martes, 26 de octubre de 2021

FORO 28

 

Que professor e professora de Geografia e Ciências Sociais para o século XXI?

 

O professor é a alma do ensino

Manuel António Ferreira-Deusdado, 1890

 

O que deve ser um professor e uma professora de Geografia e Ciências Sociais, em concreto? Aparentemente, há um grande consenso sobre a importância do papel dos professores. Depois há perspetivas que os valorizam de forma diferente: quando as autoridades educativas determinam reformas educativas sem dialogar com os professores; quando responsáveis académicos indicam percursos, mais ou menos rígidos, que estes devem seguir; quando editoras escolares produzem planificações e recursos educativos para estes utilizarem nas suas aulas; quando os próprios professores reclamam que lhes indiquem os manuais que podem, ou não, utilizar e lhes forneçam os recursos educativos a utilizarem, há uma desvalorização ou auto-desvalorização do papel do professor. E, contudo, quantas vezes os alunos gostam de uma disciplina porque gostam do professor e no ano seguinte deixam de gostar da disciplina porque deixam de gostar do professor? Continua a ser verdade, como afirmou Manuel António-Ferreira Deusdado, a quem o ensino de Geografia em Portugal tanto deve, que “o professor é a alma do ensino”.

Naturalmente, não se pode ser bom professor de Geografia, de História ou de Matemática sem se possuir uma formação de base nestas áreas disciplinares. Não se tem de saber “tudo”, um professor estuda toda a vida, mas tem de possuir um domínio técnico-científico específico. Mas, naturalmente, um professor é alguém que gere relacionamentos na sala de aula, que desenvolve estratégias adequadas de trabalho e mobiliza os recursos adequados, que avalia – há uma componente “profissional” na sua atividade.

Mas, o que deve caraterizar o professor de Geografia e de Ciências Sociais, em geral? Esta é a questão que deixamos, em particular, aos jovens professores neste Foro e aos professores em formação, que estão em estágios de docência, treinando para ser professores no sistema escolar. Se a educação nos deve preparar para sermos pessoas corretas, atentas e empenhadas na nossa sociedade, dificilmente imaginamos que um bom professor destas áreas disciplinares possa ser alguém que não uma pessoa igualmente atenta, informada, sobre a sociedade; dificilmente imaginamos que não possa ser uma pessoa solidárias com os outros, um cidadão atento. Para se ser um bom professor de Geografia e Ciências Sociais, tem de se ser cidadão responsável.

Mas o que distinguirá o professor de Geografia e Ciências sociais dos restantes docentes será, precisamente, o seu compromisso social e ambiental, num mundo desigual e em risco de colapso dos ecossistemas. Uma atitude que o predispõe a explicar com rigor os problemas sociais que se escondem na superficialidade das informações que nos saturam nas redes sociais e nos meios de comunicação.

Neste fórum pretendemos que todas as pessoas interessadas na educação dos problemas sociais do espaço geográfico possam colocar as suas opiniões para a construção de um conhecimento partilhado. Esse é o desafio.

 

 

 

 

 

¿Qué profesor y profesora de Geografía y Ciencias Sociales para el siglo XXI?

 

El maestro es el alma de la enseñanza

Manuel António Ferreira-Deusdado, 1890

 

¿Qué debe ser una docente y un docente de Geografía y Ciencias Sociales, en particular? Al parecer, existe un gran consenso sobre la importancia del rol del docente. Sin embargo, hay perspectivas que las valoran de manera diferente: cuando las autoridades educativas determinan las reformas educativas sin dialogar con los docentes; cuando los funcionarios académicos señalen procedimientos, más o menos rígidos, que deben seguir; cuando los editores escolares elaboran planes y recursos educativos para que los utilicen en sus clases; cuando los propios docentes exigen que se les muestre qué manuales pueden o no pueden usar,  y les imponen los recursos educativos para emplear, se produce una devaluación o minusvaloración del rol del docente. Y, sin embargo, ¿cuántas veces a los estudiantes les gusta una asignatura porque les gusta el profesor y al año siguiente no les gusta la asignatura porque no les gusta el profesor? Sigue siendo cierto, como afirma Manuel António-Ferreira Deusdado, a quien tanto debe la enseñanza de la Geografía en Portugal, que “el maestro es el alma de la enseñanza”.

Naturalmente, no se puede ser un buen profesor de Geografía, Historia o Matemáticas sin tener una educación básica en estas materias. No hace falta saber “todo”, un profesor estudia toda su vida, pero tiene que tener un dominio técnico-científico específico. Pero, naturalmente, un maestro es alguien que gestiona las relaciones en el aula, que desarrolla estrategias de trabajo adecuadas y moviliza los recursos adecuados, que evalúa, mostrando un componente “profesional” en su actividad.

Pero, ¿qué debe caracterizar al docente de Geografía y Ciencias Sociales en general? Ésta es la cuestión que dejamos, en particular, a los jóvenes docentes en este Foro. A aquellas personas que se están formando para ser profesoras y profesores en el sistema escolar. Si la educación debe prepararnos para ser personas correctas, atentas y comprometidas en nuestra sociedad, difícilmente imaginamos que un buen docente en estas áreas disciplinarias pueda ser alguien más que una persona igualmente atenta e informada sobre la sociedad; difícilmente imaginamos que no puede ser una persona solidaria con los demás, un ciudadano atento. Para ser un buen profesor de Geografía y Ciencias Sociales hay que ser un ciudadano responsable.

Pero lo que distinguirá al profesor de Geografía y Ciencias Sociales del resto de profesores será, precisamente, su compromiso social y ambiental, en un mundo desigual y en riesgo de colapso de ecosistemas. Una actitud que le predispone a explicar con rigor los problemas sociales que están ocultos en la superficialidad de las informaciones que nos saturan en las redes sociales y en los medios de comunicación.

En este foro pretendemos que todas las personas interesadas en la educación de los problemas sociales en el espacio geográfico puedan expresar sus opiniones para construir un conocimiento compartido. Ese es el desafío.

77 comentarios:

  1. Soy Amparo Uña, estudiante de Magisterio en la uv, tercer curso. Mi opinión sobre la cuestión que se plantea en este foro es la siguiente:
    Un futuro docente de Geografía y Ciencias sociales ha de ser una persona responsable, y comprometida tanto con la sociedad como en el planeta, ya que los contenidos que va a enseñar a los estudiantes se relacionan directamente con su fututo y pueden tener una gran repercusión en sus vidas, así es, un profesor o una profesora puede llegar a influenciar un gran cambio en la opinión o en la actuación de uno de sus alumnos o alumnas.
    Por lo tanto, este docente ha de tener unos conocimientos técnicos sobre la asignatura, pero también ha de saber cómo enseñar a ser un buen ciudadano, como enseñar a vivir y eso solo se puede llevar a cabo a través de la experiencia.
    Está claro que cada persona tiene que desarrollar su propio pensamiento crítico, pero en este caso los docentes podemos servir de gran ayuda para guiar su camino.
    Por último, me gustaría comentar que me parece realmente cierto que en muchas ocasiones "a los estudiantes les gusta una asignatura porque les gusta el profesor y al año siguiente no les gusta porque no les gusta el profesor", esto es una realidad que sucede continuamente en las aulas y por ello los docentes deben de tener en cuenta la manera en la que dan sus clases y enfocan los procesos de enseñanza-aprendizaje.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Este primeiro comentário do Foro, de Amparo, evidencia bem algumas das exigências do que deve ser um um professor de Geografia e Ciências Sociais: ser um pessoa comprometida com a sociedade e o ambiente, possuir conhecimentos científicos específicos e, ao mesmo tempo, desenvolver o pensamento crítico. Enfim, conseguir cativar os alunos. Um desafio enorme, sempre de concretização incompleta, mas é fundamental termos consciência destes desafios!
      Sérgio Claudino, IGOT, ULIsboa

      Eliminar
  2. Buenas tardes a todos y todas:

    Soy Marta Estarca Andrés, de 3º A, de la asignatura Ciencias Sociales: aspectos básicos, en la Universitat de València. Tras haber leído este breve pero completo foro, me he interesado en aportar mi opinión al respecto y, quizás, esta valoración pueda complementar aquello que el autor ya ha escrito.

    Como bien dice dicho autor, un docente es aquel que va a estudiar toda su vida, que va a reciclarse para estar actualizado/a en su trabajo (esto es esencial en nuestra tarea profesional) y, sin embargo, se reconoce que no por esto debe conocerlo todo. Lo cierto es que no puedo estar más de acuerdo con esta afirmación, ya que, tanto en los ambientes en los que he estado en los últimos cursos académicos como en conversaciones con amistades y familiares, he visto una tendencia por preferir la practicidad a la magistralidad.

    Con practicidad, no me refiero a que se realicen prácticas y ejercicios sobre conceptos de las Ciencias Sociales y la Geografía, sino en la capacidad del profesor o profesora por comprender en qué nivel se sitúa su conocimiento; en otras palabras, no podemos permitir que las figuras de orientadores/as o psicólogos/as sean las únicas que se encarguen de la inteligencia emocional del alumnado en un centro escolar, sino que el profesorado, en su totalidad y, por ello, el de Ciencias Sociales, ha de ser empático y cuidadoso con el proceso de aprendizaje de cada alumno/a. Esto significa que hemos de estar alerta acerca de cada niño/a, ya que, si su salud mental no es la adecuada, por circunstancias familiares, presiones u otros procesos, los conceptos no tendrán ni una mínima relevancia.

    Dicho esto, y en una sociedad en la que la ansiedad y el estrés está aumentando, en parte por la situación sanitaria que vivimos, debemos anteponer la integridad y salud del alumnado. Una vez seamos conscientes de ello, los conceptos y contenidos referentes a las Ciencias Sociales serán bienvenidos.

    Les invito a que puedan responder a este comentario y, así, crear una conversación a través del Geoforo. ¡Muchas gracias!

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Buenas tardes a todos y todas! Soy Nina Zieba, alumna de 3ºA de la Facultad de Magisterio, Valencia.

      Aprovecho para contestar a tu comentario Marta, ya que me ha parecido muy significativo. Estoy totalmente de acuerdo con tu valoración y con la perspectiva que tienes acerca de cómo debe ser un maestro/a de Geografía y Ciencias Sociales para el siglo XXI. Además, me anima saber que, los futuros docentes estamos adquiriendo nuevas perspectivas, focalizando así nuestra atención en aspectos anteriormente ignorados, como es la inteligencia emocional. Cierto es que la experiencia de la pandemia nos ha ayudado a saber qué es lo verdaderamente importante en el día a día y la poca atención que se le presta a la salud mental. No obstante, pienso que nuestra generación siempre ha sido mucho más consciente de la prioridad que hay que ceder a la salud del alumnado. Por todos estos motivos, considero que un buen maestro/a en el siglo XXI, es aquel que sabe adaptar el ritmo de enseñanza a las circunstancias de cada alumno/a, aquel que dedica el tiempo necesario para comprender la situación de los estudiantes, sin dejar a nadie atrás. Así pues, desde mi punto de vista, un buen docente es quien sabe llevar a bordo a cada uno de sus alumnos, prestándoles la suficiente atención y sin permitir que nadie abandone.

      Quería subrayar también la referencia que has hecho a la empatía y cuidado que debe caracterizar a un profesor de Ciencias Sociales. Pienso que es muy acertada puesto que, si un alumno/a se siente en un ambiente cómodo y seguro, su aprendizaje y confianza serán muy positivos, permitiéndole así poder explicar los problemas, inquietudes, dudas y sensaciones que esté experimentando en aquel momento. Para acabar, me gustaría compartir que, desde mi parecer, el proceso de enseñanza es un trabajo en equipo, donde tiene que prevalecer la buena relación entre alumnado y docente. Si se consigue alcanzar, los problemas y dificultades que vengan, serán afrontados siempre desde el cariño y respeto mutuo, lo cual es lo verdaderamente significativo en la docencia.

      Eliminar
    2. Gostaria de destacar da intervenção da Marta o facto de o professor de Geografia e Ciências Sociais (ou qualquer professor) não dever abdicar de compreender os seus alunos e de deixarem para psicólogos ou outros técnicos a compreensão dos seus alunos. Há a necessidade de uma abordagem holística dos alunos.
      A Nina faz uma intervenção no mesmo sentido, referindo-se à inteligência emocional e à saúde mental (a pandemia), acrescentando uma dimensão importante: o trabalho docente em equipa. Este é um problema recorrente das escolas. Recordo que a 2ª Carta Internacional da Educação Geográfica fala da necessidade de redes de professores e investigadores, ao encontro do que aqui a Nina referiu.
      Sérgio Claudino IGOT-ULisboa

      Eliminar
  3. Buenas tardes a todos y a todas:

    Soy Simona Kirilova, alumna de 3º de Magisterio de la Universidad de Valencia. Tras la lectura de este foro he podido hacer una reflexión crítica sobre el concepto que se tiene sobre “ser un buen profesor o profesora de Ciencias Sociales en el siglo XXI”. Así pues, después de leer los comentarios de mis dos compañeras, no puedo estar más de acuerdo con sus aportaciones.

