria uma consequência do mesmo: o resultado final.
      Enquanto houver luta de classes, haverá guerras. Enquanto a classe trabalhadora e oprimida não tiver através da educação munição suficiente para não aceitar visões de mundo eurocêntricas, masculinas e brancas, haverá espaço para discursos e desgovernos fascistas.
      A importância do ensino de uma geopolítica verdadeiramente crítica nas escolas de ensino básico, ao contrário do que Hartshorne pregava sobre a separação de geografia e da politica, advogando por uma “ciência neutra e pragmática”, é uma das armas mais potentes, capazes de destruir guerras e desarticular politicas que só interessa quem está lucrando com as mesmas. Uma forma de se fazer e ensinar geopolítica qualificada para desconstruir discursos de poder institucionalizados e construir pontes com o futuro menos desiguais e violentas.
      Para finalizar essa reflexão, deixo aqui nesse comentário um poema de Brecht, chamado Perguntas de um operário letrado.

      “Quem construiu Tebas, a das sete portas?
      Nos livros vem o nome dos reis,
      Mas foram os reis que transportaram as pedras?
      Babilónia, tantas vezes destruída,
      Quem outras tantas a reconstruiu? Em que casas
      Da Lima Dourada moravam seus obreiros?
      No dia em que ficou pronta a Muralha da China para onde
      Foram os seus pedreiros? A grande Roma
      Está cheia de arcos de triunfo. Quem os ergueu? Sobre quem
      Triunfaram os Césares? A tão cantada Bizâncio
      Só tinha palácios
      Para os seus habitantes? Até a legendária Atlântida
      Na noite em que o mar a engoliu
      Viu afogados gritar por seus escravos.

      O jovem Alexandre conquistou as Índias
      Sozinho?
      César venceu os gauleses.
      Nem sequer tinha um cozinheiro ao seu serviço?
      Quando a sua armada se afundou Filipe de Espanha
      Chorou. E ninguém mais?
      Frederico II ganhou a guerra dos sete anos
      Quem mais a ganhou?

      Em cada página uma vitória.
      Quem cozinhava os festins?
      Em cada década um grande homem.
      Quem pagava as despesas?

      Tantas histórias
      Quantas perguntas"

      Eliminar
  34. Leonardo Martinez Emidio aluno do curso de Ciências Sociais UNESP/Marília- SP

    O conflito entre Rússia e Ucrânia tomou as manchetes do mundo todo a partir da invasão russa, como tem sido denominada, prestes a completar um ano. Porém a tensão existente nos territórios em questão é muito mais antiga, há aproximadamente uma década tivemos a anexação da Crimeia, até então território ucrananiano mas que já havia estado sob domínio russo, que ainda mantinha bases militares nessa estratégia região. Nesse mesmo período, regiões ao leste da Ucrânia, cuja presença cultural russa é expressiva, declararam independência e vieram a ser anexadas à Rússia após a deflagração da guerra, mas não se trata simplesmente de um ideal pan-eslavista . É importante ressaltar que tais ações não ocorrem de maneira isolada, em contrapartida vemos a expansão da OTAN pelo leste europeu incorporando como membros diversos países que outrora se aliaram à Rússia, movimento que a Ucrânia também indicava que faria. Temos então a antiga polarização da Guerra Fria presente no atual conflito geopolítico, ambos os lados possuem interesses na região, sejam militares ou econômicos, pois também se trata de importante rota comercial, assim como ocorre na Síria, em guerra civil que já dura uma década, desde a primavera árabae. Há de se destacar os interesses econômicos por trás desses conflitos em detrimento das populações que são arrasadas pela guerra, assim como a presença estadunidense neles, seja através da OTAN que possui importante papel na eclosão da guerra da Ucrânia, ou diretamente como faz enviando navios a fim de realizar exercícios militares próximos ao Mar do Sul da China, elevando a tensão na região que é objeto de disputa entre a China e demais Estados como Vietnã e Filipinas que reivindicam o território onde acredita-se que exista abundância de recursos naturais, como o petróleo, e também se trata de importante rota comercial.
    Aprendizagem da Geografia, sobretudo de temas referentes a Geopolítica, é preponderante para elucidar os fatores pelos quais ocorrem os conflitos bélicos atuais e passados, compreendendo-os assim como os interesses implícitos por trás deles e a diplomacia necessária para manutenção da paz, para que não reproduza o equivocado discurso muitas vezes presente no senso comum, como por exemplo, o de que a guerra na Ucrânia é resultado simplesmente da vontade de um único homem e não de diversos fatores e complexas relações entre Estados.

