martes, 26 de octubre de 2021

FORO 28

 

Que professor e professora de Geografia e Ciências Sociais para o século XXI?

 

O professor é a alma do ensino

Manuel António Ferreira-Deusdado, 1890

 

O que deve ser um professor e uma professora de Geografia e Ciências Sociais, em concreto? Aparentemente, há um grande consenso sobre a importância do papel dos professores. Depois há perspetivas que os valorizam de forma diferente: quando as autoridades educativas determinam reformas educativas sem dialogar com os professores; quando responsáveis académicos indicam percursos, mais ou menos rígidos, que estes devem seguir; quando editoras escolares produzem planificações e recursos educativos para estes utilizarem nas suas aulas; quando os próprios professores reclamam que lhes indiquem os manuais que podem, ou não, utilizar e lhes forneçam os recursos educativos a utilizarem, há uma desvalorização ou auto-desvalorização do papel do professor. E, contudo, quantas vezes os alunos gostam de uma disciplina porque gostam do professor e no ano seguinte deixam de gostar da disciplina porque deixam de gostar do professor? Continua a ser verdade, como afirmou Manuel António-Ferreira Deusdado, a quem o ensino de Geografia em Portugal tanto deve, que “o professor é a alma do ensino”.

Naturalmente, não se pode ser bom professor de Geografia, de História ou de Matemática sem se possuir uma formação de base nestas áreas disciplinares. Não se tem de saber “tudo”, um professor estuda toda a vida, mas tem de possuir um domínio técnico-científico específico. Mas, naturalmente, um professor é alguém que gere relacionamentos na sala de aula, que desenvolve estratégias adequadas de trabalho e mobiliza os recursos adequados, que avalia – há uma componente “profissional” na sua atividade.

Mas, o que deve caraterizar o professor de Geografia e de Ciências Sociais, em geral? Esta é a questão que deixamos, em particular, aos jovens professores neste Foro e aos professores em formação, que estão em estágios de docência, treinando para ser professores no sistema escolar. Se a educação nos deve preparar para sermos pessoas corretas, atentas e empenhadas na nossa sociedade, dificilmente imaginamos que um bom professor destas áreas disciplinares possa ser alguém que não uma pessoa igualmente atenta, informada, sobre a sociedade; dificilmente imaginamos que não possa ser uma pessoa solidárias com os outros, um cidadão atento. Para se ser um bom professor de Geografia e Ciências Sociais, tem de se ser cidadão responsável.

Mas o que distinguirá o professor de Geografia e Ciências sociais dos restantes docentes será, precisamente, o seu compromisso social e ambiental, num mundo desigual e em risco de colapso dos ecossistemas. Uma atitude que o predispõe a explicar com rigor os problemas sociais que se escondem na superficialidade das informações que nos saturam nas redes sociais e nos meios de comunicação.

Neste fórum pretendemos que todas as pessoas interessadas na educação dos problemas sociais do espaço geográfico possam colocar as suas opiniões para a construção de um conhecimento partilhado. Esse é o desafio.

 

 

 

 

 

¿Qué profesor y profesora de Geografía y Ciencias Sociales para el siglo XXI?

 

El maestro es el alma de la enseñanza

Manuel António Ferreira-Deusdado, 1890

 

¿Qué debe ser una docente y un docente de Geografía y Ciencias Sociales, en particular? Al parecer, existe un gran consenso sobre la importancia del rol del docente. Sin embargo, hay perspectivas que las valoran de manera diferente: cuando las autoridades educativas determinan las reformas educativas sin dialogar con los docentes; cuando los funcionarios académicos señalen procedimientos, más o menos rígidos, que deben seguir; cuando los editores escolares elaboran planes y recursos educativos para que los utilicen en sus clases; cuando los propios docentes exigen que se les muestre qué manuales pueden o no pueden usar,  y les imponen los recursos educativos para emplear, se produce una devaluación o minusvaloración del rol del docente. Y, sin embargo, ¿cuántas veces a los estudiantes les gusta una asignatura porque les gusta el profesor y al año siguiente no les gusta la asignatura porque no les gusta el profesor? Sigue siendo cierto, como afirma Manuel António-Ferreira Deusdado, a quien tanto debe la enseñanza de la Geografía en Portugal, que “el maestro es el alma de la enseñanza”.

Naturalmente, no se puede ser un buen profesor de Geografía, Historia o Matemáticas sin tener una educación básica en estas materias. No hace falta saber “todo”, un profesor estudia toda su vida, pero tiene que tener un dominio técnico-científico específico. Pero, naturalmente, un maestro es alguien que gestiona las relaciones en el aula, que desarrolla estrategias de trabajo adecuadas y moviliza los recursos adecuados, que evalúa, mostrando un componente “profesional” en su actividad.

Pero, ¿qué debe caracterizar al docente de Geografía y Ciencias Sociales en general? Ésta es la cuestión que dejamos, en particular, a los jóvenes docentes en este Foro. A aquellas personas que se están formando para ser profesoras y profesores en el sistema escolar. Si la educación debe prepararnos para ser personas correctas, atentas y comprometidas en nuestra sociedad, difícilmente imaginamos que un buen docente en estas áreas disciplinarias pueda ser alguien más que una persona igualmente atenta e informada sobre la sociedad; difícilmente imaginamos que no puede ser una persona solidaria con los demás, un ciudadano atento. Para ser un buen profesor de Geografía y Ciencias Sociales hay que ser un ciudadano responsable.

Pero lo que distinguirá al profesor de Geografía y Ciencias Sociales del resto de profesores será, precisamente, su compromiso social y ambiental, en un mundo desigual y en riesgo de colapso de ecosistemas. Una actitud que le predispone a explicar con rigor los problemas sociales que están ocultos en la superficialidad de las informaciones que nos saturan en las redes sociales y en los medios de comunicación.

En este foro pretendemos que todas las personas interesadas en la educación de los problemas sociales en el espacio geográfico puedan expresar sus opiniones para construir un conocimiento compartido. Ese es el desafío.

209 comentarios:

  1. Soy Amparo Uña, estudiante de Magisterio en la uv, tercer curso. Mi opinión sobre la cuestión que se plantea en este foro es la siguiente:
    Un futuro docente de Geografía y Ciencias sociales ha de ser una persona responsable, y comprometida tanto con la sociedad como en el planeta, ya que los contenidos que va a enseñar a los estudiantes se relacionan directamente con su fututo y pueden tener una gran repercusión en sus vidas, así es, un profesor o una profesora puede llegar a influenciar un gran cambio en la opinión o en la actuación de uno de sus alumnos o alumnas.
    Por lo tanto, este docente ha de tener unos conocimientos técnicos sobre la asignatura, pero también ha de saber cómo enseñar a ser un buen ciudadano, como enseñar a vivir y eso solo se puede llevar a cabo a través de la experiencia.
    Está claro que cada persona tiene que desarrollar su propio pensamiento crítico, pero en este caso los docentes podemos servir de gran ayuda para guiar su camino.
    Por último, me gustaría comentar que me parece realmente cierto que en muchas ocasiones "a los estudiantes les gusta una asignatura porque les gusta el profesor y al año siguiente no les gusta porque no les gusta el profesor", esto es una realidad que sucede continuamente en las aulas y por ello los docentes deben de tener en cuenta la manera en la que dan sus clases y enfocan los procesos de enseñanza-aprendizaje.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Este primeiro comentário do Foro, de Amparo, evidencia bem algumas das exigências do que deve ser um um professor de Geografia e Ciências Sociais: ser um pessoa comprometida com a sociedade e o ambiente, possuir conhecimentos científicos específicos e, ao mesmo tempo, desenvolver o pensamento crítico. Enfim, conseguir cativar os alunos. Um desafio enorme, sempre de concretização incompleta, mas é fundamental termos consciência destes desafios!
      Sérgio Claudino, IGOT, ULIsboa

      Eliminar
    2. IGNACIO RAMOS ESTELLES30 de marzo de 2022, 10:21

      Ignacio Ramos Estellés, alumno del Máster en Profesor de Educación Secundaria en la UV. 30/03/2022
      Durante el Prácticum 2021/2022 del Máster en Profesor de Educación Secundaria he podido contemplar dos clases de Geografía por parte de un docente anclado en unas metodologías muy tradicionales, basadas en la transmisión unidireccional del contenido mientras los alumnos copiaban lo que iba diciendo el docente. Mi percepción sobre estas clases negativa ya que parecieron bastante tediosas y después de hablar con los alumnos del centro sobre la forma en que daba clases el profesor hay un claro consenso en lo aburrido que son esas clases, las cuales acaban por crear una gran desmotivación hacia la asignatura de la Geografía. Aunque también es cierto que dicen que por lo menos es más fácil aprobar porqué saben que con memorizar los contenidos y soltarlos en el examen les vale para aprobar. Otros métodos realizados por otros docentes, más centrados en actividades grupales y elaboración de trabajos resultan mucho más complicados de realizar por el tiempo que deben de invertir y por qué “nos hace pensar mucho sobre las cosas, para que demos una opinión argumentada y eso cuesta mucho de hacer y, por tanto, muchas veces no lo hacemos o respondemos con la primera idea que nos viene”. Me resultó chocante que “pensar” sobre algún tema para establecer una argumentación coherente y donde se les pide una opinión (por lo que vi en el instituto no están acostumbrados a que no se tenga su opinión en cuenta) les resultase demasiado complicado como para dejar de hacerlo. Un instituto que no fomenta este tipo de actividades acaba por normalizar en el alumnado una actitud negativa, no sé cómo definirla mejor, hacia la capacidad de reflexión, de pensar por el trabajo que conlleva hacerlo.
      Creo que la geografía es una asignatura que se presta a poder plantearse hacer clases mucho más prácticas e interesantes cómo el análisis de mapas o de conflictos geopolíticos como el que se está dando hoy día en Ucrania que pueden hacer que el alumnado encuentre más motivante y un sentido a dicha asignatura. Otra forma de motivarles sería trabajando a partir de su espacio, su contexto y de las concepciones que tienen. Para mis sesiones de Historia en el prácticum traté de trabajar a partir de sus ideas previas y el resultado fue bastante gratificante. Los alumnos se sintieron muy motivados y concentrados en lo que explicaba porque lo asociaban a su realidad. Los propios alumnos de 4 de la ESO comentaban que ojalá las clases de geografía hubiesen sido dadas más como las clases que estaban dando ahora en Historia, las cuales las impartía mi mentora, dónde hacía mucho debate, construcción de conocimiento a través de análisis de texto, periódicos, vídeos, etc. Conseguía que los alumnos sean el centro del proceso de enseñanza-aprendizaje, sin obviar la exposición clara de los contenidos por parte del docente. Estos alumnos, con esta nueva metodología implantada y asentada en todas sus sesiones de historia, no tienen como los de 3 de la ESO ese rechazo al acto de pensar, reflexionar y debatir críticamente.
      Por tanto, creo que son estrategias que evidencian (dada mi experiencia personal, aunque ya hay muchos estudios que lo avalan) una mejora en la motivación del alumnado y, como consecuencia, una mejora en los resultados del proceso de enseñanza-aprendizaje. En conclusión, realmente creo que como docentes debemos adoptar estas metodologías si queremos que los alumnos no generen un rechazo hacia la geografía y la enfrenten con más motivación y optimismo.

      Eliminar
  2. Buenas tardes a todos y todas:

    Soy Marta Estarca Andrés, de 3º A, de la asignatura Ciencias Sociales: aspectos básicos, en la Universitat de València. Tras haber leído este breve pero completo foro, me he interesado en aportar mi opinión al respecto y, quizás, esta valoración pueda complementar aquello que el autor ya ha escrito.

    Como bien dice dicho autor, un docente es aquel que va a estudiar toda su vida, que va a reciclarse para estar actualizado/a en su trabajo (esto es esencial en nuestra tarea profesional) y, sin embargo, se reconoce que no por esto debe conocerlo todo. Lo cierto es que no puedo estar más de acuerdo con esta afirmación, ya que, tanto en los ambientes en los que he estado en los últimos cursos académicos como en conversaciones con amistades y familiares, he visto una tendencia por preferir la practicidad a la magistralidad.

    Con practicidad, no me refiero a que se realicen prácticas y ejercicios sobre conceptos de las Ciencias Sociales y la Geografía, sino en la capacidad del profesor o profesora por comprender en qué nivel se sitúa su conocimiento; en otras palabras, no podemos permitir que las figuras de orientadores/as o psicólogos/as sean las únicas que se encarguen de la inteligencia emocional del alumnado en un centro escolar, sino que el profesorado, en su totalidad y, por ello, el de Ciencias Sociales, ha de ser empático y cuidadoso con el proceso de aprendizaje de cada alumno/a. Esto significa que hemos de estar alerta acerca de cada niño/a, ya que, si su salud mental no es la adecuada, por circunstancias familiares, presiones u otros procesos, los conceptos no tendrán ni una mínima relevancia.

    Dicho esto, y en una sociedad en la que la ansiedad y el estrés está aumentando, en parte por la situación sanitaria que vivimos, debemos anteponer la integridad y salud del alumnado. Una vez seamos conscientes de ello, los conceptos y contenidos referentes a las Ciencias Sociales serán bienvenidos.

    Les invito a que puedan responder a este comentario y, así, crear una conversación a través del Geoforo. ¡Muchas gracias!

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Buenas tardes a todos y todas! Soy Nina Zieba, alumna de 3ºA de la Facultad de Magisterio, Valencia.

      Aprovecho para contestar a tu comentario Marta, ya que me ha parecido muy significativo. Estoy totalmente de acuerdo con tu valoración y con la perspectiva que tienes acerca de cómo debe ser un maestro/a de Geografía y Ciencias Sociales para el siglo XXI. Además, me anima saber que, los futuros docentes estamos adquiriendo nuevas perspectivas, focalizando así nuestra atención en aspectos anteriormente ignorados, como es la inteligencia emocional. Cierto es que la experiencia de la pandemia nos ha ayudado a saber qué es lo verdaderamente importante en el día a día y la poca atención que se le presta a la salud mental. No obstante, pienso que nuestra generación siempre ha sido mucho más consciente de la prioridad que hay que ceder a la salud del alumnado. Por todos estos motivos, considero que un buen maestro/a en el siglo XXI, es aquel que sabe adaptar el ritmo de enseñanza a las circunstancias de cada alumno/a, aquel que dedica el tiempo necesario para comprender la situación de los estudiantes, sin dejar a nadie atrás. Así pues, desde mi punto de vista, un buen docente es quien sabe llevar a bordo a cada uno de sus alumnos, prestándoles la suficiente atención y sin permitir que nadie abandone.

      Quería subrayar también la referencia que has hecho a la empatía y cuidado que debe caracterizar a un profesor de Ciencias Sociales. Pienso que es muy acertada puesto que, si un alumno/a se siente en un ambiente cómodo y seguro, su aprendizaje y confianza serán muy positivos, permitiéndole así poder explicar los problemas, inquietudes, dudas y sensaciones que esté experimentando en aquel momento. Para acabar, me gustaría compartir que, desde mi parecer, el proceso de enseñanza es un trabajo en equipo, donde tiene que prevalecer la buena relación entre alumnado y docente. Si se consigue alcanzar, los problemas y dificultades que vengan, serán afrontados siempre desde el cariño y respeto mutuo, lo cual es lo verdaderamente significativo en la docencia.

      Eliminar
    2. Gostaria de destacar da intervenção da Marta o facto de o professor de Geografia e Ciências Sociais (ou qualquer professor) não dever abdicar de compreender os seus alunos e de deixarem para psicólogos ou outros técnicos a compreensão dos seus alunos. Há a necessidade de uma abordagem holística dos alunos.
      A Nina faz uma intervenção no mesmo sentido, referindo-se à inteligência emocional e à saúde mental (a pandemia), acrescentando uma dimensão importante: o trabalho docente em equipa. Este é um problema recorrente das escolas. Recordo que a 2ª Carta Internacional da Educação Geográfica fala da necessidade de redes de professores e investigadores, ao encontro do que aqui a Nina referiu.
      Sérgio Claudino IGOT-ULisboa

      Eliminar
  3. Buenas tardes a todos y a todas:

    Soy Simona Kirilova, alumna de 3º de Magisterio de la Universidad de Valencia. Tras la lectura de este foro he podido hacer una reflexión crítica sobre el concepto que se tiene sobre “ser un buen profesor o profesora de Ciencias Sociales en el siglo XXI”. Así pues, después de leer los comentarios de mis dos compañeras, no puedo estar más de acuerdo con sus aportaciones.

    En primer lugar, considero que es esencial que un maestro o una maestra reciba una buena formación en el área de las ciencias sociales, pues sin la suficiente formación no sería posible ofrecer una educación de calidad a los futuros ciudadanos y ciudadanas de un país. No obstante, este no es el único requisito que debe cumplir un profesor o profesora, pues también es conveniente atender a otros aspectos personales para conseguir el objetivo último, es decir, que el alumnado adquiera unos conocimientos básicos de ciencias sociales. Asimismo, al hablar de aspectos personales no me refiero únicamente a la manera en la que tienen los maestros y las maestras de involucrarse en la planificación, organización, gestión y puesta en práctica de sus conocimientos a través de metodologías innovadoras, sino al hecho de ser creativos en los procesos de enseñanza y también al hecho de tener una responsabilidad como ciudadano. Con otras palabras, el maestro o la maestra de Ciencias Sociales y Geografía tiene la labor de educar al alumnado con una serie de contenidos teóricos pero al mismo tiempo debe atender a la práctica de concienciar sobre la función que tienen los individuos en la sociedad. De este modo, se debe hacer un análisis sobre la función que tienen los individuos en la sociedad para ser ciudadanos responsables y esto se debe tratar en las aulas de educación primaria, secundaria e incluso en enseñanza superior. En definitiva, entre las principales finalidades de la enseñanza de las Ciencias Sociales y Geografía ha supuesto una gran importancia en la construcción de la identidad nacional.

    En segundo lugar, bajo mi punto de vista, el maestro o la maestra de Geografía y Ciencias Sociales debe estar actualizado con todas las innovaciones del momento. Así pues, el impacto de las innovaciones tecnológicas ha sido un gran descubrimiento en los procesos de enseñanza y aprendizaje en las escuelas. De esta forma, considero que las nuevas tecnologías pueden ser un buen recurso para favorecer el estudio de las Ciencias Sociales y la Geografía, dado que los maestros y las maestras necesitan atender a las necesidades del alumnado en el periodo en el que ocurren. Por ello, si queremos avanzar y mejorar en el siglo XXI no podemos utilizar metodologías de enseñanza propias del siglo XIX y XX.

    En conclusión, como futuros/as docentes debemos formarnos académicamente y colaborar en la mejora del bienestar social.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. A Simona defende que o professor de Ciências Sociais deve ter uma boa formação nesta área, fazer uma boa utilização das tecnologias e escolher as melhores metodologias de ensino mas, acrescenta, desenvolver a consciência do papel que os indivíduos devem ter na sociedade. Na realidade, educar nas Ciências Sociais é sempre educar para a cidadania!
      Sérgio Claudino IGOT-ULisboa

      Eliminar
  4. Soy Blanca Amorim. Actualmente curso 3º de magisterio de primaria. A continuación, dejo algunas de mis reflexiones después de leer este foro.

    Enseñar escepticismo, desarrollar un espíritu de pensamiento crítico, alentar a los jóvenes a construir su propia cultura histórica y su propia relación con el pasado y el presente forman parte de algunos de los objetivos que persiguen los maestros. Sin embargo, y a pesar de que la gran mayoría de docentes quieren lograr los mismos objetivos, la cuestión sería cuál es la mejor manera de lograrlos, lo que a menudo da lugar a desacuerdos.

    En mi opinión, la clave es convertir a los estudiantes en actores de su propio proceso de aprendizaje. Por ejemplo, es posible que te quedes dormido durante una película si lo único que te importa es saber el final, sin embargo la situación cambia si eres tú quien está rodando una escena en tu propia película. La comprensión llega cuando los estudiantes hacen suyo un tema. Una clase que comienza con una pregunta central, avanza como un proceso de investigación colectiva y concluye con una respuesta.

    Para ello, la pregunta que impulsa a la clase puede incluso ser planteada por los propios alumnos. No es una pérdida de tiempo permitir que los estudiantes articulen sus propias preguntas sobre un tema que ha sido propuesto desde arriba. Por supuesto, esto requiere tiempo y paciencia, y el resultado a menudo será más difícil de manejar que si la clase se hubiera dictado en una clase magistral o hubiera seguido una secuencia de preguntas cerradas sobre unos documentos específicos.

    Los estudiantes que enfrentan mayores desafíos, o al menos aquellos a quienes les resulta un poco más difícil adaptarse al restrictivo entorno escolar, valoran estas prácticas, que son mucho menos desalentadoras que la presión inconsciente creada por un maestro que espera respuestas predeterminadas de los estudiantes.

    Si uno está dispuesto a perder un poco el control sobre la dirección de la clase, renunciar a una idea rígida de lo que uno quiere que sus alumnos digan es la mejor manera de ayudarlos a que comprendan la materia. Dejar que sigan su propio camino, cometer errores, cuestionar un documento o incluso consultar algo de lo que ha dicho su profesor, son componentes del saber que un profesor de historia y geografía debe transmitir a sus alumnos.

    ResponderEliminar
  5. Los comentarios de Amparo, Marta, Simona y Marta nos permiten comprobar la dificultad de definir la profesión de profesor o profesora de Ciencias Sociales, tanto sea en un nivel del sistema escolar u otro.
    Por una parte supone el compromiso con la aportación intelectual a la racionalidad y comprensión de los problemas de nuestro mundo. Estos días asistimos a cumbres con las de G-20 o las del Cambio Climático. Frente a tanto monólogo de los líderes mundiales es preciso disponer de un espacio para explicar con calma los problemas a los que nos enfrentamos, que pueden ser muy graves en los próximos años.
    La experiencia de la pandemia nos ha hecho ver la necesidad de una salud mental y una calidad en la educación emocional. Eso supone preparación para entender como los sucesos que aparecen en los medios de comunicación y en las redes sociales nos pueden afectar. No supone apretar la tecla de "me gsuta", sino de explicar los elementos y factores que explican el problema en un espacio local determinado y en un momento histórico preciso. Y eso supone dominar teóricamente el tiempo y el espacio. Pero entender el tiempo y el espacio supone, además, saber persuadir a otras personas para que comprendan cómo pueden mejorar su satisfacción vital si saben explicar adecuadamente los problemas que se nos van a presentar: escase de energía, encarecimiento de recursos, dificultad de desplazamientos, enfrentamientos ideológicos y conflictos personales. Todo ello se debe saber abordar para facilitar la vida de las personas. Por eso enseñar ciencias sociales es tan importante. Y por eso debemos prepararnos en las universidades, pero también después. Una formación a lo largo de la vida para convencer a otras personas en la racionalidad necesaria para afrontar la vida cotidiana

    ResponderEliminar
  6. Boa tarde a todos, o meu nome é Daniel Sousa, tenho 21 anos e sou licenciado em Geografia na Universidade de Lisboa e atualmente frequento o 1º ano do mestrado em Ensino da Geografia também na Universidade de Lisboa. Em relação à proposta de responder à questão de como deve ser um professor de geografia e ciências sociais para o século XXI eu tive a seguinte reflexão: Penso que um professor de geografia e ciências sociais deve ter uma boa formação e boas bases de conhecimento que consiga ao longo dos anos vir a transmitir aos seus alunos. Claro que um professor nunca irá saber tudo sobre a sua área mas necessita claramente, em geografia, de ter determinadas competências ao nível da geografia humana, física e até tecnológica. Mas um professor não é apenas a transmissão do conhecimento. Um bom professor tem de saber gerir relacionamentos, conflitos, amizades entre muitas outras situações em sala de aula. Através de flexibilização curricular um professor tem de conseguir ensinar a todos os alunos, não excluindo ninguém, mesmo que ele saiba que não estão todos no mesmo patamar. Outro aspeto, que para mim é muito mais determinante na geografia do que em outras áreas, é que um bom professor do século XXI é aquele que está atento ao seu redor e ao que se passa no mundo, e que trata de avisar, informar e chamar à atenção de problemas atuais ao seus alunos. Ser competente ao nível de ter muito conhecimento não chega, é necessário todos estes fatores enunciados acima, ao qual se deve juntar a responsabilidade, assiduidade, pontualidade, rigor e transparência com todos os seus formandos.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. O Daniel foca aspetos muito importantes sobre o que deve ser um profissional docente. A responsabilidade, assiduidade, pontualidade, rigor e transparência devem ser atributos de todos os profissionais, também do professor de Geografia. A atenção ao mundo que o envolve deve caraterizar, de forma particular, o professor de Geografia. E, sem dúvida, o conhecimento científico específico, que se vai atualizando e a gestão de conflitos na sala de aula são indispensáveis num docente. Totalmente de acordo, Daniel!
      Sérgio Claudino, IGOT-ULisboa

      Eliminar
  7. Este comentario ha sido eliminado por el autor.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Bom dia a todos. O meu nome é Tiago Reis, tenho 23 anos, sou licenciado em Geografia pelo Instituto de Geografia e Ordenamento do Território (IGOT) da Universidade de Lisboa e frequento o 1º ano do Mestrado em Ensino da Geografia na Universidade de Lisboa. Relativamente ao debate, "que professor e professora de Geografia e Ciências Sociais para o século XXI?" a minha reflexão é a seguinte:
      Penso que, em primeiro lugar, um professor de Geografia deve ter um vasto conhecimento relativamente aos conteúdos presentes no programa de Geografia, sendo que, para esse efeito, deve ser portador de uma formação consistente na área da Geografia. Em segundo lugar, num contexto atual (século XXI), um professor de Geografia deve ter a capacidade de adaptar os seus métodos de ensino àquilo que são as capacidades que se pedem aos jovens no mundo contemporâneo, incentivando o desenvolvimento do espírito crítico, da criatividade e da capacidade de olhar para o mundo em que vivemos, nas suas mais diversas componentes (físicas e sociais), procurando dar resposta a eventuais problemas que possam surgir nesse mesmo âmbito.

      Na minha óptica, para além destas características, um professor deve possuir a capacidade de comunicar eficazmente as informações aos seus alunos, sendo que essa mesma característica deve exigir da parte do docente, uma adaptação do seu discurso às características dos alunos que o estão a ouvir. Esta característica, na minha opinião é muito relevante, pois revela que um professor tem a noção do que o aluno "sente", isto é, tem a capacidade de perceber de que modo a sua mensagem pode ser eficazmente recebida pelos alunos, tendo em conta as suas capacidades.

      Eliminar
    2. O Tiago foca, tal como em intervenções anteriores, aspetos muito relevantes sobre o que deve ser um professor de Geografia/Ciências Sociais. Possuir uma sólida formação na área de Geografia - isso mesmo foi invocado na luta que tivemos em Portugal, em 2011/12, para defender o Mestrado em Ensino de Geografia. Depois, adaptar os métodos e estratégias de ensino aos seus alunos, mobilizando o seu espírito crítico e a criatividade. Depois, a questão fundamental da comunicação. Por todas estas razões, devemos fugir do registo tradicional da aula expositiva, que segue ao compasso do manual escolar, sem negar o papel deste como auxiliar de ensino. todas as considerações do Tiago Reis são pertinentes!
      Sérgio Claudino, IGOT-ULisboa

      Eliminar
  8. Olá! Eu sou a Simone Amaro, tenho 21 anos, sou licenciada em geografia pelo Instituto de Geografia e Ordenamento do Território da Universidade de Lisboa e neste momento frequento o 1º do Mestrado de Ensino em Geografia na mesma Universidade. Em relação à questão que nos foi colocada à cerca de como deve ser um professor de Geografia e Ciências Sociais para o século XXI, penso que tem de ser diferente. Diferente do habitual, tem de saber cativar os alunos, tem de ter ferramentas para poder preparar cada vez melhor os alunos que vão entrar num mundo cada vez mais em mudança em que o futuro é cada vez mais imprevisível. Tem de ser um professor mais próximo dos seus alunos pois, cada vez mais, nos encontramos num mundo globalizado em que a multiculturalidade da sociedade é evidente e em que se sabe cada vez mais que os alunos são diferentes uns dos outros, com capacidades diferentes, com dificuldades diferentes, com vidas diferentes e com futuros bastante diversificados, e portanto, é cada vez mais necessário um professor mais próximo dos seus alunos para os perceber, ajudá-los e cativá-los para a magia que é a escola e o ensino. Os professores deste século têm de ser professores que evoluem, que queiram evoluir para o bem dos seus alunos, têm de estar bem preparados têm de aprender e querer aprender sempre porque o mundo não estagna e há sempre matérias para aprender. Para mim o professor do século XXI é um professor mais humanista, mais próximo e melhor preparado, quer em termos do ensino quer em termos de assuntos de dia-a-dia, um professor que se preocupa com os problemas do mundo e que passa essa preocupação aos alunos para que eles sejam melhor pessoas e cidadão. É um professor que não forma só alunos mas que forma cidadãos globais, futuros profissionais e que tem de marcar, para o bem, a vida dos seus alunos.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Bos dias. Quixer comentar as opiniões de Daniel, Tiago e Simone.
      Em primeiro lugar, o que entendo máis relevante:
      Um bom professor tem de saber gerir relacionamentos, conflitos, amizades entre muitas outras situações em sala de aula. Através de flexibilização curricular um professor tem de conseguir ensinar a todos os alunos, não excluindo ninguém, mesmo que ele saiba que não estão todos no mesmo patamar. (Daniel)
      pois revela que um professor tem a noção do que o aluno "sente", isto é, tem a capacidade de perceber de que modo a sua mensagem pode ser eficazmente recebida pelos alunos (Tiago)
      Os professores deste século têm de ser professores que evoluem, que queiram evoluir para o bem dos seus alunos, têm de estar bem preparados têm de aprender e querer aprender sempre (Simone)
      Os tres documentos sublinham o compromisso do professorado com a aprendizagem dos problemas sociais desde os conteúdos da Geogarfía, algo que dectaca moi bem o Tiago. Pero sobretudo entendo que o mais relevante é a capacidade de iniciativa que deve ter um professor para ser flexíbel e interpretar o curriculum em relação ao que sinte uma pessoa, a quem lhe chamamos aluno. Para isto um professor necessita preocupar-se pelos problemas do mundo, como sinala Simone, pero ademais esta preocupação deve ser transformada em conteúdo escolar para que outras pessoas podam aprender cum método racional.
      Vamos avanzando
      Abraço,
      Xose M

      Eliminar
    2. Estou de acordo, claro, com o que refere o Professor Souto. Há dois eixos centrais no comentário da Simone Amaro, ambos muito relevantes. O primeiro é o da proximidade afetiva do professor aos seus alunos - na realidade, um professor "distante" nunca será um bom professor. Claro que há o desafio de manter essa proximidade com o desafio de manter disciplina de trabalho. Mas a relação pedagógica é entre pessoas e, por isso, ela é tão marcante para o aluno apreciar, ou não, a disciplina A ou B. Depois, o outro eixo é a de que o professor tem de saber evoluir, tem de saber aprender a aprender, tanto no domínio da sua formação como no diálogo com as gerações de alunos com que se vai confrontando, com interesse e expetativas diversas. A formação docente repousa, em grande medida, na auto-formação e está longe de se esgotar nos anos passados na universidade, na realidade.
      Sérgio Claudino, IGOT, ULisboa

      Eliminar
  9. Este comentario ha sido eliminado por el autor.

    ResponderEliminar
  10. Olá, eu sou a Beatriz Moniz, tenho 22 anos, sou licenciada em Geografia pelo Instituto de Geografia e Ordenamento do Território, Universidade de Lisboa e atualmente, estou no 1º ano do Mestrado em Ensino da Geografia na mesma universidade.
    "Que professor e professora de Geografia e Ciências Sociais para o século XXI?"