    En primer lugar, considero que es esencial que un maestro o una maestra reciba una buena formación en el área de las ciencias sociales, pues sin la suficiente formación no sería posible ofrecer una educación de calidad a los futuros ciudadanos y ciudadanas de un país. No obstante, este no es el único requisito que debe cumplir un profesor o profesora, pues también es conveniente atender a otros aspectos personales para conseguir el objetivo último, es decir, que el alumnado adquiera unos conocimientos básicos de ciencias sociales. Asimismo, al hablar de aspectos personales no me refiero únicamente a la manera en la que tienen los maestros y las maestras de involucrarse en la planificación, organización, gestión y puesta en práctica de sus conocimientos a través de metodologías innovadoras, sino al hecho de ser creativos en los procesos de enseñanza y también al hecho de tener una responsabilidad como ciudadano. Con otras palabras, el maestro o la maestra de Ciencias Sociales y Geografía tiene la labor de educar al alumnado con una serie de contenidos teóricos pero al mismo tiempo debe atender a la práctica de concienciar sobre la función que tienen los individuos en la sociedad. De este modo, se debe hacer un análisis sobre la función que tienen los individuos en la sociedad para ser ciudadanos responsables y esto se debe tratar en las aulas de educación primaria, secundaria e incluso en enseñanza superior. En definitiva, entre las principales finalidades de la enseñanza de las Ciencias Sociales y Geografía ha supuesto una gran importancia en la construcción de la identidad nacional.

    En segundo lugar, bajo mi punto de vista, el maestro o la maestra de Geografía y Ciencias Sociales debe estar actualizado con todas las innovaciones del momento. Así pues, el impacto de las innovaciones tecnológicas ha sido un gran descubrimiento en los procesos de enseñanza y aprendizaje en las escuelas. De esta forma, considero que las nuevas tecnologías pueden ser un buen recurso para favorecer el estudio de las Ciencias Sociales y la Geografía, dado que los maestros y las maestras necesitan atender a las necesidades del alumnado en el periodo en el que ocurren. Por ello, si queremos avanzar y mejorar en el siglo XXI no podemos utilizar metodologías de enseñanza propias del siglo XIX y XX.

    En conclusión, como futuros/as docentes debemos formarnos académicamente y colaborar en la mejora del bienestar social.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. A Simona defende que o professor de Ciências Sociais deve ter uma boa formação nesta área, fazer uma boa utilização das tecnologias e escolher as melhores metodologias de ensino mas, acrescenta, desenvolver a consciência do papel que os indivíduos devem ter na sociedade. Na realidade, educar nas Ciências Sociais é sempre educar para a cidadania!
      Sérgio Claudino IGOT-ULisboa

      Eliminar
  4. Soy Blanca Amorim. Actualmente curso 3º de magisterio de primaria. A continuación, dejo algunas de mis reflexiones después de leer este foro.

    Enseñar escepticismo, desarrollar un espíritu de pensamiento crítico, alentar a los jóvenes a construir su propia cultura histórica y su propia relación con el pasado y el presente forman parte de algunos de los objetivos que persiguen los maestros. Sin embargo, y a pesar de que la gran mayoría de docentes quieren lograr los mismos objetivos, la cuestión sería cuál es la mejor manera de lograrlos, lo que a menudo da lugar a desacuerdos.

    En mi opinión, la clave es convertir a los estudiantes en actores de su propio proceso de aprendizaje. Por ejemplo, es posible que te quedes dormido durante una película si lo único que te importa es saber el final, sin embargo la situación cambia si eres tú quien está rodando una escena en tu propia película. La comprensión llega cuando los estudiantes hacen suyo un tema. Una clase que comienza con una pregunta central, avanza como un proceso de investigación colectiva y concluye con una respuesta.

    Para ello, la pregunta que impulsa a la clase puede incluso ser planteada por los propios alumnos. No es una pérdida de tiempo permitir que los estudiantes articulen sus propias preguntas sobre un tema que ha sido propuesto desde arriba. Por supuesto, esto requiere tiempo y paciencia, y el resultado a menudo será más difícil de manejar que si la clase se hubiera dictado en una clase magistral o hubiera seguido una secuencia de preguntas cerradas sobre unos documentos específicos.

    Los estudiantes que enfrentan mayores desafíos, o al menos aquellos a quienes les resulta un poco más difícil adaptarse al restrictivo entorno escolar, valoran estas prácticas, que son mucho menos desalentadoras que la presión inconsciente creada por un maestro que espera respuestas predeterminadas de los estudiantes.

    Si uno está dispuesto a perder un poco el control sobre la dirección de la clase, renunciar a una idea rígida de lo que uno quiere que sus alumnos digan es la mejor manera de ayudarlos a que comprendan la materia. Dejar que sigan su propio camino, cometer errores, cuestionar un documento o incluso consultar algo de lo que ha dicho su profesor, son componentes del saber que un profesor de historia y geografía debe transmitir a sus alumnos.

    ResponderEliminar
  5. Los comentarios de Amparo, Marta, Simona y Marta nos permiten comprobar la dificultad de definir la profesión de profesor o profesora de Ciencias Sociales, tanto sea en un nivel del sistema escolar u otro.
    Por una parte supone el compromiso con la aportación intelectual a la racionalidad y comprensión de los problemas de nuestro mundo. Estos días asistimos a cumbres con las de G-20 o las del Cambio Climático. Frente a tanto monólogo de los líderes mundiales es preciso disponer de un espacio para explicar con calma los problemas a los que nos enfrentamos, que pueden ser muy graves en los próximos años.
    La experiencia de la pandemia nos ha hecho ver la necesidad de una salud mental y una calidad en la educación emocional. Eso supone preparación para entender como los sucesos que aparecen en los medios de comunicación y en las redes sociales nos pueden afectar. No supone apretar la tecla de "me gsuta", sino de explicar los elementos y factores que explican el problema en un espacio local determinado y en un momento histórico preciso. Y eso supone dominar teóricamente el tiempo y el espacio. Pero entender el tiempo y el espacio supone, además, saber persuadir a otras personas para que comprendan cómo pueden mejorar su satisfacción vital si saben explicar adecuadamente los problemas que se nos van a presentar: escase de energía, encarecimiento de recursos, dificultad de desplazamientos, enfrentamientos ideológicos y conflictos personales. Todo ello se debe saber abordar para facilitar la vida de las personas. Por eso enseñar ciencias sociales es tan importante. Y por eso debemos prepararnos en las universidades, pero también después. Una formación a lo largo de la vida para convencer a otras personas en la racionalidad necesaria para afrontar la vida cotidiana

    ResponderEliminar
  6. Boa tarde a todos, o meu nome é Daniel Sousa, tenho 21 anos e sou licenciado em Geografia na Universidade de Lisboa e atualmente frequento o 1º ano do mestrado em Ensino da Geografia também na Universidade de Lisboa. Em relação à proposta de responder à questão de como deve ser um professor de geografia e ciências sociais para o século XXI eu tive a seguinte reflexão: Penso que um professor de geografia e ciências sociais deve ter uma boa formação e boas bases de conhecimento que consiga ao longo dos anos vir a transmitir aos seus alunos. Claro que um professor nunca irá saber tudo sobre a sua área mas necessita claramente, em geografia, de ter determinadas competências ao nível da geografia humana, física e até tecnológica. Mas um professor não é apenas a transmissão do conhecimento. Um bom professor tem de saber gerir relacionamentos, conflitos, amizades entre muitas outras situações em sala de aula. Através de flexibilização curricular um professor tem de conseguir ensinar a todos os alunos, não excluindo ninguém, mesmo que ele saiba que não estão todos no mesmo patamar. Outro aspeto, que para mim é muito mais determinante na geografia do que em outras áreas, é que um bom professor do século XXI é aquele que está atento ao seu redor e ao que se passa no mundo, e que trata de avisar, informar e chamar à atenção de problemas atuais ao seus alunos. Ser competente ao nível de ter muito conhecimento não chega, é necessário todos estes fatores enunciados acima, ao qual se deve juntar a responsabilidade, assiduidade, pontualidade, rigor e transparência com todos os seus formandos.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. O Daniel foca aspetos muito importantes sobre o que deve ser um profissional docente. A responsabilidade, assiduidade, pontualidade, rigor e transparência devem ser atributos de todos os profissionais, também do professor de Geografia. A atenção ao mundo que o envolve deve caraterizar, de forma particular, o professor de Geografia. E, sem dúvida, o conhecimento científico específico, que se vai atualizando e a gestão de conflitos na sala de aula são indispensáveis num docente. Totalmente de acordo, Daniel!
      Sérgio Claudino, IGOT-ULisboa

      Eliminar
  7. Este comentario ha sido eliminado por el autor.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Bom dia a todos. O meu nome é Tiago Reis, tenho 23 anos, sou licenciado em Geografia pelo Instituto de Geografia e Ordenamento do Território (IGOT) da Universidade de Lisboa e frequento o 1º ano do Mestrado em Ensino da Geografia na Universidade de Lisboa. Relativamente ao debate, "que professor e professora de Geografia e Ciências Sociais para o século XXI?" a minha reflexão é a seguinte:
      Penso que, em primeiro lugar, um professor de Geografia deve ter um vasto conhecimento relativamente aos conteúdos presentes no programa de Geografia, sendo que, para esse efeito, deve ser portador de uma formação consistente na área da Geografia. Em segundo lugar, num contexto atual (século XXI), um professor de Geografia deve ter a capacidade de adaptar os seus métodos de ensino àquilo que são as capacidades que se pedem aos jovens no mundo contemporâneo, incentivando o desenvolvimento do espírito crítico, da criatividade e da capacidade de olhar para o mundo em que vivemos, nas suas mais diversas componentes (físicas e sociais), procurando dar resposta a eventuais problemas que possam surgir nesse mesmo âmbito.

      Na minha óptica, para além destas características, um professor deve possuir a capacidade de comunicar eficazmente as informações aos seus alunos, sendo que essa mesma característica deve exigir da parte do docente, uma adaptação do seu discurso às características dos alunos que o estão a ouvir. Esta característica, na minha opinião é muito relevante, pois revela que um professor tem a noção do que o aluno "sente", isto é, tem a capacidade de perceber de que modo a sua mensagem pode ser eficazmente recebida pelos alunos, tendo em conta as suas capacidades.

      Eliminar
    2. O Tiago foca, tal como em intervenções anteriores, aspetos muito relevantes sobre o que deve ser um professor de Geografia/Ciências Sociais. Possuir uma sólida formação na área de Geografia - isso mesmo foi invocado na luta que tivemos em Portugal, em 2011/12, para defender o Mestrado em Ensino de Geografia. Depois, adaptar os métodos e estratégias de ensino aos seus alunos, mobilizando o seu espírito crítico e a criatividade. Depois, a questão fundamental da comunicação. Por todas estas razões, devemos fugir do registo tradicional da aula expositiva, que segue ao compasso do manual escolar, sem negar o papel deste como auxiliar de ensino. todas as considerações do Tiago Reis são pertinentes!
      Sérgio Claudino, IGOT-ULisboa

      Eliminar
  8. Olá! Eu sou a Simone Amaro, tenho 21 anos, sou licenciada em geografia pelo Instituto de Geografia e Ordenamento do Território da Universidade de Lisboa e neste momento frequento o 1º do Mestrado de Ensino em Geografia na mesma Universidade. Em relação à questão que nos foi colocada à cerca de como deve ser um professor de Geografia e Ciências Sociais para o século XXI, penso que tem de ser diferente. Diferente do habitual, tem de saber cativar os alunos, tem de ter ferramentas para poder preparar cada vez melhor os alunos que vão entrar num mundo cada vez mais em mudança em que o futuro é cada vez mais imprevisível. Tem de ser um professor mais próximo dos seus alunos pois, cada vez mais, nos encontramos num mundo globalizado em que a multiculturalidade da sociedade é evidente e em que se sabe cada vez mais que os alunos são diferentes uns dos outros, com capacidades diferentes, com dificuldades diferentes, com vidas diferentes e com futuros bastante diversificados, e portanto, é cada vez mais necessário um professor mais próximo dos seus alunos para os perceber, ajudá-los e cativá-los para a magia que é a escola e o ensino. Os professores deste século têm de ser professores que evoluem, que queiram evoluir para o bem dos seus alunos, têm de estar bem preparados têm de aprender e querer aprender sempre porque o mundo não estagna e há sempre matérias para aprender. Para mim o professor do século XXI é um professor mais humanista, mais próximo e melhor preparado, quer em termos do ensino quer em termos de assuntos de dia-a-dia, um professor que se preocupa com os problemas do mundo e que passa essa preocupação aos alunos para que eles sejam melhor pessoas e cidadão. É um professor que não forma só alunos mas que forma cidadãos globais, futuros profissionais e que tem de marcar, para o bem, a vida dos seus alunos.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Bos dias. Quixer comentar as opiniões de Daniel, Tiago e Simone.
      Em primeiro lugar, o que entendo máis relevante:
      Um bom professor tem de saber gerir relacionamentos, conflitos, amizades entre muitas outras situações em sala de aula. Através de flexibilização curricular um professor tem de conseguir ensinar a todos os alunos, não excluindo ninguém, mesmo que ele saiba que não estão todos no mesmo patamar. (Daniel)
      pois revela que um professor tem a noção do que o aluno "sente", isto é, tem a capacidade de perceber de que modo a sua mensagem pode ser eficazmente recebida pelos alunos (Tiago)
      Os professores deste século têm de ser professores que evoluem, que queiram evoluir para o bem dos seus alunos, têm de estar bem preparados têm de aprender e querer aprender sempre (Simone)
      Os tres documentos sublinham o compromisso do professorado com a aprendizagem dos problemas sociais desde os conteúdos da Geogarfía, algo que dectaca moi bem o Tiago. Pero sobretudo entendo que o mais relevante é a capacidade de iniciativa que deve ter um professor para ser flexíbel e interpretar o curriculum em relação ao que sinte uma pessoa, a quem lhe chamamos aluno. Para isto um professor necessita preocupar-se pelos problemas do mundo, como sinala Simone, pero ademais esta preocupação deve ser transformada em conteúdo escolar para que outras pessoas podam aprender cum método racional.
      Vamos avanzando
      Abraço,
      Xose M

