domingo, 19 de febrero de 2023

FORO 31: La necesidad de una educación política desde el sistema escolar

 

Rosmery Alcaraz

Andrea Lastoria

Nancy Palacios

Liliana Pizzinato

Consejo de dirección Geoforo


Los países en América Latina e Iberoamérica en los últimos años vienen enfrentando situaciones de movilización social marcadas por la radicalización política, generando una dicotomía entre formas de gobierno democráticas y dictatoriales. En este ámbito el ejercicio ciudadano toma partido frente a la información divulgada en los medios, polarizando aún más las condiciones en los países; cuya influencia mediática puede ser más fuerte que la formación proporcionada en la escuela. Por ello, su papel y las aportaciones de áreas como la geografía, la historia y las ciencias sociales, podría ser una alternativa para que los ciudadanos abordemos las crisis socioeconómicas de una forma consciente y reflexionada. Como académicos consideramos importante vincularnos en este debate, por lo cual presentamos la situación de Brasil, Colombia y Perú como ejemplo de lo anunciado y la posibilidad de pensar desde nuestro rol docente en acciones reales y concretas que contribuyan estas situaciones desde una argumentación y emoción reflexionadas.


Contexto de Brasil

La bipolarización política en el escenario brasileño fue acentuada en la última elección para presidente y gobernadores de los estados. Después de la elección, en octubre de 2022, del presidente Luiz Inácio Lula da Silva, el ex presidente y conservadores de extrema derecha ampliaron los ataques a la democracia en el país. Jair Bolsonaro cuestionó la eficiencia de las urnas electrónicas y puso en duda el proceso electoral. Sin éxito y sin dar ninguna explicación al pueblo brasileño, no asistió a la toma de posesión de Lula.

La subida de la rampa de acceso al palacio de la meseta, sede del gobierno en Brasilia- DF, fue acompañada por el vicepresidente y sus esposas. La banda presidencial que tradicionalmente es entregada por el presidente que está dejando el gobierno fue entregada por representantes del pueblo. Después de todo, el ex presidente y el ex vicepresidente se negaron a participar en la ceremonia. ¿Se trata de otra señal de falta de respeto al proceso democrático brasileño? Los ataques al Palacio del Planalto, a la sede del Supremo Tribunal Federal y al Congreso Nacional en Brasilia-DF, siete días después, indican que sí.

Los invasores vestían con los colores verde y amarillo, portaban banderas de Brasil y filmaron sus propias acciones destructivas. Obras de arte, reliquias históricas y el propio patrimonio público fueron violentamente depredados. ¿Sería esta otra evidencia emblemática de la bipolarización política? ¿O sería mucho más que eso?

Otras acciones que pueden ejemplificar la bipolarización política en el país son las manifestaciones frente a los cuarteles que ocurrieron en diferentes regiones. Personas también vestidas con ropas en colores verde y amarillo invadieron vías públicas exigiendo intervención de las fuerzas armadas para revertir el resultado de la elección presidencial. Tales acciones antidemocráticas fueron estimuladas y financiadas por diferentes agentes, incluyendo empresarios y pastores de iglesias evangélicas.


Artículo entero aquí

142 comentarios:

  1. Comparto el artículo que publiqué sobre el derecho de la educación en el mundo, un conecto que es producto de la ilustración y de la consolidación de los derechos individuales. Pero que sólo es un derecho cuando la misma reúne condiciones de calidad asociadas a los procesos de aprendizaje, al fortalecimiento de las prácticas educativas con profesores formados y comprometidos en las áreas de enseñanza.La financiación de la educación. Según la Agenda de Educación 2030 exige que los Estados dediquen a la educación al menos del 4 al 6 por ciento del PIB y/o al menos del 15 al 20 por ciento del gasto público. Y por último e igual de relevante, las exigencias de calidad y la valoración de la profesión docente, pues dos tercios de los 617 millones de niños y adolescentes que se estima que no pueden leer una oración simple o manejar un cálculo matemático básico están en el aula. fortalecer los procesos de formación docente de calidad y que sean multiplicadores de conocimiento y formación una tarea pendiente de orden global.
    La educación universal o financiada no puede ser la única opción del derecho, invertir en calidad, recursos, materiales y formas de mantenerse son prioridades dentro del sistema educativo.

    ResponderEliminar
  2. Quisiera responder a las dos primeras preguntas que se exponen en la reflexión final: ¿Está sucediendo algo similar en tu país? ¿Qué puede hacer la institución educativa/escuela frente a las situación de movilización social en social?
    En España sí que existe una bipolarización, quizá no tan extremada como la que se señala en Brasil, Colombia y Perú, pero sí que se ha agravado en los últimos años. Ello nos obliga a pensar en que estas oposiciones y actuaciones de las fuerzas políticas no son algo espontáneo, sino que están pensadas y desarrolladas desde el poder económico, mediático y social. Como se señala en el caso colombiano las dos fuerzas aluden a la necesidad de una intervención, incluso dictatorial, porque se han roto todas las posibilidades de continuar con el diálogo. Esto se refuerza por el papel los medios de comunicación de masas, con el me gusta/no me gusta. Se produce así el triunfo de una comunicación dicotómica, con un enfrentamiento dialéctico que luego pasa al luego pasa al ámbito de las decisiones.
    En los centros escolares debemos impugnar esta manera de razonar e imponer un diálogo con numerosas aristas, matices y con mucha racionalidad. Ello es difícil, pero ya se ha peleado por este tipo de finalidades en otros momentos de la historia de la educación. Desde nuestro campo de conocimiento tenemos más posibilidades y hemos de aprovecharlas
    Un saludo y enhorabuena por el texto inicial
    Xosé M Souto

    ResponderEliminar
  3. Parabéns por esse texto com tantas verdades. O povo brasileiro tem que ter mais lucidez sobre política para não cometer erros do passado e erros do presente. Na minha humilde opinião ser ensinado desde a tenra idade sobre política faria os brasileiros mais conscientes.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Parabéns por esse texto com tantas verdades. O povo brasileiro tem que ter mais lucidez em relação à política para não cometer erros do passado e erros do presente. Na minha humilde opinião, ser ensinado desde a tenra idade sobre política tornaria os brasileiros mais conscientes.
      Nanci Regiane de Lima Campos - FFCLRP USP BRASIL

      Eliminar
  4. Grupo ELO USP Brasil - Marcelo R. Martins
    Boa noite!
    Meu nome é Marcelo, mestrando do Programa de Educação da Faculdade de Filosofia Ciências e Letras da USP - Ribeirão Preto, sob orientação da Profa. Dra. Andrea Coelho Lastória.
    Inicialmente, parabenizo as autoras do artigo. O tema é de suma relevância e trata de assunto muito atual. A urgência do objeto do texto se revela no fato de que a Educação foi um dos setores mais devastados pelo governo de extrema direita eliminado no processo eleitoral de 2022 no Brasil.
    O descaso com o setor não se deu somente por incompetência, mas principalmente para execução de um projeto que objetivava usar o campo Educativo como ferramenta de apagamento do pensar. Os ataques provindos desse grupo de extrema direita, já se fazia visível quando do projeto de Escola sem Partido, que na prática patrulhava e punia o pensamento político democrático, mas induzia a que houvesse sim uma ideologia partidária, a deles.
    A necessidade do campo da Educação se preocupar em dar suporte ao aprendizado do pensamento político, se ampara no conceito de que somente através do debate nesse campo conseguimos vislumbrar uma sociedade democrática e nos afastar da Barbárie.
    O Brasil é um país que abriga profundas desigualdades sociais. A Escola se mostra como espaço adequado de fomentar questionamentos e incentivar os aprendentes à luta democrática que objetiva diminuir as visíveis distâncias entre as classes, as etnias, os gêneros, entre outras desigualdades.
    A Educação é imprescindível para formação do pensamento político democrático porque é um lócus de construção de pensadores. Parafraseando Paulo Freire, "Educar é um ato político".

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Excelente comentário, amigo Marcelo. E quantas desigualdades! Chega a ser difícil falar em esperança em um cenário como este, mas precisamos ter. A educação, como bem disse, é o único meio possível para reverter essa situação.


      Ingrid Motta da Rocha Antonio - Estudante de Pedagogia da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (USP). Integrante do Grupo ELO Brasil.

      Eliminar
  5. Olá! Excelente reflexão tanto das autoras do artigo quanto o que vejo nos comentários. Não há como discutir Educação sem uma abordagem política (e não precisa dizer que essa abordagem política não precisa ser partidária). A eminência da discussão num país como o Brasil, por exemplo, onde a negação à ciência e o obscurantismo ganharam certo destaque, é mais que urgente! O diálogo, a postura colaborativa em prol do coletivo e participativa reforça a atitude democrática que deve ser (sem querer ser prescritiva) inerente aos Governos e às propostas educativas. Silvia Letícia Correia - Grupo ELO USP Brasil.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Boa noite!

      Concordo plenamente, Silvia Letícia Correia!

      Desde o ano de 2018, o Brasil vem vivendo um contexto de bipolaridade política, acentuada pela extrema direita e seu conservadorismo. É impossível pensar no cenário escolar brasileiro e não nos sensibilizar com os recentes ataques às escolas. Nos últimos dias, diversos ataques e ameaças vem sendo feitas às instituições escolares em diferentes estados do país, deixando diversas vítimas. Tais ataques possuem relação com o extremismo difundido no último governo, além da falta de políticas públicas de segurança e de uma gestão democrática.
      Sob essa perspectiva, realmente, não é possível discutir educação sem relacionar com o contexto político ao qual vivemos. As disciplinas de História e Geografia são essenciais neste contexto apavorante, pois fornecem, através de uma educação crítica guiada pelos ensinamentos de Paulo Freire, a reflexão e a compreensão do contexto social e político que vivemos atualmente.

      Ana Julia de Oliveira Costa
      Pedagogia – FFCLRP/USP/Ribeirão Preto.

      Eliminar
  6. Bom dia a todas e todos,

    Escrevo do Brasil. O artigo é de suma importância no contexto em que vivemos, especialmente para evidenciar os processos de polarização que estão ocorrendo, de maneira intensificada, nos países da América do Sul.
    Sou mestranda em Educação da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da Universidade de São Paulo - Ribeirão Preto, sob orientação da professora Andrea Lastória, e minha pesquisa é sobre a formação continuada de professores de Geografia. Faço parte do Grupo de Estudos da Localidade (ELO).
    O artigo me proporcionou reflexões que estão relacionadas a minha pesquisa:
    O ensino de Geografia, área da minha formação, da minha atuação profissional e da minha pesquisa, foi especialmente atacado nos últimos anos, em conjunto com as outras disciplinas das ciências humanas. Com a implementação da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e a reforma do Ensino Médio as disciplinas das Ciências Humanas não são mais obrigatórias em todos os anos do Ensino Médio. O que isso poderá representar para a formação dos alunos? Teremos, cada vez mais, cidadãos propensos a pensamentos radicais?
    Entretanto, sabemos, que apesar dos retrocessos os professores resistem e seguem comprometidos em proporcionar um ensino crítico e reflexivo. Um ponto central na educação é o conceito de inacabamento do ser humano, construído por Paulo Freire. Penso que uma alternativa ao negacionismo científico possa se pautar por tal conceito. Ao trabalharmos, com nossos alunos, a ideia de que somos seres permanentemente inacabados e há sempre um conhecimento que ignoramos (no sentido de não conhecermos), poderemos encontrar uma nova abertura para o ensino de Geografia e História. É preciso esperançar, construir coletivamente formas de reestabelecer o compromisso da sociedade com a democracia, com a ciência e com a coletividade.

    Gabriele Mesquita Pereira do Carmo
    Mestranda em Educação – FFCLRP/USP
    Grupo de Estudos da Localidade (ELO)

    ResponderEliminar
  7. Ingrid Motta da Rocha Antonio, Grupo ELO USP Brasil

    Boa tarde!
    Sou aluna do curso de Pedagogia da USP de Ribeirão Preto (SP).
    Além do texto retratar perfeitamente o cenário em que nos encontramos, ele também acaba sendo importantíssimo para conscientizar (não só, mas principalmente) os professores acerca do papel fundamental que temos não só na sala de aula mas fora dela. A luta pela democracia, mesmo que árdua, nunca deve deixar de ocorrer. E essa luta só é possível através de uma educação libertadora que estimule os sensos: crítico, de justiça e de coletividade.

    ResponderEliminar
  8. Sérgio Souza Grupo ELO - USP e Universidade Fed. de Rondônia - UNIR1 de marzo de 2023, 11:40

    Os países da América Latina têm sido marcados por processos de desigualdade social intensa e grande repressão política, ambos aspectos estruturados com base em estruturas racistas, elitistas e machistas. Em nosso continente e, particularmente no Brasil, as dinâmicas de opressão e desigualdade têm sido reafirmadas na última década por uma intensificação do neofascismo em diálogo com o neoliberalismo. Por um lado, o avanço da financeirização das economias e os arranjos econômicos neoliberais, com a imposição de normativas legais (a exemplo da lei de teto de gastos no Brasil), legitimam uma drenagem dos recursos públicos e das riquezas nacionais cada vez mais concentradas em poder das parcelas ínfimas da burguesia. Agiganta-se, assim, um quadro de pequenas parcelas sociais bilionárias enriquecendo-se em escalas geométricas frente a amplas maiorias empobrecidas e miserabilizadas, hoje com mais de 33 milhões sem o mínimo para manter suas vidas revirando lixeiras e procurando se alimentar até com ossos. Por outro lado, os partidos reacionários, as mídias corporativas, junto a setores fundamentalistas religiosos, a parcelas de militares e do sistema jurídico, constituem um bloco hegemônico de disseminação de práticas discursivas eivadas de estigmas e estereótipos contra movimentos sociais, partidos políticos e instituições públicas e privadas comprometidas com a democracia substantiva e com justiça e solidariedade social. Este bloco hegemônico, aliado a movimentos regressivos de base nazifascista, reaviva e/ou intensifica diferentes práticas discursivas fundadas no ódio à diversidade sociocultural, ao livre exercício da política como âmbito de debates, produção de soluções e direcionamentos da vida social. Nesta lógica autoritária, também se reafirma um desprezo a todas as formas de vida constituintes da sociobiodiversidade. Estas são dimensões de um quadro mais amplo que emoldura os limites e as possibilidades que precisamos lidar na construção de práticas educativas voltadas para a autonomia, a consciência crítica e a soberania das populações do Brasil e, com suas particularidades, dos demais países da América latina.