    Após uma reflexão sobre a questão, na minha opinião, qualquer professor/professora seja de Geografia, seja de Ciências Sociais, ou de qualquer outra área tem a obrigação de ter uma boa formação, bases bem sustentadas e todos os conhecimentos necessários a transmitir aos seus alunos ao longo de toda a sua carreira. Um professor acima de tudo é um indivíduo como todos os outros, e por isso mesmo, também erra, aprende, descobre, desconhece e investiga, portanto um professor tem dúvidas e não sabe tudo, dever ter os sentidos da curiosidade, da criatividade e procura de mais e mais bem apurados. No caso de um professor de Geografia, os vários domínios devem estar presentes, tais como a geografia humana, a geografia física, e até a componente mais estatística e tecnológica.

    Contudo, um professor tem múltiplas funções que não passam somente pela transmissão de conhecimento, mas também pela gestão de todas as situações que possam ocorrer na sala de aula e visto que interage com vários alunos, todos com a sua personalidade, ambições, gostos, empenho entre outros, um professor deve colocar todos ao mesmo nível, ser capaz de cativar, de fascinar, de "puxar" por todos de igual forma, deve ser inclusivo, ter uma capacidade de adaptação, de motivação, de transmissão, de flexibilidade, de comunicação, de interação entre outras superior a outras profissões. Nos dias de hoje, ser professor é um desafio, uma vez que o professor deve estar disposto a acompanhar as mudanças que ocorrem no mundo a um ritmo acelerado, deve procurar novas formas de captar atenção, de terminar com a ideia de que o ensino é uma "seca", deve ser capaz de tornar o ensino interessante, criar dinâmicas, e preparar os seus alunos para os obstáculos que o mundo coloca, para que os alunos sejam cidadãos informados, responsáveis e capazes de fazer parte da rede global para qual o mundo caminha.

    Eu creio que um professor de Geografia tem certas responsabilidades acrescidas, uma vez que um professor de Geografia deve estar sempre atento a tudo o que o rodeia, ao mundo que está em constante movimento, translação e como tal deve manter-se informado aos acontecimentos do mundo real a tempo e horas, ou seja, um professor também é um aluno para a vida toda.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Gostaria de destacar dois ou três pontos do comentário da Beatriz Moniz. U professor de Geografia tem de estar atento ao mundo: será possível que um professor de Geografia desatento das notícias do país e do mundo, por exemplo, seja um bom professor de Geografia. Duvido. Uma outra dimensão sublinhada pela Beatriz é a de que o professor deve cativar: pelas relações que estabelece com os alunos, seguramente também pelo fascínio da própria descoberta do mundo. Uma outra ideia é a do professor com a pessoa que tem de ter uma boa formação na sua área, mas que não sabe tudo, pesquisa, tenta completar a sua formação... Não é vergonha um professor dizer que tem dúvidas ou que vai procurar informação sobre uma questão que leh foi colocada na sala de aula. Os professores que mais facilmente o admitem são, por regra, os que possuem melhor preparação. A humildade também é um importante atributo docente. Obrigado pelo contributo, Beatriz.
      Sérgio Claudino, IGOT-ULisboa

      Eliminar
  11. Este comentario ha sido eliminado por el autor.

    ResponderEliminar
  12. Este comentario ha sido eliminado por el autor.

    ResponderEliminar
  13. Olá, o meu nome é Dário de Almeida, tenho 21 anos, sou licenciado em Geografia pelo Instituto de Geografia e Ordenamento do Território da Universidade de Lisboa e neste momento encontro-me a realizar o 1º ano do Mestrado de Ensino em Geografia no Instituto de Educação e também no IGOT onde me licenciei.
    Na minha ótica, um professor de Geografia, sendo esta a minha área, deve sobretudo adquirir um coletivo de conhecimentos referentes à área, mas também um conjunto de características que outros tantos professores das mais diversas disciplinas detém de modo a conseguir uma melhor aprendizagem para os seus alunos.

    Num primeiro ponto, acredito que neste século e como no anterior, o professor de Geografia deve deter a base fulcral e necessária para a prática de ensino desta área que tanto nos enriquece no que ao conhecimento diz respeito, em segundo lugar acredito que enquanto professores ou futuros professores, devemos deter características que deem asas aos alunos na resolução de problemas, no terceiro ponto e não menos importante de como um professor da área de Geografia deve atuar, temos a importância de nos adaptar-mos ao mundo atual e facilitar a adaptação por parte do aluno a esse mesmo mundo onde o professor neste caso funciona como facilitador pois tem o dever no meu ponto de vista de potenciar o espírito critico do aluno, a sua capacidade criativa, a sua capacidade de resolução de problemas e ainda o seu modo de olhar para o mundo que o rodeia com o objetivo de compreender o que se passa no contexto em que vive pois o elemento fulcral da Geografia passa pela observação do que nos rodeia.

    Para finalizar esta minha reflexão sobre o papel de um professor de Geografia e ciências sociais neste século, acho que professor para construir todo este processo precisa sobretudo de ouvir e observar todos os seus alunos de modo a concretizar uma relação de amizade para com o mesmo de maneira a conseguir gerir mais facilmente o ambiente de sala de aula, de comunicar de forma adequada e sincera com os seus discentes pois a comunicação nesta era em que vivemos é fundamental para o crescimento pessoal tanto dos alunos como do próprio professor mas sempre tendo por base a transmissão de conhecimentos não deixando para trás a transmissão dos bons valores aos alunos pois para além de alunos, também se formam pessoas.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. O Dário termina a sua intervenção lembrando que os alunos, para além de o serem, são pessoas - com o que isso significa, em termos de formação. E recordo Juan Carlos Tedesco, quando nos fala do papel da Escola na socialização primária. Ainda neste âmbito, recorda a relevância da comunicação sincera entre professor e aluno. O Dário enfatiza, de seguida, a resolução de problemas, como central para que a formação de alunos autónomos e críticos (o que, na realidade, não constitui a base da nossa escola). Por último, sublinha, tal como o fizeram outros colegas, a importância de ter uma formação especifica na área de docência. Enfim, como lembra, vários destes atributos são transversais aos professores de diversas disciplinas!
      Sérgio Claudino, IGOT_ULisboa

      Eliminar
  14. Boa Noite a todos, sou a Catarina Margarido e pretendo ser uma professora de Geografia. Por enquanto, sou aluna do Instituto de Geografia e Ordenamento do Território, e frequento o 1º ano de Mestrado em Ensino de Geografia.
    Relativamente ao tema debatido “o que deve ser o/a professor/a de Geografia no século XXI”:
    Eu penso que um professor do século XXI necessita de grandes capacidades para fazer face aos desafios encontrados na educação. Isto é, um professor para além de transmitir conhecimento sobre a sua área de especialização de forma eficaz, tem de utilizar vários métodos tecnológicos e ainda, estabelecer um elo com a turma a lecionar. Este elo será o que permitirá o sucesso da turma, pois um bom professor é aquele que compreende todos os alunos e faz com que todos alcancem as mesmas metas. Mesmo que os alunos estejam em patamares diferentes de conhecimento. Neste sentido, um professor deve utilizar variados métodos alicerçados nas novas tecnologias para desenvolver atividades dinâmicas e inovadoras. Esse mesmo professor, deve também articular a sua disciplina com outras, de modo a permitir que o aluno entenda a sua importância. Esta interdisciplinaridade consiste em providenciar ao aluno a capacidade de interrelacionar diferentes disciplinas para alcançar um fim e tornando-o autónomo na sua pesquisa.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Prezada Catarina, fico feliz com sua escolha profissional. Você escolheu ser professora de Geografia. Que escolha corajosa ! Indicativo de que você é uma pessoa preocupada com a Educação. Parabenizo você pelo seu comentário a respeito de ser professora que vá além da transmissão de conhecimentos. Outro aspecto que você destaca é sobre a utilização de variadas estratégias para implementar os processos de ensino-aprendizagem. Recebe um abraço desde a Universidade de São Paulo, em Ribeirão Preto-SP, Brasil. Profa. Dra. Andrea C. Lastória

      Eliminar
    2. As tecnologias não têm o exclusivo, mas possuem, na realidade, um papel crescentemente importante na sala de aula, ao encontro do que refere a Catarina. A relação pedagógica, entre docente e aluno, acabará sempre por ser decisiva na construção das aprendizagens. As abordagens que rompem as fronteiras disciplinares são, com certeza, de valorizar.
      Aproveito para concordar com as considerações da Professora Andrea Lastória.
      Sérgio Claudino IGOT-ULisboa

      Eliminar
  15. O meu nome é Patrícia Anjos, tenho 24 anos e sou de Arraiolos. Em 2020 terminei a minha licenciatura em Geografia, através da Universidade de Évora, e este ano, decidi desafiar-me a mim própria e entrar nesta aventura do Mestrado em Ensino de Geografia no 3º Ciclo e Secundário, no Instituto de Geografia e Ordenamento do Território, na Universidade de Lisboa.
    Na última aula de Didática de Geografia, foi-nos solicitado pelo docente a pensar e a responder à seguinte questão: “Que professor e professora de Geografia e Ciências Sociais para o século XXI?”. É uma questão que me deixou a pensar e que me levou a diversas conclusões.
    Deve ter um olhar atento para com o aluno, tentar perceber quais os seus gostos, preocupações e necessidades educativas, de modo a que possa encontrar a forma certa de chegar a esse mesmo aluno. O/a professor/a deve ser de certo modo criativo, curioso e apostar cada vez mais no ensino através das novas tecnologias.
    Para mim, este tipo de professor/a é capaz de ensinar esta disciplina de forma mais crítica, ao mesmo tempo que tenta atrair e estimular os alunos a pensarem/argumentarem e a estabelecerem relações entre fenómenos globais. Este professor/a deve salientar a importância dos aspetos sociais, de modo a que o aluno não fique apenas limitado aos conhecimentos geográficos.
    O/a professor/a do século XXI não deve apenas ensinar os alunos sobre as matérias dispostas no currículo, mas sim (tentar) formar indivíduos para um mundo que sofre constantemente, e de forma por vezes abrupta, transformações, ou seja, formar cidadãos.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Do comentário da Patrícia, sublinharia a referência à necessidade de conhecer o aluno, os seus interesses, bem como o desafio de estes estabelecerem relações globais entre os fenómenos. Notem-se os desafios associados a estes objetivos. Tipicamente, o professor de Geografia possui muitas turmas, muitos alunos e, mesmo na turma, não é fácil um ensino diferenciado. Sobre o estabelecimento de relações entre fenómenos globais, significa que não pode haver um ensino que tente "descrever" todos os fenómenos, antes explorar alguns, a fim de explorar as relações de causalidade entre eles.
      Sérgio Claudino, IGOT-ULIsboa

      Eliminar
  16. Olá a todos! O meu nome é Mónica e estou no 1º ano do Mestrado de Ensino em Geografia.Em rigor, dificilmente poderemos responder a essa pergunta sem em primeira instância analisarmos “Que professor e professora de Geografia e Ciências Sociais do século XX?". E do século XIX? A razão pela qual é urgente olharmos para o passado deve-se ao facto de que o ensino em geral, e o de Geografia em particular, não é circular, isto é, as suas metodologias, práticas e planos curriculares não são imutáveis no tempo, não se perpetuam com o decorrer dos anos, ao invés, o ensino da Geografia é uma disciplina que deve se basear no passado, mas não deve deixar de apontar para o futuro.A primeira característica que deve ser vista num professor de Geografia, alguém capaz de integrar as diferenças de cada um numa visão integrada para o futuro.Penso ser um absurdo imaginarmos um professor de uma qualquer disciplina sem as competências técnicas para tal, sem as bases que o permitem lecionar a disciplina a que se dedica.Julgo que um aluno deve reconhecer num professor uma pessoa integra, nos valores e nas ações, um exemplo para o qual olhar e ambicionar ser no futuro um seu par, como ser humano integrado na sociedade e cujos valores se encontram acima de qualquer suspeita. Para um professor, não basta deter conhecimento específico do que leciona, tem imperativamente de ser um ser humano atento, solidário e uma força inspiradora para o aluno. Essa força inspiradora, de liderança, é o que em ultima instância faz a diferença de um bom, ou mau, professor. Daqueles que os alunos recordam com nostalgia durante toda a vida, ou dos que caem no esquecimento como um de muitos que se colocam no seu caminho. Desde a revolução industrial, o globo tem vindo a sofrer alterações disruptivas com cada vez maior cadência, e não deveremos esperar que o ritmo abrande no futuro, como tal, a capacidade do professor em se adaptar a novas tecnologias, a novos conhecimentos e metodologias deve ser parte integrante para os tempos que se avizinham. Na verdade, a capacidade de adaptação afigura-se como fulcral no papel do professor, pois apenas esta característica irá permitir que a educação se vá mutando progressivamente ao mundo moderno. Nada vale teorizar academicamente sobre o Ensino se do outro lado, o professor não conseguir transpor esse conhecimento para a realidade, poderemos cair no sério risco de a educação ficar desatualizada/obsoleta.Com o mundo em passo acelerado, com as novas tecnologias de informação a ameaçarem pelejar com a Educação pela supremacia do ensino, cabe ao professor agregar estas novas ferramentas, opacas na sua génese, e dar-lhes transparência numa sala de aula, de mostrar aos alunos as bases tradicionais da disciplina, de municiá-los com conhecimentos chave, e de estimular os mesmos a fazer uso do mundo moderno, das novas tecnologias, como ponto de chegada no seu processo criativo, de inovação. Cabe ao professor lecionar as bases do passado, e de encorajar o aluno a encontrar nas novas fontes de informação e de opinião a massa crítica que lhe irá permitir colocar hipóteses para resolver os problemas no futuro, sabemos que não existe uma “receita mágica” para a educação, nem deveríamos, pois no ensino nunca chegaremos a uma solução, como fosse uma ciência exata, mas não desenvolver nos professores a capacidade de, sem deixar de fornecer bases sólidas, deixar que as novas tecnologias de informação façam parte do futuro do ensino pode ser bem a estocada final no nosso sistema Educativo, e assim deixarmos o mundo entregue aos autodidatas, sem qualquer base estratificada na sua educação. Não deixaríamos de esperar que o professor de Geografia seja atento à realidade que o envolve, de analisar as desigualdades e problemas ambientais que nos rodeiam, e que ameaçam a sustentabilidade do futuro.É urgente fazermos uso da educação como o autómato que irá, em conjunto, procurar nas novas tecnologias formas práticas de solucionar os problemas e, assim, apontar para o futuro.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. A Mónica Dias começa por destacar o facto de as práticas de ensino não serem imutáveis, evoluírem ou ser necessário que evoluam. Destaca o papel do professor, que marca a diferença em sala de aula e fala mesmo na liderança do mesmo. Confere papel destacado às tecnologias (digitais). Fala de um mundo que sofre desafios ambientais crescentes e recorda não haver receitas mágicas. Na realidade, a relação professor-aluno continua a ser central ao longo dos tempos e a motivação dos alunos o grande desafio em sala de aula. As tecnologias têm um papel relevante, mas elas também supõem uma mudança de metodologias de trabalho na sala de aula - e esse é um desafio central. Por outro lado, a escola evolui, mas não por ruturas das suas práticas, como a experiência portuguesa também demonstra. Na realidade, a construção do professor do século XXI, como as palavras da Mónica também evidenciam, são um desafio complexo.
      Sérgio Claudino, IGOT_ULisboa

      Eliminar
  17. Boa tarde! Chamo-me Gonçalo Gandum e atualmente estou a tirar o mestrado no Instituto de Geografia e Ordenamento de Território em conjunto com o Instituto de Educação para ser professor de geografia. Venho aqui responder ao desafio e mostrar um pouco o meu ponto de vista no que toca a ser professor no sec.XXI . Primeiro gostava de parabenizar o autor do texto, consegue resumir muito bem o que é preciso para ser um bom professor atualmente. No entanto gostava de referir que hoje em dia, talvez a função mais importante do docente será mesmo saber cativar a atenção dos alunos enquanto consegue transmitir a sua paixão pala área e o seu conhecimento cientifico, neste caso a geografia. O docente tem de ter noção que nem todos os alunos tem a mesmo capacidade de aprender e o mesmo gosto, no entanto tem de conseguir transmitir certos valor e certas bases para formar um cidadão capaz para a vida em sociedade. Hoje em dia um professor é muito mais que um orador de matéria, uma ferramenta muito importante para esta tarefa são as TIC´S, por isso convém o docente ter uma relativa á vontade com etas novas ferramentas. Por ultimo, no caso especifico de geografia, o docente tem de ser muito atento ao mundo e a atualidade, como é logico um professor não tem de saber de tudo mas quanto mais atento e informado for sobre o que o rodeia mais preparado vai estar para transmitir os conhecimentos.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. O Gonçalo Gandum começa por sublinhar uma dimensão fundamental do professor: cativar/motivar os alunos. E este continua a ser o desafio central de um docente, na realidade. Sublinha que ser professor é ajudar os alunos a construírem conhecimentos de base mas, também, valores. Alerta para as TICs e, por fim, alerta para o facto de o professor de Geografia ter de estar atento/informado ao mundo que o rodeia - seguramente. Eu acrescentaria que trata-se menos de transmitir conhecimento e mais de ajudar os alunos a construírem os mesmos.
      Sérgio Claudino, IGOT-ULisboa

      Eliminar
  18. Muito boa tarde! O meu nome é José Santos e estou no primeiro ano do Mestrado em Ensino de Geografia na Universidade de Lisboa. Esta pergunta é um pouco complicada para ser respondida, pois como sabemos todos têm uma opinião diferente. O que eu penso é que neste sec. XXI, estamos na era tecnológica mais avançada da nossa espécie e isso tem as suas coisas boas e coisas más. Temos todo o conhecimento possível sobre a humanidade na palma da nossa mão e como é óbvio, não temos interesse em todo o tipo de matéria que existe, temos preferências no que gostamos e no que queremos saber. Agora, um professor no séc. XXI tem não só de ensinar algo aos seus alunos, como também deve incutir um sentimento de interesse no que o professor está a abordar nas aulas e mostrar a importância do conhecimento científico lecionado. O professor também tem que observar e estudar os seus alunos pois sabemos que todos têm ritmos e formas de aprendizagem diferentes e o docente deve tentar intercalar o seu conhecimento com os meios apropriados para a ocasião, neste caso, as TIC. As TIC são essenciais para os alunos e também para o professor, portanto exige-se do professor uma certa confortabilidade com estas ferramentas. Finalmente, um professor tem que estar muito atento ás situações atuais do mundo para que esteja o mais atualizado possível e fornecer esse conhecimento de uma forma mais rápida e atual. Tudo isto é importante pois os docentes estão a criar jovens e futuros adultos conscientes, com um espírito crítico e uns autênticos cidadãos do mundo.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. O José Santos termina a sua intervenção referindo o facto de a Geografia formar cidadãos, ou seja, pessoas críticas, intervenientes. Uma vez mais, o professor de Geografia surge como alguém interessado, empenhado. Mencionadas as TICs, surge o professor atento ao mundo que corre. E pode discutir os problemas mundiais na sala de aula, não na perspetiva de impor os seus pontos de vista, mas de levar os alunos a explicitarem os seus próprios pontos de vista e a refletirem em comum.
      Sérgio Claudino IGOT-ULisboa

      Eliminar
  19. Raúl Higueras Bosch7 de noviembre de 2021, 12:50

    Hola a todos y a todas, soy Raúl Higueras Bosch un alumno de tercero de Magisterio de Primaria en la Universidad de Valencia y me gustaría hacer un comentario al respecto de la cuestión que se plantea en este foro.

    Primero me gustaría comentar una pregunta que he visto en el foro. En esta se plantea la pregunta de: ¿Cuántas veces a los estudiantes les gusta una asignatura porque les gusta el profesor y al año siguiente no les gusta la asignatura porque no les gusta el profesor? Esta pregunta me parece muy interesante, es completamente cierto que, a la gran mayoría de alumnos y alumnas de cualquier tipo de curso, independientemente de lo que estén estudiando, les gustan unas asignaturas más que otras simplemente por el profesor.

    Claramente, como bien dice en el foro, un profesor no tiene que saber todo para ser un buen profesor de Geografía, Historia o Matemáticas; un profesor siempre está aprendiendo, tanto de los recursos académicos como de sus propios alumnos. Pues aquí se plantea la pregunta, ¿Qué debe caracterizar al docente de Geografía y Ciencias Sociales en general? En mi opinión, pienso que sí que tiene que tener un conocimiento óptimo de lo que se enseña, es decir, no tiene que saberlo todo, pero si lo mínimo. Pero lo que yo pienso que realmente importa, es hacer que los alumnos y alumnas se diviertan aprendiendo. A la vez que se nutren de conocimientos, pasan un buen rato, con esto quiero conseguir qué al alumno le guste la asignatura y de esta forma tenga una visión completamente diferente de la enseñanza de la Geografía y las Ciencias Sociales. Como todos bien sabemos, ya que todos hemos sido alumnos, aprendes mucho más en una asignatura que te gusta que en otra que no, pero ¿Cómo podemos conseguir esto? ¿Cómo podemos crearle al alumno esa visión de que le guste nuestra asignatura? Pienso que lo mejor sería utilizar metodologías prácticas en las aulas y realizar actividades innovadoras y diversas para no caer en los ejercicios retrógrados a los cuales estamos acostumbrados y que tanto sufrimos y sufren a día de hoy los alumnos y alumnas en esta asignatura.

    ResponderEliminar
  20. Boas a todos! Sou o Miguel e sou aluno de 1º ano do mestrado de Ensino de Geografia do IGOT e venho aqui comentar sobre o que é ser professor no Século XXI.
    Nos dias de hoje, na minha opinião , um professor tem que ser antes de tudo, um cidadão ativo sempre a par dos acontecimentos globais (especialmente no caso da docência de geografia pois esta trata de uma multiplicidade de tópicos). No entanto, tem também de ser uma pessoa que gostar de aprender devido ao facto que na atualidade, devido aos avanços tecnológicos e científicos, o conhecimento está sempre a mudar e a evoluir, então para se se ensinar tem que se estar sempre a aprender. Para alem destes aspetos o professor tem que ser também uma pessoa compreensiva com os alunos. Isto pois nenhum aluno é igual e aprendem a ritmos diferentes e cada professor tem que ter atenção a este aspeto, pois no seu núcleo, o querer ser professor vem de uma necessidade de querer ajudar, e não podemos ajudar quem deixamos para trás.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Este comentario ha sido eliminado por el autor.

      Eliminar
    2. O Miguel Coelho sublinha duas dimensões do docente. A primeira, a necessidade permanente de atualização do docente, seja sobre os acontecimentos mundiais, seja sobre a própria informação científica e tecnológica - o que é bem verdade e tem vindo a ser referido. Depois, surge a necessidade de não deixar alunos "para trás". Há aqui uma leitura humanista do professor. Na realidade, ser professor é um desafio permanente de atualização, mas é igualmente um desafio de humanismo. Desafios que não são fáceis, mas são reais no quotidiano recente.
      Sérgio Claudino, IGOT_ULisboa

      Eliminar
  21. Boa tarde.
    Chamo-me Ronaldo Fernandes, sou licenciado em Geografia pela Universidade de Lisboa e neste momento estou no primeiro ano do mestrado em ensino de Geografia. Deixo aqui a minha opinião do “ser” professor de Geografia no Século XXI.
    O professor de geografia no século XXI deve ser um professor que incentiva e sobrevaloriza a participação do aluno em contexto de sala de aula. O professor de Geografia no século XXI deve adaptar-se aos novos conteúdos e às novas metodologias. O professor de Geografia no século XXI deve aliar as tecnologias de informação e comunicação às suas aulas. O professor de Geografia no século XXI deve valorar a inclusão na sua sala de aula. O professor de Geografia no século XXI deve deixar as práticas tradicionalistas da teórica e passar a implementar práticas mais ativas. O professor de Geografia no século XXI deve desafiar os alunos a serem pensadores. O importante de um “ser” professor de Geografia no século XXI é ser um desafiador de si próprio, através de pesquisas que enriquecem e o façam melhor na “arte” da pedagogia. Sobretudo na Geografia a dinâmica deve ser mais prática do que teórica porque a geografia está presente em todo o lado. Não podemos uniformizar uma só metodologia de ensino, cada disciplina deve ter a metodologia que mais se adequa à sua ciência.

    Deixo aqui o link do meu blog sobre educação (para os mais curiosos):
    https://aeducacaomaisamarga.blogs.sapo.pt/

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. O Ronaldo Fernandes centra muita da sua intervenção sobre o professor, alguém inquieto, que se atualiza, e aquele que estimula os alunos a participarem, a pensarem, no abandono de práticas tradicionais de ensino e na busca de metodologias e estratégias diversificadas. Naturalmente, o espaço da sala de aula tem de ser o de debate e de uma reflexão sobre a realidade exterior à escola - porque a "Geografia está presente em todo o lado". Daí, de resto, a definição do conhecimento escolar como conhecimento poderoso e da educação geográfica também como "conhecimento poderoso", na leitura de Margaret Roberts.

      Sérgio Claudino, IGOT-ULisboa

      Eliminar
  22. Este comentario ha sido eliminado por el autor.

    ResponderEliminar
  23. Olá a todos, sou o Gonçalo da Encarnação, aluno do primeiro ano do mestrado de Ensino de Geografia do IGOT e Instituto de Educação da Universidade de Lisboa, e venho por este meio dar a minha opinião sobre o que deve ser o professor no Século XXI.
    Primeiro que tudo, e não exclusivo ao século XXI, o professor deve importar-se, não com a transmissão de conhecimentos, mas sim com a aprendizagem dos mesmos por parte dos alunos, retirando-se do papel principal. Dito isto, o ensino deve ser centrado no aluno tanto quanto possível. As aprendizagens, não podem ser apenas conhecimentos, mas também capacidades e valores. A escola do séc XXI tem de preparar o aluno para o mercado de trabalho e desafios que o mundo atual coloca e, para tal, os professores devem promover o desenvolvimento de capacidades como o raciocínio e resolução de problemas, pensamento crítico e pensamento criativo, relacionamento interpessoal, autonomia, liderança, entre outras. Um professor que foca as suas aulas exclusivamente na exposição de conteúdos, expõe-se desnecessariamente ao erro e consequentemente à crítica visto que os alunos, no séc XXI, podem ter acesso numa questão de minutos a toda a informação dita pelo professor e até a possíveis críticas a essa mesma perspetiva, sendo muito fácil encontrar algum erro no seu discurso, descredibilizando o seu papel na sala de aula.
    O professor do séc XXI deverá também respeitar a diferença e trabalhar com ela, promovendo-a, usando as experiências diárias dos alunos como exemplo da matéria em questão e adaptar o currículo aos diferentes contextos.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Boa tarde
      Sobre o que dí Gonçalo: o ensino deve ser centrado no aluno tanto quanto possível. As aprendizagens, não podem ser apenas conhecimentos, mas também capacidades e valores. A escola do séc XXI tem de preparar o aluno para o mercado de trabalho... Quixera fazer um comentario, que vou escrever em castelhano para combinar com os alunos desta língoa.
      El problema básico que aparece en el texto de Gonzalo, a mi juicio, es cómo se pueden trasnmitir valores respecto al mundo del trabajo, cuando este está determinado por la precariedad laboral.
      Desde la Geografía escolar podemos invitar al alumnado a conocer cómo funciona el mundo del trabajo, pero qué sucede cuando se descubren los problemas relativos a los abusos con el horario, o con el menor salario. Es un tema complejo, pues supone buscar la organización de una respuesta colectiva, que es propia del sindicalismo. Pero estos debates deben entrar en la escuela. No para educar en valores concretos, a veces procedentes de la ideología del profesorado o de los medios de comunicación, sino para educar en la racionalidad crítica y ética ciudadana. Es un tema difícil de solventar, lo que implica una formación ciudadana muy completa por parte de los docentes. Supone diferenciar valores morales y actitud ética y análisis del conocimiento con criterios rigurosos.
      Además para poder ejercer esta tarea se debe contemplar los posibles obstáculos del alumnado, que busca más la diversión que la educación, una respuesta rápida que un pensamineto complejo.
      En España hay bastantes profesores que no entienden el comportamiento de su alumnado. La metodología didáctica puede ayudar a crear objetivos de aprendizaje que sean percibidos como útiles para entender los problemas sociales y poder decidir.
      Este es el camino que se puede seguir en el ámbito de las ciencias sociales. Es complejo y está lleno de riesgos y críticas. Pero es necesario si queremos conservar un marco de relaciones humanas democráticas

      Eliminar
  24. Soy Daniel Jaramillo Rodríguez estudiante de la facultad de educación de Ciudad Real (Castilla La Mancha).
    Mis compañeros y yo hemos realizado un trabajo acerca de varios aspectos en relación al Covid-19. Dichos temas van desde los negacionistas, los antivacunas y las fake news que se han ido generando a lo largo de esta pandemia mundial.
    En primer lugar he de nombrar los negacionistas al virus, los cuales se aferran a cualquier excusa que no sea científica para negarse a ponerse la vacuna. Esto hace que la pandemia no termine de finalizar al 100% y en parte, estos negacionistas proceden del miedo e incertidumbre que las redes sociales y fake news nos inculcan.
    Hoy en día estamos en una sociedad en la que las redes sociales lo son todo para muchos; haciendo que todo aquello que lean y vean pasen a tener una importancia mayor de la que posee. Además deberemos partir de la base de que cualquiera puede escribir en las redes sociales.
    Por otro lado algunos famosos que mueven masas, eran negacionistas, haciendo que una gran parte de la población creyera a su ídolo y por tanto negándose a la vacuna que la mayoría de población se ha puesto.
    Sin duda es una situación muy complicada y nueva para todos nosotros y es por eso por lo que debemos apoyar a la ciencia y olvidarnos por una vez de la redes sociales que lo único que hacen es empeorar la situación así como las noticias falsas que publican revistas y periódicos de gran prestigio solo para conseguir algunas visitas a sus webs.

    ResponderEliminar
  25. Este comentario ha sido eliminado por el autor.

    ResponderEliminar
  26. Este comentario ha sido eliminado por el autor.

    ResponderEliminar
  27. Olá!! Sou a Ana Isabel Santos, tenho 21 anos e sou licenciada em Geografia pelo Instituto de Geografia e Ordenamento do Território (IGOT) da Universidade de Lisboa e frequento o 1º ano do Mestrado em Ensino da Geografia. A minha reflexão é a seguinte:

    O(A) novo(a) professor(a) do séc. XXI deve ter uma maior relação com os alunos, ou seja, estes vão ter que ter um maior destaque na sala de aula, vão ter de estar no centro das aprendizagens, enquanto que o professor deve ser aquele que os guia pelas aprendizagens.

    Sendo a escola um local de aprendizagens, de acesso a novas informações e de construção de caráter, as escolas devem estar aptas para estarem a par dos novos padrões, já que os novos alunos, desde muito novos, que estão em contacto com a tecnologia. O novo professor tem de estar preparado para as novas tecnologias. Esta, aliada à educação, deve influenciar os processos de aprendizagem, já que permite uma maior conexão com a sociedade. Não só, mas esta aliança irá permitir acompanhar o novo mundo, que está muito centrado na internet e nas redes sociais. Esta adaptação irá permitir construir o pensamento de uma forma mais criativa, de modo a se aprender melhor.

    Este novo modelo de professor também deve ter outras qualidades que lhe permitirão dinamizar uma sala de aula e inspirar os alunos, nomeadamente: o pensamento crítico, a criatividade, a interdisciplinaridade. Estas são algumas das características que são pedidas a este novo professor.

    ResponderEliminar
  28. Hola, mi nombre es Isabella Sandino y soy estudiante de la Universidad de los Andes. Mi carrera de perorado oficial es la psicología, pero desde hace un año he tenido la oportunidad de completar mi opción académica de pedagogía.