      Eliminar
    2. Estou de acordo, claro, com o que refere o Professor Souto. Há dois eixos centrais no comentário da Simone Amaro, ambos muito relevantes. O primeiro é o da proximidade afetiva do professor aos seus alunos - na realidade, um professor "distante" nunca será um bom professor. Claro que há o desafio de manter essa proximidade com o desafio de manter disciplina de trabalho. Mas a relação pedagógica é entre pessoas e, por isso, ela é tão marcante para o aluno apreciar, ou não, a disciplina A ou B. Depois, o outro eixo é a de que o professor tem de saber evoluir, tem de saber aprender a aprender, tanto no domínio da sua formação como no diálogo com as gerações de alunos com que se vai confrontando, com interesse e expetativas diversas. A formação docente repousa, em grande medida, na auto-formação e está longe de se esgotar nos anos passados na universidade, na realidade.
      Sérgio Claudino, IGOT, ULisboa

      Eliminar
  9. Este comentario ha sido eliminado por el autor.

    ResponderEliminar
  10. Olá, eu sou a Beatriz Moniz, tenho 22 anos, sou licenciada em Geografia pelo Instituto de Geografia e Ordenamento do Território, Universidade de Lisboa e atualmente, estou no 1º ano do Mestrado em Ensino da Geografia na mesma universidade.
    "Que professor e professora de Geografia e Ciências Sociais para o século XXI?"

    Após uma reflexão sobre a questão, na minha opinião, qualquer professor/professora seja de Geografia, seja de Ciências Sociais, ou de qualquer outra área tem a obrigação de ter uma boa formação, bases bem sustentadas e todos os conhecimentos necessários a transmitir aos seus alunos ao longo de toda a sua carreira. Um professor acima de tudo é um indivíduo como todos os outros, e por isso mesmo, também erra, aprende, descobre, desconhece e investiga, portanto um professor tem dúvidas e não sabe tudo, dever ter os sentidos da curiosidade, da criatividade e procura de mais e mais bem apurados. No caso de um professor de Geografia, os vários domínios devem estar presentes, tais como a geografia humana, a geografia física, e até a componente mais estatística e tecnológica.

    Contudo, um professor tem múltiplas funções que não passam somente pela transmissão de conhecimento, mas também pela gestão de todas as situações que possam ocorrer na sala de aula e visto que interage com vários alunos, todos com a sua personalidade, ambições, gostos, empenho entre outros, um professor deve colocar todos ao mesmo nível, ser capaz de cativar, de fascinar, de "puxar" por todos de igual forma, deve ser inclusivo, ter uma capacidade de adaptação, de motivação, de transmissão, de flexibilidade, de comunicação, de interação entre outras superior a outras profissões. Nos dias de hoje, ser professor é um desafio, uma vez que o professor deve estar disposto a acompanhar as mudanças que ocorrem no mundo a um ritmo acelerado, deve procurar novas formas de captar atenção, de terminar com a ideia de que o ensino é uma "seca", deve ser capaz de tornar o ensino interessante, criar dinâmicas, e preparar os seus alunos para os obstáculos que o mundo coloca, para que os alunos sejam cidadãos informados, responsáveis e capazes de fazer parte da rede global para qual o mundo caminha.

    Eu creio que um professor de Geografia tem certas responsabilidades acrescidas, uma vez que um professor de Geografia deve estar sempre atento a tudo o que o rodeia, ao mundo que está em constante movimento, translação e como tal deve manter-se informado aos acontecimentos do mundo real a tempo e horas, ou seja, um professor também é um aluno para a vida toda.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Gostaria de destacar dois ou três pontos do comentário da Beatriz Moniz. U professor de Geografia tem de estar atento ao mundo: será possível que um professor de Geografia desatento das notícias do país e do mundo, por exemplo, seja um bom professor de Geografia. Duvido. Uma outra dimensão sublinhada pela Beatriz é a de que o professor deve cativar: pelas relações que estabelece com os alunos, seguramente também pelo fascínio da própria descoberta do mundo. Uma outra ideia é a do professor com a pessoa que tem de ter uma boa formação na sua área, mas que não sabe tudo, pesquisa, tenta completar a sua formação... Não é vergonha um professor dizer que tem dúvidas ou que vai procurar informação sobre uma questão que leh foi colocada na sala de aula. Os professores que mais facilmente o admitem são, por regra, os que possuem melhor preparação. A humildade também é um importante atributo docente. Obrigado pelo contributo, Beatriz.
      Sérgio Claudino, IGOT-ULisboa

      Eliminar
  11. Este comentario ha sido eliminado por el autor.

    ResponderEliminar
  12. Este comentario ha sido eliminado por el autor.

    ResponderEliminar
  13. Olá, o meu nome é Dário de Almeida, tenho 21 anos, sou licenciado em Geografia pelo Instituto de Geografia e Ordenamento do Território da Universidade de Lisboa e neste momento encontro-me a realizar o 1º ano do Mestrado de Ensino em Geografia no Instituto de Educação e também no IGOT onde me licenciei.
    Na minha ótica, um professor de Geografia, sendo esta a minha área, deve sobretudo adquirir um coletivo de conhecimentos referentes à área, mas também um conjunto de características que outros tantos professores das mais diversas disciplinas detém de modo a conseguir uma melhor aprendizagem para os seus alunos.

    Num primeiro ponto, acredito que neste século e como no anterior, o professor de Geografia deve deter a base fulcral e necessária para a prática de ensino desta área que tanto nos enriquece no que ao conhecimento diz respeito, em segundo lugar acredito que enquanto professores ou futuros professores, devemos deter características que deem asas aos alunos na resolução de problemas, no terceiro ponto e não menos importante de como um professor da área de Geografia deve atuar, temos a importância de nos adaptar-mos ao mundo atual e facilitar a adaptação por parte do aluno a esse mesmo mundo onde o professor neste caso funciona como facilitador pois tem o dever no meu ponto de vista de potenciar o espírito critico do aluno, a sua capacidade criativa, a sua capacidade de resolução de problemas e ainda o seu modo de olhar para o mundo que o rodeia com o objetivo de compreender o que se passa no contexto em que vive pois o elemento fulcral da Geografia passa pela observação do que nos rodeia.

    Para finalizar esta minha reflexão sobre o papel de um professor de Geografia e ciências sociais neste século, acho que professor para construir todo este processo precisa sobretudo de ouvir e observar todos os seus alunos de modo a concretizar uma relação de amizade para com o mesmo de maneira a conseguir gerir mais facilmente o ambiente de sala de aula, de comunicar de forma adequada e sincera com os seus discentes pois a comunicação nesta era em que vivemos é fundamental para o crescimento pessoal tanto dos alunos como do próprio professor mas sempre tendo por base a transmissão de conhecimentos não deixando para trás a transmissão dos bons valores aos alunos pois para além de alunos, também se formam pessoas.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. O Dário termina a sua intervenção lembrando que os alunos, para além de o serem, são pessoas - com o que isso significa, em termos de formação. E recordo Juan Carlos Tedesco, quando nos fala do papel da Escola na socialização primária. Ainda neste âmbito, recorda a relevância da comunicação sincera entre professor e aluno. O Dário enfatiza, de seguida, a resolução de problemas, como central para que a formação de alunos autónomos e críticos (o que, na realidade, não constitui a base da nossa escola). Por último, sublinha, tal como o fizeram outros colegas, a importância de ter uma formação especifica na área de docência. Enfim, como lembra, vários destes atributos são transversais aos professores de diversas disciplinas!
      Sérgio Claudino, IGOT_ULisboa

      Eliminar
  14. Boa Noite a todos, sou a Catarina Margarido e pretendo ser uma professora de Geografia. Por enquanto, sou aluna do Instituto de Geografia e Ordenamento do Território, e frequento o 1º ano de Mestrado em Ensino de Geografia.
    Relativamente ao tema debatido “o que deve ser o/a professor/a de Geografia no século XXI”:
    Eu penso que um professor do século XXI necessita de grandes capacidades para fazer face aos desafios encontrados na educação. Isto é, um professor para além de transmitir conhecimento sobre a sua área de especialização de forma eficaz, tem de utilizar vários métodos tecnológicos e ainda, estabelecer um elo com a turma a lecionar. Este elo será o que permitirá o sucesso da turma, pois um bom professor é aquele que compreende todos os alunos e faz com que todos alcancem as mesmas metas. Mesmo que os alunos estejam em patamares diferentes de conhecimento. Neste sentido, um professor deve utilizar variados métodos alicerçados nas novas tecnologias para desenvolver atividades dinâmicas e inovadoras. Esse mesmo professor, deve também articular a sua disciplina com outras, de modo a permitir que o aluno entenda a sua importância. Esta interdisciplinaridade consiste em providenciar ao aluno a capacidade de interrelacionar diferentes disciplinas para alcançar um fim e tornando-o autónomo na sua pesquisa.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Prezada Catarina, fico feliz com sua escolha profissional. Você escolheu ser professora de Geografia. Que escolha corajosa ! Indicativo de que você é uma pessoa preocupada com a Educação. Parabenizo você pelo seu comentário a respeito de ser professora que vá além da transmissão de conhecimentos. Outro aspecto que você destaca é sobre a utilização de variadas estratégias para implementar os processos de ensino-aprendizagem. Recebe um abraço desde a Universidade de São Paulo, em Ribeirão Preto-SP, Brasil. Profa. Dra. Andrea C. Lastória

      Eliminar
    2. As tecnologias não têm o exclusivo, mas possuem, na realidade, um papel crescentemente importante na sala de aula, ao encontro do que refere a Catarina. A relação pedagógica, entre docente e aluno, acabará sempre por ser decisiva na construção das aprendizagens. As abordagens que rompem as fronteiras disciplinares são, com certeza, de valorizar.
      Aproveito para concordar com as considerações da Professora Andrea Lastória.
      Sérgio Claudino IGOT-ULisboa

      Eliminar
  15. O meu nome é Patrícia Anjos, tenho 24 anos e sou de Arraiolos. Em 2020 terminei a minha licenciatura em Geografia, através da Universidade de Évora, e este ano, decidi desafiar-me a mim própria e entrar nesta aventura do Mestrado em Ensino de Geografia no 3º Ciclo e Secundário, no Instituto de Geografia e Ordenamento do Território, na Universidade de Lisboa.
    Na última aula de Didática de Geografia, foi-nos solicitado pelo docente a pensar e a responder à seguinte questão: “Que professor e professora de Geografia e Ciências Sociais para o século XXI?”. É uma questão que me deixou a pensar e que me levou a diversas conclusões.
    Deve ter um olhar atento para com o aluno, tentar perceber quais os seus gostos, preocupações e necessidades educativas, de modo a que possa encontrar a forma certa de chegar a esse mesmo aluno. O/a professor/a deve ser de certo modo criativo, curioso e apostar cada vez mais no ensino através das novas tecnologias.
    Para mim, este tipo de professor/a é capaz de ensinar esta disciplina de forma mais crítica, ao mesmo tempo que tenta atrair e estimular os alunos a pensarem/argumentarem e a estabelecerem relações entre fenómenos globais. Este professor/a deve salientar a importância dos aspetos sociais, de modo a que o aluno não fique apenas limitado aos conhecimentos geográficos.
    O/a professor/a do século XXI não deve apenas ensinar os alunos sobre as matérias dispostas no currículo, mas sim (tentar) formar indivíduos para um mundo que sofre constantemente, e de forma por vezes abrupta, transformações, ou seja, formar cidadãos.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Do comentário da Patrícia, sublinharia a referência à necessidade de conhecer o aluno, os seus interesses, bem como o desafio de estes estabelecerem relações globais entre os fenómenos. Notem-se os desafios associados a estes objetivos. Tipicamente, o professor de Geografia possui muitas turmas, muitos alunos e, mesmo na turma, não é fácil um ensino diferenciado. Sobre o estabelecimento de relações entre fenómenos globais, significa que não pode haver um ensino que tente "descrever" todos os fenómenos, antes explorar alguns, a fim de explorar as relações de causalidade entre eles.
      Sérgio Claudino, IGOT-ULIsboa

