martes, 26 de abril de 2016

FORO 23: Política, sociedad, educación y ciencias sociales.

En el siguiente documento podemos encontrar una invitación a debatir las relaciones entre la política y la educación en los diferentes contextos sociales. Si bien es cierto que el origen de este documento reside en la situación política actual de Brasil, pretendemos elevarnos desde una situación concreta a otras donde ejemplificar las implicaciones del estudio político en la geografía y otras ciencias sociales en la educación escolar. Agradecemos el texto inicial de Jaeme Copetti para plantear los problemas que nos permitirán debatir y construir colectivamente un conocimiento crítico ciudadano. 

FORUM 23:  POLÍTICA, SOCIEDADE, EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS SOCIAIS
Jaeme LUIZ CALLAI

A organização de um Forum de discussão que considere a complexidade e diversidade da realidade latino-americana é tarefa que requer a participação coletiva. Muito embora se possa considerar que existam elementos históricos, sociais e mesmo espaciais comuns há sempre especificidades, localismos, que não podem ser desconsiderados.  Nestas condições sugiro a participação, como animadores da discussão, de colegas dos diferentes países.
Tendo como perspectiva a atual conjuntura brasileira, encaminho uma proposta preliminar nos seguintes termos:
1.O crescente protagonismo econômico da China, caracterizado seja pela ampliação das relações comerciais bilaterais tornando-a um parceiro comercial de primeira grandeza; seja pelas inversões diretas de capital ou mesmo empréstimos governo-governo, põe em risco a  hegemonia norte americana nesta região que estes sempre consideraram seu “quintal”. Qual a dimensão deste protagonismo no âmbito de cada país e como os EUA tem reagido à esta ofensiva econômica ?
2.As economias latino-americanas possuem um forte setor exportador, primário, (minérios, grãos e carnes). Como a queda dos preços internacionais das commodities tem impactado as economias locais?
3. Após um período, anos 60-80 do século passado, em que diversos países estiveram submetidos à ditaduras militares observou-se um generalizado processo de redemocratização e mesmo uma vaga de governos situados politicamente mais à esquerda no espectro político. Mais recentemente parece em marcha um refluxo  sendo a eleição de Macri na Argentina, e o atual processo de impeachment no Brasil seus sinais mais evidentes. Por certo não é coincidência, como então explicar esta conjuntura tão adversa?
4.As políticas sociais de combate à pobreza e distribuição da renda resultaram em melhoria das condições econômicas de considerável parcela da população e a sua inserção no mundo do consumo. Quais são as mudanças no âmbito da cidadania e da autonomia política das camadas beneficiadas? Ou tem razão Frei Beto ao dizer que os governos petistas criam novos consumidores mas não cidadãos! Nesta mesma linha de raciocínio, em que medida os movimentos sociais urbanos e rurais, os sindicatos, transformam-se em linhas auxiliares do governo com a cooptação de suas lideranças mais combativas?. 
5. No Brasil observa-se um recrudescimento de manifestações de cunho fascista, de apoio à ditadura militar (1964-1985) e inclusive elogio a violência e à tortura. Em que medida essas manifestações guardam relação com o fato dos crimes políticos que caracterizaram o período ditatorial não terem sido adequadamente investigados e nem seus responsáveis punidos? Como os diferentes países tem tratado esses crimes políticos?
6.Embora repúblicas, declaradamente laicas, é bastante evidente a influência da religião na sociedade e no trato das questões políticas. Muitas vezes a discussão política se realiza sob a invocação de argumentos religiosos, muitas vezes de perfil marcadamente fundamentalista.
7. A estrutura partidária, o sistema eleitoral, o financiamento das campanhas políticas contribuem para a fragilidade do regime democrático na região  e a preservação de estruturas sociais autoritárias e excludentes.
8.A mídia, tradicionalmente conservadora, exerce forte influência no jogo político e, não obstante o crescimento das midias sociais, influenciam  fortemente a opinião pública.
9. A desigualdade social e de distribuição de renda revelam a persistência da hegemonia do grande capital seja agrário, industrial ou rentista e, ao mesmo tempo, a dificuldade de governos populares realizarem mudanças consistentes e duradouras.
Por certo as considerações acima não esgotam o espectro de questões que poderiam pautar as discussões do Forum, outros elementos poderão agregar-se ou mesmo substituir alguns aqui apresentados. Considero que a tarefa inicial é precisamente fixar a pauta mínima de uma primeira rodada de discussão e este é intuito desta proposta.

IjuÍ (Brasil), 23 de abril de 2016

TEXTO en CASTELLANO: Política, sociedad, educación y ciencias sociales.
Jaeme LUIZ CALLAI

La organización de un Forum de debate que considere la complejidad y diversidad de la realidad latino-americana es tarea que requiere la participación colectiva. Aunque se pueda considerar que existen elementos históricos, sociales e incluso espaciales comunes hay siempre especificidades, localismos, que no pueden ser desconsiderados.  En estas condiciones deseo y sugiero una participación, como animadores del debate, de colegas de los diferentes países.
Teniendo como perspectiva a actual coyuntura brasileña, realizo una propuesta preliminar em los siguientes términos:
1. El creciente protagonismo económico de China, caracterizado tanto por la ampliación de las relaciones comerciales bilaterales, siendo un socio comercial de primera magnitud; como por las inversiones directas de capital o mismo préstamos gobierno-gobierno; pone en riesgo la  hegemonía norte-americana en esta región que EE.UU. siempre consideraron como su “finca”. ¿Cuál es la dimensión de este protagonismo en el ámbito de cada país e como los EE.UU. han reaccionado a esta ofensiva económica?
2. Las economías latino-americanas poseen un fuerte sector exportador, primario, (minerales, granos y carnes). ¿Como el descenso de los precios internacionales de las commodities ha impactado sobre las economías locales?
3. Después de un periodo, años 60-80 del siglo pasado, en el que diversos países estuvieron sometidos a dictaduras militares se observó un proceso generalizado de redemocratización e incluso un conjunto de gobiernos situados políticamente más a la izquierda en el espectro político. Sin embargo, recientemente parece que ahora existe un reflujo neoliberal,  siendo la elección de Macri en Argentina, y el o actual proceso de impeachment en Brasil sus señales más evidentes. Por cierto,  si no es coincidencia, ¿como entonces explicar esta coyuntura tan adversa?
4. Las políticas sociales de combate contra la pobreza y la distribución de la renta resultaron una mejoría de las condiciones económicas para una considerable parcela de la población y su inserción en el mundo del consumo. ¿Cuáles son los cambios en el ámbito de la ciudadanía y de la autonomía política de las capas o sectores beneficiados? O tiene razón Frei Beto cuando dice que los gobiernos petistas (PT) generan nuevos consumidores pero no ciudadanos! En esta misma línea de racionalidad, ¿en que medida los movimientos sociales urbanos y rurales, los sindicatos, se transforman en cuerpos auxiliares del gobierno como es la cooptación de sus liderazgos más combativos?
5. En Brasil se observa un recrudecimiento de manifestaciones de cuño fascista, de apoyo a la dictadura militar (1964-1985) e incluso el elogio a la violencia y a la tortura. ¿En que medida estas manifestaciones guardan relación con el hecho de los crímenes políticos que caracterizaron el período dictatorial no han sido adecuadamente investigados y ninguno de sus responsables castigados? ¿Cómo los diferentes países han tratado estos crímenes políticos?
6. Aunque repúblicas, declaradamente laicas, es bastante evidente la influencia de la religión en la sociedad y en el análisis de cuestiones políticas. Muchas veces los debates políticos se realizan bajo la invocación de argumentos religiosos, muchas veces de perfil marcadamente fundamentalista.
7. La estructura partidaria, el sistema electoral, la financiación de las campañas políticas contribuyen a la fragilidad del régimen democrático en la región y la preservación de estructuras sociales autoritarias y excluyentes.
8. Los medios de comunicación, tradicionalmente conservadores, ejercen una fuerte influencia en el juego político y, pese al crecimiento de medios sociales, influyen  fuertemente sobre la opinión pública.
9. La desigualdad social y de distribución de renta muestran la persistencia de la hegemonía del gran capital sea agrario, industrial o rentista y, al mismo tiempo, la dificultad de que los gobiernos populares realicen transformaciones consistentes y duraderas.
Por cierto las consideraciones anteriores no agotan el espectro de cuestiones que podrían pautar las discusiones del Foro, otros elementos podrán agregarse o incluso sustituir algunos aquí presentados. Considero que la tarea inicial es precisamente fijar las bases mínimas de una primera ronda de discusión y este es el deseo de esta propuesta.



156 comentarios:

  1. Este comentario ha sido eliminado por un administrador del blog.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Creo que las aulas deben ser siempre un espacio abierto al debate político entre los alumnos, y mucho más cuando en ella se imparten Ciencias Sociales.
      El concepto moderno de ciudadano en los estados de derecho es el de un individuo participativo, consciente de sus derechos, y dispuesto a defender sus convicciones en la arena política si así lo cree oportuno. Creo que la mayoría de las personas que han comentado y comentan en el foro estarían de acuerdo, sin ningún tipo de problema, con la definición de mínimos que acabo de dar. Y, sin embargo, el hecho de que la escuela sea también un lugar de formación de ciudadanos sigue siendo un tema de debate.
      Prácticamente todas las personas nacidas desde la segunda mitad del siglo XX en España, Portugal, y gran parte de Iberoamérica pasan prácticamente toda su infancia y gran parte de su adolescencia en un aula, y en ocasiones esta estadía se prolonga más allá del límite de la mayoría de edad. Al traspasar ese límite, de 18 a 21 años dependiendo del estado, el adolescente se convierte en adulto y ciudadano a efectos legales, y tiene derecho a votar, a ser votado, y lo que es más importante, a ser representado en una gran variedad de cámaras (en el caso español, por ejemplo, la municipal, la autonómica, el Senado, el Congreso de los Diputados, y el Parlamento Europeo). El ciudadano pasa a ser propietario, junto a una enorme colectividad de conciudadanos, de la soberanía de su estado. No es una cuestión baladí: cada vez que vota, el ciudadano cede en representación su propia soberanía, y permite que otros ostenten el poder que cada fragmento de esta encierra, en distintas áreas: educación, sanidad, gestión, política interior y exterior...
      Mi pregunta es la siguiente: ¿cómo esperamos que un individuo esté preparado para desempeñarse como sujeto político a lo largo de su vida, si durante el periodo de escolarización obligatoria no lo dotamos de recursos para ello? Evidentemente, el propósito de la geografía como disciplina escolar a lo largo del siglo XIX, y durante gran parte del XX (quizás, incluso hasta ahora), ha sido el de reforzar la identidad nacional de los futuros ciudadanos. ¿Lo ven? ¡En el XIX, los estados tenían claro que la escuela era un instrumento de formación de ciudadanos! Eso sí, del tipo de ciudadano que demandaba el estado-nación.
      Si la escuela debiera servir para transmitir el amor a la patria, a la nación, o a cualquier otro tipo de identidad, es otro debate. Lo que está claro, es que estas identidades que han pervivido durante dos siglos están comenzando a ceder terreno (que no a desaparecer) a otro tipo de identidades, como señalaba el recientemente fallecido Zygmunt Bauman. Y este proceso está desarrollándose paralelamente a una enorme polarización del espectro político. Lo vemos en Brasil, en Venezuela, en México, en Colombia, en España, y fuera del mundo Iberoamericano, en prácticamente toda Europa, y también en Estados Unidos.
      Esta crispación, esta electrificación de la atmósfera política, requiere de un nuevo tipo de ciudadano: crítico, capaz de contrastar distintas informaciones, realmente consciente de sus derechos, preparado para batallar en la arena política, tolerante, abierto al compromiso... Si no promovemos que nuestros alumnos sean todo eso dentro de un aula, jamás lograremos que lo sean fuera de ella. La pregunta que les planteo es la siguiente: ¿cómo lograrlo? ¿Qué hemos de pedir a los estados? ¿Currículums abiertos? ¿Interdisciplinariedad? ¿Una asignatura de educación política?

      Guillermo López Juan,
      Máster en Profesor de Educación Secundaria.
      Universitat de València (Estudi General).

      Eliminar
  2. Entiendo que uno de los problemas fudnamentales de trabajar la política en las clases de geografía e historia es romper los prejuicios que existen sobre esta práctica en la vida pública y en el caso de la Geografía su asociación con el uso que se ha hecho en el pasado, en concreto por la Alemania nazi.
    Pero esto puede cambiar si somos capaces de ver en la política una propuesta tèorica para abordar los problemas sociales desde la participación. y eso supone un compromiso con los alumnos y alumnas, permitiendo su participación en el espacio público del aula. Es decir, fomentando la construcción colectiva del conocimiento.
    Otro prejuicio que existe es la confusión entre política y partidismo. Por eso algunas personas piensan que no se puede hablar de política en clase cuando realmente estamos haciendo política al seguir un programa cultural, al seguir unas normativas legales o al imporner un reglamento de convivencia.
    Por eso es necesario trabajar estos contenidos para transformar las conciencias dependientes de las personas sumisas en conciencias autónomas para la participaciòn ciudadana

    ResponderEliminar
  3. Concordo com o Prof. Xosé Souto e acrescentaria uma preocupação cada vez maior: a repulsa dos jovens à política e, consequentemente, à democracia. Como a mídia mostra apenas a parte ruim da política em suas manchetes (corrupção, venda de votos no parlamento, falta de ideologia dos partidos) os alunos assumem uma postura cínica e niilista. Cabe à escola trazer esses alunos ao debate político dentro da instituição mostrando que isso também é política. No Colégio Pedro II campus Realengo II os professores e os alunos estão construindo coletivos interdisciplinares que discutem problemas étnicos e raciais, sobre o assédio sexual e moral, assim como o papel das minorias na sociedade brasileira. Acredito que esse exemplo mostra que é possível trazer os alunos ao debate - o que complementa as ideias trazidas pela professora Andrea Lastória.
    No ponto 3 Jaeme LUIZ CALLAI deixa em aberto uma importante questão. É difícil especular sem provas concretas sobre uma intervenção externa no Brasil no atual processo político que muitos consideram um golpe parlamentar. Mas o jornalista Glenn Greenwald em seu livro "Sem lugar para se esconder" mostra na página 51 que a CIA age de forma agressiva quando quer uma informação, e cita a grande capacidade de coleta de dados dos EUA assim como uma invasão à sua residência para roubar um notebook com informações de Eduard Snowden. Dessa forma, não duvido de uma intervenção externa na América Latina - agora não mais militar como nos anos 70/80.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Prezado Yan e colegas

      A mídia tem um importante papel estratégico de imposição de um discurso hegemônico, de monopólio de informações e comunicação a depender do grupo que ela mantém cumplicidade. Pensando democracia, dentro das ideias de Laclau, em que vários grupos particulares estão em constante disputa para ocupar (ou manter) de modo temporário a função da representação do universal, podemos pensar que a mídia está a serviço de um discurso particular que já se concretizou como universal e busca a sua manutenção, ou que está em via de.
      No atual processo de impeachment no Brasil, acredito que podemos identificar na mídia, o reflexo dessa estrutura partidária que não tem representatividade dos particularismos do povo, em que o sistema eleitoral acaba corroborando ainda mais, com um financiamento de campanha que representa o interesse dos empresários. A mídia contribui para fortalecer essa estrutura autoritária de apenas um grupo. Laclau traz algumas reflexões que nos ajudam a compreender como se dá essa relação de disputas de poderes do particularismo e do universalismo dentro de um contexto multicultural.

      Saudações
      Membra do grupo APEGEO (Ateliê de Pesquisas e Práticas no Ensino de Geografia) – UNICAMP-SP

      Eliminar
    2. Prezada Thiara e colegas desse grupo

      Gostaria de somar ao comentário da Thiara a seguinte frase de Laclau: "[...] um conteúdo diferencial particular que passa a ser o significante da plenitude comunitária ausente, é exatamente o que denomino relação hegemônica."
      A forma com que Laclau define Hegemonia é baseada numa leitura em que os conceito e as palavras são significantes vazios e há uma briga constante e intensa entre particulares diferentes que buscam preencher esse significado de acordo com seus interesses. O particular que acessa o Universal se torna hegemônico de forma contingencial e provisória. Por isso mesmo, há uma preocupação necessária em fazer a manutenção de sua hegemonia. Não pode haver descuido. Diversas mobilizações devem ser feitas para manter o preenchimento desse significante vazio, e nesse caso, a mídia é fundamental para fortalecer as significações do lado hegemonizado.
      Diversos são os significantes vazios em debate, podendo citar, por exemplo: Democracia, liberdade, corrupção, progresso, desenvolvimento econômico.
      Recentemente, nos telejornais de grande audiência no Brasil, foi feito uma matéria que resumia a manhã do atual presidente interino do Brasil. Os compromissos foram: Tomar café da manhã com sua esposa, pegar o filho na escola e almoçar em família.
      Poderíamos refletir sobre a relevância que isso tem para o Brasil. Porém, na verdade o que está sendo propagado é o discurso hegemônico para a manutenção do poder interino. Uma comparação subliminar com a atual presidente afastada, uma forte mensagem de vida simples e de que o presidente interino é gente como a gente é transmitida.
      O geógrafo brasileiro Milton Santos afirma algo muito pertinente para nossa discussão em relação ao papel da mídia nesse mundo globalizado: "O que é transmitido à maioria da humanidade é, de fato, uma informação manipulada que, em lugar de esclarecer, confunde [...] Mas na medida em que o que chega às pessoas, como também às empresas e instituições hegemonizadas, é, já, o resultado de uma manipulação, tal informação se apresenta como ideologia [...] Não é de se estranhar, pois, que realidade e ideologia se confundam na apreciação do homem comum, sobretudo porque a ideologia se insere nos objetos e apresenta-se como coisa."
      Para o breve futuro do cenário político brasileiro é muito válido observar as manifestações dos velhos e novos particularismos e as manobras de manutenção da hegemonia que, justamente por ser contingencial, basta um fato novo para fortalecer um outro particularismo e questionar o poder hegemônico atual.

      Samuel Fideles
      Geógrafo e Aluno especial do APEGEO (Ateliê de Pesquisa e Prática de Ensino de Geografia) – Unicamp – Campinas, Brasil.

      Eliminar
    3. Acredito que o fato de o governo criar politicas públicas que pretendem melhorar as condições economicas, tem sim o papel de produzir novos consumidores, e consumidores mais ativos. Não é a toa que temos inúmeros programas sociais que visam o acesso às financiadoras, às construtoras, etc. Porém, não podemos tirar o mérito do governo por conseguir melhorar a situação economica e social de milhares de pessoas. Contudo, não creio que a chamada "cidadania" tenha se efetivado, e nem a autonomia politica das classes favorecidas tenha sido buscada. Acredito que os movimentos sociais assumem o papel fundamental de conscientizar e tornar cidadãos, papel que o Estado não se propõe.

      Iara Milreu Lavratti, graduanda de Ciências Sociais, Unesp, Marília.

      Eliminar
  4. En el reciente Coloquio Internacional de Geocrítica, celebrado en Barcelona entre los días 2 y 7 de mayo, se registraron diversas intervenciones sobre los sucesos que están sucediendo en Brasil.
    Además del Manifiesto contra o golpe que se estaba produciendo en Brasil, me ha parecido oportuno reproducir una frase del profesor Jorge Luiz Barbosa (Universidade Federal Fluminense. En el debate posterior a su ponencia dijo que le problema más importante del país.continente brasileño consistía en "querer acabar con la pobreza sin acabar con las desigualdades".
    Esto me parece fundamental, pues los privilegiados han seguido manteniendo muchos resortes del poder y por eso han reaccionado cuando veían que algunos de sus mecanismos ya no funcionaban como antaño.
    Pero esta problemática es común a otros países de América Latina. Creo que es necesario hacer referencia a la destitución del presidente Lugo en Paraguay, un proceso muy semejante al que se registra en estos momentos. Como bien dice Yan Navarro ahora no son precisos los tanques apra intervenir, hay otros métodos más sofisticados y, entre ellos, está el dominio de la información. Por eso es muy importante alcanzar una educación crítica que conceda la autonomía consciente a las personas. Y en este ámbito la enseñanza de la geografía se vuelve estratégica
    Un saludo
    Xosé m. Souto

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Xose, na América latina temos várias problemáticas em comum. Para essa reflexão, retomo novamente os conceitos de Laclau, (que como Vanessa pontuou, é um referencial teórico que orienta as discussões do grupo que fazemos parte) de universalismo e de particularismos. Alguns países podem tem semelhanças culturais, económicas e históricas arraigadas ao colonialismo (mesmo os que tiverem colonizadores distintos), mas temos diferenças marcantes dentro dos processos ditatoriais, e dessa “onda” de governos situados politicamente mais à esquerda, cujo ciclo tende-se a acabar. Cada país leva consigo seus particularismos resultando em desenvolvimentos diferentes. Isso se reflete nas atuais formas de imperialismo e de globalização. O Brasil por exemplo é o único país da América Latina a participar do BRICS.

      Saludos desde Brasil
      Membra do grupo APEGEO (Ateliê de Pesquisas e Práticas no Ensino de Geografia) – UNICAMP-SP

      Eliminar
    2. Xosé,

      Colegas,

      Em 2014, ano da última eleição brasileira, elegemos Dilma Rousseff para a presidência da República. Os governos do PT, em vigor no Brasil desde 2002 por meio de eleições diretas, embora marcados por grandes problemas de gestão e por envolvimento em esquemas ilícitos por parte de alguns de seus personagens, é declaradamente reconhecido, nacional e internacionalmente, pelas grandes mudanças sociais que o Brasil experienciou, bem como por uma gestão de combate à corrupção como nunca antes vimos. São influentes políticos e megapoderosos empresários brasileiros literalmente atrás das grades, ou mesmo indiciados por práticas ilícitas no exercício de suas funções, sejam elas públicas ou privadas.
      Nesse sentido, quero reiterar aqui dois grandes pilares que explicam o atual momento político do Brasil.
      O primeiro está relacionado à conduta do governo de não obstruir investigações e prisões de políticos ou pessoas influentes neste país. Este é, abertamente, um momento de maior autonomia dos órgãos de investigação, em especial da Polícia Federal. Este posicionamento, no interior de suas contradições, embasou, inclusive, as práticas abusivas de alguns agentes do judiciário brasileiro.
      O segundo aspecto relaciona-se ao histórico de profundas transformações sociais e políticas que o Brasil vem vivenciando sob a gestão dos últimos 13 anos. Falo de profundos investimentos na qualidade da universidade pública, da política de cotas para que negros e pobres pudessem entrar e permanecer na universidade, de direitos constitucionais criados e garantidos aos portadores de necessidades especiais e de uma pesada política de direitos para negros, negras e mulheres. Estes são alguns dos muitos avanços que conquistamos na direção da valorização cidadã dos particularismos minoritários.
      A situação social e política decorrente da conjuntura criada por estes dois grandes fatores incorreu num profundo incômodo às elites brasileiras e aos setores conservadores, historicamente favorecidos pelos esquemas políticos, econômicos, oligárquicos e de corrupção. Neste movimento, forças políticas conservadoras, em suas mais diversas frentes de atuação, articularam politicamente suas cadeias de equivalências em torno de um ponto nodal (LACLAU, 2011) e, neste momento, estão a um passo de destituir o governo num infundado processo de impeachment.
      Trata-se de setores reacionários contrários à promulgação e garantia de direitos à comunidade negra, às mulheres, à comunidade LGBT (gays, lésbicas, bissexuais e transgêneros), às comunidades indígena e quilombola. Os governos do PT, apesar de todos os seus problemas, permitiram que diversos setores e identidades historicamente oprimidas tivessem voz política no cenário nacional. Como são conhecidas no Congresso Nacional, as bancadas da bala (que deseja a revogação do Estatuto do Desarmamento), evangélica (que rechaça qualquer tentativa de liberdades democráticas aos homossexuais) e ruralista (revoltada com a demarcação de terras indígenas e quilombolas) são grandes fomentadoras deste movimento político.

      Nesse processo, a grande mídia, em especial as Organizações Globo, detém um papel central na articulação destas forças. Ao execrar e escandalizar o processo de destituição da presidente, bem como os atos ilícitos de alguns personagens de partidos da base governista, as emissoras de TV escondem aquilo que está por trás das intenções político-partidárias conservadoras, apresentando personagens sórdidos da política oposicionista como alternativas viáveis e possíveis de governo. Escandaliza-se o PT e omite-se os escândalos e a história política de personagens do PMDB e do PSDB, que querem tomar o poder sem a legitimidade do voto. Dessa forma, a imprensa tem grande responsabilidade na formação da opinião popular nacional e na impressão internacional dos fatos.

      #FORATEMER

      Thiago Manhães
      Membro do grupo de pesquisa APEGEO (Ateliê de Pesquisa e Prática de Ensino de Geografia) – Unicamp – Campinas, Brasil.

      Eliminar
  5. A "teocracia política" e o caminhas das humanas no Brasil
    O mundo contemporâneo nos lega a sociedade de informação que permite a todos, em graus diferentes, acesso à oportunidades de expor opiniões e pontos de vista de acordo com seu universo cultural. Parte destes esta em uma ala radicalista religiosa que ganha força nas desigualdades no nosso sistema capitalista em que mercantiliza as crenças religiosas do coletivo. Baseado neste momento delicado a frágil e recente democracia brasileira sofre com apontamentos incisivos de grupos políticos religiosos que assentaram nas territorialidades de um Estado laico discursos de profanação aos sagrado pelas ciências humanas. Pergunto-me se as ciências humanas estão de fato cumprindo seu papel em um Estado nação que não concede importância real a alas. Pergunto-me se esta 'teocracia política" que convoca as entidades do mundo judaico cristão nas instituições políticas oficiais darão espaço para uma área do conhecimento renegada à segundo plano, em que se modificam os currículos e as metodologias de ensinar o tempo, o espaço, o ser humano e a sociedade forcadamente. O que nós professores devemos fazer frente à esta realidade? Como nós profissionais do conhecimento humano devemos refletir? O que nós devemos assumir para nossa classe? Admito que o primeiro passo é ter a consciência do fato vivido para em seguida estuda-lo nas suas múltiplas formas. Com a compreensão teórica da crise das ciências humanas no Brasil poderemos elaborar estratégias de enfrentamento usando o próprio conhecimento das ciências em diferentes espaços de aprendizagem formais e não formais. Assim dialogar com os pares em inúmeras esferas de conhecimento com acadêmicos e não acadêmicos. A teocracia política deve ser desmantelada assim como foi a mentalidade teocrática da Idade Média por uma nova forma de pensar o mundo. Cabe sim o papel das ciências humanas de desenvolver incômodos no campo real e no virtual. O caminho a ser é espinhoso, tanto quando qualquer outro momento da História e em muitos espaços que sofreram abalos e continuar existentes. O caminho das ciências humanas é despojar a deslocar a herva daninha da "teocracia política" do seio da nossa democracia e da nossa sociedade.


    Professor de História e Geografia da ETEC Paula Souza e da Rede Municipal de Ribeirão Preto. Membro do grupo ELO -USP Ribeirão Preto - SP Brasil

    ResponderEliminar
  6. Toda a conjuntura atual reflete que visão de grupos que abordam apenas os ideais que lhes convêm, podem ser de direita, esquerda, religioso, militarista, entre outros, demonstram que a democracia e a participação de todos e a compreensão das outras ideias diferentes, estão fora da abrangência de recursos cognitivos destes cidadãos que fazem parte de qualquer um desses grupos.
    Para mudarmos a sociedade, é preciso educação de uma forma ampla e que dê enfase na pluralidade. Mas a educação esta vez mais restritiva ao ensino de português e matemática, falo pela educação paulista, onde o ensino de história, geografia, ciências, artes, educação física, perdem cada vez mais espaço. Neste aspecto eu questiono: Como teremos uma sociedade democrática e de inclusão onde que na escola básica temos a situação de não expandir o conhecimento?
    Continuando nesta linha, ainda dentro da educação paulista, onde o governador questiona as pesquisas em ciências humanas, ora, que sociedade pretendermos ter? Apenas técnicos, excluindo o pensamento e a humanidade?
    Sem querer sem redundante, mas sem uma educação ampla não avançaremos.Estamos colhendo os frutos de uma história onde se deseja impor a visão de antigos opressores ou de antigos oprimidos, enquanto houver essa visão baseada no rancor, não contemplando a sociedade como um todo e suas diversidades, dificilmente esta conjuntura será mudada. André Villanova, aluno do curso de Biblioteconomia & Ciências da Informação da Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Olá, André, concordo com sua reflexão! O atual conservadorismo que está invadindo dia a dia todas as instâncias do Brasil, vem de um grande grupo que se aglutinou a fim de se fortalecer, fortalecer suas semelhanças. Leio a questão política e diretamente social do Brasil contemporâneo de acordo com as lentes que os conceitos da obra de Laclau (2011) nos proporciona. Segundo os conceitos desenvolvidos pelo autor, podemos entender que esse grande grupo, representado em linhas gerais pelo conservadorismo, vem crescendo e unindo forças a partir de seus particularismos, que são de diversas linhas de pensamento, mas que podem ser representados, de forma geral, pelo desejo de apagar a diversidade, o plural, e instauração de uma sociedade brasileira marcada por uma classe média orgulhosa de sua posição como consumidores e privilegiados. Assim, ao se encontrarem em um grupo que possuí cadeias de equivalências em sua forma de pensar, acabam por estruturar um conjunto de ideias e propagá-las a sociedade, eles acabam transformando seus particularismos em ideais universais, que passam a ser conhecido e aceito por um grupo cada vez maior de pessoas.
      Essa leitura se estende ao que vem acontecendo com as ciências humanas em âmbito acadêmico ou escolar. Compartilho da mesma angústia que você, essa semana tive uma reflexão com o coordenador da escola em que trabalho, que é graduado em ciências sociais, e falamos a respeito de como é frustrante o modelo de escola em que nosso trabalho é medido pelo sucesso nas avaliações institucionais. Sinto-me frustrada ao perceber que com as minhas duas aulas semanais desenvolvo muito pouco a respeito de conceitos geográficos ou a respeito de reflexões teórico metodológicas que promovam uma reflexão sobre o cenário do Brasil atual.
      Mas ao olhar para esse cenário, a situação em que se encontram as ciências humanas é coerente com as grandes ideias que representam o atual universal que encontra-se na liderança do Brasil. O que me dá esperanças é que entendo, por meio da interpretação dos conceitos de Laclau (2011), que esse espaço, o espaço da liderança de um país, encontra-se em constante disputa, ele conceitua como sendo um significante vazio, que está nomeia-se como vazio devido a característica provisória de quem o ocupa, portanto, com grande luta, ações menores ou porque não revolucionárias? Acredito que consigamos ganhar a disputa pelo projeto de Brasil que acreditamos, materializando a escola pela qual lutamos diariamente.

      Giovanna Ermani
      Membra do grupo de pesquisa APEGEO (Ateliê de Pesquisa e Prática de Ensino de Geografia) – Unicamp – Campinas, Brasil.

      Eliminar
  7. Em primeiro lugar, não quero deixar de dizer como são tristes os acontecimentos atuais no Brasil.
    Claro que os acontecimentos no Brasil ou noutra parte do mundo interpelam, e muito, o que deve ser o ensino de Geografia. Este deve ser um ensino crítico, do ponto de vista social e político. Quer dizer que a Geografia deve trazer para a sala de aula as questões delicadas, sensíveis. Tal contraria a nossa cultura escolar, que é a de não falar de problemas - enfim, falar dos problemas dos países subdesenvolvidos, coitados... com fome... mas nem sequer aí nos debruçamos sobre as respetivas causas. É uma didática da superficialidade. Coloca-se a questão do posicionamento do professor: deve tomar posição? Até que ponto tem legitimidade para influenciar os alunos com as suas próprias opiniões?
    Costumo dizer que cresci mais com os professores com opinião, do que com aqueles sem opinião nenhuma. A posição do professor, que não é em absoluto neutra, é a de tentar levar os professores à clarificação e reflexão sobre os seus valores, as suas posições. Não tem de haver uma "resposta" fechada, uma tomada de posição conjunta.
    Em Geografia, o problema da abordagem das questões políticas coloca-se com particular acuidade. A teoria do espaço vital, de Ratzel, foi aproveitada pelo nazismo alemão para legitimar o expansionismo militar hitleriano. Este aproveitamento infeliz da Geografia traumatizou, de alguma forma os geógrafos, que deixaram de querer qualquer coisa com a política, essa serpente maliciosa.
    Mas a vida é política e ela entra-nos pela sala de aula. A questão que se coloca é esta: deve a Geografia cumprir o seu papel de ajudar os alunos a debater e a refletir sociedades e territórios construídos, também, pela política, ou não?

    ResponderEliminar
  8. Prezados colegas
    Infelizmente tendo a concordar com o Jaeme... sim, muito lúcida sua análise.
    A onda conservadora está vindo forte. OU será que apenas tivemos um pequeno intervalo com governos mais à esquerda nos últimos quinze anos? Parece que o rio (América Latina) volta ao seu curso 'normal': conservadorismo político. Que nao é da 'classe política', é nosso, da população, seja ela mais de origem popular, sejam os de classe média. Ou seja, o duro é que os 'pobres' são conservadores. Claro, podemos dizer que são manipulados, que a imprensa é conservadora (e é), mas, me parece que o ser humano tende a olhar para seu umbigo. Os valores da solidariedade e fraternidade ainda são um tênue verniz sobre séculos de práticas violentas. Mas, tergiverso...