    ResponderEliminar
  35. Me chamo Bruna Alves e sou aluna do curso de Ciências Sociais na Universidade Estadual Julio de Mesquita Filho - UNESP Marília, matriculada na disciplina Tópicos de Geografia II, ministrada pela professora Silvia Fernandes.
    O presente comentário tem por objetivo elucidar a importância da geopolítica na formação de estudantes da educação básica, além da importância de discutir esta temática nos dias de hoje junto de uma exposição geopolítica da guerra atual e também ao longo da história.
    A geografia política, bem como a geopolítica são de suma importância em debates acerca de temáticas que vêm se fazendo cada vez mais presentes em nosso cotidiano, principalmente atualmente diante de recorrentes exposições do conflito na Ucrânia, seja na TV, internet, jornais, entre outros. Diante disso, faz-se cada vez mais necessário e imprescindível a aplicação desses campos em sala de aula em boa parte dos anos que compõem o ensino básico. Tais campos acabam sendo tratados de forma muito sucinta no sistema escolar o que acaba limitando o conhecimento dos jovens acerca de temas tão atuais, impossibilitando muitas vezes uma visão ampla e crítica por parte deles.
    Vale destacarmos o atual, e já mencionado anteriormente, conflito na Ucrânia para tornar ainda mais visível a importância da geopolítica para o entendimento não só de pautas atuais mas também de questões historicamente relevantes.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. A aplicação de conceitos geopolíticos vem explicando os grandes confrontos desde o século XX e agora não seria diferente. A chamada teoria do Heartland, cunhada pelo geógrafo Halford John Mackinder em 1921, facilmente pode ser utilizada nos dias atuais para analisar parte do conflito na Ucrânia, onde “um território-chave que, se dominado por um país, o tornaria a potência mais poderosa do mundo”, junto da “crescente globalização” do final do século passado que determina também novos elementos e acontecimentos geopolíticos que explicam diversos conflitos globais.
      É válido também retornarmos um pouco na história, numa lógica territorial russo-soviética, para tornar essa discussão ainda mais ampla. Na Rússia, ao longos do séculos XIX e XX, surge e se perpetua um discurso de “missão nacional” em direção ao Leste e ao Pacífico, num estilo “Go West americano”, junto de sua transformação em primeira potência mundial enquanto União Soviética, como mencionado por Joan Nogué Font e Joan Vicente Rufí, na obra, trabalhada durante as aulas da professora Sílvia, intitulada “Geopolítica, Identidade e Globalização”.
      Com sua base marxista, a análise de Lênin da situação internacional do início do século XX é marcada pela luta de classes, e pela sua crítica ao imperialismo, onde o mesmo é interpretado como “um instrumento das oligarquias financeiras para conseguir uma coesão interna da sociedade nacional e uma ampliação mercantilista dos mercados de escala internacional”. E é esta mesma base marxista que movimenta a geopolítica soviética stalinista de "reorganização” do espaço interno.
      Entretanto, como abordado por Font e Rufí, “apesar das coincidências conceituais e de objetivos, a geografia política e a geopolítica são vistas na União Soviética como instrumentos germânicos e anglo-saxônicos, destinados precisamente à opressão do povo russo e de seus interesses estratégicos… Mas nem por isso a União Soviética renuncia a um exercício teórico e prático análogo ao da geopolítica, mesmo sem utilizar este termo, e inclusive entrelaçando com alguma das constantes do período czarista”.
      Agora retomando à Ucrânia na atualidade, a coexistência, muitas vezes inviabilizada, de ucranianos e russos numa mesma área é parte da origem do cenário conflituoso e de guerra atual, impulsionada pelas pressões externas do poder geopolítico.
      E é justamente esse cenário de guerra, acarretado por essa drástica invasão dessa porção do Leste Europeu pela Rússia, enquanto superpotência (Heartland), que demonstra a importância de abordagem geopolítica nas escolas para que as notícias diariamente recebidas sejam entendidas e interpretadas de forma crítica, política e geograficamente coerentes, sem invalidar toda a história presente nesse contexto.

      Eliminar

  36. Meu nome é Emilly Polachini, sou aluna do 5º ano de Ciências Sociais, da Faculdade de Filosofia e Ciências, da Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (UNESP), campus de Marília.
    Algumas teorias, autores e debates podem contribuir para que possamos compreender os desdobramentos de conflitos geopolíticos na contemporaneidade. Inicialmente, alguns pensadores irão nos explicar as diferenças da geopolítica e da geografia política, além de, facilitar uma visão ampla das transformações dos pensamentos dentro destas duas esferas. Sabemos que a maior distinção entre estes dois setores se encontra no fato de que a geografia política é uma área, um campo dentro de uma ciência, que é a ciências sociais, e a geopolítica também é uma área, também é um campo dentro de uma ciência, que é a geografia.
    Alex Von Humboldt foi um geógrafo, filósofo, historiador, explorador e naturalista alemão nascido em Berlim, considerado o fundador da moderna geografia física e Immanuel Kant que foi um filósofo prussiano também considerado um dos precursores da geografia moderna, ambos contribuíram com a organização dos Estados Nacionais Modernos e foi nesta conjuntura que iniciou-se a elaboração do conceito de geopolítica. Fundamentado em suas contribuições a geopolítica passa a ser entendida como estratégica e domínio de território, ou seja, a partir deste momento o conjunto de ações que o estado nacional utiliza para dominar e impor território é nomeado de geopolítica.
    Friedrich Ratzel geógrafo e etnólogo alemão, notável por ter desenvolvido o conceito de "Espaço Vital", não foi apenas um estrategista geopolítico, foi também um teórico da geografia e, por isso, considerado um dos fundadores da geografia política. Ratzel foi influenciado pelo determinismo histórico, ou seja, o domínio dos povos tem uma relação com a sua trajetória histórica e com as características do seu ambiente, até este momento a maioria do autores sempre encontravam na geografia física uma base que justificasse o nível de desenvolvimento das regiões, relacionando clima e filosofia, contribuindo para o debate “Avanço civilizatórioXBarbárie”. Podemos perceber que faz parte desta linha de pensamento justificar o porquê do estado controlar outros povos, corroborando com o avanço bárbaro em outros territórios, o que nos leva a concluir que a geopolítica atua, basicamente, como uma justificativa política e ideológica para avanços imperialistas.

    Continua nos comentários...