      Eliminar
  16. Olá a todos! O meu nome é Mónica e estou no 1º ano do Mestrado de Ensino em Geografia.Em rigor, dificilmente poderemos responder a essa pergunta sem em primeira instância analisarmos “Que professor e professora de Geografia e Ciências Sociais do século XX?". E do século XIX? A razão pela qual é urgente olharmos para o passado deve-se ao facto de que o ensino em geral, e o de Geografia em particular, não é circular, isto é, as suas metodologias, práticas e planos curriculares não são imutáveis no tempo, não se perpetuam com o decorrer dos anos, ao invés, o ensino da Geografia é uma disciplina que deve se basear no passado, mas não deve deixar de apontar para o futuro.A primeira característica que deve ser vista num professor de Geografia, alguém capaz de integrar as diferenças de cada um numa visão integrada para o futuro.Penso ser um absurdo imaginarmos um professor de uma qualquer disciplina sem as competências técnicas para tal, sem as bases que o permitem lecionar a disciplina a que se dedica.Julgo que um aluno deve reconhecer num professor uma pessoa integra, nos valores e nas ações, um exemplo para o qual olhar e ambicionar ser no futuro um seu par, como ser humano integrado na sociedade e cujos valores se encontram acima de qualquer suspeita. Para um professor, não basta deter conhecimento específico do que leciona, tem imperativamente de ser um ser humano atento, solidário e uma força inspiradora para o aluno. Essa força inspiradora, de liderança, é o que em ultima instância faz a diferença de um bom, ou mau, professor. Daqueles que os alunos recordam com nostalgia durante toda a vida, ou dos que caem no esquecimento como um de muitos que se colocam no seu caminho. Desde a revolução industrial, o globo tem vindo a sofrer alterações disruptivas com cada vez maior cadência, e não deveremos esperar que o ritmo abrande no futuro, como tal, a capacidade do professor em se adaptar a novas tecnologias, a novos conhecimentos e metodologias deve ser parte integrante para os tempos que se avizinham. Na verdade, a capacidade de adaptação afigura-se como fulcral no papel do professor, pois apenas esta característica irá permitir que a educação se vá mutando progressivamente ao mundo moderno. Nada vale teorizar academicamente sobre o Ensino se do outro lado, o professor não conseguir transpor esse conhecimento para a realidade, poderemos cair no sério risco de a educação ficar desatualizada/obsoleta.Com o mundo em passo acelerado, com as novas tecnologias de informação a ameaçarem pelejar com a Educação pela supremacia do ensino, cabe ao professor agregar estas novas ferramentas, opacas na sua génese, e dar-lhes transparência numa sala de aula, de mostrar aos alunos as bases tradicionais da disciplina, de municiá-los com conhecimentos chave, e de estimular os mesmos a fazer uso do mundo moderno, das novas tecnologias, como ponto de chegada no seu processo criativo, de inovação. Cabe ao professor lecionar as bases do passado, e de encorajar o aluno a encontrar nas novas fontes de informação e de opinião a massa crítica que lhe irá permitir colocar hipóteses para resolver os problemas no futuro, sabemos que não existe uma “receita mágica” para a educação, nem deveríamos, pois no ensino nunca chegaremos a uma solução, como fosse uma ciência exata, mas não desenvolver nos professores a capacidade de, sem deixar de fornecer bases sólidas, deixar que as novas tecnologias de informação façam parte do futuro do ensino pode ser bem a estocada final no nosso sistema Educativo, e assim deixarmos o mundo entregue aos autodidatas, sem qualquer base estratificada na sua educação. Não deixaríamos de esperar que o professor de Geografia seja atento à realidade que o envolve, de analisar as desigualdades e problemas ambientais que nos rodeiam, e que ameaçam a sustentabilidade do futuro.É urgente fazermos uso da educação como o autómato que irá, em conjunto, procurar nas novas tecnologias formas práticas de solucionar os problemas e, assim, apontar para o futuro.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. A Mónica Dias começa por destacar o facto de as práticas de ensino não serem imutáveis, evoluírem ou ser necessário que evoluam. Destaca o papel do professor, que marca a diferença em sala de aula e fala mesmo na liderança do mesmo. Confere papel destacado às tecnologias (digitais). Fala de um mundo que sofre desafios ambientais crescentes e recorda não haver receitas mágicas. Na realidade, a relação professor-aluno continua a ser central ao longo dos tempos e a motivação dos alunos o grande desafio em sala de aula. As tecnologias têm um papel relevante, mas elas também supõem uma mudança de metodologias de trabalho na sala de aula - e esse é um desafio central. Por outro lado, a escola evolui, mas não por ruturas das suas práticas, como a experiência portuguesa também demonstra. Na realidade, a construção do professor do século XXI, como as palavras da Mónica também evidenciam, são um desafio complexo.
      Sérgio Claudino, IGOT_ULisboa

      Eliminar
  17. Boa tarde! Chamo-me Gonçalo Gandum e atualmente estou a tirar o mestrado no Instituto de Geografia e Ordenamento de Território em conjunto com o Instituto de Educação para ser professor de geografia. Venho aqui responder ao desafio e mostrar um pouco o meu ponto de vista no que toca a ser professor no sec.XXI . Primeiro gostava de parabenizar o autor do texto, consegue resumir muito bem o que é preciso para ser um bom professor atualmente. No entanto gostava de referir que hoje em dia, talvez a função mais importante do docente será mesmo saber cativar a atenção dos alunos enquanto consegue transmitir a sua paixão pala área e o seu conhecimento cientifico, neste caso a geografia. O docente tem de ter noção que nem todos os alunos tem a mesmo capacidade de aprender e o mesmo gosto, no entanto tem de conseguir transmitir certos valor e certas bases para formar um cidadão capaz para a vida em sociedade. Hoje em dia um professor é muito mais que um orador de matéria, uma ferramenta muito importante para esta tarefa são as TIC´S, por isso convém o docente ter uma relativa á vontade com etas novas ferramentas. Por ultimo, no caso especifico de geografia, o docente tem de ser muito atento ao mundo e a atualidade, como é logico um professor não tem de saber de tudo mas quanto mais atento e informado for sobre o que o rodeia mais preparado vai estar para transmitir os conhecimentos.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. O Gonçalo Gandum começa por sublinhar uma dimensão fundamental do professor: cativar/motivar os alunos. E este continua a ser o desafio central de um docente, na realidade. Sublinha que ser professor é ajudar os alunos a construírem conhecimentos de base mas, também, valores. Alerta para as TICs e, por fim, alerta para o facto de o professor de Geografia ter de estar atento/informado ao mundo que o rodeia - seguramente. Eu acrescentaria que trata-se menos de transmitir conhecimento e mais de ajudar os alunos a construírem os mesmos.
      Sérgio Claudino, IGOT-ULisboa

      Eliminar
  18. Muito boa tarde! O meu nome é José Santos e estou no primeiro ano do Mestrado em Ensino de Geografia na Universidade de Lisboa. Esta pergunta é um pouco complicada para ser respondida, pois como sabemos todos têm uma opinião diferente. O que eu penso é que neste sec. XXI, estamos na era tecnológica mais avançada da nossa espécie e isso tem as suas coisas boas e coisas más. Temos todo o conhecimento possível sobre a humanidade na palma da nossa mão e como é óbvio, não temos interesse em todo o tipo de matéria que existe, temos preferências no que gostamos e no que queremos saber. Agora, um professor no séc. XXI tem não só de ensinar algo aos seus alunos, como também deve incutir um sentimento de interesse no que o professor está a abordar nas aulas e mostrar a importância do conhecimento científico lecionado. O professor também tem que observar e estudar os seus alunos pois sabemos que todos têm ritmos e formas de aprendizagem diferentes e o docente deve tentar intercalar o seu conhecimento com os meios apropriados para a ocasião, neste caso, as TIC. As TIC são essenciais para os alunos e também para o professor, portanto exige-se do professor uma certa confortabilidade com estas ferramentas. Finalmente, um professor tem que estar muito atento ás situações atuais do mundo para que esteja o mais atualizado possível e fornecer esse conhecimento de uma forma mais rápida e atual. Tudo isto é importante pois os docentes estão a criar jovens e futuros adultos conscientes, com um espírito crítico e uns autênticos cidadãos do mundo.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. O José Santos termina a sua intervenção referindo o facto de a Geografia formar cidadãos, ou seja, pessoas críticas, intervenientes. Uma vez mais, o professor de Geografia surge como alguém interessado, empenhado. Mencionadas as TICs, surge o professor atento ao mundo que corre. E pode discutir os problemas mundiais na sala de aula, não na perspetiva de impor os seus pontos de vista, mas de levar os alunos a explicitarem os seus próprios pontos de vista e a refletirem em comum.
      Sérgio Claudino IGOT-ULisboa

      Eliminar
  19. Raúl Higueras Bosch7 de noviembre de 2021, 12:50

    Hola a todos y a todas, soy Raúl Higueras Bosch un alumno de tercero de Magisterio de Primaria en la Universidad de Valencia y me gustaría hacer un comentario al respecto de la cuestión que se plantea en este foro.

    Primero me gustaría comentar una pregunta que he visto en el foro. En esta se plantea la pregunta de: ¿Cuántas veces a los estudiantes les gusta una asignatura porque les gusta el profesor y al año siguiente no les gusta la asignatura porque no les gusta el profesor? Esta pregunta me parece muy interesante, es completamente cierto que, a la gran mayoría de alumnos y alumnas de cualquier tipo de curso, independientemente de lo que estén estudiando, les gustan unas asignaturas más que otras simplemente por el profesor.

    Claramente, como bien dice en el foro, un profesor no tiene que saber todo para ser un buen profesor de Geografía, Historia o Matemáticas; un profesor siempre está aprendiendo, tanto de los recursos académicos como de sus propios alumnos. Pues aquí se plantea la pregunta, ¿Qué debe caracterizar al docente de Geografía y Ciencias Sociales en general? En mi opinión, pienso que sí que tiene que tener un conocimiento óptimo de lo que se enseña, es decir, no tiene que saberlo todo, pero si lo mínimo. Pero lo que yo pienso que realmente importa, es hacer que los alumnos y alumnas se diviertan aprendiendo. A la vez que se nutren de conocimientos, pasan un buen rato, con esto quiero conseguir qué al alumno le guste la asignatura y de esta forma tenga una visión completamente diferente de la enseñanza de la Geografía y las Ciencias Sociales. Como todos bien sabemos, ya que todos hemos sido alumnos, aprendes mucho más en una asignatura que te gusta que en otra que no, pero ¿Cómo podemos conseguir esto? ¿Cómo podemos crearle al alumno esa visión de que le guste nuestra asignatura? Pienso que lo mejor sería utilizar metodologías prácticas en las aulas y realizar actividades innovadoras y diversas para no caer en los ejercicios retrógrados a los cuales estamos acostumbrados y que tanto sufrimos y sufren a día de hoy los alumnos y alumnas en esta asignatura.

    ResponderEliminar
  20. Boas a todos! Sou o Miguel e sou aluno de 1º ano do mestrado de Ensino de Geografia do IGOT e venho aqui comentar sobre o que é ser professor no Século XXI.
    Nos dias de hoje, na minha opinião , um professor tem que ser antes de tudo, um cidadão ativo sempre a par dos acontecimentos globais (especialmente no caso da docência de geografia pois esta trata de uma multiplicidade de tópicos). No entanto, tem também de ser uma pessoa que gostar de aprender devido ao facto que na atualidade, devido aos avanços tecnológicos e científicos, o conhecimento está sempre a mudar e a evoluir, então para se se ensinar tem que se estar sempre a aprender. Para alem destes aspetos o professor tem que ser também uma pessoa compreensiva com os alunos. Isto pois nenhum aluno é igual e aprendem a ritmos diferentes e cada professor tem que ter atenção a este aspeto, pois no seu núcleo, o querer ser professor vem de uma necessidade de querer ajudar, e não podemos ajudar quem deixamos para trás.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Este comentario ha sido eliminado por el autor.