    ResponderEliminar
  9. Mas, o mestre Xosé me chamou acá para um rápido comentário sobre a situação da ocupação de várias escolas pública em meu estado, o Rio Grande do Sul.
    Assunto complexo, como todos, mas assim como alguns veem este movimento (secundaristas ocupando escolas para lutar por melhores condições de ensino, e/ou, às vezes, simplesmente para terem ... professores e aulas) como algo novo (e é, pois normalmente as 'greves' eram 'apenas' dos professores) e alvissareiro, a mim me dá mais é uma sensação de tristeza: a que ponto de degradação e sucateamento chegou a escola pública no Rio Grande do SUl? A ponto de alunos terem uma pauta tão singela: terem professores, terem direito a ter aula, terem escolas que não chova dentro? A que ponto se chegou.. a sociedade vê a greve quase com hostilidade... e as autoridades , de fato, quase não dão a mínima importância ao movimento. Tristes tempos. Os professores estão humilhados, desanimados num estado que se orgulhava

    ResponderEliminar
  10. num estado que se orgulhava da educação pública. No Brasil, com a entrada das classes populares nas escolas públicas(pós 1980) esta foi abandonada pelas autoridades.
    Escola pobre para os pobres. Hoje? escola sucateada para os pobres. Uma espécie de darwinismo social que imputará aos pobres, aos da periferia, o desinteresse pela educação e sua culpabilidade pelo fracasso no mundo do trabalho (não são preparados, não querem nada com nada). Com a onda conservadora qeu estamos, vamos culpabilizando os excluídos. E se fortalece o discurso (nem sempre errado) de que o Estado presta maus serviços e deve ser enxugado. Eta, tempos árduos.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Prezado Professor Nestor, aqui no Rio de Janeiro a situação é idêntica. Trabalho em uma escola pública federal, onde a situação é incomparavelmente melhor. Entretanto, na rede estadual pública a situação é de total descaso com a comunidade escolar.

      abraços

      Eliminar
  11. Prezados colegas,
    A crise econômica intensificou, no Brasil, o debate sobre as instituições políticas, participação democrática e o a crise financeira do Estado, no que se refere à capacidade de pagamento/endividamento e manutenção das despesas públicas. O governo Temer, chamado por aqui de "Governo tampão", após o afastamento da presidente Dilma, como menciona Jaeme no texto base do Foro 28, promoveu várias ações que reduzem recursos para projetos sociais e que, certamente, resultarão em intensificação das desigualdades sociais.
    A crise não é apenas conjuntural, os movimentos sociais estão se organizando para mobilizações por todo o pais, os professores nas universidades estaduais e federais estão greve nos estados do Rio de Janeiro e São Paulo, os estudantes secundaristas ocuparam escolas no Rio Grande do Sul, como mencionado pelo prof. Nestor.
    Os 9 pontos propostos pelo prof. Jaeme Callai para debate são de extrema relevância e devemos pensá-los em conjunto. Creio que a intensificação das desigualdades sociais, a redefinição da divisão territorial do trabalho entre os países do sul e a disputa de poder político entre as grandes economias (China e EUA) expressam um mesmo processo.
    Temos que concordar com a análise que faz Jaeme, de que a inserção no mundo do consumo, promovido pelos governos populares no Brasil, não resultou em aumento da participação política ou da cidadania.
    É, sem dúvida, um momento de grande debate, reflexões e participação política no Brasil e quiçá, no mundo.

    ResponderEliminar
  12. Caros colegas
    Correndo o risco de fazer um comentário que não se dirige diretamente para o tema em discussão, gostaria de dar testemunho do que se está a passar presentemente em Portugal e que tem, na realidade, a ver com a relação entre a política, sociedade e educação.
    No Portugal saído da revolução de 1974, o Estado passou a subsidiar escolas privadas em localidades onde não havia escolas públicas que garantissem o acesso universal à educação básica e secundária gratuitas. Em vez de se construir uma escola nova, de raiz, subsidiava-se a escola já existente. Esta foi uma prática que me parece correta. É preciso acrescentar que estas escolas, em geral, funcionam bem.
    A rede de escolas privadas subsidiadas com dinheiros públicos alargou-se, num alargamento eventualmente marcado por abusos, jogos de favores - escolas privadas são subsidiadas ao longo de anos em locais onde há oferta pública de ensino suficiente. Entretanto, há uma redução brutal da natalidade, do nº de jovens e ficamos a ter escolas públicas com falta de alunos ao lado de escolas privadas subsidiadas pelo Estado.
    Esta situação começa a ser denunciada, com frequência, na comunicação social. Portugal tem, agora, um governo de esquerda, que decide cortar fortemente, a partir do próximo ano, nos subsídios de colégios privados que se situam junto a escolas públicas. Os alunos que optarem por escolas privadas, em início de ciclo, terão de pagar a mensalidade. Esta decisão gerou uma grande divisão na sociedade portuguesa. De forma simplificada, a direita apoiou os subsídios a escolas privadas, em nome da liberdade de escolha, a esquerda defendeu esses cortes de financiamento, argumentando com o apoio à escola pública pelo Estado. Mas esta divisão não é linear: há individualidades dos partidos mais à direita que concordam que o Estado não deve subsidiar escolas privadas onde há oferta pública e autarcas de esquerda preocupados com o eventual encerramento de escolas privadas nos seus municípios.
    No terreno, há colégios em pequenas localidades, para quem a supressão do subsídio aos alunos provoca problemas significativos à economia local, que estão a alguma distância de escolas públicas (Ançã, Cernache do Bonjardim...). No extremo oposto, temos cidades com diversos colégios privados a serem subsidiados, ao lado de escolas públicas com capacidade de receber alunos.
    Em termos de opinião pública, a maioria da população está contra o financiamento de escolas privadas com dinheiros públicos (as escolas privadas podem funcionar, mas pagando as famílias os custos desta educação). Do lado oposto, está uma minoria aguerrida, socialmente organizada e influente (como se viu na manifestação que organizou em Lisboa), mas que me parece estar em franca minoria. Os partidos mais à direita, entretanto, perceberam que esta causa lhes estava a ser eleitoralmente impopular e, de uma certa forma, têm recuados no seu apoio a esta causa.
    Mas dito isto, há uma questão central. Parece evidente que, entre uma escola pública e uma escola privada, a população que pode escolher prefere a escola privada. É caso para perguntar: o que está mal na escola pública? Mas essa é outra questão, seguramente também muito interessante.
    Um abraço, desde Lisboa.
    Sérgio Claudino

    ResponderEliminar
  13. El comentario de Sérgio Claudino pone de relieve que hay situaciones políticas que afectan a las personas. Más allá del espectáculo de los debates televisivos o de las declaraciones grandilocuentes hay hechos que tienen trascendencia cotidiana. Es el caso de las escuelas subvencionadas, subsidiadas o concertadas como decimos en España.
    El problema aparece cuando las familias quieren enviar a sus hijos a un centro escolar diferente al de la mayoría de la población, al que considera "chusma", para evitar que sus hijos e hijas se puedan contaminar del comportamiento de otras personas.
    Por tanto hay dos problemas:
    a)el sentido de la distinción social de estar en una escuela donde no pueden ir otras personas
    b)la actitud poco combativa de los docentes en defender el derecho a la educación pública desde su puesto de trabajo y desde el lugar a donde envían a sus hijos
    ¿Por qué existe esta percepción del espacio público? Porque existe miedo a perder los privilegios que se han adquirido a través del capital cultural.
    Cuando la educación se convierte en una actividad mercantil, y no en un derecho ciudadano, las empreas utilizan formas de seducción propias del capitalismo: segregar, buscar el espíritu de superación frente a otros y no tanto de compartir y colaborar en proyectos comunes.
    POr eso dede las ciencias sociales, y en especial desde la enseñanza de la geografía, podemos impugnar esta manera de concebir el espacio público.
    Para ello es preciso entrar en el análisis de las representaciones sociales del espacio escolar para las personas
    Xosé m. souto

    ResponderEliminar
  14. Prezados colegas,
    As mensagens dos professores Sergio Claudino e Xosé Souto, me fizeram lembrar uma proposta em discussão no Congresso Nacional no Brasil. Há um projeto de lei em discussão na Câmara dos Deputados, já aprovada em comissão especial, que propõe a reforma do ensino médio. No projeto de Lei número 6840/2013, apresentado em 2013, o ensino médio (última etapa da educação básica no Brasil) passaria a ser certificado por um exame de avaliação externa: O Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM). Tal exame já existe desde 1998 e a partir de 2009, os resultados dos estudantes no ENEM são usados para ingresso em universidades públicas federais e estaduais.
    Se o projeto de lei for aprovado, além da certificação pelo ENEM, o ensino médio sofrerá mudanças na matriz curricular e nas disciplinas oferecidas, com sérios problemas para as áreas de Geografia, História, Ciências Sociais e Filosofia, pois as disciplinas são reunidas na matriz de Ciências Humanas, apresentadas em conjunto, com reduzida carga horária.
    Diante disso reforçamos a pergunta do prof. Sérgio e acrescentamos outras duas para o debate: qual escola está em crise? Apenas as escolas públicas? Como podemos assegurar nas aulas de Geografia a discussão sobre essas mudanças e a importância do currículo na formação na educação básica?
    Saudações,
    Silvia Fernandes

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Un trabajo intreresante sobre la escuela pública y la concertada es
      REFLEXIONES URGENTES SOBRE LA ENSEÑANZA, de la Colección Ensayo, escrito por dos personas que han batallado en Valencia en defensa de la escuela pública. Pura Aloy Pantín y Francisco Hernández Sánchez ela editorial: UNO Y CERO EDICIONES
      ISBN: 978-84-943590-3-3

      C/ Vicente Gaos, 3, A2
      46021 - Valencia
      www.unoyceroediciones.com
      contacto@unoyceroediciones.com
      Este libro aclara cómo se ejecutan las políticas neoliberales en el espacio público escolar. Es un libro accesible por on-line
      Un saludo y sigamos con el debate

      Eliminar
  15. Caros colegas,
    As macro pautas elencadas por Callai são muito pertinentes ao momento que estamos vivendo e contextualizam muitas das situações vivenciadas no Brasil e em especial no Rio Grande do Sul - RS.
    Assim, compartilho também das mesmas preocupações do Professor Nestor com a precarização do sistema estadual de educação no RS, que já ocorre há muitos anos, mas que visivelmente vem piorando no último ano, com ações como o parcelamento dos salários dos professores, o não pagamento do 13º salário (o qual foi retirado como empréstimo pela maioria dos servidores e os que assim não o fizeram estão até o atual mês de junho sem recebê-lo) e atraso de repasse de verbas as escolas. Nesta semana além das escolas a Secretaria Estadual de Educação foi ocupada e ocorreram confrontos com violência policial contra os manifestantes, inclusive contra alunos, a secretaria foi desocupada no final da semana, mas a greve continua (mesmo sem a adesão total das escolas).
    Além disso, em âmbito nacional está em andamento o PROJETO DE LEI N.º 867, DE 2015, que inclui, entre as diretrizes e bases da educação nacional (lei que guia todos as esferas do país: municipal, estadual e federal), o "Programa
    Escola sem Partido", que dentre outras questões prevê uma série de restrições as funções docentes a fim de que os alunos fiquem "protegidos de doutrinação política" e "recebam a educação moral que esteja de acordo com suas próprias convicções". Se aprovado este projeto representará um retrocesso para as aulas de Geografia, para os demais componentes curriculares das Ciências Humanas, bem como para o trabalho docente como um todo e para a formação cidadã dos estudantes.
    Sigamos o debate...

    Abraço
    Élida Pasini Tonetto
    Professora da Rede Estadual do RS e do Instituto Federal do RS.











    ResponderEliminar
  16. Este comentario ha sido eliminado por el autor.

    ResponderEliminar
  17. Saúdo a todos e os parabenizo pela pertinência das reflexões a começar pelo propositor (CALLAI).
    Meu breve comentário segue a contribuição da colega Élida sobre esse projeto “Escola sem partido”.
    O que mais evidencia a gravidade do quadro geral descrito pelos diversos participantes deste foro (23) é que esse tipo de proposta de lei - baseada na intolerância, no veto ao diálogo, nos radicalismos, inclusive religioso - vem de parte significativa da sociedade. Os reacionários, conservadores e radicais aos quais nos referimos são nossos concidadãos, com os mesmos direitos que nós, mas sem nenhuma disposição para conviver com a diversidade. Não existem apenas no Brasil, infelizmente. É com eles que temos que decidir qual tipo de civilização, com quais valores queremos construir o futuro (próximo e longínquo).
    Esse é o problema que preocupa, pois há muita gente baseada exclusivamente no senso comum (construído por pessoas que acreditam em uma verdade única) e que não apenas se recusam conversar sobre isso, mas entendem ser necessário proibir, banir e criminalizar todas as pessoas que proponham qualquer questionamento ou reflexão que vá nessa direção. Tenho me perguntado todos os dias como sensibilizar nossos amigos, colegas, familiares, concidadãos para pensar, refletir com respeito, lucidez e tranquilidade. Sigamos refletindo amigos!
    Abraço a todos!

    José Faustino de Almeida Santos
    Membro do grupo ELO, professor da Rede Estadual SP e do Centro Universitário Barão de Mauá.

    ResponderEliminar
  18. Caros colegas
    Uma nota ou duas. Souto tem toda a razão quando afirma que a procura do ensino privado resulta, desde logo, da perceção, pelas famílias dos alunos, de que nas escolas provadas "protegem" os seus filhos do contacto daqueles alunos das classes mais populares, sem educação, princípios... daquela "chusma", designação que afinal existe tanto em Portugal como em Espanha. Nesse sentido, há um certo sentido de "redoma" na escola privada. Julgo que a investigação sobre as representações sociais sobre as escolas pública e privada não traria muitas novidades, iria neste sentido. A desvalorização da escola pública também ocorre pela pressão dos poderes públicos pela aprovação/sucesso escolar dos alunos, quase a qualquer custo, que as taxas de insucesso têm de diminuir, quando na escola privada (também diversa entre si...) há uma maior cultura de exigência. É evidente que a escola privada pode ser mais exigente, também pelas questões de capital intelectual da família, como aborda Pierre Bourdieu. Mas, aí, tenho dois comentários a fazer: o primeiro, "conservador", se quiserem, de que não concordo com a aprovação, quase forçada, dos alunos, a que se assiste na escolaridade básica em Portugal; é uma mensagem incorreta que se passa aos jovens e uma causa de descredibilidade do sistema de ensino. Por outro lado, é evidente que a escola não pode desenvolver as mesmas estratégias, ter as mesmas respostas, para alunos com aprendizagens diferentes.E a experiência que estou a viver no Nós Propomos! também o atesta.
    Os ataques e a desvalorização da escola pública relatada pelos colegas brasileiros não surpreendem, para mais num momento de avanço forças políticas e sociais capitalistas.
    Mas gostaria de me centrar na questão essencial. Na sua diversidade curricular, a escola beneficia de alguma autonomia estrutural perante os poderes políticos e económicos, autonomia herdada, no mundo ocidental, da própria Igreja. E vamos tendo sempre a sensação de que os professores são uma classe profissional muito associada à esquerda. Na China, no Uganda ou no Panamá leciona-se, seguramente, Ciências Sociais. Regressando ao texto de Jaeme Callai, as ditaduras, o aprofundamento das desigualdades, têm num ensino "apolítico", acrítico, o seu terreno fértil. A Geografia tem sido um desses terrenos, quando se limita a dizer que há países em que são respeitados os direitos humanos, outros em que não o são; quando se limita a identificar as desigualdades socio-económicas (os tão coloridos "contrastes") e não os discute, quanto às suas causas e forma de o combater - isto é cidadania geográfica. A escola tem de ser um espaço de cidadania, de discussão. Tal rompe com a nossa tradição, mas tem de romper, mesmo.
    Uma última nota. A proposta de Carta Internacional da educação Geográfica, a ser aprovada em Pequim, em Agosto, abandona as questões da pobreza e dos direitos humanos. Constitui, desse ponto de vista, um perigoso retrocesso em relação à Carta aprovada em 1992.

    ResponderEliminar
  19. Olá a todos!

    A breve reflexão abaixo sobre temas elencados no eixo 4 recebeu influência de leituras de Ernesto Laclau, Milton Santos e Noam Chomsk, mas os eventuais erros e equívocos são exclusivamente meus.


    Com a chegada do Partido dos Trabalhadores ao poder, em 2003, esperava-se o fim da hegemonia Liberal que dominou o Governo anterior do Brasil. Promoveu-se a ampliação de alguns direitos sociais e principalmente uma melhoria nos salários, fato que significou uma melhora nas condições de vida de milhões de brasileiros, a partir da inclusão dessas pessoas no mercado de consumo. A partir do aumento da renda média das famílias, alguns Direitos Sociais previstos pela Constituição, tornaram-se possíveis às classes menos favorecidas através do consumo.
    Apartamentos minúsculos na periferia, pagos em prestações por mais de 30 anos, vieram para atender ao Direito a Moradia elencado na constituição. Planos de Saúde fornecem a esperança de um atendimento médico digno e sem espera a pessoas saudáveis, já quando estas ficam doentes a história é outra. Por fim a explosão do crediário deu acesso à população pobre a uma série de bens de consumo que antes eram exclusivos dos mais favorecidos.
    Concomitantemente, a imprensa, financiada pelos grandes interesses econômicos que estavam a lucrar com este processo, começou a estabelecer as bases para um modelo de Estado que fosse mais liberal, e à medida que a prosperidade econômica permanecia, aumentou o número de simpatizantes a essa ideologia, já que muitas pessoas, apesar de endividadas até o final das suas vidas, tinham a impressão de que um dia conseguiriam pagar a conta, e por pagarem por esses direitos passaram a pouco se importar com aquilo que deveria ser ofertado pelo Estado.
    Infelizmente, após uma década de prosperidade o país foi atingido por uma crise econômica de grandes proporções, o número de desempregados, o nível de endividamento da sociedade, a insatisfação popular com o Governo cresceram e abriram espaço para uma crise política, onde grupos de oposição se aproveitaram da situação e tomaram o poder, com o apoio de parcela da população que havia se beneficiado das políticas sociais ligadas ao consumo promovidas pelo governo.
    Com as mudanças no comando do Governo é inegável que o discurso e os atores políticos que pregam um Estado Liberal, tornaram-se hegemônicos novamente, aproveitando-se e deturpando ao máximo a lógica da política anterior para transformar em consumo conquistas sociais mais significativas como a Previdência Social, visto a atual reforma ser uma espécie de panaceia dos problemas dos brasileiros já que pretende dificultar a concessão de benefícios, fato que conduzirá milhões de pessoas para o consumo das chamadas “previdências privadas”. Além disso, outras reformas como a trabalhista, decretará o fim de conquistas garantidas por lei para o aumento do lucro dos patrões, forçando o trabalhador a gastar o que não possui após o nascimento dos seus filhos, ser forçado a aceitar redução de salário e condições ruins de trabalho, entre outras.
    Desse modo, pode-se inferir que os atuais desdobramentos políticos, econômicos e sociais do Brasil contemporâneo são frutos de decisões políticas tomadas há muitos anos atrás que permitiram a gradual construção de um discurso que foi, aos poucos, sendo aceito pela população onde o consumo se tornou a solução para problemas sociais, ao mesmo tempo em que pregava a validade de um Estado Liberal que garantisse o menor número possível de direitos sociais. Num determinado momento de crise econômica, o modelo de consumo dos direitos sociais ficou insustentável e acabou engendrando o fim do Governo que criou as condições iniciais para que pudesse existir, permitindo o ressurgimento de uma nova hegemonia liberal.

    João Paulo Vicensio – Professor de Geografia do Ensino Médio, Licenciado em Geografia pela UNESP – Rio Claro, Mestre em Geografia pela PUC – SP e aluno especial da disciplina Tópicos Especiais em Ensino de Geografia, oferecida pelo Prof. Dr. Rafael Straforini, do programa de Pós-Graduação em Geografia da UNICAMP.

    ResponderEliminar
  20. Vanessa Lessio Diniz29 de julio de 2016, 5:54

    Caros colegas,

    Os tópicos de discussões trazidos por Callai neste fórum são extremamente importantes para pensarmos a conjuntura política, econômica, social e educacional que estamos vivenciando atualmente no Brasil. Com base no referencial teórico Ernesto Laclau (que orienta as discussões do grupo APEGEO-Unicamp), tentamos compreender a atual conjuntura brasileira a partir de ordens discursivas. Entendendo que o discurso não é uma simples soma de palavras, mas uma consequência de articulações concretas que une palavras e ações, produzindo sentidos que vão ser disputados no social. Sendo que, os processos de significação discursiva acontecem por meio de um sistema em que cadeias de diferença e de equivalência, articuladas, disputam sentidos que são criadas no movimento de luta política. Dessa forma, concebemos o discurso como um movimento constante de disputa de significados e significantes, e quando um ponto nodal fecha a cadeia de significação em uma dada formação discursiva, quando um discurso particular passa a se expressar no universal, esse discurso se torna hegemônico. Pensando as cadeias articulatórias envoltas no processo de impeachment que a presidenta eleita Dilma Rousseff está enfrentando, podemos dizer que o ponto nodal para essa hegemonização discursiva foi o discurso do “combate a corrupção”. Com o afastamento da presidenta, apesar de ser considerado por muitos um governo ilegítimo, o governo do presidente interino Michel Temer está tomando ações políticas (cortando verbas de programas sociais, fechando ou precarizando ministérios, privatizando estatais...) que poderão trazer grandes transformações sócio-territoriais que futuramente acarretará em mais desigualdade social e maior concentração de renda em nosso país. Na área educacional estamos presenciando o discurso da desqualificação do professor e da escola pública, sendo esta uma estratégia política, que se apresenta para a população através da mídia, com a lógica da falta (o professor não tem capacidade, o professor não competência), servindo de base para justificar problemas sociais e econômicos. Dando espaço para mudanças, inclusive curriculares. O ataque ideológico da direita à escola pode ser observado, por exemplo, na construção da “Escola sem Partido”, que é um programa construído por um grupo que tem como objetivo definir o discurso dominante.

    Meus cumprimentos
    Membra do grupo APEGEO (Ateliê de Pesquisas e Práticas no Ensino de Geografia)- UNICAMP-SP

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Olá Colegas,

      Vanessa concordo com você sobre a relevância deste tema e a importância de sua discussão. Mas acredito que dentro do processo de impeachment que você cita, indo além nas cadeias articulatórias acredito que realmente o ponto nodal foi este mencionado, mas nós como críticos e estudiosos devemos analisar uma conjuntura maior, focando nos interesses do capital, e como o governo anterior estava desestruturando a ordem hegemônica do capital no que concerne as ações de melhoria principalmente nas questões sociais. Fica claro como o governo atual trabalha para servir aos anseios do capital e causar desarranjos nas políticas sociais e educacionais que haviam sido implantadas. Temos aí a ação nítida dos agentes privilegiados ou hegemônicos, que excluem e aniquilam os outros. E sim concordo com você quando diz que essas mudanças acarretarão em maior desigualdade e concentração de renda, mas isso colabora para uma melhor ação do capital (setor hegemônico) no nosso território. E como vimos nos próprios textos de Laclau a emancipação, a libertação das amarras sociais, acabam sendo uma utopia, esbarrando em algumas impossibilidades.
      E no caso da escola sem partido, na minha opinião pensando no conceito de significante vazio, esta ideia acaba sendo contraditória, os idealizadores deste projeto precisariam ter um pouco de Laclau, pois um sujeito acaba sempre por incorporar um determinado objeto a partir do lugar onde ele ocupa, onde ele está. Um significante nunca consegue ser totalmente vazio.

      Juliana Cristina Colombari – Professora de Geografia do Ensino Fundamental, Licenciada e Bacharelada em Geografia pela UNESP – Rio Claro, Mestre em Geografia pela UNICAMP, Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Geografia da UNICAMP e aluno regular da disciplina Tópicos Especiais em Ensino de Geografia, oferecida pelo Prof. Dr. Rafael Straforini, do programa de Pós-Graduação em Geografia da UNICAMP.

      Eliminar
  21. Me parece muy relevante el debate de Juliana y Vanessa sobre el análisis político que realizan del golpe institucional en Brasil. Las referencias a Laclau creo que se pueden extender al debate sobre las representaciones sociales y las identidades ciudadanas.
    En este sentido tiene una gran incidencia la selección de la cultura que hacen cotidianamente los profesores a través del curriculum escolar, en especial en lo relativo a los contenidos de problemas sociales y las explicaciones desde la geografía e historia.
    Para profundizar en estas cuestiones con datos empíricos debemos estudiar qué contenidos se seleccionan en los programas de geografia e historia para la ciudadanía; es decir en la cultura básica. Aquí es preciso criticar (y autocriticar) el papel de las instituciones académicas para reforzar o cuestionar la cultura oficial hegemónica. Por eso el estudio didáctico precisa de un análisis epistemológico, que es algo más que una espeulación intelectual, es un compromiso con una identidad ciudadana
    En el caso de la geografía escolar cuestionar cómo se explica el mundo, cómo se construyen las identidades políticas geoterritoriales es un asunto de gran relevancia, pero poco estudiado por las instituciones académicas, que continúan alejadas de las preocupaciones y deseos cotidianos
    Un saludo
    Xosé M. Souto

    ResponderEliminar
  22. Concordo plenamente com a professora Andrea Latória. É inegável a participação ativa da mídia, que representa o grande capital, bem como interesses políticos neoliberais, na manipulação da opinião pública brasileira. Recorrentes reportagens na mídia televisiva e impressa abarrotadas de informações incompletas, fora de contexto e de interpretações tendenciosas, e ao mesmo tempo, carentes de debates isentos e elucidativos tendem a enfraquecer o caráter democrático, laico e público da educação brasileira. E como consequência vemos também enfraquecer as bases trabalhistas e correntes ideológicas historicamente construída na sempre difícil realidade social brasileira. Existem algumas contrapartidas, ainda tímidas, nas mídias sociais, que acabam sendo "sufocadas" neste "mar de vozes" dos meios tendenciosos de comunicação de massa. Neste cenário um caminho pode ser a mobilização social encabeçada pela educação (de caráter humanista como as fundamentadas nas áreas de história, geografia, sociologia e filosofia, principalmente, mas não exclusivamente) e pelos movimentos sociais em esforço conjunto e coordenado para que se possa ter uma contrapartida forte e aparente à manipulação da opinião pública de vem sendo implementada pelos polos de interesse no poder federal.
    José Ap. Valério Mendonça Júnior. Pedagogo, coordenador pedagógico da rede pública de ensino e aluno do curso de mestrado em educação da Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Ribeirão Preto - Universidade de São Paulo - Brasil.

    ResponderEliminar
  23. Olá a todos!

    Primeiramente queria parabenizar pela iniciativa desse Foro, pois, possibilita, em contrapartida aos meios de comunicação de massa,tradicionais, de caráter conservador, um verdadeiro canal de diálogo e reflexão fundamentais, acerca das questões politicas atuais, do ponto de vista das humanidades (História, Geografia, Filosofia e Sociologia).Desse modo, o tema de discussão proposto por Callai, da atual situação politica, econômica, social e educacional do Brasil é de extrema importância e relevância, já que nos faz pensar sobre nosso contexto, que podemos considerar de "volta para o passado". Isso porque, vivemos um período de retrocesso no Brasil, principalmente após a abertura do processo de impeachment da Presidente Dilma Roussef e o inicio do governo provisório do ex vice-presidente, agora, Presidente interino, Michel Temer. Desse modo, "volta para o passado" não se trata de obra de ficção, mas da imposição de uma agenda politica de governo que remonta o período da Ditadura Militar no país, nas décadas de 60 e 70. Assim, concordo plenamente com a colega Vanessa, que escreveu acima, baseada no referencial teorico de Ernesto Laclau, no qual defende que "o discurso não é uma simples soma de palavras, mas uma consequência de articulações concretas que une palavras e ações, que produz sentidos." Se o discurso tem poder e visa uma ação, podemos ver isso já no lema do governo interino, "Ordem e Progresso" de cunho liberal e positivista, o "Escola sem partido", o "Criança Feliz" e outras iniciativas, como a extinção de ministérios, a composição de um governo de homens, velhos e brancos, que não traduzem a pluraridade da sociedade brasileira, marcando uma posição politica clara e definida, a favor das elites do país. Sendo assim, a educação está sob ataque, em todos os niveis de ensino, sobretudo as aréas de Humanidade, ameaçadas por um discurso hegemônico dominante, que não quer fazer pensar, mas somente formar técnicos para mercado de trabalho, como mão de obra barata para o empresariado capitalista. Dentro dessa lógica, como no regime militar, a educação deixa de ser um instrumento de transformação e se torna um instrumento de controle, alienação e reprodução da ideologia dominante. Nesse contexto, cabe a nós, professores, educadores e profissionais da educação, conscientes dessa realidade, mobilizar nossos pares e lutar contra esse retrocesso. A participação e divulgação desse foro, por exemplo, já é um caminho importante.

    Abraços,
    Fábio Augusto da Silva Lima, Pedagogo, Professor da Rede Municipal de Ensino de Ribeirão Preto, membro do grupo ELO e aluno especial da disciplina Metodologia de Ensino de Geografia e História da Faculdade de Ciências e Letras de Ribeirão Preto - Universidade de São Paulo - Brasil.

    ResponderEliminar
  24. Primeiramente gostaria de validar enfaticamente o papel democrático e reflexivo deste Foro, em especial o Foro 23, que com muita coragem propõe a discussão ampla e verdadeira dos (des)caminhos da política brasileira, latino-americana e mundial. No que concerne a atual conjuntura política brasileira, estamos assistindo há um “recomeço” de estruturas que nunca deixaram de existir e que agora voltam a assumir o controle, de maneira coercitivamente antidemocrática, através não só do processo de impeachment da presidente afastada Dilma Russeff, mas, sobretudo, pelas ações políticas aí inseridas como “Escola sem partido”, a diminuição de financiamento em pesquisa educacional (principalmente na área de ciências humanas), o sucateamento da educação pública, as propostas de redução nos diretos trabalhistas, entre outros.
    Utilizamos o termo “recomeço”, pois entendemos que nunca houve uma ruptura generalizada com as elites dominantes e seus representantes políticos de direita e extrema direita que neste momento estão reorganizando-se em uma tentativa de tomar as rédeas do poder.
    Ainda seguindo as propostas de reflexão colocadas por CALLAI neste Foro, observamos que o momento vivido por nós brasileiros é reflexo de uma (re)organização que não está presente somente em nosso país, porém se trata de algo mais profundo, substancial.
    Se pensarmos no contexto global veremos que essas manifestações extremistas de obstinação pelo poder em troca da falência de Estado de Diretos, da democracia e da organização social, está se concretizando em várias outros contextos políticos mundiais. Na Argentina, a eleição do presidente Mauricio Macri representou o ressurgimento de políticas pautadas única e exclusivamente em fatores econômicos com um receituário mais do que antigo (aproximando-se ao máximo do que foi o Consenso de Washington no início dos anos de 1990) de cortes de gastos públicos, aumento de impostos e ajuda mútua aos bancos e aos grandes credores nacionais e internacionais.
    Ao mesmo tempo, vimos recentemente à saída britânica do bloco da União Européia motivada por uma ala conservadora que notou no processo chamado de “invasão migratória” uma possibilidade de reavivar-se ganhando novos e repatriando velhos adeptos de uma política protecionista e xenofóbica.
    Além disso, podemos observas estes rastros de retrocessos nas eleições a presidência dos E.U.A. Nela, um de seus candidatos, Donald Trump, endossa o discurso de que levará seu país a permanecer no topo do mundo a qualquer preço, ampliando o poderio militar e fechando as fronteiras para migrações indesejadas.
    Diante deste quadro de fatos que não simbolizam qualquer relação proposital, mas contém ideais semelhantes, é necessário que fiquemos atentos a fim de que possamos denunciar potenciais abusos que possam ferir a democracia e os direitos que cada cidadão, de suas respectivas nações.
    Abraços,

    Luis Guilherme Maturano, professor de Geografia, membro do grupo ELO e aluno especial da disciplina Metodologia de Ensino de Geografia e História da Faculdade de Ciências e Letras de Ribeirão Preto – Universidade de São Paulo – Brasil.

    ResponderEliminar
  25. Ao refletir sobre o levantamento de Callai sobre a influência da mídia na política e na opinião pública, logo lembrei-me de Paulo Freire quando diz que não há neutralidade em nenhuma ação humana: ou se está atuando a favor ou contra uma certa ideologia.
    E esse realmente é o cenário atual em que vivemos, principalmente na política e consequentemente na educação, no qual o sistema capitalista e a ideologia neoliberal se utilizam de aparelhos ideológicos (como escola e mídia) para se manterem no poder.
    Concordo plenamente com o Fábio Augusto quando diz que estamos vivendo uma “volta ao passado”, inclusive essa influência da mídia acontece desde os tempos de Getúlio Vargas quando criou o Departamento de Imprensa e Propaganda (DIP) como manobra política para aumentar a sua aceitação entre as massas populares.
    Uzias Ferreira Adorno Júnior, em seu artigo “A influência da mídia na educação”, comenta sobre os variados meios de comunicação e destaca que “ a televisão é um veículo de massa melhor transmite informações por ser de fácil aquisição, devido ao seu baixo valor aquisitivo” e completa com uma citação de Hoinef (1991) “A televisão... suprime e substitui o imaginário humano e encoraja a passividade de massa e treina as pessoas para aceitar a autoridade”. Por isso é utilizada para reproduzir a ideologia da classe dominante. Exemplo disso, citado por Júnior Mendonça e Vanessa Lesso Diniz, é a constante veiculação de informações incompletas, fora de contexto e tendenciosas especialmente sobre a educação, desqualificando o professor para justificar os problemas sociais e econômicos.
    E no jogo político dessa reprodução ideológica neoliberal, a educação também sofre influências pois é a partir dela que se adquire pensamento próprio, aprende-se interagir com o mundo, formamos pessoas críticas que opinam na sociedade – o que não é nada interessante para a manutenção do poder da classe dominante. Prova disso é o surgimento do projeto “Escola sem partido” tão polêmico e discutido atualmente, que nada mais é que fazer uso da educação como mais um dos pilares de sustentação ideológica, bem como cita a professora Andrea Lastória outros pilares: “revista e outras mídias brasileiras estão comprometidas ideologicamente com ideias neoliberais de políticos brasileiros de diversos partidos que desejam o poder da federação”.
    Diante desse cenário, nós educadores não podemos ficar de braços cruzados, nem mesmo podemos ser neutros diante dessa realidade social que vivenciamos atualmente, pois “Não existe educação neutra, toda neutralidade afirmada é uma opção escondida” (Paulo Freire). Logo, nos cabe refletir: a serviço de que e de quem queremos a nossa educação, a nossa política e nossos meios de comunicação? Temos que formar cidadãos que sejam co-participantes no ato de pensar. Enfim, se segundo Paulo Freire comunicação é um diálogo onde há a busca de significação e significado dos sujeitos interlocutores, “somente o diálogo, que implica num pensar crítico, é capaz, também, de gerá-lo. Sem ele não há comunicação e sem esta, não há verdadeira educação”.

    Christiane Soares de Assis Matos de Paula, Pedagoga, Professora da Rede Municipal de Ensino de Ribeirão Preto, aluna do curso de Mestrado em Educação da Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Ribeirão Preto – Universidade de São Paulo – Brasil.