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Desde Kant e Humboldt dispomos de uma reorganização do pensamento moderno, uma retomada dos clássicos e organização da geopolítica como um todo, podemos observar uma busca e um espelhamento na Teoria da Evolução, sendo assim, o homem depende da terra para viver, uma ideia organicista da terra, nomeada de darwinismo social onde as dinâmicas sociais se explicam a partir do controle da terra sobre o homem.
      Segundo Ratzel, o que define um povo é o seu território e a história que possuem juntos, ou seja, o espaço e o tempo. Baseado nesta concepção, ele passa a desenvolver a Teoria do Espaço Vital, e é importante mostrar como que para a sobrevivência do estado é necessário a dominação do espaço. A questão que é levantada é, o que justifica a existência do estado inglês forte com colônias de dominação fora do seu território? Um dos fatores é a dominação cultural, ou seja, a imposição de uma língua, a ideia do controle sobre o território como a posição em que está o exército e as posições de fronteira, sendo assim, conflito na Ucrânia não pode ser justificado apenas pela ação econômica ou pelo controle do território, mas, mais que isso, o estado invasor controla o território pelas características de dominação ideológica. Muito mais importante que a determinação da natureza como apresentado pelo darwinismo social, nós temos as ideologias, as determinações políticas e a dominação do território.
      Temos um renascimento do que é a geopolítica baseado nos escritos de autores no século XVIII e XIX, mas, neste momento, observamos a prática das ações geopolíticas, e a partir do século XX, é possível observar que as geoestratégicas são bem mais elaboradas e trabalhadas com o pós Segunda Guerra Mundial. Haushofer é um exemplo de um geoestrategista já que ele controlava as geoestratégias da Alemanha nazista e o Plano Marshall é também um exemplo de geoestrátegia que possuia uma visão baseada no racismo, etnocentrismo e a ideia do poder imperialista.
      H. J. Mackinder foi um dos grandes influenciadores do mundo germânico e das organizações dos Estado Unidos, a partir do pensamento dos seguidores da geopolítica clássica, como H. J. Mackinder e Haushofer, elabora-se uma nova concepção, Essa nova caracterização baseada no Hartshorne seria uma geografia neutra e sem envolvimento com a política, nomeada de geografia teorética quantitativa.
      Outro fator que nos ajuda a compreender conflitos geopolíticos como na Ucrânia é a compreensão das diferenças entre espaços geoestratégicos e geoestratégias. Geoestratégias é pensar na dominação política sem que o poder do exército esteja naquele território, nos Estados Unidos a compreensão era de que primeiro você domina esses territórios mais próximos, depois domina as áreas de interesse do estado norte americano. Uma contribuição importante em relação à dominação dos espaços é apresentada por Yves Lacoste, integrante da conhecida geografia crítica, e Paul Vidal De LaBlache, ambos se posicionam de uma forma mais regional, destacando o peso regional no sistema mundial, ou seja, a lógica regional-global. É a partir desses autores que temos uma mudança radical de compreensão, sendo assim, a geografia política passa a ser uma denúncia, passa a dar voz aos oprimidos e dominados, e não mais aos estados grandes e suas estratégias de dominação. Yves discorda do Ratzel na tese do Espaço Vital, tendo em vista, que para Yves a dominação se dá pela tecnologia e pela relação do homem com a natureza, não dependendo apenas do poder do exército e do controle dos povos.

      Eliminar
    2. Alguns exemplos atuais que podem nos ajudar a compreender o papel da geopolítica e da geografia política na contemporaneidade, sendo assim, é possível observar que as disputas de fronteiras ainda estão ativas e alguns autores trabalham para entender as disputas por território nos dias de hoje, segundo os cálculos chineses apresentados na revista Business Insider, texto traduzido por Ruben Bauer Naveira, o Mar do Sul da China contém mais petróleo do que qualquer outra área no planeta, à exceção da Arábia Saudita. Alguns observadores chineses chamam o Mar do Sul da China de “O Segundo Golfo Pérsico", além de que, rotas marítimas globais se entrecruzam nesta região. Mas não são apenas a localização geográfica e as reservas energéticas que prometem conferir uma importância geoestratégica crítica ao Mar do Sul da China, são as disputas territoriais que rondam essas águas. As rotas de comércio e as reservas de energia fornecem a base para a globalização, sendo assim, são tidas como campos de batalha e competição, há quem diga que, com o advento da globalização, as disputas pelas fronteiras territoriais já perderam significado, deveria prestar atenção ao Mar do Sul da China ou, até mesmo, para a autora brasileira de grande renome, Bertha K. Becker, conhecida como “cientista da Amazônia” devido ao seu exemplar trabalho sobre a geopolítica da Amazônia e do Brasil, fazendo uma síntese das mudanças decorrentes das transformações ocorridas nas dinâmicas espaciais da região amazônica.
      Na sua obra “Geopolítica da Amazônia”, a autora apresenta um desafio atual: A Amazônia, o Brasil, e os demais países latino-americanos são as mais antigas periferias do sistema mundial capitalista. Seu povoamento e desenvolvimento foram fundados de acordo com o paradigma de relação sociedade-natureza, denominado de economia de fronteira, significando com isso que o crescimento econômico é visto como linear e infinito, baseado na contínua incorporação de terra e de recursos naturais, que são também percebidos como infinitos. Esse paradigma da economia de fronteira realmente caracteriza toda a formação latino-americana. Hoje, o imperativo é modificar este padrão de desenvolvimento, mas para que se possa mudar esse padrão de desenvolvimento é necessário entender os diferentes projetos geopolíticos e seus atores, que estão na base dos conflitos, para tentar encontrar modos de compatibilizar o crescimento econômico com a conservação dos recursos naturais e a inclusão social.

      REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA:

      Becker, Bertha K. Geopolítica da Amazônia. Estudos avançados, v. 19, 2005.

      Costa, Wanderley Messias da. Geografia Política e Geopolítica : Discursos sobre o Território e o Poder / Wanderley Messias da Costa. - São Paulo : HUCITEC : Editora da Universidade de São Paulo, 1992. - (Geografia, Teoria e Realidade;)

      Font, Joan Nogué; Rufí, Joan Vicente. "A tradição disciplinar. Um século de geografia política e de geopolítica." Geopolítica, identidade e globalização. São Paulo: Annablume (2006): 51-92.