    ResponderEliminar
  9. Para entender mejor la confusión de posiciones en el panorama político recomiendo la lectura de
    STEFANONI, Pablo. ¿La rebeledía se volvió de derechas? Cómo el antiprogresismo y la anticorrección política están construyendo un nuevo sentido común. Es un libro editado en 2021 por Siglo XXI editores de Argentina
    Un saludo,
    Xosé M

    ResponderEliminar
  10. Ótimo texto de apoio para compreendermos não somente a realidade política brasileira como também de países próximos ao Brasil. Geralmente nos preocupamos tanto com nossa realidade que esquecemos de observar o que tem acontecido “lá fora”. Esquecemos que, o que ocorre nos países vizinhos, também afeta o nosso país, nossa localidade. De certa forma, uma provocação para ficarmos atentos aos diversos contextos políticos, principalmente de países próximos ao Brasil.
    Victória M. S. Paixão - Grupo ELO/USP - BRASIL.

    ResponderEliminar
  11. Parabenizo pela pertinência e atualidade do tema e do texto propostos. Exalto também os comentários acima e desejo agregar uma impertinência, uma angústia derivada do perspectivismo (ou pluralidade) de narrativas que encontramos em autores como Paul Ricoeur (2014).
    Começo evocando a trajetória do Jair, o Capitão envolvido em uma tentativa de explosão (atentado a bomba) em um quartel no Estado do Rio de Janeiro, em meados dos anos 1980. Após uma primeira condenação, uma mudança controversa do Superior Tribunal Militar (STM) reverteu a decisão em 1988, em benefício do réu (CARVALHO, 2019). Sua biografia política inclui fortes ligações com grupos milicianos no Rio de Janeiro o que implica outro embate de narrativas, sublinhado pelo estudioso das milícias, Luiz Eduardo Soares (2022) que afirma:

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Os resultados do primeiro turno das eleições de 2022 mostram que Bolsonaro se ajustou à política brasileira, enraizou-se nas lógicas tradicionais e integrou-se, organicamente, à dinâmica do conservadorismo nacional. Quem prefere ler essa constatação com indulgente otimismo, vê nesse fenômeno o sinal positivo da domesticação de um populista autoritário, fadado a “normalizar-se”, isto é, forçado pelos imperativos da realidade a respeitar as quatro linhas do jogo constitucional. Nessa perspectiva benfazeja, a despeito de “bravatas” e grosserias, Bolsonaro seria apenas mais um ator da democracia, cuja legitimidade mereceria ser reconhecida. Esta conclusão me parece tão absurda, intelectualmente, quanto abjeta, moral e politicamente. De meu ponto de vista, quando um líder fascista acopla sua máquina de guerra às estruturas orgânicas tradicionais do conservadorismo político brasileiro, o que se prenuncia é o ocaso de nossa frágil, precária, contraditória e limitada experiência democrática. [...] (SOARES, 2022, np.).

      Ora, afinal como encaminhar este antagonismo de narrativas? Tipos como o ex-Presidente são produto da política brasileira e podem ser abarcados pela democracia ou são criminosos? Como expurgar, dentro das regras democráticas, elementos antidemocráticos? Como superar a existência não de um homem e sua família, mas de contingente de talvez 20% ou 30% da população, que não surgiu agora, mas que historicamente se identificou ao udenismo, lacerdismo, janismo, malufismo e que agora se aglutina com outros elementos contemporâneos como o milicianismo e o evangelismo para formar o bolsonarismo? Minha hipótese, diante deste atual impasse em que nos encontramos, seria distinguirmos democracia e república, pois este último conceito é acompanhado de referências políticas, filosóficas, históricas e jurídicas que evidenciam melhor os crimes do ex-presidente, seus apoiadores e até de simpatizantes, afinal, é mais evidente que esse grupo não convive com princípios como separação de poderes, impessoalidade, respeito a qualquer regra ou coisa que pertença ao âmbito do público. Quando se trata de democracia, ao contrário, o debate tende a ficar mais turvo, afinal a família inteira do ex-presidente (incluindo ex-esposas que continuam suas relações políticas com ele, mesmo após a separação) acumularam vitórias e ascensão na política democrática, por isso, se identificam (ou se identificariam) deveras com eleições, com embates panfletários ambiesquerda, defesa da liberdade – entendida como um afrouxamento radical das regras – algo perigo do ponto de vista da organização de uma sociedade, pois favorece quem tem poder seja econômico, político e/ou das armas, vale a lei do mais forte – . Uma concepção de liberdade que convence e seduz muita gente no embate de narrativas, confunde/turva a comunicação e o debate como reza a cartilha do Steve Bannon, estamos diante da pós-verdade, por isso, o enfrentamento é ainda mais difícil.

      Eliminar
    2. Humildemente, acredito que ajuda a diminuir a confusão, colocarmos em tela com didática, dialogação e insistência a res-pública, afinal um Presidente que atenta contra o próprio cargo ao faltar com o decoro em diversas situações, desobedece a Carta Magna vigente e promove a desarmonia dos poderes, ataca flagrantemente os valores republicanos, sem os quais é inviável a democracia brasileira.
      Saludos desde Ribeirão Preto – SP, Brasil.
      Faustino – Grupo de Estudos da Localidade ELO/USP


      CARVALHO, Luiz Maklouf. O Cadete e o Capitão: A vida de Jair Bolsonaro no quartel, SP, Editora Toda via livros, 2019. Disponível em: http://resistir.info/livros/capitao_bolsonaro.pdf. Acesso em: 3 mar. 2023.

      RICOEUR, Paul. O si-mesmo como outro. Tradução: Inove C. Benedetti. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2014.

      SOARES, Luiz Eduardo. Brasil em contagem regressiva. Adital, Instituto Humanitas Unisinos, São Leopoldo, 2022. Disponível em: https://www.ihu.unisinos.br/categorias/622989-brasil-em-contagem-regressiva-artigo-de-luiz-eduardo-soares. Acesso em: 3 mar. 2023.

      Eliminar
  12. Cristina Martínez Navarro12 de marzo de 2023, 1:51

    Como alumna del Master de Profesorado en Secundaria de la UAL, considero fundamental tratar estos temas en el aula. A partir de mi experiencia en un centro educativo, puedo afirmar que estos temas son de gran relevancia para el alumnado. Podríamos trabajar esta temática en España en torno a la bipolarización que se lleva formando en los últimos años en torno a izquierda o derecha, incluso con el auge de la extrema derecha no sólo en España sino en otros países de Europa.

    Hay que poner en valor la democracia y el diálogo racional como forma de resolver los conflictos frente a la violencia. Mostrar el daño que pueden hacer las divisiones ideológicas, en vez de intentar llegar a un punto de encuentro por el país, no por ellos mismos.

    Con esto podemos sentar las bases para la educación de una ciudadanía democrática, activa y consciente de las problemáticas sociales actuales, con un pensamiento crítico frente a la demagogia de unos y otros partidos.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Olá, Cristina. Espero que esteja bem. Muito bom ler seu comentário, pois me identifiquei com o tema por meio de uma experiência. Sendo discente do curso de pedagogia da Universidade de São Paulo (USP), durante o ano de 2022, tive a oportunidade de realizar um estágio não obrigatório numa escola da rede municipal do interior do estado de São Paulo. Auxiliei a professora durante todo o ano letivo numa turma do primeiro ano do ensino fundamental e foi impressionante perceber o quanto os assuntos políticos também permearam os comentários e as conversas de crianças de seis e sete anos. Foi perceptível observar a bipolarização e entender a posição política dos familiares, tendo em vista a fala de cada aluno. De fato, há a necessidade de haver uma educação política desde as primeiras etapas de ensino, mas sempre tenho dúvidas de como fazer isso. Como introduzir assuntos relacionados a política desde a educação infantil? Como contribuir na formação de sujeitos ativos, críticos e conscientes que vivem num contexto onde alguns pais e responsáveis não se importam com a democracia e banalizam seus direitos como cidadãos ativos na sociedade? Acredito que entre essas e outras problematizações, apesar de desafiadoras, permite-nos começar a pensar em estratégias que extrapolam o foco de ensinar aos alunos somente a ler e a escrever.
      Victória M. S. Paixão - Grupo ELO/USP - BRASIL.

      Eliminar
  13. Olá amigas e amigos, eu estimo que estejam bem.

    Primeiro, gostaria de parabenizar pela escrita do texto e enfatizar a importância desta discussão na atualidade.

    No que se refere aos países da América Latina, percebe-se com clareza a interferência na educação do neoliberalismo, no que concerne aspectos econômicos e neoconversadorismo, no que se refere aspectos políticos. As dinâmicas sociais são claras: manter a elite no poder e criar mão de obra barata.

    De forma brilhante, Michael Apple nos elucida com essa dinâmica quase dicotômica funciona:

    “O neoliberalismo defende um Estado fraco. Uma sociedade que deixa a "mão invisível" do livre mercado guiar todos os aspectos de suas interações sociais é vista não só como eficiente, mas também como democrática. Por outro lado, o neoconservadorismo orienta-se pela visão de um Estado forte em certas áreas, sobretudo no que se refere à política das relações de corpo, gênero e raça, a padrões, valores e condutas e ao tipo de conhecimento que deve ser transmitido a futuras gerações. Essas duas posições não se acomodam bem juntas, dentro da coalização conservadora [...] A contradição entre elementos neoconservadores e neoliberais da coalização direitista é "resolvida" através de uma política que Roger Dale chamou de modernização conservadora. Tal política trata de: "libertar os indivíduos para propósitos econômicos e simultaneamente controlá-los para propósitos sociais; de fato, à medida que a "liberdade" econômica aumenta as desigualdades, é provável que aumente também a necessidade de controle social" (APPLE, 2011, p. 69-70).

    Diante disso, falando especificamente do Brasil (país do qual moro e, portanto, tenho mais repertório para discutir), um visível processo de sucateamento educacional (não tão recente) que visa um alunado pouco crítico e sem noções concretas de cidadania. As intencionalidades curriculares são esvaziadas e reformas educacionais atuais, como o Novo Ensino Médio, desconfigura e menospreza a área das Ciências Humanas, que tem o papel de potencializar ideias democráticas para que a sociedade brasileira possa refletir politicamente. Nesse sentido, penso que nosso papel enquanto profissionais da educação seja, entre outras atribuições, lutar e se rebelar para que possamos ensinar para os estudantes a serem ativamente politizados e não aceitar ataques à democracia.

    Francislaine Carniel
    Grupo ELO

    ResponderEliminar
  14. A respeito da questão "Que pode fazer a instituição educativa/escola face às
    situações de mobilização social em social?" que foi colocada reflexão e convite ao debate, no texto, acredito que não seria muito adequado uma instituição de ensino ter e defender um lado político definido para ser defendido em tais tipos de situações e sim ser neutra. Pois o aluno estaria indo na escola ou até faculdade para o ensino dos conteúdos que estão depositados em seu plano de ensino e não estar exposto a uma possível bipolarização política dentro do ambiente de estudo e aprendizagem. Portanto, os docentes deixando claro para o estudante sobre os fatos reais que estão ocorrendo no momento no País, porém sem dar ênfase no que poderia acreditar ser certo ou errado, bom ou ruim dos fatos políticos. Penso deste modo, porém não digo ser o correto. Apenas participando da atividade proposta pela Prof Lastória.
    Obrigada.
    Bruna G. Marques
    Estudante da turma XX do curso de Pedagogia
    FFCLRP-USP

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Difícil falar em neutralidade quando a realidade é divergente, chegar na escola pública na qual é mais afetada pelas consequências do sucateamento da educação e agir de forma neutra, principalmente nós como professores responsáveis pelo desenvolvimento crítico.
      “ aceita que a vida é assim”
      Não rola né ?!

      Eliminar
    2. Aliás apenas o fato de tratar como neutralidade e já impor o que você pensa!
      Concordando com os acontecimentos.

      Eliminar
  15. O artigo apresentado certamente provoca em quem mora em um dos países citados (no meu caso, o Brasil) lembranças sobre os momentos tensos vividos no cenário da política nacional dos últimos anos, com o fortalecimento de uma extrema direita fundada em notícias falsas e ataques ao regime democrático.

    A referida situação é, indiscutivelmente, problemática e não encontra solução simples. Nesse contexto, é necessário que a escola atue com o foco na formação de indivíduos pensantes e críticos, o que não é tarefa a ser feita do dia para noite.

    É necessário que o currículo seja formulado com atenção ao contexto social em que vivemos, afastando-se de propostas que priorizem a chamada educação bancária, tão criticada por Paulo Freire, e que se aproxime da realidade vivida em nosso país.

    As disciplinas de História e Geografia aparecem, assim, como essenciais para que os educandos entendam esse contexto social e evitem repetir os mesmos erros já cometidos no decorrer de nossa história, fornecendo meios para que esses problemas sejam identificados e evitados.

    É inegável que o processo será árduo, uma vez que os radicalismos ora existentes, com o negacionismo da ciência e a existência de ideias antidemocráticas, aparecem como grande obstáculo a uma formação que se pretenda crítica e focada em questões socialmente relevantes, mas é indispensável que nós, que atuamos no campo da educação, tenhamos o discernimento necessário para ensinar de modo a romper com esses ideais tão nocivos a uma sociedade que se pretende justa.

    Entretanto, é necessário que haja suporte para a formação dos professores para que atuem nesse sentido, o que nem sempre ocorre, uma vez que boa parte das escolas é gerida de modo a formar alunos não para a vida em sociedade, mas para o “sucesso” acadêmico e o ingresso em universidades renomadas, evidenciando mais um desafio a ser superado.

    Vinícius Orso de Brito
    Pedagogia – USP/Ribeirão Preto

    ResponderEliminar
  16. Olá! Meu nome é Yasmin Ribeiro Lourenço, sou estudante de Pedagogia da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP) da Universidade de São Paulo (USP) e gostaria de contribuir com a discussão através de algumas reflexões que tive ao ler o texto do Foro 31, “A necessidade de uma educação política a partir do sistema escolar”.

    “Medo de conflito com frequência leva professores e estudantes a se recusarem a encarar diretamente questões que poderiam servir como momentos úteis de ensino.” - Bell Hooks em seu livro intitulado Ensinando Pensamento Crítico: Sabedoria Prática.

    Estamos na Era da Informação, e hoje é possível que muitas pessoas tenham a oportunidade de compartilhar suas opiniões políticas através da internet, por exemplo. Teoricamente, isso seria algo brilhante para uma democracia, mas, nos últimos anos, o que temos encontrado em países como Brasil, Colômbia e Peru é uma polarização cada vez mais crescente, seguida de ódio, revolta e até mesmo morte. Em muitos casos, é possível perceber que não há diálogo, mas sim apenas cada lado tentando vencer e convencer o outro de que ele está errado. Por conta desses fatos, acredito que seja importante a discussão sobre letramento digital nas escolas, pois basta alguns cliques para que tenhamos acesso a conteúdos que estão apoiando um ponto de vista, mesmo que para isso sejam utilizadas informações falsas e distorcidas, fazendo com que pessoas leigas levem a informação adiante. É preciso que professores e alunos estejam cientes dos mecanismos utilizados digitalmente, e tenham raciocínio crítico ao se depararem com notícias veiculadas nas mídias. Por exemplo, não basta ensinar o gênero textual notícia para que o aluno saiba os nomes de cada estrutura e o tipo de texto que geralmente é utilizado nesse gênero, mas sim que ele entenda o seu conteúdo e saiba identificar informações falsas.