      Eliminar
    2. O Miguel Coelho sublinha duas dimensões do docente. A primeira, a necessidade permanente de atualização do docente, seja sobre os acontecimentos mundiais, seja sobre a própria informação científica e tecnológica - o que é bem verdade e tem vindo a ser referido. Depois, surge a necessidade de não deixar alunos "para trás". Há aqui uma leitura humanista do professor. Na realidade, ser professor é um desafio permanente de atualização, mas é igualmente um desafio de humanismo. Desafios que não são fáceis, mas são reais no quotidiano recente.
      Sérgio Claudino, IGOT_ULisboa

      Eliminar
  21. Boa tarde.
    Chamo-me Ronaldo Fernandes, sou licenciado em Geografia pela Universidade de Lisboa e neste momento estou no primeiro ano do mestrado em ensino de Geografia. Deixo aqui a minha opinião do “ser” professor de Geografia no Século XXI.
    O professor de geografia no século XXI deve ser um professor que incentiva e sobrevaloriza a participação do aluno em contexto de sala de aula. O professor de Geografia no século XXI deve adaptar-se aos novos conteúdos e às novas metodologias. O professor de Geografia no século XXI deve aliar as tecnologias de informação e comunicação às suas aulas. O professor de Geografia no século XXI deve valorar a inclusão na sua sala de aula. O professor de Geografia no século XXI deve deixar as práticas tradicionalistas da teórica e passar a implementar práticas mais ativas. O professor de Geografia no século XXI deve desafiar os alunos a serem pensadores. O importante de um “ser” professor de Geografia no século XXI é ser um desafiador de si próprio, através de pesquisas que enriquecem e o façam melhor na “arte” da pedagogia. Sobretudo na Geografia a dinâmica deve ser mais prática do que teórica porque a geografia está presente em todo o lado. Não podemos uniformizar uma só metodologia de ensino, cada disciplina deve ter a metodologia que mais se adequa à sua ciência.

    Deixo aqui o link do meu blog sobre educação (para os mais curiosos):
    https://aeducacaomaisamarga.blogs.sapo.pt/

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. O Ronaldo Fernandes centra muita da sua intervenção sobre o professor, alguém inquieto, que se atualiza, e aquele que estimula os alunos a participarem, a pensarem, no abandono de práticas tradicionais de ensino e na busca de metodologias e estratégias diversificadas. Naturalmente, o espaço da sala de aula tem de ser o de debate e de uma reflexão sobre a realidade exterior à escola - porque a "Geografia está presente em todo o lado". Daí, de resto, a definição do conhecimento escolar como conhecimento poderoso e da educação geográfica também como "conhecimento poderoso", na leitura de Margaret Roberts.

      Sérgio Claudino, IGOT-ULisboa

      Eliminar
  22. Este comentario ha sido eliminado por el autor.

    ResponderEliminar
  23. Olá a todos, sou o Gonçalo da Encarnação, aluno do primeiro ano do mestrado de Ensino de Geografia do IGOT e Instituto de Educação da Universidade de Lisboa, e venho por este meio dar a minha opinião sobre o que deve ser o professor no Século XXI.
    Primeiro que tudo, e não exclusivo ao século XXI, o professor deve importar-se, não com a transmissão de conhecimentos, mas sim com a aprendizagem dos mesmos por parte dos alunos, retirando-se do papel principal. Dito isto, o ensino deve ser centrado no aluno tanto quanto possível. As aprendizagens, não podem ser apenas conhecimentos, mas também capacidades e valores. A escola do séc XXI tem de preparar o aluno para o mercado de trabalho e desafios que o mundo atual coloca e, para tal, os professores devem promover o desenvolvimento de capacidades como o raciocínio e resolução de problemas, pensamento crítico e pensamento criativo, relacionamento interpessoal, autonomia, liderança, entre outras. Um professor que foca as suas aulas exclusivamente na exposição de conteúdos, expõe-se desnecessariamente ao erro e consequentemente à crítica visto que os alunos, no séc XXI, podem ter acesso numa questão de minutos a toda a informação dita pelo professor e até a possíveis críticas a essa mesma perspetiva, sendo muito fácil encontrar algum erro no seu discurso, descredibilizando o seu papel na sala de aula.
    O professor do séc XXI deverá também respeitar a diferença e trabalhar com ela, promovendo-a, usando as experiências diárias dos alunos como exemplo da matéria em questão e adaptar o currículo aos diferentes contextos.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Boa tarde
      Sobre o que dí Gonçalo: o ensino deve ser centrado no aluno tanto quanto possível. As aprendizagens, não podem ser apenas conhecimentos, mas também capacidades e valores. A escola do séc XXI tem de preparar o aluno para o mercado de trabalho... Quixera fazer um comentario, que vou escrever em castelhano para combinar com os alunos desta língoa.
      El problema básico que aparece en el texto de Gonzalo, a mi juicio, es cómo se pueden trasnmitir valores respecto al mundo del trabajo, cuando este está determinado por la precariedad laboral.
      Desde la Geografía escolar podemos invitar al alumnado a conocer cómo funciona el mundo del trabajo, pero qué sucede cuando se descubren los problemas relativos a los abusos con el horario, o con el menor salario. Es un tema complejo, pues supone buscar la organización de una respuesta colectiva, que es propia del sindicalismo. Pero estos debates deben entrar en la escuela. No para educar en valores concretos, a veces procedentes de la ideología del profesorado o de los medios de comunicación, sino para educar en la racionalidad crítica y ética ciudadana. Es un tema difícil de solventar, lo que implica una formación ciudadana muy completa por parte de los docentes. Supone diferenciar valores morales y actitud ética y análisis del conocimiento con criterios rigurosos.
      Además para poder ejercer esta tarea se debe contemplar los posibles obstáculos del alumnado, que busca más la diversión que la educación, una respuesta rápida que un pensamineto complejo.
      En España hay bastantes profesores que no entienden el comportamiento de su alumnado. La metodología didáctica puede ayudar a crear objetivos de aprendizaje que sean percibidos como útiles para entender los problemas sociales y poder decidir.
      Este es el camino que se puede seguir en el ámbito de las ciencias sociales. Es complejo y está lleno de riesgos y críticas. Pero es necesario si queremos conservar un marco de relaciones humanas democráticas

      Eliminar
  24. Soy Daniel Jaramillo Rodríguez estudiante de la facultad de educación de Ciudad Real (Castilla La Mancha).
    Mis compañeros y yo hemos realizado un trabajo acerca de varios aspectos en relación al Covid-19. Dichos temas van desde los negacionistas, los antivacunas y las fake news que se han ido generando a lo largo de esta pandemia mundial.
    En primer lugar he de nombrar los negacionistas al virus, los cuales se aferran a cualquier excusa que no sea científica para negarse a ponerse la vacuna. Esto hace que la pandemia no termine de finalizar al 100% y en parte, estos negacionistas proceden del miedo e incertidumbre que las redes sociales y fake news nos inculcan.
    Hoy en día estamos en una sociedad en la que las redes sociales lo son todo para muchos; haciendo que todo aquello que lean y vean pasen a tener una importancia mayor de la que posee. Además deberemos partir de la base de que cualquiera puede escribir en las redes sociales.
    Por otro lado algunos famosos que mueven masas, eran negacionistas, haciendo que una gran parte de la población creyera a su ídolo y por tanto negándose a la vacuna que la mayoría de población se ha puesto.
    Sin duda es una situación muy complicada y nueva para todos nosotros y es por eso por lo que debemos apoyar a la ciencia y olvidarnos por una vez de la redes sociales que lo único que hacen es empeorar la situación así como las noticias falsas que publican revistas y periódicos de gran prestigio solo para conseguir algunas visitas a sus webs.

    ResponderEliminar
  25. Este comentario ha sido eliminado por el autor.

    ResponderEliminar
  26. Este comentario ha sido eliminado por el autor.

    ResponderEliminar
  27. Olá!! Sou a Ana Isabel Santos, tenho 21 anos e sou licenciada em Geografia pelo Instituto de Geografia e Ordenamento do Território (IGOT) da Universidade de Lisboa e frequento o 1º ano do Mestrado em Ensino da Geografia. A minha reflexão é a seguinte:

    O(A) novo(a) professor(a) do séc. XXI deve ter uma maior relação com os alunos, ou seja, estes vão ter que ter um maior destaque na sala de aula, vão ter de estar no centro das aprendizagens, enquanto que o professor deve ser aquele que os guia pelas aprendizagens.

    Sendo a escola um local de aprendizagens, de acesso a novas informações e de construção de caráter, as escolas devem estar aptas para estarem a par dos novos padrões, já que os novos alunos, desde muito novos, que estão em contacto com a tecnologia. O novo professor tem de estar preparado para as novas tecnologias. Esta, aliada à educação, deve influenciar os processos de aprendizagem, já que permite uma maior conexão com a sociedade. Não só, mas esta aliança irá permitir acompanhar o novo mundo, que está muito centrado na internet e nas redes sociais. Esta adaptação irá permitir construir o pensamento de uma forma mais criativa, de modo a se aprender melhor.

    Este novo modelo de professor também deve ter outras qualidades que lhe permitirão dinamizar uma sala de aula e inspirar os alunos, nomeadamente: o pensamento crítico, a criatividade, a interdisciplinaridade. Estas são algumas das características que são pedidas a este novo professor.

    ResponderEliminar
  28. Hola, mi nombre es Isabella Sandino y soy estudiante de la Universidad de los Andes. Mi carrera de perorado oficial es la psicología, pero desde hace un año he tenido la oportunidad de completar mi opción académica de pedagogía.

    He leído los anteriores comentarios de este foro y aunque mi portugués está un poco oxidado, creo que he tomado en cuenta los puntos que a mi parecer son los que la mayoría creen. Considero que un profesor que dicte clases de ciencias sociales debe ser holístico e impulsar a sus mismos estudiantes a que su clase (aunque la mayoría del tiempo) sea del contenido respectivo tengo la posibilidad de conectarse con demás áreas. Es decir, una clase de geografía debe enseñar los conceptos base, pero además de mencionar la ubicación y las características del lugar, también debe incluir datos como la cultura, creencias y demás conceptos y datos que logren que los alumnos hagan una conexión entre conocimientos y tengan más interés por el mismo conocimiento.

    También, considero y me parece algo muy positivo la importancia que se le da a las interacciones de los maestros con los estudiantes más allá del contenido teórico. Un profesor (realmente de cualquier asignatura) debe ser lo más humano, debe poder llegar a convertirse en el modelo a seguir de sus alumnos, no sólo por los conocimientos que tiene y que sabe compartir y transmitir, sino por las acciones que tiene cotidianamente que son las que lo resaltan como humano. Y claro a todos nos gusta más una clase por el profesor ya que este es el que le pone el componente humano y personal a lo que esta aprendiendo.

    Estoy segura que si la nueva generación y futuras generaciones de profesores comienzan a tener en cuenta estos aspectos los alumnos no sólo tendrán más conocimientos, si no que serán personas integrales y humanas que son las que harán la diferencia en todos los campos, pero especialmente en el campo de las ciencias sociales.

    ResponderEliminar
  29. Hola a todos, mi nombre es Andrés Carmona Villegas y soy estudiante de Derecho y Pedagogía en la Universidad de los Andes de Bogotá, Colombia. Tras leer la entrada del blog y los comentarios, debo decir que concido con la mayoría de sus planteamientos, a saber: los profesores de Geografía y Ciencias Sociales deben tener los conocimientos científicos propios de esas áreas, comportarse de manera humana con sus estudiantes, y traer los problemas ambientales y sociales de nuestro planeta al salón de clases. Sin embargo, creo que hay un valor adicional que no hemos enunciado y que deben tener los profesores de inglés y ciencias sociales: el fomento y el respeto hacia el pluralismo moral, filosófico y político. Considero que, en gran medida, nuestros sistemas educativos se esmeran por graduar estudiantes que tengan las habilidades y la perspectiva moral necesaria para trabajar en algo "util", producir, tener hijos, y vivir una "buena vida" desde la racionalidad y la filosofía moral del homo economicus. Sin embargo, existen otras maneras de ver la vida desde una perspectiva filosófica y de sostenerse desde una perspectiva económica. Al fomentar la creatividad y la individualidad de estudiantes con vocaciones artísticas, deportivas, e "inutiles", los profesores de inglés y ciencias sociales estaríamos ayudando a crear un mundo (y un salón de clases) más feliz, menos codicioso, y más diverso.

    ResponderEliminar
  30. Hola a todos y a todas, mi nombre es María José Buitrago, soy estudiante de Artes y Licenciatura en Artes en la Universidad de los Andes. Si bien es cierto que mi disciplina está alejada dentro de los conceptos que se resaltan dentro del texto y los comentarios. Sin embargo, considero desde mi punto de vista que el hecho de desempeñarse como un docente de ciencias sociales de la sociedad es uno de los papeles más determinantes dentro de la formación académica de una persona. Las ciencias sociales juegan un papel muy fuerte sobre la forma de pensar, ver y analizar el mundo, por ello, considero que es sumamente importante que los/las docentes que se ven inmersos en estos ámbitos conozcan los temas más allá de conceptos básicos y estándar. Considero que un docente en ciencias sociales debe tener en cuenta que todo el conocimiento que está adquiriendo y enseñando empieza a despertar diversas formas de pensar dentro de los estudiantes. Todos los acontecimientos que resalta, las fechas que enmarca y sobre todo la perspectiva en la que cuenta la historia puede generar una dualidad en la forma de pensar de las personas que reciben este conocimiento. Pensando así, que las personas que decidan llevar ese rol de impartir conocimientos que evalúen diferentes roles de la sociedad, deben dar por hecho que existen diversas perspectivas de cómo se ve la historia y la forma en la que se está enseñando. No regirse por una sola verdad y un solo hecho es sumamente enriquecedor dentro del proceso de aprendizaje y enseñanza de las personas.