    He leído los anteriores comentarios de este foro y aunque mi portugués está un poco oxidado, creo que he tomado en cuenta los puntos que a mi parecer son los que la mayoría creen. Considero que un profesor que dicte clases de ciencias sociales debe ser holístico e impulsar a sus mismos estudiantes a que su clase (aunque la mayoría del tiempo) sea del contenido respectivo tengo la posibilidad de conectarse con demás áreas. Es decir, una clase de geografía debe enseñar los conceptos base, pero además de mencionar la ubicación y las características del lugar, también debe incluir datos como la cultura, creencias y demás conceptos y datos que logren que los alumnos hagan una conexión entre conocimientos y tengan más interés por el mismo conocimiento.

    También, considero y me parece algo muy positivo la importancia que se le da a las interacciones de los maestros con los estudiantes más allá del contenido teórico. Un profesor (realmente de cualquier asignatura) debe ser lo más humano, debe poder llegar a convertirse en el modelo a seguir de sus alumnos, no sólo por los conocimientos que tiene y que sabe compartir y transmitir, sino por las acciones que tiene cotidianamente que son las que lo resaltan como humano. Y claro a todos nos gusta más una clase por el profesor ya que este es el que le pone el componente humano y personal a lo que esta aprendiendo.

    Estoy segura que si la nueva generación y futuras generaciones de profesores comienzan a tener en cuenta estos aspectos los alumnos no sólo tendrán más conocimientos, si no que serán personas integrales y humanas que son las que harán la diferencia en todos los campos, pero especialmente en el campo de las ciencias sociales.

    ResponderEliminar
  29. Hola a todos, mi nombre es Andrés Carmona Villegas y soy estudiante de Derecho y Pedagogía en la Universidad de los Andes de Bogotá, Colombia. Tras leer la entrada del blog y los comentarios, debo decir que concido con la mayoría de sus planteamientos, a saber: los profesores de Geografía y Ciencias Sociales deben tener los conocimientos científicos propios de esas áreas, comportarse de manera humana con sus estudiantes, y traer los problemas ambientales y sociales de nuestro planeta al salón de clases. Sin embargo, creo que hay un valor adicional que no hemos enunciado y que deben tener los profesores de inglés y ciencias sociales: el fomento y el respeto hacia el pluralismo moral, filosófico y político. Considero que, en gran medida, nuestros sistemas educativos se esmeran por graduar estudiantes que tengan las habilidades y la perspectiva moral necesaria para trabajar en algo "util", producir, tener hijos, y vivir una "buena vida" desde la racionalidad y la filosofía moral del homo economicus. Sin embargo, existen otras maneras de ver la vida desde una perspectiva filosófica y de sostenerse desde una perspectiva económica. Al fomentar la creatividad y la individualidad de estudiantes con vocaciones artísticas, deportivas, e "inutiles", los profesores de inglés y ciencias sociales estaríamos ayudando a crear un mundo (y un salón de clases) más feliz, menos codicioso, y más diverso.

    ResponderEliminar
  30. Hola a todos y a todas, mi nombre es María José Buitrago, soy estudiante de Artes y Licenciatura en Artes en la Universidad de los Andes. Si bien es cierto que mi disciplina está alejada dentro de los conceptos que se resaltan dentro del texto y los comentarios. Sin embargo, considero desde mi punto de vista que el hecho de desempeñarse como un docente de ciencias sociales de la sociedad es uno de los papeles más determinantes dentro de la formación académica de una persona. Las ciencias sociales juegan un papel muy fuerte sobre la forma de pensar, ver y analizar el mundo, por ello, considero que es sumamente importante que los/las docentes que se ven inmersos en estos ámbitos conozcan los temas más allá de conceptos básicos y estándar. Considero que un docente en ciencias sociales debe tener en cuenta que todo el conocimiento que está adquiriendo y enseñando empieza a despertar diversas formas de pensar dentro de los estudiantes. Todos los acontecimientos que resalta, las fechas que enmarca y sobre todo la perspectiva en la que cuenta la historia puede generar una dualidad en la forma de pensar de las personas que reciben este conocimiento. Pensando así, que las personas que decidan llevar ese rol de impartir conocimientos que evalúen diferentes roles de la sociedad, deben dar por hecho que existen diversas perspectivas de cómo se ve la historia y la forma en la que se está enseñando. No regirse por una sola verdad y un solo hecho es sumamente enriquecedor dentro del proceso de aprendizaje y enseñanza de las personas.

    ResponderEliminar
  31. Que professor e professora de Geografia e Ciências Sociais para o século XXI?

    Boa tarde, me chamo Ramon Douglas, sou estudante da UNESP de Marília-SP, Brasil e curso ciências sociais. Nessa trajetória que percorro para ser docente, percebo a disciplina que vou ministrar é extremamente importante para a juventude. O desafio no âmbito dos conteúdo é criar entendimento com o aluno referente as relações que a sociedade exerce com a natureza. Com isso, a ideia consiste no aluno se perceber enquanto sujeito de seu aprendizado. A geografia humana está para o aluno justamente para a compreensão da sociedade como construção humana, produção de espaço e também exclusão. Territórios são poderes de grupos sociais e isso ele pode perceber através de sua própria condição social. Um aluno periférico a partir da construção coletivo do conhecimento geográfico social vai aprender reconhecendo os elementos conceituais tendo a sua vivencia como análise a priori. Esses são no meu ponto de vista, os centros metodológicos para o professor de geografia e ciências sociais no século XXI. O aluno como centro do método e vivência do aluno, ou seja, a sua condição enquanto sujeito social como instrumento de ensino da disciplina, a medida que projeta ao aluno os conhecimento da disciplina que o mesmo vivencia, embora sem a mediação do professor que tem a missão de construir esses conhecimentos, noções junto com o aluno. Dentre estas noções, a relação da sociedade com a natureza que produz espacialidades acessíveis e excludentes. Articulando as noções centro e periferia nas cidades e poder das desigualdades territoriais. As mudanças de paisagens geradas pelo ato humano, movido por interesses de cunho econômico, entre outros. Enfim, a relação humana que envolve a geografia e como essa relação atinge o aluno o faz perceber enquanto sujeito e objeto desse movimento.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Boa tarde, Ramon e demais colegas.

      Como aponta o prof. Souto os desafios são imensos no exercício da docência. Ramon chama a atenção para a importância da Geografia na leitura do espaço geográfico e podemos refletir sobre este aspecto a partir da concepção do "conhecimento poderoso", recomendado pelo Prof. Sérgio Claudino

      Eliminar
  32. Buenos días, tardes o noches a quien se encuentre con estas palabras. Mi nombre es Laura Sofía y soy estudiante de Licenciatura en arte en la Universidad de Los Andes. Del texto que antecede este foro resalto el fragmento que refiere al un mundo desigual y en riesgo de colapso de ecosistemas en el que vivimos, pues alude a uno de los grandes monstruos que desde mi perspectiva, lleva siglos entorpeciendo la construcción de sociedades justas, críticas y diversas: la soberbia.

    Es sabido que la historia muchas veces se ha enseñado desde una sola verdad, la llamada historia de "los vencedores", quienes en muchos de los casos (y enceguecidos en soberbia) se han creído legítimos para pasar por encima de "los otros" y "los demás", con tal de ser ellos quienes cuenten la historia; su historia.

    Entonces, ¿qué debe caracterizar al docente de Geografía y Ciencias Sociales en general? En primer lugar, ninguna persona en ejercicio de docencia debería pensar desde la soberbia. Desde este punto, entonces, un docente de Geografía y Ciencias Sociales debería ser capaz de identificar los sesgos culturales con los que la Historia viene permeada; comparar las percepciones ideológicas con las que se ha estudiado, entender los contextos sociales en los que se ha pensado y compartir con sus alumnos la importancia de la mirada crítica (nacida de la consciencia que surge del identificar, comparar, entender y compartir).

    ResponderEliminar
  33. Buenos días, además de expresar mi alegría por el debate y por las interesantes reflexiones de los participantes, quiero añadir que profesor de ciencias sociales del siglo XXI debe ser aquel que está dispuesto a implementar innovaciones pedagógicas y curriculares para que sus clases sean interesantes y retadoras para sus estudiantes. Es el profesor que está dispuesto a compartir sus experiencias pedagógicas y a escuchar las de sus colegas, esto contribuye a que las instituciones educativas puedan avanzar en un trabajo colaborativo donde cada profesor aprende de otros y con otros. Es un profesor que supera la enseñanza basada en temas y centra sus acciones en desarrollar habilidades para potenciar el pensamiento crítico y la cultura democrática. Es un profesor que lleva la escuela a la calle y la calle a la escuela de manera que las características y las problemáticas del entorno del alumnado sean el eje fundamental de la enseñanza y el aprendizaje.

    ResponderEliminar
  34. Olá a todas e todos, meu nome é Thaís Rabelo e sou estudante do quinto ano de Ciências Sociais, na Universidade Estadual Paulista da cidade de Marília, Brasil.

    Desde o primeiro momento com a licenciatura, refleti muito sobre o papel das professoras e dos professores na sociedade. Bem como diz Paulo Freire, concordo que ensinar não é transferir conhecimento, mas sim compreender a autonomia do educando, e aprender conjuntamente neste processo.

    A globalização e as novas formas de comunicação, como a internet, trouxeram mudanças significativas para a formação da sociedade atual e, devido a isso, o/a professor/a do século XXI precisa estar atento às realidades de seus alunos, compreendendo que não somos objetos no mundo, mas sim sujeitos inseridos e ativos na história.

    Um dos maiores desafios na prática docente, atualmente, é relacionar a profissão de docência com as lutas políticas que dizem respeito aos direitos sociais e profissionais dos professores, e à uma sociedade melhor para todos. O compromisso do professor e da professora está relacionado com as ações sociais e ambientais. Isso, certamente, influencia na formação dos educandos, fazendo com que construam outras perspectivas sobre os conflitos sociais, enxergando seu lugar na história.

    Por fim, é preciso resistir às políticas educacionais mercadológicas de formação – esta que desconsidera o senso crítico, bem como os recortes e as particularidades de raça, classe e gênero e as necessidades do processo de formação, principalmente quando tratamos das escolas públicas do Brasil. Quando há esse compromisso com os problemas sociais e geográficos, constrói-se alunos que certamente verão a realidade de outra forma. E é isso, ao meu ver, o que deve ser um professor e uma professora de Ciências Sociais e Geografia. Precisamos formar pessoas que compreendam a potência de cada vida e de cada curiosidade, e que entendam que ensinar e aprender exige consciência, bom senso, ética, alegria, esperança e amor. Além de tudo, é preciso partilhar a fé de que a realidade pode sim ser mudada. Nada está dado.

    ResponderEliminar
  35. Olá a todos. Meu nome é Maria Vitória e sou estudante do terceiro ano de Ciências Sociais na Unesp de Marília.

    Refletindo sobre o tema vejo que uma grande dificuldade é fazer com que o aluno se compreenda como parte do todo, inserido em uma realidade social e se veja como sujeito de seu próprio aprendizado. O professor, principalmente de Geografia e Ciências Sociais, deve entender que a escola é um lugar de contradições, transformações e de dinamicidade e assim procurar fazer com que o desenvolvimento desses alunos e a aprendizagem dos mesmos se torne interessada e aguçada contribuindo assim para sua formação ética, política, moral, havendo então efetivas transformações na realidade social.
    Para isso, acredito que a não separação entre o fazer e o pensar seja de extrema valia, até porque são questões intrínsecas na formação humana. Ao separarmos o fazer do pensar o estudante tem a impressão de que aquilo que é passado na Geografia e Ciências Sociais e até nas demais matérias não faz sentido, não faz parte do seu cotidiano e por isso mesmo ele não precisa compreender efetivamente, porém ao agruparmos o fazer do pensar e vice- versa, trazemos esse conteúdo para a realidade do aluno, fazendo com que ele consiga visualizar a problemática e construir um olhar mais crítico em relação ao mundo em sua volta.

    ResponderEliminar
  36. Hola a todos y todas.
    Mi nombre es Karen Valentina López, soy estudiante de licenciatura en español y filología y psicología de la universidad de Los Andes. Sin duda alguna, es grato leer cada uno de sus comentarios, alimentan el espíritu docente. Ahora bien, que el docente sea "el alma de la enseñanza" dignifica su labor y hace de ellas la mejor de todas. Por tanto, el maestro desde cualquier área debe, antes que nada, amar lo que hace, de ahí se desprenden una serie de criterios que logran transforma la sociedad.
    Ahora bien, hablando desde el enfoque de las ciencias sociales, el docente debe ser capaz de enfrentar las necesidades de su contexto, y por qué no convertirlas a su favor. Debe también estar dispuesto a implementar estrategias pedagógicas innovadoras que le permitan a los estudiantes entender las principales concepciones que componen las ciencias sociales, y que de allí logren formar un pensamiento crítico. Cada docente tiene propósitos y objetivos desde su área. Desde mi concepción, el maestro de ciencias sociales del siglo XXI, tiene el de transformar la vida de sus estudiantes a través de la historia, los compartimientos sociales y las estructuras de un país, lugar o región. Claramente, debe transcender en algo más grande, en algo más profundo.

    ResponderEliminar
  37. Boa tarde,
    Meu nome é Vanusa, sou mestranda em Ciências Sociais pela UNESP - Marília e concluinte em licenciatura pelo mesmo curso e instituição.
    Desde pequenos em que somos encaminhados à "escolinha", o papel desempenhado pelas (os) professoras (es) é determinante. Ou nos encorajam ou (podem) reprimem. A experiência segue até no nível superior, sobretudo, quando a escolha da profissão é a mesma. A formação e a necessidade destes sujeitos atuantes na sociedade (deve) atravessa cartilhas pré-determinadas por um Estado excludente - que inclusive, se mantém com a lógica essa lógica de dominação. De todo modo, o professor, ou melhor, o professor da área das humanidades desempenha peça-chave para constituir e integrar mentes críticas e ativas.
    O Estado não quer educação porque a educação derruba o Estado, e é com isso em mente (e alma) que batalhamos diariamente para estudarmos e nos capacitarmos para que possamos (nos) encorajar as gerações que acreditam (e merecem) viver uma sociedade sustentável, autônoma e digna.

    ResponderEliminar
  38. Gabriel Shimith Marchesano23 de noviembre de 2021, 10:42

    Boa tarde,
    Meu nome é Gabriel Shimith Marchesano, sou bacharel em Ciências Sociais pela UNESP - FFC e concluinte na mesma área em Licenciatura. A importância do professor no ensino é trazer a tona as realidades dos acontecimentos ocorridos e presentes no mundo, dialogando com os alunos, dando voz aos mesmos e discutindo maneiras de como melhorar o ambiente e a vivencia cotidiana política e social. Contudo isso é o princípio, pois por trás de todo esse diálogo, o professor deve levar modos e linguagem das quais o aluno se sinta interagido no ensino a ser ensinado e no ambiente da escola. Facilitando com os mesmos o material levado a sala de aula e também o acesso ao mesmo.
    Por essa razão o professor é responsável por esse elo entre aluno, ensino e escola. Como citado no texto, o papel do professor é de suma importância para o aprendizado do aluno e como deve ser feito. Por essa razão que o trabalho de ensinar é a base para alavancar e dirigir ao mundo uma sociedade igualitária e sustentável. Pois quem dará prosseguimento social a isso são nossos alunos atualmente e isso é uma semente da qual devemos plantar.

    ResponderEliminar
  39. Ola, uma boa tarde a todos
    Sou Johnny Takashi Kogati Kumabe, estudante do bacharelado em Ciências Sociais da UNESP-FFC, Maríia. Penso, como estudante de ciências sociais, que o professor, em especial os de ciências sociais e geografia, são parte dos grandes responsáveis por conectar jovens, até mesmo jovens adultos, com o mundo ao seu redor, a docência não deve apenas transmitir conhecimento, cabe a ela ajudar a formar o aluno como intérprete de sua própria realidade. Está aí, talvez, outro grande desafio da docência, conectar o jovem, em especial aquele periférico à realidade social e a contradição do capital no sul global, uma vez que este (Capital e Estado-burguês) por si não tem nenhum objetivo de ser compreendido. Vejo, por isso, que a não separação entre "fazer" e "pensar" é essencial, não basta apenas interpretar sua realidade, mas formar-se como sujeito no mundo, e como agente da mudança na sociedade.
    Finalizo, portanto, concebendo o docente como o agente de mudança que busca formar outros intérpretes e agentes da mudança na realidade social em que vivem.

    ResponderEliminar
  40. ¡Hola!

    Soy María Geraldinne Villamil de la Universidad de los Andes.

    Personalmente, no soy gran amante de la democracia como sistema político ni del ambientalismo o ecologismo, pero me parece que hay aspectos importantísimos de estos para la convivencia y supervivencia en cualquier sociedad. Sobre la democracia, aunque me encanta la verticalidad y la autoridad bien llevada para tomar decisiones importantes, hay actitudes democráticas que son útiles para que uno adopte en cualquier interacción social. Como estudiante, siempre me involucró y motivó la posibilidad de proponer dinámicas en el aula, en la evaluación y los métodos de aprendizaje, lo cual es muy democrático. Además, me parece valiosísimo cuando las discusiones en clase se asemejan a la democracia deliberativa, en la que se escucha atentamente a los grupos o individuos con ideas particulares que quieren expresar sin la necesidad de buscar llegar a un consenso o a la verdad. Sobre el ambientalismo, me parece fundamental las sesiones y aprendizajes prácticos, no sólo teóricos, y aterrizados a las necesidades de la comunidad y el entorno de la institución. Considero lo anterior importante porque, desde mi perspectiva, estos aprendizajes son significativos cuando están conectados con el estudiante y este los ve como algo importante en su vida, pues repercute en su vida. De lo contrario, es una clase magistral más, de test, de memorizar y no aprender.

    ¡Gracias!

    ResponderEliminar
  41. Olá, me chamo Glayton, sou estudante do quinto ano de ciências sociais na UNESP de Marília/SP, estou concluindo bacharel e licenciatura.
    Creio que o papel do professor e da professora no século XXI, em especial para aqueles/as que atuam na rede pública, tem sido prioritariamente o de luta e resistência, tanto para melhoria do ensino quanto para que se mantenham as conquistas até então obtidas, que vivem sob constante ameaça.
    Para professores e professoras das ciências sociais, às quais tais ameaças se mostram ininterruptas, tendo sua disciplina historicamente questionadas pelas classes dirigentes no ensino público brasileiro, cabe pelo olhar crítico denunciar os ataques à educação e lançar luz às possibilidades de transformação social, política e econômica.
    Sem o papel de luta do professor e da professora em nosso tempo, poderá não haver um futuro próximo onde outros papéis sejam possíveis para a categoria.

    ResponderEliminar
  42. Boa noite, me chamo Mário sou estudante do sexto ano da licenciatura em Ciências Sociais na UNESP de Marília-SP.
    Acredito que o papel do professor na área de Ciências Humanas passa pelo constante estudo e aprimoramento profissional para lidar com a diversidade que encontra-se na Escola. É importante apresentar a teoria, seja da Geografia, História e Sociologia; porém sempre aproximado para perto do contexto dos alunos.
    Faço estágio em uma escola no interior do estado de São Paulo, Brasil; e o que mais me chamou a atenção neste período é que os professores trabalham os conteúdos articulando-os com questões do cotidiano, promovendo reflexões e dúvidas com os alunos.
    A precarização da categoria se impõe como um grande desafio para continuar as pesquisas e os projetos na Educação. Porém, a experiência de articular teoria e prática auxilia e muito aos profissionais em formação a articularem práticas e estratégias para trabalhar a teoria sem que fuja muito da realidade dos alunos.

    ResponderEliminar
  43. Boa noite a todos e todas, meu nome é Leticia, sou graduanda de Ciências Sociais na UNESP de Marília e atualmente estou no 4º ano da graduação.
    Refletindo a partir de questões abordadas no texto e como estudante de ciências sociais, compreendo que o que diferencia o (a) docente de ciências sociais e de geografia das demais áreas, é por essas duas áreas compreenderem e estudarem o espaço e suas contradições, tanto a partir de conceitos que são ensinados em ambas as áreas quanto a partir do comprometimento que ambas as áreas tem com a sociedade e o espaço.
    Entre os espaços estudados temos o espaço escolar, o qual de acordo com Juarez Tarcisio Dayrell, ao compreender a escola como um espaço sociocultural, significa compreendê-la na ótica da cultura e resgatar os papéis dos sujeitos que a constitui, portanto é entendida como um espaço próprio que traduz projetos políticos e pedagógicos, e um espaço com uma multiplicidade de sentidos.
    Diante disso, existe um dinâmica e complexa rede de relações que se manifestam de forma mais evidente na sala de aula na relação entre docente e discente, ao invés de ser estabelecido um elo entre ambos, os professores e alunos são vistos como dois mundos diferentes que se cruzam, mas permanecem separados, em que os professores muitas vezes olham de forma equivocada para os alunos, sendo assim um dos maiores desafios que enfrentamos atualmente. Como estabelecer o elo entre alunos e professores?
    Visando os professores de ciências sociais e geografia que têm mais contato com a problematização da sociedade e do ambiente, como nós, atuais e futuros professores dessas áreas podemos nos conectar com os estudantes?
    Essas são algumas reflexões que tive a partir do texto, ambas as áreas têm contato com a atual realidade social e suas contradições, sendo assim uma das características que as distinguem das demais, e enquanto professores devemos não apenas ter contato como também compreender e problematizar a realidade social dos estudantes, o espaço que ocupam e que nós enquanto professores ocupamos e a influência disso no ensino e aprendizado. O docente de geografia e ciências sociais por já carregam uma bagagem acadêmica sobre, e é necessário colocá-la em prática.

    ResponderEliminar
  44. Este comentario ha sido eliminado por el autor.

    ResponderEliminar
  45. Olá a todos, meu nome é Tiago Marques, sou bacharel pela UNESP Marília no Brasil e estou concluindo a licenciatura em ciências sociais pela mesma universidade.

    Achei muito interessante a proposta de questionar como devem ser os professores de geografia e de ciências sociais do século XXI, e também, os comentários feitos. Dá pra notar as diferenças de enfoques e propostas, que geralmente variam de acordo com a realidade da localidade em que cada participante se encontra.

    Li comentários de Portugal, da Espanha, da Colômbia, de colegas do Brasil e acredito que um dos principais papéis que o professor deste século deve ter é justamente esse: ajudar/ensinar os alunos a se localizarem no mundo. Não apenas geograficamente, mas mostrar as múltiplas determinações que formam nossa subjetividade, nossa história e realidades econômica e social, as desigualdades, nossos gostos, nosso modo de vida, do nosso lugar, do nosso entorno e vizinhanças e dos povos do planeta Terra de modo geral.

    O jovem que está na escola muitas vezes está em busca de formar a sua identidade, quer entender quem é, do que gosta, quais caminhos seguir, quais posturas tomar, etc. De certo modo, podemos dizer que praticamente todo jovem é demasiadamente "perdido". Tudo nessa época é vivido de forma intensa, as emoções, as vivências, as experiências, as trocas... tudo é de suma importância!

    Ter um professor(a) sensível aos sentimentos do tempo em que vive e que está sendo experimentado por essa juventude, pode ajudar muito ele a se conectar com as suas classes.

    Ter conhecimento teórico é fundamental, gostar de ensinar e estar sempre se atualizando também é, porém o professor que não se engaja em descobrir o "mundo" dos jovens, é um professor fadado a ser tachado de chato e de ter muitos dos seus alunos dispersos em suas aulas.

    Acredito que o professor do século XXI é um ser antenado com as novidades, com as ferramentas tecnológicas de ensino e aprendizagem, um ser dinâmico e ativo, aquele que faz a ponte entre o saber e a carência/necessidade do aluno.

    Em suma, acredito que o professor do séc. XXI não deva ser uma máquina de transmissão de informações, tampouco uma pessoa que está ali para ser pai ou mãe dos jovens, todavia, ter tato e saber ouvir a sala e articular seus conhecimentos, conceitos, teorias e os temas da realidade social em que vivem, saber transmitir isso de forma leve e que faça sentido para seus alunos faz toda a diferença.

    Não entrarei em detalhes para comentar os problemas que passam os professores brasileiros em sua dura realidade, pois o intuito da proposta não era esse, no entanto, não posso deixar de ressaltar que essa profissão vêm sendo muito precarizada e menosprezada em meu país. O professor brasileiro, antes de pensar em como ser um professor do século XXI, ele tem que pensar/tentar sobreviver e lidar com os mais variados problemas, desde uma baixa remuneração e desvalorização da profissão, bem como falta de estrutura e de condições de trabalho adequadas, passando por interferências burocrático-ideológicas dos mais variados níveis, entre outras coisas.
    As realidades de todos os presentes neste foro são muito diferentes, mas a soma de forças pode contribuir muito para todos nós.

    ResponderEliminar
  46. Olá, me chamo Ana Laura Silveira, sou brasileira, graduanda em Ciências Sociais pela FFC - Unesp Marília/SP concluinte da licenciatura na mesma área.

    Sempre faço a reflexão sobre os caminhos de lecionar e os métodos para promover a emancipação em sala de aula com os alunos. Acredito que a concretização de um professor de Geografia e Ciências Sociais seja promover por meio da desnaturalização das estruturas sociais um vínculo com o planeta terra e todos que o habitam, objetivando esse exercício à autonomia dos alunos, compreendo essa prática como emancipadora não apenas dos próprios estudantes, mas entre todos os envolvidos no processo.
    Seguindo a ideia de uma Ecopedagogia e uma Cidadania Planetária, como apresenta Francisco Gutiérrez e Cruz Prado, é preciso pensar a educação em três pontos emergentes, sendo eles a Ecologia Profunda, que nos proporciona os fundamentos científicos das mudanças necessárias a serem realizadas ao nível individual e social, com exigências para um planeta com relações com o cosmos. A Pedagogia, como o trabalho de promoção da aprendizagem através de todos os recursos colocados em jogo no ato educativo. E por fim, a Planetariedade, nos levando a sentir e viver nossa cotidianidade em relação harmônica com os outros seres do planeta Terra.
    Deixo um trecho do livro que gosto muito: “ A ecopedagogia é uma pedagogia que promove a aprendizagem significativa, atribuindo sentido às ações cotidianas.Uma pedagogia da pergunta, democrática e solidária, que nos convida, educadores/as e educandos/as, a garantir a sustentabilidade de cada um de nossos atos cotidianos como seres humanos que compartilham com outros seres a aventura de viver nesse planeta.”

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Ana Laura, pode disponibilizar a bibliografia na sessão específica, conforme recomenda o Prof. Souto.


      Eliminar
  47. Olá, desejo uma boa noite à todos.
    Me chamo Beatriz Sales Caraciola, sou estudante do 5º ano de Ciências Sociais, nas modalidades Bacharel e Licenciatura da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho situada na cidade de Marília (FFC).
    Primeiramente, ouso apontar a complexidade e importância de pensar o papel do professor de Geografia e Ciências Sociais no século XXl.
    De acordo com a minha experiência enquanto estudante, anteriormente voluntária do Programação Institucional de Bolsas de Iniciação a Docência, atualmente membro do Programa de extensão universitária intitulado Residência Pedagógica e futura professora. Acredito que para compreender sobretudo o papel do professor tanto quanto na área da Geografia tanto quanto nas Ciências Sociais, é primordialmente necessário entender a profissão como uma peça fundamental na formação dos estudantes e na transformação de uma sociedade mais justa e consciente. Além de mediar, facilitar e articular o conhecimento, é preciso acolher os alunos e entender que cada um deles possui um processo histórico e de ensino-aprendizagem diferente. É indispensável não se colocar em um papel hierarquizado como único detentor do conhecimento e assimilar que ao passo que se ensina também se aprende, dando protagonismo ao aluno e fazendo com que eles participem ativamente no processo educativo através das mais variadas atividades, desenvolvendo a capacidade crítica e os desconstruir através do estranhamente da realidade, por meio da superação de preconceitos, ideologias e senso comum. É preciso trazer a realidade do aluno para a sala de aula com o intuito de aproximar os conhecimentos do seu cotidiano com os conhecimentos científicos, provocar os alunos através de suas curiosidades e mostrar que a partir de seus próprios questionamentos é possível encontrar respostas para as suas perguntas através do conhecimento científico, apoiá-los a seguirem seus objetivos e sonhos apesar das diversas dificuldades que possam surgir e dizer que eles devem e podem ocupar lugar na universidade pública, que são deles por direito. Aponto que também é fundamental desenvolver os hábitos de leitura e escrita para que possam compreender a realidade social em que vivem e se comunicarem enquanto membros de uma sociedade.
    Aproveito por fim, para parafrasear uma grande escritora e contista brasileira, Cora Coralina. “Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina. O saber se aprende com mestres e livros. A Sabedoria, com o corriqueiro, com a vida e com os humildes. O que importa na vida não é o ponto de partida, mas a caminhada. Caminhando e semeando, sempre se terá o que colher.”

    ResponderEliminar
  48. Meu nome é Barbara sou brasileira, graduada em Ciências Sociais pela FFC - Unesp Marília / SP, concluindo a graduação na mesma área.


    Ser professor é uma das profissões mais importantes em uma sociedade, tudo o que o aluno absorve durante uma aula influencia de diversas formas sua visão de mundo. Principalmente um aluno de ensino médio que ainda esta em processo de desenvolvimento. Geralmente professores da geografia e ciências sociais não são valorizados como deveriam, e essas disciplinas requerem uma atenção, e responsabilidade maior por fornecer uma base política. Então o trabalho do professor é muito mais complexo do que parece, e infelizmente, falta reconhecimento e entendimento desta profissão, que muda a vida das pessoas em diferentes aspectos.

    ResponderEliminar
  49. Saudações!
    Dani Silva, Unesp, Marília (São Paulo, Brasil), Gradução em Ciências Sociais (5º Ano).

    Ume professorie de Geografia e Ciências Sociais para o século XXI deve ser uma pessoa que tenha as condições materiais para desempenhar a sua atividade de estudo, ou seja, que tenha tempo, espaço e recursos disponíveis para uma formação docente de qualidade e atualizada, sempre alinhada aos pressupostos de uma educação crítica e multicultural. Além disso, deve fazer parte de uma comunidade pedagógica, como diria bell hooks, em que coletivizar o conhecimento com as demais pessoas seja parte do estudo.

    Deve ser uma pessoa a qual a sua atividade de ensino priorize es alunes como foco central, realizando o papel de mediação em direção aos objetivos de cada atividade. Formar e ser formade na relação ali proposta, não esquecendo das questões e dos sentidos das juventudes, quais sejam as interseccionais.

    Deve ser uma pessoa que se posicione diante das injustiças sociais e climáticas, das opressões e da exploração do trabalho docente. Que saiba que a atividade de ensino-estudo vai além do espaço da sala de aula e da escola (embora sejam espaços essenciais para o desempenho da nossa função), visto a materialidade da própria prática que se extende para territórios variados, em espaços de educação informal, nos centros urbanos e periferias, zonas rurais, assentamentos, comunidades indígenas e outras. Saiba que as atividades des professories e alunes estão conectadas e inseridas no espaço da sociedade e da comunidade internacional como um todo.