    Além disso, também é importante construir, desde a tenra idade, a noção de cidadania, com seus direitos e deveres. Muito do que é visto hoje em dia não se trata de uma opinião concreta do sujeito, mas sim reproduções de ideias criadas por terceiros. Em minha opinião, isso abre mais espaço para a polarização política, pois opiniões rasas não possibilitam debates saudáveis. Uma prática muito comum nas escolas é a de “debate fictício”, onde um tema é escolhido e dois grupos são montados, cada um para defender um ponto de vista diferente. Minha pergunta é: por que somente dois grupos? Isso também não auxilia, de certo modo, em uma binariedade de ideias? Além disso, embora os temas desses debates sejam de extrema importância, eles nem sempre fazem parte da realidade dos alunos do ensino fundamental, por exemplo. Então, acredito que modificar essas práticas com situações do cotidiano dos alunos pode tornar o debate fictício mais significativo, pois há mais chances de os alunos construírem suas próprias opiniões a partir de temas que eles vivenciam ou já vivenciaram, abrindo espaço para que novas opiniões e novos debates saudáveis sejam feitos conforme o passar dos anos. Afinal, uma opinião não é construída do dia para a noite, assim como uma democracia também não é. Polarização, por outro lado… bastam alguns cliques!

    Yasmin Ribeiro Lourenço
    Pedagogia/FFCLRP - USP
    Ribeirão Preto, Brasil.

    ResponderEliminar
  17. Voltamos no tempo, lá no ano de 2018 onde toda a campanha eleitoral do ex-presidente Jair Messias Bolsanaro foi toda via Internet e pelo meio de comunicação mais utilizado dentro do território brasileiro o, Whatsapp, onde dentro deste meio foi ofertado em poucos segundos algumas fakes news sobre o seu adversário e até mesmo sobre o seu plano de governo, com o fácil e rápido acesso dessas informações e também de alta demanda as pessoas começaram a compartilhar e fazendo assim uma campanha de maneira gratuita, mesmo aquelas que eram contra a candidatura, já no ano de 2022 o ex-presidente tentou retornar essa jogada, só que não foi dado certo, pois a polarização da população foi toda a favor do seu oponente e atual presidente, Luis Inacio Lula Da Silva.
    Dentro da pedagogia da autonomia que Paulo Freire nos deixou um dos principais pontos é que devemos criar sujeitos críticos, pensantes e que sabem ler o mundo e também ler as palavras, com tudo isso que ocorreu desde 2020 a população brasileira foi apenas alienada a uma indústria da informação rápida não fazendo questionar e muito menos fazer uma leitura de mundo em cima da leitura da palavra.
    Açucena Pereira Borges Primiani
    Pedagogia/FFCLRP-USP
    Ribeirão Preto, Brasil

    ResponderEliminar
  18. Marina Colli de Oliveira10 de abril de 2023, 14:04

    A escola é de fundamental importância para a formação de indivíduos com pensamento crítico e reflexivo, mas para isso é preciso pensar na formação de professores. Para que os alunos pensem criticamente é importante que a formação desses professores também seja feita de modo a estimulá-los a pensar criticamente, questionar visões de mundo, a buscar e aprimorar-se profissionalmente. Para isso é necessário ter condições mínimas que muitas vezes não encontramos, sobretudo nas escolas públicas.
    A escola é o lugar em que o aluno é apresentado aos conhecimentos historicamente construídos pela humanidade, em que a criança é o adolescente tem contato com uma diversidade de saberes que somam ou validam àqueles que já fazem parte de seu repertório. Assim, como professores temos o papel de buscar ampliar nosso próprio repertório e formação profissional, visto que somos sujeitos inacabados como defende Paulo Freire em Pedagogia da Autonomia e, ao mesmo tempo, estimular que nossos alunos se vejam como parte do mundo e também como sujeitos inacabados, em processo de aprendizado constante.

    Marina Colli de Oliveira
    Estudante de Pedagogia na FFCLRP -USP
    Ribeirão Preto, São Paulo - Brasil

    ResponderEliminar
  19. Lendo o artigo em questão fica indissociável o momento político que protagonizamos nos últimos anos, onde a polaridade de opiniões deixa de ser crítica e democrática quando passa a ser banhada por "Fake News", casos de intolerância e violência.
    Como escola precisamos ensinar, entendendo que "Ensinar não é transferir conhecimento, mas criar as possibilidades para a sua própria produção ou a sua construção." (Paulo Freire), pois somente através do pensamento crítico poderemos construir uma democracia ao formar cidadãos que entendem seu papel na sociedade, sem serem alienados com informações caluniosas. Para isso a formação continuada é indispensável, tendo em vista que precisamos nos manter atualizados para nos blindarmos de possíveis informações fraudulentas.
    Necessário, também, destacar o importante papel das disciplinas de História e Geografia, para a quebra desses padrões que acredito serem frutos da educação bancária que nos é imposto para benefício do sistema, pois ajudam aos discentes, saber em qual sociedade estão inseridos, o seu lugar no mundo, a sua cultura, seu território e antepassados.
    Ingrid de Castro Sousa
    Pedagogia/FFCLRP - USP
    Ribeirão Preto, Brasil.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Ingrid, concordo plenamente com você sobre formação continuada ser indispensável para todos os professores e professoras. Não apenas, no sentido da atualização, mas para além, trata-se da concepção de aprender a aprender continuamente tendo em vista o próprio processo de desenvolvimento profissional da docência. Receba um abraço grande, Professora Andrea Lastória. UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO - BRASIL.

      Eliminar
  20. Penso que nós educadores temos um papel fundamental nessas disputas sociais, é necessário ensinar os educandos a questionar os sentidos que são postos, as informações que circulam nas mídias sociais, onde foi produzida essas informações? Quem as escreveu? Em qual contexto? Apresentar outros pontos de vista de uma mesma informação.
    É importante compreender as crianças como sujeitos sócio-históricos atravessados pelas lutas sociais, contextos e ideologias presentes em determinado tempo histórico, elas estão inseridas nesses contextos de disputas, não são neutras ao meio disso tudo. Falo por experiência própria, ouvi crianças de 6 anos reproduzindo discursos problemáticos do atual cenário brasileiro. É fundamental que nós educadores tragam esses diálogos para as salas de aulas, não apenas ignorá-los, é complexo, pois as instituições de ensino tentam fugir dessas temáticas, porém a escola deve ser um local de debate, de reflexão e isso só é possível através do diálogo. Para encerrar, cito Paulo Freire no qual em sua teoria propõe uma educação problematizada que liberte os homens das suas situações de opressão, diz que isso só é possível por meio do diálogo. “O diálogo é o encontro entre os homens, mediatizados pelo mundo, para designá-lo. Se ao dizer suas palavras, ao chamar ao mundo, os homens o transformam, o diálogo impõe-se como o caminho pelo qual os homens encontram seu significado enquanto homens; o diálogo é, pois, uma necessidade existencial” (FREIRE, 1980, p.42).
    Juliana Rocha Cardoso
    Estudante de Pedagogia na FFCLRP- USP
    Ribeirão Preto, São Paulo - Brasil

    ResponderEliminar

  21. Meu nome é Giovanna Arcari Estevo, sou aluna do curso de Pedagogia da Universidade de São Paulo do campus de Ribeirão Preto, na Faculdade de Filosofia Ciências e Letras. Gostaria de contribuir com a discussão do fórum, a partir da leitura do texto “A necessidade de uma educação política a partir do sistema escolar“.
    Para isso gostaria de iniciar analisando um conceito que marcou e ainda marca o contexto dos países látinos americanos Brasil, Peru e Colômbia a “Bipolaridade política. Esse conceito foi muito utilizado no Brasil, principalmente no cenário democrático atual, no qual temos duas perspectivas políticas completamente diferentes. Uma pautada na democracia, na justiça social, no assistencialismo, no Estado laico, na liberdade de escolha e na taxação de grandes fortunas e principalmente no cuidado da população mais pobre, além da defesa de direitos sociais, trabalhistas, da saúde, educação etc. Do outro lado temos uma ascensão grotesca do autoritarismo e características estramentente nojentas do nazifascimo, com um patriotismo doente, um religiosismo completamente desrespeitoso com as outras religiosidades e o apoio de grandes empresários que foram amplamente beneficiados (nem preciso citar os perdões absurdos de devendos a receita federal e a remoção e tentativas de remoção de certos direitos trabalhistas).
    Assim temos dois lados de uma moeda bastante diferente, em um mesmo cenário catastrófico, com juros e preços absurdos e uma quantidade seríssima de mortes, causadas pela ascensão do negacionismo apoiado e evidenciado por um certo governo anterior. De um lado um líder político um tanto quanto carismático e muito injustiçado, aquele foi considerado o melhor presidente do Brasil pelo povo brasileiro, responsável por acabar com a fome no país (segundo o jornal Datafolha, pesquisa publicada no dia 19 de dezembro de 2021). De outro lado, um líder que apresentava falas e tinha atitudes problemáticas, e que durante seu governo o Brasil retornou ao Mapa da fome, e sim, considerado o pior presidente do Brasil pelo povo (segundo o jornal Datafolha, pesquisa publicada no dia 19 de dezembro de 2021).
    Fontehttps://g1.globo.com/politica/noticia/2021/12/20/lula-e-melhor-presidente-da-historia-para-51percent-e-bolsonaro-o-pior-para-48percent-aponta-datafolha.ghtml.

    CONTINUAÇÃO EM BAIXO

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Porém, para o nosso alívio, o lado bom (sim, eu não sou nem um pouco parcial e me orgulho disso) venceu! Nas últimas eleições aquele que foi considerado o melhor presidente da história do Brasil subiu a rampa e recebeu a faixa presidencial por representantes do povo. Entretanto a ameaça nazifacista ainda existe, a possibilidade do retorno à presidência de uma figura que ameaça a democracia brasileira, tão jovem e recente, ainda, infelizmente, é presente no cenário político brasileiro. Por esse motivo, é sim necessário uma educação política, que forme cidadãos críticos e pensantes, que conheçam a história das atrocidades que um Estado autoritário pode cometer, para que jamais certos cenários se repitam.
      Para isso, a formação inicial do professorado é de extrema importância. A educação inicial é o que reflete a nossa prática como professores, entender o contexto político do nosso país e refletir sobre ele deve ter com base muito estudo. A importância de se educar através do diálogo e da criticidade, fornecendo uma educação libertadora, que não seja pautada no tradicionalismo, e na educação bancária tão criticada por Freire. Além disso, devemos inspirar a autoria dos nossos estudantes, como autores eles podem ir além da mera reprodução.
      As mídias digitais, o mundo globalizado e a possibilidade de acessar diversas correntes na internet existem. E infelizmente, a possibilidade de manipulação de massas através das mídias é uma realidade. Nós vimos isso acontecendo, vimos as fake news se alastrando e contaminado a mente das pessoas no WhatsApp, no Telegram e por aí vai, trazendo consequências catastróficas. As pessoas simplesmente não queriam se vacinar, acamparam durante dias em frente aos quartéis e invadiram e apedrejaram a praça dos três poderes. Precisamos educar de maneira que nossos jovens sejam letrados digitalmente, que entendam o que tem por trás dos discursos na internet, e até mesmo em fóruns. Que jamais eles sejam manipulados digitalmente e se tornem manobras de massa e que para o bem deles e de toda sociedade, saibam diferenciar notícias falsas e verdadeiras.
      Nesse contexto, a tarefa dos professores e principalmente do ensino das ciências sociais é não ser neutra. Não existe neutralidade quando se entra em tópicos como o nazifascimo, o holocausto, a escravidão, ao golpe militar de 1964 e as duras consequências desse. A neutralidade não é possível quando se trata de governos autoritários de extrema-direita favorecendo o garimpo ilegal e deixando popolações indígenas morrendo de fome e por contaminaçã de mercurio, resultante desse mesmo favoreimento do garimpo ilegal. Educar para si que entendam contexto social, histórico e geográficos pode sim, e deve evitar que governos desse tipo acendam novamente à presidência. E isso vai depender de nossa luta e atuação como professores, afinal o ataque ao currículo de ciências humanas, na verdade a todo um currículo que tenha uma educação que liberte aconteceu e acontece todos os dias. As grandes elites brasileiras não querem nossos jovens e uma população pensante, crítica e dificilmente manipulável.

      Giovanna Arcari Estevo
      Pedagogia FFCLRP
      Ribeirão Preto, Brasil

      Eliminar
  22. Porém, para o nosso alívio, o lado bom (sim, eu não sou nem um pouco parcial e me orgulho disso) venceu! Nas últimas eleições aquele que foi considerado o melhor presidente da história do Brasil subiu a rampa e recebeu a faixa presidencial por representantes do povo. Entretanto a ameaça nazifacista ainda existe, a possibilidade do retorno à presidência de uma figura que ameaça a democracia brasileira, tão jovem e recente, ainda, infelizmente, é presente no cenário político brasileiro. Por esse motivo, é sim necessário uma educação política, que forme cidadãos críticos e pensantes, que conheçam a história das atrocidades que um Estado autoritário pode cometer, para que jamais certos cenários se repitam.
    Para isso, a formação inicial do professorado é de extrema importância. A educação inicial é o que reflete a nossa prática como professores, entender o contexto político do nosso país e refletir sobre ele deve ter com base muito estudo. A importância de se educar através do diálogo e da criticidade, fornecendo uma educação libertadora, que não seja pautada no tradicionalismo, e na educação bancária tão criticada por Freire. Além disso, devemos inspirar a autoria dos nossos estudantes, como autores eles podem ir além da mera reprodução.
    As mídias digitais, o mundo globalizado e a possibilidade de acessar diversas correntes na internet existem. E infelizmente, a possibilidade de manipulação de massas através das mídias é uma realidade. Nós vimos isso acontecendo, vimos as fake news se alastrando e contaminado a mente das pessoas no WhatsApp, no Telegram e por aí vai, trazendo consequências catastróficas. As pessoas simplesmente não queriam se vacinar, acamparam durante dias em frente aos quartéis e invadiram e apedrejaram a praça dos três poderes. Precisamos educar de maneira que nossos jovens sejam letrados digitalmente, que entendam o que tem por trás dos discursos na internet, e até mesmo em fóruns. Que jamais eles sejam manipulados digitalmente e se tornem manobras de massa e que para o bem deles e de toda sociedade, saibam diferenciar notícias falsas e verdadeiras.
    Nesse contexto, a tarefa dos professores e principalmente do ensino das ciências sociais é não ser neutra. Não existe neutralidade quando se entra em tópicos como o nazifascimo, o holocausto, a escravidão, ao golpe militar de 1964 e as duras consequências desse. A neutralidade não é possível quando se trata de governos autoritários de extrema-direita favorecendo o garimpo ilegal e deixando popolações indígenas morrendo de fome e por contaminaçã de mercurio, resultante desse mesmo favoreimento do garimpo ilegal. Educar para si que entendam contexto social, histórico e geográficos pode sim, e deve evitar que governos desse tipo acendam novamente à presidência. E isso vai depender de nossa luta e atuação como professores, afinal o ataque ao currículo de ciências humanas, na verdade a todo um currículo que tenha uma educação que liberte aconteceu e acontece todos os dias. As grandes elites brasileiras não querem nossos jovens e uma população pensante, crítica e dificilmente manipulável.