    ResponderEliminar
  31. Que professor e professora de Geografia e Ciências Sociais para o século XXI?

    Boa tarde, me chamo Ramon Douglas, sou estudante da UNESP de Marília-SP, Brasil e curso ciências sociais. Nessa trajetória que percorro para ser docente, percebo a disciplina que vou ministrar é extremamente importante para a juventude. O desafio no âmbito dos conteúdo é criar entendimento com o aluno referente as relações que a sociedade exerce com a natureza. Com isso, a ideia consiste no aluno se perceber enquanto sujeito de seu aprendizado. A geografia humana está para o aluno justamente para a compreensão da sociedade como construção humana, produção de espaço e também exclusão. Territórios são poderes de grupos sociais e isso ele pode perceber através de sua própria condição social. Um aluno periférico a partir da construção coletivo do conhecimento geográfico social vai aprender reconhecendo os elementos conceituais tendo a sua vivencia como análise a priori. Esses são no meu ponto de vista, os centros metodológicos para o professor de geografia e ciências sociais no século XXI. O aluno como centro do método e vivência do aluno, ou seja, a sua condição enquanto sujeito social como instrumento de ensino da disciplina, a medida que projeta ao aluno os conhecimento da disciplina que o mesmo vivencia, embora sem a mediação do professor que tem a missão de construir esses conhecimentos, noções junto com o aluno. Dentre estas noções, a relação da sociedade com a natureza que produz espacialidades acessíveis e excludentes. Articulando as noções centro e periferia nas cidades e poder das desigualdades territoriais. As mudanças de paisagens geradas pelo ato humano, movido por interesses de cunho econômico, entre outros. Enfim, a relação humana que envolve a geografia e como essa relação atinge o aluno o faz perceber enquanto sujeito e objeto desse movimento.

    ResponderEliminar
  32. Buenos días, tardes o noches a quien se encuentre con estas palabras. Mi nombre es Laura Sofía y soy estudiante de Licenciatura en arte en la Universidad de Los Andes. Del texto que antecede este foro resalto el fragmento que refiere al un mundo desigual y en riesgo de colapso de ecosistemas en el que vivimos, pues alude a uno de los grandes monstruos que desde mi perspectiva, lleva siglos entorpeciendo la construcción de sociedades justas, críticas y diversas: la soberbia.

    Es sabido que la historia muchas veces se ha enseñado desde una sola verdad, la llamada historia de "los vencedores", quienes en muchos de los casos (y enceguecidos en soberbia) se han creído legítimos para pasar por encima de "los otros" y "los demás", con tal de ser ellos quienes cuenten la historia; su historia.

    Entonces, ¿qué debe caracterizar al docente de Geografía y Ciencias Sociales en general? En primer lugar, ninguna persona en ejercicio de docencia debería pensar desde la soberbia. Desde este punto, entonces, un docente de Geografía y Ciencias Sociales debería ser capaz de identificar los sesgos culturales con los que la Historia viene permeada; comparar las percepciones ideológicas con las que se ha estudiado, entender los contextos sociales en los que se ha pensado y compartir con sus alumnos la importancia de la mirada crítica (nacida de la consciencia que surge del identificar, comparar, entender y compartir).

    ResponderEliminar
  33. Buenos días, además de expresar mi alegría por el debate y por las interesantes reflexiones de los participantes, quiero añadir que profesor de ciencias sociales del siglo XXI debe ser aquel que está dispuesto a implementar innovaciones pedagógicas y curriculares para que sus clases sean interesantes y retadoras para sus estudiantes. Es el profesor que está dispuesto a compartir sus experiencias pedagógicas y a escuchar las de sus colegas, esto contribuye a que las instituciones educativas puedan avanzar en un trabajo colaborativo donde cada profesor aprende de otros y con otros. Es un profesor que supera la enseñanza basada en temas y centra sus acciones en desarrollar habilidades para potenciar el pensamiento crítico y la cultura democrática. Es un profesor que lleva la escuela a la calle y la calle a la escuela de manera que las características y las problemáticas del entorno del alumnado sean el eje fundamental de la enseñanza y el aprendizaje.

    ResponderEliminar
  34. Olá a todas e todos, meu nome é Thaís Rabelo e sou estudante do quinto ano de Ciências Sociais, na Universidade Estadual Paulista da cidade de Marília, Brasil.

    Desde o primeiro momento com a licenciatura, refleti muito sobre o papel das professoras e dos professores na sociedade. Bem como diz Paulo Freire, concordo que ensinar não é transferir conhecimento, mas sim compreender a autonomia do educando, e aprender conjuntamente neste processo.

    A globalização e as novas formas de comunicação, como a internet, trouxeram mudanças significativas para a formação da sociedade atual e, devido a isso, o/a professor/a do século XXI precisa estar atento às realidades de seus alunos, compreendendo que não somos objetos no mundo, mas sim sujeitos inseridos e ativos na história.

    Um dos maiores desafios na prática docente, atualmente, é relacionar a profissão de docência com as lutas políticas que dizem respeito aos direitos sociais e profissionais dos professores, e à uma sociedade melhor para todos. O compromisso do professor e da professora está relacionado com as ações sociais e ambientais. Isso, certamente, influencia na formação dos educandos, fazendo com que construam outras perspectivas sobre os conflitos sociais, enxergando seu lugar na história.

    Por fim, é preciso resistir às políticas educacionais mercadológicas de formação – esta que desconsidera o senso crítico, bem como os recortes e as particularidades de raça, classe e gênero e as necessidades do processo de formação, principalmente quando tratamos das escolas públicas do Brasil. Quando há esse compromisso com os problemas sociais e geográficos, constrói-se alunos que certamente verão a realidade de outra forma. E é isso, ao meu ver, o que deve ser um professor e uma professora de Ciências Sociais e Geografia. Precisamos formar pessoas que compreendam a potência de cada vida e de cada curiosidade, e que entendam que ensinar e aprender exige consciência, bom senso, ética, alegria, esperança e amor. Além de tudo, é preciso partilhar a fé de que a realidade pode sim ser mudada. Nada está dado.

    ResponderEliminar
  35. Olá a todos. Meu nome é Maria Vitória e sou estudante do terceiro ano de Ciências Sociais na Unesp de Marília.

    Refletindo sobre o tema vejo que uma grande dificuldade é fazer com que o aluno se compreenda como parte do todo, inserido em uma realidade social e se veja como sujeito de seu próprio aprendizado. O professor, principalmente de Geografia e Ciências Sociais, deve entender que a escola é um lugar de contradições, transformações e de dinamicidade e assim procurar fazer com que o desenvolvimento desses alunos e a aprendizagem dos mesmos se torne interessada e aguçada contribuindo assim para sua formação ética, política, moral, havendo então efetivas transformações na realidade social.
    Para isso, acredito que a não separação entre o fazer e o pensar seja de extrema valia, até porque são questões intrínsecas na formação humana. Ao separarmos o fazer do pensar o estudante tem a impressão de que aquilo que é passado na Geografia e Ciências Sociais e até nas demais matérias não faz sentido, não faz parte do seu cotidiano e por isso mesmo ele não precisa compreender efetivamente, porém ao agruparmos o fazer do pensar e vice- versa, trazemos esse conteúdo para a realidade do aluno, fazendo com que ele consiga visualizar a problemática e construir um olhar mais crítico em relação ao mundo em sua volta.

    ResponderEliminar
  36. Hola a todos y todas.
    Mi nombre es Karen Valentina López, soy estudiante de licenciatura en español y filología y psicología de la universidad de Los Andes. Sin duda alguna, es grato leer cada uno de sus comentarios, alimentan el espíritu docente. Ahora bien, que el docente sea "el alma de la enseñanza" dignifica su labor y hace de ellas la mejor de todas. Por tanto, el maestro desde cualquier área debe, antes que nada, amar lo que hace, de ahí se desprenden una serie de criterios que logran transforma la sociedad.
    Ahora bien, hablando desde el enfoque de las ciencias sociales, el docente debe ser capaz de enfrentar las necesidades de su contexto, y por qué no convertirlas a su favor. Debe también estar dispuesto a implementar estrategias pedagógicas innovadoras que le permitan a los estudiantes entender las principales concepciones que componen las ciencias sociales, y que de allí logren formar un pensamiento crítico. Cada docente tiene propósitos y objetivos desde su área. Desde mi concepción, el maestro de ciencias sociales del siglo XXI, tiene el de transformar la vida de sus estudiantes a través de la historia, los compartimientos sociales y las estructuras de un país, lugar o región. Claramente, debe transcender en algo más grande, en algo más profundo.

    ResponderEliminar
  37. Boa tarde,
    Meu nome é Vanusa, sou mestranda em Ciências Sociais pela UNESP - Marília e concluinte em licenciatura pelo mesmo curso e instituição.
    Desde pequenos em que somos encaminhados à "escolinha", o papel desempenhado pelas (os) professoras (es) é determinante. Ou nos encorajam ou (podem) reprimem. A experiência segue até no nível superior, sobretudo, quando a escolha da profissão é a mesma. A formação e a necessidade destes sujeitos atuantes na sociedade (deve) atravessa cartilhas pré-determinadas por um Estado excludente - que inclusive, se mantém com a lógica essa lógica de dominação. De todo modo, o professor, ou melhor, o professor da área das humanidades desempenha peça-chave para constituir e integrar mentes críticas e ativas.
    O Estado não quer educação porque a educação derruba o Estado, e é com isso em mente (e alma) que batalhamos diariamente para estudarmos e nos capacitarmos para que possamos (nos) encorajar as gerações que acreditam (e merecem) viver uma sociedade sustentável, autônoma e digna.

    ResponderEliminar
  38. Gabriel Shimith Marchesano23 de noviembre de 2021, 10:42

    Boa tarde,
    Meu nome é Gabriel Shimith Marchesano, sou bacharel em Ciências Sociais pela UNESP - FFC e concluinte na mesma área em Licenciatura. A importância do professor no ensino é trazer a tona as realidades dos acontecimentos ocorridos e presentes no mundo, dialogando com os alunos, dando voz aos mesmos e discutindo maneiras de como melhorar o ambiente e a vivencia cotidiana política e social. Contudo isso é o princípio, pois por trás de todo esse diálogo, o professor deve levar modos e linguagem das quais o aluno se sinta interagido no ensino a ser ensinado e no ambiente da escola. Facilitando com os mesmos o material levado a sala de aula e também o acesso ao mesmo.
    Por essa razão o professor é responsável por esse elo entre aluno, ensino e escola. Como citado no texto, o papel do professor é de suma importância para o aprendizado do aluno e como deve ser feito. Por essa razão que o trabalho de ensinar é a base para alavancar e dirigir ao mundo uma sociedade igualitária e sustentável. Pois quem dará prosseguimento social a isso são nossos alunos atualmente e isso é uma semente da qual devemos plantar.

    ResponderEliminar
  39. Ola, uma boa tarde a todos
    Sou Johnny Takashi Kogati Kumabe, estudante do bacharelado em Ciências Sociais da UNESP-FFC, Maríia. Penso, como estudante de ciências sociais, que o professor, em especial os de ciências sociais e geografia, são parte dos grandes responsáveis por conectar jovens, até mesmo jovens adultos, com o mundo ao seu redor, a docência não deve apenas transmitir conhecimento, cabe a ela ajudar a formar o aluno como intérprete de sua própria realidade. Está aí, talvez, outro grande desafio da docência, conectar o jovem, em especial aquele periférico à realidade social e a contradição do capital no sul global, uma vez que este (Capital e Estado-burguês) por si não tem nenhum objetivo de ser compreendido. Vejo, por isso, que a não separação entre "fazer" e "pensar" é essencial, não basta apenas interpretar sua realidade, mas formar-se como sujeito no mundo, e como agente da mudança na sociedade.
    Finalizo, portanto, concebendo o docente como o agente de mudança que busca formar outros intérpretes e agentes da mudança na realidade social em que vivem.

    ResponderEliminar
  40. ¡Hola!

    Soy María Geraldinne Villamil de la Universidad de los Andes.