    ResponderEliminar
  50. Olá, bom dia a todos e todas. Me chamo Beatriz Jorge Barreto, tenho 22 anos, resido atualmente na cidade de São Paulo (SP-Brasil), sou bacharel em Ciências Sociais pela Faculdade de Filosofia e Ciências de Marília (FFC – UNESP) e ainda graduanda da licenciatura na mesma universidade.
    Para responder às perguntas levantadas no texto, primeiramente, gostaria de ressaltar que o papel, as funções desempenhadas pela instituição escolar e o ensino brasileiro, em geral, têm se aprofundado, nos últimos anos, em uma crise de sentidos e não têm conseguido ser o suporte para superação das desigualdades na nossa sociedade.
    Destacado esse aspecto, não compreendo o espaço escolar como o único lócus de promoção da educação das crianças e dos jovens. Segundo Juarez Dayrell (2001), considerar a escola como espaço sócio-cultural significa compreender que os alunos/as são seres humanos complexos, imersos em uma sociedade que lhes apresenta diversas dimensões de interferência na produção de cada um deles como sujeitos sociais. Portanto, é imprescindível que nós professores, das Ciências Sociais, consideremos que o processo de formação e docência implica ter ciência de que jovens chegam à escola como
    (...) resultado de um processo educativo amplo, que ocorre no cotidiano das relações sociais, quando os sujeitos fazem-se uns aos outros, com os elementos culturais a que têm acesso, num diálogo constante com os elementos e com as estruturas sociais onde se inserem e as suas contradições (DAYRELL, 2001, p. 142).
    Os fatores apresentados precisam ser levados em conta pelos/as docentes, na medida em que cada estudante está inserido/a em múltiplos contextos de vivências, significações, discursos, práticas e comportamentos. Isso significa que o ambiente de ensino, enquanto reflexo da realidade histórica, social, cultural e política de um país, estará sempre permeado por estas subjetividades, marcadas pelas questões de gênero, raça, classe, religião, sexualidades e etc. Vejo que precisarei estar sempre atenta ao universo de pluralidades e possibilidades de existência com que me depararei em sala de aula.
    A sensibilidade para essas especificidades está também ligada ao fato de que, no Brasil e especialmente no ensino público, cada turma e cada aluno/a se encontra em estágios diferentes de desenvolvimento e aprendizado. A educação no Brasil é desigual e isso significa que as oportunidades de ensino não são iguais para todos/as, por isso enxergo a dinamicidade e flexibilidade dos planos, objetivos, metodologias, cronogramas e atividades das aulas, que provavelmente serão adaptados com o passar dos anos, a partir das necessidades específicas de cada sala.
    Acredito que a prática de ensino, de profissionais da educação de todas as áreas, deve ponderar tudo que foi citado anteriormente e, acrescento, que o objeto de conhecimento-aprendizado não deve ser memorizado pelos/as alunos/as, mas apreendido e compreendido pelos mesmos. A docência precisa procurar estar distante da transmissão de saberes e próxima da possibilidade de fornecer aos estudantes o “aprender a aprender”.
    O livro de Paulo Freire “Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa” (2019), me auxiliou a refletir sobre todas essas questões citadas e me faz seguir com mais força na decisão de me tornar professora.
    A pretensão de não estabelecer hierarquias ou me eleger enquanto porta-voz do saber é uma tentativa de exercer o “saber escutar” e uma pedagogia dialógica, tão preciosos nas análises de Paulo Freire (2019, p. 111) para profissionais que pretendem seguir com a docência. São esses ensinamentos, conselhos, lições e aprendizados de Freire, com a influência de todas as experiências, textos, debates, correntes pedagógicas e metodológicas na licenciatura, que acredito podermos seguir com a futura prática docente muito mais inspirados e confiantes.

    ResponderEliminar
  51. Este comentario ha sido eliminado por el autor.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Importante aspecto trazido ao debate, dirigindo as reflexões para o contexto escolar e aos saberes específicos dos estudantes. Sugiro disponibilizar a bibliografia, conforme recomenda o Prof. Souto.

      Eliminar
  52. Referências que utilizei no meu texto/comentário acima:

    DAYRELL, Juarez. A escola como espaço sócio-cultural. In: DAYRELL, Juarez (Org.). Múltiplos Olhares sobre a educação e a cultura. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2001.

    FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2019


    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Bom dia, quero dar os meus parabéns a todas as pessoas que estades a partilhar o voso conhecemento. Aproveito para utilizar o comentário bibliográfico da Beatriz para INVITAR a todxs leitores a consultar a secção RECURSOS e ver a bibliografia que está lá colocada.
      Gostaríame que se poidera fazer uma aportação temática por ámbitos de formação e criar uma bibliografia entre varias Universidades. Isto será de moita utilidade para outros alunos e alunas.
      Uma Universidade pode tomar a iniciativa e logo unirse outras.
      Adiante. Podemos publicar o resultado final na mesma secção
      Um abraço desde Lisboa,
      Xosé M Souto

      Eliminar
  53. Hola! Mi nombre es Sofía, estudiante del Grado de Maestro/Maestra en Educación Primaria en la Facultad de Educación en la UCLM. Mi aportación estará basada en una reflexión extraída de la realización de un trabajo que hemos realizado acerca del COVID.
    Como ya conocemos, es un tema que nos ha afectado en muchos de los ámbitos de nuestra vida y para ello se hace necesario reflexionar sobre determinados aspectos para ver que se puede o no, mejorar.
    La realización del trabajo ha consistido en buscar una noticia que trate el tema del COVID e identificar si se trata de una Fake News o no.
    Mi grupo de trabajo, en concreto, ha encontrado una noticia que trata de que las mujeres vacunadas podrían proteger a sus bebés mediante la lactancia y hemos encontrado numerosas investigaciones que resuelven la problemática de las dudas que tenían las mujeres embarazadas sobre si vacunarse o no. La conclusión que se obtiene es que la vacunación en mujeres embarazadas es beneficiosa para el futuro bebé ya que a través de la leche materna se refuerza el sistema inmunológico del bebé no solo frente al COVID sino también frente a otros virus respiratorios y otras patologías.
    En nuestro caso, nos ha resultado difícil encontrar datos acerca del porcentaje de mujeres embarazadas vacunadas en España y por eso los datos los hemos centrado en el porcentaje de población española vacunada con las dos dosis o con una sola dosis, donde hemos podido comprobar que el porcentaje de vacunados en España es muy elevado.
    Concluyo mi reflexión sobre este tema señalando que al igual que la vacunación es beneficiosa para los bebés también lo es para el resto de la población ya que observamos como las vacunas están siendo efectivas, pero aún así no podemos descuidarnos demasiado, tenemos que seguir teniendo determinadas precauciones por la seguridad de todos y todas.

    ResponderEliminar
  54. Boa tarde, pessoal!

    Me chamo Giulia e estou concluindo o quinto ano de Ciências Sociais na UNESP de Marília.

    Descobri a existência das Sociais nos meus últimos meses de cursinho pré-vestibular, em 2016. Pesquisando e lendo um pouco sobre as diversas possibilidades, criei, à época, uma visão um tanto estereotipada - e até utópica - do que viria a ser o curso em si. Acreditava ser o mais “desconstruído” dos cursos, mas que, sobretudo, me daria grandes bases teórico-críticas às discussões sociais. Não estava de toda errada ao final, porém apenas cursando, efetivamente, a modalidade licenciatura que novos horizontes se abriram sobre o verdadeiro sentido e os reais problemas que envolvem a questão do ensino - sendo ele universitário ou não. O texto do referido Foro traz afirmações como “há um grande consenso sobre a importância do papel dos professores”, “o professor é a alma do ensino” e sobre como o professor “tem de possuir um domínio técnico-científico específico”. Particularmente, não discordo de nenhum dos enunciados, mas acredito que devemos pensar algumas problemáticas imersas dentro da categoria ser professor.

    O ensino é constituído por uma relação dialética - isto é, não somente o professor ensina o aluno, mas também o inverso. Entretanto, a forma como a educação foi e segue sendo majoritariamente construída no Brasil, caminha no sentido de findar e perpetuar as desigualdades sociais já existentes; as constantes reformas de cunho liberal esvaziam o verdadeiro sentido do ensino e transformam o currículo em mero palco de disputas político-ideológicas. Antes mesmo de começar a lecionar, o professor - ainda na universidade - comumente passa por uma formação precarizada e uniformizante, o que dificulta a construção dos sentidos de sua atuação - além da intensa precarização da categoria, que também enfrenta péssimas condições de trabalho. Começamos a perceber, então, que não basta “apenas” domínio do conteúdo teórico-científico. Deve-se resgatar o princípio de que o professor é para o aluno um mediador entre o conhecimento teórico e a realidade objetiva, o que retoma a importância, por exemplo, de uma atualização constante de sua formação, a fim de não perder de vista uma prática pedagógica crítica, responsável por trazer sempre um sentido ao que está sendo ensinado.

    Citei minha experiência pessoal ao começo para destacar, justamente, como o caminho entre a atuação do docente até a apropriação (ou não) do conteúdo pelo estudante depende das condições materiais, mas, também, da existência ou não de um motivo em suas ações - como defendeu Vygotsky. O professor pode dominar o conteúdo, mas sua mera reprodução não influi em uma compreensão crítica, muito menos em uma ação ativa do estudante na realidade. Esperei, em 2016, que essa participação ativa e curiosa dos docentes fosse unanimidade dentro da graduação. Me enganei. Apesar disto, está sendo dentro da graduação, ainda, que tenho entendido que a existência de uma prática pedagógica crítica independe de uma formação exclusiva na área da Sociologia. A Geografia aparece como uma possibilidade clara disso quando consideramos as várias pontes possíveis de se construir entre o conhecimento teórico e a realidade dos estudantes.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Que belo relato, Giulia. Nos anima a pensar sobre o papel dos professores e os laços/relações construídas ao longo dos anos escolares.

      Eliminar
  55. Buenas tardes, soy Virginia Luna Castro, estudiante de 4º de carrera de Maestra en Educación Primaria en la Facultad de Educación de Ciudad Real en la Universidad de Castilla-La Mancha. Quiero compartir en este foro las conclusiones que he sacado acerca del trabajo junto a más compañeros sobre el Covid-19 y la vacunación.
    Primero, quiero comentar que, como cualquier persona en esta pandemia, he sufrido con el confinamiento (cuarentena) donde solo podíamos salir a comprar a los supermercados, farmacias… entonces esto nos hacia sentir mucho estrés, ansiedad, mucho agobio en general. Para ello, hacia mucho deporte, que no solía hacer antes, solo por tener la mente despejada de alguna manera. Todo esto me produjo un antes y un después en mi vida, jamás habíamos pasado por esto nunca y fue bastante impactante para mí y para todos también.
    En cuanto a dicho trabajo de fake news sobre el Covid-19 y la vacunación, hemos investigado y hemos visto que hay muchísima gente que no ha querido ni quiere vacunarse. La mayoría son jóvenes (de nuestra edad) y deberían de pensarlo mejor por la gente que tienen a su alrededor ya que son más mayores o propensos a coger cualquier cosa con mayor facilidad (abuelos). Los gobiernos se han empezado a centrar en la vacunación dejando de lado los contagios y las hospitalizaciones (siguen subiendo).
    Para terminar, he de decir que va a ser muy difícil salir de esta situación porque la gente se piensa que esto se ha acabado y no es así. Tenemos una gran solución: vacuna, y mucha gente no lo ve importante y con ello, se pone en peligro tanto ellos como a los demás. Yo solo espero que la gente haya aprendido y valorado muchas cosas más que antes e intentar hacer de este mundo, un lugar mucho mejor a partir de esta situación.

    ResponderEliminar
  56. Hola, soy Pilar Herrero Jerez, estudiante del Grado de Maestro en Educación Primaria, cursando cuarto curso en la Facultad de Educación de Ciudad Real, perteneciendo a la Universidad de Castilla-La Mancha (UCLM), en España.
    A continuación, voy a comentar desde mi punto de vista acerca de la pandemia debido al Covid-19.
    Después de vivir el confinamiento y tras 3-4 oleadas que hemos vivido desde el mes de marzo del año 2020, estamos volviendo a recaer debido a la nueva variante del virus, Ómicron. Desde las medidas estrictas que se impusieron al principio de la pandemia, como llevar mascarillas obligatorias tanto en los interiores de los lugares públicos como en la calle, mantener las distancias de seguridad, toques de queda, cierres de ocio nocturno... Ha afectado a toda la población y no solo en el ámbito social y económico, sino también en ámbito educativo, ha sido un descontrol y un desconocimiento. Tras superar momentos difíciles, hemos tenido una mejoría debido a las vacunaciones (Pfizer, AstraZeneca, Moderna, Janssen…) pero volvemos a relajarnos y eso es gran error. Porque el virus no ha desaparecido, aun sigue ahí y la vacuna no te protege del todo del virus, te ayuda a protegerte contra los cuadros más graves de la enfermedad, pero hay que seguir manteniendo las distancias de seguridad y el uso de las mascarillas para que todo mejore.
    En definitiva, tras vivir esta pandemia nos ha servido en darnos lo que de verdad es importante para nosotros.

    ResponderEliminar
  57. Boa tarde,

    Aproveito para tecer alguns comentários sobre o que Ramon, Maria Vitória,Tháis , Glayton e Beatriz trazem ao debate:
    1) importante considerar o contexto escolar e o ambiente de aprendizagem, sobretudo quando a docência se realiza em ambientes de grande desigualdade social e ambiental;
    2) os saberes docentes e os conhecimentos específicos de cada campo do conhecimento são fundamentais ao exercíco da docência. Não como um conhecimento único, mas como conhecimento poderoso, ou seja, que permite ao educando ler e compreender o mundo por meio de linguagens e saberes específicos que possibilitam agir e transformar sua própria ação local e o mundo;
    3) A docência centrada no saber do estudante/educando, considerando os conhecimentos prévios é um importante ponto de partida para a organização e planejamento do ensino e do currículo escolar, por isso, exigir um currículo único é de difícil alcance e realização. Apesar disso, é fundamental que cada campo do conhecimento saiba o que é necessário ensinar, ou seja, avançar na construção e difusão do conhecimento científico é um dos papeis fundamentais da escola, sobretudo em tempos em que o acesso à informação é facilitado.
    Conhecer para saber selecionar, analisar criticamente as informações e produzir novos conhecimentos é papel fundamental da escola e deve ser objetivo dos docentes.

    Rico debate podemos fazer neste fórum.
    Saudações a todos,
    Silvia A.S. Fernandes
    Unesp/Marília-Brasil

    ResponderEliminar
  58. Dios le bendiga, soy Joshep Rios Velasquez estudiante de 8° ciclo del departamento de Educación Secundaria: Historia y Geografía, Universidad Nacional de Trujillo, Perú.

    Es causa de interés la interrogante planteada de que singularidades debe tener el docente de ciencias sociales, antes de ingresar a la carrera tan solo tuve esta interrogante pocos momentos y lo respondía de manera panorámica, sin embargo en mi formación y realidad peruana en observado que la docencia en general requiere de una matiz presentable y llamativo al educando cuando se refiere del curso que se va enseñar.

    Sin embargo en un país diverso y pluricultural el docente o la docencia de ciencias sociales en alguno colegios han sido desplazados por docentes que han tenido una formación en otra curso, ¿A que se debe aquello? sucede que el nuestra area es tomada como una enseñanza de generalidades y que el carisma del docente de ciencias sociales puede ser imitada, igual que su sesión de clases puede ser descargada del internet para cumplir con la horas de clases ante ello es necesario en mi realidad que la docencia de CC.SS. genere un cambio en su formación y ejercicio de su carrera a tal punto que no pueda ser sencilla de imitar, por el motivo que evidenciemos nuestra vocación, pasión y profesionalismo en este trabajo.
    Sabemos que las ciencias sociales en la escuela no tiene como finalidad formar especialistas en los temas, sino actores sociales de los temas que enseñamos, por ejemplo, en la Universidad Nacional de Trujillo, llevamos un proyecto social de seguridad vial, la cual, expandimos el conocimiento en aprendizaje social saliendo a concientizar a nuestro conciudadanos con gestiones municipales, tales hechos dan respaldo que la docencia de ciencias sociales no pueden generar educandos impulsadores de contenido teórico, por lo contrario formaríamos una particularidad entre nosotros de conocimiento aplicado, observando nuestra sociedad y redirigiendo temas del area para el apoyo del entorno del educando.

    ResponderEliminar

  59. Mari mari! Mi nombre es Camila Saavedra Solís, actualmente estudiante del Máster de Investigación en Didácticas Específicas de la Universidad de Valencia. Nacida en Chile e iniciada en la profesión docente, junto a niñes de primaria y secundaria de la comuna de San Joaquín, un barrio de la zona Sur de Santiago marcado por la desigualdad social y la precarización de la vida.

    Desde mi experiencia situada en un contexto educativo adverso, un equipo docente comprometido puede marcar una gran diferencia. Este compromiso nos refiere a la necesidad de desarrollar una serie de habilidades para el trabajo colaborativo, la reflexión didáctica y pedagógica, la lectura crítica del currículo prescrito, puestas al servicio de construir espacios donde se elabore la posibilidad de la resistencia, ante un sistema educativo que produce y reproduce la desigualdad social. Así, resituaría la pregunta del foro, hacia la colectividad, en el entendido de que requeriremos de un grupo organizado y comprometido ¿Qué equipos docentes de Geografía y Ciencias Sociales son necesarios para la educación del siglo XXI?

    En una profesión donde muchas veces impera la frustración y la impotencia, es importante fortalecer una identidad docente que reconozca en el pasado y el presente, experiencias de organización de profesorado comprometido con proyectos educativos transformadores, como por ejemplo los grupos de Renovación Pedagógica para el caso de España y Equipos de educadores populares en el Chile de la Dictadura y la transición.

    Este Domingo se desarrollan en Chile elecciones presidenciales, en un clima polarizado donde el candidato de ultraderecha ha mostrado abiertamente una política antiinmigración, con una política ambiental que profundizaría el extractivismo. La semana pasada declaró ante la opinión pública ¡Cuando vamos al Sur, vemos que los ríos votan el agua al mar!, ¡Nosotros no vamos a andar perdiendo el agua que votan al Mar! (Kast, 10/12/2021). La normalización de este tipo de discursos hace necesario y urgente que nos preguntemos cuál es el rol de la educación en el siglo XXI en el ámbito de las Ciencias Sociales, a mi modo de ver, contribuir a situar al estudiantado en la sociedad en la que viven, desarrollar habilidades del pensamiento histórico y geográfico que les permitan hacer una lectura crítica de la realidad, y sobretodo no separar la formación disciplinar de la reflexión ética y la educación emocional (tal como planteaba con anterioridad Blanca Amorim) necesaria para ser sensibles ante los problemas socialmente relevantes y actuar desde una ciudadanía crítica, que no solo denuncie sino también anuncie, en palabras zapatistas “comenzar a crear –aquí y ahora– los gérmenes de los nuevos mundos”.

    ResponderEliminar
  60. Estamos a punto de finalizar el año 2021. Un año que, como docentes del siglo XXI, debemos tener en cuenta recordando el nacimiento de Paulo Freire el 19 de septiembre de 1921 y el significado profundo de su obra pedagógica. Atendiendo a la pregunta que se nos plantea en este Foro, no puedo dejar de pensar hoy en la construcción de la identidad docente. Un camino cargado de obstáculos y oportunidades para transitar desde el ser menos al ser más desde el punto de vista profesional, dándole sentido a la función primordial que Freire anhelaba, la de ser un agente de transformación social y cultural. Desde mi punto de vista, esta es la orientación y el rumbo que hemos de seguir como docentes-acompañantes de la ciudadanía estudiantil en un mundo contradictorio e interconectado (o, más bien desconectado) que vive en los espacios educativos formales, con la finalidad de propiciar una socialización simétrica, cara a cara.
    Ser más es uno de los ejes vertebradores en la obra de Freire. Si aplicamos esta categoría de análisis al ser humano, al saberse éste inacabado o inconcluso, nos encontraremos con una ventana abierta a la vida, un objetivo básico en su búsqueda para transformar la realidad. Ser más humano consiste en activar una potencia tal que nos permita plenamente ser en el mundo y ser en relación con el otro, en el sentido de propiciar la liberación, la autonomía y la transformación social frente a la opresión, la dependencia y el mantenimiento del statu quo. En ese escenario, la educación puede decantarse por mantener el efecto de la anestesia para ser menos, o aplicar sus herramientas transformadoras para ser más. Por esta razón, la educación emerge como el camino a seguir para humanizar al ser humano, es decir, la de provocar en él una acción emancipadora porque cualquier opresión lo deshumaniza, lo cosifica, lo convierte en un ser para otro deshaciendo así las posibilidades de ser más.
    En ese proceso, y en una educación entendida como posibilidad de ser más para el ser humano, juega un papel destacado el profesorado de Ciencias Sociales y Geografía que acompaña al alumnado en ese recorrido de exploración y desvelamiento de las consecuencias de una realidad opresora e injusta.

    ResponderEliminar
  61. Hola, me llamo Fernando Pedraza Sancho, hace pocos años que soy profesor de educación Secundaria en España. Sin embargo, he podido observar desde dentro muchas de las carencias del sistema educativo que viví como alumno.
    En primer lugar, creo que una persona que se dedica a la enseñanza básica y obligatoria debería plantearse cuáles son las características que espera que tengan a nivel educativo cualquier ciudadano o ciudadana en su país.
    En mi área, Geografía e Historia, considero esencial que se fomente la ciudadanía crítica que comprenda cuáles son las problemáticas socialmente relevantes de su presente y que sean capaces de plantearse posibles soluciones de estas.
    No obstante, muchas veces los docentes nos centramos en tratar en clase el mayor volumen posible de contenidos en un espacio de tiempo muy limitado sin prestar atención a cuál es la finalidad de tal cantidad de datos. Es decir, sin llegarles a dar un sentido.
    De hecho, muchos ven en esos contenidos el fin mismo de la enseñanza y no un elemento para tratar problemáticas socialmente relevantes como la búsqueda de un desarrollo sostenible, el mantenimiento de unos valores democráticos o el fomento de la interculturalidad en un contexto “globalizado” en el que es fácil caer en el racismo.
    Sin embargo, parte del profesorado ve estos planteamientos como algo prácticamente inviable, utópico o que ni siquiera les interesa. Por ello, pienso que uno de los primeros pasos que deben dar los profesores y profesoras del siglo XXI es la búsqueda de la cohesión del cuerpo docente hacia una meta educativa común que promueva una ciudadanía crítica. Ahora bien, cómo conseguir dicha cohesión es una cuestión de difícil respuesta.

    ResponderEliminar
  62. Bom dia, sou o Marcos Vinicius, sou estudante de 3 ano de ciências sociais da UNESP de Marília - SP - Brasil.

    Sobre a questão levantada sobre "Que professor e professor de Geografia e Ciências Sociais para o século XXI?"

    Eu início minha fala defendendo a importância de se ter uma educação gratuita, laica e de qualidade, começo por eles pois, no Brasil se deve defender o óbvio, partindo da minha experiência, uma desvalorização do sistema educacional proporciona uma população "leiga", que perde características de crítica sobre a sua vida, aceitando condições de trabalho e de convivência inaptas a expectativa de vida esperando. O professor deve estar preocupado com o cenário nacional, pois ele está ligado com a forma que os estudantes se tornaram cidadãos. Pois esses estudantes e para um aprendizado e o resto das suas vidas, levando a importância do magistério a um grau de importância, é preciso também chegar as crianças com pensamento científico e proporcionar meios para que essas crianças também tenham interesse no magistério e assim proporcione qualidade educacional.

    ResponderEliminar
  63. Renan Marcel - aluno do 5º ano de Ciências Sociais - UNESP/Marília.

    Acredito que o professor deva primeiramente ressignificar o espaço escolar, levando o aluno a compreender a estrutura da escola e o porque dela ser uma reprodução (mesmo que inconsciente) da vida social ampla tal qual observada por Bourdieu e Passeron em suas análises acerca do sistema de ensino francês na obra "A Reprodução". Se o professor conseguir fazer com que o aluno compreenda essas estruturas será mais fácil de fazer com que o próprio aluno observe essas pequenas estruturas de reprodução em outros espaços de sua convivência. É primordial que antes do aluno saber de fato o que pensavam Durkheim, Marx e Weber, que ele pense a realidade para que depois seja mais natural os links com a teoria.
    Para atingir esse objetivo é importante levar em consideração a a pedagogia freiriana, ou seja, que a didática se dê por meio da troca.
    É necessário que o professor de fato se esforce, nos formamos todos convictos de que o positivismo é coisa do passado e que "neutralidade é coisa de juiz" e em pouquíssimo tempo nos pegamos dentro da sala de aula somente cumprindo programas e não colaborando para que o aluno forme sua consciência crítica. É difícil, é desgastante, mas não podemos perder esses valores.

    ResponderEliminar
  64. Boa tarde, me chamo Adriel, sou aluno do 4° semestre de Ciências Sociais, na modalidade de bacharel da UNESP/ Marília.

    O dever de ser um professor de Geografia e Ciências Sociais, pelo meu processo atual de formação acadêmica, não é algo formado, porém pela minha experiência como aluno do ensino médio, cursinho e hoje a graduação, entendo que o dever de um professor destas disciplinas esta pelo caminho da relação e da escuta atenta, de como o professor também se deixa ser aberto a aprender com os alunos. Como disciplinas que tem como base, uma reflexão critica, da sociedade, politica, meio ambiente, entre outras; é importante que o professor, compreenda o momento histórico no qual os alunos estão vivendo, as culturas que os mesmos carregam, com os valores e crenças. Para uma reflexão critica, um professor não pode se por num local hierárquico, que dentro da sala de aula, seja o único detentor do conhecimento, o compromisso é de suscitar o desejo de uma reflexão, pondo em consideração as experiências pessoais dos alunos.
    Espero que ao decorrer da minha formação acadêmica, e também com as reflexões dentro deste rico fórum, possa ter sempre mais claro, as formas de pensar e executar ações que façam da educação, um espaço de qualidade e equidade para todos.

    ResponderEliminar
  65. João Paulo – Graduando do 4° do curso de Ciências Sociais – Unesp Marília

    Acredito que o professor do século XXI tenha o desafio estimular em seus alunos a percepção do indivíduo dentro do espaço geográfico em que se está inserido. Partindo da interdisciplinaridade com outras áreas das ciências sociais para propor reflexões sobre o território em que os estudantes pertencem, questionando a formação dos espaços e suas divisões, por exemplo, as diferenças entre a área urbana e rural, periferia e centro, instigando um olhar crítico acerca dessas separações. Outro ponto importante que o professor de geografia deve abordar é a responsabilidade dos estudantes com o meio social e ambiental em que vivem, propondo atividades onde os alunos possam desenvolver ações que impactam a comunidade, combatendo as desigualdades, promovendo a preservação do meio ambiente e estimulando a organização política local que questione o poder público sobre as demandas das populações moradoras de determinado espaço geográfico.

    ResponderEliminar
  66. Meu nome é Marcela Eduara, estou no 5° ano de Ciências Sociais na Unesp de Marília.
    Penso que para ser professor é preciso ter um entendimento de que não se fala para o aluno, se fala com o aluno. Cada aluno possui a sua vivência, cada escola possui diferentes classes.
    Através do dialogo levar o aluno a compreender a conceito de território e a perceber os elementos culturais que se apresentem no dia a dia, mostrar ao aluno a importância dos aspectos sociais de tal maneira que ele não se limite apenas aos conhecimentos geográficos.
    O professor deve levar o aluno ao entendimento que ele é participante do espaço em que ele vive.

    ResponderEliminar

  67. Ramon Douglas, CiênciaS Sociais- Unesp - Marília-SP Brasil


    Que professor e professora de Geografia e Ciências Sociais para o século XXI?

    Boa tarde, me chamo Ramon Douglas, sou estudante da UNESP de Marília-SP, Brasil e curso ciências sociais. Nessa trajetória que percorro para ser docente, percebo a disciplina que vou ministrar é extremamente importante para a juventude. O desafio no âmbito dos conteúdo é criar entendimento com o aluno referente as relações que a sociedade exerce com a natureza. Com isso, a ideia consiste no aluno se perceber enquanto sujeito de seu aprendizado. A geografia humana está para o aluno justamente para a compreensão da sociedade como construção humana, produção de espaço e também exclusão. Territórios são poderes de grupos sociais e isso ele pode perceber através de sua própria condição social. Um aluno periférico a partir da construção coletivo do conhecimento geográfico social vai aprender reconhecendo os elementos conceituais tendo a sua vivencia como análise a priori. Esses são no meu ponto de vista, os centros metodológicos para o professor de geografia e ciências sociais no século XXI. O aluno como centro do método e vivência do aluno, ou seja, a sua condição enquanto sujeito social como instrumento de ensino da disciplina, a medida que projeta ao aluno os conhecimento da disciplina que o mesmo vivencia, embora sem a mediação do professor que tem a missão de construir esses conhecimentos, noções junto com o aluno. Dentre estas noções, a relação da sociedade com a natureza que produz espacialidades acessíveis e excludentes. Articulando as noções centro e periferia nas cidades e poder das desigualdades territoriais. As mudanças de paisagens geradas pelo ato humano, movido por interesses de cunho econômico, entre outros. Enfim, a relação humana que envolve a geografia e como essa relação atinge o aluno o faz perceber enquanto sujeito e objeto desse movimento.

    ResponderEliminar
  68. Viviane Ribeiro, aluna do 5° ano do curo de Ciências Sociais/ Marília-SP

    Nota-se que a nossa sociedade se mostra cada vez mais diferente e a ciência geográfica a acompanha ganhando novos significados e novos espaços para se trabalhar. Desta maneira, fica difícil não dialogar com os alunos sobre todas as transformações entre o homem e a natureza, uma vez que o próprio aluno está inserido na mesma. Aqui entramos nós, professores, com a missão de fazer o aluno se enxergar atuante nela. O professor de geografia e ciências sociais tem o trabalho de pensar como levar a geografia com uma didática possível de despertar o interesse desses alunos sobre a importância da geografia em suas vidas, sabendo que nossas interações com o meio natural é estudo importantíssimo para se pensar a geografia e, consequentemente, as problemáticas político-sociais na qual estamos inseridos. É trabalho fácil de se teorizar, mas sabemos que muitos professores ainda lidam com as adversidades do nosso sistema educacional falho que contribuem para uma deficiência quando se pensa ensino-aprendizagem. A alma, enfatizo, é indispensável nesses casos e pensando um país como o Brasil, com uma crescente desigualdade social, em que em muitos casos vemos professores lidando com questões sensíveis da vida de seus alunos, chego até pensar que a alma parece insuficiente. Nosso trabalho é importante e capaz de direcionar nossos jovens para diversas direções, que tenhamos ciência disso, mas sem nos adoecermos por motivos que nem sempre estão ao nosso alcance. É uma missão difícil e uma das mais importantes para nossos alunos.



    ResponderEliminar
  69. Olá, meu nome é Ester Passos Duarte Gois, sou aluna de Ciências Sociais aqui na UNESP de Marília, interior de São Paulo, Brasil. Li os comentários e achei a discussão pertinente para o momento atual, especialmente se levarmos em consideração estes últimos anos e a propagação das fake news que, como se sabe, foi muito forte no Brasil e, creio, no resto do mundo também. No Brasil, quase todo formado em Ciências Sociais ou Geografia terminará oferecendo aulas, a maior parte no ensino público, que no Brasil pretende-se universal e laico. A Geografia caracteriza-se por ser uma disciplina que, com a História, serve para localizar as pessoas no espaço e tempo, ao fornecer coordenadas que possibilitem ao sujeito agir. Nesse sentido, as Ciências Sociais, que conta com alta carga teórica das duas disciplinas, pode contribuir com a formação de um pensamento que situe as pessoas no ambiente e era onde gozam seus dias. Somente com a aceleração própria do mundo moderno é que a sociologia efetivamente se constituiu enquanto disciplina, embora possua muitos precursores. Assim, disciplina moderna por excelência, própria às sociedades urbanas, sobremaneira na confluência de várias linhas de desenvolvimento a disciplina pode encontrar vazão. O profissional de Sociologia deve estar atento a desenvolver a vocação da disciplina a fim de que os estudantes consigam terminar seus estudos e estarem aptos a exercerem sua cidadania de maneira plena. No caso brasileiro, uma democracia recente, tal qual Portugal, ainda há muito a se conquistar no sentido de prover a toda população os direitos expressos na Carta Magna. Mas há forças muito poderosas que se opõe ao que consideram excessos de direitos nessa Carta. Habilitar o estudante a compreender que a luta por direitos, em um mundo vincado por desigualdades, está ligada ao exercício pleno da cidadania, e que esta não se encerra no processo eleitoral é fato fundamental. Além disso, essas disciplinas devem contribuir para aprimorar um sentido de realidade no estudante, a fim de que desconfie de notícias estranhas e textos sem a devida fundamentação científica. Somente ao despertar o faro crítico dos estudantes podemos dizer que essas disciplinas, que entram no currículo, juntamente com a Filosofia, nesse exato sentido em terras tupiniquins, é que poderemos dizer que cumprem seu papel e o professor realiza-se em sala de aula. Ou seja, as Ciências Humanas e Humanidades, frutos diletos do Iluminismo, precisam lutar contra a superstição e fazer valer o ideal que as formaram ou lhes concedeu estatuto científico tal qual compreendemos hodiernamente.