    Giovanna Arcari Estevo
    Pedagogia FFCLRP
    Ribeirão Preto, Brasil

    ResponderEliminar
  23. Mateus Poli Quassio10 de abril de 2023, 15:01

    O desenvolvimento de uma educação que estimule no indivíduo seu potecial altruísta, coletivo, comunitário está atrelado a uma educação que, também, desperte no indivíduo questões intrinsecas, como as identitárias, de territorialidade, de contexto histórico e de inserção cultural.
    Quando pensamos no papel da escola em contextos como o trazido pelo artigos - de polarização de opiniões - devemos tratar que a formação do pensamento social, acriticamente em maioria, é levada por uma tendenciosa rede de falsas informações sobre determinados assuntos e o individuo, imerso nesse contexto, toma opinões que muitas das vezes não o representa, sendo arrastado por essa enxurrada de extremismo. Dessa forma, o contexto escolar é convidado ao trabalho com questões históricas que façam do indivíduo próximo ao seu próximo, que, embora diferentes, possam compartilhar de exercício de transformação sociais - práxis - conjunta, sem esse extremismo dificultador. Para isso, a escola deve estar preparada para educar com sensibilidade, afetividade e objetivo para uma educação que abranja o pensar crítico do local ao global.

    Mateus Poli Quassio
    Pedagogia/FFCLRP - USP
    Ribeirão Preto, Brasil.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Olá, primeiramente gostaria de parabenizar as autoras pela pertinência das discussões apresentadas. Meu nome é Aline, sou aluna do Doutorado em Educação. Gostaria de comentar sobre a questão apontada pelo colega sobre a formação do pensamento social principalmente em relação ao ambiente escolar. Destacando que O preconceito como atitude não é inato. Ele é aprendido socialmente. Nenhuma criança nasce preconceituosa. A escola é um lugar privilegiado para a formação dos indivíduos, para novas ideias e reflexões e para a construção de valores, é um local ideal para refletir-se sobre diversos saberes e descobertas das ciências. Assim, a escola deve assumir cada vez mais uma posição antirracista.

      Aline Patricia Campos Tolentino de Lima
      Aluna da Pós-Graduação - FFCLRP- USP

      Eliminar
  24. Fernando Augusto Gomes Vinhota - Pedagogia FFCLRP - USP - Turma XX
    Ribeirão Preto

    Após a leitura do artigo, confirmo novamente (como já apoiava antes) a necessidade de uma educação nas escolas que seja crítica e coloquem os seus alunos a questionarem e refletirem a situação social e politica dos meios em que estão inseridos, até como forma de se manter a democracia vigente em um território e não apenas no discurso, além de se evitar uma polarização radicalizada, como pontuado no texto lido. Em um momento que vive-se uma exacerbada quantidade de informações falsas e plataformas midiáticas tendenciosas e sensacionalistas, a escola deveria cada vez mais abraçar a responsabilidade de educar a partir da verdade, com bibliografias e bases que coloquem o aluno a criticar o universo/realidade a sua volta e o ensinem a argumentar a favor daquilo que acreditam e contra as desigualdades, opressões e exclusões causadas pelo sistema.
    Para isso, é necessário uma formação continuada de professores sobre as atualidades e as novas demandas educacionais, visando preparar e informar esses profissionais para o trabalho em sala de aula. É necessário também uma maior valorização das disciplinas de humanidades, além da efetiva interdisciplinaridade entre as outras áreas presentes na escola.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Olá Fernando, decidi comentar a partir do seu comentário pois é muito do que eu pensei ao ler o texto. Assim como você penso que a questão midiática tem influenciado os dicursos e isso afeta diretamente os alunos que acabam reproduzindo formas de agir/pensar que não tem embasamento. Assim aconteceu aqui no Brasil quando Bolsonaro foi eleito a partir de fake news e isso afetou as salas de aula de maneira que os alunos estão agora reproduzindo discursos preconceituosos, discursos pró- arma entre outros. Acho que como voce citou o que temos que fazer sempre é isso: educar para a verdade e não nos cansarmos de fazermos nossa parte, ainda que o trabalho seja árduo pois é preciso hoje descontruir coisas que foram ditas para que a verdade seja ensinada.
      Nayara Cristina Schimidt Fernandes- Pedagogia- Ribeirão Preto

      Eliminar
  25. Este artigo me trouxe diversas lembranças e angústias de situações políticas e sociais vivenciadas nos últimos anos aqui no Brasil. De fato é um tema muito importante a ser trazido em tona, pois a polaridade entre uma esquerda que luta por estatização, melhorias no serviço público de maneira ampla e dar visibilidade às minorias sociais com políticas públicas e uma direita pautada no armamento, notícias falsas, privatizações e cortes orçamentários nos setores públicos realmente vê-se um Brasil desafiador de estar e trabalhar socialmente a base da sociedade através da educação.
    Nisso, vejo que a escola precisa e deve trabalhar com um ensino político e social para com seus alunos e professores. Nós professores precisamos compreender a realidade social política federal e com isso entender a realidade local da escola, dos alunos e de si mesmo para propor ensinos das diversas disciplinas e aqui no caso, de História e Geografia, que induza a reflexão crítica e social sobre o que estamos lidando atualmente e sobre os acontecimentos do passado para que isso se tornem pontos de reflexão e consciência sobre mobilização social ativa e revolucionária, fomentando a ampliação da democracia, de dar voz às minorias que por muito tempo sempre estiveram caladas, do aluno se compreender enquanto indivíduo participativo da sociedade democrática do país, da sua força, do seu poder politico e social de mobilizar os seus para um país democrático, laico, da diferença, da acessibilidade e da diminuição de desigualdades sociais.
    Por fim, parabenizo o artigo pelas contextualizações e debates trazidos à tona, pois me fez refletir sobre minha atuação no hoje e em meu breve futuro enquanto pedagogo nas escolas brasileiras.

    Murilo Guimarães Gonçalves
    Estudante de Pedagogia - USP FFCLRP
    Ribeirão Preto - SP (Brasil)

    ResponderEliminar
  26. Após realizar a leitura do texto, observei que os cidadãos recebem as notícias através do seu meio/canal de sua preferência, tendendo a continuar em sua bolha social e mantendo a reprodução de seus mesmos comportamentos.
    No contexto brasileiro, observamos durante as ultimas eleições a bipolarização de uma só nação, onde alguns só estavam interessados em seu próprio pensar estar, com isso percebemos o "desligamento" do lado humano de muitos sujeitos, tais sujeitos que atualmente se encontram insatisfeitos.
    Infelizmente, a bipolarização adentrou os corredores da escola e afeta o dia-a-dia das crianças. Me recordo que durante o contexto das eleições na escola em que trabalhava ocorreram muitas brigas entre os alunos, e muitas vezes o motivo era alguma fake news disparada pelo inominável.
    Acredito que o nosso papel como educador é oferecer uma educação livre de pretextos pessoais mas fortalecidos de conteúdos científicos e problematizadora como defendeu Paulo Freire, não podemos permitir que fatos tão assombrosos e perigosos para a formação pessoal de cada aluno.
    Assim afirmo a importância de uma educação política através da história e geografia, pois assim poderemos apresentar outras formas de pensar e fortalecer assim a autonomia de nossos alunos.
    Mariana Melo
    Graduanda: Pedagogia/FFCLRP- USP
    Ribeirão Preto, São Paulo - Brasil

    ResponderEliminar
  27. O presente artigo nos traz novamente a reflexão de que a democracia na América Latina está sempre “por um fio”, não entrando no demérito de sabermos da onde vem a manutenção da extrema-direita nos países citados, penso que como aluno de pedagogia, posso dizer que concordo com a argumentação apresentada no artigo FORO 31: La necesidad de una educación política desde el sistema escolar. Acredito que a educação política é fundamental para a formação dos alunos, pois além de fornecer conhecimento sobre o sistema político em que vivemos, também incentiva o desenvolvimento de habilidades como pensamento crítico e participação cidadã.

    No entanto, para que a educação política seja efetiva, é importante que ela seja abordada de forma adequada nas escolas. Isso significa que os conteúdos devem ser apresentados de maneira clara e acessível, levando em consideração a idade e o nível de desenvolvimento dos alunos. Além disso, é importante que os professores sejam capacitados para trabalhar com esses temas, de forma que possam estimular a reflexão e o debate crítico em sala de aula.

    Por fim, acredito que a educação política é uma ferramenta importante para construir uma sociedade mais democrática e justa. E como futuros educadores, devemos estar preparados para promover uma educação de qualidade e abrangente, que inclua também a formação política dos alunos.

    Isabela Magalhaes Rodrigues/FFCLRP-USP
    Ribeirão Preto, SP

    ResponderEliminar
  28. A escola é o ambiente de formação crítica dos alunos, é nela que eles aprenderão o passado e o presente e que fazem parte dos acontecimentos do país. Com isso, a formação crítica e continuada dos professores torna-se necessária para que ensinem seus alunos a conseguirem distinguir uma notícia verdadeira de uma falsa, por exemplo, visto que nos últimos anos no Brasil, as fake news estiveram em papel de destaque.

    Dessa forma, com o ensino de História e Geografia, é possível educar os alunos de forma política, favorecendo seus desenvolvimentos, além de auxiliar na compreensão do mundo e exercer seus papéis como cidadãos na sociedade.

    Laura Farnetani Friedrich
    Estudante de Pedagogia da FFCLRP - USP
    Ribeirão Preto, São Paulo, Brasil

    ResponderEliminar
  29. A polarização política vivenciada no Brasil tem corrompido as relações interpessoais ao promover atos de intolerância, desrespeito, desprezo e ações antidemocráticas, a exemplo disso ocorreu a invasão e destruição de patrimônios públicos na Praça dos Três Poderes em Brasília - DF pelos eleitores do ex-presidente Jair Bolsonaro devido a derrota do candidato nas eleições presidenciais. Esse cenário infeliz, faz-se presente, também, na realidade escolar, pois como é citado no texto os estudantes estão “[...] imersos nesse universo bipolarizado repleto de ódio, pouco diálogo, preconceitos e ignorância.” e, portanto, quadros de violência em razão de discordância de opiniões e silenciamento são enfrentados, frequentemente, pelos professores, principalmente de História e Geografia.
    As Diretrizes Curriculares Nacionais apresentam em seu artigo terceiro a formação do aluno cidadão como um objetivo a partir da interdisciplinaridade, presente no artigo sétimo. Nesse sentido, a instituição educativa ao trabalhar em conjunto as diversas áreas do saber promoverá a ampliação dos entendimentos e concepções interiorizados pelos alunos ao produzir reflexões e debates sobre assuntos que perpassam seu cotidiano para que o aluno se sinta pertencente ao ambiente em que está inserido, logo é, também, necessário a disseminação das pesquisas científicas para que o senso crítico do aluno possa de desenvolver. Desse modo, cito “Para ensinar e aprender Geografia” de Pontuschka, Paganelli e Cacete (2009): “A leitura e a compreensão do mundo estão diretamente relacionadas à uma formação cidadã. É necessário que o estudante compreenda as relações presentes à sua volta, as características ambientais e sociais do seu entorno, além de perceber-se como autor da própria realidade.” e, assim, compreenda a importância de questionar as informações que são repassadas pelas mídias digitais e outros meios de comunicação.
    Eloisa Galatti Mendonça
    Pedagogia/ FFCLRP – USP
    Ribeirão Preto, Brasil.

    ResponderEliminar
  30. Pensando nesses cenários totalmente polarizados politicamente, devemos pensar também no ambiente escolar e como são tratados assuntos como estes, do artigo, durante as aulas, principalmente nas de história e geografia, onde eles tendem a aparecer mais frequentemente. Nós como pedagogos, ao invés de proibir e fugir terminantemente do tema político em nossas aulas, é de extrema importância trazer os fatos importantes não só do país em que vivemos mas do mundo também para nossos alunos, afinal a escola é sim um ambiente que deveria ser usado para debates e discussões respeitosas entre os estudantes, afinal, só dessa forma poderemos criar pessoas com pensamentos críticos e que sabem se posicionar diante o mundo.
    Além disso, dentro de sala de aula teremos um pouco mais de controle acerca das fake news que circulam a internet, além de conseguirmos trazer os mesmos fatos porém contadas de versões diferentes e veículos diferentes, sem que eles sejam tendidos à um lado político.
    Luiza Souza Galli Bianco
    Pedagogia/ FFCLRP - USP
    Ribeirão Preto - São Paulo, Brasil.

    ResponderEliminar
  31. Após ler o texto e refletir sobre o cenário político acredito que seja de extrema importância uma educação crítica e reflexiva nas escolas, que capacite os alunos a questionar e refletir sobre a realidade social e política que os cerca. Vivemos em uma época em que a desinformação e a polarização política são cada vez mais comuns, e cabe à escola o papel fundamental de educar a partir da verdade e da reflexão crítica.

    É fundamental que a escola assuma sua responsabilidade social de formar cidadãos críticos e conscientes de seu papel na sociedade, capazes de lutar contra desigualdades, opressões e exclusões. Dessa forma, podemos contribuir para a construção de uma sociedade mais justa e democrática.