    ResponderEliminar
  26. Primeiramente gostaria de parabenizar ao blog e seus colaboradores pelo espaço/atenção dedicados a assuntos de extrema importância.
    Especificamente com relação ao forúm 23, Callai levanta importantes questionamentos (muito bem comentados pelos colegas), no que diz, diretamente, respeito ao nosso país.
    Acredito que o atual cenário político brasileiro e de outros países do continente - como a nossa vizinha Argentina - estejam, não por acaso, ligados ao poder da grande mídia e a influência direta que esta exerce sobre o modo de pensar/agir de uma parcela bastante considerável da sociedade (Adorno e Horkheimer já demonstravam isso desde antes do surgimento da televisão).
    A grande mídia escolhe aquilo que é notícia, aquilo que supostamente interessa a todos (os chamados "assuntos-ônibus", trabalhados por Bourdieu, em "Sobre a televisão") e expõe o seu ponto de vista sobre determinado assunto. Defendendo sua visão sobre essas ideologias com a opinião de "especialistas".
    Visando a permanencia da situação vigente, recentemente comentasse sobre a polêmica Lei, popularmente conhecida como "Escola sem partido", que contribuiria para a falta de estimulo ao senso crítico dos educandos e, consequentemente, da sociedade em geral. Nesse ponto, concordo com a opinião do Prof. Dr. Leandro Karnal: "Escola sem partido é uma asneira sem tamanho, é uma bobagem conservadora, coisa de gente que não é formada na área e que decide ter uma ideia absurda, que é substituir o que eles imaginam que seja uma ideologia em sala de aula, por outra ideologia, que é uma ideologia conservadora".
    Nesse sentido, e alencando outros pontos levantados por Callai, um possível caminho para a melhoria socioeconômica e sociocultural dos países latino-americanos, seria a integração e colaboração mútua nas políticas educacionais, de combate a pobreza, comerciais e de desenvolvimento tecnológico entre essas nações. Ideias estas amplamente defendidas pelo ex-presidente e atual senador uruguaio José "Pepe" Mujica.

    Gustavo Antônio da Silva Inácio, Professor de História e Sociologia da Etec Prof. José Ignácio A. Filho e do Colégio Positivo de Ituverava, aluno do curso de Mestrado em Educação da Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Ribeirão Preto - Universidade de São Paulo - Brasil.

    ResponderEliminar
  27. O Brasil vive um momento de retrocesso em suas conquistas sociais e seu direito à democracia que é marcado por uma onda de conservadorismo nos costumes e na política. A educação não foge desse momento preocupante e caótico.
    O Projeto de Lei nº 193 de 2016, com o intuito de integrar às diretrizes e bases da educação, o Programa “Escola Sem Partido” é um engodo que confunde de forma proposital política, o sentido de formação de opinião com política partidária ideológica. Não existe ser humano neutro, ou ele tem opinião ou vai sucumbir à ideologia dominante.
    Weber, em 1917, já disse que o papel do professor não é doutrinar o aluno, mas sim trazer ao seu conhecimento todos os caminhos possíveis para que tenha a oportunidade de escolher o que achar melhor.
    O capital vai minando os direitos sociais, enquanto o Brasil for governado por aqueles que usurparam o poder, serviremos ao desenvolvimento econômico onde o povo não tem voz e não questiona e sim acata. Para que isso se instale, o caminho é fulminar a educação e retirar os seus direitos para a alienação do povo brasileiro.
    O Programa “Ciência Sem Fronteiras” é um bom exemplo disso. Foi criado em 2011, durante o governo da presidenta Dilma Rousseff, para incentivar a formação e troca de conhecimento acadêmico no exterior. Os alunos brasileiros receberam ajuda financeira para estudar em universidades de outros países. De acordo com o Ministério da Educação, até o final de 2014 foram concedidas 101.446 bolsas de estudo.
    Em julho de 2016, o governo interino de Michel Temer, através do Ministério da Educação, anunciou o fim da concessão de novas bolsas de intercâmbio aos alunos de graduação. A extinção do Programa “Ciência Sem Fronteiras” pôs fim ao um dos mais importantes programas na área da educação para os estudantes brasileiros. O caminho que trilha o atual governo é de investir menos em ciência e tecnologia, menos na saúde, acentuar o analfabetismo e, como consequência, oferecer um futuro delusório a nossa juventude e ao nosso país.

    Daniela Lima Nardi Gomes. Mestranda em Educação pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto/USP. Licenciada em Letras, Licenciatura Plena. Atua como professora de Informática na Educação, no Ensino Fundamental I e II. É pesquisadora e membro do Grupo de Estudos da Localidade – ELO, da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto/USP, Brasil.

    ResponderEliminar
  28. Olá!
    O Brasil é declarado como uma república laica, porém em sua própria moeda há os seguintes dizeres: “Deus seja louvado!”. É uma escrita de pequeno tamanho, passando imperceptível para muitos, no entanto demonstra o quanto este Estado não é laico. Em várias escolas públicas nas quais trabalhei ou tive a oportunidade de entrar, vi paisagens semelhantes que me fizeram indagar: Por que na entrada destas escolas tem uma Bíblia acompanhada de uma escultura que representa uma divindade cristã? Acredito que não seja para trabalhar questões como diversidade ou intolerância religiosa e sim para demonstrar o poder de uma religião predominante. Caso contrário, ao lado da Bíblia haveria uma Torá, ou um Alcorão, ou um Zé Pilintra, ou um pergaminho e assim por diante.
    No cenário político o que se nota em noticiários e propagandas eleitorais é o uso de argumentos religiosos por alguns partidos com o intuito de que, se forem eleitos, realizarão políticas públicas pautadas no fundamentalismo religioso. Um Projeto de Lei (PL) que vem nesta mesma direção é o PL nº 867/2015, criada por um Deputado do PSDB, já citado em vários comentários acima, é conhecido como “Escola sem partido”. Tal projeto tem sido apoiado por direitistas tradicionalistas que inclusive têm criado sites como o www.escolasempartido.org para apresentar estratégias sobre “como flagrar um doutrinador”, “planejar sua denúncia”, e dão um “conselho aos pais” baseado no 12º artigo da Convenção Americana de Direitos Humanos (“Os pais têm direito a que seus filhos recebam a educação religiosa e moral que esteja de acordo com as suas próprias convicções.”): “Processem por dano moral as escolas e professores que transmitem conteúdos imorais aos seus filhos”.
    Nesta visão, um tanto quanto equivocada, os defensores do “Escola sem Partido” não levam em consideração que direito é diferente de dever! O direito mencionado está assegurado pelas instituições religiosas. Assim, o Estado não possui o dever de privilegiar determinada religião, mas o de garantir o que está exposto no 3º artigo da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDBEN), nos incisos
    I - igualdade de condições para o acesso e permanência na escola;
    II - liberdade de aprender, ensinar, pesquisar e divulgar a cultura, o pensamento, a arte e o saber;
    III - pluralismo de ideias e de concepções pedagógicas;
    IV - respeito à liberdade e apreço à tolerância;
    Portanto, não apenas os professores de ciências humanas, mas todos aqueles que trabalham na área da Educação devem lutar contra as intolerâncias e apoiar o pluralismo de ideias, analisando e questionando as verdadeiras intenções do “Escola sem partido”.
    Quanto ao tópico de número 7 do texto de Callai, a respeito da estrutura partidária e do sistema eleitoral, a forma na qual são concebidos, possibilitando a formação de partidos políticos de cunho religioso, ferem o princípio do Estado laico conferido pela Constituição desde 1988.

    ResponderEliminar
  29. Sobre o 8º tópico, a mídia de massa não somente exerce forte influência sobre a opinião pública como subestima a capacidade de compreensão que os telespectadores têm acerca das contradições noticiadas. Ademais, foi possível ver em redes sociais o registro e divulgação alternativo de manifestações contra o Impeachment que a mídia televisiva não mencionou quando apresentava os manifestantes vestidos de verde-amarelo.
    Por fim, a respeito do tópico de número 9 do propositor desta discussão, para que ao menos se amenizem as desigualdades sociais assim como a desigual distribuição de renda são necessárias mudanças estruturais nas políticas públicas, principalmente na área da Educação pois, como considera Paulo Freire (1996, p. 76), já lembrado pela colega Cristiane neste fórum, “ensinar exige a convicção de que a mudança é possível”.
    Portanto, provocar mudanças no quadro político-econômico-social do território brasileiro dependerá de uma luta imensa contra aqueles que estruturam as políticas públicas opressoras, principalmente as educacionais, gerando um encadeamento de transformações sobre tudo o que cerceia o cotidiano dos cidadãos, principalmente dos oprimidos.
    Referências:
    BRASIL. Ministério da Educação. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei n. 9.394/96. Disponível em: http:// http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9394.htm. Acesso 16 Ago 2016.
    FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

    Sonara da Silva de Souza
    Membro do Grupo Estudos da Localidade (ELO), aluna regular do Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP) e professora de Geografia na rede estadual paulista (Brasil).


    ResponderEliminar
  30. Car@s colegas

    Há dois aspetos que me parecem centrais neste debate sobre "Política, sociedade, educação e ciências sociais", tão enriquecido por tantas contribuições - para além das circunstâncias específicas de cada país e do Brasil, em particular, que, de alguma forma, ajudou a despoletar o mesmo debate.
    Um aspeto central, e que julgo será sempre polémico: até que ponto em Geografia (e noutras disciplinas de Ciências Sociais), um professor tem o direito e o dever de, em sala de aula, debater os aspetos políticos que marcam o a organização da sociedade e a construção do território (no Brasil, é mais frequente falar-se em espaço, na aceção que eu lhe dou de território)?
    O professor tem, quase espontaneamente, ascendente sobre os seus alunos e esse debate vai ficar marcado, inevitavelmente pelas suas opiniões, para além das dos alunos mais participativos. Tem direito a debater na sala de aula do Brasil o que se está a passar no seu país, por exemplo?
    A resposta não é fácil. Por um lado, não tem direito a "doutrinar" os seus alunos. Eu tenho a minha visão ideológica do mundo (todas as visões são ideológicas), que não tenho de inculcar aos meus alunos. Por outro lado, a construção do território é sempre política. Quando eu atravesso a fronteira de Portugal para Espanha não muda só a língua, muda a construção social e territorial. Quando eu atravesso a fronteira do Brasil para o Paraguai, muda muito mais do que a língua, como é óbvio aos olhos de todos. Assim, eu diria que uma Geografia alienada da dimensão política do território é uma Geografia alienante, o que nos remete para a “Geografia dos Professores”, de que nos fala Yves Lacoste.
    Defendo que a dimensão política dos fenómenos tem de estar presente na sala de aula. Mas com muito bom senso, mais no sentido de colocar os alunos a exprimirem e a debaterem os seus pontos de vista, do que de o professor querer inculcar os seus pontos de vista. Recordo-me de um dia observar uma aula em que o professor tinha um discurso "político" com o qual eu concordava - mas o problema não era eu concordar com o seu discurso, o problema era o da legitimidade do docente de transmitir, como verdade adquirida, as suas verdades. Eu julgo que ele não tinha esse direito. Enfim, sem ser paradoxal, eu aprendi mais com os meus professores que tomavam posição sobres as coisas, mesmo discordando deles, do que com aqueles que não tomavam posição.
    Em Geografia, este debate é muito antigo e julgo que será interminável. Naturalmente, o aproveitamento das leituras ratzelianas do território pelo nazismo criou uma aversão à "política" por partes dos geógrafos que ainda hoje nos marca. Não por acaso, Orlando Ribeiro (Finisterra, nº 21, 1976, p. 16), refere criticamente que Silva Teles, que recorda como seu mestre e elogia, se deixou seduzir pelas "sereias políticas" - quando, em rigor, a atuação política tem forte ligação com o que ao geógrafo diz respeito.
    Por outro lado, neste debate sobre "Política, sociedade, educação e ciências sociais", retomo algo que Souto já afirmou antes. A formação inicial de professores exige uma forte componente epistemológica. Pelas razões atrás referidas, a formação inicial de professores (e mesmo a formação contínua) tem de estar tem de ter uma forte componente de reflexão sobre os paradigmas da Geografia, da educação geográfica... um professor que tenha desenvolvido esta reflexão está melhor preparado para o debate que precede a planificação letiva e o debate na sala de aula, do que aquele não desenvolve esta reflexão. Quando se aborda, na formação de professores, as grandes escolas de Geografia e de educação geográfica, a sua evolução, está-se a contribuir para um distanciamento crítico do professor em formação. Frequentemente, esta dimensão reflexiva é desvalorizada, infelizmente.
    Este debate remete-nos, afinal, para aspetos estruturantes da construção do ensino da Geografia e das ciências sociais, numa visão mais alargada.

    Sérgio Claudino, IGOT-Universidade de Lisboa

    ResponderEliminar
  31. Concordo com que indica o Sérgio Claudino. Eu acredito que hoje desde as ciencias sociais devemos fazer uma aposta pelo conteúdo político da explicação do mundo. Temos de fazer um compromiso com a cidadanía que está asulagada e engaiolada pelos medios de comunicação que ocultam a realidade do mundo numa saturação infotrmativa que traslada imagem de transparència cando o que existe é oscuridade
    Xosé M. Souto
    Gea-Clío e Universitat de València

    ResponderEliminar
  32. Caros colegas, boa tarde!

    Concordo plenamente com os colegas acima, a Educação não pode ser neutra, como desejam, no Brasil, os defensores do projeto "Escola sem partido". Na realidade, como escreveu o grande pensador brasileiro Paulo Freire, no livro "Política e Educação" que aborda aspectos relativos à construção crítica e politizada do saber individual. O autor, nessa obra, trata a educação para além da sala de aula, relacionando a um contexto brasileiro de falta de participação e democracia. Para Paulo Freire, " cidadão é o indivíduo no gozo dos direitos civis e políticos de um Estado". E cidadania "tem a ver com a condição de cidadão, quer dizer, com o uso dos direitos e o direito de ter deveres de cidadão". Nesse sentido, partindo dessa perspectiva, não existe educação neutra, todo ato de educar é político, porque quem ensina, ensina de uma teoria, de um ponto de vista. Ora, pra que serve a educação e as Ciências Humanas então, se não for pra ensinar sobre o mundo, seus avanços, progressos, mazelas e retrocessos, seu presente, passado, sua história? Desse modo, esse projeto "Escola sem partido", só interessa aqueles que não reconhecem essa função da educação e que querem manter o status quo da sociedade brasileira, opressora, injusta e desigual. Desse modo, devemos dizer não a essa política de retrocesso implantada pelo atual governo brasileiro.

    Atenciosamente,

    Fábio Augusto da Silva Lima, Pedagogo, Professor da Rede Municipal de Ensino de Ribeirão Preto, membro do grupo ELO e aluno especial da disciplina Metodologia de Ensino de Geografia e História da Faculdade de Ciências e Letras de Ribeirão Preto - Universidade de São Paulo - Brasil.

    ResponderEliminar
  33. Tendo em vista as considerações do colega Fábio Augusto sobre a neutralidade na educação e a importância do educar como ato político e analisando a atual conjuntura política do Brasil, os danos causados no estado democrático de direitos ocasionados por processos como o impeachment da presidente eleita, bem como o surgimento de projetos de lei como “Escola sem Partido”, constatamos retrocessos que já fizeram parte da realidade política do nosso país demonstrando a fragilidade de nossa tão jovem democracia.
    A época da ditadura militar em nosso país, o Brasil, foi marcada pela repressão autoritária dos militares no poder, no qual justificavam ações militares como forma de proteger o interesse da segurança nacional em tempos de crise.
    Acreditava-se que a violência e a tortura praticada nesse período contra as pessoas divergentes ao governo era uma forma de sanar e inibir a rebeldia que era uma ameaça para os governantes da época, pois queriam padronizar o pensamento a favor de uma minoria de direita que visava apenas seus interesses políticos.
    Esses praticantes repressores e cultivadores da ditadura saíram ilesos e impunes por seus crimes políticos, pois a legislação vigente da época não era democrática e sim autoritária, as pessoas ainda estavam num processo de aceitação e acomodação de pensamentos, pois nosso país teve em seu início a exploração com a vinda dos portugueses e de certa forma tornou-se uma cultura ser explorado e não ser responsabilizado, até mesmo no currículo escolar havia a extinta matéria chamada “Educação Moral e Cívica”, que tinha o objetivo de formar estudantes alienados e doutrinados ao Estado.
    Por conseguinte, quando há falta de integridade a ordem pública e contra a segurança nacional, a falta de impunidade afeta a todos, fica uma sensação de que no Brasil “tudo pode”, já que outros países há uma rigorosidade nas leis e seu cumprimento são levados a risca; na China por exemplo Bo Xilai pegou prisão perpétua por aceitar suborno, no Peru, Alberto Fujimori, está preso por abuso de poder e acusado de sequestrar um jornalista e dar ordem de execução, na Índia Laloo Prasad Yadav está preso por desvio de verbas públicas.
    No intuito de superar esse apoio às práticas fascistas, preconceituosas e retrógradas como a volta ditadura e a perda de direitos conquistados com muita luta, torna-se imprescindível que educadores se coloquem politicamente de maneira democrática, que apoiem a manutenção dos direitos conquistados, como diz Paulo Freire “Me movo como educador, porque primeiro, me movo como gente.”; e mais do que tudo acreditem no potencial transformador de sua profissão, na formação de cidadãos críticos aptos para a vida cidadã de maneira democrática.


    Christiane Soares de Assis Matos de Paula, Pedagoga, Professora da Rede Municipal de Ensino de Ribeirão Preto, aluna do curso de Mestrado em Educação da Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Ribeirão Preto – Universidade de São Paulo – Brasil.

    ResponderEliminar
  34. Christiane, apesar do cenário brasileiro atual ser desanimador e revelar um terrível golpe de Estado com o impeachment da presidente, você nos faz relembrar do grande educador Paulo Freire e de seu otimismo com relação a profissão do professor engajado na formação de cidadãos críticos e, ainda, no potencial transformador da Educação. É isso que deve nos fortalecer nesses tempos vividos.... A luta dos estudantes secundaristas e dos professores da rede pública, conforme mencionado pelo prezado professor Nestor André Kaercher, durante a greve ocorrida no estado do Rio Grande do Sul, Brasil, não pode ser esquecida e muito menos considerada um evento isolado, de gente "indisciplinada", pelo contrário, deve ser entendida como um movimento social de pedido de ajuda que merece atenção da sociedade. O mesmo ocorreu em vários outros estados brasileiros. Em São Paulo, a "ocupação" das escolas públicas indica, dentre outros, que os estudantes e professores não estão passivos frente as ações dos seus governantes. Apostar no conteúdo político da explicação do mundo, como salientaram os queridos professores Sergio Claudino e Xosé Souto, é assumir o compromisso com a cidadania e desvelar a realidade do nosso mundo. Recebam todos minhas saudações desde Ribeirão Preto-SP, Brasil. Andrea Coelho Lastória, professora da FFCLRP / USP, Basil.

    ResponderEliminar
  35. Segundo afirmava Emile Durkheim, já há mais de um século, quanto mais forte é um governo, maior é a liberdade de expressão de seu povo. Já um governo fraco, permite que seus cidadãos tenham pouca liberdade de expressão.
    Acredito que este pensamento do sociólogo/filósofo francês resuma bem o atual momento sociopolítico brasileiro.
    Pois, uma pessoa que foi eleita de forma democrática, e ocupava o cargo de presidente da república há mais de 5 anos foi retirada do poder, por motivos "justos", o que impediria o atual presidente (que assumiu o poder de maneira muito controversa) de perder o seu cargo?
    Tal situação se agrava ao lembrarmos que em pesquisa realizada pelo Instituto Ibope, a menos de 3 meses, o indice de aprovação do atual presidente foi de apenas 13% (http://brasil.elpais.com/brasil/2016/07/01/politica/1467377006_399517.html). Nesse contexto, é possível relembrar os episódios denominados Primavera Árabe (ocorridos em países do Oriente Médio e Norte da África, durante os anos de 2011 e 2012), quando diversos protestos, revoltas e revoluções populares ocorreram contra governos do mundo árabe. O estopim dos protestos ocorreu devido ao agravamento da situação desses países, provocado pela crise econômica e pela falta de democracia que estes se encontravam (alguma semelhança com o atual cenário econômico e político brasileiro?).
    Sendo assim, o acesso a informação (real) e a criticidade de cidadãos, aliados aos avanços tecnologicos contemporâneos (como as mídias sociais que permitem a organização e realização de um grande evento público, em pouco tempo, talvez como nunca antes visto na história mundial) seja um grande risco à soberania e "legalidade" do atual governo brasileiro.
    Por fim, nesse atual cenário caótico e de retrocesso político-social-cultural que o Brasil se encontra, o papel do(a) professor(a) deve se sobressair, não defendendo ou criticando ideologias do partido A, B ou C, mas sim demonstrando (sem romantismo) o que está ocorrendo (novamente) na história de nosso país. E, apesar de todas as diversidades, resistir é preciso!

    Gustavo Antônio da Silva Inácio, Professor de História e Sociologia da Etec Prof. José Ignácio A. Filho e do Colégio Positivo de Ituverava, SP. Aluno do curso de Mestrado em Educação da Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Ribeirão Preto - Universidade de São Paulo - Brasil.

    ResponderEliminar
  36. Observando o atual cenário político brasileiro, sobretudo nos respingos atenuantes em nosso sistema educacional, vimos que é cada vez mais forte e, ao mesmo tempo, perigoso, um processo de polarização de ideias onde o debate e o discurso se empobrecem a tal modo que muitos acreditam, efetivamente, que existam somente opiniões do "sim" ou do "não", a "favor" ou "contra". Isso não significa que diante desta situação o melhor a fazer é nos calar. Pelo contrário, apesar das dificuldades, temos que buscar maneiras de ampliarmos nossas articulações a fim de afinarmos os discursos, enriquecermos o debate e abrir um leque de possibilidades para que possamos propor e lutar por educação democrática. O projeto “escola sem partido” e a proposta de mudança no cenário do ensino Médio nacional, são barulhos ensurdecedores que nos atordoam, propositalmente, criando um desconforto geral, um sentimento de fim do poço, com alternativas escassas. Contudo, o que devemos fazer, apesar de todas as barreiras que enfrentamos e ainda iremos enfrentar, é nos unirmos no intuito de criar espaços para mais diálogo (assim como já ocorre neste Foro), refletindo sobre as reais possibilidades de resistência e reais possibilidades de ações, defendendo o que acreditamos ser uma educação de qualidade para todos. Nesse instante não deverá existir o professor universitário, o professor do ensino médio, do fundamental ou infantil, mas deve existir “os professores”. É com confiança nessa classe que devemos apoiar uns aos outros, estabelecendo relação com outras entidades da sociedade civil e com a população de modo geral na esperança de uma articulação concisa e efetiva. “Contra as ideias da força, a força das ideias!” Florestan Fernandes.
    Luis Guilherme Maturano, professor de Geografia, membro do grupo ELO e aluno especial da disciplina Metodologia de Ensino de Geografia e História da Faculdade de Ciências e Letras de Ribeirão Preto – Universidade de São Paulo – Brasil.

    ResponderEliminar
  37. Caros colegas,

    Concordo plenamente com a reflexão do nosso colega Guilherme, mas quero me ater a parte em que diz sobre o empobrecimento do debate politico no atual cenário do país, da polarização do debate, que se resume a ser contra ou a favor de algo, ou do nós contra eles. Penso que o grande responsável por essa situação é a mídia brasileira, em sua maioria conservadora, partidária e manipuladora das opiniões. Afinal, quem fomentou desde o inicio o golpe contra a ex-presidente Dilma Rousseff, que culminou com o sacramento do processo de impeachment e a posse do vice-presidente, Michel Temer? Desde então, os grandes grupos de mídia e comunicação, principalmente a Globo, exercem o papel de porta voz do governo, como fizeram na época da Ditadura Militar no Brasil, defendendo de forma quase explicita seus projetos e reformas estruturais. Podemos citar como exemplo, a atual proposta de reforma do Ensino Médio brasileiro. Durante a discussão sobre o polêmico projeto, a Globo, sempre se posiciona a favor da medida, levando especialistas para debater sobre o assunto, desde gestores do MEC, engenheiros, administradores, psicólogos, menos os maiores interessados e que serão os mais afetados pelas mudanças, que são os professores, alunos e toda a comunidade escolar. Quase sempre a cobertura é feita com um discurso da necessidade da “reforma”, mas nunca se questiona sobre a legitimidade de tal iniciativa, decidida por meio de medida provisória, sem debate e participação da sociedade, ou seja, de maneira antidemocrática, como já é de praxe desse governo ilegítimo. Desse modo, como defende François Dosse, “as mídias instituem um novo relacionamento com a história no cotidiano, reduzindo esta ao instante, uma realidade em migalhas, isolada da
    experiência concreta; quebram a continuidade histórica, a memória em seu processo cumulativo.” É exatamente essa lógica dos grupos de comunicação presente no Brasil, ou seja, a redução do instante em migalhas, o esvaziamento da política, o reducionismo do debate, a indiferença com a memória histórica. Nesse sentido, devemos utilizar todos os espaços para denunciar o papel nefasto que a grande mídia brasileira vem adotando, de agente de um governo golpista, que traz um discurso defensor da politica neoliberal adotada, privatizante, de extinção de direitos fundamentais de todos os brasileiros, como saúde, educação, previdência, etc. Além disso, defendo também que nós, profissionais da educação, temos que propor e lutar por uma educação democrática. Estabelecer diálogos, construir pontes, exigir participação nas decisões, ocupando lugares nas instituições de decisões e deliberações, como os Conselhos de Educação, defendendo posições e propondo soluções possíveis, em defesa de uma educação democrática, com qualidade e para todos, dentro da ordem democrática. Portanto, colegas professores, vamos à luta, pois como disse o colega Gustavo em seu comentário, resistir é preciso, e a mudança do atual contexto politico brasileiro, mais do que necessária, é urgente. Referencia: DOSSE, François. Os Herdeiros Divididos. N: LACOSTE, Yves (coordenador) Ler Braudel. Campinas: Papirus, 1989, p. 168
    Fábio Augusto da Silva Lima, Pedagogo, Professor da Rede Municipal de Ensino de Ribeirão Preto, membro do grupo ELO e aluno especial da disciplina Metodologia de Ensino de Geografia e História da Faculdade de Ciências e Letras de Ribeirão Preto - Universidade de São Paulo - Brasil.

    ResponderEliminar
  38. El plebiscito del domingo día 3 de octubre en Colombia y las elecciones locales en Brasil el mismo día nos deben hacer pensar sobre la enseñanza de las ciencias sociales y la participación ciudadana.
    Más allá del resultado, que creo que debe ser comentado por los colegas colombianos, lo que preocupa como docente es que no haya votado ni el 50% de la población. ¿Cómo es posible que en un asunto tan relevante para la vida y la convivencia no llegue a la mitad del censo electoral la participación?
    Eso quiere decir que algo hacemos mal desde la enseñanza. No hemos sabido transmitir la idea de la participación y comromiso con la vida.
    Respecto a Brasil la elección de personas poderosas en gobiernos locales significa que la representación social del poder sigue inalterable: los empresarios son los que saben gestionar una ciudad, como es el caso de São PAulo. Algo que sólo es posible impugnar desde las teorías de las representaciones sociales y desde un sentido crítico de las relaciones sociales. Un desafío para todas las personas que estamos en la docencia de las ciencias sociales. Como vemos hay mucho trabajo para desarrollar
    Xosé m

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Este comentario ha sido eliminado por el autor.

      Eliminar
    2. Concuerdo plenamente, en el sentido los niveles de abstención electoral son preocupantes. Para el caso de mi país, Chile, a partir de la instauración del sufragio voluntario, los niveles de abstención han sufrido un alza sostenida. Ad portas de una nueva elección municipal, dentro del escenario electoral no parece que la tendencia fuese a variar.

      Respondiendo a su pregunta, concuerdo que existen falencias en transmitir la idea de la participación y el compromiso de la vida. En el caso de mi país, actualmente se está poniendo en boga el tema de la formación ciudadana en los colegios, con fin de entregar herramientas a los estudiantes para que se desenvuelvan acertivament tanto en sociedad como en su vida cotidiana. No obstante, existe una problemática respecto a lo anterior; actualmente, no se estan entregando las herramientas adecuadas a los estudiantes de pregrado de pedagogía en Historia y Geografía para poder abarcar estos contenidos de manera fluida e instruida.

      Sumado a la falta de una conciencia de ciudadano por parte de los jóvenes, nos encontramos con un descontento transversal hacia la clase política, tanto por sus prácticas como por su desconexión con la ciudadanía, lo cual es posible de advertir a través del discurso y manejo que han hecho de los casos de financiamiento irregular de política y los incentivos por parte de empresas para aprobar proyectos de ley que beneficien sus intereses. Finalizando, creo que si bien existe una responsabilidad por parte de la docencia en los índices de abstención electoral (en principio por desínteres y desinformación), no podemos achacarnos toda la responsabilidad, pues esto también es fruto del actuar político, que ha logrado desencantar a la ciudadanía. Pero ojo, lo anterior se ha tornado sumamente peligroso, pues, se le está otorgando a una minoría (pro-élite)el poder de decidir los hilos de un país, lo cual a su vez permite dar cuenta el porque la clase política no realiza mayores esfuerzos por mejorar su alicaida imagen.

      Atentamente,
      Francisco Nicolás Aqueveque Alvarez, estudiante de pregrado, cuarto año de la carrera de Pedagogía en Historia y Geografía, Universidad de La Serena, Chile.

      Eliminar
    3. Alexis Urtubia Alarcón10 de octubre de 2016, 8:33

      Quisiera complementar el comentario de Xosé Souto, en torno a la situación crítica que vivimos en materia de educación cívica que tenemos en nuestra región latinoamericana. En esta ocasión quisiera centrarme en una perspectiva local, pero teniendo en cuenta de que debemos tener en cuenta que como nunca nuestros países gozan de procesos democráticos, de sistemas de educación que abarcan a la mayoría de las personas y además goza de acceso a múltiples medios de información. Sin embargo, la participación democrática y la democracia al final de cuentas resulta insuficiente.
      En mi caso, como estudiante y futuro docente de pedagogía en Historia y Geografía, la tarea de pensar estrategias didácticas para que los estudiantes sean capaces de poder observar, criticar y proponer propuestas se complementa al aprendizaje de la historia y la geografía. Del mismo modo, considero que la enseñanza de mi área debe estar interconectada con las demás áreas del conocimiento, para que se cree un ambiente de diálogo íntegro en toda la comunidad educativa (relación de todas las personas que componen la comunidad). Por lo tanto, nuestra tarea como docentes de nuestra área sería la de motivar a la comunidad educativa a ser parte de práctica democrática, pues la democracia es frágil cuando los componentes que la constituyen no son conscientes, críticos y proactivos y por lo tanto su subsistencia se ve amenazada siempre.
      Ahora bien, quisiera responder a su pregunta, considerando los desafíos que afrontamos los futuros docentes y docentes que se desempeñan en el ámbito educacional, para esto debemos tener presente siempre en nuestro rol como profesores la perspectiva de formación ciudadana y de los Derechos Humanos, puesto que estos ámbitos involucran a todo el espectro de lo que se entiende por Democracia. Por lo tanto, estas perspectivas deberían ser considerados para llevarlos a la práctica del trabajo de la enseñanza de la historia, la geografía y las ciencias sociales, puesto que ambas perspectivas permiten considerar en la práctica la idea de participación y compromiso con la vida.

      Un fraternal Saludo
      Alexis Osvaldo Urtubia Alarcón. Estudiante de Pedagogía en Historia y Geografía. Universidad de La Serena.

      Eliminar
  39. Estimados:

    Con respecto a los dos primeros tópicos, es innegable que la penetración económica del gigante asiático se ha manifestado en América Latina, y tal como se señala, esto pone en jaque la hegemonía económica estadounidense. Una hegemonía que se ha introducido a partir del siglo XX. Esta dominio se produce por la entrada de capitales norteamericanos (Salvatore,2006). Y con la intervención de China se hace menester para EE.UU generar mejores ofertas y enganches económicos para intentar mantener a flote su liderazgo; lo cual se vuelve un tanto difícil al considerar que el mercado asiático es mucho más grande y tiene una mayor demanda de materias primas, y en este sentido China se convierte en una puerta al continente.
    Por otro lado el continente sudamericano esté catalogado como un fuente de materias primas. Lo que lamentablemente lo somete al delicado equilibrio de los mercados externos, lo cual resulta perjudicial para las economías de los países sudamericanos. Como ejemplo es posible mencionar el caso de Chile con el salitre, ya que durante años la venta de este mineral nutrió las arcas nacionales, hasta que la demanda decayó al nivel de que la industria salitrera quedó sepultada. Por tanto los descensos internacionales pueden catapultar o sentenciar las economías de un país.
    En resumen, la entrada de protagonismo chino puede tomarse como una oportunidad para ampliar el umbral de consumidores de los productos que, como países sudamericanos, se pueden producir.

    Manuel Cortés Valderrama
    Pedagogía en Historia y Geografía
    Universidad de la Serena
    Chile

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Coincido contigo Manuel en cuanto a la nueva oportunidad que representa el hecho de que China gane influencia en el mercado latinoamericano. Sin embargo, eso mismo es lo que me causa una preocupación con respecto a algo que mencionaste: el hecho de que las naciones latinoamericanas son en su mayoría productoras de materias primas (en especial Chile). Claro, China refresca la oferta, pero sigue manteniendo el mismo sistema que tanto ha atado de manos los países latinoamericanos.

      Yo considero que si bien no debe mirarse con malos ojos la influencia de China en nuestro mercado, es más relevante que las economías se fortalezcan hacia adentro, potenciando las industrias nacionales, permitiendo pasar de economías extractoras a productoras.

      Esteban Álvarez Herras
      Pedagogía en Historia y Geografía
      Universidad de La Serena

      Eliminar
  40. Esteban Álvarez H.6 de octubre de 2016, 20:17

    En el caso chileno, la influencia de la Iglesia Católica en las decisiones parece ser imposible de erradicar. Siendo que el país se declara laico desde 1925 con la Constitución del mismo año en el gobierno de Arturo Alessandri, el peso que tienen los "argumentos religiosos" se siente fuertemente, principalmente en temas álgidos como el aborto y el matrimonio homosexual. En la Encuesta Nacional Bicentenario del 2014, realizada por la UC y Adimark, solo el 59% de la muestra se declaró católico, mientras que un 22% declaró no profesar ninguna religión, y es una tedencia que va claramente al alza.

    Si este es el panorama, ¿por qué mantener tradiciones como el Te Deum Ecuménico en fiestas patrias, o permitir que el cardenal o el obispo actuen como intermediarios y arbitros en problemas que son netamente civiles? Son acciones que en vez de unir, siguen separando a la población, y que solo hunden más a la Iglesia Católica, desacreditando constantemente la supuesta "laicicidad" del Estado chileno.