      Kaplan, D. Robert. Naveira, Asia's Cauldron. Transcrito no Business Insider. Tradução por Ruben Bauer Naveira. 2016.

      Eliminar
  37. João Vitor Dal Bon Rosales25 de enero de 2023, 11:39

    Me chamo João Vitor Dal Bon Rosales, sou aluno do curso de Ciências Sociais da UNESP de Marília SP e estou matriculado na disciplina de Tópicos de Geografia ministrada pela professora Silvia Fernandes.

    Tratar de conflitos geopolíticos em sala de aula demanda uma certa atenção para a metodologia de ensino utilizada. Com o advento do mundo digital, a informação é praticamente instantânea, o que, cada vez mais, impossibilita a apreensão da totalidade pela lógica formal, ou seja, pelo acumulo e memorização de informação. A partir de todo aparato tecnológico contemporâneo a representação do mundo por via digital se tornou cada vez mais idêntica à realidade positiva, disponível aos sentidos empíricos, mas também mais distante da totalidade do real pensado, pela apreensão desta em seu movimento, pelo conceito. Disso, decorre uma falsa noção de estar bem informado, quando na verdade, a apreensão está dada de maneira rasa, caótica, enviesada, imediatista, além de imprecisa no sentido geográfico, histórico, social, cultural, político e econômico. O objetivo aqui não é o de destrinchar os conceitos, mas exemplificar como a utilização de conceitos generalizantes através das epistemes do conhecimento geopolítico podem ajudar a prática docente em sua metodologia de ensino.

    A exemplo disso, o conflito russo e ucraniano tem sido tratado de maneira análogo a descrita acima, ou seja, de uma forma totalmente superficial e simplista, o que ao contrário de elucidar, reforça a os estigmas e a percepção maniqueísta da realidade. Ao se tratar da Geopolítica, esta, na maioria das vezes é apresentada como prática sem arcabouço teórico, como uma característica natural e inata de cada Estado-Nação em questão. Muito pelo contrário, os conflitos geopolíticos devem ser compreendidos a partir de uma epistemologia própria, a qual tem, assim como em todo campo do saber humano, diferentes escolas de pensamento. É exatamente na compreensão desses conceitos e principalmente dos caminhos percorridos para construção destes que conflitos geopolíticos, tal qual a guerra entre Rússia e Ucrânia devem ser compreendidos....

    (Continua nos comentários)

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. João Vitor Dal Bon Rosales25 de enero de 2023, 11:39

      Tais pressupostos teóricos permitiram na época moderna a construção das noções de espaço, Estado, sociedade, população, território, além da construção da própria identidade enquanto Nação ou, como infiltrado na obra de Friederich Ratzel influenciado pelo romantismo alemão, Volkgeist – espírito do povo. Não só no campo empírico, mas também no campo ideológico, o sentido dado ao espaço por este autor por exemplo é determinante para a coesão do povo em torno de suas necessidades e de sua ampliação do que foi chamado como Lebensraum – teoria do espaço vital, o qual viria a ser, mais tarde, fundamental para os conflitos imperialistas e, por corolário, no período entre guerras. Tal teoria por exemplo, têm certa convergência com a elaboração do pan-eslavismo como a união dos povos eslavos em torno de um único Estado. Essa teoria pode muito bem ser uma ferramenta possível para a análise do conflito em questão pois uma das alegações de Putin é a de proteção e retomada do povo russo e de seu território, o que historicamente tem seu motivo de ser, haja vista que o povo russo e sua cultura nasce justamente nessa região por volta do século XI, o que é fundamental para a manutenção do espaço vital e do já mencionado Volkgeist. Outro conceito crucial para compreender tal conflito é o de Heartlander, elaborado pelo geógrafo britânico Mackinder, no qual consiste justamente no domínio do pivô central descrito por ele como o centro da eurásia, domínio este que concederia ao dominador o domínio do mundo, justamente por ser autossuficiente em recursos naturais e na resolução das necessidades de seu povo. No caso, esta seria justamente a posição russa, haja vista que já sabia que sofreria fortes embargos econômicos e políticos pelo ocidente. Em contraponto ao Heartlander, o qual se caracteriza pelo domínio do centro do espaço em questão, o conceito de Himlander, elaborado pelo geógrafo e cientista político Spykman, tem como ponto fundamental o domínio das margens da Heartlander, exatamente com o intuito ou de garantir o pivô central, ou de sufoca-lo, provocando contínuas investidas ao seu território. Tal conceito pode ser observado pela ação norte-americana e da OTAN desde a Guerra-Fria, o que permaneceu mesmo após a dissolução da URSS em 1991. Outra teoria que compõe as bases epistêmicas da Geopolítica que podem ser utilizadas para elucidar o conflito ucraniano e russo é o tratado por Alfred T. Mahan, no qual o domínio global se dá através do domínio marítimo. Nesta teoria, o Estado marítimo deve ter investimentos pesados tanto na tecnologia quanto na expansão de portos em constante movimentação. Não à toa, a maquina de Guerra norte-americana promove através da OTAN a fixação de bases navais por todo o globo, além de fomentar uma espécie de conflito constante quase como um keyesianismo de guerra, de movo a garantir investimentos constantes na indústria bélica. Dessa forma, os conceitos elaborados na práxis dos conflitos geopolíticos modernos podem nos ajudar na compreensão dos conflitos atuais.
      É nesse sentido que a abordagem a partir de conceitos geopolíticos são ferramentas fundamentais para a apreensão dos alunos em sala de aula da realidade que os cerca. Para além do conceito em si, é necessário que o professor crie as condições possíveis para que o aluno trilhe os caminhos percorridos de forma mental para que estes conceitos fossem elaborados. Desse modo, mais do que nunca a educação deve socializar o seu conhecimento humano historicamente produzido de modo que o estudante apreenda e manuseie esses conhecimentos para compreender sua própria realidade. Para além da lógica formal, o ensino de geografia e geopolítica nas escolas de uma maneira de apropriação de seus conceitos pensados e elaborados por meio da práxis humana, os quais se voltam para realidade caótica e imediata, se transformam em verdadeiras ferramentas de análise e compreensão da realidade circundante, não como mera reprodução, mas como pensamento crítico e autônomo.