    Maria Rita Paulino de Jesus
    Pedagogia / FFCLRP USP
    Ribeirão Preto - SP

    ResponderEliminar
  32. A partir dos assuntos discutidos no texto, fica evidente a importância que a escola pode desempenhar diante das mobilizações sociais. Para que isso ocorra, é preciso que o professor compreenda que a criança é um sujeito sócio-histórico, é um ser ativo, que participa ativamente da sua própria aprendizagem e que está inserida no contexto social e histórico, apresentando suas experiências culturais e suas características individuais. A partir disso, a escola deve criar um espaço para o diálogo e debate, com o objetivo de discutir as questões sociais, os problemas, desafios e o contexto político do país e do mundo. Assim, promoverá pensamento crítico e reflexivo entre os estudantes, incentivando a questionar e analisar diferentes perspectivas e opiniões. Dessa forma, ensinar geografia e história em contextos sociais, marcados por radicalismo, pode ser desafiador, mas uma oportunidade para promover uma educação crítica e reflexiva, baseando-se em evidências e pesquisas educacionais. E para isso, dependerá da luta e da persistência dos professores por uma educação libertadora.
    Luisa Scarpa Hilário
    Pedagogia/FFCLRP - USP
    Ribeirão Preto, Brasil

    ResponderEliminar
  33. Com o texto fica muito claro como uma polarização radicalizada tomou conta dos países nesses últimos anos, reforçando novamente a necessidade do diálogo crítico dentro dos espaços escolares, uma vez que eles devem ser um espaço plural e aberto com debate, para que os alunos desenvolvam a sua criticidade. Especialmente após um governo que defende a escola sem partido, que nada mais é que a censura e limitação que tomam conta da sala de aula - que jamais será neutra. É de suma importância que a escola seja um local que analisa e debate diariamente as relações de poder dentro da sociedade, e lembremos: política se discute, sim!

    Ana Beatriz Margonari
    Pedagogia - FFCLRP
    Ribeirão Preto, Brasil.

    ResponderEliminar
  34. Durante a leitura do artigo, foi possível relembrar as tristes cenas de atitudes antidemocráticas, podendo ser definida como desrespeito público e vandalismo, mas que, para a opinião e pensamento de parte da população brasileira, era uma manifestação pacífica, onde estavam apenas exercendo os seus direitos. Ao pensar como as redes sociais foram grandes influenciadoras e disseminadoras de notícias falsas, com falas totalmente distorcidas, onde diversos de brasileiros acreditavam fielmente que tais notícias eram totalmente verídicas, é notório a necessidade de formarmos cidadãos críticos, capazes de discernir se tal informação é verdadeira ou falsa.
    Durante o período brasileiro apresentado no artigo, falas sobre a ditadura militar se fez muito presente, sendo apresentada como um momento bom e próspero para a população, e tais falas nos faz refletir sobre como um momento tão complexo e problemático, pode ser visto e explanado como algo bom, pois tais pessoas analisam apenas as suas próprias vidas e realidade durante o contexto. Diante disso, nós, pedagogos e formadores de cidadãos, precisamos fornecer aos nossos estudantes o amplo conhecimento sobre a história de nosso País e do mundo, como os fatos históricos foram importantes e influenciaram diretamente a nossa humanidade, para que os mesmos consigam compreender que não é porque o indivíduo não presenciou tal situação histórica, que ela não o influencia, por isso, precisamos abrir espaços para o diálogo crítico, para que os nossos estudantes consigam desenvolver a sua criticidade, sendo capaz de analisar as situações de maneira ampla, abrangendo todas as camadas de nossa população e em como cada situação ou momento histórico as influenciam, para que consigam sair de sua bolha e sejam sujeitos críticos, que questionam e não se deixam serem influenciados por notícias fake de redes sociais.

    Rafaela Lobo Santeiro
    Pedagogia - FFCLRP
    Ribeirão Preto, Brasil.

    ResponderEliminar
  35. Bárbara Vitória Desan de Alcântara10 de abril de 2023, 16:25

    Pensando acerca da proposta de reflexão com base no artigo, sou defensora da ideia de que a História, inevitavelmente, se repete no decorrer do tempo. Dessa forma, quando analisamos os acontecimentos históricos dos países e sociedades humanas, percebemos uma ascendência recorrente das disputas e debates sobre ideologias e governos de esquerda e direita, bem como movimentos sociais e políticas que lutam ou ameaçam a democracia nos países (e escolas). Sendo assim, acredito que uma das bases para enfrentarmos as bipolarizações radicais que (atualmente) ocorrem nos países (especialmente nos 3 enfocados no artigo – Brasil, Colômbia e Peru) seja a criação de um currículo escolar que capacite o cidadão a ser crítico, questionando o que lhe é apresentado, e não apenas aceitando o que é transmitido pelas mais diversas fontes (seio familiar, convívio social, mídias, governo, etc.) sem qualquer tipo de investigação do porquê de determinado assunto ou tema ser como é, se existe possibilidade de se mudar a realidade, desde que benéfica de um modo geral. Assim sendo, entendo como importante uma grade curricular que possibilite o estudo e a reflexão dos movimentos sociais e acontecimentos históricos que são tão importantes para a constituição e formação das comunidades e movimentos políticos de cada país para que assim se possa atuar e refletir (criticamente) sobre a realidade em que se vive.
    Dessa forma, podemos também criar um cenário escolar que combata a falta de diálogo e a ignorância entre grupos que resultam em tantos atos de ódio e são tão presentes nas sociedades em que vivemos. Acredito que dessa maneira, e com a formação capacitada de um professor que saiba conduzir tais discussões em sala de aula – sem apologizar determinadas ideias, mas também não deixando de apresentar todos os lados da história e por quê determinadas ideias são vistas como importantes para suas determinadas comunidades – possa resultar em movimentos sociais que sejam mais críticos, empáticos, reflexivos, além de formar alunos que saibam se portar frente às suas comunidades porque conhecem e se comprometem com a história do seu país, bem como das diferentes comunidades e regiões que os cercam também – além de possibilitar maior conhecimento na luta contra opressões, exclusões e as diversas desigualdades frequentemente propagadas pelo sistema e movimentos arbitrários.

    Bárbara Vitória Desan de Alcântara
    Estudante de Pedagogia na FFCLRP – USP
    Ribeirão Preto, São Paulo - Brasil

    ResponderEliminar
  36. O atual cenário político vivenciado se tornou tão problemático que passou a também interferir negativamente nas relações e na vida das crianças, à medida que se tornou comum dentro das escolas atitudes de intolerância, desrespeito em conjunto com falas e ações antidemocráticas envolvendo as crianças.

    Além disso, disciplinas como Geografia e História, essenciais para que o sujeito aluno entenda o seu contexto social, vem sofrendo ataques constantes. Fato que tem influência direta na formação. Dessa forma, se torna extremamente necessário trazer as temáticas da realidade para a sala de aula, a fim de que a partir de diálogos o aluno ocupe uma posição crítica e possa lutar pelo aquilo que acredita, entendendo de fato a influência das suas ações na sociedade.

    Portanto, é de suma importância que nós como educadores assumamos na nossa luta a formação continuada como pilar da nossa profissão.

    Gabrielle Garcia Cardoso
    Estudante de Pedagogia da FFCLRP - USP
    Ribeirão Preto, São Paulo, Brasil

    ResponderEliminar
  37. O artigo em questão, nos faz refletir sobre a importância de uma educação política. Digo política, no sentido de tornar seus educandos cidadãos contestadores das "verdades de Whatsapp" e pseudociências, que não se a opoiem na ideologia da falsa neutralidade e que não confundam politizar com apoiar-se ou se identificar com determinado partido político.
    Em primeiro lugar e assim como está exposto na síntese do artigo, estamos imersos na tecnologia e no mundo digital, ou seja, uma realidade paralela a nossa, que se sustenta a partir da "realidade material". Porém, também podemos observar nesse mundo digital a criação de verdades próprias ou deturpação da realidade, com o intuito de disseminar inverdades para o mundo real, o lugar da materialidade das coisas.
    Assim, quando pensamos nessas questões expostas no texto, como a bipolarização política dos países e o poder do mundo digital na formação de opiniões (e não argumentações), as indagações feitas pelos autores me fazem refletir sobre a necessidade de uma educação autônoma, questionadora, que coloca o aluno e o professor na posição daqueles que "nada sabem" e por isso devem permanentemente buscar o saber (assim como Sócrates nos ensina).
    Portanto, pensar na necessidade de uma educação política a partir do sistema escolar, é projetar uma educação que desacredita da neutralidade, questiona as verdades do mundo digital e nega o negacionismo científico. Também é uma educação que traz autonomia para professores e alunos, além de tornar esses em cidadãos conscientes de sua realidade social e política.

    Evelize Samarina de Almeida
    Pedagogia, FFCLRP - USP
    Ribeirão Preto, SP - Brasil

    ResponderEliminar
  38. Este artigo foi essencial para pensar no momento presente que a sociedade brasileira está perpassando, sobretudo como a escola deve se posicionar diante disso, em detrimento dos constantes desafios que se passam pelo “chão” da escola, e seus desdobramentos nos educandos, já que estes estão presentes nos acontecimentos ocorridos no corpo social e como a escola deve se posicionar diante dessas diversas contradições que surgem com a bipolarização da política que carrega conflitos armados, instabilidade financeira e desigualdades que deixam marcas no ensino trazido aos alunos, pois nenhum conhecimento transmitido é neutro, todos carregam consigo ideologias e estas influenciam a formação do sujeito presente, o qual tem como direito o seu desenvolvimento integral.
    Sendo assim, como não há “ensino neutro", é fato que o corpo docente deve se posicionar a fim de formar sujeitos críticos que buscam o conhecimento para o bem comum e não somente a serviço do próprio benefício, visando contribuir para uma sociedade emancipada.
    Desta forma, estaremos garantindo uma educação emancipatória à criança e assim investindo numa infância digna para que futuramente não venhamos ter os mesmos conflitos tidos atualmente, como diz Paulo Freire: “Educação não transforma o mundo. Educação muda pessoas. Pessoas transformam o mundo.”

    Camily Borges Oliveira
    Pedagogia - FFCLRP/USP
    Ribeirão Preto, Brasil

    ResponderEliminar
  39. Há quatro anos, estávamos vivendo um cenário bastante complicado em nosso país. Após a leitura do texto, consegui refletir sobre diversos pontos que não havia pensado tão afundo e agora creio que seja de suma importância para todos os educadores em formação (ou não), analisar e considerar o que aqui foi escrito.
    Torna-se necessário que nós, professores, tenhamos um olhar crítico a tudo que vivenciamos, pois estamos aqui para formar indivíduos que discutam e argumentem. Viver em um governo que censurou drasticamente a educação, trouxe a tona muitas dificuldades e revoltas, e por isso não podemos nos calar.
    Cada oportunidade de fala, diálogo e debate sobre o processo sociológico, histórico, geográfico e cultural do nosso país deve ser aproveitado, pois a partir desses conhecimentos, conseguimos construir um ensino que caminha junto à democracia e com isso, desenvolver uma sociedade mais justa e consciente, fazendo com que o estudo de história, geografia e ciência possua muito valor na educação brasileira.
    Giovana R.
    Pedagogia - FFCLRP
    Ribeirão Preto, Brasil.

    ResponderEliminar
  40. Diante dos cenários apresentados pelo texto, principalmente a realidade do Brasil, a educação, ao construir seu currículo e a forma que deseja ensinar, está fazendo uma escolha colocando assuntos a ser apresentados e deixando outros de fora, logo não é neutra. Assim, na luta a favor de um pensamento crítico, de uma cidadania crítica, o ensino de história e geografia e sua função social são de grande importância nesse processo, pois por meio dele podemos refletir sobre a nossa história e analisar, identificar e pensar em soluções para os problemas da sociedade.

    Beatriz de Carvalho Castro
    Estudante de Pedagogia na FFCLRP - USP
    Ribeirão Preto, São Paulo, Brasil

    ResponderEliminar
  41. No contexto atual no qual estamos enfrentando está marcado por consequência de um governo extremamente autoritário, na qual defendia a violência física e verbal como forma de repreensão. Observamos reflexo nas escolas e como a educação crítica foi demasiada no decorrer desses anos, pois era algo difícil, mas estávamos conseguindo avanços.
    Portando, no momento atual está ocorrendo uma bipolarização dificultando o trabalho do professor, mas em contrapartida fazendo avanços como os protestos contra o novo ensino médio.
    Ademais, as escolas vem auxiliando no contexto atual contrapondo há imposição do novo ensino médio, tornando-se uma mobilização social além do âmbito escolar.
    No contexto da ditadura militar evidente o radicalismo e a repreensão no âmbito escolar, mas os professores não deixaram de lutar pelos avanços sociais. Assim, utilizando de formas críticas as ambiguidades para o desenvolvimento de seus alunos afim da reflexão do atual contexto que era vivenciado.
    Portanto, expondo o cenário atual e a importância das lutas sociais dos professores para o fortalecimento da educação. Deste modo, a formação dos professores com viés crítico desenvolverá concepções para o enfrentamento da desvalorização da educação, mostrando o quanto é importante a luta contra o negacionismo.

    Juliana Natali Guimarães
    Estudante do 3 ano de pedagogia na Universidade de São Paulo
    Ribeirão Preto, 10 de abril 2023

    ResponderEliminar
  42. Olá, primeiramente parabenizo a publicação do artigo que aborda um tema de extrema importância no contexto sócio-histórico e da atualidade na América Latina, além de parabenizar a todos por suas contribuições com excelentes comentários que enriquecem o debate.
    O artigo nos elucida sobre a importante discussão que envolve o papel do educador dentro deste contexto em que vivemos nós moradores dos países latinos. O professor e a escola são sujeitos da mudança necessária para uma construção de cidadãos ativos na política, a educação não é um ato neutro e nem deve de ser é função do educador situar os educandos em sua realidade e lhes apresentar a sociedade de forma que eles se entendam como seres importantes, pertencentes e atuantes.
    Movimentos como o "Escola sem partido" no Brasil buscam silenciar a voz da comunidade escolar, pois sabem que está tem função primordial na construção de seres críticos, investigativos e científicos, que não aceitam as realidades impostas, é de característica marcante de governos autoritários e totalitários o silenciamento nos âmbitos educacionais, no governo de um populista autoritário como o ex-presidente Jair Bolsonaro isto não seria diferente, o silenciamento e a falta de questionamento e cientificidade são palcos livres para o bipolarização política, pois não abre espaço para discussões mais amplas e aprofundadas.
    A política - focando no Brasil - atual em minha humilde visão está em uma disputa gritada (gritos claros quando assistimos falas de Bolsonaro que falta com a educação e o decoro a todo momentos desrespeitado toda e qualquer pessoa que não o apoie) onde não se tem espaço para a real discussão e dialogo que permitiriam a resolução de embates, é função da escola que prepare e divulgue a nossa sociedade as maneiras mais eficientes de se dialogar e viver a política.
    O ser humano é um ser político, a escola não seria diferente.
    Espero ter contribuído minimante com o excelente debate.
    Juliana Rodrigues de Lima
    Pedagogia - FFCLRP/ USP
    Ribeirão Preto, Brasil

    ResponderEliminar
  43. Ao longo do artigo, além de exemplificar diversas vezes o que a polarização política é capaz de fazer, infelizmente traz à tona diversas memórias pessoais (acredito que não seja exclusividade minha, e sim um consenso entre todos aqui) de situações vividas em casa, no trabalho, em locais públicos. O desrespeito e falta de conhecimento que se alastrou pelo Brasil com o aval moral do ex-presidente desde sua campanha até os dias atuais.