    Esteban Álvarez Herras
    Pedagogía en Historia y Geografía
    Universidad de La Serena

    ResponderEliminar
  41. Me parecen muy oportunas las reflexiones de Francisco Aqueveque, Manuel Cortés y Esteban Álvarez. Estos días en un viaje que he realizado a Chile he podido percibir que el Estado montado por Pinochet permanece incólume en los aspectos esenciales:
    1.-Privatización del sector de servicios públicos: sanidad, cementarios, educación, pensiones, transportes... Es increíble que no funcione el ferrocarril o los hospitales públicos no tengan más calidad
    2.-La inmfluencia de la inglesia católica, al igual que sucede en otros países iberoamericanos, es enorme. Hay una clara contradicción con la declaración de Estado laico
    3.-Chile se comporta como un país para exportar y no para convivir, más preocupado por el crecimiento del PIB que por su distribución
    Ello me hace pensar que el estado de shock del golpe todavía continúa presente y que es preciso que en las clases de ciencias sociales se fomente la participación y el espíritu crítico para superar el estado de shock y las opiniones emocionales que se quieren superar con argumentos post facto
    La prueba de que ello es posible es este geoforo, donde las personas compartimos argumentos con reflexiones personales para proseguir
    Un saludo
    Xosé M. Souto

    ResponderEliminar
  42. Alexis Urtubia Alarcón7 de octubre de 2016, 8:27

    Estimados:
    Quisiera agradecer la instancia de debate que se abre en este foro, puesto que da la oportunidad para expresar libremente nuestras posturas en relación a la situación política y social que viven nuestras sociedades latinoamericanas. Del mismo modo, es muy importante considerar estas posturas desde las disciplinas científicas y educativas. Ahora bien, quisiera señalar en primera instancia que concuerdo con la visión que sostiene Jaeme Luiz Callai, cuando plantea en todos los tópicos que propone, considerando la situación económica y política que vive el mundo y de las repercusiones de las políticas que toman las potencias mundiales en nuestra realidad política y económica. Sin embargo, quisiera centrarme en esta ocasión en último tópico que señala Jaeme Luiz Callai:
    8. Los medios de comunicación, tradicionalmente conservadores, ejercen una fuerte influencia en el juego político y, pese al crecimiento de medios sociales, influyen fuertemente sobre la opinión pública.

    Este tópico en particular, me llama bastante la atención, puesto que es gracias a los medos de comunicación, es que podemos significar nuestra realidad política, económica, cultural, etc, de manera informada, considerando los espacios locales, nacionales, regionales y mundiales.. Es por lo tanto la herramienta que más nos puede ayudar para formar una reflexión y opinión integral de los hechos. Del mismo modo, concuerdo con que los medios de comunicación que tienen más cobertura y por lo tanto ejercen mayor influencia son los que están vinculados a grupos de poder (sectores conservadores y neo-liberales), los cuales están en directa sintonía con grupos religiosos y/o económicos. Esta situación se ha presenciado históricamente en Chile, país que se ha nutrido informáticamente de lo que dicen los medios vinculados a grupos de poder (El Mercurio y La Tercera). Esta situación que señala Jaeme Luiz Calla ¿ocurre también en otros países de nuestra región? ¿Está nuestra opinión manipulada por los grupos de poder? ¿Qué podemos hacer nosotros para revertir el sesgo y dar nuestra opinión de mejor manera?
    Las preguntas formuladas la he pensado considerando el formato físico de los medios de comunicación, como lo es el caso de la prensa escrita, la cual ha nutrido a los medios televisivos y radiales. Pero también existe la influencia de los medios de comunicación digitales, como lo es en el caso de internet. De esta manera, internet se convierte en una plataforma mediática, comunicativa e informática que ofrece la gran posibilidad de que las personas puedan acceder a múltiples fuentes de información y realizar un trabajo de re-significación de la realidad local, nacional, regional y global de manera autónoma, dejando de lado el sesgo editorial de “los medios tradicionales”.

    Un fraternal saludo
    Se despide: Alexis Osvaldo Urtubia Alarcón, estudiante de Pedagogía en Historia y Geografía de la Universidad de La Serena.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Si bien tal como dices, internet y los medios digitales constituyen una potente herramienta para la re-significación de la realidad, y permite el acceso a múltiples fuentes de información, siempre he sentido, porque lo aprecio a diario, a internet como una gran cuchilla con doble filo.

      Así como aporta, también es una fuente de severa desinformación, llena de gente maliciosa y sensacionalista, que en busca de "likes" y visitas, no tienen escrúpulos en soltar bombas mediáticas, que solo desorientan a la población.

      Creo que, parte del proceso de alejarse de los medios tradicionales conservadores, es instruir a la gente en dónde y cómo se informa en internet, y así sacarle provecho a una de las herramientas con mayor potencial que el ingenio humano nos ha entregado.

      Esteban Álvarez Herras
      Pedagogía en Historia y Geografía
      Universidad de La Serena

      Eliminar
  43. En base a las distintas perspectivas planteadas en este foro para buscar explicaciones y realizar conexiones entre el contexto global, la realidad latinoamericana y nuestro contexto nacional (en mi caso el de Chile) resulta bastante interesante centrarse en relación a la inquietud planteada por Jaeme Luiz Callai en relación Frei Beto sobre la formación de ciudadanos o consumidores bajo los gobiernos del PT en Brasil. Y es aquí donde podemos darnos cuentas que a pesar de que existen coyunturas particulares en cada país de América Latina podemos de igual forma encontrar bastantes similitudes y respuestas a preguntas comunes.

    Brasil y Chile hoy viven una profunda desconfianza con la clase política. En el caso chileno el estallido del 2011 (la llamada Primavera chilena) significó un profundo empoderamiento de las organizaciones sociales que ha día de hoy entre sus principales demandas se encuentra la revisión de la Constitución de 1980 promulgada en un cuestionable plebiscito durante la dictadura de Augusto Pinochet. Frente a esto la clase política ha prometido cambios por una parte pero a la vez resquemores a transformaciones más profundas, en esta línea reapareció la figura del ex presidente Ricardo Lagos quien señaló que el actual clima social y político se debía principalmente a que “las actuales clases medias se han puesto cada vez más exigentes y pidan más servicios y ayudas del Estado”. De más esta agregar que hace pocas semanas anunció su intención de volver a La Moneda.

    Evidentemente que creo que somos muchos los que nos negamos a creer que el devenir de la sociedad chilena simplemente se resuma en un problema de consumidores insatisfechos. La construcción social de un país implica mucho más que eso y el mundo nos da alarma desde la Inglaterra que se mostro a favor del Brexit, los Estados Unidos de Trump o la Filipinas donde el presidente alienta a sus ciudadanos a asesinar delincuentes. Se vuelve hoy indispensable problematizar sobre nuestras realidades locales sin despegar la mirada global en este mundo tan interconectado.

    Quizás no podamos dar respuestas suficientemente acertivas a como entender el momento actual, pero sin duda que en algún momento rumbo a esa respuesta aparecerá la educación. Ese es el desafío que tenemos todos quienes estamos o estaremos inversos en la realidad educativa en el sentido de problematizar nuestra realidad desde un rol ciudadano con todo lo que esto último implica.

    Atentos saludos
    Felipe Trujillo Parra
    Estudiante de 4to año de Pedagogía en Historia y Geografía, Universidad de La Serena, Chile.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Ma. Victoria Bustos Rodríguez27 de octubre de 2016, 13:38

      Quisiera complementar el comentario de Felipe Trujillo, en relación a la situación política que vivimos en Chile.
      Para esto, quisiera rescatar una parte de su comentario cuando señala lo siguiente: “Evidentemente (…) creo que somos muchos los que nos negamos a creer que el devenir de la sociedad chilena simplemente se resuma en un problema de consumidores insatisfechos”, en este sentido, concuerdo totalmente con Felipe, puesto que da cuenta de que existen personas críticas de la situación que vivimos, cuestión que puede ser considerada como un privilegio en estos tiempos de información como lo señala Manuel Castells. Esta situación dicotómica la considero relevante, puesto que el hecho de que vivamos bajo un sistema neoliberal, este nos inunda de sobreinformación que tiene, entre otros, el objetivo de formar consumidores.
      Del mismo modo, Felipe señala que “Se vuelve hoy indispensable problematizar sobre nuestras realidades locales sin despegar la mirada global en este mundo tan interconectado”, para esto considero que la formación ciudadana es menester. En este sentido, consideraría al docente como actor fundamental para generar personas que sean conscientes del mundo que viven.
      Saludos.
      Ma. Victoria Bustos Rodríguez.
      Estudiante, Pedagogía en Historia y Geografía, cuarto año.
      Universidad de La Serena, Chile.

      Eliminar
    2. Como muy bien señala Felipe, hay una crisis evidente de legitimidad hacia los políticos, la cual se ve reflejada en la baja participación ciudadana en las instancias (que ofrece el Estado) para ejercer lo que vendría siendo nuestra “soberanía”. Y yo creo que ahí radica el gran problema, y es que el Estado ha limitado la acción de la sociedad civil. Como señala el historiador Gabriel Salazar, existe una participación ciudadana basada solamente en el canal institucional del voto. Una vez escogidos los políticos mediante esta vía, se desentienden por completo de la ciudadanía. De ahí en adelante no son controlados por la ciudadanía que los eligió, implementando medidas que, a su criterio, consideran que son las correctas, y no siguiendo las pautas o las peticiones que la comunidad que los ha elegido solicita.
      Entonces la sociedad civil se transforma en un agente “peticionista” ante el Estado, se les limita su derecho (legitimo) a deliberar o a tomar las consideraciones que ellos encuentren pertinentes para su comunidad, que vendría a ser el ejercicio real de la soberanía.
      Esta crisis de legitimidad se viene arrastrando desde la misma implementación del modelo neoliberal en América Latina, y Chile es el reflejo de las medidas neoliberales más extremas. Las consecuencias de la implementación del neoliberalismo han sido, como se señaló anteriormente, la desconfianza en los políticos o crisis de legitimidad de estos. Esta desconfianza radica en las medidas que se toman para crear el Estado neoliberal, las cuales son un libre mercado sin restricciones, y una reducción ridícula del gasto social, sumando a una preponderancia en la oferta, es decir los grandes capitales y empresarios nacionales y extranjeros, lo que produce que servicios que nunca habían sido objeto de mercantilización, lo sean hoy día, como es el caso de la salud y la educación, las cuales son precisamente materias en las cuales la ciudadanía ha puesto el foco de sus exigencias.


      Fuente: Gabriel Salazar. (2015). La enervante levedad histórica de la clase política civil (chile, 1900 – 1973). Santiago: Debate.


      Patricio Espinoza Pizarro
      Pedagogía en Historia y Geografía
      Universidad de La Serena.

      Eliminar
  44. Interesante las últimas acotaciones que aporta Felipe con respecto al rol de la educación como medio de cambio, ya que es el constante desafío que presentan las nuevas generaciones en generar un cambio por medio de la reflexión y el pensamiento crítico en los estudiantes.
    Personalmente considero más inquietante aun el punto número 7 que entrega Luiz Callai sobre la influencia de los medios de comunicación y como esto se ve traducido en la manipulación del discurso que puede encontrarse en los medios de la prensa escrita, televisión e incluso el discurso que puede encontrarse en los textos escolares y como este cambia su narrativa histórica de los hechos del pasado que construyeron un futuro, los cuales son dirigidos a miles de estudiantes los que a futuro terminan adoptando estos lineamientos pedagógicos en el proceso de enseñanza-aprendizaje.
    Me apegaré a la incertidumbre y la esperanza de que estos nuevos desafíos sean en generar problemáticas entorno a la realidad local, nacional o mundial en los jóvenes.

    Saludos cordiales
    Marilyn Zuleta Salas
    Estudiante de 4to año de Pedagogía en Historia y Geografía.
    Universidad de La Serena, Chile.

    ResponderEliminar
  45. Alexis Urtubia Alarcón12 de octubre de 2016, 13:50

    Estimados:

    Quisiera dar mi opinión con respecto al punto 9, teniendo en cuenta una lógica local, en base a las percepciones que se tienen del gobierno en materia de transformaciones estructurales, las repercusiones sociales y el rol de los docentes.

    En Chile vivimos un período de reformas estructurales que han sido dirigidas por la presidenta Michelle Bachelet durante su gobierno. Las reformas son las siguientes: la reformas tributaria, reforma educacional, y la nueva Constitución.  De esta sitación se genera el primer cuestionamiento ¿las reformas generadas por Bachelet tienen como objetivo cambiar de manera estructural la herencia de Pinochet?. Por otro lado, Estas propuestas de reformas han influido en la población generando intensos debates en base a varias temáticas (como por ejemplo: educación pública, constitución, pensiones, etc.), y a su vez, diversas respuestas de la ciudadanía, las cuales se han materializado en protestas masivas, movimientos informativos mediante internet, organización de las bases, etc.

    En este sentido, el contexto actual de propuestas y de respuestas, se puede entender desde la perspectiva del historiador Gabriel Salazar, quien señala que “este es un gobierno que se propuso objetivos bastante ambiciosos, pero que no ha tenido ninguna capacidad, ni para aclarar exactamente qué quiere reformar y cómo reformarlo, ni capacidad para conseguir apoyo ciudadano, ni capacidad siquiera para dar a entender con un discurso que promueva la movilización de la gente en su apoyo” (Arellano, 2016).

    Es interesante la manera de como los gobiernos y los partidos políticos que se identifican con la izquierda no sepan ni tengan la capacidad de generar propuestas que incentiven el apoyo masivo y el diálogo entre las cúpulas de poder y las bases. Con esta problemática, podríamos llegar a la conclusión de que el gobierno se propuso impulsar reformas que cambian el modelo económico y político, el cual es una herencia de la dictadura de Pinochet. Más bien, se puede ver que hay un objetivo de intensificar la ideología neoliberal y de seguir con el modo de hacer política (desde las cúpulas de poder hacia abajo), dejando de lado las propuestas emergidas desde las bases.

    Es por esto que me han surgido las siguientes preguntas, las cuales están en directa relación con nuestro rol como docentes ¿Qué podemos hacer nosotros para cambiar desde nuestra labor diaria esta situación de crisis en materia política y educativa?; ¿Qué postura deberían tomar los docentes?; ¿Se tiene que hacer vista gorda, y dejar que los cambios estructurales se hagan a espaldas de la comunidad educativa?

    Un fraternal saludo
    Se despide: Alexis Osvaldo Urtubia Alarcón, estudiante de Pedagogía en Historia y Geografía de la Universidad de La Serena.

    Fuente:

    Arellano, J. (2016). Por qué las reformas de Bachelet rascan donde no pica. El Mostrador. http://www.elmostrador.cl/noticias/pais/2016/06/08/por-que-las-reformas-de-bachelet-rascan-donde-no-pica/.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Resulta muy interesante las interrogantes planteadas por Alexis en este comentario en consideración de que los contenidos curriculares están en constante transformación. Lo primero que debemos tener en consideración para problematizar sobre la realidad contingente del país es vislumbrar que enfoques utilizaremos, si una educación cívica o desde la formación ciudadana.
      En Chile (y me temo que en muchas latitudes) se ha tendido a confundir la cívica con la formación ciudadana, lo cual en ningún caso representa lo mismo. La educación cívica entrega al estudiante un conocimiento sobre las leyes, los sistemas de gobierno, derechos y deberes, etc. Es más bien un conocimiento enfocado y sintetizado. En cambio, la formación ciudadana permite de mejor manera problematizar entregando herramientas para el pensamiento crítico, la participación activa, con planes elaborados desde la disciplina didáctica. Es por ello que a mi parecer debemos clarificar el enfoque pedagógico para abordar estos temas ya que es en formación ciudadana donde encontramos la mejor manera de abordarlos.
      Ahora bien siguiendo con las preguntas de Alexis, los docentes deben tener evidentemente una participación primordial en su unidad educativa dentro y fuera del aula generando instancias que permitan conocer y problematizar el contexto nacional, por ejemplo a través de foros, debates entre otras instancias para sociabilizar y acercar estas tématicas.

      Fuente:
      Quiroz Posada, Ruth Elena; Jaramillo, Orlanda; (2009). Formación ciudadana y educación cívica: ¿cuestión de actualidad o de resignificación?. Revista de Teoría y Didáctica de las Ciencias Sociales, Enero-Junio, 123-138.

      Se despide atentamente,
      Felipe Trujillo Parra
      Alumno de Pedagogía en Historia y Geografía, IV año.

      Eliminar
    2. María Victoria Bustos Rodríguez27 de octubre de 2016, 13:35

      Con respecto a las preguntas que formula Alexis, es posible señalar que desde la perspectiva de un docente en formación, deberíamos situarnos de manera activa frente a la “crisis” de la política y de la educación, ya que somos nosotros quienes debemos día a día guiar a los estudiantes a generar un pensamiento crítico y su propio discurso frente a estas problemáticas, para tratar de generar cambios desde abajo. Para esto y respondiendo a la primera pregunta planteada, deberíamos mostrarles a nuestros estudiantes la realidad desde distintos puntos de vista, tanto políticos como sociales y culturales, para que con eso sean capaces de generar su postura frente a las problemáticas. Ahora bien, también es necesario que los instemos y motivemos a participar activamente en los espacios ciudadanos que se den en la comunidad cercana, independientemente de la edad que tengan, para que así desde pequeños se den cuenta de que sus ideas, pensamientos y críticas pueden ser escuchadas, con el respeto debido hacia él y el resto de las personas que se encuentren, siendo esto un acto de formación ciudadana y de crecimiento personal del estudiante.
      Es importante que la formación ciudadana tome cada vez más la importancia que se merece, ya que sin ella, nos será imposible mejorar la “crisis” que vemos al interior de los países, en cuanto al desencantamiento de la población hacia la política.
      Por último y respondiendo a la tercera pregunta, obviamente no podemos hacernos los desentendidos frente a los cambios estructurales que se están realizando, ya que nos influyen y afectan de manera directa.
      Saludos
      María Victoria Bustos Rodríguez
      Estudiante, Pedagogía en Historia y Geografía, cuarto año.
      Universidad de La Serena, Chile.

      Eliminar
  46. Me parece que las respuestas y opiniones que se están registrando en este foro muestra su oportunidad.Más allá de las ideologías declaradas de los partidos existe una cosmovisión que justifica los actos cotidianos, algo que se está explicando desde las representaciones sociales y desde las ciencias sociales.
    En este sentido la legitimación de la imposiciòn de un modelo de privatizaciones en los servicios públicos (salud, educación, transporte, seguridad social, policía...) es algo que sucede por la aquiescencia de las personas, que lejos de su condición ciudadana se han transformado en clientes de un sistema de valores que se impone más allá de las ideologías.
    Las repercusiones espaciales son evidentes. Las fucniones vitales no se realizan en espacios de comunidad y, mucho menos, en espacios públicos, sino que se transforman en espacios privados que patrimonializan los derechos consagrados en 1948 y aumentan las desigualdades
    El compromiso social educativo obliga a profundizar en estos debates y en argumentar contra la cultura hegemónica, pero siempre desde el rigor de saber comprender las emociones desde la racionalidad cognitiva.
    Un saludo
    Xosé m Souto

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Lo que usted expone tiene mucha razón, ya que la labor del Estado se ha reducido a la mera intervención en aspectos económicos en donde es necesario recurrir a este en épocas de crisis globales para intervenir a favor del sector privado.
      Sin embargo en aspectos trascendentes desde el punto de vista social y cultural como la educación o la salud, y el derecho en general a bienes básicos como los que tienen que ver con el consumo de energías han sido entregados a los vaivenes del mercado como meros bienes transables, muchas veces a merced de las inestabilidades del mercado. Esto a la vez se conecta con el despojamiento de la educación, generando consumidores (o como usted lo denomina, “clientes”) y no ciudadanos.
      La más grave consecuencia de una sociedad que genera consumidores-clientes y no ciudadanos es que los bienes de consumo se transforman en objetos de consumo individual (a lo más familiar) y no en bienes de consumo comunitario. Desmembrando el sentido solidario que un individuo debe poseer en una comunidad respecto a lo que consume. En cuyo caso demuestra su total gravedad, por ejemplo, cuando el uso del agua es racionado y compartido por individuos de una comunidad en donde dicho elemento escasea. Si esos individuos son ciudadanos conscientes de que el uso del agua es comunitario, cada sujeto se hará responsable de su uso según las necesidades de la comunidad y en función de ella. Al contrario si los individuos son consumidores-clientes, los sujetos harán uso del recurso en función de sus propias necesidades, sin tener conciencia o intención de hacer un uso comunitario del recurso.

      Eliminar
  47. Buenos días estimados.
    Coincido en bastante de los puntos de análisis que describen la realidad actual latino americana. Esta realidad, extremadamente liberal en lo económico, se arrastra desde inicios de siglo, donde el estado comienza a ejercer mayor participación en los aspectos sociales y económicos debido a la influencia política estadounidense, para así mantener alejada la influencia socialista en la población a través de políticas sociales paliativas de los problemas estructurales. Si bien existió una suerte de estado de bienestar desde luego de la primera guerra mundial, el modelo evoluciono al modelo neoliberal que impera hoy. Sabido es que el aparato político estatal ha servido como soporte para sustentar todos los cambios neoliberales (algunos aprovechando las dictaduras cívico-militas que afectaron a nuestra región). Lo real es que actualmente la sociedad no está conforme ni con el modelo político basado exclusivamente en el voto ni en la economía neoliberal.
    En Chile las protestas, la baja participación en las elecciones, la desaprobación y desconfianza en los políticos son la muestra de que el modelo agoto su capacidad de responder ante la sociedad. Por otro lado, las instituciones se han desacreditado, ya no existe confianza en la gente, cuando solo hace algunas décadas las instituciones gozaban de gran renombre y confianza, por ello la sociedad dejaban que actuaran libremente sin supervisión, llevándolos a un actuar contraproducente (y como se demuestra hoy en día, con corrupción), hoy en día en Chile la preocupación de los políticos actualmente es que se ha producido una crisis de confianza que hace peligrar la “democracia” que hoy impera.
    me despido, Claudio Riquelme Núñez

    ResponderEliminar
  48. Es innegable el avance que han tenido las corrientes política y económicas de corte neoliberal en nuestro continente a partir del último tercio del siglo XX, sin embargo esto no se reduce a la acción de una visión política determinada, sino más bien al proceso de mercantilización que se ha experimentado en el periodo de tiempo señalado y que se ha profundizado y consolidado a partir de la década de los ochenta y noventa del pasado siglo. En este sentido cabe preguntarse cómo y por qué está neoliberalización del continente se ha enraizado en los aparatos estatales de cada país sudamericano, ya que podemos señalar claramente que no es un proceso nuevo. En argentina el gobierno de Menem sentó las bases de políticas económicas neloliberales sin declarar, al menos en su retórica, un gobierno explícitamente neoliberal. En Chile los gobiernos de transición post dictadura, consolidaron y profundizaron el sistema económico inaugurado por Pinochet inspirado en el neoliberalismo de Friedman. En Perú la dictadura de Fujimori consolidó un modelo macroeconómico fundamentado en recomendaciones del Fondo Monetario Internacional. De esto podemos sacar conclusiones referidas a que, la mercantilización y la neoliberalización del continente no tiene que ver con una condición política exclusiva de gobiernos tradicionalmente asociados a ideologías de derecha, sino que responde a un fenómeno trasversal a todos los gobiernos y coaliciones de partidos que han estado en el poder de los Estados sudamericanos, por lo tanto es un fenómeno aún más antiguo que el reciente “vuelco” a la derecha que ha tenido el continente en la última década.
    Los orígenes del problema se hayan muy sentados en el sustrato histórico que nuestras culturas poseen, y que tiene que ver con cómo ha sido construido el Estado a partir de los procesos de independencia y organización nacional de la región, a saber, el proceso de construcción identitaria elitista que nuestras naciones han tenido, y que son la base ideológica en la que se sustenta en Estado.
    Esto quiere decir que, en mi opinión, las políticas neoliberales que se han consolidado en el continente en los últimos treinta años, no son más que el reflejo de unos Estados fuertemente afirmados en visiones culturales provenientes de elites transnacionales con acento en lo mercantil. Esto quiere decir que nuestras naciones se construyeron, desde la elite a partir de una visión transaccional del espacio y por lo tanto esto ha dado la impresión que nuestro continente ha sido siempre una región de explotación de materias primas, sin poder transformarlas en capital con valor industrial. Ya que las elites productoras sudamericanas, que han ocupado tradicionalmente los puestos de poder político, han tenido siempre una identidad mercantil y desde allí se ha realizado la construcción política del Estado, solo exceptuando periodos de revoluciones de carácter campesino, popular y de izquierda. Este fenómeno que se ha dado a lo largo de la historia republicana de la mayoría de nuestros países demuestran que las políticas económicas y sociales de los Estados siempre han tenido un matiz conservador y mercatil independiente de los gobiernos que lo administren y no es un fenómeno nuevo en si mismo.

    William Mitchell Acevedo
    Estudiante de Pedagogía en Historia y Geografia de la Universidad de La Serena.

    ResponderEliminar
  49. Al momento de hablar de política, en especial en el escenario que nos sitúa nuestra región en cuanto a la imposición de dictaduras en todo el continente, nos lleva a replantearnos continuamente como construir espacios en que la democracia se vuelve una herramienta colectiva y no un aparato manipulable por las clases dirigentes y el sector empresarial, e ahí la importancia de generar un pensamiento autónomo y crítico, tanto entre nosotros mismos, sea cualquiera el rol que cumplamos dentro de esta sociedad, es necesario ir generando espacios de debate que nos lleven a reconstruir una mirada tanto de nosotros mismos, como de las problemáticas que nos afectan tanto a nivel comunitario, relacionado directamente con nuestro cotidiano, como el análisis de la articulación que se está llevando acabo, hace ya bastantes décadas, de diversos aparatos supranacionales que absorben, secan, destruyen y saquean territorios completos en nombre del progreso con el fin de llenar las arcas fiscales que alimentan a potencias como China y E.E.U.U, potencias de las cuales, como bien fue mencionado en la introducción de este foro, han tomado un rol hegemónico en la economía internacional. Siendo unos de los principales incentivos que existen dentro de los espacios académicos, el uso de las Ciencias Sociales como propulsor de la reflexión y el pensamiento crítico, entendiéndose esta como;"La estrategia metodológica compleja a través de la cual tomamos consciencia de nuestras creencias e intereses individuales y colectivos, los analizamos y depuramos críticamente y , a través de ellos, nos convertimos en constructores
    de nuestro conocimiento experiencial y de nuestra práctica cotidiana, en interacción activa y crítica con el conocimiento disciplinar socializado” (Rodríguez Moreno, 2010),esta nos entregan herramientas de análisis de forma autónoma como colectiva, sea visto de manera particular desde cada disciplina u/o ciencia, tanto mejor, de manera indisciplinaría entre los distintos saberes, cito como ejemplo el rol de la Geografía como aporte a la mirada holística que se ah de desarrollar permanentemente, tanto fuera como dentro de las aulas; "Centrar éste proceso desde la Geografía, y desde ésta, el de las Ciencias Sociales, es permitir el reconocimiento espacial más cercano, el Entorno."(Rodriguez Moreno)

    Cristián Palma Gómez, estudiante de Pedagogía en Historia y Geografía en la Universidad de La Serena.

    Fuente: Geografía Conceptual, Enseñanza y aprendizaje de la Geografía en la educación básica secundaria, Elsa Amanda Rodríguez Moreno, 2010

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Coincido con tu comentario, al momento de analizar la postura económica en la región, reconociendo la influencia de USA en el periodo de Guerra Fría, encontramos que claramente el Sistema Neoliberal fue implementado en dictaduras y su legado en la actualidad Latino Americana es continua; esto se demuestra con las inversiones extranjeras que sustentan la explotación y extractivismo de las materias primas para su posterior comercialización con las grandes hegemonías económicas.
      Según lo anterior quisiera realzar la importancia de lo que tú denominaste las ciencias sociales como espacio para la reflexión y el pensamiento crítico, en mi opinión el papel que juegan es fundamental, primeramente para conocer las tácticas políticas y sus objetivos que afectan indistintamente a los sujetos de estas naciones donde ocurre la extracción desmedida. Acercando esta temática al punto de vista geográfico encontramos que las consecuencias son inminentes, la denudación del suelo, la tala desmedida, entre otras explotaciones antrópicas provocan una transformación desde el punto de vista climático, aumentando el índice de desastres naturales y sin ser paranoico se alteran los sistemas naturales causando cambios a una escala global, donde los perjudicados única y exclusivamente los sujetos miembros de clases medias y bajas. Con lo anterior quiero enfatizar en que claramente Las ciencias sociales y específicamente la geografía son un sustento para comprender, analizar y emitir juicios con respecto a problemáticas geofísicas y sociales. El juicio crítico se construye y los docentes tienen el poder de concentrar la información e incentivar a la recapacitación transmitiendo estos saberes.

      Fernando Véliz Fernández
      Pedagogía en Historia y Geografía
      Universidad de La Serena

      Eliminar
  50. Es más complemento a lo que señala mi compañero Claudio, de hecho hay un estudio reciente del presente año 2016 realizado por MIDE del centro UC aplicado en Chile el cual estudia el descontento y la poca participación activa en democracia tanto en jóvenes como adultos como también una desafección del sistema político identificando así cuatro perfiles de participación, tales como:
    Desilusionados retraídos: Personas que representan nula participación política pero presentando altos niveles de descontento.
    Conformistas retraídos: Aquellos conformes con el sistema político actual, participan de manera moderada en el ejercicio político pero igual manera presenta un alto descontento.
    Desilusionados rebeldes: Presentan una alta participación política pero de igual manera presenta desencanto con el sistema en sí.
    Conformistas integrados: Presentan bajo nivel de descontento pero con una alta participación.
    Estos perfiles fueron integrados por otros factores como es la orientación política y conducta de voto, la demografía, las relaciones existentes con el sistema político y las visiones de mundo. Lo cual permite comprenden por qué hay un descontento de la sociedad frente al sistema político chileno y no sólo guiarse bajo la premisa que los jóvenes son los más “desconectados” y los que menos participan, al contrario se refleja que la sociedad en general tanto jóvenes como adultos no presentan una activa participación política democrática debido a la poca credibilidad de los rostros políticos, que se supone deben representar y dar voz al pueblo ante las diversas falencias que presentan aquellos lugares donde más necesitan ayudan ya sea sociales, culturales, entre otras. Como también el mismo conflicto de diversas ideologías políticas que presenta la sociedad.
    Interesante agregar un extracto de este estudio:

    “Sin duda el voto es un mecanismo fundamental para el funcionamiento de una democracia representativa, pero no es el único. Enfocarse exclusivamente en esta conducta hace perder de vista otras formas de participación que también son importantes, como la participación a través de movimientos colectivos, el contacto con representantes políticos y la comunicación política en las redes sociales de los participantes (ya sea por internet o a través del contacto interpersonal). Con todo, se observa con preocupación que los niveles de participación en estas “otras formas” son también muy bajos” (MIDE, 2016: 4).



    Fuente: De Tezanos-Pinto, P., Cortés, F., & Concha, M. (2016). Participación política y descontento en Chile: Una tensión entre el interés en los temas políticos y la desafección generalizada. Midevidencias 6, 1- 6.
    http://www.mideuc.cl/wp-content/uploads/2016/MidEvidencias-N6.pdf


    Saludos cordiales
    Marilyn Zuleta Salas
    Estudiante de 4to año de Pedagogía en Historia y Geografía.
    Universidad de La Serena, Chile.

    ResponderEliminar
  51. Me gustaría seguir con el diálogo iniciado por William Sebastián Mitchell Acevedo, Marilyn Zuleta Salas, Cristian Palma y Claudio Riquelme, pues como se indica, parafreseando a la ilustre profesora colombiana Elsa A. Rodríguez Moreno, nos permite conocer nuestro entorno espacial y, por tanto, nuestros propios valores de convivencia.
    La cuestión que quiero plantear para poder incidir en un debate a un lado y otro del Atlántico es conocer qué cosmovisiones aparecen en los niveles pre-reflexivos en las personas que acuden diariamente a las Universidades en Chile y, más concretamente en las ciencias sociales. Será importante cuestionar qué piensan los docentes y alumnos acerca del sentido de la enseñanza de la geografía y la historia respecto a la identidad de los sujetos individuales y colectivos. ¿Cómo se percibe la identidad colectiva?, o sea cómo se definen los valores identitarios de un pueblo para que tenga presencia en la humanidad global?, cómo se representa su sentido de ciudadanía?
    En el caso de España surgió en señuelo, o el símbolo de la modernización de Europa como alternativa a lo que fue la dictadura de Franco. Esto dio lugar a que se identificar modernidad y civilización con la Unión Europea y por eso ahora se pueden aplicar medidas tecnocrática y liberales, pues están legitimando una decisión asumida internamente por la población. Será importante saber si también existen ideas-símbolos en América latina que ayudan a deconstruir la ciudadanía como conjunto de derechos sociales y participación crítica en la sociedad
    Xosé m. Souto

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Buenos días:

      Para iniciar, concuerdo con el comentario de Marilyn. Creo que Chile se está perdiendo en los vagos comentarios de que, ¿por qué los jóvenes no votan? Post elecciones municipales, esa fue la tónica televisiva y los reiterados cuestionamientos si estuvimos en lo correcto de establecer el voto voluntario. Creo que el problema es un poco más complejo que una sociedad desencantada con la clase política. A mi modo de ver, considero que nos encontramos en una dictadura de esta misma.

      El Sr. Souto plantea un concepto complejo. El de la identidad. A través de la Historia Chilena hemos adoptado distintas aristas sobre nuestra identidad, aguerridos, solidarios, esos de los que no bajan los brazos y no se rinden. Tomamos la figura de un guerrero indígena mapuche, pero al mismo tiempo renegamos socialmente ser herederos de un origen no Europeo. Nuestra identidad se ha ido forjando según procesos y hechos, tal caso de la Guerra del Salitre o del pacífico, la cual marcó una identidad dentro del Chileno, ese deber con la patria y ese amor por su ciudad (lo nacional y local), donde surgieron los batallones más emblemáticos como del de Coquimbo o el de Copiapó. Adoptamos una identidad civilizadora y superior frente a Perú, la cual ha perdurado hasta el día de hoy, donde los denigramos y menospreciamos por su origen salvaje.

      Aquí entra un rol fundamental de la Enseñanza y como futuros docentes del área de Historia y Geografía. Ser ciudadano, no sólo se remite a votar, sino que debemos ser íntegros en cuanto a reconocer nuestro espacio geográfico y que va modificándose tanto físicamente como culturalmente. Es necesario generar un pensamiento crítico en los estudiantes y sobre todo nosotros mismos. Podemos escribir una bonita crítica al sistema, pero si sólo se queda en el papel o a través de la red, no tiene mucho sentido.

      Saludos Cordiales
      Camila Areyuna Molina
      Pedagogía en Historia y Geografía
      Universidad de La Serena, Chile.

      Eliminar
    2. Este comentario ha sido eliminado por el autor.

      Eliminar
    3. Según la pregunta que deja para el debate el sr. Souto. Al hablar de identidad latinoamericana es complejo, ya que estuvo bajo el proceso de dominación de las entidades dominantes en el proceso de descubrimiento y conquista de América Latina.