      Eliminar
  38. Saudações, me chamo Vinicius Luis Pires Queiroz, sou formado no bacharel em Ciências Sociais pela UNESP Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” – Campus Marília, e graduando em licenciatura plena em Ciências Sociais pela mesma instituição.
    Joan Nogué Font e Joan Von Rufím, em sua obra “Geopolítica, Identidade e Globalização” realizam um apanhado geral sobre a consolidação da Geografia Política e da Geopolítica como áreas (ou subáreas) da Geografia, desde de seu início a sua Institucionalização. Por seu conteúdo denso e amplo tomarei como ponto inicial da reflexão aqui proposta o que os autores discutem no capítulo dois da obra, capítulo intitulado “A Tradição Disciplinar. Um século de geografia política e de geopolítica”, dando ênfase ao que os autores discorrem acerca da geografia política e geopolítica germânica (Ou a Geopolitik) e seus pontos de contato e divergência com a noção russa-soviética de Geopolítica e Geografia Política.
    Os autores nos apontam que parte da produção geopolítica e geográfico política alemã da época era marcada por duas influencias teóricas sendo elas o Positivismo e o Idealismo Alemão por meio do hegelianismo. Partindo dos argumentos de Ratzel os autores demonstram como os conceitos de “espaço vital”; “nacionalismo”; “organicismo” e “determinismo” são fundamentais para uma construção de identidade nacional germânica que mescla-se entre o romantimos e o positivismo, sendo politicamente útil tendo em vista os ocorridos onerosos para a Alemanha na I Guerra Mundial, como também para a II Guerra Mundial, como justificativa das geoestratégias adotadas pela Alemanha Nazista. A influência da Geopolitik germânica, apesar de sua aproximação ideológica com o regime nazista, é notável em outras escolas do pensamento geográfico político e geopolítico.


    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. A Rev. Russa de 1917 reconfigura uma série de questões estruturais da sociedade Russa da época, sendo assim, a geografia política e a geopolítica não foram alheias a esse processo. A crítica ao imperialismo tecida por Lenin, muda substancialmente a concepção dos conceitos citados acima e que, estavam em voga na época. Ao definir o Imperialismo como estágio final do capitalismo e não como uma possibilidade do mesmo, Lenin repensa todos os pressupostos liberais tanto da Escola germânica de Geografia Política e Geopolítica, quanto a norte-americana, britânica e italiana, que tem como fundo ideológico o liberalismo (seja ele progressista e internacionalista ou nacionalista expansionista). Porém, com sua morte e em seguida a entrada de Stalin como líder do Partido Comunista Russo, a instrumentalização dos conceitos de “espaço vital”, “nacionalismo” e etc., retornam as características da escolas geopolíticas ocidentais e capitalistas, resultando em geoestratégias similares aos das potenciais político econômicas ocidentais.

      Eliminar
    2. Font e Rufín ao descrever a escola de geografia política e geopolítica francesa nos apontam caminhos pelos quais conseguimos compreender como sexualidade e gênero se incorporam enquanto temáticas das respectivas áreas ou subdisciplinas citadas. O interesse em construir uma geopolítica e geografia política engajada com as mudanças sociais, políticas, econômicas e culturais, emerge na França a partir de 1970-1980, sendo fortemente influencia pelo marxismo, mas também pelo pós estruturalismo francês, sendo então incorporada a geopolítica e geografia política francesa o interesse em pensar o poder e sua distribuição geográfica considerando aspectos diversos, como a sexualidade, o gênero, a corporeidade, atrelados com os aspectos já comuns a geografia política e geopolítica, tais como o Estado, território, a economia, entre outros. O filosófo Rafael Leopoldo sintetiza de maneira didática mas sem incorrer em reducionismos o pensamento de Deleuze e Guattari sobre a importância do espaço geográfico (chamado de território pelos filósofos) em sua compreensão sobre a sociedade, de acordo com Rafael:
      Para Deleuze e Guattari, “Ela [a Terra] é a superfície na qual são registrados os objetos, os meios e as forças de trabalho, sobre a qual se distribuem os agentes e os produtos” (Deleuze & Guattari, 2010: 187). A máquina territorial seria a primeira forma de socius que codifica os fluxos de produção, os meios de produção, os seus produtores e consumidores. […] (DELEUZE; GUATTARI, 2010, p. 187. Apud: LEOPOLDO, 2019, p. 90-91)

      Eliminar
    3. Deleuze e Guattari após definirem a importância do espaço geográfico para sua compreensão das maquinas sociais, irão argumentar sobre o que chamam de desterriotiralização e reterritorialização, ou o processo de tornar uma maneira de constituição social regra, independente do seu território e pelos mais diversos meios, ou tecnologias. Portanto podemos compreender a desterritorialização/ reterritorialização como uma maneira de expansão das sociedades capitalistas que engendra as condições materiais (estruturas econômicas, bélicas, políticas e ambientais) e as condições simbólica (sociais, culturais, estéticas e morais) para se fazer presente em todo e qualquer território, o que amplia portanto a noção de geoestratégia.
      Tomemos como um exemplo histórico destas estratégias o que foi apresentado pelo documentário “Parágrafo 175”, documentário lançado em 2002 que buscou trazer à tona narrativas de sujeitos perseguidos pela Alemanha Nazista no período da II Guerra mundial, mas que curiosamente narra que o início desta perseguição se dá após a criação de uma série de pôsteres do exército russo-soviético, que acusava os soldados alemães de serem homossexuais, e que prontamente foi respondido pelos alemães dizendo que na verdade os russos eram homossexuais. Tal guerra de chacotas resultou nos triângulos rosa (sujeitos condenados pelo Estado nazista de serem sodomitas) presos nos campos de concentração, elemento central da narrativa do documentário citado. Mas também no retorno de uma sociabilidade homofóbica em contexto russo, que em certa medida começa a perseguir e punir pessoas dissidentes de gênero e sexualidade na União Soviética. Percebemos o endurecimento dessa sociabilidade e até mesmo a institucionalização dessa política anti-LGBTQIA+ quando Putin sanciona leis que proíbem manifestações públicas (sejam individuais ou coletivas) de sujeitos LGBTQIA+, leis essas, popularmente chamadas de “leis contra a propaganda gay”.