    E qual seria o papel da escola nisso tudo? A escola que nessas últimas semanas estão enfrentando mais uma consequência de um extremismo desenfreado, que são os atentados violentos as instituições de ensino.

    Todas essas ações passam por um processo, e a escola tem sim uma função dentro de tudo isso; a do conhecimento, que cada matéria consiga contribuir para a formação de cidadãos completos. Mas que a escola não seja a única responsável pelos resultados e consequências, que a segurança de seus funcionários e alunos não sejam algo negligenciados pelos órgãos que de fato são responsáveis pela segurança pública.
    Patrícia Y.
    Pedagogia - FFCLRP
    Ribeirão Preto, Brasil.

    ResponderEliminar
  44. Diante o texto apresentado, frente a realidade educacional brasileira, mais que nunca precisamos de uma educação crítica, de forma a que se criem novos sentidos de participação e desenvolvimento com o trabalho pedagógico.
    A pedagogia requer espaços/tempos críticos para poder atuar na perspectiva que seja de formação; de humanização e de emancipação.
    Uma educação crítica, pautada no diálogo e na problematização da realidade pode oferecer novos caminhos entre inúmeras culturas, etnias e lugares sociais, referendando um novo princípio de educação democrática, com base na ampliação e na consolidação dos processos emancipatórios e críticos.

    Tamara Rodrigues Silva
    Estudante do 3 ano de pedagogia na Universidade de São Paulo
    Ribeirão Preto, 10 de abril 2023

    ResponderEliminar
  45. Acredito que esta questão da polarização no cenário político brasileiro seja resultado de muitos fatores combinados, assim como afirma o texto, sendo os mais relevantes, sob meu olhar: a falta de um ensino de qualidade sobre a história do brasil; a falta de educação política nas escolas; e a ausência de pensamento crítico na maior parte da população brasileira. Fica evidente a necessidade de um ensino mais eficaz sobre a história do brasil quando parte da população fica acampada na frente de quartéis generais pedindo uma intervenção militar, quando apoiam e querem uma ditadura militar de novo no nosso país. Isso só mostra que essas pessoas não tiveram acesso a um ensino crítico sobre a história brasileira, sobre o que significa uma intervenção militar; sobre o que foi realmente a ditadura, o que a causou, quais as suas consequências sobre a sociedade, quem sofreu com isso; e, por isso, acreditam falsamente que ela foi boa e querem o seu retorno. Além desta questão, há também a falta de educação política, pois, ao não ensinar sobre o sistema eleitoral, os cargos políticos e suas determinadas funções no governo, muitas pessoas acreditam que o único responsável pelas coisas boas e ruins que acontecem no país é o presidente, contribuindo ainda mais para o cenário dicotômico que estamos vivendo. Por isso, é muito importante que as escolas introduzam essas questões no dia a dia e incentivem os alunos a votarem para representantes de sala, a entenderem como funciona o governo e a se interessarem pela política de seu país de modo a combater também o analfabetismo político, pois, foi por conta desta falta de interesse e de informação política que a situação chegou ao nível que está hoje. Estes fatores, somados à falta de pensamento crítico da população faz com que as pessoas acreditem em Fake News, pois não questionam a informação, não criam a sua própria opinião, o que, em conjunto com a falta de conhecimento, as tornam influenciáveis, contribuindo para essa polarização.
    Assim, a educação tem e teve grande influência sobre o cenário político e social que estamos vivendo hoje, de modo que um ensino de qualidade de geografia, história, política e ciências sociais é fundamental para que os alunos tenham um pensamento crítico e autônomo sobre a situação sociopolítica de seu país. Além disso, por meio desta forma de ensino, será possível evitar que esse cenário político dicotômico se repita no futuro, pois irá permitir que as pessoas votem mais conscientemente, permitindo também a possibilidade de uma mudança efetiva no cenário sociopolítico brasileiro.
    Kimberly Alves
    Pedagogia | FFCLRP - USP
    Ribeirão Preto, São Paulo, Brasil

    ResponderEliminar
  46. O texto apresenta questões importantes sobre a politica na América Latina, principalmente em um estrato de polarização politica que coloca em xeque os pilares democráticos e põe em risco todo um funcionamento social voltado a inclusão e tolerância, flertando com conceitos e ações já vividos no Brasil em meados de 64. Interessante pensar que o texto nos mune de informações que permitem ao leitor saber sobre fatos e dados e no final, termina com uma provocação sobre como será o ensino (principalmente de história e geografia) em um cenário de fake News, negacionismo cientifico, em uma sociedade que a palavra da década foi a “pós verdade”. É um desafio a todo educador, entender a docência como um ato politico por si só, buscando nos conceitos históricos e nas analises da geografia, um cenário escolar que permita que o aluno se posicione de forma critica e reflexiva perante seus atos dentro da sua comunidade.

    Ricardo Rodrigues de Oliveira
    Estudante de Pedagogia da FFCLRP- USP
    Ribeirão Preto, São Paulo - Brasil

    ResponderEliminar
  47. Leticia Gomes de Almeida10 de abril de 2023, 18:33

    Refletindo sobre o artigo, destacando nesse comentário principalmente o contexto do Brasil, fica evidente como a partir das eleições de 2018, a democracia vem sendo constantemente ameaçada em nosso país. Considerando tais acontecimentos, percebe-se o quanto a Educação tem um papel fundamental para construção de uma sociedade verdadeiramente democrática, por isso, consequentemente também sofre vários ataques.
    Em tempos em que a defesa de uma Escola sem Partido ganha adesão, por apresentar a ideia de que o ensino deve ser "neutro", portanto sem ideologias políticas, algo que é contraditório e errôneo, já que por trás dessa proposta há interesses de poder por parte de determinados grupos partidários, além de que educar é essencialmente um ato político. Nos últimos anos, presenciamos as consequências de viver em um país dividido pela bipolarização política, tal realidade revela a necessidade de recuperar a capacidade de exercer o diálogo, algo que é indispensável na luta por ideais democráticos.
    Sendo assim, é muito importante que haja educação política no sistema escolar, destacando a contribuição do ensino de História e Geografia no processo de constituição de cidadãos que pensem criticamente e atuem ativamente nas transformações políticas, econômicas e sociais.

    Letícia Gomes de Almeida
    Pedagogia/ FFCLRP - USP
    Ribeirão Preto, Brasil.

    ResponderEliminar
  48. Durante as eleições de 2018, foi possível evidenciar que o candidato Jair Bolsonaro construiu sua campanha alimentada por diversas fakes news por meios de aplicativos, além do incansável movimento mediático nesse período. A partir desse momento histórico torna-se evidente o quanto a informação, seja ela falsa ou verdadeira, é capaz de influenciar toda uma nação e desencadear consequências caóticas à sociedade.

    O (des)governo manipulador do ex-presidente Bolsonaro evidencia, também, a democracia em crise vivida nesse momento. Além disso, após seu (péssimo) mandato, repleto de fake news, distorção e manipulação de informações, a condição caótica em que se encontra a sociedade na absorção de informação verdadeiras e o movimento de criticidade e reflexão são extremamente preocupantes.

    Esse momento histórico é marcado fortemente pela bipolarização política entre esquerda e direito, como um confronto instaurado, não só no Brasil, mas assim como na Colombia e no Peru. Essas nações vivem momentos de extrema fragilidade e crise democrática, mas cabe o levantamento de reflexões sobre a formação dos professores que formarão os indivíduos que darão continuidade à nação.


    Raquel Mendonça do Nascimento, Pedagogia – FFCLRP

    ResponderEliminar
  49. O ser humano é político por natureza, e acredito que dentro das escolas se faz necessária discussões sobre as relações no mundo, a fim do desenvolvimento do pensamento crítico em nossos alunos.

    Vale ressaltar que política e partido político são coisas diferentes, e que não existe neutralidade. Para mim sala de aula não é palco para promoção partidária, o que é completamente diferente da existência de debates políticos nesses espaços.

    Debate é uma ótima maneira de provocar os alunos, trazê-los a reflexão, e assim, fazendo o pensamento crítico acontecer, promovendo a troca de conhecimento e desenvolvimento dos alunos.

    Além de que é preciso expandir horizontes, ensinar como fazer pesquisas, revisar as fontes, onde realizar pesquisas para assim termos informações confiáveis e não cair nas fake News. E mostrar que existe coisas além da realidade deles, argumentos diferentes das presentes na bolha em que vivem.


    Laura Pilotto de Arruda Campos- FFCLRP USP RP

    ResponderEliminar
  50. Perante o texto lido, é possível refletir sobre a importância dos debates dentro da sala de aula, de ensinar a debater, a pesquisar, a questionar. É importante ensinarmos para os alunos meios para identificarem fake news, a realizarem pesquisas confiáveis, ensina-los a ouvir opiniões opostas, a refletir sobre seus posicionamentos e, caso achem necessário, ensinar que podem mudar de opinião.

    Estes debates podem ter espaço principalmente em áreas de ciências humanas, complementados com conhecimentos em historia, geografia e inclusive sociologia, para compreender melhor a nossa sociedade, o contexto social no qual cada um está inserido, como chegamos até aqui, nossos erros e acertos, o que precisamos melhorar, nossos direitos e deveres. É necessário construir um pensamento crítico, para realmente conseguir avançar e melhorar como sociedade, sem repetir erros do passado, compreendendo diferenças sociais e regionais.

    Para trabalhar isto em sala de aula, a professora/professor deve se manter atualizada com as notícias, a nível nacional e internacional, trazendo assim uma diversidade de polêmicas que visem levantar diversos questionamentos que façam o aluno refletir sobre história, cultura, semelhanças e diferenças, assim como diretos e deveres. Não podemos esquecer, que também é necessária uma boa formação continuada que auxiliará ou até norteará as atividades a serem desenvolvidas com o intuito de construir diversas reflexões junto aos alunos.

    Os acontecimentos narrados no texto mostram uma sociedade que não soube dialogar, que desacredita da ciência e da sua própria história, que dá ouvidos a notícias rápidas e escandalosas sem verificar sua veracidade, e que acabou pedindo medidas que, caso atendidas, agiriam contra os direitos já duramente conquistados pelos nossos antepassados. É perceptível o quanto a falta de uma educação de qualidade, principalmente nas áreas mencionadas, afeta nossa sociedade atual, a qual em vez de se unir em prol de causas que realmente visem colaborar com uma melhoria social, preferem desacreditar dos fatos, da ciência, e se deixam levar por discursos e oralidades. É triste e desesperador ver o rumo que estamos tomando por falta de informação e formação.

    As nações mencionadas no texto estão passando por uma terrível crise democrática, e cabe as professoras/professores lutar por uma educação política (não partidária) dentro do sistema escolar com o intuito de formar cidadãos críticos que decidirão e participarão das mudanças sociais, políticas e consequentemente econômicas de cada país.

    Julia de Freitas Rodriguez
    Pedagogia/ FFCLRP - USP
    Ribeirão Preto, Brasil.

    ResponderEliminar
  51. Kleosny Santos Celestino
    Pedagogia /FFCLRP - USP
    Ribeirão Preto, Brasil.


    Este artigo me trouxe muitas reflexões acerca da política brasileira na qual vivenciamos nas últimas eleições e sobre a necessidade de uma educação de qualidade no sistema escolar.Nesse contexto, sou a favor de uma educação que estimule o aluno a ser crítico, pois devemos formar cidadãos questionadores.Para que assim, sejam capazes de questionar notícias falsas em mídias sociais, que seja indagado sobre a veracidade do assunto divulgado, que na qual pode se transformar em grandes tragédias. Para isso é necessário investimentos em formação continuada dos professores, para que seja demonstrado e estimulando os alunos a pensarem e questionarem sobre o assunto em sala de aula. Em seu livro da Autonomia de Paulo Freire, "Ensinar não é transferir conhecimento, mas criar as possibilidades para a sua própria produção ou sua construção.
    Dessa forma, a escola estará contribuindo na construção social ,cultural e histórica de cada aluno, transformando assim uma sociedade democrática e justa.

    ResponderEliminar
  52. cesar de sales junior16 de abril de 2023, 12:30

    Vejo que a grande força violenta do estado se dá através do embrutecimento da polícia onde esta cumpre rigidamente as leis propostas e aprovadas por políticos que nem sempre tomam as melhores decisões, eu como professor de arte no ensino prisional vejo que mais da metade doa meus alunos estão presos por algum crime relacionado às drogas. Essas pessoas que acham que tudo pode ser resolvido na base da pancada ainda não perceberam que países como a Colômbia, que a décadas luta contra milicianos do narcotráfico, descobriram que a melhor forma de resolver toda essa violência é uma solução mais simples adotada por outros países pelo mundo: a discussão sobre a criminalização das drogas.
    Recentemente foi publicado no Estado de São Paulo uma notícia sobre a discussão das leis de drogas no país:
    https://www.estadao.com.br/internacional/presidente-da-colombia-diz-que-vai-legalizar-plantio-da-maconha-sem-licenca-como-milho-e-batata/
    e essa decisão cortará pela raiz todo o dinheiro que financia as milicias capazes de fazer atrocidades pelo país. É uma discussão complicada de acontecer numa sala de aula porém é comum num contexto de sala de aula o assunto das drogas acontecer e essa é uma oportunidade para discutirmos e entendermos as leis de drogas no país e como ela vem financiando milícias e transformando usuários e traficantes em assassinos, sequestradores e etc...

    ResponderEliminar
  53. O contexto sócio econômico de países como o Brasil, Peru e Colômbia que viveram e vivem regimes autoritários impactam sobremaneira sobre o modo de pensar e de viver das pessoas. Baseados em princípios neoliberais, esses regimes fomentam a implantação e o crescimento de indústrias sem a devida contabilização dos impactos no meio ambiente.
    Subordinados a uma história de exploração, esses países se destinam ao fornecimento de matéria prima e mão de obra que supram as necessidades dos países com maior desenvolvimento econômico, obedecendo à lógica do mercado.
    Com isso, a população foi condicionada a não criticar e não agir em defesa de suas vidas e do meio ambiente em que vivem sofrendo assim problemas como as alterações climáticas que estão atingindo inúmeros pontos no globo terrestre.
    Uma possível e viável solução para minimizar esse problema pode ser a educação realizada nas escolas e na comunidade que a circunda, envolvendo pais, alunos, professores e funcionários em um processo de conscientização ambiental e posteriormente fomentar projetos que contemplem possíveis soluções para os problemas que vivem em seu cotidiano e quiçá para os problema ambientais mais complexos.