      “Desde la Independencia, las nuevas repúblicas latinoamericanas y sus clases dominantes intentaron con mucho esfuerzo no sólo construir un Estado nacional y una economía viable, sino también un sentido de identidad nacional. Esta identidad nacional respondería a una cultura nacional que debía ser construida y que se esperaba integrara los mejores elementos y tradiciones de las culturas étnicas existentes. Pero, por supuesto, este proceso no fue natural, espontáneo e ideológicamente neutral. Fue un proceso muy selectivo y excluyente, conducido desde arriba, el cual decidió qué guardar y qué ignorar sin consultar a todos los participantes […]” (Larraín, 1994: 60).

      Lo planteado por Larraín es lo que sucede y seguirá repercutiendo en la Historia Latinoamericana y que para el caso de Chile es la pérdida de los valores étnicos y la adopción de los elementos extranjeros, lo que van creando una identidad diversificada en la adopción de dichos elementos anexos como propios dejando en deuda la preservación de las tradiciones ancestrales, al aceptación de aquel descendiente de autóctonos del territorio.
      Los contenidos entregados a los alumnos en las aulas escolares es más bien la visión entregada por los libros de textos escolares donde el protagonismo de conocer la historia del país, la región o la ciudad es una pequeña pincelada por temas de cumplimiento del curriculum establecido.
      El desafío está es presentar a los alumnos la historia de la construcción del país por medio de la integración de las raíces autóctonas y dejar de renegar la identidad que fue usurpada y modificada. Como por ejemplo construir la historia local por medio de la uso de la geografía identificando que pueblos autóctonos se asentaba en el, o que porcentaje de dichos pueblos aun persiste. Investigar y generar el pensamiento crítico reflexivo es el gran desafío y meta que contempla la educación chilena. No desmereciendo los procesos históricos que ocurrieron para la construcción del Chile actual, ya que son parte de la Historia.

      Fuente: Larraín, J. (1994). La identidad latinoamericana. Estudios públicos, 55. [En línea]: http://www.insumisos.com/lecturasinsumisas/Identidad%20latinoamericana.pdf


      Saludos cordiales
      Marilyn Zuleta Salas
      Estudiante de 4to año de Pedagogía en Historia y Geografía.
      Universidad de La Serena, Chile.

      Eliminar
    4. Podemos ver la identidad colectiva desde la perspectiva geografía más que histórica, principalmente en Sudamérica ha ocurrido una crisis de identidad, que relega a los elementos primigenios más propios siendo remplazados por elementos impuestos desde el exterior. La cultura chilena, y en cierta medida latinoamericana, han tendido a privilegiar la cultura occidental dominante (primero europeo, luego norteamericano), esto es un estigma dado por las clases dominantes que se sienten más cercana a las elites europeas o norteamericanas, asimilando sus estilos de vida que luego es imitado por las clases media.
      Sabemos que existió una profunda crisis social en la primera década del siglo XX, que se arrastra desde el legado colonial, esta crisis sumía a gran cantidad de población en el estado de pobreza, es decir, mientras que la gran mayoría de personas vivía en condiciones de pobreza o similar, las elites promovían una cultura europea “civilizadora”. Los mecanismos de control y disciplina de las elites intentaron traspasar sus intereses de clases hacia el resto de población, proceso que fue logrado con éxito.
      Vemos que los países del cono sur del continente se sienten identificado más con lo europeo que con lo latinoamericano, Argentina y Chile se sienten más cómo la “Alemania de América” o “Inglaterra de América” que países latinoamericanos vecinos que requieren cooperación mutua. En este mismo ámbito, se percibe en la sociedad chilena un fuerte recelo hacia los extranjeros de países vecinos, éstos cargados con prejuicios negativos, cuando por el contrario existe mucha mayor similitud con ellos que con un inmigrante europeo, pero en cambio al extranjero europeo/norteamericano se le trata con sumisión, como si fuera superior, esto es una herencia negativa de la cultura de la elite.
      Podemos ver el tema de la división de los países latinoamericanos también desde la mirada macro-política, un efecto de la Guerra Fría que buscaba dividir los países en sus intereses para así obligarlos a tratar por separados con Estados Unidos, esto puede ser debatido ya que el hecho es que desde las independencia de los países latinoamericanos han existido conflicto entre ellos, pero también se ve el interés de mantener a América dividida tanto en lo cultural como en lo político, debilitando su potencial. Aquí es donde los puntos señalados por Jaime Luiz Callai toman fuerza y sentido, facilitando la introducción del neoliberalismo y la preponderancia política de las entidades económicas.
      Me despido,Claudio Riquelme Núñez.

      Eliminar
    5. Al pensar en la pregunta planteada por el profesor souto con respecto a la identidad, al referirse al caso chileno se puede mencionar que a través de los años la identidad chilena se ha mantenido en un estado de ambigüedad. el rasgo indígena en América Latina es bastante evidente y para muchos países es un aspecto de inclusión colectiva para la población, pero en el caso chileno esto no se da, el Estado de Chile extirpo a personajes como Lautaro o Galvarino de las comunidades indígenas para presentarlos como héroes de una nación, ya que se rebelaron contra el invasor, dando una idea de cohesión para la población, pero hoy en día en el sector de la Araucanía muchos mapuches son repelidos por parte del Estado, ya que ahora el Estado chileno es el nuevo invasor, en este sentido lo que en un momento logra unir, hoy en día causa grandes divisiones. El aspecto indígena tan presente en América es visto por Chile solo como un elemento decorativo y pintoresco que puede mostrar al mundo. La identidad chilena está mucho más cerca al europeo, nos sentimos más cómodos cerca de ellos que de nuestros verdaderos vecinos, lo que geográficamente nos ha dado una identidad colectiva, históricamente la hemos negado, imponiendo ideas y conceptos que no corresponden a nuestra realidad, todo esto manipulado por las políticas estatales que han usado a la educación como el medio para su fin.

      Rodrigo Morales M.
      Pedagogía en Historia y Geografía
      Universidad de La Serena

      Eliminar
    6. Me acojo a las palabras del compañero Rodrigo, es más profundizo en el tema de la invisibilización en la construcción de la identidad cultural para el caso de Chile, los procesos de enseñanza-aprendizaje impartidos en las aulas escolares, las cuales presentan una preocupante visión de acuerdo al momento de analizar los procesos histórico, por ende me valgo de las palabras del historiador Chileno Julio Pinto:

      “[…] El escaso impacto que han tenido estos estudios en la enseñanza de la historia, particularmente en la educación básica y media. Se produce, así, una distorsión que se hace extensiva a algunos textos de divulgación que ejercen una fuerte influencia en la sociedad chilena. La convicción que el indio desapareció en Chile, que nuestro país se distanció enteramente de sus raíces indígenas y que la “cuestión mapuche” es enteramente artificial y de funestas consecuencias para la sociedad regional y nacional, sin respetar en los factores que la originan, se inspira, precisamente, en aquellos mensajes que van quedando en la memoria desde que iniciamos el estudios de nuestra historia”. (Pinto, 2003:252)

      Por ello me permito seguir en la dinámica de si realmente los efectos de la globalización, la economía, política, sociedad y el olvido ante la memoria histórica de lo local, regional y nacional están siendo perdidas por la adopción de estas influencias de los “dominantes”.
      Fuente: Pinto, J. (2000). La formación del Estado y la nación, y el pueblo mapuche. De la inclusión a la exclusión. Santiago: Dirección de Bibliotecas, Archivos y museos.

      Saludos cordiales
      Marilyn Zuleta Salas
      Estudiante de 4to año de Pedagogía en Historia y Geografía.
      Universidad de La Serena, Chile.

      Eliminar
  52. Con respecto al primer tópico planteado, se puede mencionar que la penetración de la economía china, ha sido bastante potente en los últimos años, quitándole todo el protagonismo que décadas atrás ostentaban los estados unidos, cabe destacar que dicho protagonismo se da solo en el ámbito económico, ya que políticamente EEUU sigue dictando las pautas a seguir para américa latina, para el caso chileno se debe en gran medida al periodo dictatorial vivido. En relación a la tácticas económicas que EEUU ha comenzado a utilizar para frenar el avance económico del gigante asiático, se puede mencionar el acuerdo transpacífico de cooperación económica (TTP), al cual se adhirieron México, Perú y Chile, de esta forma logran ampliar su influencia en la zona latinoamericana frenando la creciente presencia China, demostrando que las tácticas políticas en algunos países pesan más que las económicas.

    Rodrigo Morales M.
    Pedagogía en Historia y Geografía
    Universidad de La Serena

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Como bien mencionaste, las tácticas evasivas para que el gigante asiático no penetre en la economía Latino Americana por parte de Estados Unidos son un fuerte ejemplo de que la Hegemonía mundial que mantuvo este último se encuentra en peligro y que la dualidad en cuanto al poder económico es inminente. Con respecto al tratado Multilateral de libre comercio TPP (Acuerdo Transpacífico de Cooperación Económica) establece pactos que involucra a variados tipos de industrias de diferentes países y además incide en normas laborales, medioambientales, entre otros. El principal objetivo es concentrar una red económica y monopolizar el área del Océano Pacífico. Con esto infiero que Estados Unidos busca controlar la economía del sector indicado con el fin de mantener su hegemonía económica, ya que la importancia del Océano Pacífico es innegable en asuntos comerciales.

      Fernando Véliz Fernández
      Pedagogía en Historia y Geografía
      Universidad de La Serena

      Eliminar
  53. Me gustaría aportar algo a LAS IDENTIDADES colectivas que se citan en las intervenciones anteriores (Rdrigo, Marilyn).
    En un reciente congreso celebrado en santiago de Compostela se aludió al mito de la identidad de América Latina y ello ha hecho debatir al profesorado de un lado y otro del Atlántico.
    Mi pregunta es la siguiente: dado que las identidades (nacionales, interestatales, locales) se construyen desde las personas, ¿quiénes están interesados en la construcción de una identidad de América Latina? ¿Quiénes desean que aflore y se fortalezca la identidad de los mapuches? ¿A quiénes beneficia la identidad de Chile como lugar de libre comercio, como una gran zona franca? Son preguntas que nos indican la incidencia de la cultura en la confroamción de un territorio y que puede suponer el inicio de una investigación.
    La política y el territorio pueden favorecer la diversidad o agravar la desigualdad. Este dilema diversidad versus desigualdad es clave para entender la formación ciudadana en cualquier país. ¿Cómo se produce en los lugares donde hay inmigración?
    Son preguntas para seguir debatiendo
    Un saludo
    Xsoé M. Souto

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Interesante el planteamiento propuesto por el sr. Souto, personalmente considero que la deuda histórica que tiene América Latina; es el reconocimiento de la identidad cultural dejando atrás los cánones impuestos por los grupos dominantes en los procesos históricos ocurridos en las grandes transformaciones que nos llevan hasta la actualidad. Al momento de preguntarse de quienes son los interesados en la construcción de una identidad, creo que es la propia sociedad que ahora pide un cambio de visión en un plano más crítico frente al contexto globalizado del siglo XXI, los jóvenes aprenden de las generaciones anteriores la riqueza cultural de tiempos anteriores y que pueden ser reflejados por la propia memoria histórica.
      En el caso de Chile la memoria histórica no es algo que sea invisibilizado por el otro, es más es el trabajo de los docentes el seguir cultivando la semilla de la investigación y replanteamiento que deben tener los jóvenes frente al contexto histórico, social, cultural y político de cambio que se enfrentan y se enfrentarán en el ahora y el después. La deuda histórica chilena con nuestros pueblos originarios sigue siendo un tema pendiente en nuestra memoria colectiva e individual mientras no haya una aceptación por lo otro no habrá un cambio rotundo de paradigma.

      Saludos cordiales
      Marilyn Zuleta Salas
      Estudiante de 4to año de Pedagogía en Historia y Geografía.
      Universidad de La Serena, Chile.

      Eliminar
    2. Con respecto a lo planteado por el profesor Souto, creo que quienes desean la construcción de dicha identidad latinoamericana son los latinos consientes y hastiados de chovinismos sin sentido que han aflorado en Latinoamérica y no aportan a un desarrollo colaborativo entre todas las naciones de nuestro continente. Partir desde un reconocimiento cultural y de los aspectos que nos unen como latinos es el puntapié inicial de un trabajo colaborativo que nos beneficiaria a todos, dejando de lado las imposiciones extranjeras.
      Y en relación a la última interrogante, creo que se debería favorecer la diversidad y la inmigración, claro que en Chile eso genera desigualdad debido a las precarias leyes de inmigración que no ayudan al desarrollo pleno de las personas que deciden migrar a nuestro país, además de las altas señales de racismo que podemos palpar debido a la precaria construcción de identidad latinoamericana que se presenta en Chile.

      Rodrigo Morales M.
      Pedagogía en Historia y Geografía
      Universidad de La Serena

      Eliminar
    3. Es interesante el punto que plantea Marilyn sobre cómo se ha forjado y se ha ido moldeando la identidad en Chile a lo largo de las décadas. Imprescindible es además observar como el Estado chileno ha ido ejerciendo un rol hegemónico desde “arriba” hacia el resto de la sociedad chilena para establecer los parámetros identitarios de lo que significa el pertenecer a este país.

      Siguiendo lo expuesto por Rodrigo, existen muchas diferencias dentro de las distintas identidad en América Latina, a veces en Chile en la misma anteriormente señalada hemos considerado que somos un parte aislada del resto del continente producto de nuestra condición geográfica o el desarrollo político y económico pero la realidad es que somos parte de una identidad mayor que es la identidad latinoamericana, y que debe ser más nombrada y difundida más alla de los aspectos culturales como un eje promotor del desarrollo social de los habitantes de esta parte del mundo. La globalizacion y la gran movilidad de personas dentro de los países latinoamericanos nos obligan a situarnos de esa mirada más regional a los temas identitarios.

      Lo fundamental entonces nos lleva a concluir que el trabajo docente debe encaminarse a la multiculturalidad, ya que entender solo una identidad chilena encerrada en cosmovisiones nacionales herederas de las imposiciones políticas solo sería seguir legitimando visiones obsoletas sobre lo que implican las sociedades del siglo XXI. Y la escuela es en ese sentido es la primera receptora de los cambios sociales, por lo que invitación a los docentes y futuros docentes es a observar como dentro de las aulas (como está ocurriendo fuertemente en Chile por inmigración) estamos viviendo la presencia de alumnos de países como Haití, Colombia, República Dominicana o Perú que solo ayudan a enriquecer los contenidos, las prácticas, y la misma de pensar la escuela y la labor docente.

      Atentos saludos
      Felipe Trujillo Parra
      Estudiante - Ped. en Historia y Geografía
      Universidad de La Serena, Chile.

      Eliminar
    4. Saludos cordiales!
      Comparto completamente con lo expresado por Felipe al momento de indicar que el trabajo del docente debe estar enfocado en la multiculturalidad ya que son una gran cantidad de personas extranjeras que viven dentro de las ciudades chilenas.
      Para ello es necesario el trabajo mancomunado de toda comunidad educativa que pueda trabajar en conjunto respetando las diversas identidades y costumbres de extranjeros.
      Si bien el discurso de quienes estamos a punto de enfrentar el mundo laboral en las aulas está muy ligado a esta idea de respeto y tolerancia, la verdad es que el contexto real está muy lejos de permitir aquella idealización de una educación tolerante. Como bien se ha escrito anteriormente, esto es un problema heredado de un nacionalismo reafirmado por la misma educación que lo convierte como un rasgo de identidad de la que no se debe estar muy orgulloso. Debemos ser conscientes de que somos habitantes de una América en común y que tenemos más semejanzas que diferencias a lo largo de la Historia. Es por ello que el rol de la educación en fundamental para eliminar los prejuicios muchas veces, infundados.
      Ahora bien, ¿que relación se puede establecer entre el conocimiento geográfico y esta idea de una comunidad educativa integradora entre habitantes de la Sudamérica nuestra?. Es evidente que el carácter multidisciplinario que poseen los análisis geográficos en la actualidad toman relevancia para este propósito, ya que los planteamientos de la geografía social permiten comprender, entre muchas otras variantes, los comportamientos de un grupo en territorios determinados. Un ejemplo de aquello lo podemos encontrar el la ciudad de Antofagasta en el norte de Chile, donde de forma paulatina, la interacción entre ciudadanos colombianos y chilenos han dado paso a barrios comunes donde las distintas expresiones culturales de ambos países son celebradas y respetadas, aunque se muestre por los medios de comunicación solo relaciones hostiles entre ambas comunidades.
      Es importante recalcar la importancia que debe tener la educación para eliminar de la identidad cultural de cualquier país la hostilidad y el recelo en los ciudadanos extranjeros, ya que podemos aprender mucho de sus vivencias y cómo se relacionan con el entorno del cual, como habitantes del país, también somos parte.

      Roylester Núñez Zegarra
      Estudiante Pedagogía en Historia y Geografía
      Universidad de La Serena
      Chile

      Eliminar
  54. Es clave comprender como desde la segunda mitad del siglo XX, el espectro político, social y educativo de Latinoamérica se ha visto modificado y determinado por el contexto global mundial. De acuerdo a lo anterior, no es descabellado pensar como en la actualidad latinoamericana, en medio de contextos democráticos ya establecidos, y tras periodos donde los movimientos políticos de “izquierda” han tenido gran preponderancia en los asuntos sociopolíticos a nivel regional, se estén produciendo el realzamiento de las perspectivas políticas con tendencias más conservadoras y relacionadas a movimientos de “derecha”. Claramente lo podemos ver ejemplificado con la elección de Mauricio Macri en Argentina y con lo que fue el gobierno de Sebastián Piñera (2010-2014) en el caso de Chile. Sin embargo, esto no solo se está observando en el contexto latinoamericano, sino que es un proceso que se está viviendo a escala mundial, donde los ejemplos de Grecia y el caso reciente de la elección de Donald Trump en Estados Unidos, nos hacen analizar cómo se llevaran de forma óptima las relaciones entre las diferentes naciones.
    Tomando como referencia el caso de los Estados Unidos, debemos tener en cuenta como afectara esto en las políticas sociales dentro de la region, debido a la influencia de este país en el contexto latinoamericano. Es necesario analizar la forma en la cual se llevaran a cabo las propuestas económicas y políticas entre los países de América Latina y Estados Unidos, y cuál será el impacto de estas en la realidad nacional de cada país latinoamericano.

    Carlos Araya Olivares
    Estudiante - Pedagogía en Historia y Geografía
    Universidad de La Serena, Chile

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Concuerdo con los puntos expuestos en tu comentario Carlos, efectivamente Latinó América se ha encontrado intermitentemente bajo la influencia de las diferentes potencias sociales con sus deseos de controlar ideológicamente la región, específicamente el caso de Estados Unidos y su participación Directa e indirecta en la zona. El actual suceso de dualidad respecto a la toma del poder democrático por parte de coaliciones tanto izquierdista y derechista es un hecho innegable, esto a mi parecer es producto de la poca participación de la población en asuntos cívicos y específicamente en la abstención al momento de votar. Con esto quiero indicar que los Gobiernos claramente pueden gobernar sin participación ciudadana, más aún en el caso de Chile en donde las votaciones alcanzan 49% según PNUD (2016) agregando que intrínsecamente la clase dominante y sus partidos políticos a mi parecer pertenecen a una misma corriente política con ciertas sub-corrientes que provocan los choques por la adquisición del poder y el apoyo radica precisamente en esta minoría que apoya estas posturas.
      Con respecto a la elección de Trump infiero que el impacto es innegable debido a su repulsión hacia el pueblo y la identidad Latino Americana. La economía se verá afectada dependiendo del país en el que se encuentre y la postura que se tomé en relación con el gigante Norte Americano. México como país fronterizo con E.E.U.U debiese ser el país menos beneficiado, esto a partir de las políticas que mencionó y optara mandatario electo.

      Fernando Véliz Fernández
      Pedagogía en Historia y Geografía
      Universidad de La Serena

      Eliminar
  55. Respecto a la pregunta del punto número tres, sería interesante precisar desde cuando penetra el neoliberalismo en América Latina, y si hay una distinción en la instalacion del modelo neoliberal en gobiernos de izquierda y derecha. A mi parecer este “reflujo” neoliberal que se está dando en América Latina, no es algo que sea propio de los gobiernos que han sido elegidos últimamente en la región. La penetración del neoliberalismo en la zona de Latinoamérica tiene su origen en los años 90, en el caso chileno desde los años 80, y responde a la serie de modificaciones que está sufriendo el modelo keynesiano social benefactor, la cual todas las potencias occidentales, bajo el alero de EE. UU, habían adoptado en el marco de la guerra fría. En ese sentido, y siguiendo las pautas de cambio que la superpotencia vencedora de la guerra fría, Estados Unidos, había adoptado al termino del conflicto con la extinta Unión Soviética, los países Latinoamericanos, que como bien señala el autor del foro, siempre había sido considerado el “patio trasero” de los estadounidenses, empiezan a adoptar políticas neoliberales de cara al ya inminente proceso de globalización que se está gestando desde los años 90.
    Los gobiernos que adoptaron estas políticas neoliberales (con algunas excepciones en América Latina, como lo son Bolivia, Venezuela, y la aun socialista Cuba), han ido desconcentrando los “poderes centrales” del Estado, acumulados producto de la instalación del modelo social benefactor en el periodo post-Segunda Guerra Mundial, en función del mercado mundial, en donde se privilegia la oferta, o sea los grandes capitales (extranjeros y nacionales), en vez de la demanda, que sería la clase trabajadora. Estas políticas neoliberales se han ido replicando y fortaleciendo gobierno tras gobierno en América Latina, donde el caso chileno es uno de los más extremistas en cuanto a la aplicación del modelo. Este fortalecimiento del modelo neoliberal no responde necesariamente a una ideología en específico, por lo tanto, gobiernos de izquierda y derecha, actúan de igual manera frente al mercado y al empresariado nacional y extranjero, no distinguiéndose las diferencias entre los distintos gobiernos (izquierda y derecha), que más que responder a los planteamientos de su propia ideología, lo hacen en función del mercado mundial.

    Patricio Espinoza Pizarro
    Pedagogía en Historia y Geografía
    Universidad de la Serena

    ResponderEliminar
  56. Con respecto al tópico octavo, encontramos que efectivamente los medios de comunicación ejercen una impacto importante en la población, por ello hallamos que frecuentemente estos se alían los la clase política sostenedora del poder con el fin de conseguir el apoyo de los sujetos para alcanzar objetivos políticos planteados, convirtiéndose en un aparato del neoliberalismo y su clase gobernante.
    Respecto a los medios de comunicación quisiera desarrollar la idea del papel que cumplen estos en la sociedad actual desde dos aristas principales; 1) Hay que asemejar los medios de comunicación con una empresa-industria que produce al por mayor en el mejor tiempo posible, al conservar mayor cantidad de oyentes, mayor será el poder comunicacional y en consecuencia el grado de influencia desde una perspectiva política, cultural y económica será efectiva. 2) La calidad de lo comunicado puede variar según la demanda de la población y a su vez la hegemonía de los medios de comunicación pueden causar un enroque en la demanda de este grupo humano, intensificando la compulsividad para que la población sienta que su necesidad (inconscientemente) sea adquirir contenido mediocre que contengan mínimas temáticas culturales y que su información periodística se centre en sucesos banales, desviando el enfoque por temáticas sociales primordiales.
    Contextualizando lo anterior con Chile y su realidad actual, encontramos que estamos situados en una década con fuertes alzamientos de índole social; desde el 2006 con el movimiento pingüino, el 2011 con el movimiento Universitario, 2014-2015 con el movimiento Docente, el año 2016 con el movimiento por Chiloé/AFP y una serie de movimientos públicos-sindicales que han enmarcado a la población, existiendo participación activa o pasiva desde variados sectores, masificándose el ideal de un Chile acorde a las demandas exigidas. Por su parte los medios de comunicación en su rol de transmitir la información cubren estas noticias de alto impacto en un margen de tiempo reducido que se eclipsa con temáticas mediocres, convirtiendo a los veedores en sujetos pasivos, alterando sus intereses y necesidades. De esta forma el tiempo de interés hacia temáticas sociales primordiales por parte de la población es regulado según lo que se estime conveniente a partir de las decisiones que tomen los medios de comunicación, luego en sus ánimos de sensacionalismo se abarcan otras temáticas para distraer o simplemente dan una mirada peyorativa de los acontecimientos de carácter social con el fin de confundir y arrancar el juicio crítico de las personas.
    Claros ejemplos (entre bastantes) de lo anteriormente dicho son; 1) La Cobertura hacia la Copa América el 2015 y la ralentización de la información respecto a los movimientos Docentes del mismo año. 2) El viernes 4 de Noviembre se efectuó una movilización Nacional por el reemplazo del fallido Sistema de las AFP. Los medios quisieron desvirtuar la atención y el 100% de su cobertura estuvo centrado en un sismo ocurrido en el sector central del país, ¿coincidencia o control político de la clase gobernante sobre las masas?

    Fernando Véliz Fernández
    Pedagogía en Historia y Geografía
    Universidad de la Serena

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Concuerdo con lo planteado por Fernando, ya que es claro el apoyo que los medios de comunicación le dan a los grupos de poder existentes en el país, la invisibilizacion de los movimientos sociales por parte de los medios de comunicación es evidente. Es más importante informarse por los puntos de las clasificatorias que el robo que cometen día a día las AFP, queda en evidencia además la manipulación de diversas noticias para de este modo poder desviar la atención pública, se habla por ejemplo de hechos terroristas en la Araucanía, provocados por grupos mapuches, pero en la realidad eso no es más que un vil montaje, se le da mayor tribuna a temas banales como el futbol o las discusiones sin sentido en las que se enfrasca la clase política chilena, y se deja de lado temas de vital importancia como las colusiones, el deterioro del medio ambiente por parte de transnacionales, o las AFP, quedando en claro que los medios de comunicación son un arma evidente que usan los grupos de poder para su beneficio.
      Rodrigo Morales M.
      Pedagogía en Historia y Geografía
      Universidad de La Serena

      Eliminar
    2. Los medios de comunicación han sido siempre en este país una parte del sistema, salvo algunos medios disidentes, alternativos o de contra-información. Los medios históricamente han sido manejados por la oligarquía y dado el caso de la misma oligarquía ha gobernado el país, unen intereses. Un ejemplo claro, y el más famoso, es el periódico del mercurio donde el clan Edwards ha controlado el manejo de información. Por otros lados los medios de comunicación actuales, como la televisión, responden a intereses que bien han sido explicados por Fernando, con ayuda a mantener con una ideología a los espectadores y en inactividad política mostrando los hechos sociales desde una visión negativa, buscando la confrontación entre el televidente con el movimiento social, siendo éstos probablemente de la misma clase social. Los medios de información a mi parecer son un engranaje del sistema para contener a la sociedad.
      Me despido, Claudio Riquelme

      Eliminar
    3. Por otro lado, otro de los momentos en los que se retransmite información continua sobre un problema social es cuando éste irremediablemente pasa a formar parte de las conversaciones habituales de la población. Un caso de ello, aquí en Europa, podría ser el de los refugiados. En un momento determinado, y seguramente propiciado por los medios de comunicación de otros países europeos (y obviamente, por los sucesos que iban aconteciendo), se empezó a hablar constantemente de los refugiados. Aquí, como muy bien han dicho los compañeros, creo que la publicación de tanta información sobre situación de los refugiados, respondía a los intereses (curiosidad) de la población. Al formar esta relación directa, se demuestra que en muchas ocasiones el tema de los refugiados es tratado por pura noticiabilidad e intereses económicos (venta de periódicos, etc). Eso sí, en ningún momento suelen los medios tradicionales optar por (aunque sea con una menor actualidad..no hace falta que la información se de al minuto) trabajar un buen reportaje en el que además de analizar las causas y los efectos de un problema, se proponga una posible estrategia intentar desescalar el conflicto.
      Esta manera criminalizadora o catastrofista de tratar ciertas problemáticas sociales, promueve la aparición de prejuicios, y la NO PARTICIPACIÓN de los espectadores en la resolución de éstos. En mi opinión, en el caso de los refugiados, una información tan constante y vaga sobre su situación, favorece el NO involucramiento de la persona en la resolución del problema, o como mucho, de manera totalmente asistencial.
      Muchos otros podrían ser ejemplos de la repetitiva aparición de ciertas problemáticas sociales en los medios de comunicación (siempre minoritarias en comparación con las que realmente acontecen). Pero queda claro que generalmente suelen responder a unos intereses muy determinados.
      Una vez dicho esto, creo que coincidimos en la necesidad de reformar la manera de informar de los medios de comunicación. Esta tarea es muy difícil, pero hay maneras de poder publicar en algunos medios tradicionales teniendo ideas diferentes (al menos aquí). El año pasado, cursé un máster que finalmente podría presentar como una máster de periodismo de paz y resolución de conflictos. Todos los profesores de éste, estaban muy en contra del periodismo actual, ya que abogaban por un pensamiento sustancialmente crítico. Siempre nos recomendaban escribir, e intentar en la manera de lo posible intentar publicar nuestros artículos en medios tradicionales para llegar a una gran parte de la sociedad. La manera de hacerlo es difícil, ya que hay que tratar un tema de manera sutil, pero dejando ver tu análisis y tu reflexión de manera clara para que pueda llegar a cualquier persona. Poco a poco, nuestros compañeros fueron publicando sus artículos en la prensa tradicional, con ideas muy distanciadas a las que generalmente pregonaba ésta.
      Este intento de intromisión en los medios tradicionales me parece una técnica totalmente válida para los historiadores. Ya que no nos gusta la información que dan, y que tanto afecta a los comportamientos de las personas, hagamos algo por cambiarlo. Es por ello, que me gustaría proponer el mayor intento de participación de los historiadores (transformadores) en los medias. En mi opinión, muchos historiadores critican los medias y ven participar en ellos como un tipo de desvalorización de su trabajo. No es así, los medios son un difusor de ideas con una fuerza enorme en el que hay que participar, para no dejarlo bajo la dominación total de la élite antes nombrada. Eso sí, siempre con un trabajo adaptado, ya que el objetivo no es promocionar nuestro “gran saber histórico”, sino intentar que el mayor número de personas comprenda las ideas que queremos transmitir..

      Eva Martínez Dargelos
      Máster Secundaria, Universidad de Valencia

      Eliminar
    4. (PRIMERA PARTE; no sé porqué la otra se ha publicado en primer lugar)


      Hola!! En primer lugar tengo que decir que coincido con las opiniones anteriores sobre el papel de los medios de comunicación en el presente. Es totalmente innegable que la mayoría de medios de comunicación, y por desgracia, los más seguidos y extendidos, generalmente, defienden los intereses de unas élites que precisamente ni representan a la mayoría de la sociedad, ni se interesan por los problemas que éstas puedan estar viviendo.
      En cambio, me gustaría plasmar una de las diferencias que yo veo entre los medias del estado español en el que vivo, y los medias que vosotros habéis presentado.
      Habéis presentado vuestros medios de comunicación como un -dicho de alguna forma- espacio de invisilización o paso desapercibido de informaciones relativas a lo social. En gran medida opino lo mismo que vosotros, y más vista la tendencia sensacionalista al alza que día tras día van acogiendo nuestros principales medias.
      Sin embargo, en el estado español, y en mi opinión (no estoy diciendo para nada con esto que sea una realidad objetiva), los medios de comunicación sí presentan algunos temas sociales, incluso en algunos casos demasiado reiterativamente.
      Creo que esta visibilización de lo social (en algunos casos, aislados desde luego) responde a varios intereses, y podríamos incluso poner algunos ejemplos.
      En primer lugar, en muchas ocasiones se emiten repetidamente informaciones sobre un suceso que engloba o protagoniza una parte de la sociedad. Muchos de ellos, como podría ser la ocupación del Banc Expropriat el curso pasado en Barcelona, son constantemente noticia en los diversos medios de comunicación durante días. En este caso, un movimiento totalmente minoritario (en relación con las personas que viven en el estado español) es durante unos días 24 sobre 24 horas cubierto por los medias. Casualmente, esta focalización tan directa y apasionada de los medios sobre un tema social, sirve para desacreditar a ciertos colectivos que visto desde otras perspectivas estaban obrando muy correctamente con y para el barrio de Sants (Barcelona). Además, se trata a un grupo de jóvenes manifestantes dispuestos a defender un proyecto por el barrio (estuve allí) como peligrosos antisistema, e incluso no dudaría que en algún medio se les tratase de terroristas (esa palabra tan venerada por los medios de comunicación). En síntesis, la utilización de un acontecimiento social, para cubrir sus intereses o, como ya se ha dicho antes, los de la élite que los maneja.

      Eva Martínez Dargelos
      Máster Secundaría, Universidad de Valencia

      Eliminar
  57. Caríssimos amigos do Geoforo, já é de conhecimento de todos os muitos desmandos de caráter de golpe de Estado que vêm sendo praticados pelo atual governo brasileiro, porém gostaria de trazer à tona neste comentário a chamada PEC 55 (Proposta de Emenda Constitucional número 55). É muito provável que já tenha chegado até vocês algo sobre esse tema, mas devido ao atual panorama brasileiro - crise política e econômica, corte nos gastos, inflação, desemprego, etc… É muito relevante que se debata esse assunto. Trata-se de uma Proposta de Emenda à Constituição Brasileira, de autoria do Poder Executivo Federal que, após ter sido aprovada na Câmara dos Deputados, segue para tramitação no Senado Federal. Não se trata de algo meramente político e distante dos cidadãos comuns do nosso país; antes pretende jogar sobre os ombros da população mais carente (que necessitam dos serviços básicos de saúde, educação, transporte e segurança) a responsabilidade e consequências da inabilidade gestora da classe política. Há analistas políticos que comparam a PEC 55 ao AI-5 (Ato Institucional número 5) _ “baixado em 13 de dezembro de 1968, durante o governo do general Costa e Silva, foi a expressão mais acabada da ditadura militar brasileira (1964-1985). Vigorou até dezembro de 1978 e produziu um elenco de ações arbitrárias de efeitos duradouros.” _ segundo a FGV (Fundação Getúlio Vargas). Em linhas gerais trata-se de uma proposta apresentada como fórmula para alcançar o equilíbrio dos gastos públicos, de modo a limitar, a partir de 2017, as despesas primárias do Estado – educação, saúde, infraestrutura, segurança, funcionalismo e outros – criando um teto para essas mesmas despesas, a ser aplicado nos próximos vinte anos. Significa, na prática, que nenhum aumento real de investimento nas áreas primárias poderá ser feito durante duas décadas. No entanto, ela não menciona nenhum teto para despesas financeiras, como, por exemplo, o pagamento dos juros da dívida pública. Por que esse tratamento diferenciado? Em recente nota pública a CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil) afirma que “a PEC 55 é injusta e seletiva, que elege, para pagar a conta do descontrole dos gastos, os trabalhadores e os pobres, ou seja, aqueles que mais precisam do Estado para que seus direitos constitucionais sejam garantidos. Além disso, beneficia os detentores do capital financeiro, quando não coloca teto para o pagamento de juros, não taxa grandes fortunas e não propõe auditar a dívida pública”. Nós brasileiros vemos à frente um horizonte sombrio e cheio de incertezas, mas confiamos que o chamamento dos movimentos sociais seja ouvido por toda a população e que a pressão popular impeça esse estrondoso retrocesso.
    José Ap. Valério Mendonça Júnior. Pedagogo, coordenador pedagógico da rede pública de ensino e aluno do curso de mestrado em educação da Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Ribeirão Preto - Universidade de São Paulo - Brasil.