      Eliminar
    4. Tais questões nos dão um outro ponto de vista para se pensar o conflito Russia X Ucrania, se por um lado temos uma institucionalização de uma política anti população LGBTQIA+ em território russo, em território ucraniano a situação dessa população ainda é similar, inclusive antes do conflito. Denúncias de abuso de poder, prisões arbitrárias, espancamentos, estupros vindos de agentes estatais ucranianos, são recorrentes entre ativistas políticos e ONG’s que lutam pelos direitos das populações LGBTQIA+ na Ucrânia, e agora, com o conflito esses sujeitos se vem duplamente vulneráveis, tendo em vista a dificuldade de se locomoverem dos espaços que os oprimem e subjugam, por medo de serem afetados pelo conflito bélico que ocorre em território ucraniano. Já em contextos russos, as leis que proíbem manifestações públicas sobre a existência de pessoas LGBTQIA+ se tornaram muito mais severas e enfocadas pela mídia do país, a ponto de, alguns ativistas LGBQIA+ russos afirmarem que o endurecimento destas leis nada mais que é bonde expiatório que tem como objetivo tirar a atenção da população para as problemáticas econômicas e políticos que o conflito vem causando ao país.
      Nesse sentido podemos compreender que a dissidência de gênero e sexualidade se demonstra geoestratégicamente eficaz em diversos contextos, sendo instrumentalizada mesmo em situações de crise e ou conflito, como uma justificativa moral para a dominação de territórios ou a regulação e coesão identitária em territórios internos aos Estados- Nações envolvidos no conflito em questão.

      Eliminar
    5. REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS:
      DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. O Anti-Édipo: capitalismo e esquizofrenia. São Paulo: Editora 34, 2010.
      FONT, Joan Nogué; RUFÍ, Joan Vicente. Geopolitica, Identidade E. Annablume, 2006.
      LEOPOLDO, Rafael. Cartografia do Pensamento Queer. Salvador: Editora Devires, 2020. 280 p.
      REFERENCIAS AUDIOVISUAIS
      PARÁGRAFO 175. Direção de Rob Epstein; Jeffrey Friedman. Produção de Jeffrey Friedman, Rob Epstein, Janet Cole, Michael Ehrenzweig, John Hoffman. Música: Sharon Wood. S.I, 2002. (81 min.), DVD, son., color. Legendado.
      NOTICIAIS CONSULTADAS
      REUTERS. Já perseguida anteriormente, comunidade LGBTQIA+ na Ucrânia se diz aterrorizada com invasão russa. 2022. Noticia feita pelo portal jornalístico G1. Disponível em: https://g1.globo.com/mundo/ucrania-russia/noticia/2022/02/25/ja-perseguida-anteriormente-comunidade-lgbtqia-na-ucrania-se-diz-aterrorizada-com-invasao-russa.ghtml. Acesso em: 25 jan. 2023.
      S.I (Brasil). Alto Comissariado das Nações Unidas Para Refugiados (Acnur). Pessoas LGBTI são forçadas a se deslocar na linha de frente do conflito da Ucrânia. 2017. Disponível em: https://www.acnur.org/portugues/2017/10/09/pessoas-lgbti-sao-forcadas-a-se-deslocar-na-linha-de-frente-do-conflito-da-ucrania/. Acesso em: 25 jan. 2023
      VERNON, Will. A nova ofensiva de Putin contra a comunidade LGBT da Rússia. 2023. Noticia vinculada pelo portal jornalístico BBC. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/internacional-64370806. Acesso em: 25 jan. 2023.

      Eliminar
  39. Meu nome é Gabriel Barem, sou aluno do curso de Relações Internacionais da Faculdade de Filosofia e Ciências da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (UNESP), e estou matriculado na matéria de Tópicos de Geografia I, ministrada pela professora Silvia Fernandes.
    A importância de discutimos a geopolítica da guerra na contemporaneidade reside em uma necessidade de compreendermos sob a ótica do método científico as razões e os motivos por trás dos conflitos armados, guerras e tensões geopolíticas. É comum em um conflito armado as partes envolvidas criarem narrativas para justificarem suas ações, e que muitas vezes ocultam os verdadeiros interesses ou pressões internas que são o motivo da existência do conflito.
    Outro ponto é a cobertura feita pelos veículos de comunicação e as informações transmitidas por redes sociais, que transmitem uma visão simplista e acrítica do conflito, muitas vezes veiculando as narrativas dos países envolvidos, ou até então no caso das redes sociais, disseminando notícias falsas. E essas informações podem ser relativas aos motivos que movem o conflito ou por acontecimentos pontuais no decorrer do conflito.
    Conflitos e guerras podem se iniciar por diversos motivos, entre eles: a anexação de determinada região valiosa em certos recursos, por questões ideológicas de determinada sociedade ou crises políticas internas em que a gênese do conflito atenda ao interesse de determinado governo. E é nesse processo de identificação dos pretextos de um conflito utilizando o método científico que se insere a importância do ensino de geopolítica na formação de estudantes da educação básica, pois esta intimamente ligado ao cidadão que raciocine criticamente sobre conflitos e tensões internacionais que a escola tem o dever de formar.