    ResponderEliminar
  70. Dani Silva, UNESP, campus de Marília:
    Ao longo da disciplina de Tópicos de Geografia estudamos a questão ambiental em suas múltiplas particularidades relacionadas a dimensão pedagógica, bem como foi trabalhado temas específicos visando a atuação no/do bacharelado. Parte das minhas preocupações envolvem inevitavelmente a questão da formação docente em tempos de pandemia, que precariza a visão a respeito do que pode a educação e como ensinar, aumentando o desânimo quanto a prática docente enquanto futuro na área da Sociologia. Sobre a vivência, não teria como desenvolver uma reposta mais complexa, uma vez que não tive experiência em sala de aula, sendo feito o contato com a realidade da escola através de teorias. Ao mesmo tempo, a aproximação possível através dos referenciais teóricos permitiram dimensionar um caminho por onde começar a abordar os temas da Geografia com olhar sociológico e vice-versa, urgentes e necessários frente aos problemas ambientais causadas pela/na modernidade/colonialidade e que se desdobram na atualidade na forma de crise climática global e extinção populacional.

    ResponderEliminar
  71. Marcela Eduara, aluna do 5° ano de Ciências Sociais, Unesp Marília
    Ser professor é um exercício permanente, de relacionamento humanista com os alunos, tendo uma postura aberta e curiosa, que ajude a construir um ambiente favorável a educação crítica em conjunto, para o aluno não ser apenas objeto e sim sujeito da história.
    A formação e o conhecimento do professor servem de base sólida para a construção do conhecimento, mas um discurso apenas técnico é incompetente e impermeável a compreensão do aluno.

    ResponderEliminar
  72. Olá, esse é meu segundo comentário aqui no GEOFORO, me chamo Beatriz J. Barreto, sou bacharel em Ciências Sociais pela UNESP-Marília e estou finalizando a graduação de licenciatura na mesma universidade.
    As apresentações, temas, discussões e textos, que fizeram parte da disciplina da Tópicos de Geografia, têm sido, e imagino que serão utilizados, como ferramentas de ensino essenciais na minha futura prática docente. Distante do ensinar Geografia, dos conteúdos e dos princípios/categorias geográficas, me considerava despreparada para lecionar essa disciplina nas escolas. Hoje, consigo visualizar a possibilidade de utilizar tudo que foi apreendido como suporte para futuras aulas nessa área em específico.
    Nesse sentido, algumas reflexões vieram à tona quando analisado o cenário da recontextualização da didática conhecida como tradicional. Como ensinar Geografia nos dias de hoje? Como analisar os diversos aspectos de um cenário geográfico na atualidade tecnológica e dinâmica em que vivemos? De acordo com Leonardo Dirceu de Azambuja, no livro “Didática da Geografia: aportes teóricos e metodológicos” (2012) em “Representações cartográficas, linguagens e novas tecnologias no ensino de Geografia”, a didática e tarefa de ensinar Geografia estão articuladas à necessidade de utilização de diferentes linguagens e representações.
    No sentido de renovação do lecionar Geografia, Azambuja reconhece que somos atravessados por múltiplos fatores e recursos, que precisam estar presentes nesse momento da aprendizagem. Logo, o ensino geográfico estará atravessado por todos esses meios, que passam a fazer parte dos instrumentos de ensino: textos, imagens, mapas, reportagens, filmes e etc. serão necessários para fomentar uma nova forma de pensar os espaços, aspectos e cenários geográficos.
    Nessa discussão, observei ser importante considerar a atuação, questionamentos e necessidades dos/as estudantes em sala de aula, pois precisam ser percebidos como potenciais leitores críticos da realidade. Assim sendo, no decorrer da disciplina de Tópicos de Geografia, foi possível colocar em prática meu olhar analítico e crítico diante os aspectos geográficos analisados, contextualizados e iluminados nas aulas.
    A Geograficidade da história da Amazônia foi o tema mais importante e esclarecedor para mim, dentre todos trabalhados por nós nesse último semestre de 2021. Compreender a complexidade sociometabólica da região amazônica, pelas leituras do livro “Amazônia Encruzilhada Civilizatória: tensões territoriais em curso” (2018), de Carlos Walter Porto-Gonçalves, esclareceu e possibilitou um olhar decolonial, anticapitalista e feminista das particularidades desse espaço.
    O olhar metodológico e teórico aplicado por Carlos Walter Porto-Gonçalves em sua obra demonstrou a importância de historicizar, contextualizar e humanizar um objeto de estudo da Geografia. Isso significa que em uma possível e futura prática docente é necessário tratar, através das linguagens e representações como instrumentos de ensino, cada tema e categoria geográfica ponderando: os conflitos econômicos, políticos e sociais e suas respectivas particularidades e historicidades.
    As Ciências Sociais e, especificamente a Geografia, têm me auxiliado a compreender o significado da necessidade da localização espaço-temporal-geográfica na análise de qualquer aspecto da sociabilidade humana. Localizar-se significa admitir uma outra forma de relacionamento com o outro e com o que há em sua volta, pois enseja exercitar a própria consciência crítica, geográfica e social.
    Portanto, tanto na pesquisa quanto na docência é indispensável que os objetivos estejam articulados a caminhos pedagógicos que possam possibilitar a conscientização, autonomia do saber e do Ser Mais. Esses são alguns dos aspectos que considerei valiosos na minha trajetória desse semestre com a disciplina de Tópicos de Geografia, pois imprescindíveis para a aplicabilidade do saber/categoria/princípio geográfico e sociológico que consideram estudantes sujeitos e atores políticos, sociais e históricos.

    ResponderEliminar
  73. Olá, meu nome é Thaís Fernanda Rabelo, estudante do último ano da Licenciatura em Ciências Sociais da Universidade Estadual Paulista da cidade de Marília, interior do Estado de São Paulo – Brasil. Dando sequência à discussão deste fórum, após cursar a disciplina Tópicos de Geografia I, foi aprofundado a importância dos conjuntos de ferramentas que podem contribuir ao ensino, tanto em relação aos professores, como em relação aos alunos. Os processos de aprendizado, por ser dinâmico, necessita de trocas, inclusive interdisciplinares, que se apropriam das diversas linguagens que constituem um processo de ensino mais diverso e acessível a todos.
    Ao aproximar o olhar sociológico do ensino de geografia, pensando principalmente no contexto educacional do Brasil e na precarização das políticas públicas para este âmbito, pude observar a escola enquanto espaço de trocas e construções significativas entre os sujeitos sociais e históricos que nela vivenciam. Para isso, é importante que os professores reconheçam o ambiente escolar dentro dos conflitos políticos e geográficos presentes neste lugar, reproduzindo desigualdades sociais e ambientais da sociedade diretamente para o processo educacional.
    O papel dos professores é enxergar os alunos, em suas múltiplas realidades, enquanto leitores críticos que necessitam de contextos e significações para apreender. Assim, ao ter contato com todo o conhecimento geográfico e sociológico na disciplina, pude perceber a importância dos professores serem este meio que transforma as informações em conhecimento didático. A geografia, em sua complexidade e importância, proporciona ao processo de educação diferentes fontes de informações, como fotografias, mapas, filmes, rótulos de produtos, até mesmo as experiências dos próprios alunos diretamente com algum lugar que seja significativo para o processo de aprendizado.
    Por exemplo, através da organização dos bairros de uma cidade, pode-se dizer muito sobre as desigualdades e (des)pertencimentos existentes em determinados lugares. É importante que a reflexão, as percepções e vivências dos próprios educandos sejam considerados para a prática do ensinar. Para isso, resta a nós, professores, reconhecer a importância da construção do contexto de determinados conteúdos a serem socializados no processo educacional, afinal, como visto em aula, de nada adianta ler um mapa, mas não saber onde quer chegar.
    Assim, quando os professores e os alunos conseguem trazer à tona as questões importantes para a realidade da escola – vendo-a como um espaço dinâmico – que está localizada em um bairro, cidade, estado, país, etc., e que por isso sofre determinadas condições geopolíticas que influenciam na realidade desses alunos, protagoniza-se os sujeitos envolvidos no processo educacional enquanto pessoas ativas que estão em busca de compreender-se no mundo e em si mesmos. Os professores, no entanto, são muito significativos para este momento, trazendo reflexões e questionamentos a respeito da potencialidade da mudança, esta tão necessária para o futuro dos nossos jovens.

    ResponderEliminar
  74. Olá, meu nome é Tiago Marques. Sou aluno do 4º ano de licenciatura da Unesp Marília – Brasil.

    Volto aqui para realizar meu segundo comentário no Foro 28, sobre o que é ser professor de Geografia / Ciências Sociais, no séc. XXI.

    Depois de alguns meses de aulas, debates, leituras e aprendizagens, acredito que retorno um pouco mais maduro e consciente sobre o papel desse importante e indispensável profissional.

    O que julgo ter sido mais relevante durante esse período, foi o de aprender e realmente internalizar uma nova visão mundo e de existência.

    Durante muitos séculos, fomos ensinados a reproduzir um pensamento dualístico e apartado entre Homem e Natureza. Tal compreensão se assentava e em grande parte ainda se assenta sobre a condição de que Homem e Natureza são entes separados e que a segunda existe para servir e ser explorada pelo primeiro. Por muito tempo se viu o meio ambiente como infindável e a natureza com uma capacidade de regeneração também imensa.

    Conforme o capitalismo tem avançado sobre as florestas e invadido o território de povos originários na busca por novas matérias-primas, novos mercados, novas fontes de exploração etc., isso traz à tona a dura e óbvia realidade na qual nos deparamos e que devemos enfrentar: o planeta é finito, temos retirado muito mais do que a capacidade da natureza tem de repor, tudo está interligado e não temos sabido coexistir com outras espécies, temos destruído e poluído a casa onde vivemos, e mais, não temos para onde nos mudarmos, não existe “fora”.

    Com o contato que temos obtido com esses povos e com suas lutas diárias, através de muitos autores, pesquisadores, cineastas etc., temos encontrado e nos deparado com novas maneiras de viver e de enxergar o mundo; não como algo separado ou externo a nós, mas a de que nós somos parte dele, apenas vivemos sob a condição de que esse tem nos proporcionado essa possibilidade até o momento, no entanto, temos alterado sobremaneira a condição de nossa própria vida e a de outras espécies – o meio ambiente está no meio de nós –, não somente em ambientes pouco povoados e de muito verde, mas toda a cadeia da vida está interligada.
    O que parece tão elementar, às vezes, torna-se um desafio hercúleo para o gênero humano. Milênios reproduzindo uma lógica exploratória e hierárquica, que devasta, agride, subjuga, destrói e polui tudo e todos por onde passa. Já é chegada a hora de nos reinventarmos se nosso objetivo é continuar vivendo neste mundo. Os números e estudos mostram quão alarmante é a nossa situação. O planeta se regenera, nem que sejam precisos milhões de anos para tal feito, entretanto, o que está em risco é a permanência dos atuais seres viventes, entre eles, nós mesmos.

    Dito isso, acredito que o professor de Geografia / Ciências Sociais do séc. XXI, precisa ser um pesquisador crítico, capaz de mostrar aos alunos as nossas contradições mais terríveis e, ainda assim, mostrar que há novas saídas e soluções para a crise de existência em que vivemos. A barbárie se agudizará e ganhará traços cada vez mais sombrios, tanto mais se prolongue nossa teimosia em não mudarmos nossa condição de encarar o mundo, a vida, a produção, a distribuição e nossa própria inserção neste planeta. Para tal realização, não se pode manter os velhos hábitos.

    ResponderEliminar
  75. continuação...

    Pude constatar também que, essa lógica dualista que mencionei e que está assentada sobre as premissas de superioridade e inferioridade, explorador e explorado, rico e pobre, forte e fraco etc., ela invade outros âmbitos do ser social e extingue o que temos de mais precioso: nossa humanidade! Racismo, misoginia, machismo, xenofobia, entre outros preconceitos, estão relacionados a esta mesma lógica.

    Uma nova compreensão de ser, viver, existir e se relacionar com o outro, com tudo o que é externo ao eu, passa pelo câmbio do entendimento do eu, não enquanto um indivíduo unitário e sozinho, contra tudo e todos, mas enquanto parte do todo, enquanto construção social, enquanto vida que conhece o seu ambiente e age coletiva e intencionalmente da melhor maneira possível para transformá-lo e ao mesmo tempo preservá-lo.

    Para dar vida e pôr em prática a outras formas possíveis de se viver e agir sobre o mundo, devemos conhecer outros modos, e não apenas o capitalismo fracassado e desenfreado que só visa e respeita o lucro, que põe o planeta inteiro em risco em favor de uma classe minúscula, porém dominante, altamente inescrupulosa e desumana.

    O respeito à diversidade de culturas, a luta por sua preservação e a de seus territórios, a apreensão de seus conhecimentos, a convivência pacífica e amistosa, entre outras ações, são indispensáveis para o enriquecimento, para a preservação e prolongamento da vida, da heterogeneidade de pensamentos, vivências, experiências e multiplicidade da condição de ser humano.

    Sendo assim, é eloquente a importância que o profissional da Geografia e das Ciências Sociais podem ter para o séc. XXI, desde que estes tomem consciência desta importância e deem vida e voz para o diferente, para o novo e sejam capazes de serem vozes ativas da transformação da sociedade, do modus operandi do ser social, e assim, contribuiremos para um mundo mais justo, mais preservado e mais plural.

    ResponderEliminar
  76. Me chamo Giulia e curso o 5º ano de Ciências Sociais, na UNESP/Marília.

    Primeiramente, gostaria de destacar que o fato de ainda não ter exercido a função docente, efetivamente, faz com que meus comentários caminhem mais no sentido do que tenho compreendido através das aulas e leituras na licenciatura, e um pouco da prática relatada por terceiros. Faço este parênteses pelo fato de que uma leitura que se faz apenas pela teoria, pode acabar carregada de idealismos e suposições. No mais, a histórica precarização da escola no Brasil - e, consequentemente, do professor - traz alguns desafios particulares à sua atividade. Além da necessidade de uma formação consistente e em constante atualização, o professor tem de atender às exigências de uma instituição, hoje, extremamente burocrática. Muito se coloca sobre a liberdade, criatividade e desenvoltura que este deve assumir frente a seus alunos, entretanto, é importante lembrar que as principais dificuldades do exercício docente estão no próprio cotidiano escolar; lidar com a forte hierarquização, tradicionalismos, preconceitos, além de claro, a diversidade que envolve cada membro - principalmente dos alunos - são apenas alguns fatores que podem vir a se tornar muros ao pleno exercício de sua formação. A Geografia, em concomitância com as Ciências Sociais, caminha no sentido de compreender um pouco mais das raízes dessas dificuldades e desigualdades do cotidiano de cada um. Os dois anos de pandemia e sem acesso à escola trouxeram grandes prejuízos a todos os envolvidos: o professor em sala, hoje, tem de lidar com um aluno muito mais defasado em conhecimento e, consequentemente, em autoestima - fator determinante à sua formação. É necessário articular a prática pedagógica com as necessidades dos alunos, a fim de dar sentido àquilo que está sendo ensinado. Trata-se de usar esses campos de conhecimento como ferramentas para que eles apreendam melhor a realidade que os cerca, seja, por exemplo, na desigualdade de acesso à educação, ao sistema de saúde, habitação, entre outros. É necessário, portanto, trazer a intencionalidade, a consciência à realidade desse aluno. Porém, como dito, a precarização do trabalho/da instituição pode acabar dificultando este processo - o excesso considerável de alunos em apenas uma sala de aula é um bom exemplo de “muro” à efetividade dessa ação. Ou seja, um dos desafios do professor para o século XXI é, primeiro, tomar consciência das contradições materiais e trazer à tona esse sujeito ativo socialmente.

    ResponderEliminar
  77. Sou o Marcos Vinicius Vieira, aluno de 3 ano em ciências sociais pela UNESP M Marília -SP, Brasil.

    Durante os últimos meses, discutimos durante a disciplina como a geografia e a ciências sociais, como um todo, pode contribuir para os professores proporcionar um estímulo para os alunos, apresentando o espaço como pertencimento de quem eles são e a sua história, cultura enfim, sua fundação como pessoa.

    Analiso que no Brasil, a nossa relação com o espaço e a tradução que ele nos proporciona, acaba sendo representada pelas culturas indígenas, que entregam a vida pela luta de pertencimento ao local em que encontram, nas metrópoles como São Paulo, cada região da cidade luta pra se aproximar/chegar no centro e o centro luta para permanecer lá, mas essa relação é puramente, estética e por status, (embora quem busca o centro procura melhorar a condição de vida) mas que a preocupação é individual, egoísta, deixando seus semelhantes.

    Neste sentido, o papel do professor além de proporcionar o conteúdo e também fundamentalmente para que os alunos busquem sua história, seja ela, oral, escrita, ou por aproximação com o espaço, para que não se perca de vista como se chegou e qual o caminho a se trilhar

    ResponderEliminar
  78. João Paulo – Graduando do 4° do curso de Ciências Sociais – Unesp Marília

    Este é o meu segundo comentário no fórum, venho registrar as minhas preocupações e vivências como futuro professor de Sociologia, a partir das discussões feitas na disciplina de Tópicos de Geografia I. Dito isso, quero destacar que os temas debatidos na aula reforçaram a minha percepção de como é importante que o ensino de sociologia seja apoiado pela interdisciplinaridade, no caso com uma ligação estreita com a geografia. A sociologia tem como um de seus objetivos a desnaturalização das relações sociais vigentes e, aliada com a geografia, deve de maneira critica possibilitar a desnaturalização da relação humana com o espaço geográfico em que se está inserido. Por exemplo, ao analisarmos o plano diretor da cidade, podemos problematizar a divisão social do espaço urbano, a partir de recortes de classe e raça, percebendo que no projeto urbano municipal, os lugares menos prestigiados são reservados para as pessoas pobres e negras. Acredito que a partir dessa percepção, o ensino de sociologia possa atingir o objetivo de fomentar o pensamento critico nos estudantes, possibilitando que eles percebam a importância do questionamento acerca dos espaços preestabelecidos socialmente.

    ResponderEliminar
  79. Viviane Ribeiro - Aluna do 5° ano do curso de Ciências Sociais - Unesp Marília

    Começamos a disciplina de tópicos de geografia pensando em como é importante desenvolver o trabalho do professor em sala de aula. Uma reflexão voltada para as dificuldades e aos possíveis métodos que nós, futuramente, teremos que desenvolver para continuar guiando crianças e jovens para o caminho da consciência social e efetivo aprendizado. As atividades desenvolvidas pós essa reflexão foram de extrema importância. Como futuro professor da área das ciências humanas, percebi que pensar a geografia, especificamente, sabendo que a ciência dialoga de forma interdisciplinar com todas as demais disciplinas da área, possibilitando diálogos importantes para o desenvolvimento e consciência social do aluno, para que ele possa se enxergar enquanto um indivíduo social, mas sem se esquecer de sua relação com o espaço natural que, constantemente, vem sendo modificado e se transformando nos espaços geográficos, fazer o uso da disciplina é um trabalho fundamental. Espaço Geográfico este que, majoritariamente, iremos utilizar como objeto de estudo, em tópicos de Geografia e com a disciplina Educação Geográfica, para além das metodologias acerca do ensino-aprendizagem, através de leituras de autores como Dirce Maria Antunes Suertegaray, Carlos Walter Porto-Gonçalves, Lana Cavalcanti e muitos outros, observo que pensar a Ciência Geográfica e o Ensino de Geografia é tarefa urgente quando se pretende transformar o pensamento e o espaço geográfico de toda a população, sabendo das diversas problemáticas que veiculam em nosso meio social.
    Por exemplo, percebo que as diferentes formas de segregação, desenvolvida de maneira histórica, social e econômica vem colocando as minorias sociais em locais de extremo risco, fazendo com que em momentos atuais de crise ambiental, também provocado pelo uso abusivo dos “recursos naturais” que possuímos, estão prejudicando apenas uma parcela desprotegida da população, é imprescindível não enxergar a Geografia em suas diferentes formas, enquanto uma ciência e disciplina importantes para se trabalhar com essas crianças. E, para além dessa questão, que nós, enquanto seres atuantes do espaço geográfico, possamos cotidianamente desenvolver comportamentos visando uma melhora da nossa casa em comum que é a Terra.

    ResponderEliminar
  80. Gabriel Shimith Marchesano. UNESP -Universidade Estadual Paulista -FFC (Faculdade de filosofia e ciências).
    Olá, sou aluno concluinte em licenciatura em Ciências sociais, venho nesse Foro comentar o texto em questão baseando nos estudos do curso que faço afim de descrever qual a importância, preocupações e vivencia do professor de sociologia e geografia no contexto dos setores da educação. Além de tentar entender a base da qual atrairá mais a atenção de alunos para as disciplinas e como nós como formadores de opiniões podemos dialogar com esses alunos em sala de aula. Visando entender o contexto nos quais eles estão inseridos e também compreender como expor acontecimentos sociais e ambientais para eles.
    Empreendendo uma ideia de sustentabilidade para os mesmos, com a exposição do avanço do ensino sustentável que há anos vem sendo construído. Porque dessa maneira, dentro das salas de aulas que podemos começar a conquistar um mundo igualitário e zeloso pelo meio ambiente. E o segredo está na educação.
    Portanto o papel de nós educadores passa pela bagagem de anos de estudos e experiência para levar aos mais jovens um mundo melhor. Isso graças a anos de desenvolvimento de cabeças pensantes que durante anos fomentaram ideias para sustentabilidade social.
    Outro ponto que devemos nos preocupar é situar esses alunos dentro do contexto de vida deles. Alocando a sua realidade local também. Para assim entender a realidade mundo afora. Facilitando sua compreensão acerca da vida cotidiana e a conhecimento social aplicável.
    Portanto, o papel do professor serve de modo muito importante para situar o aluno no contexto de conjuntura política, social e ambiental. Construir ideias e pensamentos. Mas sem nunca deixar de manejar a realidade local com seus alunos. Para assim facilitar o ensino e atrai-los para o conhecimento.

    ResponderEliminar
  81. Ramon Douglas, Unesp-FFC, Marília-Brasil

    Olá, saudações a todos, todas e todes, me chamo Ramon, tenho 24 anos e estudo para ser professor da sociologia e das outras ciencias sociais como é o caso da geografia. Sempre compreendi a geografia como uma ciência de cunho essencialmente social, embora as suas especificidades no âmbito fisico. Ora, a relação dos seres sociais com a natureza foram grandes discussões que obtemos a partir da disciplina e com isso luzes de entendimento e problematizações apareceram à mim. Claramente, não se trata apenas da relação do ser isolado com o natureza, mas sobretudo de instituições, estruturais sociais e juridicas que intermediam essa relação e resultados. Contando com a ordem economica que vigora e determina as camadas sociais que são mais prejudicadas e outras que são mais beneficiadas. No decorrer do disciplina, lemos sobre os projetos ambientais sancionados, todas as estruturas institucionais que ordenam os recursos ambientais, hidricos e sólidos. Eventualmente, os descasos que acontecem por parte do setor político. Toda a conjuntura nesse ambito politico, ora influencia, ora desanima o futuro professor da area de humanidades. São diversos desafios, como a desvalorização, os cortes de direitos, a rotina exaustiva enquanto professor de escola pública. Mas eu tenho muita vontade de despertar consciência ao estudantes. Seja ela politica, social, cultura e mesmo ambiental. Ao fornecer os conhecimentos que hoje tenho oportunidade de ter, sem dúvidas um proposito posso difundir as gerações futuras. Ajudar gerações a conceber a realidade de uma forma mais reflexivo e critica pode gerar grandes mudanças a sociedade mesmo com toda a complexidade e as contradições que permanece nela. O ensino da geografia enquanto uma ciência social, tem um grande potencial para a juventude, na medida em que a desnaturalização da realidade ponha-se em voga. Por isso, que apesar de todos os desafios, acredito na profissão que escolhi, ser professor.

    ResponderEliminar
  82. Olá, espero que todes estejam bem! Meu nome é Ana Laura Silveira tenho 23 anos, estou no 4º de ciências sociais na UNESP campus de Marilia/SP - Brasil, concluindo a licenciatura. Esta é minha segunda contribuição no fórum, mediante o encerramento da disciplina de Tópicos de Geografia I. Refletir sobre a prática docente tanto no ensino de sociologia, como de geografia deve ser um processo constante, justamente porque é por meio das teorias sociológicas que podemos instrumentalizar o processo critico dos estudantes acerca das estruturas sociais estabelecidas no sistema capitalista. Além disso, o exercício docente deve se constituir pelo rompimento da hierarquia entre professores e alunos, dando espaço para uma dinâmica horizontal que valorize os saberes dos mesmos, assim também como suas realidades. Outro ponto fundamental para o futuro professor de sociologia, é de contribuir por meios dos conceitos para o desenvolvimento do processo critico com autonomia pelos estudantes. Dessa forma, o reconhecimento do estudante como ator/atriz social promove novos paradigmas sociais, reconhecendo as diferentes formas de violência produzidas pelas politicas neoliberais, sobretudo na América Latina.
    Sendo assim, as dimensões de segregação socioespacial, relação cidade-campo, plano diretor das cidades, coleta de resíduos sólidos dentre outros, se constituem como um debate fundamental para a compreensão das opressões estabelecidas nesse sistema. Possibilitando a reflexão sobre as desigualdades e pertencimento aos espaços. Também acerca do meio ambiente, pois para além das desnaturalização das relações sociais vigentes, é necessário dimensionar a nossa relação com a natureza, e o papel dos sujeitos no desenvolvimento sustentável, rompendo com a lógica estabelecida pelo neoliberalismo que compreende a natureza como "recurso", e não como um ecossistema vivo que contribui para sobrevivência dinâmica e harmônica entre todos os seres do planeta terra.
    Por fim, acredito que o processo pedagógico é dialético e está diretamente relacionado as práticas cotidianas, e que educar é antes de tudo um ato de coragem e comprometimento com o futuro de todos os seres do planeta, potencializando uma dimensão de cidadania planetária, que amplia e fortalece as diferentes culturas produzidas nos territórios, sobretudo os não-ocidentais, como é o caso da América Latina. A valorização dos saberes locais pode resgatar a sinergia e promover novos paradigmas sociais, transformando e recuperando o futuro das gerações e do planeta.

    ResponderEliminar
  83. Este comentario ha sido eliminado por el autor.

    ResponderEliminar
  84. Olá, me chamo Glayton, sou estudante do quinto ano de ciências sociais na UNESP de Marília/SP, estou concluindo bacharel e licenciatura.
    Já com acúmulo possibilitado pelos desdobramentos da disciplina de "Tópicos de Geografia”, em conjunto a oportunidade de ter tido nas últimas semanas uma maior proximidade do âmbito escolar. Creio que as indagações feitas em minha primeira colocação aqui no fórum, muito afloradas pelo contexto em detrimento a toda uma desesperança diante da conjuntura política, social, sanitária e econômica no Brasil, a qual ainda enfrentamos, não deixaram de ocupar espaço em minhas reflexões diante da questão do papel do professor e da professora no século XXI. No entanto, tendo em fim o reencontro tão esperado e também temido com a esfera escolar, pude pensar nas reflexões fomentadas pelo curso de modo concreto pela primeira vez como professor.
    Em meu início de experiência como professor de sociologia, observei o quão singular e necessária é o nosso papel enquanto mediadores do conhecimento e visão de mundo propiciados pelas ciências sociais em meio ao corpo escolar. Frente a realidade das escolas Estaduais de São Paulo, conhecidas por serem laboratórios das políticas neoliberais sobre a educação, a presença do professor e professora de sociologia, mesmo que tímida, abre espaço para o questionamento do Modus operandi escolar vigente.
    Mesmo que seja imposta ao professor de sociologia uma atuação a partir de currículos esvaziados que pouco oferecem de desenvolvimento humano aos estudantes, a exemplo do Currículo Paulista, tendo como suporte análises críticas que lançam novas perspectivas de realidades e possibilidades diante a questões contemporâneas, estes são capazes de contornar algumas das imposições feitas por políticas que visam uma educação de mercado. Mantendo assim sempre avivada a crítica a este tipo de ensino que visa a reprodução de uma sociedade desigual, violenta e sem perspectiva de futuro para seus alunos e alunas.
    Neste sentido, dentro da disciplina de “Tópicos de Geografia” tivemos contato com algumas leituras que possibilitam ao professor de ciências sociais devagar por outros campos disciplinares, convidando não só os/as estudantes a reflexão crítica, mas também a professores e professoras de outras disciplinas. O livro do Carlos Walter, “Amazônia: encruzilhada civilizatória Tensões territoriais em curso”, por exemplo, que a partir da análise crítica a respeito da exploração socioambiental de amazônidas e da Amazônia a partir da perspectiva decolonial, questiona para além das relações sociais e econômicas, toda uma cosmovisão ocidental, colonialista que divide humanidade e natureza, assim como as instituições de ensino dividem os campos científicos do social.
    A provocação feito pelo autor, que além de anticapitalista crítica a própria episteme colonial, me faz refletir sobre as possibilidades que um tema tão emergente quanto à questão socioambiental, que envolve em seu conjunto um aglomerado de questões que costumam ser fragmentadas, enquanto ponto de partida em comum para as mais diversas disciplinas escolares, principalmente para aquelas que sofrem de um esvaziamento severo de criticidade.
    Portanto creio que o professor e professora de sociologia munidos de um acúmulo crítico que consiga abranger as demais áreas do conhecimento, possam propor por meio de temáticas emergentes, a humanização e criticidade das demais áreas do conhecimento, combatendo assim um tecnicismo fomentado por muitos currículos impostos ao “Sul” global, como os que enfrentamos no estado de São Paulo.

    ResponderEliminar
  85. Boa tarde, me chamo Adriel, sou aluno do 4° semestre de Ciências Sociais, na modalidade de bacharel da UNESP/ Marília - São Paulo.

    Ser um professor de Geografia e Ciências Sociais no século XXI, para mim continua sendo um processo de reflexão. Com a pandemia da COVID-19, que estabeleceu como forma de segurança um distanciamento físico dos(as) alunos(as) com a escola, levando a forma de produção de conhecimento entre professor(a) e aluno(a), para um âmbito virtual, fez com que fosse limitado a forma de produção do conhecimento geográfico e sociológico, que ao meu ver é enriquecido com a possibilidade do professor(a) levar os(as) alunos(as) para atividades externas (aulas praticas), na qual permite um contato critico com a natureza e com a sociedade, para que assim cada aluno(a) possa refletir sobre seu papel frente a realidade na qual esta inserido.
    Ser este professor(a) no século atual, é um processo de profunda reflexão e estudo sobre a realidade na qual ira lecionar, fazendo com que os alunos possam compreender a questão ambiental em sua amplitude, compreender as tecnologias, entender sobre os contrastes da urbanização, da ruralizarão, da vida no campo, das relações politicas com o meio, dos valores culturais entre outros; e assim, suscitar nos alunos pensamentos críticos, sobre estas questões já mencionadas e também sobre a própria estrutura de educação atual em boa parte da américa latina, que visa promover a alienação ao invés do saber em geografia e sociologia do aluno em seu meio social.