    ResponderEliminar
  58. En relación al punto número seis se pude mencionar que si bien las repúblicas latinoamericanas se declaran laicas, la religión y principalmente la iglesia católica ha estado presente desde la conformación de las naciones latinoamericanas, es por ello que se hace tan difícil separar el mundo religioso del político, en Chile por ejemplo recién en el siglo XXI se ha comenzado el debate para dejar de abrir las sesiones del senado diciendo la frase “en nombre de dios”, ya que eso atenta contra la diversidad religiosa. Además la iglesia ha puesto presión en temas como el aborto o el matrimonio igualitario demostrando que aunque Chile se declara como un país laico y moderno, está atado a lazos que se crearon desde la configuración del Estado chileno y la iglesia tiene mucho que decir al respecto.
    En la educación también puede verse como el mundo religioso posee un papel preponderante y específicamente el mundo católico, ya que dentro de las escuelas se olvidan otras religiones existentes en Chile, se enseñan valores y creencias religiosas que solo aportan a seguir generando en el país una sociedad conservadora y poco tolerante con la diversidad cultural, sexual, etc. En este sentido los países latinoamericanos tienen un gran desafío a vencer.
    Rodrigo Morales M.
    Pedagogía en Historia y Geografía
    Universidad de La Serena

    ResponderEliminar
  59. Camilo López Rojas
    Estudiante de Pedagogía en Historia y Geografía

    Desde los inicios de las distintas vidas republicanas en América Latina encontramos piedras innamovibles que van en directo desmedro de la participación del ciudadano promedio. Gran parte de los hitos constitucionales de nuestras naciones están coartadas permitiendo casi siempre la participación de los mismos, que son curiosamente, cúpulas que comparten muchas veces lazos sanguíneos que evitan a toda costa las rotativas del poder. Estos mismos grupos muchas veces son los dueños de los medios de comunicación, lo cual influye directamente, porque en palabras simples, ellos muestran lo que quieren que veamos. Tampoco hallamos una secularización completa en los estados, esto juega en contra muchas veces de tópicos que necesitan ser abordados desde una racionalidad directa.
    Es nuestra labor contribuir a formar jóvenes conscientes de los yugos (tratando de zafarnos a la vez de los propios) que nos oprimen como pueblos y entender que nuestros grandes enemigos no están en las fronteras de al lado, sino en los que se erijen como nuestros ejemplos de democracia.

    ResponderEliminar
  60. Creo que si hablamos de temáticas características de América Latina una de ellas es la incapacidad de que esta región logre funcionar como una unidad en sus intereses colectivos. En este foro se han mencionado 9 problemas que aquejan a nuestro continente, sin embargo, históricamente los Estados no han podido lograr una cooperación sostenida ni fructífera, de hecho todo lo contrario, en los últimos años por ejemplo, en Chile las disputas han sido recurrentes con sus países vecinos Perú y Bolivia.
    Desde los primeros momentos de la Independencia han existido ideales de que Latinoamérica funcione de manera unificada, ciertamente aquellos ideales no han logrado su objetivo. El problema se genera desde momentos tan antiguos como es la independencia, ya que los Estados-nación se forman aislados y con sus propias oligarquías gobernantes que centran su interés en dominar a la población interna y afianzar sus gobiernos.
    Me parece necesario mencionar este punto de reflexión: América Latina posee un potencial político enorme, pero ha sido bien contenido, por lo que ahora es un continente subdesarrollado con problemas asociados y además de una baja capacidad tanto interna como internacional. Bien sabido es que la intromisión del neo-liberalismo se realizó en el contexto de una guerra ideológica entre dos potencias, la URSS y EEUU, en este escenario latino América tuvo que moverse al ritmo del conflicto que no le pertenecía, pero que sin embargo tuvo que participar.
    Latino América posee un rasgo contradictorio, son una región con elementos culturales en común e identidades compartidas, pero con diferencias que la población ha convertido en irrenunciables. Esto se generó por el nacionalismo nacido posterior a la independencia, donde una de las formas de remarcarlo era diferenciarse del resto de la población de la región. Si bien la división de latinoamericanos no es un tema fácil de superar, hay que avanzar en ese sentido si algunos de los problemas estructurales se quieren llegar a superar
    Me despido, Claudio Riquelme

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. América Latina Históricamente ha sufrido quebraduras respecto a sus relaciones diplomáticas y/o desacuerdos de menor grado, tanto a nivel ideológico, político y económico. Chile no es la excepción a este tópico, recurrentemente se ha visto envuelto en conflictos desde la conformación del mismo con los países que lo limitan. Actualmente en el desenfreno de explotación del Norte Chileno, bajo el alero y la incentivación económico global, el conflicto con los países vecinos (Perú y Bolivia) se ha visto en aumento precisamente por la necesidad de aumentar el prestigio económico de Chile, precisamente para demostrar y hacerse de si el apodo “los jaguares de américa”.
      Según el ranking anual de la escuela de negocios International institute for management Development (IMD) Chile sería el país estandarte en cuanto a la competitividad económica de Latino América. La institución declaró que el labor de Latino América en cuanto a su desempeño es decepcionante, esto al ser contrastados con países de Asia. El punto es el que al someterse aún más en un buen desempeño desde una perspectiva neo-liberal, desde mi perspectiva la empatía con los problemas sociales y más aún con el resto de américa irá disminuyendo, acentuándose la idea de que la realidad chilena no pertenece a la de Latino América y por tanto la pertenencia a la misma será difusa para los chilenos, esto por consecuencia traerá una falencia en el trabajo colectivo americano.

      Fernando Véliz Fernández
      Pedagogía en Historia y Geografía
      Universidad de La Serena

      Eliminar
  61. Estimada comunidad de geoforo.
    Quisiera enfocar mi comentario al punto 6 a debatir que señala que “Aunque repúblicas, declaradamente laicas, es bastante evidente la influencia de la religión en la sociedad y en el análisis de cuestiones políticas. Muchas veces los debates políticos se realizan bajo la invocación de argumentos religiosos, muchas veces de perfil marcadamente fundamentalista”.

    Al leer este punto fue inevitable pensar en una polémica que ha estado suscitando en las últimas semanas en mi país, Chile.
    El Partido Comunista de Chile presentó hace un mes un proyecto de ley que busca eliminar la frase “En el nombre de Dios” con que se abre casa sesión de la Cámara de Diputados, sosteniendo que la frase se contrasta a la libertad de consciencia que tiene el país.
    Quién más ha salido a la luz pública ante dicha situación fue la diputada comunista Camila Vallejo, quien lidera la iniciativa y que asegura que es imperativo abrir el debate sobre la laicidad del Estado, ya que se debe asegurar la libertad de conciencia en todos los espacios donde esté la acción gubernamental. El diputado comunista Hugo Gutiérrez dijo que vivimos en un Estado laico, por lo que se debe respetar la cosmovisión de otras personas ya que así lo señala la Constitución chilena.
    Ante toda esta polémica los representantes de la iglesia católica en Chile señalaron que “si un parlamentario quiere pronunciar la frase: <>. Apelar a Dios no significa suscribir a una religión en particular, ni que un Estado sea confesional”. Señalando además que se deben considerar a las religiones como parte importante en la cultura y de la conformación de nuestra identidad como país.
    Ahora les consulto a ustedes ¿Están de acuerdo con la postura de la diputada de mi país?
    Comparto con ustedes un extracto de la entrevista a la diputada Camila Vallejos, donde hace anuncio de su petición.
    https://www.youtube.com/watch?v=M7cFrFdY0eY

    Sara Vega Alvarado
    Estudiante de Pedagogía en Historia y Geografía
    Universidad de La Serena, Chile.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Olá, Sara.
      Eu estou de acordo com a postura da Deputada Camila Vallejo, pois quando se evoca o nome do deus cristão, como é de costume na maioria das religiões que se denominam cristãs, faz-se isso como uma forma de pedir sua bênção, privilegiando-se apenas a crença daqueles que o seguem, em detrimento daqueles que não o faz. Além disso, como o Chile é uma República Democrática, e como a deputada Vallejo disse em entrevista, o principal interesse dos políticos deve estar voltado aos cidadãos na sua totalidade e não apenas àqueles que adoram a um determinado deus ou seguem uma religião. Se formos pensar em ateus, por exemplo, onde ficariam nesta situação? O respeito às opiniões e à diversidade, inclusive religiosa, deve ser o primordial interesse daqueles eleitos pelo povo. Aqui no Brasil, ocorreu nos dias 05 e 06 de novembro o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), que teve como tema de redação o combate à intolerância religiosa. Entendo que a atitude da deputada vem de encontro a este pensamento, que inclusive é defendido pela Declaração Universal dos Direitos Humanos, a qual Chile e Brasil são signatários.
      Você expôs a fala e nos questionou sobre o que pensamos. E você, como chilena, o que pensa sobre isso?
      Sonara da Silva de Souza
      Membro do Grupo Estudos da Localidade (ELO), aluna regular do Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP) e professora de Geografia na rede estadual paulista (Brasil).

      Eliminar
  62. Concordo com o caro colega José Ap. Valério Mendonça Júnior, o tema abordado por ele é de extrema importância para o futuro da educação no Brasil. Outra Medida Provisória, que merece reflexão sobre o futuro da educação brasileira, foi encaminhada pelo governo federal ao Congresso Nacional este ano, a MP 746/2016, para a reforma do ensino médio. Com essa reforma, profissionais de outras áreas e especialistas com notório saber são autorizados a ocupar o lugar de professor e lecionar em escolas de todo o país. A licenciatura não será obrigatória, possibilitando àqueles com formação técnica e profissional exercer a função de professor.
    No Brasil, a diferença entre licenciatura e bacharelado nos cursos de ensino superior é bastante evidente. A licenciatura é destinada a quem deseja trabalhar como professor. Nas licenciaturas, os alunos têm disciplinas pedagógicas, com o intuito de aprender a ensinar. Os cursos de bacharelado são voltados para aqueles que pretendem ir para o mercado de trabalho. Segundo António Nóvoa “a profissão de professor não é o mesmo que transmitir conhecimento, tem toda uma complexidade muito maior. Não se pode ser professor sem combinar três tipos de conhecimento: saber muito bem o conteúdo que se vai ensinar; ter as bases centrais de tudo o que é da pedagogia, das teorias da aprendizagem, sobre a maneira como as crianças aprendem; e depois, ter um conhecimento da profissão, saber como a profissão funciona na prática, qual é o conhecimento profissional, como se organizar nas escolas, como qualificar o trabalho. Sem esses tipos de conhecimento, é impossível ser professor. E quando se desvaloriza um deles, perde-se a dimensão do que é a formação de professores.” Pelo que vemos, essas MPs vão na contramão da fala de Nóvoa, o Brasil vai deixando para trás os avanços educacionais alcançados nas últimas décadas para ir em direção ao retrógrado e ao ultrapassado.
    Reforço as palavras, citadas aqui no Geoforo, do caro colega Fábio Augusto da Silva Lima “cabe a nós, professores, educadores e profissionais da educação, conscientes dessa realidade, mobilizar nossos pares e lutar contra esse retrocesso”.

    Daniela Lima Nardi Gomes. Mestranda em Educação pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto/USP. Atua como professora de Informática na Educação, no Ensino Fundamental I e II. É pesquisadora e membro do Grupo de Estudos da Localidade – ELO, da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto/USP, Brasil.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Bom dia a todos do Geoforo! Gostaria de agradecer a colega Daniela Nardi por trazer para o foco de discussão a reforma do ensino médio no Brasil. Esse é mais um caso de incapacidade gestora da classe política brasileira. Essa "reforma" se esconde por trás de palavras que seduzem a população comum como "FLEXIBILIDADE", "OPÇÃO DE ESCOLHA" e "AUMENTO DA QUALIDADE", porém seu objetivo é enfraquecer a classe docente por permitir que profissionais sem formação pedagógica exerçam as funções docentes, sucateando ainda mais o sistema educacional brasileiro. Isso pode ser resultado de se colocar alguém que não entende de educação para gerir as políticas públicas educacionais. Percebe-se claramente que o governo brasileiro se preocupa muito mais em diminuir os investimentos na área educacional do que em implementar programas capazes de elevar a qualidade da escola pública. Felizmente podemos ver a classe dos alunos secundaristas unida para resistir a mais esse retrocesso, que é visto pelo governo como um ato político de partidos que o antagonizam. Na verdade esse discurso pretende deslegitimar o movimento dos estudantes e enganar a opinião pública. Fico também muito esperançoso com os nossos alunos e acredito que o movimento de ocupação encabeçado por eles seja capaz de demonstrar o contrassenso dessas políticas prejudiciais à educação brasileira.
      José Ap. Valério Mendonça Júnior. Pedagogo, coordenador pedagógico da rede pública de ensino e aluno do curso de mestrado em educação da Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Ribeirão Preto - Universidade de São Paulo - Brasil.

      Eliminar
  63. Diante de tantas reflexões e discussões apresentadas aqui nesse foro sobre esse “temeroso” cenário em que nós brasileiros estamos vivendo, dois sentimentos intrigam e instigam meus pensamentos: decepção e indignação.
    Decepção por presenciar esse momento de retrocesso de perda de conquistas de anos de lutas que fazem parte da história do Brasil (direitos democráticos, liberdade de expressão, direitos sociais, aumento da desigualdade social, etc).
    Indignação por constatar que a maioria da população foi seduzida, ou melhor, hipnotizada pela mídia que manipula a opinião pública em prol dos interesses de determinados partidos que favorecem a um grupo determinado (classe dominante) fazendo com que muitos não enxerguem a real situação e intenção das ações desse governo. E essa alienação é um “prato cheio” para que a educação se torne um instrumento de controle e de reprodução da ideologia dominante.
    Entre decepções e indignação penso o que fazer diante dessa situação?
    Como professores podemos SIM fazer algo, pois o ato de educar é um ato político! Temos SIM quem formar cidadãos ativos, pensantes, críticos, conscientes...
    “Ensinar exige a convicção de que a mudança é possível” como lembrou bem a colega Sonara ao citar Paulo Freire.
    E os frutos dessa nossa prática estamos começando a colher... Prova disso é o maravilhoso movimento de ocupação das escolas públicas organizado pelos estudantes em protesto ao projeto de reforma do Ensino Médio e contra a PEC 241 que congela os gastos públicos do governo Michel Temer. Além disso, algo que vem encantando todo o mundo, o discurso de uma estudante feito na Assembleia para os Deputados em Curitiba.
    Mesmo com essa mistura de sentimentos: decepção, indignação, esperança, otimismo, orgulho... Nós professores temos um importante papel no enfrentamento dos desafios dessa atual realidade do Brasil. Não podemos nos calar, temos que refletir, discutir e agir.
    “Não é no silêncio que os homens se fazem, mas na palavra, no trabalho, na ação-reflexão” (Paulo Freire)

    Christiane Soares de Assis Matos de Paula, Pedagoga, Professora da Rede Municipal de Ensino de Ribeirão Preto, aluna do curso de Mestrado em Educação da Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Ribeirão Preto – Universidade de São Paulo – Brasil.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Tecemos críticas à proposta da PEC 241 como medida do governo atual para reequilibrar as contas públicas e viabilizar a recuperação da economia brasileira à custa de cortar investimentos na área da educação e da saúde que já estão tão deficitárias. Não somos contra a redução de gastos, mas sim contra a falta de relevante investimento em áreas de direto fundamental como a educação e a saúde.

      Daniela Lima Nardi Gomes. Aluna do curso de Mestrado em Educação pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto/USP. Atua como professora de Informática na Educação, no Ensino Fundamental I e II. É pesquisadora e membro do Grupo de Estudos da Localidade – ELO, da FFCLRP/USP, Brasil.

      Eliminar
  64. Este comentario ha sido eliminado por el autor.

    ResponderEliminar
  65. Olá, colegas!
    Inicio esta reflexão reiterando o comentário da colega Christiane de Paula a respeito do movimento dos secundaristas: ainda nos resta esperança!
    No ano de 2015, no Estado de São Paulo, o governador Geraldo Alckmin tentou implementar a Reorganização escolar, usando como justificativa a queda na demanda por alunos e melhores notas no IDESP (Índice de Desenvolvimento da Educação do Estado de São Paulo), atingidas por escolas que atendiam apenas a um ciclo da Educação Básica. A alteração consistia em dividir as escolas por ciclo, fazendo com que algumas passassem a atender apenas ao ciclo I do fundamental, outras ao ciclo II e uma terceira parte ao ensino médio. Porém, o governador recuou da decisão, pressionado, principalmente, pela ocupação das escolas por secundaristas (alunos assim denominados por cursarem o atual Ensino Médio, correspondente ao antigo Segundo Grau). Quero também ressaltar o uso da expressão “ocupar”, e não “invadir”, como a grande mídia de massa usa em suas reportagens. Esses alunos ocuparam suas escolas por entenderem que elas são públicas. Portanto, podem nelas se organizar e manifestar seus pensamentos e anseios políticos, sobretudo aquilo que diz respeito a sua formação.
    Os ocupantes não concordaram com a reorganização por diversos fatores: a divisão das escolas não foi discutida democraticamente, mas sim divulgadas pela mídia e imposta em forma de decreto; é uma forma velada para fechar escolas ao mesmo tempo em que promove uma superlotação de salas; a distância entre as escolas prejudicariam o acesso e encareceriam o transporte, principalmente para famílias com filhos em ciclos diferentes; redução para a oferta do período noturno e abertura para a parceria público-privado, dando início à privatização do ensino.
    A revista Carta Capital, em junho deste ano, publicou uma reportagem informando sobre uma pesquisa que expressa o contrário do principal argumento utilizado pelo governador tucano sobre a queda na demanda de alunos, afirmando que em 2016 o estado recebeu 24.433 matrículas a mais que o ano anterior. E ainda que, não de forma declarada, a reorganização tem se efetivado com o fechamento de turmas e com maior número de alunos por sala, o que contraria uma Resolução da própria Secretaria que estipula no máximo 30 alunos por sala para o ciclo I, do ensino fundamental, 35 para o ciclo II e 40 para o Ensino Médio.
    Entretanto, práticas que vão de encontro a privatização ou restrição da democratização da educação não estão ocorrendo apenas no estado de São Paulo, mas em outros com liderança do partido de direita PSDB, como em Goiás e Paraná. O caso de Goiás é o mais avançado pois, já se realizou, em junho deste ano, a abertura de chamamento público para OS (Organizações Sociais) cujo objetivo é selecionar empresas para assumir a gestão de escolas públicas goianas, com dinheiro público. Quando anunciado sobre o fato, ainda em 2015, os alunos, em discordância ao que se decretava, ocuparam as escolas goianas e foram intimidados com os pedidos de reintegração de posse e uso da violência policial.
    O atual governo do Brasil elaborou a PEC 241 e a MP 746/2016, ambas relacionadas à Educação e motivo pelo qual as mais de mil escolas estão sendo ocupadas em diversos estados brasileiros. Cabe aqui chamar os colegas a refletirem sobre as reformas estarem direcionadas exatamente ao Ensino Médio. Será pelo motivo de serem os secundaristas os atuais protagonistas das manifestações avessas às imposições do governo? Sendo assim, uma forma que o governo encontrou para inibir aos que reagem de forma organizada foi desorganizando-os. Afinal, qual é a garantia de que as ciências que levam a pensar a sociedade e sua organização estarão ao alcance de todos, principalmente aos que estarão na faixa etária propensa à escolhas políticas?

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Magnífico comentàrio que nos abrea perspetiva da análise das relações entre o espaço escolar e a política. A complementariedade de escalas é básica para estudar os problemas políticos que influen no cotdiano
      Xosé M

      Eliminar
  66. Fonte: http://www.andes.org.br/andes/print-ultimas-noticias.andes?id=8388. Acesso em 20 nov. 2016, às 10:40h.
    http://www.cartacapital.com.br/sociedade/a-reorganizacao-escolar-em-sao-paulo-acabou. Acesso em 20 nov. 2016, às 10:03h.
    Sonara da Silva de Souza
    Membro do Grupo Estudos da Localidade (ELO), aluna regular do Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP) e professora de Geografia na rede estadual paulista (Brasil).

    ResponderEliminar
  67. Saudações!
    Em um contexto mais amplo (porém não generalizante) a atual situação na América Latina é preocupante. Após um significativo avanço dessa região durante a segunda metade dos anos 90 e primeiros anos do século XXI, percebemos um retrocesso (sobretudo em relação a questões sociopolíticas e socioeconômicas).
    Na Venezuela a situação chega a beira do caos; na Argentina o clima político é de tensão; no Chile vemos a perigosa - e costumeira - proximidade entre religião e política (destacado pela colega Sara Vega), fato este que ocorre já a bastante tempo na humanidade (e já foi utilizado para justificar as mais terríveis atrocidades).
    Entretanto, até mesmo por acompanhar com maior proximidade, percebo que o Brasil esta "enfrentando" estes problemas mencionados anteriormente ao mesmo tempo.
    a) A econômia brasileira está em crise e nossos velhos fantasmas do passado (como a inflação e a desvalorização da moeda) estão muito próximos de nos assombrar novamente.
    b) Diretamente relacionado a esse problema de caráter econômico temos a questão mais preocupante, nosso atual - e caótico - momento político.
    Com medidas, no mínimo, revoltantes o atual governo federal passa a ilusão de que para o país sair da crise que se encontra a melhor ação a ser tomada é cortar os "gastos" (o que ao meu ver são investimentos) na educação e na saúde pública (dando carta branca para que a iniciativa privada - talvez até internacional - passe a administrar esses setores primordiais).
    Sem contar que as PECs e MPs (bem destacadas pelos colegas Júnior e Daniela) vão na contramão de projetos criados anteriormente como o Plano Nacional da Educação (PNE 2014), que propõe o obvio: para uma nação crescer e evoluir economicamente e culturalmente, os investimentos (e não gastos) na educação devem ser tratados como prioridade. Esse documento deixa isso muito claro ao propor aumentar o valor de INVESTIMENTOS na educação de 5% para 10% do nosso PIB nos próximos anos (o PNE 2014 conta com 20 metas que vão desde a melhoria da educação pública de base até a maior qualidade e quantidade de programas públicos oferecidos em pós-graduações).
    Já para o atual governo, este parece ser um GASTO desnecessário.
    c) Assim como no Chile - e em diversos outros países do planeta - no Brasil a religião vem, muitas vezes, fazendo coro a política, onde em diversas ocasiões ações são criadas seguindo a vontade de Deus... Uma evidência desse fato, em solo brasileiro, pode ser percebido com o aumento da chamada "bancada evangélica" no congresso nacional (não critico nenhuma religião, mas não concordo que a política e ações realizadas em um Estado devam se pautar em uma suposta "vontade de Deus").
    Além de todas essas adversidades, é notório o papel desempenhado pela grande mídia brasileira, contribuindo de forma extremamente significativa para a (des)informação sobre estes fatos, divulgando notícias pela metade e meias verdades junto a população. Como pode ser notado na "informação" divulgada pela apresentadora do Jornal Hoje (da emissora Rede Globo) no dia 10 de novembro de 2016, segundo esta: "Mais de 300 mil estudantes realizaram o ENEM no próximo mês, devido as escolas que foram ocupadas por alunos." Mas o por que dessas ocupações? Essa informação não foi divulgada, talvez seja melhor a "massa" não saber...
    Em síntese colegas, esse talvez até desabafo, demonstra de maneira muito genérica e simplista o atual cenário brasileiro e retoma a discussão levantada pelo Professor Callai no início do Foro (sobretudo nos itens 2, 3, 4, 5, 6, 7 e 8). Por fim, apesar de todas as dificuldades, precisamos resistir e continuar lutando, mesmo que com palavras, por melhorias. Pois, como já diria o poeta Lêdo Ivo: "Quem tapa minha boca não perde por esperar: o silêncio de agora, amanhã é voz rouca de tanto gritar."
    Gustavo Antônio S. Inácio, Professor de História - Etec Prof. José Ignácio A. Filho e Colégio Positivo de Ituverava, aluno do curso de Mestrado em Educação da FFCLRP - Universidade de São Paulo - Brasil.

    ResponderEliminar
  68. No ano de 2004 foi realizado em Porto Alegre o Fórum Mundial de Educação que teve como um dos discursos de abertura o texto do filósofo húngaro István Mészaros. Neste discurso, o autor, com muita propriedade, relata sobre os malefícios ocasionados pela cada vez mais presente inserção do capital nos rumos da Educação. Ele aponta para um sistema educacional que refute a ideia do capital como única fonte estruturante. A partir daí, é possível que a educação se transforme no principal pilar para uma mudança ainda mais significativa, onde a sociedade possa, também, compreender a importância da ruptura com a lógica mistificadora do capital resultando em uma transformação social qualitativa.
    Sendo assim, podemos observar, sobretudo nos comentários dos colegas Gustavo, Sonara, Chistiane, Junior Mendonça e Daniela Lima que o caminho da educação brasileira está (talvez sempre esteve) no caminho inverso proposto por Mészaros. A criação da PEC 55 revela algo ainda mais assustador, pois não limita somente os gastos na educação – foco de nossa análise-, mas em vários setores sociais. O que esta PEC propõe não é o congelamento dos investimentos, porém o congelamento da sociedade, motor principal das mudanças radicais de ruptura com o capital.
    É abominável assistir notícias de que bancos, editoras de livros didáticos, empresários, entre outros participem da (re)construção dos investimentos na educação brasileira, influenciando reformas como as do Ensino Médio e/ou corroborando com a política da chamada “Escola sem Partido”.
    Vivemos tempos difíceis, mas temos que seguir firmes na reflexão do atual cenário político brasileiro a fim de que não tenhamos sequelas irreversíveis.
    MÉSZAROS, István. A educação para além do capital. São Paulo: Boi Tempo Editorial, 2006.
    Luis Guilherme Maturano, professor de Geografia, membro do grupo ELO e aluno especial da disciplina Metodologia de Ensino de Geografia e História da Faculdade de Ciências e Letras de Ribeirão Preto – Universidade de São Paulo – Brasil.

    ResponderEliminar
  69. Caros colegas, boa tarde!
    Refletindo sobre as reflexões dos colegas Daniela e Junior que tratam da reforma do Ensino Médio, muito pertinentes e críticos do nosso atual contexto, gostaria de aproveitar e destacar um outro projeto em curso, intitulado “Escola sem Partido”. Isso porque, vejo a reforma do Ensino Médio dentro de um pacote maior, de desmonte da educação pública e da escola como espaço diverso, plural e democrático por esse governo ilegítimo que está no poder.
    Pensar uma escola sem politica é reduzi-la a um espaço de alienação e doutrinação. Sim, embora pareça contraditório, a escola que se pretenda neutra, no fundo, esconde os interesses mais obscuros dos conservadores de plantão. A neutralidade de pessoas e indivíduos é falsa, pois todos pensam e falam a partir de um ponto de vista, de uma visão de mundo. A escola é um espaço de conflitos e transformações. Buscar uma escola neutra quer dizer que apenas uma visão de mundo poderá ser discutida nela, no caso, a ideologia de que está no poder.
    Não é possível uma neutralidade na escola pois, se considerarmos as politicas públicas, os documentos oficiais, os planejamentos, todos tem uma ideologia, na verdade o currículo é fruto de uma tensão de forças políticas que se realiza dentro e fora dos processos educacionais.
    Portanto, nós, educadores, devemos ficar atentos a esses ataques contra a educação pública, nos posicionando e afirmando nossa posição critica com relação a esses projetos autoritários, nossos alunos secundaristas já estão mobilizados, ocupando escolas por todo o país. Nós podemos.
    Abraços,
    Fábio Augusto da Silva Lima, Pedagogo, Professor da Rede Municipal de Ensino de Ribeirão Preto, membro do grupo ELO e aluno especial da disciplina Metodologia de Ensino de Geografia e História da Faculdade de Ciências e Letras de Ribeirão Preto - Universidade de São Paulo - Brasil.

    ResponderEliminar
  70. Nos últimos dias veio a público a pesquisa de uma ONG britânica que aponta que a fortuna dos 8 homens mais ricos do mundo é igual à de 3,6 bilhões mais pobres do planeta. Em 2016, eram 26 pessoas mais ricas em relação à metade mais pobre. O salto absurdo desse índice revela o avanço do grande capital, sob a égide do neoliberalismo que se toma força com o passar dos anos. No caso da América Latina, o neoliberalismo tem tomado força principalmente a partir dos anos 80 e no Brasil, a partir dos anos 90. No caso específico do Brasil, com a chegada ao poder de um governos ditos populares a partir dos anos 2000 (Lula e Dilma), houve uma tentativa de retomada do modelo econômico anterior, o chamado desenvolvimentismo. Além disso, tais governos responderam de forma parcial às demandas mais urgentes das classes mais pauperizadas através de programas como Bolsa Família e Minha Casa Minha Vida, por exemplo. No entanto, os interesses do grande capital não deixaram de ser atendidos, o que nos leva a concluir que as razões políticas do impeachment de Dilma em 2016 foram de cunho ideológico/ estrutural. O neoliberalismo precisa de mais espaço para avançar. No bojo do mesmo debate, desde 2013 vimos no Brasil ascender uma série de manifestações políticas de conteúdo conservador e ultraconservador, e que fizeram saltar figuras como os deputados Marcos Feliciano e Jair Bolsonaro, que adotam um discurso racista, machista e homofóbico. No âmbito da educação, esse fenômeno apareceu sob a forma do Projeto Escola Sem Partido. Somente em alguns municípios e Estados esse Projeto virou Lei, no entanto, sua força ideológica levantou um forte debate a respeito das disciplinas de humanidades nas escolas, já que tais disciplinas, em geral, são os meios pelos quais o debate político é realizado dentro de sala de aula. Assim, resta concluir que nossa situação enquanto educadores e futuros educadores é delicada e está sob ataque (também institucionalizado através da Reforma do Ensino Médio, levada a cabo pelo governo golpista Temer) assim que nos posicionamos de forma crítica. Os secundaristas já deram a letra e o exemplo através das grandes ocupações por todo o Brasil: a luta política é o único caminho.

    ResponderEliminar
  71. Prezados colegas, um bom ano gramsciano à todos,
    (Terei que dividir meu comentário em duas partes)

    Pretendo deixar minha contribuição no debate sobre a possibilidade de repensarmos o papel da esquerda e da ausência de militância nas classes populares, hoje em sua maioria, tomada pelas religiões de cunho neopentecostais e suas igrejas. Mas, para chegar neste ponto irei elaborar algumas reflexões sobre a questão religiosa brasileira e o papel das redes sociais na disseminação de ódio e preconceito.
    Com a modernização e a veiculação de notícias rápidas, muitas vezes pouco fundamentadas e tão expressivas com opiniões preconceituosas à níveis fascistizantes, é possível notarmos certos conteúdos religiosos e total negação à ciência. A internet e suas redes sociais têm colaborado para o rápido esquecimento dos acontecimentos locais e internacionais, pois somos bombardeados diuturnamente com diversas informações e conteúdos. Dessa forma, há uma espécie de amnésia histórica que as redes sociais e informativas exercem no nosso cotidiano. Ou seja, ocorre um rápido esquecimento do que foi lido há minutos anteriores, a informação é disseminada, não é compreendida, é esquecida e o senso comum permanece em suas deficiências patológicas.
    A juventude brasileira, em sua maioria da classe média ou alta, tem contribuído fortemente na vinculação de conteúdos racistas, xenofóbicos, homofóbicos e por vezes, fascistas nas redes sociais ou em simples canais de comunicação (basta lermos os comentários de páginas como do jornal O Globlo, Uol, G7, entre outros) Há um debate longe de ser rico em muitos espaços da internet e com uma ofensiva estratégica anti-esquerda. Como isso prejudica um debate de novo tipo, ou seja, um debate popular e democrático que repense as instituições brasileiras e a nossa forma de sociedade? Um dos pontos mais deficitários que podemos ver são os ataques “partidários”, permeados por opiniões pouco formuladas e que pouco acrescentam.
    A internet tornou-se um ambiente onde veicula-se o ódio ao diferente e principalmente aos ideais próprios de uma sociedade burguesa, por exemplo, os direitos humanos, que atualmente são rechaçados por inúmeros grupos. Para um bom observador, os pontos acima citados são óbvios de serem vistos em apenas uma rápida passada de olho na “time line” do Facebook ou em uma simples notícia sobre assalto em algum jornal online. Mas, pensemos: qual o papel da área crítica da sociedade brasileira nesse momento complexo do país? Penso que codificar os diagnósticos conjunturais da política e da economia colaborariam em muito para uma aproximação das classes subalternas à ambientes críticos e reflexivos.

    ResponderEliminar
  72. (Segunda parte do comentário acima)
    Por outro lado, a militância da esquerda afastou-se das camadas populares e abriu espaço para o linguajar e costume religioso, majoritariamente fundamentalista. Conforme o Partido dos Trabalhadores deslocava-se ao poder estatal, foi deixado um espaço nas classes assalariadas que não foi ocupado por outros grupos de esquerdas e grupos críticos da sociedade. O ambiente das ruas foi permeado pelas igrejas neopentescostais e conta com grande apoio da mídia e da política. Não apenas abriu espaço dentro da sociedade civil, como à níveis estatais, abriu-se para uma política menos democrática, com ápices conservadores e até mesmo reacionários.
    Tanto visto que está em curso no Brasil um projeto que proíbe o professor de ser um individuo crítico em sala de aula e outro conjuntamente que pretende retirar a obrigatoriedade de disciplinas da nossa área que são fundamentais para a formação de uma sociedade autônoma e reflexiva. A mídia hegemônica brasileira colabora com o discurso do Estado e seu processo de desmonte.
    O ano de 2017 já nos abriu especulações de um ano complexo que decidirá o processo eleitoral de 2018 e a diferente fração burguesa que ocupará o cargo da presidência brasileira. Longe de especulações incoerentes, penso que devemos questionarmos sobre o papel fundamental da esquerda em organizar e dirigir as classes populares à indignação ao que temos visto, como por exemplo, a destruição da CLT, à entrega da Petrobras, à Reforma do Ensino Médio, entre outras pautas do governo de Michel Temer. Está na hora do que restou da esquerda brasileira se articular e lutar, de fato, no seio das classes subalternas, por nossos direitos e por um governo legitimado pelo povo. Para isto, não apenas as ruas devem ser ocupadas, mas os espaços universitários e fazer uso das redes sociais em favor ao diálogo democrático com as camadas menos favorecidas pelo capital.