    Personalmente, no soy gran amante de la democracia como sistema político ni del ambientalismo o ecologismo, pero me parece que hay aspectos importantísimos de estos para la convivencia y supervivencia en cualquier sociedad. Sobre la democracia, aunque me encanta la verticalidad y la autoridad bien llevada para tomar decisiones importantes, hay actitudes democráticas que son útiles para que uno adopte en cualquier interacción social. Como estudiante, siempre me involucró y motivó la posibilidad de proponer dinámicas en el aula, en la evaluación y los métodos de aprendizaje, lo cual es muy democrático. Además, me parece valiosísimo cuando las discusiones en clase se asemejan a la democracia deliberativa, en la que se escucha atentamente a los grupos o individuos con ideas particulares que quieren expresar sin la necesidad de buscar llegar a un consenso o a la verdad. Sobre el ambientalismo, me parece fundamental las sesiones y aprendizajes prácticos, no sólo teóricos, y aterrizados a las necesidades de la comunidad y el entorno de la institución. Considero lo anterior importante porque, desde mi perspectiva, estos aprendizajes son significativos cuando están conectados con el estudiante y este los ve como algo importante en su vida, pues repercute en su vida. De lo contrario, es una clase magistral más, de test, de memorizar y no aprender.

    ¡Gracias!

    ResponderEliminar
  41. Olá, me chamo Glayton, sou estudante do quinto ano de ciências sociais na UNESP de Marília/SP, estou concluindo bacharel e licenciatura.
    Creio que o papel do professor e da professora no século XXI, em especial para aqueles/as que atuam na rede pública, tem sido prioritariamente o de luta e resistência, tanto para melhoria do ensino quanto para que se mantenham as conquistas até então obtidas, que vivem sob constante ameaça.
    Para professores e professoras das ciências sociais, às quais tais ameaças se mostram ininterruptas, tendo sua disciplina historicamente questionadas pelas classes dirigentes no ensino público brasileiro, cabe pelo olhar crítico denunciar os ataques à educação e lançar luz às possibilidades de transformação social, política e econômica.
    Sem o papel de luta do professor e da professora em nosso tempo, poderá não haver um futuro próximo onde outros papéis sejam possíveis para a categoria.

    ResponderEliminar
  42. Boa noite, me chamo Mário sou estudante do sexto ano da licenciatura em Ciências Sociais na UNESP de Marília-SP.
    Acredito que o papel do professor na área de Ciências Humanas passa pelo constante estudo e aprimoramento profissional para lidar com a diversidade que encontra-se na Escola. É importante apresentar a teoria, seja da Geografia, História e Sociologia; porém sempre aproximado para perto do contexto dos alunos.
    Faço estágio em uma escola no interior do estado de São Paulo, Brasil; e o que mais me chamou a atenção neste período é que os professores trabalham os conteúdos articulando-os com questões do cotidiano, promovendo reflexões e dúvidas com os alunos.
    A precarização da categoria se impõe como um grande desafio para continuar as pesquisas e os projetos na Educação. Porém, a experiência de articular teoria e prática auxilia e muito aos profissionais em formação a articularem práticas e estratégias para trabalhar a teoria sem que fuja muito da realidade dos alunos.

    ResponderEliminar
  43. Boa noite a todos e todas, meu nome é Leticia, sou graduanda de Ciências Sociais na UNESP de Marília e atualmente estou no 4º ano da graduação.
    Refletindo a partir de questões abordadas no texto e como estudante de ciências sociais, compreendo que o que diferencia o (a) docente de ciências sociais e de geografia das demais áreas, é por essas duas áreas compreenderem e estudarem o espaço e suas contradições, tanto a partir de conceitos que são ensinados em ambas as áreas quanto a partir do comprometimento que ambas as áreas tem com a sociedade e o espaço.
    Entre os espaços estudados temos o espaço escolar, o qual de acordo com Juarez Tarcisio Dayrell, ao compreender a escola como um espaço sociocultural, significa compreendê-la na ótica da cultura e resgatar os papéis dos sujeitos que a constitui, portanto é entendida como um espaço próprio que traduz projetos políticos e pedagógicos, e um espaço com uma multiplicidade de sentidos.
    Diante disso, existe um dinâmica e complexa rede de relações que se manifestam de forma mais evidente na sala de aula na relação entre docente e discente, ao invés de ser estabelecido um elo entre ambos, os professores e alunos são vistos como dois mundos diferentes que se cruzam, mas permanecem separados, em que os professores muitas vezes olham de forma equivocada para os alunos, sendo assim um dos maiores desafios que enfrentamos atualmente. Como estabelecer o elo entre alunos e professores?
    Visando os professores de ciências sociais e geografia que têm mais contato com a problematização da sociedade e do ambiente, como nós, atuais e futuros professores dessas áreas podemos nos conectar com os estudantes?
    Essas são algumas reflexões que tive a partir do texto, ambas as áreas têm contato com a atual realidade social e suas contradições, sendo assim uma das características que as distinguem das demais, e enquanto professores devemos não apenas ter contato como também compreender e problematizar a realidade social dos estudantes, o espaço que ocupam e que nós enquanto professores ocupamos e a influência disso no ensino e aprendizado. O docente de geografia e ciências sociais por já carregam uma bagagem acadêmica sobre, e é necessário colocá-la em prática.

    ResponderEliminar
  44. Este comentario ha sido eliminado por el autor.

    ResponderEliminar
  45. Olá a todos, meu nome é Tiago Marques, sou bacharel pela UNESP Marília no Brasil e estou concluindo a licenciatura em ciências sociais pela mesma universidade.

    Achei muito interessante a proposta de questionar como devem ser os professores de geografia e de ciências sociais do século XXI, e também, os comentários feitos. Dá pra notar as diferenças de enfoques e propostas, que geralmente variam de acordo com a realidade da localidade em que cada participante se encontra.

    Li comentários de Portugal, da Espanha, da Colômbia, de colegas do Brasil e acredito que um dos principais papéis que o professor deste século deve ter é justamente esse: ajudar/ensinar os alunos a se localizarem no mundo. Não apenas geograficamente, mas mostrar as múltiplas determinações que formam nossa subjetividade, nossa história e realidades econômica e social, as desigualdades, nossos gostos, nosso modo de vida, do nosso lugar, do nosso entorno e vizinhanças e dos povos do planeta Terra de modo geral.

    O jovem que está na escola muitas vezes está em busca de formar a sua identidade, quer entender quem é, do que gosta, quais caminhos seguir, quais posturas tomar, etc. De certo modo, podemos dizer que praticamente todo jovem é demasiadamente "perdido". Tudo nessa época é vivido de forma intensa, as emoções, as vivências, as experiências, as trocas... tudo é de suma importância!

    Ter um professor(a) sensível aos sentimentos do tempo em que vive e que está sendo experimentado por essa juventude, pode ajudar muito ele a se conectar com as suas classes.

    Ter conhecimento teórico é fundamental, gostar de ensinar e estar sempre se atualizando também é, porém o professor que não se engaja em descobrir o "mundo" dos jovens, é um professor fadado a ser tachado de chato e de ter muitos dos seus alunos dispersos em suas aulas.

    Acredito que o professor do século XXI é um ser antenado com as novidades, com as ferramentas tecnológicas de ensino e aprendizagem, um ser dinâmico e ativo, aquele que faz a ponte entre o saber e a carência/necessidade do aluno.

    Em suma, acredito que o professor do séc. XXI não deva ser uma máquina de transmissão de informações, tampouco uma pessoa que está ali para ser pai ou mãe dos jovens, todavia, ter tato e saber ouvir a sala e articular seus conhecimentos, conceitos, teorias e os temas da realidade social em que vivem, saber transmitir isso de forma leve e que faça sentido para seus alunos faz toda a diferença.

    Não entrarei em detalhes para comentar os problemas que passam os professores brasileiros em sua dura realidade, pois o intuito da proposta não era esse, no entanto, não posso deixar de ressaltar que essa profissão vêm sendo muito precarizada e menosprezada em meu país. O professor brasileiro, antes de pensar em como ser um professor do século XXI, ele tem que pensar/tentar sobreviver e lidar com os mais variados problemas, desde uma baixa remuneração e desvalorização da profissão, bem como falta de estrutura e de condições de trabalho adequadas, passando por interferências burocrático-ideológicas dos mais variados níveis, entre outras coisas.
    As realidades de todos os presentes neste foro são muito diferentes, mas a soma de forças pode contribuir muito para todos nós.

    ResponderEliminar
  46. Olá, me chamo Ana Laura Silveira, sou brasileira, graduanda em Ciências Sociais pela FFC - Unesp Marília/SP concluinte da licenciatura na mesma área.

    Sempre faço a reflexão sobre os caminhos de lecionar e os métodos para promover a emancipação em sala de aula com os alunos. Acredito que a concretização de um professor de Geografia e Ciências Sociais seja promover por meio da desnaturalização das estruturas sociais um vínculo com o planeta terra e todos que o habitam, objetivando esse exercício à autonomia dos alunos, compreendo essa prática como emancipadora não apenas dos próprios estudantes, mas entre todos os envolvidos no processo.
    Seguindo a ideia de uma Ecopedagogia e uma Cidadania Planetária, como apresenta Francisco Gutiérrez e Cruz Prado, é preciso pensar a educação em três pontos emergentes, sendo eles a Ecologia Profunda, que nos proporciona os fundamentos científicos das mudanças necessárias a serem realizadas ao nível individual e social, com exigências para um planeta com relações com o cosmos. A Pedagogia, como o trabalho de promoção da aprendizagem através de todos os recursos colocados em jogo no ato educativo. E por fim, a Planetariedade, nos levando a sentir e viver nossa cotidianidade em relação harmônica com os outros seres do planeta Terra.
    Deixo um trecho do livro que gosto muito: “ A ecopedagogia é uma pedagogia que promove a aprendizagem significativa, atribuindo sentido às ações cotidianas.Uma pedagogia da pergunta, democrática e solidária, que nos convida, educadores/as e educandos/as, a garantir a sustentabilidade de cada um de nossos atos cotidianos como seres humanos que compartilham com outros seres a aventura de viver nesse planeta.”

    ResponderEliminar
  47. Olá, desejo uma boa noite à todos.
    Me chamo Beatriz Sales Caraciola, sou estudante do 5º ano de Ciências Sociais, nas modalidades Bacharel e Licenciatura da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho situada na cidade de Marília (FFC).
    Primeiramente, ouso apontar a complexidade e importância de pensar o papel do professor de Geografia e Ciências Sociais no século XXl.
    De acordo com a minha experiência enquanto estudante, anteriormente voluntária do Programação Institucional de Bolsas de Iniciação a Docência, atualmente membro do Programa de extensão universitária intitulado Residência Pedagógica e futura professora. Acredito que para compreender sobretudo o papel do professor tanto quanto na área da Geografia tanto quanto nas Ciências Sociais, é primordialmente necessário entender a profissão como uma peça fundamental na formação dos estudantes e na transformação de uma sociedade mais justa e consciente. Além de mediar, facilitar e articular o conhecimento, é preciso acolher os alunos e entender que cada um deles possui um processo histórico e de ensino-aprendizagem diferente. É indispensável não se colocar em um papel hierarquizado como único detentor do conhecimento e assimilar que ao passo que se ensina também se aprende, dando protagonismo ao aluno e fazendo com que eles participem ativamente no processo educativo através das mais variadas atividades, desenvolvendo a capacidade crítica e os desconstruir através do estranhamente da realidade, por meio da superação de preconceitos, ideologias e senso comum. É preciso trazer a realidade do aluno para a sala de aula com o intuito de aproximar os conhecimentos do seu cotidiano com os conhecimentos científicos, provocar os alunos através de suas curiosidades e mostrar que a partir de seus próprios questionamentos é possível encontrar respostas para as suas perguntas através do conhecimento científico, apoiá-los a seguirem seus objetivos e sonhos apesar das diversas dificuldades que possam surgir e dizer que eles devem e podem ocupar lugar na universidade pública, que são deles por direito. Aponto que também é fundamental desenvolver os hábitos de leitura e escrita para que possam compreender a realidade social em que vivem e se comunicarem enquanto membros de uma sociedade.
    Aproveito por fim, para parafrasear uma grande escritora e contista brasileira, Cora Coralina. “Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina. O saber se aprende com mestres e livros. A Sabedoria, com o corriqueiro, com a vida e com os humildes. O que importa na vida não é o ponto de partida, mas a caminhada. Caminhando e semeando, sempre se terá o que colher.”

    ResponderEliminar
  48. Meu nome é Barbara sou brasileira, graduada em Ciências Sociais pela FFC - Unesp Marília / SP, concluindo a graduação na mesma área.


    Ser professor é uma das profissões mais importantes em uma sociedade, tudo o que o aluno absorve durante uma aula influencia de diversas formas sua visão de mundo. Principalmente um aluno de ensino médio que ainda esta em processo de desenvolvimento. Geralmente professores da geografia e ciências sociais não são valorizados como deveriam, e essas disciplinas requerem uma atenção, e responsabilidade maior por fornecer uma base política. Então o trabalho do professor é muito mais complexo do que parece, e infelizmente, falta reconhecimento e entendimento desta profissão, que muda a vida das pessoas em diferentes aspectos.

    ResponderEliminar
  49. Saudações!
    Dani Silva, Unesp, Marília (São Paulo, Brasil), Gradução em Ciências Sociais (5º Ano).