    ResponderEliminar
  86. Desejo uma boa noite à todos.
    Me chamo Beatriz Sales Caraciola, sou estudante do 5º ano de Ciências Sociais, nas modalidades Bacharel e Licenciatura da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho situada na cidade de Marília (FFC).

    Diante da trajetória percorrida durante as aulas da disciplina de Tópicos de Geografia l com a docente Silvia Fernandes, através das leituras dos textos dos diferentes autores, debates, discussões e da minha experiência enquanto estudante, anteriormente voluntária do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação a Docência, atualmente membro do Programa de extensão universitária intitulado Residência Pedagógica e professora de Geografia do Ensino Fundamental ll e Ensino Médio, pretendo neste texto expor com maior propriedade o papel do professor de Geografia e Ciências Sociais no século XXl.
    Sobretudo, para compreender o papel do professor na área da Geografia e nas Ciências Sociais, é necessário entender a profissão como uma peça fundamental na formação dos estudantes, no conhecimento de si e do mundo através da compreensão da realidade em que se vive e na transformação de uma sociedade mais justa e consciente.
    Reitero ainda, novamente que a respeito do papel do professor, além de mediar, facilitar e articular o conhecimento, é preciso acolher os alunos e entender que cada um deles possui um processo histórico e de ensino-aprendizagem diferente. É indispensável não se colocar em um papel hierarquizado como único detentor do conhecimento e assimilar que ao passo que se ensina também se aprende, dando protagonismo ao aluno e fazendo com que eles participem ativamente no processo educativo através das mais variadas atividades, desenvolvendo a capacidade crítica e os desconstruindo através do estranhamente da realidade, por meio da superação de preconceitos, ideologias e senso comum. É preciso trazer a realidade do aluno para a sala de aula com o intuito de aproximar os conhecimentos do seu cotidiano com os conhecimentos científicos, provocar os alunos através de suas curiosidades e mostrar que a partir de seus próprios questionamentos é possível encontrar respostas para as suas perguntas através do conhecimento científico, apoiá-los a seguirem seus objetivos e sonhos apesar das diversas dificuldades que possam surgir e dizer que eles devem e podem ocupar lugar na universidade pública, que são deles por direito. Aponto que também é fundamental desenvolver os hábitos de leitura e escrita para que possam compreender a realidade social e espacial em que vivem e se comunicarem enquanto membros de uma sociedade.
    A compreensão de que a Geografia está diretamente associada ao processo de transformação da sociedade após o mundo globalizado e deve estar aberta para as grandes transformações na esfera social, partindo de um ponto de referência dialético e contribuir para uma teoria social crítica, torna-se imprescindível, pois é neste contexto de mudança social e espacial que ela deve ser inserida.
    Segundo Cavalcanti (2012), a categoria do espaço dentro da Geografia tem perdido a sua significação como lugar absoluto, para ganhar uma lógica de poder, por conta da expansão capitalista e a categoria do tempo, que antes tinha um papel linear e progressista, passou a se tornar um tempo cíclico e instável, decorrente das transformações do processo produtivo. Neste sentido, a autora ainda aponta a necessidade de considerar a realidade do aluno para o estudo do espaço geográfico, propiciando a compreensão do espaço naquilo que é concreto e contraditório e o reconhecer enquanto sujeito no processo de ensino-aprendizagem.
    Em virtude dos fatos mencionados, ressalto a relevância de refletir a respeito da conexão entre o caráter da espacialidade com a prática social. Visto que torna-se inegável a dialética existente entre homem e lugar, pois na medida em que o espaço contribui para a transformação e formação do ser humano, o ser humano através de seu trabalho, gestos e atividades também contribui para a formação e transformação do espaço.

    ResponderEliminar
  87. Vanusa Cristina de Oliveira10 de marzo de 2022, 15:49

    Olá, eu sou a Vanusa estudante de ciências sociais pela Unesp FFC de Marília. A importância da geografia e sua implantação desde o ensino básico ao superior, deve-se, à necessária compreensão homem-natureza. Neste sentido, o homem (sociedade) que está em constante contato - nem sempre mútuo mas exploratório - com o ambiente ao mesmo tempo que não o compreende (mesmo suas leis físicas quanto sustentáveis). Nesse sentido, o ensino de geografia é imprescindível para entendimento da relação da regulação natural e social. A formação de professores atravessa todas essas questões e evidencia a importância de seu investimento. Somos os intérpretes teóricos de estudos anteriores e em andamento. Somos o elo que liga a teoria com a prática, com o homem (sociedade) e as suas diversas relações. Contudo, são questões que tangenciam a política e seus dirigentes. Os grupos de (no) poder definem e defendem os interesses e necessidades sociais. O investimento no ensino (e extensão) da geografia é um devir histórico que ultrapassa gerações. A organização de fóruns e diversas iniciativas expande para além da sala de aula a ferramenta de ensino e conscientização da geografia e suas vertentes.

    ResponderEliminar
  88. Este comentario ha sido eliminado por el autor.

    ResponderEliminar
  89. Renan Marcel, mestrando em Ciências Sociais, licenciando em Ciências Sociais - FFC - UNESP.
    Reitero novamente meu comentário anterior de que o professor deva primeiramente ressignificar o espaço escolar, levando o aluno a compreender a estrutura da escola e o porque dela ser uma reprodução (mesmo que inconsciente) da vida social ampla tal qual observada por Bourdieu e Passeron em suas análises acerca do sistema de ensino francês na obra "A Reprodução". Se o professor conseguir fazer com que o aluno compreenda essas estruturas será mais fácil de fazer com que o próprio aluno observe essas pequenas estruturas de reprodução em outros espaços de sua convivência. É primordial que antes do aluno saber de fato o que pensavam Durkheim, Marx e Weber, que ele pense a realidade para que depois seja mais natural os links com a teoria.
    A contemporaneidade é um marco histórico vivo, a pandemia nos forçou a ressignificar relações e espaços, além disso, foi possível observar com mais clareza como seus efeitos escancararam as mazelas provocadas pelas estratificações sociais e políticas.
    Ser professor nesse contexto demanda reflexão e capacidade de fazer refletir acerca dos processos que mantém as estruturas da desigualdade inabaladas, das relações de poder, do espaço.

    ResponderEliminar
  90. Boa tarde, me chamo Ana Carolina, sou aluna do 5º de Ciências Sociais pela Unesp- Marília e estou finalizando minha licenciatura neste semestre, visto isto é importante refletir sobre a trajetória como futura professora de Sociologia, bem como, de Geografia. Pensar na educação e no exercício de ser professor é um desafio, visto o projeto de sucateamento que vem sendo executado por intermédio das políticas neoliberais, na qual prevem um ensino tecnicista, com currículos esvaziados que não tem como objetivo o desenvolvimento total dos alunos.
    Ser docente na área da sociologia e geografia, utilizando das teorias, conceitos e práticas cotidianas, implica na construção de cidadãos com o pensamento crítico, autônomo, que consiga compreender enquanto individuo sua relação com o meio e espaço que este está inserido, como este espaço está sendo organizado e que é modificado historicamente. É fundamental também que este aluno consiga ter uma perspectiva de futuro, de saber sobre os aspectos físicos e naturais do meio onde este está inserido, dos impactos que este sofreu ao longo dos séculos, analisando a transformação deste espaço e tendo uma perspectiva de mudança e entender que esta relação não se da de forma isolada e sim é algo estrutural, que permeia as relações sociais, econômicas, ambientais impactando diretamente na realidade de determinados grupos sociais, como por exemplo, uma sociedade cuja estrutura é desenvolvida nos moldes do capital, há grupos sociais que são mais favorecidos em detrimentos de outros menos favorecidos que sofrem com as conseqüências dessa desigualdade, como a segregação de determinados espaços, recursos. O aluno para que consiga desenvolver seu pensamento e a compreensão sobre tais questões levantadas deve passar pelo processo de desnaturalização de sua realidade e o professor como mediador deste conhecimento é essencial neste percurso.
    Contudo, mediante a conjuntura que estamos vivendo, agravada ainda mais pela pandemia do COVID-19, o desafio de ser professor se torna cada vez maior, pela falta de investimentos na educação pública. O exercício da docência acaba se tornando uma luta diária para desenvolver uma educação emancipadora e anticapitalista, que aspira seres desenvolvidos em sua totalidade, autônomos e críticos.

    ResponderEliminar
  91. Concordo com os argumentos apresentados neste foro por Carolina, Renan e Vanusa.
    A condicionalidade imposta pela pandemia nos faz ter a sensação de que o trabalho docente está cada naturalizando a pandemia, quando deveria estar problematizando-o e transformando a pandemia em objeto de ensino.
    Este será um novo desafio a todos os docentes de Geografia, Historia e Ciências Sociais ao longo dos próximos anos.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Apenas para me identificar, falou essa informação no post de resposta. Saudações a todos, Silvia Fernandes

      Eliminar
  92. Saudações aos companheiros/as do Fórum. Sou o Álefe, concluinte do curso de Licenciatura na UNESP, campus Marília.

    O ensino da geografia nas escolas desde o início da formação educacional representa grande importância para que os educandos possam refletir sobre a relação deles com o seu meio, espaço-tempo e as transformações que o espaço sofre nessa interação. Tal conhecimento deve ser transversal, trazendo, desse modo, preocupações sociológicas, políticas e filosóficas sobre a realidade e o contexto local dos estudantes. Por isso, a reflexão de professores de Ciências Sociais e Geografia sobre a atuação na educação não deve ser feita sem atravessar o contexto sanitário e educacional atual. Faz-se necessário guindar a bagagem de anos de estudos e, exercitar em si e nos estudantes, uma visão atenta e apurada sobre a sociedade e sobre as questões ambientais. É certo que, a precariedade das categorias vinculadas à Educação, como docentes, discentes e funcionários foi ampliada a partir dos efeitos da COVID-19, principalmente, quando falamos sobre o direito à educação e as condições de trabalho, ainda mais se voltarmos as nossas lentes às escolas públicas e à educação básica. Assim como é sabido que, apesar da perversidade do momento em que vivemos, tais circunstâncias de aprofundamento da precarização, tanto da educação quanto do trabalho não é novidade no cenário brasileiro. Isto porque, como sublinham os autores FILORDI; GALLO (2020), num passado recente, é como se houvesse, principalmente, após processo de impeachment presidencial de 2016, um intenso desmonte das políticas afirmativas e inclusivas conquistadas no decorrer de, pelo menos, trinta anos. Desse modo, tal ensino, torna-se cada vez mais difícil, considerando ainda, o desmonte das disciplinas de humanidades na grade curricular estadual, a partir do novo currículo paulista, imposto às escolas. Portanto, hoje, ainda mais, mesmo com todas as dificuldades trazidas pelo contexto atual, o exercício de reflexão critica social e ambiental tornou-se incontornável e, assim, devemos levá-lo para dentro das salas de aulas, a fim de que os educandos reflitam sobre questões radicais na relação homem-natureza ao longo do tempo, compreendendo que os últimos acontecimentos são, sim, efeitos de anos de degradações e ausência de criticidade sobre tal interação.

    Referência:
    FILORDI, A. GALLO, S. Foucault e a governamentalidade democrática: a
    questão da precarização da educação inclusiva. Revista: Mnemosine, Rio de
    Janeiro, Vol. 16, nº 1, p. 146-160, 2020.

    ResponderEliminar
  93. Olá, me chamo Álefe, estudante da UNESP/Marília e, volto ao Fórum para complementar o meu último comentário sobre a questão levantada aqui.

    Vale dizer também sobre a virtualização da educação atual. Devemos olhar em criticidade tal acontecimento por endossar, cada vez mais, a precarização do ensino das Ciências Sociais e da Geografia. Vemos que, os impactos do ensino remoto na educação, ou, o EaD, não é mais que um mecanismo de flexibilização imposto à vida dos alunos, adaptabilidade de trabalho dos docentes, terceirização das funções educacionais e “disponibilidade onicronológica” presentes na concepção de governamentalidade neoliberal. Gerando, desse modo, consequências profundas na formação dos alunos e dos trabalhadores, bem como, na saúde e nas condições de trabalho. Também vemos que, a partir de tal exploração intensificada do trabalho docente nessa virtualização dos processos da educação, a ideia de “ensinar” acaba sendo atualizada, cada vez mais, para uma situação de "depósito de conhecimento”, minando as possibilidades de acontecimentos das formações existenciais subjetivas, bem como, de novas criações subjetivas, ou seja, de uma formação ética. Sem contar ainda que, são impactos que intensificam, uma vez mais, um setor do capital em pleno vapor: a mercantilização da educação. Logo, verifica-se um agravamento das desigualdades que são registradas há tempos na sociedade brasileira, principalmente quando falamos sobre educação. Os desafios contemporâneos com educação e a escola pública continuam sendo complexos e foram potencializados pela crise causada pelo COVID 19, e, decerto exigem de todos nós resistência assim como medidas em que a escola se contraponha e lute contra a “precarização existencial” que vemos a pleno vapor em 2021. Precarização que não se restringe às medidas do ensino remoto, mas como pontuado anteriormente, justamente pelas medidas de governamentalidade neoliberal: a precarização do trabalho concomitantemente a precarização subjetiva. Devemos, assim, enquanto professores que exercem um papel critico-social-educacional, agir diante da tragédia. Uma luta constante na busca de “ser mais”, pois como aprendemos com Paulo Freire (2021): “Ensinar não se esgota no “tratamento” do objeto ou do conteúdo, superficialmente feito, mas se alonga à produção das condições em que aprender criticamente é possível.”. E finalmente, aprender com as lições anteriores, inventar um novo espaço, desterritorializar os espaços para movimentar-se na construção de novos territórios, criar um mundo de resistências e articular ensino, politica e critica.

    Referência:
    FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa.
    67ª ed - Rio de Janeiro/São Paulo: Paz e Terra, 2021.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Buscar a fundamentação em Paulo Freire para pensarmos a educação básica pós-pandemia é algo de grande potência, pois a complexidade da escola, do mundo contemporâneo pós-pandemia exigirão um repensar da sociedade e da escola no sentido de buscar a construção de espaços mais autônomos e democráticos para o ensino. A educação popular também é um caminho possível.
      Saudações,
      Silvia Fernandes
      Unesp/Marília
      Brasil

      Eliminar
  94. Este comentario ha sido eliminado por el autor.

    ResponderEliminar
  95. Lisandra de Almeida Alves Siqueira30 de marzo de 2022, 20:45

    Caros, me chamo Lisandra e sou estudante de pedagogia da FFCLRP (Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Ribeirão Preto, USP, São Paulo, Brasil) e nesse foro explicarei brevemente meu ponto de vista.
    A professora ou professor do século XXI de História e Geografia tem uma responsabilidade muito grande para desenvolver a visão espacial do aluno, ensinar a ler mapas e comparar (localização), reconhecer e aprender diversas culturas, compreender a evolução do mundo, conhecer a geografia e suas especificidades de cada local, entre outros tantos temas. Mas é justamente aqui que trago duas questões importantes, como é possível ensinar tudo de forma dinâmica que faça os alunos se interessarem, mesmo com dificuldades? E qual a diferença de aprender ou não história e geografia?
    De acordo com o texto normalmente os alunos gostam das matérias por causa do professor, esse é o ponto principal, pois o professor é o responsável por ensinar diversos temas e por isso precisa de boas estratégias e sempre se adequar ao que a turma demanda. Assim quando se faz uma atividade nova, diferente ou explica de maneira mais simples e de certa forma divertida, principalmente quando se coloca no cotidiano e na prática, as aulas ficam mais leves e tem em sua maioria bom proveito.
    E como já dito anteriormente o professor (a) de história e geografia tem um papel muito importante na vida de todos, pois é ela que mostrará e explicará em sala de aula o mundo, como é, seus acontecimentos, territórios, batalhas, evoluções... e aprender e ter uma visão de mundo é extremamente importante para que todos possam ter uma boa formação, caso contrário não conseguiríamos compreender por exemplo como o homem chegou a lua.
    Para finalizar deixo aqui uma mensagem do António Nóvoa de sua palestra Desafios do Trabalho e Profissão Docente: “Acima de tudo, faz do destino um livro aberto. Esta é a maior glória de um professor. Este é o compromisso principal de um professor. Enfrenta com coragem estes tempos de dúvida e incerteza. Vives num tempo histórico único. Não o desperdices. A tua geração é a geração da mudança da escola”

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Oi, Lisandra!
      Acrescento ainda mais uma pergunta no rol das suas: E como ensinar tudo isso que você citou superando todas as defasagens trazidas pela pandemia que acentuou ainda mais as desigualdades sociais?
      Bela citação de Nóvoa! Sejamos a geração da mudança!
      Um abraço!
      Sonara Souza
      Doutoranda do PPGEDU-FFCLRP-USP-Ribeirão Preto.

      Eliminar
  96. Olá, me chamo Thaís e sou estudante de pedagogia da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP - USP) - São Paulo, Brasil.
    Acredito que a profissão de professor vem consigo uma longa viagem de aprendizados ao percorrer o caminhar docente, para isso, o professor não deve apenas se confortar com a realidade, e sim, transformá-la. A característica de pesquisador deve estar presente em cada docente, principalmente ao pensar nas diferentes personalidades e habilidades dos alunos, somados a característica de afeto, uma vez que aquilo que demonstro aos meus alunos poderá ser refletido para eles, entrando aqui a situação matéria X professor exposta no texto. Além disso, um ensino que adentre o contexto sócio-histórico de cada aluno, é algo que deveria ser mais explorado por todos os professores, principalmente ao retratar a questão da identidade, pois para uma aula ter os primeiros passos de ser inclusiva, primeiro ela deve adentrar na realidade do aluno. A questão da matéria em si, acredito, mais uma vez, que deve ser sempre dialogada com o contexto do aluno, porém, deixo aqui a minha indagação: como realizar esse processo, tão essencial, em uma sala de aula com 30 alunos?
    Desenvolver um aluno pesquisador e crítico, acredito que também seria uma aspecto muito importante para todos os professores, inclusive das disciplinas de geografia e ciências sociais, pois será a partir desse aspecto que o aluno será autor de sua própria história e se sentirá pertencente a ela, além de promover uma transformação no mundo. Uma vez nos ensina Paulo Freire: “Educação não transforma o mundo. Educação muda as pessoas. Pessoas transformam o mundo”.
    Concordo com os argumentos apresentados neste fórum, e acredito que os professores são realmente a alma do ensino, gostaria apenas de acrescentar que, para além disso, eles são a garantia de um futuro próspero.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Oi, Thaís!
      Você coloca a importância dos professores estarem sempre em pesquisa, em formação. Por isso, ressalto a importância de se lutar por condições adequadas de trabalho, já que é necessário ter tempo para estudar e a formação continuada também deve ser oferecida pelo local em que se trabalha.
      Um abraço!
      Sonara Souza
      Doutoranda do PPGEDU-FFCLRP-USP-Ribeirão Preto.

      Eliminar
  97. Sou a Bruna Eduarda de Angelis aluna do terceiro ano do curso de Pedagogia na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP - USP) - Brasil.
    No meu ponto de vista, um professor de Geografia/História tem que ter uma base sólida e competências técnicas adequadas para estar na sala de aula, e ministrar matérias que são tão importantes e necessárias. Também é necessário que o indivíduo esteja disposto a formar seres críticos e pensadores, que conheçam sua própria história. E como dizia Edmundo Burke: “Aquele que não conhece a própria história está fadado a repetí-la”, ou seja, temos que formar cidadãos que mudem o mundo a partir da educação, que façam diferente de gerações passadas.
    Outro ponto que acredito ser fundamental é o conhecimento acerca das atualidades, pois ás vezes, é necessário deixar de lado o conteúdo programático da aula para discutir um problema mundial, fazendo com que os alunos usem seu poder da argumentação. Junto a isso, é interessante que o docente seja apto a tecnologia, que se torna uma grande aliada para uma aula lúdica e atividades diferentes.
    Por fim, acho que o mais importante ainda, é o amor pela profissão pois, me apoiando em Pestalozzi: “O amor é o eterno fundamento da educação.”

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Oi, Bruna!
      Penso que todos que estão na área da Educação chegaram no consenso do quão ela é transformadora. Sugiro que nossa maior problematização agora seja para que tipo de sociedade a Educação está transformando as pessoas. Isto é, precisamos pensar nas políticas públicas educacionais, que tanto podem tender para a formação de sujeitos para o neoliberalismo quanto para outras formas de se pensar a sociedade, a economia, a natureza e etc.
      Um abraço!
      Sonara Souza
      Doutoranda da PPGEDU-FFCLRP-USP-Ribeirão Preto.

      Eliminar
  98. Bon dia, soc Maria Veses Mejias, alumna del Màster en professor/a d´ Educació Secundària a la Universitat de València. Escric aquest comentari en relació a l´assignatura d´Aprenentatge i Ensenyament de la Geografia, impartida pels professors Xose Manuel Souto i Diego Garcia Monteagudo.

    Al llarg de l´assignatura, hem debatut i teoritzat entorn la figura del professor. Per tant, vinculant aquesta qüestió amb el títol de l´entrada del Foro “Qué profesor y profesora de Geografia y Ciencias Sociales para el siglo XXI?”, m´agradaria exposar les meues reflexions.

    La primera conclusió que he pogut treure és que ser professor va més enllà d´impartir classes i de dominar la teua especialitat (tot i que això és necessari també). La visió tradicional de classes teòriques, que fomenten un aprenentatge memorístic i conceptual, és desmotivant i fa entendre la disciplina geogràfica com una qüestió llunyana que poc interessa als joves que l´estudien.

    L´educació és diàleg; un diàleg constant entre l´alumne i el professor. El professor, per així dir-ho, és un missatger que tracta de fer arribar una informació. Per a que aquesta arribe, el receptor ha de sentir que d´alguna manera, el missatge l`interessa. Per això és important que el professor tracte de conèixer les idees prèvies de l´alumnat, les seues concepcions espontànies, percepcions, interessos… Connectant aquestes amb el temari que es vol presentar i facilitant així un millor aprenentatge i assoliment de la matèria.

    La Geografia és una disciplina connectada amb la nostra realitat i entorn. A partir del seu l´estudi podem entendre la configuració del món, la interrelació entre el medi físic i les societats humanes... És interessant observar els plantejaments de les Cartes UGI, dels Objectius de Desenvolupament Sostenible (ODS), que fomenten un estudi de la Geografia a partir de problemes socials rellevants i tenint en compte qüestions com la diversitat cultural, la sostenibilitat…
    D´aquesta forma, l´estudi de la Geografia ja no es veuria com algo estàtic i llunyà als interessos de l´alumnat, si no que connectaria a aquests amb qüestions més properes i quotidianes.

    Considere que la Geografia és una disciplina poc valorada als currículums. Tant el temari plantejat com el nombre d´hores de docència, dificulta el seu estudi. Per aquest motiu el paper del professor és tan important; d´ell depèn, dins dels recursos limitats que disposa, enfocar l´assignatura d´un mode o d´un altre.
    Treballar a partir de problemes pot resultar interessant, tot sense oblidar que l`alumne és el protagonista del procés; aquest és qui ha de rebre el missatge, qui ha d´aprendre.
    L´adolescència és una etapa on els joves experimenten canvis a nivell físic, mental… Una etapa on estan descobrint la seua identitat, el seu lloc al món… Malgrat això, el sistema educatiu actual suposa una càrrega excessiva molt forta mental i de treball.
    Per aquests fets, asseure a un adolescent dintre d´un aula durant sis hores seguides, mentre que una sèrie de professors de distintes matèries imparteixen el seu temari teòric i dens, pot suposar desmotivant. Una situació que he pogut observar a partir de les pràctiques del Màster.
    Fins a quin punt, el Sistema de l’Educació Secundària té en compte al seu alumnat? En molts casos, sembla que els interessos de les autoritats educatives, editors i demés, no corresponen amb el benestar dels joves i el seu favorable aprenentatge.

    Per tant, considere que el canvi és necessari, principalment a gran escala i a nivell sistemàtic.
    Malgrat això, el professorat, tot i no ser el responsable directe del sistema, té un gran protagonisme, ja que el podem considerar com a un dels engranatges principals d’aquest mecanisme. Aquest, dintre del seu marge d’actuació i a partir del marc curricular, té certa autonomia i per tant, també està en les seues mans decidir quin tipus de professor vol arribar a ser, reflexionant al voltant del seu model d’ensenyament i no únicament exposant un gran temari que poc té a veure amb els interessos i les necessitats de l’alumnat.

    ResponderEliminar
  99. Olá, me chamo Maria Clara, sou estudante de Pedagogia da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP - USP) - São Paulo, Brasil.
    Para mim a perspectiva que envolve o professor de Geografia e Ciências, abrange pedagogos e professores de outras disciplinas a cerca da temática de desvalorização da profissão, gerada muitas vezes dentro do ambiente escolar; como mencionado no texto pelos editores, responsáveis acadêmicos e os próprios professores; fazendo com que seja diminuída sua importância. A busca pelo processo de ensino onde o aluno passa a ser inserido dentro do contexto histórico e social e não considerado fora como mero preceptor, é um dos desafios para que a educação se torne mais presente e constante na vida dos estudantes, para isso o ensino deve ser interligado entre aprendizagem e desenvolvimento, formando o aluno como ser participante na sociedade, trazendo o contexto social que está inserido e em parceria com o professor poder buscar estratégias para consolidação deste papel, visando que o aluno traga seu senso crítico diante os problemas da sociedade e proponha novas soluções a fim de criar uma realidade diferente. Em consonância, o papel do professor no século XXI deve ir além da função de pedagogo na sala de aula, e se tornar pesquisador diante assuntos da atualidade, onde o mesmo ainda deve ser considerado inacabado e buscar por outros conhecimentos para acrescentar e fomentar discussões sobre diversas temáticas, assim criando outras perspectivas para o estudo com os alunos, a fim de torna-los cidadãos críticos e participantes. BRASIL

    ResponderEliminar
  100. Olá, boa tarde! Sou estudante da graduação no curso de Pedagogia FFCLRP-USP.

    Achei que o texto tem uma reflexão bem interessante. Creio que seja especialmente importante o conhecimento tecnológico, no sentido até mesmo da informática, já que vivemos em uma época em que a evolução computacional, por exemplo, se dá de maneira exponencial e requer uma certa atenção no ensino, uma vez que após o período de isolamento social causado pelos anos iniciais da pandemia do COVID-19, os alunos cada vez mais necessitavam de celulares e dispositivos inteligentes para estudar a distância. Creio que o futuro esteja cada vez mais no uso das tecnologias da informação no ensino (apesar de não ser uma realidade muito próxima do Brasil e nem de diversos países ao redor do mundo) e os professores e educadores devem estar a par dessas tecnologias para não ficarem para trás.

    ResponderEliminar
  101. Olá, me chamo Isabela Martins Cazula, sou estudante do curso de Pedagogia da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP-USP) – Brasil. A leitura do foro 28 me instigou reflexões pertinentes sobre a desvalorização da profissão docente, tanto como é perpetuada pela sociedade tanto como é muitas vezes absorvida pelo próprio profissional da educação. O professor representa uma figura essencial para a formação dos indivíduos e suas respectivas relações desempenhadas com as matérias, que podem ser de maior ou menor apreço dependendo do vínculo inicialmente estabelecido com o próprio educador. Por isso, na medida em que desempenha esse papel de tamanha inspiração, o docente precisa estar constantemente atento para seus saberes e comportamentos. Para professores responsáveis pelas disciplinas de Ciências e Geografia, por exemplo, é preciso que exista um grande comprometimento com a tarefa de conscientizar e fazer com que os alunos se interessem por questões ambientais e pelo cuidado com a natureza diante de um contexto atual cada vez mais ameaçador. Para que isso seja possível, o docente deve estar sempre atualizando seus conhecimentos para além dos conteúdos da sala de aula, estando a par das tecnologias e dos novos meios de comunicação para que as informações sejam difundidas da melhor maneira possível.

    ResponderEliminar
  102. Lendo os comentários e os textos deste fórum, fica claro que o século XXI é um momento muito desafiador para os professores das ciências humanas.
    Temos hoje uma dinâmica social que acontece em múltiplos ambientes (digital / real) e cada vez mais permeada pelo intenso uso das redes sociais, além da grande velocidade, e quantidade, de circulação de informações. Muitos dos nossos alunos têm o ambiente digital como o principal espaço de sociabilização, construção de conhecimento e visão de mundo. Nesse ponto, como aponta o texto que abre este fórum, é imprescindível para o docente das ciências humanas estar atento a essas dinâmicas e como os nossos alunos se inserem nelas, pois a partir da apropriação e compreensão desse cenário pode se tornar possível a construção de um percurso de aprendizagem mais efetivo para os nossos alunos.

    Elisa Amaral , estudante de pegagogia da FFCLRP.

    ResponderEliminar
  103. Este comentario ha sido eliminado por el autor.

    ResponderEliminar
  104. Este comentario ha sido eliminado por el autor.

    ResponderEliminar
  105. Sou a Valéria, estudante de Pedagogia da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras (FFCLRP-USP) São Paulo, Brasil.
    O Brasil é conhecido como rico em diversidade étnica e cultural, plural em sua identidade, composto por afrodescendentes, indígenas, imigrantes de todo o mundo, sertanejos, caipiras, caiçaras, fanqueiros, entre outros, contudo, é um país marcado por desigualdades socioeconômicas e ao longo de sua história existiram preconceitos, relações de discriminação e exclusão social que impedem a maioria dos brasileiros de ter uma vivência plena de sua cidadania. É importante abordar a diferença entre desigualdade social e diversidade cultural, devemos ter em mente que as culturas são construídas através de diversos grupos sociais, na organização da vida social e política, nas relações entre si e com outros grupos,no compartilhamento de conhecimento, etc. A desigualdade social ocorre na relação de dominação e exploração socioeconômica e política, e ambas as desigualdades culminam na "exclusão social". A diversidade cultural em nosso país não se consolidou do dia para a noite, e é fruto de um longo período histórico de interação entre aspectos políticos e econômicos. São inúmeras as culturas aqui e cada uma com suas singularidades, sua identidade de origem de diferentes grupos étnicos e culturais, um exemplo claro são as diversas comunidades indígenas, cada uma com sua singularidade. O Brasil é formado por portugueses, chineses, budistas, muçulmanos, franceses, espanhóis, católicos, evangélicos, judeus, ciganos, indígenas… tanto assim, todo o processo de imigração junto com vários grupos sociais com diversas formas de comunicação, vestir, dançar, comer, costumes, valores, certo e errado Mas, ao longo da história da sociedade, essas diversidades foram ignoradas e o mito da democracia racial se intalalou no país.
    Pela falta de responsabilidade de alguns professores,estes acabam colaborando pata com diversos discursos enraizados na sociedade, como, por exemplo, racismo não existe no país, desigualdade não existe, vacina não funciona, Covid não existe etc. Um profissional principalmente desta área deve ter a responsabilidade de falar sobre a trajetória das etnias, falar sobre ocupação, conquistas, escravização, imigração, migrações,dos continentes de origem, dos diversos grupos que caracterizam a população brasileira, abordar sobre a presença indígena. Cabe a este como transformador da realidade compreender e passar para os alunos à formação das sociedades europeias, às invasões, à imposição e opressão destas, à história do continente africano, cujos muitos acreditam ser um país onde se concentra a miséria.
    Além disso, acredito que quando o professor tem as ferramentas certas, ele pode realmente fazer uma transformação, desde que esse professor entenda, por exemplo, o que está por trás do fracasso escolar, do sucesso escolar, apartir disse poderá redefinir seus planos, suas metodologias de sala de aula de acordo com a realidade de seus alunos indo além destas.