    Marília Gabriella Machado (Graduanda do quarto ano de Ciências Sociais, em nível de bacharelado e licenciatura, pela UNESP - Faculdade de Filosofia e Ciências de Marília. Pesquisa na linha de Teoria Política com recorte na trajetória político-intelectual de Antonio Gramsci entre 1911-1921 e temas como Fascismo e Revolução Russa)

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Penso que o relato e análise realizada apor Marília Gabriella nos convida a refletir sobre as atuais questões política no Brasil e ao desafio de imaginar um Ensino Médio sem as disciplinas escolares básicas. Esse retrocesso no currículo da educação básica no Brasil terá consequências na formação dos jovens de inúmeras gerações. Resta-nos pressionar o Conselho Nacional de Educação com o intuito de assegurar na Base Nacional Comum Curricular a inserção das disciplinas excluídas nominalmente do texto da LDB.

      Eliminar
  73. O atual momento do sistema capitalista o qual estamos inseridos vivencia a reprodução do projeto neoliberal que se amplia desde a década de 1970 em países ocidentais em resposta à crise deste determinado contexto de expansão do capital. Os princípios neoliberais gravitam em torno de premissas - como mínima intervenção estatal, desregulamentação econômica, privatização, diminuição de impostos, incentivo ao empreendedorismo, a obtenção de lucro e a competição. Contudo, o neoliberalismo não pode ser fadado ao reducionismo de pacotes econômicos, muito pelo contrário, sua influencia na esfera das políticas públicas/sociais trata-se de algo determinante. A recomendação neoliberal tem submetido à educação as práticas de mercado, da mesma maneira que vulgariza os valores e premissas educacionais em todas as esferas. Desse modo, a formação crítica humana dos alunos, composta por matérias como filosofia e sociologia é submetida por uma formação tecnicista, priorizando matérias como matemática e português. É por meio desta premissa que fora promulgada a medida provisória nº 746, de 2016 que tem como principal objetivo introduzir a lógica neoliberal no ensino brasileiro, este que não sofrera mudanças por conta de lutas sociais contextualizadas no período da redemocratização.
    Estreitando a discussão posta aqui, irei me retratar novamente a minha vivencia no estágio em uma escola técnica integrada com o ensino médio a qual atende os interesses do Estado, isto é, emprega a lógica tecnicista, empreendedora e mercadológica em seu sistema de ensino, é válido ressaltar que nessa concepção as matérias de humanas são influenciadas pela lógica neoliberal tendo a característica de gestão de pessoas como o se principal norte, ademais, o ensino profissionalizante e as denominadas ciências duras predominam os currículos em detrimento das demais matérias de cunho mais humanista. Tendo em vista a concepção tecnicista, pude observar diversas características que delimitam o que esse tipo de vivencia escolar dos estudantes. Em conversas informais com os estudantes pude trazer contribuições pertinentes para a reta final desta reflexão, pois, em uma situação de calamidade qual a educação brasileira perpassa com uma medida provisória que pretende tornar o ensino médio por completo técnico e profissionalizante o que deveríamos levar a diante desse debate com os alunos? Em relação à reflexão dos estudantes acerca da escola técnica , trata-se de algo complexo, mas , em comum acordo são favoráveis a presença da escola técnica, porém, há suas ressalvas em relação ao período integral e o conteúdo dado em sala de aula principalmente ao que diz respeito a área de humanidades que segundo os alunos não possuem aprofundamento, sendo somente uma série de seminários que retratam o cotidiano. Analisando as observações dos alunos é possível identificar a banalização do ensino técnico para com a racionalização e o processo de reflexão dos alunos, isto é, o esvaziamento do senso critico que abre portas para a alienação concomitantemente a submissão a ordem vigente em um contexto político-social favorável ao capital financeiro que impõe de um dia para outro uma medida provisória apocalíptica que degola a educação transformando quaisquer pedagogias em saberes notórios pondo em jogo a educação pública que ainda de péssima qualidade não se chegava ao ápice da mercantilização da educação imprimindo a precarização, flexibilização e privatização do ensino.


    ResponderEliminar
  74. Quiero destacar esta frase de Evelyn Moreira: o esvaziamento do senso critico que abre portas para a alienação concomitantemente a submissão a ordem vigente
    pues me parece muy pertinente para explicar lo que sucede en los sistemas escolares de muchos países iberoamericanos.
    La pérdida del sentido crítico va acompañada de una hipervalorización de la enseñanza de las denominadas materias instrumetnales (Matemáticas y Lenguas) en detrimento de aquellas otras que impulsando las mismas competencias comunicativas y lógicas, desarrollan también el espíritu crítico, como las ciencias sociales. Ello se ve en España, y supongo que en otros países por el impulso a estudiar idiomas, en especial el inglés, fuera del horario lectivo. Se da la paradoja que los padres y mades protestan por los deberes escolares, pero llevan a sus hijos a estudiar idiomas fuera de la escuela. Esta aceptación del estudio del idioma como parte de la cultura distinguida procede de una estrategia liberal de la enseñanza, que se corrobora con las pruebas PISA y las órdenes de la OCDE.
    Los resultados los podemos comprobar en la elecciónde una persona xenófoba, autoritaria, machista y sin saber comportarse en sociedad: Donald Trump. El país más importante del mundo tiene un sistema escolar eu da lugar a que sus ciudadanos no sepan discriminar entre democracia y fascismo en las elecciones presidenciales.
    Si queremos avanzar en la ciudadanía participativa hemos de romper con los estereotipos del sentido común e impugnar verdades que se tienen como naturales
    Xosé m. Souto

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Una España que no apuesta por la creatividad, sino por todo lo contrario, la competitividad.
      ¿Para qué trabajar el respeto, la cooperación en grupo o la igualdad de género en la aulas? Esto se preguntan las administraciones cuando crean los contenidos de la educación primaria; aquellos tan complejos como ridículos.
      ¿De qué nos sirve que un alumno sepa todos los géneros literarios si luego no le damos voz para interpretarlos? ¿De qué nos sirve que sepa hacer ecuaciones de segundo grado y tenga un buen nivel de inglés si luego no es respetuoso con su pareja? Es cierto que son miles los factores que influyen en los comportamientos de las personas, pero solo la escuela tiene la responsabilidad social de crear individuos extraordinarios para que convivan en sociedad.
      Una escuela que cuenta con grandes profesionales, pero que a su pesar, se encuentran como un salmón nadando contra la corriente de un río. Aguas de incompetencias políticas que destrozan lo mas preciado de una nación: la educación.

      DriDali

      Eliminar
  75. Thiago Emanuel Folgueiral
    Discente em Ciências Sociais, em licenciatura e bacharel em Ciência Política
    Universidade Estadual Paulista, Unesp - Marília, São Paulo Brasil.
    Pessoal meu comentário está em duas partes.

    Dentre as questões apontadas é observar a ascensão do neoconservadorismo na realidade brasileira, esse movimento não é exclusivamente típico das terras tupiniquins. O avanço dessas pautas tem como pano de Fundo a crise de subprimes 2008 e a segunda crise que atingiu a periferia da Europa em 2012, ambas fruto de bolhas especulativas, porem essa última sendo essa determinante nas mudanças políticas na periferia do Mundo. Como observado na história, à resposta a grandes crises do capital é a ascensão das pautas a direitas, ligadas ao conservadorismo, desembocando em guerras. Dessa forma, o neoconservadorismo está intrinsecamente ligado ao neoliberalismo, sendo a forma acabada da última reestruturação produtiva 1973. O geógrafo David Harvey e o filosofo István Mészáros, nos ajuda a compreender essas transformações nas últimas décadas. Harvey discute os processos que se desembocaram na acumulação flexível (toyotismo), tendo em vista a queda tendencial da taxa de lucro, como resultado da constante composição orgânica do capital. Sendo assim, Mészáros nos dá respostas às contradições do capitalismo, sendo esse sistema endógeno a crises, ou seja, estrutural, devido a sua necessidade de autodestruição. Outras variáveis é a consolidação do capital financeiro no sistema mundial, o papel dos Estados Unidos como o acordo de Breton Woods e a sua hegemonia mundial, juntamente com abertura da economia chinesa e o seu papel central como grande fabrica de transformação do mundo.
    Um ponto importante a observar a essa crise, foi que essa atingiu primeiramente os países centrais. Visto isso os grandes grupos financeiros consolidados nesses países saíram na busca sedenta por lucros, retratando a intensificação imperialista dos mesmos em torno da periferia através de saque da riqueza pública. Essas premissas apontam as mudanças e rupturas dos projetos progressistas observado nessa primeira década de século. O prenuncio de rupturas drásticas foi expresso na destituição de Fernando Lugo (2012) no Paraguai, esse tipo de golpe retratou a engenharia do chamado “impeachment jurídico - parlamentar” altamente sofisticado, e sem rastro de sangue como a experiência militar. Outra variável determinante foi às eleições na Argentina com a vitória de Mauricio Macri (2015) apontando para mudança gravitacional na esfera política no Cone Sul, viabilizando o processo de impeachment recentemente posto no Brasil. Junto a isso é observado nos países centrais a ascensão conservadora pelos partidos de extrema direita, com a adesão de pautas protecionistas com forte viés xenofóbico. Outro ponto importante é a recente vitória de Trump nos Estados Unidos e o Brexit apontando para uma virada conservadora nos países do mundo, essa virada é visto pela grande adesão da grande massa operária (antiga beneficiaria do Welfare State) afetada pela perda dos postos de trabalho e precarização dos mesmos. No caso brasileiro o golpe instituído em 2016 aponta conjuntamente com as mudanças ocorridas no mundo.[...] continua...

    ResponderEliminar
  76. continuação [...] Aí nos perguntamos e o Brasil nesse contexto? Como foi observado nos últimos anos os governos progressistas (Lula/Dilma), apesar dos avanços significativos com pautas sociais sendo o principal carro chefe (bolsa família). Ambos não romperam com a lógica neoliberal principalmente através do triplé econômico (cambio/superávit/inflação). A conciliação de classe foi outro ponto importante nesse período, através de uma política de alianças com pequenos partidos e com o eclético PMDB, dessa forma, o Partido dos Trabalhadores (PT) buscou a maioria na base parlamentar “governabilidade”, rebaixando e transformando seu programa em muitas pontos se confluindo com interesses e pautas do grande capital. A cooptação de parte da esquerda nos quadros governamentais foi também outro dano causando aos movimentos sociais, deflagrando assim da base combativa que existiam com o partido. Que podemos afirmar, enquanto o momento econômico estava favorável com o boom de commodities da China, o executivo conseguia alocar os interesses as várias frações da sua base.
    Uma questão a se fazer, é entender o que levou a perda da base governista tão consolidada com o agrupamento das alianças nos ministérios. Um dos aspectos determinantes foi à adoção da Nova Matriz Econômica adotada no governo Dilma, que teve como ações, redução da taxa de juros através dos bancos públicos, aumento da oferta de crédito, subsídios, e afrouxamento das metas de inflação. A proposta até então era um sinal positivo da economia interna, na busca de investimentos das empresas nacionais. No entanto a resposta foi negativa, justamente pela diminuição significativa da taxa de juros, que chegou próximo à casa dos 5%, o mercado financeiro principal beneficiador dessa política reagiu negativamente, havendo assim uma grande articulação com grande capital industrial, esse não sinalizando positivamente aos subsídios cedidos a burguesia interna. Somado a isso, a redução da atividade econômica chinesa, resultando com a queda do valor das commodities e o inicio das jornadas de 2013, esses acontecimentos formaram um caldeirão de descontentamento por parte classe média. Isso que foi exposto são algumas variáveis do apontadas, no entanto, não seria possível a golpe sem o papel da grande imprensa, esse instrumento foi o principal meio responsável pela articulação da mobilização anti-PT, a agenda anti - governista era vista em todos os telejornais, na cobertura exacerbada de pequenas manifestações e distorções dos acontecimentos concretos. Apesar do cenário de crise e esse refletindo profundamente na economia brasileira, a grande imprensa teve um papel guia no processo golpista, contudo para uma maior compreensão dos fatos, utilizo como base o artigo interessante de Otavio Ianni “príncipe eletrônico”, do qual o mesmo analisa o papel de condottieri da grande imprensa podendo ser analisado pela ótica do golpe brasileiro. Sendo assim, entendendo o papel da grande imprensa como condottieri do imperialismo e dos grupos rentistas, a tarefa que nos faz presente é a necessidade objetiva de uma formação de uma ampla frente popular, englobando todos os aspectos progressistas da sociedade, articulando as mais variadas esquerdas em conjunto com os movimentos sociais antigolpista. Após essa breve contribuição, deixo em aberto a discussão e o debate aos colegas que se interessarem ao tema, tendo em vista primeiramente de frear esse movimento neoconservador e avançar com o programa com uma proposta revolucionária.

    Thiago Emanuel Folgueiral
    Discente em Ciências Sociais, em licenciatura e bacharel em Ciência Política
    Universidade Estadual Paulista, Unesp - Marília, São Paulo Brasil.

    ResponderEliminar
  77. O Brasil nunca teve um governo exclusivamente/verdadeiramente de esquerda. Isso fica evidente quando estudamos o período em que o PT (partido de centro-esquerda) esteve no poder, o seu principal aliado foi, até o momento do golpe, o PMDB (um partido de direita). A também o histórico de cadeiras do senado federal e da câmara dos deputados, onde sempre se teve um número maior de cadeiras ocupadas por partidos de direita (PMDB, PSDB, DEM, PSC, PR, entre outros). Sem esquecer é claro, o estado mais rico e populoso do Brasil, São Paulo, que a partir de 1995 foi governo por apenas dois partidos, o Partido da Social Democracia brasileira, também conhecido por PSDB e o partido dos Democratas (ex-PFL). Ao todo o Palácio dos Bandeirantes, foi ocupado por quatro nomes, Mario Covas (1995-1998 e 1999-2000), Cláudio Lembo (2006), José Serra (2007-2010) e o atual governo, Geraldo Alckmin que está no poder pela quarta vezes (2001-2003; 2003-2006; 2011-2014 e 2015-atualidade).
    Quanto a retomada total do poder pela direita, ela vai de encontro com a crise que o capitalismo vive. Se faz necessário, portanto, uma retomada do poder pela direita, para evitar exatamente o fortalecimento e engrandecimento da esquerda e de ideias vinculadas a ela. A reforma realizada na educação, M.P. nº 746, tem claramente a função de manter a ordem capitalista já estabelecida. Se retira, ou oculta matérias que poderiam criar um indivíduo critico, não alienado, para um aumento de disciplinas como Língua Portuguesa e Matemática, visando a formação de uma massa alienada e embrutecida.

    Renato Guerreiro das Neves (UNESP – Marília)

    ResponderEliminar
  78. O Brasil vive um momento muito complexo, onde os direitos sociais conseguidos após muita luta estão em xeque, principalmente na Educação. Venho relatar uma experiência que tive durante meu estágio obrigatório na intenção de colaborar com os comentários da Daniela (16/11), do Anônimo (20/11), Luís (21/11), Junior (21/11) e Fábio (22/11) que abordaram como as atuais políticas vêm incidindo sobre o Ensino Médio.
    Durante a realização do meu estágio; em uma escola no interior do estado de São Paulo; tive acesso a seguinte informação: após os alunos secundaristas terem ocupado, em 2015, algumas escolas publicas do estado de São Paulo- como meio de luta contra a reorganização da rede de ensino estadual- e em 2016 se organizarem contra a chamada "Máfia da Merenda", a gestão do governador Geraldo Alckmin (PSDB), no ano de 2016, adotou medidas que passaram a regular e burocratizar a formação dos grêmios estudantis nas escolas estaduais. Durante algumas discussões em sala de aula e leitura de textos para refletir sobre tal dado, pude ter consciência que tais medidas foram tomadas em um contexto marcado por uma forte atuação e protagonismo dos jovens estudantes. Levando em consideração a conjuntara que se deu tais medidas, e a tendência política de partidos como o PSDB, pode-se considerar que e as medidas adotadas pelo governo de São Paulo sobre o grêmio estudantil são intervencionista e buscam limitar e desarticular qualquer tipo de mobilização e organização dos estudantes secundaristas. Deste modo, esta recente política adotada, assim como as outras que ja vinham sendo adotadas em especial a partir da década de 90, pelo governo de São Paulo implicam diretamente na "autonomia didático-pedagógica das escolas e dos professores; apresenta seus idealizadores e, por fim; questiona sua possibilidade de contribuir para a efetiva melhoria da escola publica paulista" (CARVALHO & RUSSO, 2014; p. 98). Além disso, como já abordado em outros comentários, tais medidas deixa claro que o principal interesse é em implementar planos e projetos neoliberais principalmente na área da educação. Que consistiam em diminuir a influência do Estado, ao mesmo tempo que incentiva a livre iniciativa e o mercado financeiro.
    Levando em consideração a medida que acabei de relatar, mas também outros projetos de caráter conservador e até mesmo retrógrados (como "Escola Sem Partido", A PEC 55, A Reforma do Ensino Médio) que vêm sendo propostos na área da Educação e a forte repressão sobre a movimentação dos estudantes secundaristas e de professores, penso que seria interessante refletir e discutir as potencialidades e desafios de uma gestão educacional democrática considerando a atual conjuntura.

    Anderson da Silva Rodrigues
    Graduando em Ciências Sociais (Licenciatura e Bacharel).
    FFC- Unesp Marília.

    ResponderEliminar

  79. A mídia, ou Indústria Cultural, seguindo determinada corrente do pensamento social (a Teoria Crítica, de base marxista), deve ser vista como mais um braço do sistema capitalista: existem, por exemplo, o setor industrial, o setor de energias, o setor bancário e o setor da indústria cultural. Nesse sentido, a mídia se encontra a serviço do Capital. No Brasil esse caráter tendencioso e utilitário dos meios de comunicação fica ainda mais evidente, já que todos eles são controlados por menos de dez famílias que, por sua vez, possuem fortes vínculos com algumas religiões e com determinados políticos. É muito fácil ver apresentadores de programas na TV aberta usando de sua visibilidade para favorecer determinada tendência política, como foi o caso do Raul Gil e do Ratinho, apresentadores na emissora SBT, dividindo com os telespectadores a sua bela amizade com Michel Temer, que acabava então de assumir a presidência da República após um processo de impeachment.
    É importante acrescentar, ainda, outro fenômeno pouco citado quando o assunto é a mídia social: na internet é mais fácil do que em qualquer outra forma ou meio de comunicação de filtrar notícias – e principalmente a ideologia por trás de cada abordagem jornalística – de acordo com opiniões e posicionamentos já estabelecidos. Tomando o Facebook como exemplo, nós “seguimos” apenas aqueles amigos que possuem opiniões convergentes em relação às nossas, “curtimos” as páginas que dizem o que queremos ouvir e “deixamos de seguir” toda e qualquer pessoa ou instituição que nos contradiga. E isso não se restringe à direita; é uma atitude geral que reflete e ao mesmo tempo reforça a crescente tendência a intolerância: cria-se uma bolha dentro da qual é possível acreditar que nosso posicionamento é o mais correto, mais bem aceito e compartilhado com a maioria das pessoas. Sensação perigosa e quase sempre ilusória.
    Sem me alongar muito nessa reflexão, diria que a mídia tradicional não apenas exerce forte influência no jogo político, como é uma de suas mais importantes peças. A serviço dos “donos do poder”, cumpre o papel de garantir a aceitação popular daquilo que implementam, assim como garantem a polêmica em torno daquilo que desejam desvalorizar. Basta uma pesquisa rápida sobre o papel da Rede Globo no período ditatorial brasileiro (1964-1985) e no período de Impeachment da Presidenta Dilma (2016) para compreender essa afirmação. As mídias sociais possuem sim potencial de democratização da informação e potencial de retirar o leitor da situação de simples receptor neutro de informações, mas esse potencial não tem sido bem aproveitado, até porque os meios tradicionais de comunicação também se apropriam desses novos ambientes digitais.

    Amanda Forner
    Graduanda em Ciências Sociais (Licenciatura e Bacharel).
    FFC- Unesp Marília.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Importante lembrança traz Amanda Forner ao trazer a discussão sobre o papel da mídia na construção de uma realidade imposta por meios de comunicação.

      Eliminar
  80. Este comentario ha sido eliminado por un administrador del blog.

    ResponderEliminar
  81. Políticas sociais sempre geram muita repercussão. Os não beneficiados se sentem prejudicados, enquanto que as verbas destinadas as famílias carentes, são na verdade, muito pouco, apenas um auxílio realmente para que elas não morram de fome.
    Contudo, uma coisa chama atenção quando pensamos no governo Dória e como a população está lidando com isso. Ora, o ódio ao pelo governo Petista leva a população a criticar tudo o que seja relacionado a ele, um exemplo é o bolsa família, que para muito é considerado um assistencialismo burro, populismo barato, compra de votos, marketing, enquanto que o governo Dória, que está usando de alguns recursos populistas está caindo nas graças do povo. Veja, para mim, ambas as políticas populistas são uma forma de "tampar o sol com a peneira", uma vez que nenhuma mudança sólida é realmente proposta, entretanto, para algumas famílias, essas migalhas são sua maior fonte de renda e o que garante sua sobrevivência.
    Outra questão a ser analisada é a onda conservadora que vem dominando o país e o mundo. Movimentos como MBL, a presença de João Dória no PSDB, como já foi citado à cima, Escola Sem Partido, golpe parlamentar, bancada evangélica, bancada da bala e tantos outros fenômenos reacionários estão causando perplexidade em muitos setores da sociedade brasileira, apesar de alguns dizerem que isso não passa de conversa fiada da esquerda que está derrotada.
    Para mim, contudo, não há dúvida de que há uma nova onda conservadora no mundo associada ao discurso contra as chamadas minorias, contra os direitos das mulheres e da população LGBT, em campanhas que se apresentaram como em defesa da “vida” e da “família”. Esse foi o terreno do voto neopentecostal em pastores fundamentalistas e da aproximação destes com alas associadas ao neofascismo, como o do conhecido militar cuja carreira se liga à defesa da ditadura militar e seus procedimentos. Variadas caricaturas da direita têm tido bom desempenho eleitoral nesse contexto. A mudança política no âmbito religioso é também outro ponto levantado, com a direitização da Igreja católica e isolamento dos setores progressistas, em contraponto o crescimento gritante das religiões evangélicas que abarcam a massa da população, cuja teologia da prosperidade se adequa muito bem ao pensamento neoliberal.
    (continua)

    ResponderEliminar
  82. A profunda e prolongada crise econômica europeia, produto do fracasso das políticas neoliberais de austeridade, tem fortalecido a extrema-direita. O tema da imigração resume o egoísmo dessa nova direita, que enxerga nos estrangeiros inimigos mortais, usurpadores. Essa ideologia produzida por uma nova extrema-direita tem encontrado apoio em amplos setores, especialmente de classe média, dispostos a apoiá-la nas suas políticas xenófobas, discriminatórias, racistas.
    O sucesso da campanha de Donald Trump nos Estados Unidos, por exemplo, corresponde a um fenômeno similar; Construção de muros, expulsões, proibição de ingresso – tudo vai na mesma direção do egoísmo que atribui a culpa da crise, provocada pela economia que eles mesmos semearam ali e no mundo, às suas vítimas. No Brasil, a culpa da crise é destina exatamente as políticas assistenciais do governo do PT.
    As campanhas conservadoras pelos meios de comunicação disseminam ódio, desqualificação pessoal dos oponentes, promovendo uma impossibilidade de discutir alternativas e comparar governos. A direita atual tem como característica nova o ódio, a agressividade, a discriminação aberta, as manifestações de rua em que exibem lemas de ofensas abertas aos dirigentes políticos da esquerda. São amplos setores da classe média se utilizando desses recursos porque estão desesperados porque passaram a perder eleições. A democracia era boa quando a direita ganhava. Quando passou a perder, começou-se a apelar para a violência, verbal e física.
    Do ponto de vista do marketing, decisivo nas campanhas eleitorais, trata-se de buscar candidatos que se digam nem de direita nem de esquerda, que denunciem os políticos como corruptos, que se digam cansados da polarização entre PT e tucanos, que falem generalidades para agradar a população.
    Nesse sentido, o que me parece mais urgente resolver é a atual, mas não insuperável incapacidade dos setores propriamente de esquerda, a esquerda anticapitalista e socialista, de construir uma alternativa independente de poder. Sem isso, essa onda conservadora irá nos atropelar.

    Quézia Keiko
    Graduanda em Ciências Sociais
    FFC - Unesp Marília

    ResponderEliminar
  83. Saudações caros colegas!
    Tentarei dar a minha contribuição continuando o debate acerca da Reforma do Ensino Médio no Brasil, realizando uma análise conjunta com a PEC 241, mais conhecida como "a PEC do TETO". O que estamos vivendo atualmente no Brasil é um verdadeiro golpe contra a educação e contra a seguridade social em geral. O governo propõe uma reforma no ensino médio às pressas e de enorme magnitude, onde várias escolas públicas terão que se adaptar aos chamados "itinerários formativos", ao mesmo tempo em que propõe congelar os investimentos com gastos sociais, tais como moradia, saúde e, principalmente, educação. Uma reforma de grande monta como a que se propõe, de alcance nacional, precisaria contar com maiores investimentos, seja para a compra de novos equipamentos para as escolas que ofertarão ensino profissionalizante, a realocação de professores para outras escolas, a contratação de novos, e assim por diante... Mas como o governo pretende fazer tudo isso com os investimentos limitados a um teto? Todas essas propostas, sem sombra de dúvidas, vieram apenas com um propósito: precarizar ainda mais o ensino para a classe trabalhadora, favorecendo os alunos das escolas particulares, haja vista que as instituições privadas serão as únicas capazes de ofertar todos os itinerários formativos, os quais continuarão a ser cobrados nos vestibulares e em provas como o ENEM. Importante pensar, ainda, na diminuição do currículo para os alunos da rede pública, os quais perderão praticamente um ano de disciplinas que atualmente são dadas durante os três anos do ensino médio. Trata-se, portanto, de medidas totalmente impopulares e que, se a sociedade civil não se organizar, passarão e serão implementadas nos próximos anos, retirando-se todos os direitos sociais mínimos que a classe trabalhadora vem conquistando durante anos de luta.
    Caroline Navarro Zapaterra
    Graduanda de Licenciatura em Ciências Sociais
    Unesp de Marília

    ResponderEliminar
  84. Vanessa Fernandes Santos
    Graduanda de Ciências Sociais na UNESP-Marília

    Boa noite!

    Gostaria de comentar aqui um pouco sobre a onda conservadora que vemos ganhar força nos últimos tempos. Desde que existem, as forças reacionárias disputam força com os movimentos sociais e conquista de direitos, e estamos presenciando graves retrocessos neste sentido.
    Na Grécia vimos o partido Aurora Dourada, desde 2006 aproximadamente, pregando o cristianismo e no nacionalismo através de saudações e práticas muito parecidas com o nazismo. Vimos também a Rússia retroceder com a homofobia de Putin. A Argentina elegeu um conservador para presidente, Maurício Macri. O que significa um presidente estadunidense como Trump? Não que Hilary faria muito diferente, pois já estava preparando os bombardeios em terras de petróleo. Ainda podemos citar as eleições para prefeitos no Brasil, que elegeram Dória, Crivella, ACM Neto e vários outros figurões que defendem o "raio privatizador" e a ideia de "gestor" em vez de político. E claro, Michel Temer para ilustrar didaticamente do que se trata esta onda conservadora.

    Nunca me ocorreu tanto lembrar do Manifesto Futurista escrito por Marinetti para o movimento "artístico" italiano do começo do século XX, que ostentava o poder fálico das máquinas, da guerra e da violência. Separei um trecho para este comentário para fazer um gancho com este debate:

    "9. Queremos glorificar a guerra - única higiene do mundo -, o militarismo, o patriotismo, o gesto destruidor dos anarquistas, as belas ideias pelas quais se morre e o desprezo da mulher.
    10. Queremos destruir os museus, as bibliotecas, as academias de todo o tipo, e combater o moralismo, o feminismo e toda vileza oportunista e utilitária."

    Separei este trecho pois acho muito relevante analisarmos como esta onda conservadora é extremamente machista e misógina. Perto do 8 de Março, é gritante a necessidade do debate sobre essa onda, que não sei se posso chamar de fascista, nazista, reacionária, ou ainda um novo nome, dado a particularidade do contexto. No Brasil, o presidente golpista assume o cargo após um golpe misógino, que fomentou não só na mídia e entre os políticos, mas também na sociedade civil, discursos de ódio contra a presidenta, machistas, misóginos.

    [continua]

    ResponderEliminar
  85. [continuação]

    Acredito que as alas conservadoras sempre estiveram à espreita, e dependendo da correlação de forças, vemos essas alas "botando as manginhas de fora".

    Ns Jornadas de Junho de 2013, vimos às ruas movimentos sociais progressistas com bandeiras por direitos sociais, como o MTST, o MPL, entre outros, mas vimos também movimentos de direita se articulando, financiados por empresários e políticos fraudulentos. A mídia fez sua parte, como sempre golpista, e tratou de deixar o povo pouco esclarecido, porém muito dividido. A ignorância e o ódio caminham juntos.

    Agora vemos a Reforma do Ensino Médio passar e ser aprovada, e a próximo direito social na mira é a Previdência Social. Ademais, muitas outras medidas estão sendo tomadas ou já foram aprovadas no sentido do grande retrocesso histórico de nossos direitos.

    Vemos um Estado fascista. Medidas fascistas. Que circula propagando fascista: " Não pense, trabalhe!", ou ainda as propagandas que colocam jovens encenando que a Reforma do EM é a melhor coisa que há. Ou o "Ordem e Progresso" que aparecia no fim de cada comercial do governo.

    Somado a isso, há uma crise profunda na representação e organização partidária, em que os jovens já não acreditam que devem se organizar à velha maneira da esquerda. Movimentos autonomistas insurgentes estão ainda se consolidando, e formando suas propostas, bases teóricas, estratégias, e conhecimento. Acredito que há uma certa invisibilidade destes movimentos, ou ainda, uma leve desconfiança por parte da própria esquerda, e é necessário que estejamos abertas e abertos a novas propostas de organização, pois as mudanças são inevitáveis ao curso d história, assim como as contradições.

    Meus estudos e minha prática enquanto cientista social caminham no sentido de buscar compreender estas novas formas de organização dos movimentos sociais, que lutam para que os territórios deixem de ser alienados da população negra e periférica. Enquanto isso, vemos o sangue pingar, não só na história de nosso país, mas também de maneira globalizada. Apesar do cenário assutador, gosto de pensar na frase "o pessimismo da realidade, o otimismo da vontade" para assim buscar construir as forças que podem barrar essa onda que cresce e que é militarista, machista e capitalista.