    Erika Osakabe
    Estudante de Pedagogia na FFCLRP – USP
    Ribeirão Preto, São Paulo - Brasil

    ResponderEliminar
  54. Olá! Meu nome é Paula e sou coordenadora pedagógica em uma escola municipal em Ribeirão Preto-SP, aqui no Brasil e sou também aluna especial da professora doutora Andréa Lastória - USP.
    Primeiramente, parabéns às autoras pelas excelentes reflexões do artigo.
    Para quem está dentro da escola brasileira, fica muito claro a falta de democracia e os tempos sombrios que estamos vivenciando na educação. Prova disso, ou seja, desta lacuna imensa educacional, são todas as barbáries que estamos vivenciando, desde os ataques de janeiro até os crimes dentro das escolas.
    Também quero citar Paulo Freire, quando diz que educar é um ato político, mas político na busca de sentidos para...
    Partindo desta perspectiva, é urgente que tenhamos políticas públicas verdadeiras e efetivas, para que nossos estudantes possam de fato, construir conhecimentos. E, quem sabe assim, haverá a possibilidade de um país não bipartido, no qual as pessoas sejam todos sujeitos críticos e que pensem em um todo ideal para a população!

    Paula Rezende Hautz Dias
    coordenadora pedagógica - RP

    ResponderEliminar
  55. Considero o texto do artigo muito apropriado para o momento em que vivemos nas escolas. Há anos, estamos vivenciando propostas de reformulação do ensino em que aulas de diferentes áreas são subtraídas, porém os métodos avaliativos de ingresso em vestibular ou medição de ensino básico estadual e federal mantêm seu formato. Isso faz com que tanto alunos quanto professores precisem focar nos resultados e não nos processos das aulas, com isso, discussões sobre política, cultura e sociedade são deixadas de lado. Isso faz com que os discursos dominantes, como o da mídia, das fake news, das redes sociais, sejam ouvidos pelos alunos sem serem questionados e, pior, passam a ser reproduzidos.
    Desta forma, se há ausência de aulas como História, Geografia, Filosofia e Sociologia, há a ausência de discussões que rompam com o discurso dominante, há a ausência do estímulo ao senso crítico. O que aos olhos de uma pessoa pode parecer apenas 'menos uma aula', aos olhos do cientista da educação é 'a falta de mais uma aula', pois é na aula que se pode desnaturalizar um sentido, fazer o aluno duvidar de uma expressão, desconfiar de um livro e/ou seu autor.
    Então, para que a escola não seja também um lugar de alienação do aluno, como tantos outros espaços já são, é importante que textos científicos sejam levados para a sala de aula, para reuniões pedagógicas, para a universidades, em cursos de graduação e pós-graduação, para cursos de formação docente, pois só teremos alunos não-alienados se tivermos docentes comprometidos com a formação do aluno em todas as disciplinas.
    A negação à ciência é inevitável, principalmente depois de 4 anos de um governo contrário a ela, por isso, é preciso fazê-la circular, insistir, a fim de evitarmos a alienação dos alunos e a naturalização de práticas que vão na contramão à democracia.

    Thaís Silva Marinheiro de Paula
    Doutoranda em Educação pela FFCLRP/USP

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Quiero responder a las opiniones de Thais, Paula y Erika, pues suponen un análisis crítico que comparto. Parabéns ás colegas de Ribeirão Preto pelo trabalho colaborativo.
      Hay dos aspectos que me interesa destacar en sus intervenciones
      1.-El papel de la educación para generar una ciudadanía crítica, donde las personas puedan participar desde sus posiciones divergentes, sin imposiciones, ni censuras por el Estado.
      2.-La consideración social y académica de materias como la Geografía, la Historia o la Filosofía. Son materias que permiten impugnar un tiempo, un espacio de control, como es la reproducción de esquemas mecanicistas en el sistema escolar y que, como bien se señala, han sido denunciados por Paulo Freire.
      Creo que ambas condiciones se complementan en el necesario compromiso social de las personas que trabajan en educación, para lo cual es preciso cooperar desde las instancias universitarias y las docentes y profesores que trabajan en el sistema escolar básico.
      A este respecto sigo pensando que la elaboración de proyectos curriculares, desde la praxis escolar, es más necesaria que nunca

      Eliminar
  56. A polarização política presente nos três países citados da América Latina: Brasil, Colômbia e Peru, faz parte de um movimento mundial de ascensão da extrema-direita, retomada de discursos radicais e neonazistas, também presentes em países europeus, como na Itália. Penso que o radicalismo político das Eleições de 2022 no Brasil foi um exemplo desse extremismo, que foi uma convergência de fatores: agentes midiáticos, religiosos e políticos que encontraram um campo fértil para a disseminação do ódio, do racismo, do radicalismo e da homofobia. Cada instituição defende apenas seus próprios interesses, sejam eles de ordem econômica, ideológica ou social, mas utilizaram como pretexto de que prezam pelo bem-estar para a população, bem como a manutenção dos bons costumes da família. Na verdade, a população é utilizada como massa de manobra, a fim de defender seus interesses baseados no capitalismo, no lucro e no consumo, aliado a esse cenário surgiram as fake News, para contribuir com esse discurso de ódio por meio da disseminação de falsas informações, que aliena a população. Enfim, com o objetivo de fazer um contraponto a esse extremismo, a educação possui um papel fundamental na construção de argumentos baseados em fatos reais, principalmente através das ciências sociais.

    Regiane Antunes de Souza Silva
    Aluna especial na Disciplina: Relações Étnico-Raciais, Educação e Dinâmica Social no Brasil da USP de Ribeirão Preto

    ResponderEliminar
  57. ¡Hola! Soy Carmen Suay Herráez, alumna del máster de profesor/a en Educación Secundaria en la Universitat de València.

    Los países de América latina siempre han estado marcados por una desigualdad cada vez más creciente, y por tanto, hay cada vez más una movilización social mayor y caracterizada por la radicalización política, por ello, este artículo es muy interesante para comprender la realidad política brasileña. Pienso que los futuros y futuras docentes tenemos un papel fundamental para acercar realidades a nuestros alumnos que normalmente no se encontrarían, ya que el papel del profesorado es en su mayor parte dedicado a la estimulación del alumnado, es muy importante educar en la sensibilidad, en la idea de comunidad y en la idea de solidaridad. La idea de la democracia en Sur América puede abrir debates interesantes en las aulas, y realizar comparaciones con las democracias europeas puede ayudar a crear un debate más abierto y flexible.

    ResponderEliminar
  58. Mi nombre es Carla Moreno Torres, estudiante del Máster de Educación Secundaria para el profesorado en la Universidad de Valencia, en la especialidad de Geografía e Historia.
    ¿Hace falta una política justa en las aulas?
    Tras haber leído detenidamente el texto sobre la inestabilidad política que acecha a los diferentes países de Sudamérica, me parecería importante destacar hasta que punto en las escuelas educativas este problema podría ser no erradicado pero sí paliado.
    En mi opinión uno de los puntos más débiles de éstos países es la poca población que tiene acceso hasta llegada a cierta edad de una educación pública, gratuita y aparte de eso apolítica. En Sudamérica desde tiempos inmemoriales, las clases sociales que la forman, tienen unas grandes diferencias económicas entre ellas, es decir, la clase media es casi inexistente. Esto es un punto muy importante porque pasamos de una clase social que acapara toda la riqueza del país y que prácticamente esta riqueza es la que les permite controlar no solamente el ámbito económico sino también político y social. Con social hago referencia no tan solo a la sociedad en sí, sino a su arma más poderosa como es la educación. La educación en estos países es muy pobre puesto que no han pasado por procesos democráticos estables que permitan que desarrollen unas políticas educativas sólidas y que amparen no tan solo a la mayoría de la población sino también a las minorías ''indígenas'' que forman parte de esta sociedad. Claro ejemplo sería señalar a Perú, en donde, no tan solo a la hora de gobernar dejan de lado las voces minoritarias sino que directamente se les aparta de la política porque se les considera en cierta medida seres inferiores incapaces de poder dirigir un país. Ante esta situación, las escuelas son las primeras que desde una educación a una edad temprana, las que tienen que paliar estos problemas, normalizando la diversidad de étnicas, de opiniones y crear un ambiente de crítica social relevante para que los alumnos sean capaces de ser autónomos en la toma de decisiones y no verse influenciados por partidos de índole radical que siempre miran por su perpetuación en el poder sin tener en cuenta a toda la sociedad completa.
    Con esta reflexión, el papel del docente en las aulas es esencial. La historia y la geografía en mi opinión permiten enseñar a los alumnos de donde provienen, cuál es su historia geográfica, social y cultural, siendo una asignatura esencial para progresar los pensamientos críticos, reflexivos sobre qué sociedad es la que queremos formar en un futuro. El enseñarles en qué situación se encuentran comparada con otros tiempos más arcaicos, para que ellos mismos tomen consciencia de hacía donde quieren llegar, qué es lo que quieren cambiar. Por tanto, hablar de la situación política de un país es una tarea muy importante, eso sí siempre el docente siendo imparcial en cierta medida, y haciendo que sea posible que ellos mismos se den cuenta de los errores que cómo sociedad están realizando. En la medida de lo posible, enseñarles formas de cómo progresar, de ser mejores ciudadanos, de ser más comprensivos y menos radicales.
    En definitiva, la educación en estos países al igual que en todos tiene una tarea fundamental pero sería utópico pensar que toda la responsabilidad recae en ella. Con esto quiero decir que siempre habrá factores externos que escapen de su mano como es el entorno familiar, la situación personal de cada habitante, etc. Pero sí creo que con una buena educación política basada en valores claros y principios sólidos de cooperación se podría llegar a conseguir una sociedad más justa y equitativa, dejando de lado, partidos políticos radicales del momento que no llevan nada más que al enfrentamiento.
    Por último, citar a: Rodríguez, M.A. y Campo, B. (2018) Soluciones escolares a los problemas
    ciudadanos. Iber: didáctica de las ciencias sociales, geografía e historia, 93, 22-28. Ante este artículo se hace más hincapié en la tarea de las escuelas para hacer frente a todos estos problemas que afectan el día a día de sus estudiantes.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Carla, obrigada por citar a referencia Rodríguez, M.A. y Campo, B. (2018) Soluciones escolares a los problemas ciudadanos. Iber: didáctica de las ciencias sociales, geografía e historia, 93, 22-28.
      Saudações desde o grupo ELO - BRASIL Profa. Andrea Lastória

      Eliminar
  59. Com toda a certeza a bipolarização política no Brasil e em outras partes da América Latina e do mundo tem se intensificado nas últimas décadas, gerando um clima de polarização ideológica que muitas vezes dificulta o diálogo e a construção de consenso. Esse fato pode levar a uma radicalização do debate político, com as pessoas se fechando em suas próprias bolhas ideológicas e se recusando a considerar outras perspectivas.
    A educação política nas escolas é essencial para combater essa polarização e construir uma sociedade mais democrática e pluralista. Além disso, a educação política também pode ajudar a reduzir a desinformação e o pensamento simplista que muitas vezes alimentam a polarização.
    É importante lembrar que uma parte considerável dos indivíduos interpreta o ensino de temas políticos nas escolas como uma tentativa de doutrinação ideológica, o que pode gerar conflitos e desentendimentos e o tema passa a ser classificado nos ambientes escolares como extremamente delicado e custoso.
    É fundamental que os professores sejam capacitados e preparados para lidar com temas políticos de forma crítica e imparcial, já que a educação política é um componente essencial da formação cidadã, que deve ser oferecida de forma pluralista e democrática, garantindo a diversidade de opiniões e ideias.
    Este é um grande desafio das escolas brasileiras e de outros lugares do mundo que enfrentam uma luta desigual com as “informações” políticas disseminadas no ambiente virtual.

    Estevão Menezes da Silva
    Aluno da disciplina Relações Étnico-Raciais, Educação e Dinâmica Social no Brasil.
    USP - Ribeirão Preto

    ResponderEliminar
  60. CARMEN VERDÚ LÓPEZ30 de abril de 2023, 5:07

    Hola, mi nombre es Carmen Verdú y soy alumna del Máster de profesor/a en Educación Secundaria en la Universitat de València, España. Este artículo plantea cuestiones verdaderamente interesantes y necesarias para su reflexión. Y es que, la situación que atraviesan países como Brasil, Colombia y Perú no son más que el resultado de todo un proceso histórico que rara vez se enseña en las escuelas. La importancia de conocer el pasado reciente para comprender el presente es crucial. El proceso de globalización que se inició tras el fin de la Guerra Fría ha redimensionado las relaciones políticas, económicas, sociales y culturales en el mundo, reduciendo la distancia entre las distintas sociedades nacionales. En los últimos setenta años las movilizaciones sociales que han tenido lugar en buena parte de los países latinoamericanos han provocado una transformación considerable y sustancial. Desde los campos de la Sociología y la Historia Social que autores como Habermas, Melucci o Touraine han profundizado en las relaciones entre lo social, lo político y lo cultural de las sociedades postindustriales, perfilando la definición de estos Nuevos Movimientos Sociales como grupos -surgidos en la segunda mitad de los sesenta a los que no es posible situar en posiciones estructurales homogéneas-cuya función fue la búsqueda de la ampliación de los canales de participación civil (García González, 2017). Otra cuestión que cabe contemplar es que paralelamente al cambio en la manera de comunicación de la sociedad, los diferentes movimientos sociales han sido capaces de adaptarse a estos nuevos códigos en diferentes contextos nacionales e internacionales (Curzio, 2016).

    Esta realidad de los Nuevos Movimientos Sociales podría tratarse en el aula, lo que sería muy enriquecedor, especialmente a través de las disciplinas de Geografía e Historia. Tal y como se comentaba, el nuevo uso de las tecnologías puede ser un recurso especialmente útil y efectivo para dar a conocer estos movimientos que, como se señala en el artículo, están actuando en países como Brasil, Colombia y Perú. Estos tres ejemplos citados en el texto evidencian lo necesaria que resulta una educación política desde el sistema escolar. Ahora bien, algunas cuestiones que cabría destacar - y más teniendo en cuenta la dificultad que supone educar en contextos sociales tremendamente polarizados y marcados por radicalismos- son, por un lado, la actuación del docente según un perfil crítico, que trate de deconstruir los discursos que justifiquen la desigualdad y tratando de formar un alumnado en argumentos y pensamientos fundamentados, y no opiniones. Por otro lado, el mantenimiento de una actitud, por parte del docente, de imparcialidad comprometida, donde se manifieste con claridad sus puntos de vista, sin ocultarlos, pero sin tratar de imponerlos. La clave reside pues en que promueva el análisis de otras opiniones y que anime a discrepar de lo que él/ella mismo/misma opine. Así pues, el fomento del debate y la no penalización de las opiniones divergentes -siempre que exista una argumentación coherente detrás- deberían ser básicos para educar políticamente (López Facal i Santidrián, 2011).