    Não sei se há algum problema no site mas quando posto o texto aparecem palavras em lugares errado e até mudam o sentindo da frase.

    ResponderEliminar
  106. Olá, me chamo Larissa Gilabel de Melo e Souza, sou estudante de Pedagogia da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto, São Paulo - BRASIL.
    Gostaria de iniciar meu comentário ressaltando a importância deste texto para a minha formação acadêmica, visto que ele me leva a lembrar sobre que professora eu preciso ser no presente século: “atenta, informada e responsável”. E enquanto realizava a leitura dele pude fazer relações com o livro de Paulo Freire, “Pedagogia da Autonomia” (1996), onde, de forma resumida, o mesmo trata sobre o que o ato de ensinar exige do educador. Uma das exigências trazidas por Freire e a qual destaco aqui por considerar crucial na vida de qualquer professor do século XXI (e em especial os de geografia e ciências sociais, foco deste fórum) é a “luta em defesa dos direitos dos educadores”, direitos estes que têm sido tão atacados em nossa sociedade. Em concordância com o autor, a briga por salários dignos, em um país como o nosso onde a desigualdade é predominante, é intrínseca à prática docente e quando não assumimos nosso lugar nesta luta incorremos no terrível erro da auto-desvalorização. Assim, citando Freire (1996, p. 27), “ a luta dos professores em defesa de seus direitos e de sua dignidade deve ser entendida como um momento importante de sua prática docente, enquanto prática ética”.

    Referência: FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996. - (Coleção Leitura)

    ResponderEliminar
  107. Saudações! Meu nome é Maria Julia Pintar, sou aluna do curso de Pedagogia da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto, da Universidade de São Paulo - Brasil. Inicialmente, ressalto minha alegria em poder conhecer um espaço como o GEOFORO: um lócus online de alcance internacional com tantas informações, debates e reflexões sobre temáticas tão importantes quanto são as ciências da Educação, da Geografia, da História e demais assuntos relacionados. Acredito que lugares como este contribuem enormemente para a formação profissional e também pessoal de cada participante, pois, sendo uma fonte confiável de informações, permite interações democráticas e o desenvolvimento do pensamento crítico geradores de mais conhecimento.
    Aliás, é justamente sobre isso que trata o texto deste fórum: a construção compartilhada de saberes que possam nortear o profissional da educação para o ensino de Geografia e Ciências Sociais na atualidade. Neste comentário, longe de querer encerrar o debate, desejo contribuir com mais um possível caminho para o desafio proposto. Dessa forma, utilizo como embasamento teórico o texto "A dimensão ética da aula ou o que fazemos com eles", escrito por Terezinho Azerêdo Rios, no qual são apresentadas quatro dimensões do trabalho docente: a ética, a técnica, a estética e a política. Todas elas, relacionando-se entre si, constituem-se como pilares para a ação de "fazer aulas" e apresentam características essenciais ao ensino, não apenas de Geografia e Ciências Sociais, mas de qualquer disciplina: o respeito, o diálogo, a sensibilidade, o domínio dos saberes necessários à atividade profissional e a conscientização sobre o exercício de direitos e deveres.
    Para finalizar, deixo aqui uma provocação e mais um questionamento, retirado do mesmo texto: "A aula não começa nem termina ali - como acontecimento pedagógico, ela tem uma duração que ultrapassa o lugar geográfico e se instaura num espaço temporalizado pelo gesto cultural. (...) Para que serve a aula se não for capaz de nos transportar para além da sala de aula?" (RIOS, 2008, p. 89).

    Referência: RIOS, T. A. A dimensão ética da aula ou o que nós fazemos com eles. In: VEIGA, I. P. A.
    (org.). Aula: Gênese, dimensões, princípios e práticas. Campinas: Papirus, 2008.p.73-93.

    ResponderEliminar
  108. Olá, sou Karina Santos Costa aluna do curso de Pedagogia na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto, da Universidade de São Paulo, BRASIL. Achei este fórum interessante, pois refletindo sobre o tema abordado penso ser nosso dever como educadores e futuros educadores saber obter uma relação conectiva para com nossos alunos. Lembro-me de meus tempos de ensino médio e fundamental; em quase todos os anos desde o sexto ano do fundamental ao terceiro do ensino médio tivemos aulas de História com Marli, e de Geografia com Luciano. Em História periodicamente haviam resumos para serem feitos, os trabalhos bimestrais eram sempre no mesmo formato, e no final todos gostavam de fazer, pois sentíamos que podíamos produzir bons trabalhos; e pensando hoje vejo que era relativamente tecnicista por conta do uso do Caderno do Aluno que é utilizado em todas as disciplinas. Porém, a professora não deixava de ser aberta a dúvidas e questionamentos trazidos por nós alunos. Já em Geografia havia diferentes propostas para trabalhos bimestrais que às vezes nos pareciam confusas, mas o que nos cativava era a abertura para dialogo que o professor nos dava; era permitido trazer os mais diversos questionamentos que tivéssemos sobre eleições brasileiras e norte-americanas, sobre a cultura de algum país, sobre todo o conteúdo da matéria e de um modo solicito nos respondia. Pensando na teoria do desenvolvimento de Lev Vygotsky, desta maneira podiam saber até onde iam nossos conhecimentos; e para educadores abertos a questionamentos e ao mesmo tempo questionadores é possível entender em termos de aprendizagem os pontos de desenvolvimento real e desenvolvimento potencial. Meu ponto é: bons professores nos marcam por também serem abertos a aprender com as crianças, por se aproximar de seus alunos e proporcionar ambientes propícios à aprendizagem.

    ResponderEliminar
  109. Sou Vitória Albuquerque de Morais graduanda do terceiro ano do curso de Pedagogia da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP - USP) - Brasil
    Concordo com o que foi exposto e acredito também que como professores, é necessário ter além da consciência de que estamos formando possíveis pesquisadores, a noção de que a atual sociedade estudantil, imersa pela tecnologia e influência das redes sociais necessita além de tudo de uma visão crítica sobre as informações oferecidas nessas redes. Os professores no geral e principalmente de geografia e Ciências Sociais devem ter como objetivo a formação de alunos críticos para que os mesmos a partir da ciência e da dialética obtenham o poder de contestar a realidade social, ambiental e desigual que estão inseridos para que assim, se tornem sujeitos atuantes e transformadores da sociedade.
    Conforme Freire defende, “Ensinar não é transferir conhecimento, mas criar possibilidades para a sua própria produção ou a sua construção.” (Pg21) O aluno constrói conhecimento indo além da ideia de se decorar os conteúdos, seguindo esse raciocínio o educador deve pretender munir seus educandos de ferramentas para que os mesmos efetivem sua atuação direta na sociedade, exercendo assim a verdadeira formação ética, cidadã. Contudo, a realidade educacional Brasileira é controversa a essa prática visto que a precarização da educação e o sabotamento das redes públicas em prol do aumento da privatização do ensino e das grandes empresas que o monopolizam aumenta constantemente. Assim como a desvalorização do professor A dificuldade que o mesmo encontra, em trabalhar o currículo condensado e conteudista aumentam o risco de o educador cair no engessamento educacional, aplicando os mesmos métodos, sem articular os princípios históricos e geográficos com a realidade do aluno sem usar a interdisciplinaridade, o que favorece a, disparidade para com as outras matérias, o desinteresse escolar e com isso o abandono escolar.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Oi, Vitória. Precisamos, realmente, quebrar esse paradigma de currículo engessado e conteudista que nos deparamos nos ambientes escolares. Grata por suas colocações. Victória Paixão, discente do curso de Pedagogia da FFCLRP, Universidade de São Paulo, Brasil.

      Eliminar
  110. Meu nome é Ana Carolina Ferrari, sou estudante do curso de Pedagogia na Faculdade de Filosofia Ciências e Letras (FFCLRP- USP BRASIL).
    A leitura desse fórum me permitiu refletir a cerca do que é ser um bom professor, não consigo imaginar um professor que não esteja interessado diariamente no que acontece na sociedade. Para Geografia e Ciências Sociais assim como qualquer disciplina ministrada torna-se indispensável considerar aspectos individuais dos alunos, para que eles antes de tudo entendam seu papel na sociedade, se reconheçam nela e entendam que sua contribuição é necessária. Porém é importante considerar a dificuldade do professor em uma sala com mais de vinte alunos por exemplo, além de recursos limitados gerados pela desvalorização da profissão.
    O que torna o ensino aprendizagem de qualidade primeiramente é, como citado no texto, ser uma pessoa informada e atenta com a capacidade de transmitir de forma efetiva e afetiva os conteúdos necessários das matérias, construir uma relação professor-aluno fortalecida pela troca contínua de aprendizados e experiências cotidianas, pois todas essas experiências são de fato correlacionadas as matérias de Geografia e Ciências Sociais.
    Finalizo dizendo que o professor do século XXl necessita estar disposto a enfrentar desafios, precisa estar atento aos vários meios de ensino, conhecer métodos tecnológicos também e o importante de tudo é estar disposto a conhecer seus alunos e não parar de estudar nem por um dia.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Oi, Ana Carolina. Reflexões muito interessantes. Concordo, sobretudo, quando diz sobre a relação professor-aluno que deve ser fortalecida pela troca contínua de aprendizados. Victória Paixão, discente do curso de Pedagogia da FFCLRP, Universidade de São Paulo, Brasil.

      Eliminar
  111. Olá, me chamo Fabrícia Giglio Ferreira Teixeira Galão, sou estudante de Pedagogia da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP - USP) - São Paulo, Brasil.
    Gostaria de iniciar ressaltando que o próprio título deste fórum é muito interessante, na medida em que, logo nele, há uma provocação aos docentes da área, para que, antes de - de fato - começar o texto, façam suas comparações entre a educação tradicional e a nova, pontuando o que acreditam fazer parte do contexto educacional no século XXI, sobretudo no ensino de Geografia e de Ciências Sociais, de modo a, também, se auto avaliar enquanto educadores. Ademais, ao longo do texto, a relação mais forte que consegui fazer foi acerca do sucateamento da Educação, tanto na Educação Infantil e nos Anos Iniciais do Fundamental quanto nos Anos Finais, no Ensino Médio e, até mesmo, na Educação Superior, como é o caso do curso de Pedagogia. Nesse sentido, pedagogos e demais educadores estão em constante luta para alcançar seus direitos e a sua valorização, que é - atualmente - mínima, sendo que, infelizmente, o retorno deste movimento é quase nulo no Brasil. Deste modo, nosso patrono Paulo Freire - autor no qual me embasei para esta análise - afirma em sua obra "Pedagogia do Oprimido"(1996) que “ a luta dos professores em defesa de seus direitos e de sua dignidade deve ser entendida como um momento importante de sua prática docente, enquanto prática ética” (1996, p.27). Assim, a Educação é a base para toda a vida em sociedade, pois abrange a alfabetização, a política, o diálogo e demais ensinamentos tão caros à comunidade, inclusive aprendidos nos ensinos de Geografia e de Ciências Sociais, e deveria ser uma área muito mais valorizada e apoiada financeiramente e moralmente do que realmente é.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Olá, Fabrícia. Certamente a auto avaliação docente é primordial para que esse (re) signifique a todo momento sua ação pedagógica. Victória Paixão, discente do curso de Pedagogia da FFCLRP, Universidade de São Paulo, Brasil.

      Eliminar
  112. Olá, meu nome é Julia Cristina Bertanha, sou aluna do curso de Pedagogia na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto, da Universidade de São Paulo, BRASIL. Escrevo meu comentário a respeito desse fórum 28 pois me chamou atenção o fato de tratar sobre a importância do papel dos professores, vistos como mestres e exemplos dos alunos, pois, assim como a educação forma nós pedagogos para sermos pessoas corretas e sábias, um professor formado na área de geografia ou Ciências sociais, não deve ser diferente disso, ou seja, deve ser um cidadão responsável. Portanto, um docente que é interessado nessas matérias, deve estudar e pesquisar sobre os problemas sociais do espaço geográfico e os respectivos assuntos relacionados a essas matérias.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Oi, Júlia. É interessante observar que de acordo com seu comentário, podemos refletir que o trabalho docente, apesar de se diferenciar através das áreas do conhecimento, demanda conhecimento técnico-científico e princípios que se estendem a todos os professores de qualquer área. Victória Paixão, discente do curso de Pedagogia da FFCLRP, Universidade de São Paulo, Brasil.

      Eliminar
  113. Saudações a todos! Meu nome é Giovanna Bastos Souza, sou estudante do 5º período de Pedagogia na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto.

    O papel do professor sempre foi um imenso desafio: formar cidadãos e cidadãs críticos e conscientes, além de seres humanos éticos e preocupados em transformar sua realidade. Entretanto, docência tornou-se algo deveras desvalorizado, reduzido a uma visão retrógrada de que professores são doutrinadores e é certo dizer que os professores de História/Geografia e das Ciências Humanas no geral são os principais alvos dessas ideias. É papel dos docentes dessas disciplinas incentivar os alunos a desenvolver durante as aulas uma visão crítica do mundo, sendo que as aulas devem ser feitas de forma a conversar com a realidade do aluno, o que pode ser feito através de alusões a filmes, séries, livros, etc, que sejam de interesse geral da classe - o que se conecta com a ideia passada pelo texto de que muitos alunos gostam da disciplina por conta do professor.

    Não basta somente ensinar sobre os fatos históricos de forma isolada; deve-se mostrar como isso interfere no cotidiano do aluno. Não é o bastante explicar sobre a separação política dos territórios; é preciso que os alunos entendam como isso impacta na vida comum da população.

    Em resumo, um professor de História e Geografia deve ajudar ajudar os alunos a entender o funcionamento da sociedade, seja no nível micro ou macro.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Oi, Giovana. De fato, o papel do professor sempre foi um desafio e sempre será. Principalmente considerando o mundo dinâmico em que vivemos. Sigamos na luta. Victória Paixão, discente do curso de Pedagogia da FFCLRP, Universidade de São Paulo, Brasil.

      Eliminar
  114. Olá, meu nome é Dante e sou aluno de Pedagogia na Universidade de São Paulo, campus de Ribeirão Preto e escrevo pela disciplina de Metodologia do ensino de História e Geografia.
    O texto destaca o importantíssimo papel ativo do professor no processo ensino-aprendizagem, em como é sua responsabilidade fazer uma aula coesa e interessante para prender a atenção de seus alunos, fora seu papel social e político de guiar o estudante ao auto-conhecimento e ao pensamento crítico.
    Como futuro formador infantil, penso que meu papel como professor será o de conscientização social, ecológica, mostrando a importância de cada elemento na construção da sociedade, do eu e da nação.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Oi, Dante. Considerações interessantes. Esse compromisso com a formação de crianças em desenvolvimento nos traz uma grande responsabilidade. Principalmente, se considerarmos a sociedade em que vivemos e as diversas transformações socioambientais que ocorrem a todo momento. Victória Paixão, discente do curso de Pedagogia da FFCLRP, Universidade de São Paulo, Brasil.

      Eliminar
  115. Olá, pessoal. Boa noite! Meu nome é Ingrid, tenho 22 anos e sou graduanda de Pedagogia na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (Universidade de São Paulo - USP).
    Achei o texto interessante porque pude me identificar em vários momentos (quando fala do impacto que um professor pode ter na vida dos estudantes). Passei muito tempo detestando matemática, por exemplo, porque o pedagogo que ministrava essa aula no ensino fundamental era arrogante, debochado e, na maioria das vezes, muito "sério". Sem aprender, portanto, o básico no fundamental, continuei tendo dificuldade para aprender matemática no ensino médio. Logo, só depois de me formar passei a vê-la com outros olhos, já que tive que aprender na marra para prestar vestibular (choraste?).
    Como dito no primeiro parágrafo do texto, o professor pode ser considerado um "influenciador". Não no sentido manipulador da palavra, tampouco no sentido das "subcelebridades" que estamos acostumados a ver no Instagram — até porque, infelizmente, os docentes não possuem tanto prestígio social quanto eles — mas no sentido de ter o poder de incentivar os estudantes a irem em direção a algo. Como exemplificado no texto, o aluno pode gostar ou desgostar de uma matéria a partir do comportamento do professor que a oferece, por isso a importância do diálogo, do respeito e da boa didática na sala de aula. Contudo, fora dela, os professores e professoras de Geografia e Ciências Sociais têm uma missão ainda mais árdua: ensinar (influenciar) os estudantes de forma que eles tenham compromisso social e ambiental, como já dito por Manuel António Ferreira.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Oi, Ingrid. De fato, muito interessante como também nos identificamos com esse processo de ensino-aprendizagem ao decorrer da nossa vida escolar. Faz parte de nós e também nos ajuda a refletir sobre nossa prática docente. Victória Paixão, discente do curso de Pedagogia da FFCLRP, Universidade de São Paulo, Brasil.

      Eliminar
  116. Boa noite a todos(as).

    Eu sou Carlos Zorzenon, professor de Ciências e Biologia formado pela Universidade Federal de São Carlos UFSCar, atuante na rede pública do Estado de São Paulo, e atualmente cursando a faculdade de Pedagogia da Universidade de São Paulo USP.

    Sobre a leitura deste artigo, muitos pontos me surgiram para discussão, porém irei me ater a trabalhar dois pontos neste sucinto comentário.

    Primeiramente, este ponto trará uma crítica que serve não somente para a discussão das disciplinas de História, Geografia ou qualquer outra das Ciências Humanas ou Sociais, pode se estender para todas elas, e é sempre importante refletir e indagar do por que indivíduos que muitas vezes desconhecem o chão da escola, o dia dia do ambiente escolar, sobre tudo o de escolas periféricas como a que eu leciono, insistem em desenvolver ideias, métodos, propostas muitas vezes descabidas, e muitas vezes sendo estes mesmos indivíduos ligados à institutos de pesquisas (não falo aqui de Universidades no caso do Brasil) ou órgãos governamentais e que muitas vezes desconhecem a realidade da educação pública brasileira. O que leva a isto? Ingenuidade social? Ignorância procedimental? Manutenção das estruturas sociais? Falta de políticas públicas concisas para a educação? Um pouco de tudo isso? Longa discussão, mas a resposta e a defesa para essas ações é uma só: Professor Consciente participante da escola que trabalha.

    Segundo ponto, nós professores já empregados ou ainda na formação temos que ter de forma latente e pulsante em nosso sangue o desejo de lutar sempre pela educação, sobre tudo a pública, para ser de forma livre e com a cara que a comunidade precisa, e não a que qualquer governo ou mandatário não governamental quer. Devemos sempre prezar pela qualidade da escola, pela liberdade de ação dos professores, pela liberdade de expressão dos alunos e alunas, e sobre tudo, pela continua e crescente manutenção das escolas pelo nosso país, rompendo todos os tipos de laços que não nos permitam praticar uma educação libertadora e emancipadora como a proposta por Paulo Freire, o Patrono da Educação Brasileira.

    "Educação não transforma o mundo. Educação muda as pessoas. Pessoas transformam o mundo" Paulo Freire.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Olá, Carlos. Obrigada pela contribuição e problematizações que trouxe em seu texto. Realmente são questões que precisamos levantar e refletir. Victória Paixão, discente do curso de Pedagogia da FFCLRP, Universidade de São Paulo, Brasil.

      Eliminar
  117. Meu nome é Sarah Ferreira Beirigo, sou auna do curso de Pedagogia da FFCLRP-Brasil. Começo meu comentário dando ênfase a importância do bom relacionamento (afetividade) na relação professor-aluno, pois o mesmo de acordo com Wallon (2004), se constitui como um elemento inseparável e desencadeador do processo de construção do conhecimento. Complementando tal argumento, também podemos elencar Paulo Freire (1996, P. 159) que aborda que a afetividade é a base ou o começo para o aprendizado. Sendo assim, o professor se torna a alma do ensino como abordado no texto, trazendo consigo um fator motivacional no processo de ensino e aprendizagem do aluno.
    Outro ponto que me chama a atenção é a base técnico-científico específica que os professores de Geografia e Ciências Sociais devem possuir, não é o saber “tudo”, como citado no texto, pois sempre estamos em desenvolvimento. Mas, saber gerar os relacionamentos, situações e relacionamentos voltadas a isso.
    Devido ao fato de que todo aluno sente quando o professor não possui domínio em relação ao que está sendo dado, tal base é fundamental para a formação do mesmo. Pois, além da formação acadêmica, o professor contribui para a formação e desenvolvimento do aluno enquanto indivíduo e membro da sociedade, na qual proporciona experiências que vão além do âmbito intelectual. Portanto, seu conhecimento é fundamental para auxiliá-lo no processo de ensino e aprendizagem e por fim guiá-los e incentivá-los na busca pelo conhecimento.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Oi, Sarah. Excelentes pontuações. Ao final do seu comentário, me lembrei dos dois princípios indispensáveis aos professores: o cuidar e o educar, em todo o trabalho docente. Abraços. Victória Paixão, discente do curso de Pedagogia da FFCLRP, Universidade de São Paulo, Brasil..

      Eliminar
  118. Boa noite! Meu nome é Ana Júlia Cristal e sou graduanda de Pedagogia na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (Universidade de São Paulo - USP).

    Após a leitura do artigo refleti acerca da docência e ensino-aprendizagem dos alunos. Usando como referência teórica o texto “Cotidiano e Lugar: Categorias Teóricas da História da Geografia Escolar”, observamos que o professor de ensino de Geografia ou História deve, além do citado, trazer o cotidiano do indivíduo com uma visão ampliada, que somente o espaço geográfico e análise dele nos oferece. Não é somente trabalhar o cotidiano do aluno e fazer com que ele se torne um ser mais engajado e interessado nas práticas e conteúdos, mas fazer com que ele ultrapasse o conhecimento que foi adquirido e entenda profundamente sua origem e seu contexto econômico e social, para que ele faça a diferença e se aproveite disso como cidadão de um país.

    A discussão do que é concreto é a maneira potencial de trazer resultados positivos, e demonstrar que mesmo no meio de tantos personagens icônicos da história também fazemos parte dela. Uma história que retorna no passado mas que se constrói no dia-a-dia das relações humanas e locais diferenciados.

    Entendê-los é parte fundamental das práticas pedagógicas no contexto escolar. Como dizia (BITTENCOURT, 2004) é identificar a dinâmica do lugar, as transformações do espaço, e articular esse processo às relações externas, a outros lugares.

    Sendo assim, há uma mobilização de recursos adequada, que eu vejo ser um objeto importante, trazendo identificação e conhecimento ampliados e os auxiliando no processo de cidadania.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Oi, Ana Júlia. Muito interessante suas pontuações, inclusive, por também colocar a área do conhecimento de História em discussão, tendo em vista essa área complementar à Geografia. Há a importância do tempo e espaço em nossa vida e isso reflete na identificação da dinâmica do lugar e nas transformações do espaço, reafirmando a necessidade do professor estar sempre investigando para a apreensão desses múltiplos saberes. Victória Paixão, discente do curso de Pedagogia da FFCLRP, Universidade de São Paulo, Brasil.

      Eliminar
  119. Olá, me chamo Lorena e sou aluna do curso de Pedagogia da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (USP). Através do texto pude refletir sobre o papel social do professor para além de sua ação em sala de aula, a importância de assumir uma postura verdadeiramente consciente sobre a sociedade e sua problemáticas. Encarar tais áreas do conhecimento como meros conteúdos escolares esvazia a aprendizagem e limita o aluno diante de tudo aquilo que está ao seu redor (catastrofes naturais, mudanças climáticas, acontecimentos históricos e etc). Um professor problematizador, cativa os estudantes para também o serem e, se tratando das áreas geografia, história e ciências sociais, devem se tornar agentes participativos na sociedade para que mudanças significativas possam acontecer. "Me movo como educador, porque, primeiro, me movo como gente." (Paulo Freire).

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Olá, Lorena. Excelente citação de Paulo Freire. Concordo com os argumentos levantados. Tal posicionamento de Freire, ao mesmo tempo que nos motiva, também nos desafia a ser professores que (re) construam práticas educativas com sentido e significado. Victória Paixão, discente do curso de Pedagogia da FFCLRP, Universidade de São Paulo, Brasil.

      Eliminar
  120. Olá pessoal, tudo bem? Meu nome é Camila Rosa dos Santos, tenho 21 anos e atualmente curso o 5º período de Pedagogia na FFCLRP – USP no Brasil. Ao ler este texto o primeiro pensamento que me veio na cabeça foi a lembrança dos estudos da disciplina de Didática em que cursamos nos períodos passados. Pois com esta disciplina, foi possível compreender, principalmente por meio das obras de Terezinha Azerêdo Rios, uma grande autora dessa área que conceitua que, o ensino é a essência do ser professor, dessa forma, o professor é também um ser ensinante que é solicitado a ensinar e a socializar o saber (RIOS, 2015). A didática também torna-se essencial pois, para estarmos aptos a trabalhar em qualquer nível e modalidade de ensino escolar ou até mesmo em outro campo que envolva a licenciatura, como o campo da Geografia e das Ciências Sociais, é preciso ter essa bagagem para que seja possível conduzir de forma eficiente o processo de ensino-aprendizagem dentro da sala de aula, visto que é nesse meio que encontra-se respostas e ressignificações para o professor conseguir trilhar seu caminho na construção da educação. Recorda-se nesse aspecto, o conceito de professor pesquisador elucidado por Paulo Freire, em que independente da área em que se atua, deve sempre estar estudando e pesquisando para aprimorar sua atuação, estimulando o senso crítico e reflexivo dos estudantes e futuros cidadãos. Portanto, ao ler esse excerto, elenco que para ambos os profissionais da educação, faz-se necessário se aprofundar nos estudos da didática para que esses profissionais consigam compreender o verdadeiro papel do ser professor e do sistema escolar, como seres críticos, reflexivos e ativos na sociedade contemporânea.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Oi, Camila. Seu comentário me lembrou muito o livro Pedagogia da Autonomia de Paulo Freire. O ensinar realmente exige muita coisa, mas a partir de sua escrita, destaco, a pesquisa, o comprometimento, a escuta e a competência profissional, seja em qualquer área do conhecimento. Victória Paixão, discente do curso de Pedagogia da FFCLRP, Universidade de São Paulo, Brasil.

      Eliminar
  121. Olá, bom dia!

    Meu nome é Lívia Maria Rocha, sou graduanda do 7º período de Pedagogia pela FFCLRP da USP Ribeirão Preto (Brasil).

    O questionamento levantado no fórum sobre “o que deve caraterizar o professor de Geografia e de Ciências Sociais, em geral?” me deixou curiosa, levantei aspectos dos meus antigos professores que marcaram minha história, meus estudos até então na área da pedagogia e o contato com meus atuais colegas de trabalho das áreas sociais.

    A resposta que consegui traçar para as características do professor é uma pessoa conectada com os acontecimentos atuais, trazer para a sala de aula o que está acontecendo ao redor do aluno, fazer o estudante sentir-se parte da história, sempre correlacionando as experiências e movimentos vivenciados por eles com os passos da humanidade e engajar os alunos em discussões de interesse.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Olá, Lívia. Concordo quando diz sobre a necessidade de trazer discussões e temas relacionados com a localidade do aluno, pois é um caminho para que este se identifique como sujeito pertencente e ativo na sociedade. Victória Paixão, discente do curso de Pedagogia da FFCLRP, Universidade de São Paulo, Brasil.

      Eliminar
  122. Nayara Henriques2 de mayo de 2022, 15:50

    O desafio de ser professor de Geografia e Ciencias Sociais vai além dos próprios conteúdos da materia, uma vez que reverbera na própria estrutura escolar inserida num contexto neoliberal, e na realidade socio-ambiental que vivemos nos dias atuais. Explicar o óbvio (os problemas ambientais causados pela ação humana dentro do sistema capitalista de produção) em 45 minutos, já nao é tao difícil de relacionar com a própria realidade dos alunos, que vivem, vêem e sentem os desastres. Difícil é oferecer saídas, propostas que nao soem utópicas, para que o saber geográfico e sociológico dentro da sala de aula nao se reduza a uma atividade para nota, e os desastres ambientais nao continuem sendo naturalizados, ao invés de criticados.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Olá Nayara
      Os desafios do ensino de Ciências Sociais na Escola são inúmeros. A participação em redes colaborativas e projetos integrados permite avanças na superação desses desafios.
      Silvia A. S. Fernandes
      Brasil

      Eliminar
  123. Entro en el consenso de la importancia que tiene el profesor en tanto a la actividad docente. Y también denuncio que, en parte, pierde un tanto de agencia debido a lo que las leyes y otros condicionantes esperan de el. Ahora ¿dónde quedan los alumnos? ¿qué peldaño de la escalera ocupan? Así es, el alumnado, donde considero reside la esencia de la educación, se encuentra al fondo de esta especie de pirámide conformada por los contribuyentes de lo que llamamos la educación. La clave para el docente del siglo XXI residiría en poner el foco en el estudiante. Al final la actividad docente pierde su esencia cuando esto no se da. Sin gente a la que educar, la educación no tiene sentido, por lo que hay que dar al alumnado la importancia que se merece, atender a sus inquietudes y necesidades, revisar sus espacios subjetivos, observar su trayectoria y guiarlos en el camino. Considero, entonces, que el profesorado, con tal de cumplir estos objetivos, debería recibir una formación óptima, tanto en base teórica como en lo que se refiere a las cualidades de la docencia que responden al ámbito psicopedagógico.

    ResponderEliminar
  124. Buenas tardes, soy Inés Vicens Asencio, historiadora del arte y alumna del Máster de Profesorado de Educación Secundaria de la Universidad de Valencia.
    A partir de lo que he leído en este foro y lo que he podido aprender durante este curso, estoy de acuerdo con varias de las afirmaciones que se han hecho.
    Primero que todo, considero verdad que un profesor, aunque en este caso nos centramos en el profesorado de Geografía e Historia, no puede saberlo "todo", puesto que somos personas y no máquinas capaces de almacenar toda la información que pasa por delante de nosotros. Pero sí puedo afirmar que un profesor tiene que tener los recursos necesarios para saber adaptarse y aprender en este tipo de situaciones que se plantean a la hora de dar clase en secundaria y bachillerato, cuando se nos hacen cuestiones que puede que no sepamos contestar.
    Por otra parte, como he dicho, el profesor de geografía e historia tiene que estar en constante actualización, dado que en la actualidad, no solo basta con conocer la materia, si no que también tiene que conocer los diferentes recursos digitales que están a la orden del día y que considero muy útiles para la enseñanza. Menciono este aspecto puesto que después de mi periodo de prácticas, he podido ver como los profesores utilizan muchos recursos tradicionales cuando existe una infinidad de recursos y herramientas digitales que pueden funcionar mucho mejor con el alumnado, el cual ya ha nacido como una generación tecnológica.

    ResponderEliminar
  125. Boa noite. Meu nome é Aline Monti. Graduação em andamento pela Universidade de São Paulo USP Campus de Ribeirão Preto no curso de Pedagogia Integrante em grupo de pesquisa e com pesquisa em andamento no tripé ensino. Me senti provocada com o texto: Qual professor de Geografia e Ciências Sociais para o século XXI? A pergunta tão pertinente quanto a expectativa criada na frase. No ideário de uma criança a concepção de professor são multiplas, até a decepção. Ora com a disciplina (conteúdo), ora com a didática (professor). Já para os estudantes do ES (ensino superior), conforme o curso que escolheu para sua formação, superar essa barreira é um pouco mais complexo. Lidamos aí com duas formas de conceber o que é o professor. Mas adentrando a pergunta de modo a entender esse professor do século XXI, podemos dizer que esperamos encontrar professores que nos identificamos visualmente em sala de aula, para depois, indentificar com o conteúdo ministrado por ele. Minimamente será os requisitos para compreensão desse texto provocativo.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Oi, Aline. Muito boa suas colocações. Como professoras em formação, realmente temos um grande desafio pela frente, principalmente se considerarmos os múltiplos saberes que lidaremos em sala de aula, em especial, a área do conhecimento de Geografia. Que possamos manter em mente e em prática nosso compromisso social. Victória Paixão, discente do curso de Pedagogia da FFCLRP, Universidade de São Paulo, Brasil.