    ResponderEliminar
  40. Este comentario ha sido eliminado por el autor.

    ResponderEliminar
  41. Este comentario ha sido eliminado por el autor.

    ResponderEliminar
  42. Olá! Meu nome é Graziele Alves, sou estudante de graduação em Bacharelado e Licenciatura do Curso de Ciências Sociais pela FFC/UNESP de Marília, membro do Residência Pedagógica e do PET Sociais e faço a disciplina Tópicos de Geografia I da professora Silvia Fernandes, o que tenho a dizer sobre este tema:
    A geopolítica vem sendo negligenciada e esquecida na contemporaneidade, dados que comprovem o ponto é a quantidade de pessoas que não sabem o significado de geopolítica e muito menos o que este campo implica em nossa sociedade. Portanto, é importante ressaltar que a geopolítica está relacionada ao poder, as disputas de território, hegemonia, questões muito mais complexas que as informações que encontram-se picadas na internet. Como ocorreu durante a explosão do conflito entre a Rússia e a Ucrânia, em que diversas informações, imagens, vídeos de repente eram divulgadas pelas mídias sociais criando confusão, caos, interpretações equivocadas e etc. Em suma, a geopolítica está relacionada a políticas e estratégias desenvolvidas por um país ou outros agentes com poderes sob um determinado espaço para expandir sua influência, por exemplo, as medidas tomadas pela China em relação ao Mar do Sul da China o qual segundo estudos acredita-se possuir uma enorme quantidade de gás natural e petróleo.

    ResponderEliminar
  43. A China tendo uma das maiores economias da terra, ao tomar consciência desta informação mobilizou suas forças armadas para reivindicar sua soberania sobre o espaço, assim como os outros países próximos que vem de longos embates contra a China. Essas políticas de guerras adotadas não surgem do nada, são planejadas e envolvem muito mais questões que o simples desacordo entre uma nação e outra, como foi divulgado pelos jornais quando a Rússia fez seu primeiro ataque à Ucrânia. Estes conflitos, acontecem o tempo todo em algum lugar do mundo, e não são tratados dentro de salas de aulas, conversas entre especialistas, entre amigos e etc, até que se tomem proporções que possam atingir a si próprio, como no caso do Brasil que foi abordar este assunto em suas discussões devido aos negócios que poderiam ser afetados. Discussões sobre assuntos como estes devem acontecer o tempo todo, as guerras não acabaram só porque a realidade está distante de ti, ou porque o que você presencia não tem as proporções que teve este conflito em específico. Temas como estes vêm sendo suprimidos pela lógica do capitalismo, pelo alto desenvolvimento tecnológico dos últimos tempos, pela perda de entendimento sobre o que é debate público e o que é debate privado, são tantas mudanças acontecendo ao mesmo tempo que as pessoas não dão conta de absorver, lidar com a situação e acaba por deixar debates importantes como a geopolítica de lado, isto é o declínio do homem público.

    ResponderEliminar
  44. Refletindo sobre esta questão do declínio do homem público no contexto político atual do Brasil, nas últimas eleições tem se perdido o sentido e a importância que deveria ter. O consumo as inúmeras Fake News, a falta de diálogos sobre as questões que estão acontecendo, falta de uma educação de qualidade sobretudo das massas deu origem a um país cujo as pessoas não sabem diferenciar, questionar se determinada informação é verídica ou não, e são essas distorções que constrói uma onda, uma idéia de pertencimento que os levam a cometer crimes, atos anti políticos, antiéticos sem medir as consequências de suas ações, é assustador a forma como pensam que fazer parte de um grupo lhes dão direito de fazer tudo. O bolsonarismo deu voz a todas aquelas pessoas que tiveram seus instintos oprimidos pela sociedade por impossibilitar o convívio entre coletivo, não são pessoas que sofreram como os negros, as mulheres, público LGBTQIAPN+, são pessoas que por muito tempo obteve hegemonia sobre o restante dos brasileiros e que agora sentiram que seu poder está enfraquecido e ao perceber que não teriam forças com o povo, tentaram de tudo. Instituir a dominação com a força militar, medidas políticas como decretos e leis, e não conseguiram, o que o Brasil vive hoje é claramente uma disputa de poder entre massas, entre a direita e à esquerda, uma briga fervorosa pelo Brasil, pelo setor econômico, pela poder político, uma disputa de territorialidade. A erupção desta geopolítica, foi o atentado a democracia brasileira que ocorreu no domingo do dia 8 na Praça dos Três Poderes em Brasília, em que os bandidos foram financiados por grandes nomes da classe burguesa para destruir um patrimônio público, uma construção de anos, itens de valores simbólicos, patrimônio que foi erguido pelo suor da própria população brasileira.