    Ume professorie de Geografia e Ciências Sociais para o século XXI deve ser uma pessoa que tenha as condições materiais para desempenhar a sua atividade de estudo, ou seja, que tenha tempo, espaço e recursos disponíveis para uma formação docente de qualidade e atualizada, sempre alinhada aos pressupostos de uma educação crítica e multicultural. Além disso, deve fazer parte de uma comunidade pedagógica, como diria bell hooks, em que coletivizar o conhecimento com as demais pessoas seja parte do estudo.

    Deve ser uma pessoa a qual a sua atividade de ensino priorize es alunes como foco central, realizando o papel de mediação em direção aos objetivos de cada atividade. Formar e ser formade na relação ali proposta, não esquecendo das questões e dos sentidos das juventudes, quais sejam as interseccionais.

    Deve ser uma pessoa que se posicione diante das injustiças sociais e climáticas, das opressões e da exploração do trabalho docente. Que saiba que a atividade de ensino-estudo vai além do espaço da sala de aula e da escola (embora sejam espaços essenciais para o desempenho da nossa função), visto a materialidade da própria prática que se extende para territórios variados, em espaços de educação informal, nos centros urbanos e periferias, zonas rurais, assentamentos, comunidades indígenas e outras. Saiba que as atividades des professories e alunes estão conectadas e inseridas no espaço da sociedade e da comunidade internacional como um todo.

    ResponderEliminar
  50. Olá, bom dia a todos e todas. Me chamo Beatriz Jorge Barreto, tenho 22 anos, resido atualmente na cidade de São Paulo (SP-Brasil), sou bacharel em Ciências Sociais pela Faculdade de Filosofia e Ciências de Marília (FFC – UNESP) e ainda graduanda da licenciatura na mesma universidade.
    Para responder às perguntas levantadas no texto, primeiramente, gostaria de ressaltar que o papel, as funções desempenhadas pela instituição escolar e o ensino brasileiro, em geral, têm se aprofundado, nos últimos anos, em uma crise de sentidos e não têm conseguido ser o suporte para superação das desigualdades na nossa sociedade.
    Destacado esse aspecto, não compreendo o espaço escolar como o único lócus de promoção da educação das crianças e dos jovens. Segundo Juarez Dayrell (2001), considerar a escola como espaço sócio-cultural significa compreender que os alunos/as são seres humanos complexos, imersos em uma sociedade que lhes apresenta diversas dimensões de interferência na produção de cada um deles como sujeitos sociais. Portanto, é imprescindível que nós professores, das Ciências Sociais, consideremos que o processo de formação e docência implica ter ciência de que jovens chegam à escola como
    (...) resultado de um processo educativo amplo, que ocorre no cotidiano das relações sociais, quando os sujeitos fazem-se uns aos outros, com os elementos culturais a que têm acesso, num diálogo constante com os elementos e com as estruturas sociais onde se inserem e as suas contradições (DAYRELL, 2001, p. 142).
    Os fatores apresentados precisam ser levados em conta pelos/as docentes, na medida em que cada estudante está inserido/a em múltiplos contextos de vivências, significações, discursos, práticas e comportamentos. Isso significa que o ambiente de ensino, enquanto reflexo da realidade histórica, social, cultural e política de um país, estará sempre permeado por estas subjetividades, marcadas pelas questões de gênero, raça, classe, religião, sexualidades e etc. Vejo que precisarei estar sempre atenta ao universo de pluralidades e possibilidades de existência com que me depararei em sala de aula.
    A sensibilidade para essas especificidades está também ligada ao fato de que, no Brasil e especialmente no ensino público, cada turma e cada aluno/a se encontra em estágios diferentes de desenvolvimento e aprendizado. A educação no Brasil é desigual e isso significa que as oportunidades de ensino não são iguais para todos/as, por isso enxergo a dinamicidade e flexibilidade dos planos, objetivos, metodologias, cronogramas e atividades das aulas, que provavelmente serão adaptados com o passar dos anos, a partir das necessidades específicas de cada sala.
    Acredito que a prática de ensino, de profissionais da educação de todas as áreas, deve ponderar tudo que foi citado anteriormente e, acrescento, que o objeto de conhecimento-aprendizado não deve ser memorizado pelos/as alunos/as, mas apreendido e compreendido pelos mesmos. A docência precisa procurar estar distante da transmissão de saberes e próxima da possibilidade de fornecer aos estudantes o “aprender a aprender”.
    O livro de Paulo Freire “Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa” (2019), me auxiliou a refletir sobre todas essas questões citadas e me faz seguir com mais força na decisão de me tornar professora.
    A pretensão de não estabelecer hierarquias ou me eleger enquanto porta-voz do saber é uma tentativa de exercer o “saber escutar” e uma pedagogia dialógica, tão preciosos nas análises de Paulo Freire (2019, p. 111) para profissionais que pretendem seguir com a docência. São esses ensinamentos, conselhos, lições e aprendizados de Freire, com a influência de todas as experiências, textos, debates, correntes pedagógicas e metodológicas na licenciatura, que acredito podermos seguir com a futura prática docente muito mais inspirados e confiantes.

    ResponderEliminar
  51. Este comentario ha sido eliminado por el autor.

    ResponderEliminar
  52. Referências que utilizei no meu texto/comentário acima:

    DAYRELL, Juarez. A escola como espaço sócio-cultural. In: DAYRELL, Juarez (Org.). Múltiplos Olhares sobre a educação e a cultura. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2001.

    FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2019


    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Bom dia, quero dar os meus parabéns a todas as pessoas que estades a partilhar o voso conhecemento. Aproveito para utilizar o comentário bibliográfico da Beatriz para INVITAR a todxs leitores a consultar a secção RECURSOS e ver a bibliografia que está lá colocada.
      Gostaríame que se poidera fazer uma aportação temática por ámbitos de formação e criar uma bibliografia entre varias Universidades. Isto será de moita utilidade para outros alunos e alunas.
      Uma Universidade pode tomar a iniciativa e logo unirse outras.
      Adiante. Podemos publicar o resultado final na mesma secção
      Um abraço desde Lisboa,
      Xosé M Souto

      Eliminar
  53. Hola! Mi nombre es Sofía, estudiante del Grado de Maestro/Maestra en Educación Primaria en la Facultad de Educación en la UCLM. Mi aportación estará basada en una reflexión extraída de la realización de un trabajo que hemos realizado acerca del COVID.
    Como ya conocemos, es un tema que nos ha afectado en muchos de los ámbitos de nuestra vida y para ello se hace necesario reflexionar sobre determinados aspectos para ver que se puede o no, mejorar.
    La realización del trabajo ha consistido en buscar una noticia que trate el tema del COVID e identificar si se trata de una Fake News o no.
    Mi grupo de trabajo, en concreto, ha encontrado una noticia que trata de que las mujeres vacunadas podrían proteger a sus bebés mediante la lactancia y hemos encontrado numerosas investigaciones que resuelven la problemática de las dudas que tenían las mujeres embarazadas sobre si vacunarse o no. La conclusión que se obtiene es que la vacunación en mujeres embarazadas es beneficiosa para el futuro bebé ya que a través de la leche materna se refuerza el sistema inmunológico del bebé no solo frente al COVID sino también frente a otros virus respiratorios y otras patologías.
    En nuestro caso, nos ha resultado difícil encontrar datos acerca del porcentaje de mujeres embarazadas vacunadas en España y por eso los datos los hemos centrado en el porcentaje de población española vacunada con las dos dosis o con una sola dosis, donde hemos podido comprobar que el porcentaje de vacunados en España es muy elevado.
    Concluyo mi reflexión sobre este tema señalando que al igual que la vacunación es beneficiosa para los bebés también lo es para el resto de la población ya que observamos como las vacunas están siendo efectivas, pero aún así no podemos descuidarnos demasiado, tenemos que seguir teniendo determinadas precauciones por la seguridad de todos y todas.

    ResponderEliminar
  54. Boa tarde, pessoal!

    Me chamo Giulia e estou concluindo o quinto ano de Ciências Sociais na UNESP de Marília.

    Descobri a existência das Sociais nos meus últimos meses de cursinho pré-vestibular, em 2016. Pesquisando e lendo um pouco sobre as diversas possibilidades, criei, à época, uma visão um tanto estereotipada - e até utópica - do que viria a ser o curso em si. Acreditava ser o mais “desconstruído” dos cursos, mas que, sobretudo, me daria grandes bases teórico-críticas às discussões sociais. Não estava de toda errada ao final, porém apenas cursando, efetivamente, a modalidade licenciatura que novos horizontes se abriram sobre o verdadeiro sentido e os reais problemas que envolvem a questão do ensino - sendo ele universitário ou não. O texto do referido Foro traz afirmações como “há um grande consenso sobre a importância do papel dos professores”, “o professor é a alma do ensino” e sobre como o professor “tem de possuir um domínio técnico-científico específico”. Particularmente, não discordo de nenhum dos enunciados, mas acredito que devemos pensar algumas problemáticas imersas dentro da categoria ser professor.

    O ensino é constituído por uma relação dialética - isto é, não somente o professor ensina o aluno, mas também o inverso. Entretanto, a forma como a educação foi e segue sendo majoritariamente construída no Brasil, caminha no sentido de findar e perpetuar as desigualdades sociais já existentes; as constantes reformas de cunho liberal esvaziam o verdadeiro sentido do ensino e transformam o currículo em mero palco de disputas político-ideológicas. Antes mesmo de começar a lecionar, o professor - ainda na universidade - comumente passa por uma formação precarizada e uniformizante, o que dificulta a construção dos sentidos de sua atuação - além da intensa precarização da categoria, que também enfrenta péssimas condições de trabalho. Começamos a perceber, então, que não basta “apenas” domínio do conteúdo teórico-científico. Deve-se resgatar o princípio de que o professor é para o aluno um mediador entre o conhecimento teórico e a realidade objetiva, o que retoma a importância, por exemplo, de uma atualização constante de sua formação, a fim de não perder de vista uma prática pedagógica crítica, responsável por trazer sempre um sentido ao que está sendo ensinado.

    Citei minha experiência pessoal ao começo para destacar, justamente, como o caminho entre a atuação do docente até a apropriação (ou não) do conteúdo pelo estudante depende das condições materiais, mas, também, da existência ou não de um motivo em suas ações - como defendeu Vygotsky. O professor pode dominar o conteúdo, mas sua mera reprodução não influi em uma compreensão crítica, muito menos em uma ação ativa do estudante na realidade. Esperei, em 2016, que essa participação ativa e curiosa dos docentes fosse unanimidade dentro da graduação. Me enganei. Apesar disto, está sendo dentro da graduação, ainda, que tenho entendido que a existência de uma prática pedagógica crítica independe de uma formação exclusiva na área da Sociologia. A Geografia aparece como uma possibilidade clara disso quando consideramos as várias pontes possíveis de se construir entre o conhecimento teórico e a realidade dos estudantes.

    ResponderEliminar
  55. Buenas tardes, soy Virginia Luna Castro, estudiante de 4º de carrera de Maestra en Educación Primaria en la Facultad de Educación de Ciudad Real en la Universidad de Castilla-La Mancha. Quiero compartir en este foro las conclusiones que he sacado acerca del trabajo junto a más compañeros sobre el Covid-19 y la vacunación.
    Primero, quiero comentar que, como cualquier persona en esta pandemia, he sufrido con el confinamiento (cuarentena) donde solo podíamos salir a comprar a los supermercados, farmacias… entonces esto nos hacia sentir mucho estrés, ansiedad, mucho agobio en general. Para ello, hacia mucho deporte, que no solía hacer antes, solo por tener la mente despejada de alguna manera. Todo esto me produjo un antes y un después en mi vida, jamás habíamos pasado por esto nunca y fue bastante impactante para mí y para todos también.
    En cuanto a dicho trabajo de fake news sobre el Covid-19 y la vacunación, hemos investigado y hemos visto que hay muchísima gente que no ha querido ni quiere vacunarse. La mayoría son jóvenes (de nuestra edad) y deberían de pensarlo mejor por la gente que tienen a su alrededor ya que son más mayores o propensos a coger cualquier cosa con mayor facilidad (abuelos). Los gobiernos se han empezado a centrar en la vacunación dejando de lado los contagios y las hospitalizaciones (siguen subiendo).
    Para terminar, he de decir que va a ser muy difícil salir de esta situación porque la gente se piensa que esto se ha acabado y no es así. Tenemos una gran solución: vacuna, y mucha gente no lo ve importante y con ello, se pone en peligro tanto ellos como a los demás. Yo solo espero que la gente haya aprendido y valorado muchas cosas más que antes e intentar hacer de este mundo, un lugar mucho mejor a partir de esta situación.

    ResponderEliminar

Para participar en el debate tan solo tienes que hacer click en el título del debate, donde a continuación, además de aparecerte el texto a debatir, encontraras la manera de dejar tu comentario. Periódicamente, cada quince días, se renovarán los contenidos con el objetivo de de precisar el sentido, alcance y límite de los mismos. Para proponer nuevos debates escribe a:geoforo@gmail.com .