      Eliminar
  126. Boa tarde a todas e todos.

    Meu nome é Gabriele Mesquita Pereira do Carmo, sou licenciada e bacharel em Geografia pela Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (UNESP), sou aluna do Mestrado em Educação na USP (FFCLRP) e membro do Grupo de Estudos da Localidade (ELO), no Brasil.

    O texto que propõe a discussão traz elementos importantíssimos que constituem professores comprometidos de diversas áreas do conhecimento: ser uma pessoa atenta, informada, solidária. E, refletindo acerca do questionamento “Que professor e professora de Geografia e Ciências Sociais para o século XXI?”, acredito ser um dos diferenciais dos professores dessas áreas a preocupação com a localidade na qual os alunos estão inseridos. Acredito que nossa prática docente deve ser pautada pela reflexão e discussão acerca das condições sociais e culturais do espaço em nossos alunos vivem (seja ele a escola ou a localidade na qual os alunos habitam e desenvolvem suas atividades), com rigor teórico e metodológico. Voltando nosso olhar a localidade poderemos propor uma formação em prol da cidadania, reforçando a preocupação social e ambiental e permitindo que os estudantes desenvolvam um olhar crítico perante a sociedade em que vivemos.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Gabriele, como coordenadora do Grupo de Estudos da Localidade - ELO, agradeço seu comentário e concordo com o destaque que você dá para a esfera local nas práticas escolares do professor e professora de Geografia. Também concordo que a formação cidadã implica em olhar para a localidade e o cotidiano dos estudantes. Abraço da Andrea Lastória, desde a FFCLRP, na Universidade de São Paulo - USP, BRASIL.

      Eliminar
  127. Quanto à tarefa do Professor de Geografia e Ciências Sociais, podemos iniciar afirmando que ele deve principalmente atuar como um transformador social e político. Em consonância com o texto apresentado, esse profissional da educação, logicamente, deve estar atualizado em relação aos acontecimentos geopolíticos que ocorrem na atualidade, promovendo assim um debate acerca das transformações sociais, políticas e econômicas que ocorrem na atualidade. Esse debate deve estar permeado por categorias sociológicas e geográficas que permitam desenvolver o espírito crítico e reflexivo dos educandos, levando-os a pensarem sobre a sociedade hodierna.
    O professor de Geografia deve com certeza atuar como cidadão responsável, trabalhando no sentido de aprimorar as instituições democráticas existentes em nossa sociedade, tendo como parâmetro o conceito clássico de cidadania, observando a questão do respeito aos direitos sociais, políticos e civis existentes na legislação e também trabalhando para que novos agentes políticos consigam interferir na criação de novas formas de política, tão carentes em nosso atual contexto histórico.
    A responsabilidade social e ambiental do professor de Humanas mostra-se como fator primordial para que esse atue como agente transformador, criando novas formas de consciência política acerca da derrocada neoliberal que vivenciamos. Em conformidade com o texto apresentado, observamos uma sociedade cada vez mais desigual social e economicamente e também a gradativa destruição do meio ambiente, através de políticas econômicas que possuem como escopo somente o aumento da lucratividade das grandes empresas.
    Nesse ínterim, o educador deve ser essa voz que consegue trazer à tona e explicitar os graves problemas subjacentes à nossa sociedade, estimulando as novas gerações à refletirem sobre um novo mundo possível que não seja colapsado pela economia capitalista. Creio que posamos até pensar que o professor da área de Ciências Humanas tenha em seu trabalho, a bandeira da esperança de que, um dia, possamos construir uma sociedade mais justa e igualitária.


    Letícia Araujo Amorim - Tópicos de Geografia 6º semestre, Professora Silvia Fernandes, Curso Ciências Sociais , Faculdade de Filosofia e Ciências - UNESP - Marília - SP , Brasil

    ResponderEliminar
  128. Boa noite a todes, todas e todos.
    Meu nome é Beatriz Borges de Carvalho, sou pedagoga de formação e mestranda em Educação pela Faculdade Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto da USP.
    Por meio deste comentário gostaria de deixar minhas considerações e quaisquer contribuições que minhas leituras sobre a temática possam oferecer. Pela minha formação e meus interesses científicos, meu olhar está sobre qual a função da educação e o compromisso profissional que precisamos defender para os professores em geral, e não somente para os os de Geografia e Ciências Sociais.
    A proposta de discussão desse fórum é essencial. Acredito, no entanto, que especificamente termos como pessoas corretas, empenhadas, informadas, cidadãos atentos, não possam representar a educação que o século XXI necessita. Isto porque esses termos provocam hoje efeitos de sentidos articulados a ideias promovidas por um capitalismo neoliberal.
    Quando falamos em pessoas corretas e cidadãos atentos, lembramos de uma formulação semelhante, o famigerado “cidadão de bem”, que é aquele que serve aos interesses da burguesia, nos traz à memória a imagem de sujeitos homens, brancos, adultos, cisgêneros, héteros, cristãos e com independência econômica. Já adjetivos como empenhado e informado são comumente utilizados por discursos neoliberais, são termos familiares ao mercado. Veja, o que é interessante para o dono de uma empresa? Ver seus funcionários empenhados em bater as metas e trabalhar de maneira rentável, gerando altos lucros, e para isso eles precisam estar informados sobre como atender da maneira mais rápida os interesses do mercado.
    Já o que queremos, incluindo todoes, todas e todos neste fórum, creio eu, é uma educação que forme os sujeitos não para o mercado, não para serem explorados na roda de produção do capital, mas sim para transformar este mundo que se organiza sob a exploração, a exploração dos seres humanos, dos recursos naturais, do meio ambiente e das relações entre todos os seres vivos. A educação do século XXI deve alimentar a resistência contra a opressão, a tirania, a dominação e, por isso, a desumanização.
    Os professores nessa educação devem se perceber e perceber os outros (principalmente seus alunos) como seres históricos, como seres em formação permanente que buscam, e precisam buscar, construir o amanhã pela transformação do hoje iluminado pelo ontem. Quando falamos do amanhã (o futuro) brasileiro, um dos mais importantes compromissos profissionais dos professores é desvelar o hoje (o presente) produzido pelas desigualdades e pela desumanização de grande parte de nosso povo a partir do ontem (o passado) vivido por um povo estuprado historicamente, literalmente e simbolicamente, um povo marcado: pela invasão dos portugueses em 1500 à terra hoje chamada Brasil que subjugou e dizimou os povos nativos; pelo sequestro, comércialização e escravidão de negros e negras animalizados (que tiveram sua humanidade roubada); pelo projeto de eugenia higienista de missigenação, “a cura da raça”, que incitou a imigração européia, trabalhou no apagamento e silenciamento (pela marginalização e satanização) das culturas dos povos não-brancos massacrados e gestou um complexo indentitário sob a pele e os traços dos seres humanos descendentes desse estupro colonial mascarado; pela exploração e venda das riquezas naturais; pela degradante e gigantesca desigualdade social de riqueza e renda que se desenvolve e assombra o país por séculos, tornando o Brasil o país em que o 1% mais rico detém a metade da riqueza nacional.
    O professor do século XXI deve estar mais do que informado do fato do racismo proporcionar a hierarquização social, trabalhista, econômica, linguística e cultural. O professor do século XXI deve estar enlaçado pelo desejo de combater o racismo e toda forma de desumanização (machismo, homofobia, entre outros), a ponto de se comprometer a um trabalho perpassado por esse combate que desvela essa desumanização, a problematiza, a crítica e busca superá-la através de práticas, ações, posicionamentos, discursos e trabalhos de humanização.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Beatriz, que bom que destacou seu incômodo sobre os termos usados no texto de referencia de abertura do presente fórum. Sem dúvida precisamos de um professorado informado e enlaçado ao desejo de combater o racismo e toda a forma de desumanização. Convido você a refletir sobre a aproximação que existe, no conjunto iberoamericano linguístico, em que estamos neste fórum. Os termos podem ultrapassar seus sentidos mais estritos. Andrea Lastória, professora da FFCLRP, na Universidade de São Paulo, Brasil.

      Eliminar
  129. Olá a todos e todas. Meu nome é Yuri Carvalho, sou formado nas áreas de Comunicação e História e, atualmente, leciono para o ensino superior na cidade de Ribeirão Preto/SP.
    Entendo que a questão norteadora do fórum (que professor e professora de Geografia e Ciências Sociais [e demais campos correlatos] para o século XXI?) contempla múltiplas discussões acerca das competências docentes, do papel dos professores enquanto agentes críticos de transformação, dos engajamentos políticos em defesa da educação integral, entre outros. Contudo, gostaria de direcionar meu posicionamento para uma dimensão muitas vezes negligenciada a respeito das expectativas docentes: o(a) presente/futuro(a) professor(a) deve ser (ou buscar ser), física e mentalmente, saudável.
    Sabemos que, sobre nossos ombros, recaem enormes responsabilidades (projetos de vida, sonhos e expectativas do "outro"), as quais nos tornam, muitas vezes, agentes multifacetados (profissionais, conselheiros, mediadores, etc.).Via de regra, tal configuração pode catalisar, silenciosa e paulatinamente, o desgaste laboral dos professores. A paixão, a criatividade e a formação caminham, lado a lado, com as cobranças, pressões e potenciais frustrações existentes em tal meio.
    Os possíveis desequilíbrios gerados pela supracitada equação podem levar os docentes a quadros graves de adoecimento físico-mental, como, por exemplo, a Síndrome de Burnout, caracterizada pela exaustão, despersonalização e falta de envolvimento com o trabalho; trata-se, em síntese, de uma síndrome "que se origina da discrepância da percepção individual entre esforço e consequência, percepção esta influenciada por fatores individuais, organizacionais e sociais” (CODO; MENEZES, 2007, p. 30).
    Devemos, portanto, discutir mecanismos práticos de prevenção diagnóstica e enfrentamento diante de tais perigos, cada vez mais insidiosos em uma sociedade, estruturalmente, adoecida.


    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Yuri, importante você trazer neste fórum a Síndrome de Burnout e o adoecimento dos professores e professoras. Será que colegas de outros estados brasileiros e países podem, também, colaborar com sua proposição a respeito de discutirmos, desde o GEOFORO, mecanismos práticos de prevenção diagnóstica e de enfrentamento para esse problema? Andrea Lastória, professora da FFCLRP, na Universidade de São Paulo - USP, BRASIL.

      Eliminar
    2. Olá, professora Andrea. Acredito que o primeiro passo é popularizar/capilarizar tal discussão, conscientizando os profissionais da educação a respeito dos riscos e dos sinais ligados ao adoecimento laboral, combatendo a corrente culpabilidade individualista que vem tomando conta dos mundos do trabalho ao longo das últimas décadas... Algumas recomendações práticas também podem ser localizadas no link a seguir: https://www.saude.ce.gov.br/2020/11/18/especialistas-do-hsm-orientam-sobre-prevencao-e-tratamento-da-sindrome-de-burnout/.

      Eliminar
  130. Olá, eu sou o Jonathan Dutra! Brasília - DF, sou graduado em Pedagogia pela Universidade de Brasília - UnB, Mestrando pela Universidade de São Paulo - USP, pesquisador das temáticas de Educação e as relações étnico-raciais. Dedico-me aos estudos e às causas de direitos humanos, pautando-se no direito à vida e à diversidade. Sou integrante do programa Embaixadores da Juventude pelo escritório das Nações Unidas para Drogas e Crimes Brasil - UNODC (2017). Tenho interesse nas seguintes áreas de investigação: literatura, diversidade, cultura e educação, relações étnico-raciais e educação, formação de professores e diversidade étnico-racial, políticas educacionais, desigualdades sociais e raciais, movimentos sociais e educação, com ênfase especial na atuação do movimento negro brasileiro.

    A histórica atuação do estado brasileiro quanto agente educativo, seja pela ausência ou negação de direitos para com a população negra, do período colonial aos dias atuais, impulsiona a considerar fundamental refletir sobre as contribuições dos estudos sobre currículo e práticas didático-pedagógicas voltadas ao desenvolvimento de Educação Antirracista. É de se considerar que o reconhecimento da negritude como fonte de produção e socialização de conhecimentos, constitui-se como uma das ações fundamentais para o alcance do direito à educação.


    A Educação no Brasil, como se constitui, reflete como as influências históricas e culturais, os aspectos orientadores para a relação docente-discente, os impactos sociais e, as subjetividades dos formadores e formandos, estão diretamente associados a perspectivas políticas e as relações de poder(es) que priorizam determinados grupos populacionais e excluindo outros.


    Conforme bell hooks (2013), a educação deve caminhar como uma possibilidade de experiências, de diálogos com as diferentes culturas e, aponta assim, a importância de uma Educação contra hegemônica e não padronizada. Mas acolhedora ao outro, a experiência do outro, sendo o outro, sujeito em sua integralidade, humanizado(a), pertencente a qualquer grupo que em si, por seu corpo, gênero, raça, orientação sexual, posicionamento político, e/ou quaisquer outras possibilidades de existência se constitua quanto não reprodutor da relação dominante e dominado, mas rompante com a lógica colonizadora que subsidia o racismo presente nas instituições educativas.

    É importante, então, construir possibilidades epistemológicas, curriculares e práticas pedagógicas voltadas aos políticos corpos negros que a cada ano vem ampliando seu ingresso nas universidades, de modo que, esses, partícipes do processo formativo, conheçam e se percebam quanto reflexos de suas próprias histórias e como produtores de conhecimento. Considera-se esse, um dos caminhos para contrapor as pedagogias hegemônicas e as narrativas consolidadas historicamente, que negam o direito educacional à população negra, em especial, no que se refere ao reconhecimento e legitimação dos modos de ser, aprender, construir e socializar conhecimentos, sobretudo como um profissional educador(a).

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Jonathan, obrigada por destacar a necessidade que temos no Brasil de contrapor as pedagogias hegemônicas e as narrativas que foram consolidadas e que negam o direito educacional à população negra. Seguimos adiante e confiantes no poder transformador da Educação e dos profissionais do magistério. Abraço da Andrea Lastória, professora da FFCLRP - USP, BRASIL.

      Eliminar
  131. Boa tarde a todxs!

    Meu nome é Marcelo Martins, sou Psicólogo Clínico e Mestrando no Programa de Pós-graduação em Educação da USP - Ribeirão Preto.

    Acredito que precisamos de Professores que estejam comprometidos com a promoção das boas formas de relações étnico-raciais e educação antirracista, especialmente no Brasil.

    Defendo que Professores não sejam os únicos a se responsabilizar por esse tipo de postura, ao contrário, tem que ser um esforço de toda a sociedade, porém, acredito que a oportunidade depositada aos educadores por conta do acesso às crianças e a relação de mentoria existente precisa ser aproveitada nesse sentido.

    A formação inicial, por conta de todo conteúdo necessário para a futura educadora, não tem condições de abranger a todo o universo que envolve as peculiaridades “do Educar," especialmente algo tão complexo como a diversidade no campo social, Educação Antirracista e Relações Étnico-raciais.

    Dessa maneira suponho que programas de formação continuada voltados a esses temas têm condições de dar suporte e suscitar reflexões e ações.

    A escola precisa buscar formas de não se manter como reprodutora das desigualdades sociais presentes em nossa sociedade.

    Obrigado pela oportunidade, boa tarde.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Prezado Marcelo, muito adequado você salientar que a formação inicial de professores não dá conta, sozinha, de abranger tantas temáticas importantes para a profissão docente. Sendo necessário, portanto, a formação continuada para destacar temáticas diversas e basilares, como , por exemplo, a promoção de uma educação antirracista. Andrea Lastória, professora da FFCLRP, na Universidade de São Paulo - USP, BRASIL.

      Eliminar
  132. Lucimara Ivizi Buck21 de mayo de 2022, 7:19

    Olá, sou a Lucimara Ivizi Buck, professora e diretora de uma escola técnica na cidade de Orlândia do estado de São Paulo – Brasil. Trabalho como professora há mais de 25 anos e recentemente assumi a direção da escola que conta hoje com 1.149 alunos e 78 professores. São alunos da educação básica – Ensino Médio – e alunos de cursos técnicos modulares para formação profissional. Estou cursando a disciplina – Relações Étnico-Raciais, Educação e Dinâmica Social no Brasil, pela FFCL – Departamento de Educação – USP- Ribeirão Preto, na qual tive conhecimento do Fórum.

    Na pergunta proposta do Fórum “o que deve caracterizar o professor de Geografia e de Ciências Sociais em geral” faz uma provocação para refletirmos sobre o professor para o futuro, analisando é claro, o presente e o passado. Percebo que ainda estamos presos em metodologias de ensino e atitudes que fizeram sentido no século passado ou mesmo em alguns anos atrás. Agora no atual contexto é necessário repensar a educação, não dá mais para ignorar os problemas sociais que estamos vivenciando e tornar a sala de aula um lugar onde todos (alunos e professor) devem abstrair toda e qualquer variável externa e apenas considerar a aula como algo absoluto e concreto.

    Coloco aqui também algumas perguntas para refletir: será que a aula tem significado para o aluno? Será que ele consegue visualizar na fala do professor algo que ele possa entender e vivenciar de verdade? Será que irá ajudá-lo a refletir sobre o mundo que ele vive, pautado muitas vezes em problemas familiares, financeiros, fome, abuso, racismo, discriminação, entre outros?

    Diante desse contexto, acredito que o professor de Geografia e de Ciências Sociais deverá ser aquele que leve ao aluno o conhecimento e faça uma relação com o que ele está vivendo, não só para que o aluno possa compreender melhor, mas que consiga também interagir e ser um agente de mudança.

    O professor de Geografia e de Ciências Sociais, precisa, como apresentado no texto inicial do fórum, ser um cidadão responsável. Buscar a equidade nas relações. Entender e explorar o perfil da sala onde leciona e ser um agente de mudança.

    Um outro grande desafio para o professor dessas disciplinas e interagir com outras disciplinas. Levar essa discussão para os outros professores e fazê-los entender a importância dessa temática na matemática, química, biologia entre outras.

    Para ser professor precisa gostar de desafios. Gostar de pessoas e de torná-las melhores.

    Quando nos lembramos de um professor que fez diferença na nossa vida, quais as características que conseguimos elencar? Assim também é para os nossos alunos. Que possamos fazer parte da formação e mais que isso, da educação verdadeira de todos os jovens que recebemos a cada ano em nossas salas de aulas, sejam elas presenciais ou remotas.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Lucimara, concordo com você, especialmente quando coloca que o professor precisa ser um cidadão agente de mudanças e isso, implica, necessariamente, em ajudar seu aluno a refletir sobre o mundo vivido. No Brasil, país com problemas diversos, há que se pensar sim na fome, no racismo, na pobreza, em na discriminação diversa que existe. Andrea Lastória, professora da FFCLRP, na Universidade de São Paulo - USP, BRASIL.

      Eliminar
  133. Carla C. de Morais23 de mayo de 2022, 14:35

    Olá! Sou Carla Morais, doutoranda do programa de pós-graduação em Educação da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo-USP. Fiz meu mestrado e iniciação científica na área de Ensino de Geografia pela mesma universidade.

    Sou membro desde 2006 do Grupo de Estudos da Localidade - Grupo ELO que realiza pesquisas na interface da Educação, Geografia, História e Educação Ambiental na perspectiva da localidade.

    Sou professora da educação básica desde 2009 na rede municipal de Ribeirão Preto e professora universitária do Centro Universitário Moura Lacerda. Tenho experiência na rede particular de ensino e com formação de professores.

    O texto traz luz a uma problemática de extrema relevância: a formação do profissional em Geografia e Ciências Sociais atende às exigências e desafios da docência?

    Entendo que alguns aspectos importantes já são mencionados na discussão tais como o comprometimento profissional, a responsabilidade, a necessidade de sempre estar atualizado e outras habilidades requeridas. Outro aspecto relevante é considerar na formação e atuação do professional as demandas da localidade em que ele atua. Só a partir do conhecimento intrínseco da mesma o docente pode realizar um planejamento e uma prática que venha a contribuir com a formação crítica e integral dos educandos. A utilização de materiais didáticos genéricos e descontextualizados, a não preocupação com a cultura local, os conhecimentos provenientes dessa comunidade são pontos que distanciam os alunos da aprendizagem significativa e sua relação com o professor.

    Destacamos também o baixo interesse de jovens no Brasil pela área da docência, devido à sua desvalorização social e econômica. A pulverização de cursos de qualidade duvidosa em EaD que pouca preocupação têm com as etapas de estágio, tão importantes para uma atuação segura e coerente com a teoria estudada pelo recém formado.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Carla, importante você destacar a quantidade de cursos de graduação com qualidade ruim e no formato EAD no Brasil. O estágio supervisionado é, sem dúvida, importante para a preparação profissional. Andrea Lastória, professora da FFCLRP, na Universidade de São Paulo - USP, BRASIL.

      Eliminar
  134. Olá, boa noite, meu nome é Mariana Carta e estou no quinto ano de Ciências Sociais pela Unesp Campus de Marília. Atualmente, estou na reta final para o término da licenciatura e já me encontro lecionando em uma escola pública na respectiva cidade.
    Desde o primeiro momento com a licenciatura, refleti muito sobre o meu papel enquanto educadora na nossa sociedade. E como colocou Paulo Freire, concordo que ensinar não é somente transferir conhecimento, mas sim compreender a autonomia do educando, e aprender conjuntamente neste processo.
    E isto ficou ainda mais nítido na prática escolar. É evidente o quanto a globalização e as novas formas de comunicação e de desenvolvimento tecnológico, principalmente, a internet, trouxeram mudanças substanciais para a formação da sociedade atual e, devido a isso, nós enquanto educadores do século XXI precisamos estar atento às realidades dos nossos alunos, compreendendo que não somos objetos no mundo, mas sim sujeitos históricos.

    Um dos maiores desafios encontrados na prática docente está em convergir a profissão de docência com as lutas políticas que nos cercam - aos direitos sociais e profissionais dos professores, e à uma sociedade melhor para todos. E neste sentido, o nosso compromisso está imbricado com as ações sociais e ambientais. Isso, certamente, influencia na formação dos educandos, fazendo com que construam outras perspectivas sobre os conflitos sociais, enxergando seu lugar na história. Ensinar isso aos nossos alunos é primordial para que a lógica da globalização enquanto fábula, como colocada pelo geógrafo Milton Santos, seja desnaturalizada, para que assim, eles consigam alcançar um certo discernimento e uma perspectiva crítica sobre a lógica de consumo que pauta as nossas relações sociais.

    É partindo desta perspectiva de analise que se faz necessário resistir às políticas educacionais mercadológicas de formação – que desconsidera e negligencia enquanto forma de projeto a construção do senso crítico, especialmente, quando tratamos das escolas públicas do Brasil. Quando há esse compromisso com os problemas sociais e geográficos, especialmente, em se tratando de descontruir o “desenvolvimento sustentável” pautado na lógica capitalista, constrói-se alunos que certamente verão a realidade de outra forma. E é isso, ao meu ver, o que deve ser engendrado por um educador de Ciências Sociais e Geografia. Se faz urgente formar pessoas que compreendam a potência de cada vida e de cada curiosidade, e que entendam que ensinar e aprender exige consciência, bom senso, ética, cuidado, esperança e amor.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. PARTE 2 Ao cursar a disciplina Tópicos de Geografia I e, concomitantemente, lecionar, pude compreender a importância dos conjuntos de ferramentas que podem contribuir ao ensino, seja em relação aos professores, como em relação aos alunos. Para que ocorra o processo de aprendizado, é necessário ocorrer uma dinamicidade, ou seja, trocas, reciprocidade. Tal processo só ocorre se uma relação é estabelecida, só há interesse por parte dos educandos a partir do momento em que é criada condições de necessidade de tal conhecimento abordado.
      Ao aproximar o olhar sociológico do ensino de geografia, pensando principalmente no contexto educacional do Brasil e na precarização das políticas públicas para este âmbito, pude observar a escola enquanto espaço de trocas e construções significativas entre os sujeitos sociais e históricos que nela vivenciam. Para isso, é substancial que nós professores reconheçamos o ambiente escolar em que estamos inseridos, analisando as suas contradições - conflitos políticos, geográficos, sociais, subjetivos, presentes neste lugar.
      Todos os dias em sala de aula fica nítido a necessidade de enxergar os alunos, em suas múltiplas realidades, enquanto leitores críticos que necessitam de contextos e significações para aprender. Dessa forma, ao ter contato com todo o conhecimento geográfico e sociológico na disciplina, somando a prática docente, pude perceber a importância de nós enquanto (futuros) professores sermos este meio que transforma as informações em conhecimento didático. A geografia, em sua complexidade e importância, propicia ao processo de aprendizagem diferentes fontes e formas de informações, como fotografias, mapas, filmes, até mesmo as experiências dos próprios alunos diretamente com algum lugar que seja significativo para tal processo, e é partindo da junção destes elementos que eu pude evidenciar uma maior fluidez no desenvolvimento das aulas.
      Um exemplo vivenciado dentro da sala de aula, no qual por meio de vivências e experiências práticas dos próprios alunos, discutimos sobre o direito à cidade (partindo do debate colocado por David Harvey). Através dos depoimentos dos educandos, pode-se dizer muito sobre as desigualdades e (des)pertencimentos existentes em determinados lugares de forma ao que foi abordado fazer sentido para as suas realidades. Por isso, reitero, a importância em reconhecer a construção do contexto de determinados conteúdos a serem socializados no processo educacional, afinal, como visto em aula, de nada adianta ler um mapa, mas não saber onde quer chegar.
      Em suma, quando há trocas reciprocas entre educadores e educandos, questões importantes são desenvolvidas e debatidas e, para além disso, a(s) realidade(s) no espaço escolar passam a ser entendidas enquanto um espaço dinâmico – que está localizada em um bairro, cidade, estado, país, etc., e que por isso sofre determinadas condições geopolíticas que influenciam na realidade dos alunos. Isso propicia um protagonismo destes sujeitos enquanto pessoas ativas que estão em busca de compreender-se no mundo e em si mesmos.

      Eliminar
  135. Olá a todos e a todas,
    A pergunta é provocativa para mim e abraça a docência em todos os níveis de ensino e instituições. Que professor teremos para o século XXI?

    A realidade brasileira não se difere tanto de outras tantas realidades aqui citadas, dado a condição compartilhada com que os muitos destes países vivem na condição de vítimas no jogo do capital, das influências e dos ventos advindos do discurso proferido pela economia e pela administração, por exemplo.

    Michel Foucault nos ajuda a compreender os jogos de poder e a relação saber-poder existente entre os campos da economia, política, saúde (medicina) e a educação. A normatização do mundo, da sociedade do cansaço e do uso excessivo de remédios é apenas parte das consequências destas escolhas. Em resposta a pergunta, chama-nos a atenção como o caso brasileiro vem contornando tal situação.

    A produção do professor para o século XXI deve ser, para os documentos oficiais desenvolvidos pelos últimos governos brasileiros um profissional que prepara profissionais para o mercado, retirando aspectos críticos de sua consciência histórica e transformadora do espaço que o cerca. Por isso, pensar o professor para hoje é pensar qual amanhã queremos, e, talvez assumir mais e melhor, o professor para qual amanhã não desejamos.

    Abraços a todos e a todas.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Rafael, concordo plenamente com você, há direta relação entre a formação de professores (tanto inicial quanto continuada) e o mundo que desejamos ter. Abraços da sua amiga, Andrea Lastória, FFCLRP - Universidade de São Paulo - USP - Brasil.

      Eliminar
  136. Kelly Amaral / USP28 de mayo de 2022, 4:48

    O professor que anseio é professora (es) e negra, e se branca ou branco,é antirracista, anticapitalista e antissexista. Conhece a lei 10639/2003 e pauta veementemente a necessidade de implementação nos planos educacionais. Compreende as relações estruturais da educação, da fome, do meio ambiente, das violências, e consegue de maneira estratégica, intencional e criativa tornar estas questões assunto e estes assuntos, assembleias. Conhece a disputa ideológica em torno do que se entende por educação, analisa a guerra cultural e luta por justiça social revolucionária. Retorna as bases para compreender o movimento histórico dialético do concreto. Desvela o que tem por trás, o que não se vê a olho nu e luta pela mudança social coletivizada.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Kelly, que bom você ter citado a Lei de número 10.639 que estabelece as práticas de diversidade étnico-racial na educação brasileira, desde a educação infantil até o ensino superior. Abraço da Andrea Lastória, professora da FFCLRP, na Universidade de São Paulo - USP - Brasil.

      Eliminar
    2. Muito bem Kelly, sua fibra e envolvimento são fatores fundamentais para uma atuação enriquecedora no campo da educação e no aspecto mais amplo das diferentes instituições sociais e espaços de sociabilidade. Portanto, procure focar mais uma ou duas áreas para desenvolver sua capacidade profissional, efetiva e científica, todas dimensões que compõem uma educadora relevante quanto a produção de conhecimentos e promoção de autonomia dos sujeitos sociais.

      Eliminar
  137. Prezados(as) colegas de GEOFORO, meu nome é Danielle Salatti. Sou professora da rede pública no município de São Paulo, no Brasil, trabalho na área de Artes. Para responder a pergunta motivadora desse fórum (Que professor e professora de Geografia e Ciências Sociais para o século XXI) lembro a todos(as) do livro de Paulo Freire chamado "Professora sim, tia não". Neste livro, há um alerta para toda a sociedade brasileira sobre a importância de se reconhecer o(a) professor(a) da educação infantil como um(a) profissional. Assim, manifesto meu desejo de motivar todos(as) os(as) profissionais da Educação a continuarem firmes na luta por uma escola pública, laica, antirracista, antifascista, democrática e comprometida com a paz e a ciência. É urgente que os governos não reduzam verbas para a Educação pública e que os(as) professores(as) sejam valorizados(as) socialmente e financeiramente. Obrigada.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Querida Professora Danielle, viva Paulo Freire!!!!!!!!!!! Grande educador e patrono da Educação no Brasil. Abraços desde a Universidade de São Paulo - USP. Professora Andrea Lastória

      Eliminar
  138. Este comentario ha sido eliminado por el autor.

    ResponderEliminar
  139. Olá amigos e amigas! Sou Sandra Maria, Mestre em Educação pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo-USP. Meu mestrado tem como tema para Educação das Relações Étnico-raciais.
    Sou membro do Grupo de Estudos da Localidade - Grupo ELO, desde 2013, e sou Professora de História na Educação Básica.

    A questão proposta neste espaço de debate e discussão, nos fez refletir sobre o papel que desempenhamos como educadores em nossas realidades locais. Além da condição primordial de nossa profissão docente, que é ter uma formação sólida e consistente, o professor desses novos tempos deve ter interesse pela vida, mas esse interesse deve ser acompanhado de um senso crítico, refletindo sobre o mundo que nos cerca, ultrapassando a "superficialidade das informações" que nos chegam a todo momento, desconstruindo os estigmas e preconceitos presentes em nossa sociedade.

    ResponderEliminar

Para participar en el debate tan solo tienes que hacer click en el título del debate, donde a continuación, además de aparecerte el texto a debatir, encontraras la manera de dejar tu comentario. Periódicamente, cada quince días, se renovarán los contenidos con el objetivo de de precisar el sentido, alcance y límite de los mismos. Para proponer nuevos debates escribe a:geoforo@gmail.com .