    ResponderEliminar
  45. Sendo assim, a aprendizagem de geopolítica nas instituições de ensino básico no Brasil é imprescindível para evitar que eventos como estes aconteçam novamente, ou compreender a situação, saber analisar, olhar para a situação com um olhar crítico, questionar as coisas que estão acontecendo à nossa volta, sobretudo no território brasileiro. A educação precisa ser de qualidade, trabalhar desde a base as questões da sociedade, formar um ser crítico e principalmente a educação brasileira precisa ser reformulada, como bem colocado por Grosfoguel (2016) a estrutura do conhecimento da universidade ocidentais tem se pautado em autores, histórias, conhecimento científico produzido pelas grandes nações, em especial a Europa, que há anos tem suas percepções inculcadas nos indivíduos por toda parte romantizando e justificando as ações políticas, guerras e outros acontecimento como parte do desenvolvimento humano, quando na verdade se trata de interesses econômicos, políticos, e ao desejo de dominar, de conquistar soberania, hegemonia sobre outros. Os brasileiros precisam entender que essas formas de comportamento são herança de uma sociedade que invadiu nossas terras e dizimou inúmeros povos, cultura e seus costumes. É necessário aprender quais são as verdadeiras questões que temos que discutir, questionar, fatores como o caráter desses agentes políticos devem ser questionados, sim. Mas não podem ser o único fator a ser questionado, seus projetos políticos também, seus planos para a economia, a sociedade brasileira, não podemos nos deixar levar pelo carisma, mas sim pelas reais necessidades do povo. O povo quer ter alimento, educação, saúde de qualidade, o povo precisa ter direito a vida e a tudo que ela implica, o povo não deve ter um parte de si expulso de suas terras, casas por interesses de um capitalista, o povo deve ter direito ao território brasileiro tanto quanto as classes superiores, o povo é quem movimenta a economia, o povo é quem faz este País ainda se manter de vivo. Por fim, a sociedade brasileira precisa entender sobre a organização da sua própria sociedade, como se deu a construção de cada espaço ao qual faz parte, como espaços, principalmente públicos se constituíram, será que todos sabem a história das construções do Congresso Nacional, Palácio do Planalto e do STF (supremo Tribunal Federal) e a importância dos mesmos, são questões que devem ser levadas para ressaltar a importância da Geografia e Geopolítica na educação brasileira, às vezes as pessoas sabem a história da construção de um espaço de outro país como aprendemos nas escolas, sobre o Coliseu, Notre Dame entre outros mas não sabe sobre o próprio espaço que vive.

    ResponderEliminar
  46. REFERÊNCIAS
    NAVEIRA, Ruben Bauer. “O Mar do Sul da China será o campo de batalha do futuro” [2016]. In: Kaplan, Robert D. Asia´s Cauldron. Edição Reprint. Random House Trade, 2015.
    KURZ, Ester G. Pelotas Mun, 2021. O Mar do Sul da China: Reivindicações de soberania e o interesse chinês. Disponível em: Acesso em: 21/01/23.
    CONJUR. Consultor Jurídico, 2023. PGR Denuncia mais 54 bolsonaristas envolvidos nos ataques do dia 8. Disponível em: . Acesso em: 23/01/23.

    ResponderEliminar
  47. A geografia estuda sobretudo as relações humanas as quais ocorrem na superfície terrestre. Enquanto eu lia este texto 28 o geoforo, me perdi por um longo pesquisando a Vila “No limite”. A vila “no limite” era uma desconhecida para mim, até a minha contratação pela prefeitura de Porto Alegre para a função de professor de Geografia. A minha escola pela escola Gabriel Obino deu-se por critérios, por assim dizer, geoestratégicos. A escola é a mais perto da minha casa que havia vaga para eu lecionar, distando cerca de 4km. Além disso, ao chegar na escola descobri que ela é a escola mais perto do centro da cidade a possuir adicional de “difícil acesso”. Sabendo que, nem sempre a condicionante para difícil é de fato o acesso, mas sim, algumas características sociais do bairro, fui pesquisar o bairro Teresópolis e em especial a vila “no limite” – esta é a denominação da comunidade na qual a escola Gabriel Obino está inserida. Aparentemente o ultimo assassinato foi em 2017, quando uma facção invadiu a casa de um estuprador e matou-o. Para o leitor internacional certamente parecerá barbárie, mas para os padrões de uma cidade entre as 100 mais violentas do mundo, essa noticia tranquilizou-me a cerca da comunidade que irei lecionar. O texto 28 fala sobre geopolítica e conflitos de guerra na Ucrania, mas aqui pareceu-me mais próximo, mais real, mais meu. Descobri que de uma cidade de 1,48 milhoes de pessoas distribuídas em 88 bairros, 40 bairros, onde vivem 900 mil desses 1,48 milhoes, estão sob domínio de alguma facção – dados do grupo jornalístico Zero Hora -2017 – e descobri que entre 2016 e 2019 os homicídios em Porto Alegre superaram os homicídios ocorridos no Rio de Janeiro no mesmo período. Tal fato revela algo assombroso, muitas vezes a mídia nacional retrata o Rio de Janeiro por ser uma cidade turística, uma espécie de vitrine do Brasil, e causa comoção e espanto as noticias violentas de lá, e para minha surpresa descobri a minha cidade bem mais violenta. O leitor deve estar se perguntando, e onde entra a geografia nisso tudo, e em especial o ensino?
    Existem pelo menos 4 facções em Porto Alegre, e cada uma delas tem um território. Preocupa-me saber da existência de uma área de risco, e de nela estar inserido. Mas ainda assim, aceitando o encargo, faz-se necessário conhecer a realidade para que o “modos operandi” do professor seja menos utópico e mais real. Na minha primeira visita á essa nova escola que começarei a lecionar em fev/mar de 2023 os meus questionamentos pouco foram acerca da estrutura da escola, mas sim acerca do respeito e da segurança dos professores e do ambiente escolar. O diretor me garantiu que há uma guarnição da guarda municipal que atende de prontidão a escola, mas que não há eventos violentos dentro da escola. Além disso, o respeito aos professores e a escola era uma das regras da comunidade – e de aqueles que a dominam -, ufa!

    ResponderEliminar

Para participar en el debate tan solo tienes que hacer click en el título del debate, donde a continuación, además de aparecerte el texto a debatir, encontraras la manera de dejar tu comentario. Periódicamente, cada quince días, se renovarán los contenidos con el objetivo de de precisar el sentido, alcance y límite de los mismos. Para proponer nuevos debates escribe a:geoforo@gmail.com .