    Saudações!
    Vanessa Fernandes Santos
    xfersanx@gmail.com


    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Prezada Vanessa, concordo com sua colocação "a bruxa está solta!" Expressão que para nós brasileiros é motivo de reação imediata, pois significa que há um perigo eminente e assustador. Você colocou muito bem, amanhã dia 8 de março, dia em que comemoramos o dia da mulher, deve ser um dia de otimismo da vontade. Abraços desde Ribeirão Preto (Andrea Coelho Lastória - FFCLRP / USP / BRASIL)

      Eliminar
  86. Dominyque Domingos de Oliveira6 de marzo de 2017, 17:27

    Dominyque Domingos de Oliveira
    Graduanda em Ciências Sociais na UNESP - Marília

    Como apontado, as lutas de 80 no Brasil abriram margem para um período de redemocratização, com isto foi possível à chegada do PT ao governo, pois correspondia à promessa de grandes mudanças na distribuição de renda. No entanto, a proposta política petista de conciliação de classes chegou ao seu limite e podemos dizer até mesmo que “cavou sua própria cova”. Ao pensarmos em ganhos ou avanços do Governo do PT devemos superar as discussões pautadas somente nas políticas de redistribuição de renda e legitimação dos direitos sociais e focar no que deve se propor um governo dito de esquerda: em que medida avançamos na formação de consciência de classe dos pobres? Mais que isso, em que medida essas políticas empreendidas pelo próprio PT contribuíram para essa formação de consciência? É claro que não deslegitimo a importância dessas políticas, não estou aqui falando “quanto pior as condições dos pobres, melhor as condições de se fazer Revolução”. Essas medidas foram importantes, sobretudo para tirar brasileiras e brasileiros da linha da miséria e também possibilitar maior escolaridade. No entanto, estas políticas, principalmente quando aplicadas à Educação, também alimentaram um mito: o de que é só “correr atrás” para conseguir ascensão social, a MERITOCRACIA, é só fazer por merecer, que se consegue. Com a atual crise econômica a nível internacional foi necessário para às elites brasileiras alinhar-se mais fielmente às políticas neoliberais, e qual é o principal discurso do neoliberalismo senão cortes de gastos e meritocracia? Assim, apesar de fazer mudanças administrativas de “redistribuição” o PT deixou para trás preocupações com as questões ideológicas da própria classe que o elegeu .
    Ao assumir o Governo, não houve pronunciamentos claros para a população em relação às tomadas de decisões e as “democracias participativas” fomentadas em algumas instituições (como escolas, por exemplo) não passaram de uma caixa vazia de conteúdo, consequências da democracia representativa vigente, que não é uma política feita por quem sofre os problemas e sim por políticos profissionais. Assim, as manifestações de esquerda de Junho 2013 e as próprias ocupações de escolas demonstram a insuficiência dessa estrutura. No entanto elas são o estopim de um processo e não o processo em si, pois já no primeiro mandato de Lula várias tribos indígenas colocavam-se contra medidas de expulsão destes nativos de suas terras e também já em 2003 a Flaskô – fábrica situada no interior de São Paulo que há 12 anos resiste sendo ocupada e autogestionada pelas próprias trabalhadoras e trabalhadores – denunciavam a traição de Lula ao decretar a reintegração de posse da fábrica quando esta foi ocupada. Com isso quero apontar que a polarização apontada não deve ser entendida como algo recente e sim como resultado desse processo que foi abafado durante todo o Governo petista. Outro marco desta disputa abafadasão as pautas e projetos da Direita como o “Escola Sem Partido” fomentado por empresários, políticos e (pasmem!) intelectuais desde 2006 e que aparece agora como algo novo e recente. Por isto aponto que o PT deu o punhal para aquele que o apunhalou, a própria aliança com o PMDB demonstra a perspectiva de conciliação e outro fato importante é: com a impossibilidade de um terceiro mandato de Lula, este teve que indicar Dilma, esta no entanto, não possui o carisma necessário para corresponder ao populismo latino-americano que fomentou “governos de esquerda”, demonstrando um grande enfraquecimento do PT junto à própria população que anteriormente o elegeu.
    [continua]

    ResponderEliminar
  87. Dominyque Domingos de Oliveira6 de marzo de 2017, 17:29

    [continuação]

    A grande mídia, principalmente a Rede Globo, faz parte desta elite e há também importantes articulações dentro da mídia que possibilitaram o Golpe Institucional de 16. A perca da TV Cultura como canal de oposição, ou melhor, a compra de parte da TV Cultura pela Rede Globo minou um dos pouquíssimos canais de TV Aberta com uma perspectiva mais crítica e hoje o Jornal da Cultura cumpre o papel de legitimar teorias reacionárias na TV aberta – colocando-se abertamente a favor das políticas do Governo Temer. O mais engraçado é ver a indignação dessa mídia com a vitória de Donald Trump, mostrando quase todos os dias manifestações contrárias a ele ocorridas nos E.U.A, ao mesmo tempo que não dá um pio sobre as manifestações do Brasil contra Michel Temer. Apesar da grande influência das redes sociais para as manifestações é o Jornal Nacional que a grande massa de pessoas assistem todas as noites, inclusive aquelas chamadas “analfabetas digitais” que ainda não se inseriram (ou foram inseridas) na rotina da internet.
    Além disso, as redes sociais, assim como foram os jornais escritos um dia, podem ter força de disseminação da informação , mas não vão para as ruas e sim, pessoas. Portanto, estas são somente instrumentos de mobilização e não a mobilização em si, de modo que precisamos voltar a conversar e se necessário, bater boca sobre política cara a cara. Curtidas não derrubam as injustiças sociais. Lembrando o que disse Maurício Tratemberg: “Reformas são a garantia de que nada vai mudar” e Temer já nos enfia goela abaixo várias Reformas: Previdência e Trabalhista, Ensino Médio, entre outras. E aí, vamos para as ruas ou a politização acaba no facebook?
    Viva a luta pela Educação Pública, gratuita, laica e de qualidade!
    Dominyque Domingos de Oliveira
    dominyque.ddo@gmail.com

    ResponderEliminar
  88. LUCAS SIMPLICIO DA SILVA
    UNESP - FFC MARÍLIA

    Inicialmente parabenizo a inciativa deste fórum, discutir qualquer assunto com este entusiamo sempre traz bons resultados. Ressalto ainda a importância desa discussão ser direcionada para tentarmos entender a complexidade e diversidade realidade latino-americana.
    As propostas elencadas são pertinentes e estão muito relacionadas se tentarmos enxergar as conjunturas latino-americana por meio da totalidade.
    Pois bem, não gosto de dizer que o Brasil é um país atrasado ou subdesenvolvido, sem ao menos mencionar que é um país injusto. Pensar a condição econômica e social faz esses conceitos variarem de acordo com a época que são mais pronunciadas, ainda mais nos últimos tempos. De qualquer forma, qualquer análise que façamos no período atual tem que estar revestida por essa realidade, somos um país extremamente desigual e injusto.
    Isso se choca com nosso potencial econômico. Hoje temos uma economia de forte desenvolvimento urbano industrial que nos caracteriza como exportador primário ou liberal-periférico, e, mesmo ainda sendo a sétima economia do mundo, vemos que a remuneração do trabalho é extremamente menor do que a remuneração dos lucros do capital.
    Entretanto, nossas contradições são gigantescas e é importante ressaltar esses antigos problemas para pesarmos essas pautas e ou então qual tipo de economia que queremos. Os índices de saúde pública, analfabetismo, expectativa de vida, violência, carceragem, homicídios, homicídios por policiais, desmatamento, desemprego, e, entre outras tão importantes, são índices que aparentemente as medidas do governo golpista, a ascensão do conservadorismo e a politica neoliberal não estão preocupadas. Alias, esses e outros índices só são mencionados com aparentemente um grau de preocupação quando o interesse é atacar e dominar hegemonicamente as decisões politicas.
    Vejo o quão belo é nosso país e o quanto promissor ele pode ser, vejo a grandiosidade da nossa rica cultura e economia, acredito que todos veem isso. E justamente por ver essas coisas acredito que é de extrema importância fazer a crítica política sobre qual governo que vivemos, digo isso porque a realidade não nos deixar negar que toda economia deriva de decisões políticas, e essas decisões são quem mantém a desigualdade injustiça na qual vivemos.

    ResponderEliminar
  89. Pedro Rodrigues Alves
    pedro.rodriguesalves21@gmail.com
    Graduando em Ciências Sociais
    UNESP - FFC - Marília

    O processo histórico do declínio da influência norte-americana nos países da América do Sul

    Primeiramente é necessário pontuar que é muito complicado analisar o processo do aumento ou da queda da influência norte-americana na América Latina, pelo fato de que ocorre uma grande distinção de como essa influência ocorre no México e na América Central em comparação com a América do Sul. Com a instituição do NAFTA, que entrou em vigor em 1994, a influência econômica do Estados Unidos sobre o México avançou fortemente. De modo similar, em 2005, foi fechado um acordo de livre comércio com a República Dominicana e cinco países da América Central (Costa Rica, El Salvador, Guatemala, Honduras e Nicarágua). Esses tipos de acordos firmados com o Estados Unidos criam uma diferenciação entre o modo que a influência norte-americana avança nesses países em comparação com a América do Sul.
    Dentro da América do Sul existem dois projetos que disputam um papel de influência econômica: A influência norte-americana e uma influência originária do Mercosul. Enquanto o plano da Mercosul é criar uma integração comercial entre os países integrantes da América do Sul, rompendo com uma dependência norte-americana, o plano dos Estados Unidos é de criar uma integração comercial entre todos os países da América, desde as pequenas ilhas existentes na América Central, até países como Canadá e Brasil. Nesse sentido, ainda é possível sentir uma forte influência norte-americana nos países da América do Sul, ainda mais com de livre comércio com a Colômbia e o Peru, mas esses contratos mostram uma forte característica do governo norte-americano, não ocorre negociações amplas, sendo que os detalhes do contrato são feitos a partir de demandas dos país da América do Norte, negociam-se apenas aspectos secundários, minúcias operacionais, prazos de implementação etc.

    ResponderEliminar
  90. [continuação]

    Com a chegada do dos anos 2000, os Estados Unidos perceberam que suas influências políticas na América do Sul já não eram tão fortes quanto nos anos 90, quando todos ou quase todos os países da América Latina eram governados por políticos alinhados aos Estados Unidos em maior ou menor grau. Com a queda da influência, começa a cair também os acordos criados a partir desse poder político e as economias cresceram pouco nesse período e a geração de empregos foi insuficiente. Agravaram-se os desequilíbrios de balanço de pagamentos e a vulnerabilidade externa. A renda continuou extremamente concentrada e persistiu um quadro de pobreza ou miséria para grande parte da população. Esse quadro político gerado pela influência americana gerou uma insatisfação das populações com os governos locais e isso acarretou em uma mudança no perfil do político eleitos nesses locais. Nesse período os políticos eleitos na maior parte da América do Sul foram governos que se situavam do centro para a esquerda do espectro político. Em alguns casos, as mudanças foram mais tímidas e graduais. Mas prevalece um certo distanciamento em relação às políticas econômicas e internacionais dos anos 90. Esse processo foi presente também no Brasil, nesse período foi eleito o presidente Lula, que apesar de se manter economicamente um tanto quanto conservadora, ocorreram mudanças importantes no plano macroeconômico e na política externa brasileira, além do papel fundamental que os governos do PT tiveram no fortalecimento do Mercosul e do BRICS. Apesar do fato de que nos últimos anos vários desses governos centro ou esquerda deram espaço a governos liberais, como é o caso da Argentina com o presidente Macri, a influência norte-americana ainda não conseguiu voltar a força que tinha nos anos 90, o fortalecimento das alianças comerciais dos países sul-americanos e com países como Rússia e China, tem fortalecido as economias locais, dificultando a entrada do Estados Unidos nesses mercados, mas é preciso ter atenção, pois o governo norte-americano sempre teve intenções de conquistar o mercado da América do Sul e um momento de crise mundial pode aumentar ainda mais essa necessidade, apesar do fato de que seu atual presidente, Donald Trump, vem demonstrando mais preocupações voltadas a ampliação do mercado interno americano.

    ResponderEliminar
  91. Notamos que a diversidade da realidade latino-americana, vem sendo construída desde a pré-história, pois toda cultura nasce juntamente com o seu povo, ou seja precisa sim da participação de todos.
    Notamos que a China vem crescendo cada vez no mercado em diversas áreas, tanto é que ela é uma das maiores economias do mundo, perdendo apenas para os EUA e as duas grandes cabeças do mundo estão em destaque no G-8, juntamente com o Brasil que mesmo ainda na crise que vem sofrendo ápos o ato de impeachment, também pertence a umas das maiores economias do mundo.
    Ainda deve ser resaltado que apesar do nosso país (Brasil), possuir um estado laico, a Igreja e sua doutrina é sempre ressaltada na política, não só em determinados partidos, mas sim na maioria deles, fazendo com que parte do povo se comova com os discursos feitos por quem esta em Brasília e dessa forma juntamente com os veículos de mídia dísponiveis, tornando o povo que pertence a essa sociedade maninupulados e alienados, ou seja, influenciando muito na opinião pública.
    São exatamente esses atos da mídia e da política que tornam cidadãos marginalizados, fazendo com que a distribução de renda seja desigual, segregando o poder na mão de poucos, fazendo com que os partidos tenham cada vez mais dinheiro para beneficiar aqueles que colaboram com eles, enquanto os mais pobres vão ficando cada vez mais exclusos e sem voz de opinião.
    Heloisa Mendes, aluna da Universidade de São Paulo na unidade da Faculdade de Fisolofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto, graduanda do terceiro ano do curso de Pedagogia.

    ResponderEliminar
  92. O Brasil é um país desigual e cheio de injustiças, acredito que para este fato ser modificado precisamos investir mais em educação. Nossos políticos infelizmente querem continuar controlando o povo, para que a elite continue no poder, mascaram a situação dando alguns benefícios com intenção de dar a falsa sensação de melhoria na desigualdade social.
    Como está acontecendo atualmente no governo Temer, com os cortes na saúde, educação e o retrocesso da reforma da previdência, o governo máscara todos os pontos negativos dos fatos que estão ocorrendo através da mídia que controla o telespectador com propagandas enganosas, como se a medida fosse o melhor para nós. Precisamos nos unir para lutarmos contra todo esse retrocesso, fazer críticas a toda essa política desigual em que estamos vivendo, pois nosso país é belo e promissor, rico em cultura e economia.
    Adriane Bertoloto de Camargo graduanda em Pedagogia na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto/ Universidade de São Paulo, Brasil.

    ResponderEliminar
  93. O tema da discussão nos permite refletir sobre o atual conservadorismo que está invadindo dia a dia todas as instâncias do Brasil! Ele vem de um grupo que se juntou a fim de se fortalecer, e fortalecer os assuntos que lhe convém. Desta forma, este grupo de minorias é representado em linhas gerais do conservadorismo, e este movimento vem crescendo e unindo forças a partir de seus particularismos, mas que no final das contas podem der representados de forma geral pelo desejo de apagar a diversidade.
    O que acaba acabara gerando uma sociedade brasileira marcada por uma classe média que se vê na posição de “consumidores e privilegiados”. Assim, ao se encontrarem em um grupo que possuí cadeias de equivalências em sua forma de pensar, acabam por estruturar um conjunto de ideias e propagá-las a sociedade, fazendo com que cada vez a pluralidade se apague.
    Sem contar que não dá para negar que a mídia tem uma participação ativa neste movimento conservador, e que esta usa de meios para a manipulação da opinião pública brasileira. Fazendo assim que a população seja usada como massa de manobra deste grupo, deixando os alienados e a mercê de suas vontades. E isso tudo acaba gerando em nossa sociedade a marginalização dos cidadãos, o abafamento de suas vozes e opiniões e o apagamento de sua diversidade.
    Maria Julia Manhani Rosa graduanda em Pedagogia na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto/ Universidade de São Paulo, Brasil.

    ResponderEliminar
  94. O texto me permitiu pensar nas estruturas sociais e como a mídia é instrumento de propagação dessa desigualdade.
    É interessante para os detentores de poder manterem essa visão da méritocracia onde se ilustra que todos nós temos as mesmas chances de atingir os mesmos pontos, ignorando as desigualdades sociais e economicas vigentes que claramente interferem no cotidiano inclusive de questões básicas como educação e saúde.
    A escola tem servido como instrumento de propagação de desigualdades a partir de um modelo educacional que exige das pessoas um ponto igual ignoranto as diferenças entre as realidades dos alunos e repassando assuntos que o governo sente que são necessários de acordo com a classe social em que este está inserido.
    A mídia também colabora nisso de acordo não só as informações selecionadas que são propagadas mas também a medida que criam padrões de comportamento e consumo desleais e ajudam na marginalização daqueles que não se enquadram.
    Maria rita Mattos de Oliveira Lança. graduanda de pedagogia na ffclrp.

    ResponderEliminar
  95. O tema em questão aborda inúmeros problemas da atual conjuntura mundial, sendo assim muita coisa pode ser debatida. Pensando no Brasil e sua atual conjuntura, está longe de ser um país ideal de igualdade, justiça e democracia. Desde que o vice presidente Michel Temer assumiu a presidência através de um golpe, a cada dia que passa o brasileiro perde um direito civil e social e quase nunca fica sabendo. Um exemplo é a reforma da previdência, que causou grande revolta através dos movimentos sindicais e greves de professores de escolas e funcionários de outros setores. A problemática é que a mídia mostra a greve como sendo apenas por melhoria dos salários e não mostra um dos principais motivos que é a reforma da previdência, uma reforma que prejudica a classe operária e mostra as reais intenções do governo. Ou seja, manutenção do status quo da sociedade brasileira, pois a desigualdade entra as classes com certeza não irá diminuir com essas medidas governamentais. E o que aparenta é que a população está de olhos vendados para todos os acontecimentos políticos, o que é de certa forma uma crítica elitista. Considerando que a maioria da população tem acesso a mídias conservadoras e pró governo Temer, e nem toda a população tem acesso a internet. Sobrando assim um grande peso sobre os movimentos sociais e sindicais, de se movimentar e protestar contra as desigualdades existentes no país, seja na educação, saúde, moradia etc. Os movimentos sociais também falham muito e a esquerda acaba ficando dividida, considerando que o Brasil não é um país democrático e justo para a maioria da população. Pois enquanto alguns sites considerados de esquerda estão discutindo as pinturas sobre os muros de grafite em São Paulo, a população negra e LGBT contínua sendo morta no país. E essa grande maioria que é minoria no país não tem acesso a direitos básicos como educação, moradia, como se não fossem cidadãos brasileiros. E cresce o número de haters on-line, que utilizam a internet para aplaudir frases do Bolsonaro apoiando a didatura e o estupro. Para algumas pessoas o conservadorismo e o preconceito tem crescido, na verdade ele sempre existiu, apenas está ganhando visibilidade através da internet.
    Concluindo, o Brasil ainda precisa mudar e muito para ser considerado um país democrático e igualitário para todos.
    Sara Louise Caroni graduanda em Pedagogia na Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Ribeirão Preto/ Universidade de São Paulo, Brasil.

    ResponderEliminar
  96. A mídia brasileira notoriamente tende de acordo com seus interesses políticos, o jornalismo que deveria ser ético e imparcial, no Brasil acaba sendo manipulador. Em assuntos político-sociais aqueles desprovidos de informações acabam tendendo de acordo com o que a mídia está mostrando, já que o impacto desta é evidente na população. A mídia por ser comprada, edita informações de maneira que possa beneficiar apenas um lado da história, dessa maneira ela impossibilita que a história chegue integralmente aos cidadãos, podemos perceber que ainda hoje a mídia é grande formadora de opiniões, pois para algumas pessoas é o único meio de informação.
    Nas redes sociais vemos calorosas discussões políticas, grande parte delas de maneira desrespeitosa, mas vemos que de alguma forma há participação da sociedade na política, cada um expondo seu próprio ponto de vista sem haver de fato uma indução causada pela mídia, mas não adianta somente existir discussões em redes sociais sem a mobilização da população, pois esta é somente um instrumento para comunicação e organização.
    Não é de hoje que existe omissão e manipulação de informações que poderá influenciar no país, o que devemos fazer é procurar diferentes fontes de informações a fim de formarmos a nossa própria opinião e mesmo assim encontraremos no caminho muitas fontes tendenciosas.
    Danielle Ingrid Silveira Lopes graduanda em Pedagogia na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto/ Universidade de São Paulo, Brasil.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Creo que este asunto es muy importante para el estudio de la geografía e historia de los diferentes lugares, independientemente de la escala elegida.
      Las empresas de los medios de comunicación quieren ganar dinero y transforman los hechos en espectáculo, lo que genera la sensación de estar siempre en una realidad ilusoria. Pero además difunden las noticias como medias verdades o como mentiras enteras. En ambos casos las noticias son epidermis de la realidad, por lo que es necesario buscar las causas profundas que explican los hechos y fenomenos sociales. Aquí es donde tiene sentido el uso de los conceptos y teorías propias de la geografía e historia, pues permiten indagar lo que hay bajo la superficie y que se oculta en el negocio y el espectáculo
      Una educación geográfica destinada a explicar las desigualdades sociales y los problemas ambientales puede descubrir este engaño de las noticias respecto a la realidad
      Un saludo
      Xosé M

      Eliminar
    2. Estimado Professor Xosé Souto,
      Concordo plenamente com você. Sua observação sobre as empresas de comunicação veiculam apenas informações e notícias selecionadas por elas e que asseguram suas próprias concepções ideológicas. No Brasil, o maior canal aberto de TV, a rede Globo, mascara a realidade, não mostra o que pode está acontecendo em várias partes do país. Há um grupo de indígenas que estão AGORA manifestando contra a demarcação de suas terras em Brasília, capital do país. Isso não está sendo mostrado. Hoje, estamos em GREVE GERAL, pois em todas as cidades brasileiras VÁRIOS professores, alunos, trabalhadores de muitos segmentos, aposentados, dentre outros, estão manifestando a sua REVOLTA contra o atual governo federal que tem destruído direitos adquiridos pelos trabalhadores, dentre eles, o direito de aposentadoria. Este está seriamente em risco no Brasil. A Educação geográfica é central nessa discussão política e os professores de Geografia do Brasil, de todos os estados da nação, estão hoje protestando para que as complexas relações entre SOCIEDADE E NATUREZA possam continuar sendo ensinadas e aprendidas com suas mais variadas desigualdades. Saudações desde o Brasil, Professora Dra. Andrea Lastória, FFCLRP / USP, Ribeirão Preto -SP, BRASIL

      Eliminar
  97. A partir do texto lido, há questões presentes no atual cenário brasileiro, envolvendo mudanças na área da educação que não são favoráveis à população brasileira. Pode-se perceber que o estado procura visar lucros econômicos, com o corte de gastos nas áreas sociais para que haja a crescente no capitalismo, fazendo com que exista uma defasagem na educação, saúde, deixando o país à mercê das privatizações.
    Além disso, a escola sem partido é um projeto de lei que exclui a autonomia do professor dentro de sala de aula, não permitindo que ele dê opiniões sócio econômicas, político-partidárias, entre outras, visto que há um silenciamento na sua função de docência. Assim, a falta de informação e debate dentro da sala de aula, faz com que não haja o estímulo reflexivo por parte dos alunos sobre a realidade em que vivem.
    Outro fator que contribui com as desigualdades sociais é a mídia que procura manter a monopolização do poder, sendo comandada por uma classe dominante, que tem o intuito de reproduzir seus ideais, tornando-as universais.
    Portanto, é necessário que o professor não se omita, e proporcione espaço para debates em sala de aula, para que os alunos possam-se tornar cidadãos críticos e não aceitem sem questionar o que é imposto, a fim de que haja uma possível transformação da sociedade.

    Brenda de Lima Oliveira e Paula Aguiar Lorenzato, alunas do curso de Pedagogia, da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto/ Universidade de São Paulo, Brasil.

    ResponderEliminar
  98. Estas questões levantadas para a discussão são pertinentes tendo em vista a crise em que o país se encontra.
    Uma crise econômica, onde pagamos e devemos mais ao governo do que nossos salários conseguem pagar, tarifas e mais tarifas, para contemplar gastos exorbitantes da má administração pública. Fazendo com que nos tornemos reféns de tarifas, taxas e impostos, sem um retorno para o povo, sociedade.
    O que leva a outra crise que estamos enfrentando uma crise social, onde saúde, educação e segurança pública estão completamente em colapso. Greves em busca de melhorias no salário e condições de trabalho, entretanto a qualidade no atendimento continua a desejar, faltando material de trabalho, remédios. Na educação a qualidade de ensino esta em declínio, tendo em vista a falta de formação do professor e um curriculo engessado, não promovendo a formação de um aluno crítico.
    E a crise política, pela instabilidade em que nosso país passa tendo em vista o recente impeachment da ex presidente Dilma Rousseff. E recentes reformas na previdência, na educação, escola sem partido. Isso nos faz problematizar a respeito desta crise que nos cerca, politicamente, socialmente e economicamente.
    Em meio a estas crises temos a mídia, com seu forte poder controlador e influenciador, em que o texto abordado pelo Jaeme Luiz Callai também discorre. Podemos observar alem de programas, telejornais e emissoras que fazem questão deixar claro o lado que estão, omitindo fatos e colocando apenas uma unica verdade. Temos também até propagandas que são constantemente divulgadas nos meios de comunicações promovendo a reforma do ensino, de um curriculo excludente, retirando ainda mais o ensino de História, Geografia e Sociologia, deixando cada vez mais difícil a formação de um aluno crítico.
    E gostaria de encerra o comentário, também refletindo e indignada com essa falta e a dificuldade de governos populares realizarem mudanças consistentes e duradouras da distribuição de renda e desta desigualdade social que vivemos. Em que infelizmente na maioria das vezes o "rico" fica imune e o "pobre" paga a conta.
    Fica aqui a importância de um professor crítico e que forme um aluno, que questione, que seja crítico, tenha e seja um formador de opinião.

    Lizzie Rocco Lara. Discente do curso de Pedagogia, da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto/ Universidade de São Paulo, Brasil.

    ResponderEliminar
  99. Este comentario ha sido eliminado por el autor.

    ResponderEliminar
  100. Estamos passando por um periodo, que na minha opinião, esta prevalecendo mais do que nunca, o poder dos mais ricos sobre os mais pobres, dos ''grandes'' sobre os ''pequenos''. Infelizmente, notamos que o dinheiro tem grande influência na nossa sociedade. Todos os dias, noticias da precariedade da educação, saude e bem estar da população estão nos mostrando que algo de muito errado esta acontecendo, (e não é de hoje). Essa má destribuição de renda, dinheiro público mal gasto ou sendo desviado, como rotina por aqui, faz com que a desigualdade social cresça a cada dia, diferenciando cada vez mas a população pobre, que não tem o que comer, onde morar e nem onde se tratar de doenças, da rica, que possui todos esses beneficios, os melhores hospitais e etc...
    A mídia brasileira, como sabemos, pende pra esse lado mais rico, mais ''poderoso'', divulgando apenas o que lhes é necessário e não o que a população realmente deveria ver, as verdades sujas que acontecem todos os dias e que poucos tem informação.
    Vejo agora, com essa onda de privatizações que estão sendo planejadas, até da USP, o crescimento dessa desigualdade, pois para estudar na melhor universidade do Brasil, e uma das melhores do mundo, também terá que ter aquele pequeno divisor de classes, chamado '' dinheiro''.
    Stéfano Girotto, aluno do curso de Pedagogia, da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto/ Universidade de São Paulo, Brasil.

    ResponderEliminar
  101. Desde mi punto de vista queda claro que la educación, especialmente en el ámbito de las Ciencias Sociales no puede permanecer al margen de los sucesos políticos que tienen lugar a distintas escalas.

    En primer lugar y en coincidencia con algunos de los comentarios aquí expuestos, queda claro que algo no se está haciendo bien las aulas cuando existe una tendencia prácticamente global a que los jóvenes tiendan a dejar de participar en política. Que ocurra esto, significa que desde las aulas no se está consiguiendo transmitir la relevancia de la participación ciudadana.
    Este alejamiento de los parte de los jóvenes de la política, es más preocupante aún si tenemos en cuenta la situación política que se vive a a escala mundial, con el ascenso de Trump a la presidencia de Estados Unidos, el ascenso de la extrema derecha en Europa de mano de partidos neofascistas como el Frente Nacional francés, o la corrupción casi generalizada en algunos gobiernos como ocurre en Brasil i otros países latinoamericanos,(también en España).
    El orden político actual urge de un mayor esfuerzo por desde las aulas por fomentar una ciudadanía participativa, responsable y consciente de los problemas locales, estatales y globales, que sepa identificar los problemas y que sea capaz de plantear soluciones. Todo esto pasa necesariamente por hacer sentir a los alumnos que tienen un papel relevante en la sociedad y que pueden a través de su participación cambiar y luchar contra las crisis sociales que afectan en estos momentos a las distintas naciones europeas y americanas .

    Ausiàs Boscà Gimeno. Graduado en Geografia y Medio Ambiente y estudiante de Máster de Educación Secundaria. Universidad de Valencia.

    ResponderEliminar
  102. Este comentario ha sido eliminado por el autor.

    ResponderEliminar
  103. Olá meus caros colegas,

    Após a leitura do texto e de alguns comentários,venho deixar minha contribuição a esse fórum, que busca o debate entres as relações política, sociedade, educação e ciências sociais.
    É fato nos últimos anos o mundo passou por uma profunda crise econômica, gerando um retrocesso financeiro entre todas as classes das mais baixas as mais elevadas, porém, principalmente no Brasil, o que se vê novamente é o distanciamento entre as classes sociais, gerando um grande "abismo" no que se refere a desigualdade.Essa culpa, passa pelo fato dos Partidos Políticos fecharem o pensamento em benefício próprio, esquecendo de governar pelo povo, cada vez mais se nota uma briga política para se ter o controle do país, não importando se nesse processo acabe sucateando algumas áreas, como por exemplo: a educação. O cenário atual das políticas públicas de educação no país são desanimadora, tanto a comunidade escolar, aos professores e principalmente aos alunos. A Modernidade traz consigo a informatização e a comunicação embora no ano de 2017 e difícil encontrar, alguém que não esteja conectados em alguma rede social, encontramos uma subjetividade nas principais informações coletadas por essa massa,ou seja, em outras palavras, há claramente uma mídia tendenciosa que controla o que é visto e principalmente de que forma será visto, o mundo atual se preocupa em ter o maior número de informações possíveis,não se aprofundando, sendo mais fácil ter o controle sobre essas pessoas.Por fim, o que vemos no Brasil hoje, é a política tentando acabar com as ciências sociais, mas deixo minha pergunta, porque sucatear a educação das ciências sociais, afinal, é ela a responsável por formar o ser crítico, que sera um cidadão, incumbência essa a educação que inclusive se encontra na constituição vigente em nosso país.

    Waldemar José Veiga Neto, integrante do Grupo Elo e aluno especial da disciplina Geografia e História Escolar e suas Didáticas: Práticas Escolares, Propostas Curriculares, Políticas Públicas e Pesquisas - Profa. Dra. Andrea Coelho Lastória
    Ribeirão Preto- SP, Brasil

    ResponderEliminar
  104. Queridos amigos y amigas
    La grave situación que se está viviendo en Catalunya nos obliga a manifestar nuestros deseos y ejercer una ciudadanía activa y responsable.
    En Catalunya se habñia aprobado la modificación de su Estatuto hace siete años para que se pudiera reconocer en las relaciones sociales y políticas el espacio vivido de la identidad territorial catalana, tal como la sienten y viven algunas personas.
    Después de ser aprobado por las Cámaras de Catalunya y España, una conjunción de interess politicos y jurídicos amputó este acuerdo. rompió el consenso que se había alcanzado. La responsabilidad es obvia: el partido Popular, que hoy gobierna en españa.
    A partir de este hecho el independentismo aumenta, pues no se ve otra salida que represetnar sus identidades del espacio vivido en un espacio concebido por parte los propios catalanes, lo que les incita a separarse de otros catalanes, que quieren vivir en el marco común de España.
    Esta situación política no la han sabido afrontar los políticos profesionales, aquellos que viven de nuestros salarios. Y ahora quieren reffugiarse en la legalidad jurídica.
    Hemos de analizar con cuidado los hechos, diferenciando como personas educadas en Geografía lo que suponen las vivencias (con sus sentimientos y emociones) de las racionalidades del espacio territorial político y de la repsresentación que aparece en el resto de España, donde la responsabilidad de los medios de comunicación es enorme
    Una magnífica oportunidad para pensar y mostrar la utilidad de la didáctica de la geografía
    Xosé m

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Ricard Camil Torres Fabra23 de septiembre de 2017, 1:40

      No suelo participar a menudo en los foros por la sencilla razón que muchas cuestiones de las tratadas dan lugar a un interminable diálogo. Ahora bien, coincido con el profesor Xose Souto en la extrema gravedad de la doble situación política española y catalana con sus respectivos y conectados corolarios.
      Los hechos demuestran que el marco convivencial establecido con la Constitución de 1978 se ha roto. Y señales de su agonía vienen arrastrándose desde la última legislatura de Zapatero, con un Partido Popular que no aprendió la lección de los atentados de Madrid primero y del Movimiento 15-M después.
      Lejos de asumir la representación nacional, los populares se han ido enquistando en sus propios intereses –y corruptelas- despreciando el consenso social y atrincherándose en triunfos electorales cada vez más magros, atenuados por la pasividad y división de la oposición, confiando ciegamente en un poder judicial casi completamente domesticado y apelando constantemente a una legalidad interesada proporcionada por la Constitución.
      La política de Rajoy, consistente en confiar que los problemas se solucionarán bien por hastío o bien por la aparición de otros que los desplazaran expiró en el mismo momento en que, precisamente, ni expiraban ni eran reemplazados: Cataluña, en definitiva, donde se ha pasado de los despreciados independentistas, “cuatro gatos” a centenares de miles a una velocidad de vértigo: el trato fiscal desigual, las irrisorias inversiones en infraestructuras y el rechazo a cualquier forma de dialogo exceptuando el insulto y la amenaza, ente otros, ha llevado a esta situación.
      Resultado: ya no hay lugar para negociaciones y la sociedad española se ha roto. No se vislumbra posibilidad de consenso. Los españoles no catalanes divididos entre los demócratas partidarios del derecho de expresión y los autoritarios, decididos a frenar lo que ya no se puede siquiera amortiguar. Y en Cataluña lo mismo con un creciente peso de la balanza hacia la solución emancipadora en detrimento de los convivencialistas.
      Muy grave. Los españoles demócratas y los autoritarios van a tener difícil encontrar un consenso político democrático, y lo mismo en Cataluña, por lo que se desprende que las vías judiciales van a ser los principales ejes vertebradores de la política venidera inmediata, pero con las excesivas, inoportunas e interesadas decisiones que han ido dándose desde el poder judicial, no parece la solución política tanto si fracasa el movimiento independentista como si triunfa. Tanto en España como en Cataluña.
      El desequilibrio del doble poder, político y judicial, ni siquiera tiene opciones de ser rectificada desde los medios de comunicación, especialmente los televisivos y la prensa tradicional. El poder está en la calle y en las redes sociales –Cataluña- y los balbuceos de un gobierno al que se rinde la oposición en un intento de salvar lo insalvable tampoco sirve en España.
      Como apunta el profesor Xose Souto, los docentes debemos recoger este guante y participar con nuestro esfuerzo a superar la grave situación que se vive en pro de conseguir una sociedad democrática, más justa, solidaria y que responda a los verdaderos intereses generales luchando desde nuestras trincheras: las aulas y nuestros derechos y libertades. Sea cual sea el resultado de los actuales acontecimientos.
      Ricard Camil Torres Fabra.

      Eliminar
  105. Coincido con este profesor que habla claro y directo. Su explicación histórica puede ofrecer matices, pero el diagnóstico es muy útil para trabajar en als aulas:
    Los españoles no catalanes divididos entre los demócratas partidarios del derecho de expresión y los autoritarios, decididos a frenar lo que ya no se puede siquiera amortiguar. Y en Cataluña lo mismo con un creciente peso de la balanza hacia la solución emancipadora en detrimento de los convivencialistas.
    ¿Por qué se ha llegado a esta situación? ¿Qué tipo de educación ciudadana se ha desarrollado desde 1978? Es una responsabilidad que implica al gremio de profesores universitarios de didáctica de las ciencias sociales, así como los de Geografía, Historia, pedagogía y sociología. No podemos mirar a otro lado. Afrontemos el reto de la autocrítica y veamos lo que se ha hecho mal.
    Igual que sucede en Brasil, donde un golpe institucional ha cambiado las reglas de juego, vemos que la población asiste perpleja a un espectáculo en el que se está poniendo en riesgo los derechos y libertades alcanzadas tras años y siglos de lucha. Los juegos de rol y las redes sociales no son suficientes para explicar y actuar ante este bochornoso teatro que nos ofrecen los políticos pagados con el dinero del erario público

    ResponderEliminar
  106. Creo que Ricard Camil ha hecho un análisis bastante certero de la situación de conflicto que ahora mismo estamos viviendo, entre la perplejidad y la pena, los españoles y los catalanes. Y, como dice Xosé Manuel, además de la grave responsabilidad de los políticos,no tenemos más remedio que preguntarnos por la responsabilidad de los educadores y educadoras: ¿estamos formando ciudadanos/as o seguimos obsesionados con la impartición de contenidos académicos para que, en algún momento nuestros/as alumnos/as los utilicen -que no los utilizarán pues no les resultarán funcionales ni significativos en ese momento- para enfrentarse a los problemas reales? la alternativa, como desde el Geoforo venimos defendiendo, es trabajar directamente sobre los problemas sociales reales, candentes, vivos... y utilizar toda la potencia del conocimiento geográfico, del conocimiento histórico, del conocimiento social para hacer un análisis de esos problemas más complejo del que suelen hacer los políticos y para enseñar a afrontarlos de forma activa y comprometida. La mirada histórica (sociogenética también podríamos decir) es indispensable para afrontar el problema de Cataluña, y la capacidad de tratar sin miedo un "conflicto" negociando; así es como se aprende a convivir... Y la vida es con-vivir... Y esa es la función principal e ineludible de nosotros como docentes: enseñar a convivir.

    ResponderEliminar

Para participar en el debate tan solo tienes que hacer click en el título del debate, donde a continuación, además de aparecerte el texto a debatir, encontraras la manera de dejar tu comentario. Periódicamente, cada quince días, se renovarán los contenidos con el objetivo de de precisar el sentido, alcance y límite de los mismos. Para proponer nuevos debates escribe a:geoforo@gmail.com .