    Dejo por aquí las referencias bibliográficas utilizadas:

    -Curzio, L. (2016). Mèxic. Entre la partitocràcia i la mobilització. Afers: fulls de recerca i pensament, 31(83), 75-93.
    -García González, G. (2017). Entre la historia y la sociología. Enfoques constructivistas en el estudio de los nuevos movimientos sociales. Historia Social, 141-158.
    -López Facal, R. (2011). Conflictos sociales candentes en el aula. Les Qüestions socialment vives i l'ensenyament de les ciències socials, 65-76.


    ResponderEliminar
  61. Este comentario ha sido eliminado por el autor.

    ResponderEliminar
  62. Buenas! soy Aitor Aguilar, alumno del Máster Universitario en Educación secundaria.

    La educación política dentro de la escuela pública es esencial para el desarrollo de ciudadanos críticos, conscientes y comprometidos con su entorno social y político. La educación política proporciona a los estudiantes las herramientas y habilidades necesarias para entender el mundo que les rodea y participar activamente en él.
    En primer lugar, la educación política fomenta el pensamiento crítico y la capacidad de análisis. Los estudiantes aprenden a analizar la información y los argumentos políticos, a identificar sesgos y manipulaciones, y a formar su propio juicio basado en evidencia sólida. Esto les permite participar de manera informada y activa en los procesos políticos y electorales.
    En segundo lugar, la educación política desarrolla la conciencia cívica y el sentido de responsabilidad social. Los estudiantes aprenden a reconocer sus derechos y deberes como ciudadanos y a comprender la importancia de su participación en la vida política y comunitaria. Esto les permite contribuir de manera significativa al bienestar de la sociedad y a la construcción de un mundo más justo y equitativo.
    En tercer lugar, la educación política fomenta el diálogo y el debate constructivo. Los estudiantes aprenden a expresar sus ideas y opiniones de manera clara y respetuosa, a escuchar las perspectivas de los demás y a buscar soluciones comunes a los desafíos que enfrentan. Esto les permite desarrollar habilidades de negociación y colaboración, fundamentales para la resolución pacífica de conflictos.
    En conclusión, la educación política dentro de la escuela pública es fundamental para la formación de ciudadanos comprometidos y conscientes de su papel en la sociedad. Proporciona a los estudiantes las herramientas y habilidades necesarias para entender el mundo que les rodea, participar activamente en la vida política y comunitaria, y construir un futuro mejor para todos.
    La enseñanza de la geopolítica, el pensamiento geográfico y el pensamiento espacial se vincula directamente con la educación política dentro de la escuela pública. Estas disciplinas permiten a los estudiantes entender cómo los factores geográficos y territoriales influyen en los procesos políticos, sociales y económicos, y cómo las decisiones políticas pueden tener un impacto significativo en la vida de las personas y las comunidades.
    Diego García Ros sostiene que la educación geográfica es esencial para la formación de ciudadanos críticos y comprometidos con su entorno. Según él, la enseñanza de la geopolítica permite a los estudiantes comprender cómo los factores geográficos influyen en los conflictos internacionales y en las relaciones de poder entre los países.


    García Ros, Diego (2019): La construcción de pensamiento crítico en el aula de geografía escolar. https://dialnet.unirioja.es/servlet/revista?codigo=14720

    ResponderEliminar
  63. Buenas, soy Alejandro Gutiérrez, alumno del MAES de la UV. Este artículo muestra una problemática clave en Latinoamérica, como es la investabilidad política y sus consecuencias en distintos ámbitos sociales, entre ellos la educación

    En los poco más de dos siglos desde el inicio de la Historia Contemporánea se han producido cambios políticos de calado incuestionable en todos los continentes del planeta. Con ello quiero recordar que la trayectoria política de Occidente estuvo, hasta hace bien poco, sujeta a violencia e inestabilidad. Dos elementos, lamentablemente, presentes de nuevo desde el inicio de la llamada Guerra de Ucrania.

    La marcada diferencia de Latinoamérica resulta del hecho de que la implantación de los estados liberales implicó unas trayectorias un tanto diferentes que, por diversos motivos, han llevado a sus países a niveles democráticos inferiores. Ello ha favorecido el populismo, los radicalismos y las tendencias dictatoriales, todo ello favorecido por el imperialismo norteamericano y, hasta hace treinta años, también el soviético en menor medida.

    La situación puede ser, en cierto modo, desoladora. La fragilidad de estos estados, salpicados, por la corrupción, la falta de orden público, el peso de grupos armados o el narcotráfico y la delicada situación geopolítica tiene un carácter retroalimentativo. Y es aquí donde entra en juego la escuela: víctima de esta situación, si bien, tal vez, también verdugo.

    La educación debe ser un pilar fundamental en cualquier sociedad, al menos en las influidas por la cultura occidental. En este sentido, los grupos progresistas que defienden el desarrollo de estas sociedades en materias de igualdad de derechos, libertad y justicia deberían priorizar un trabajo de los saberes y competencias dedicadas al cuestionamiento del orden existente y la búsqueda de soluciones pacíficas. De esta manera, el fomento de un trabajo crítico, profundo e innovador de la Geografía (también la Historia) puede propiciar estos cambios. No debemos olvidar que uno de los problemas de estos países es la falta de comunicaciones; así, fomentando el pensamiento geográfico y enseñando al alumnado la diversidad de espacios y situaciones de su país y de su continente, y problematizándolas, puede conseguirse un mayor activismo social.

    Quisiera acabar con una anécdota personal. Un familiar cercano es de origen colombiano, y conoció de cerca a las FARC al haber nacido en una zona rural. Su testimonio es el de una mujer joven que simpatizó en su momento con la guerrilla, precisamente, por la actitud impune y sanguinaria tanto del ejército como de las fuerzas paramilitares que, de manera oculta, son financiadas por el Estado combiano para acabar con los insurrectos violando flagrantemente los Derechos Humanos. El hecho de que el expresidente Santos recibiese el Premio Nobel de la Paz, aun sabiéndose todo esto y tras haber sido denunciado por diversas fuentes demuestra que la solución de estas cuestiones no es fácil. La capacidad de Estados Unidos y sus aliados para dirigir y manipular los discursos sobre la verdad y lo que sucede en el mundo dificulta enormemente cambios profundos y rápidos en términos de paz y desarrollo. Algo que, aunque descorazonador, implica una mayor necesidad, si cabe, de una educación crítica y democrática.

    ResponderEliminar
  64. Ricardo Souza Evangelista Sant’Ana. Doutorando pelo Programa de Enfermagem Fundamental da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto. Universidade de São Paulo – USP – RP.
    Discente da disciplina - Relações Étnico-Raciais, Educação e Dinâmica Social no Brasil.

    É certo que muitos países da América Latina e Iberoamérica experimentaram situações de mobilização social nos últimos anos, o que levou a uma polarização política e uma dicotomia entre formas de governo democráticos e ditatoriais. Essa polarização tem sido exacerbada pela influência mediática, que pode ser mais forte do que a formação fornecida na escola.
    Neste contexto, as áreas académicas como a geografia, a história e as ciências sociais podem desempenhar um papel importante na promoção de uma compreensão consciente e reflexiva das crises socioeconómicas. Estas disciplinas fornecem ferramentas para analisar os fatores históricos, políticos, econômicos e sociais que contribuíram para as situações atuais em países como Brasil, Colômbia e Peru.
    A geografia pode nos ajudar a compreender a distribuição espacial dos recursos naturais, as desigualdades territoriais e as dinâmicas socioeconômicas que influenciam nesta crise. A história nos traz uma perspectiva temporal mais ampla, permitindo-nos analisar as raízes históricas dos problemas atuais, como as desigualdades estruturais e os conflitos políticos. As ciências sociais, por sua vez, nos ajudam a compreender as dinâmicas sociais, os movimentos sociais e as tensões políticas que se manifestam nessas situações.
    Como acadêmicos e docentes, é importante comprometer-nos neste debate e buscar ações concretas que contribuam para abordar estas situações de maneira reflexiva e fundamentada. Isso implica fomentar o pensamento crítico, a investigação rigorosa e a promoção do diálogo construtivo em nossas aulas. Podemos ajudar os estudantes a analisar múltiplas fontes de informação, questionar os sesgos mediáticos e considerar diferentes perspectivas na formação de suas opiniões.
    Além disso, como docentes, podemos promover o desenvolvimento de habilidades de cidadania ativa, fomentando a participação cívica e o compromisso com os cidadãos públicos. Isso implica estimular os estudantes a se envolverem em debates políticos de maneira responsável, respeitável e fundamentada em evidências.
    Em resumo, as disciplinas acadêmicas como a geografia, a história e as ciências sociais têm um papel relevante na análise e compreensão das crises socioeconômicas na América Latina e Iberoamérica. Como acadêmicos e docentes, podemos contribuir promovendo o pensamento crítico, a investigação rigorosa e o compromisso cívico informado entre nossos estudantes, fomentando assim uma cidadania consciente e reflexiva.

    ResponderEliminar
  65. Olá, me chamo Luara Rezende sou mestranda no programa de Reabilitação e desempenho Funcional da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP-USP).
    A leitura do texto me fez refletir sobre as similaridades que os países citados estão experimentando devido a polarização política e a dicotomia no modo de governo. De modo geral, a polarização trás consequências a população e no caso do Brasil, que é o país onde vivo essa discussão está muita latente e necessária.
    Vivemos quatro anos de um governo que possuía discursos com uma exacerbada quantidade de informações falsas, discursos de ódio e preconceituosos, além de utilizar recursos como as plataformas midiáticas tendenciosas e sensacionalistas. Ao ser repetido e reforçado pelas plataformas todos esses recursos utilizados para disseminar ideias extremistas foram infiltrados no pensamento da população, culminando assim em atos de vandalismo e antidemocráticos acontecidos em janeiro, como citados no texto.
    Com a situação exposta fica evidente que o desafio para romper com o radicalismo e o negacionismo científico disseminado pelo antigo governo é grande, visto que se trata de uma situação problemática. Com isso, o debate e a luta pela implantação de uma educação de consciência crítica e social, para que nossas crianças, jovens e adultos sejam dificilmente manipulados é imprescindível. Disciplinas como história e geográfica aplicadas de modo que faça a população refletir sobre os acontecimentos e ter um panorama da geopolítica de seu país são poderosas ferramentas para conseguirmos superar esse desafio.
    Portanto é necessário pensar em uma educação que questiona as verdades do mundo digital, e de suporte para a formação de professores que atuem com questões socialmente relevantes, formando assim alunos com pensamentos autônomos e com capacidade de reflexão social.

    ResponderEliminar
  66. Zenildo Santos. Doutorando pelo Programa de Ensino e História das Ciências e da Matemática da Universidade Federal do ABC- Campus Santo André-SP. Discente da disciplina - Relações Étnico-Raciais, Educação e Dinâmica Social no Brasil.

    A partir da reflexão sobre os questionamentos propostos pelas autoras, sabemos que alguns países latinos têm enfrentado crises políticas e sociais significativas, com protestos em massa, confrontos e divisões profundas na sociedade. Essas situações têm sido impulsionadas por uma série de fatores, como desigualdade socioeconômica, corrupção, insatisfação com as instituições políticas, problemas econômicos e questões relacionadas aos direitos humanos.
    Entendo que as instituições educativas, desempenham um papel fundamental na promoção de uma compreensão e abordagem equilibrada das situações de mobilização social e dos contextos marcados por radicalismos. Nesse sentido, cada vez mais é necessário promover o diálogo e a compreensão. As escolas devem fornecer um espaço seguro para que os alunos expressem suas opiniões, debatam ideias e aprendam a ouvir perspectivas diferentes. Nós, educadores podemos facilitar discussões construtivas sobre os problemas sociais e políticos, incentivando o respeito mútuo e a busca de soluções pacíficas.
    Em tempos de muita disseminação de Fake News, é imprescindível fornecer informações confiáveis e atualizadas sobre a situação social e política. Isso inclui ensinar sobre os avanços nas pesquisas educacionais, mas também abordar as realidades e os desafios enfrentados pelas sociedades contemporâneas.
    É um dever das instituições estimular o pensamento crítico. As escolas podem ajudar os alunos a desenvolver habilidades de pensamento crítico, capacitando-os a analisar informações, questionar fontes, reconhecer viés e compreender diferentes pontos de vista. Isso permite que os alunos avaliem de forma mais objetiva os eventos sociais e políticos.

    ResponderEliminar
  67. As reflexões trazidas por este artigo, no atual cenário em que vivemos, é imprescindível e urgente.
    As ameaças à democracia, as falsas informações disseminadas e a intolerância vividas em todos os países citados, nos traz muitos desafios enquanto educadores. Afinal a educação política, mais do nunca, precisa afetar as pessoas de modo a aprofundar as visões ideológicas simplistas e equivocadas.
    Discutir frentes políticas e o papel do cidadão, em sala de aula, de modo crítico é fundamental. Aliás, a criticidade precisa estar em todos os âmbitos da vida das pessoas, o modo como as informações nos chegam, não podem ser replicadas sem antes uma devida análise e para não agir por impulso, é necessário a crítica. Saber questionar, trazer as dúvidas e dialogar é fundamental.
    Transcrevo abaixo um trecho do livro construído coletivamente pelo grupo OCA- Laboratório de Educação Política Ambiental da EALQ/USP, ao qual fiz parte e participei deste processo em que diz: “É preciso o diálogo, que segundo Bohm (2005), a palavra diálogo provém do grego diálogos, significando em última instância, “uma corrente ( ou fluxo) de significados” (dia: através de; logos: o significado da palavra). O fluir de significados propicia a construção de algo novo, não existente anteriormente, compartilhado coerente, que é a cultura e que é o que mantém pessoas e sociedades unidas.”
    O discurso extremista e inflexível precisa dar espaço para o diálogo e criação do inédito, a partir de ideias diversas.

    ResponderEliminar
  68. Bom dia
    Me chamo Amanda Santos, sou mestranda na UNIFESP.
    Primeito gostaria de parabenizar os autores pelo texto e dizer o quanto ele é norteador.
    No momento ainda não atuo como docente, mas sei da importância desse profissional que forma todos os outros, e sempre brincava com as amigas na graduação sobre como seria difícil ensinar histórias, geografia e democria, nesses tempos sombrios os quais temos vivido. Tempos estes onde a democracia não é respeitada, onde as diferenças não são aceitas e onde acabam-se por cometer atos criminosos, como o que ocorreu no Distrito Federal, por não aceitar a derrota.
    Algumas pessoas desta geração não sabem lidar com o não, com a frustração, não tem limites. Portanto, o professor tem um papel que as vezes nem seria o dele, mas acaba por fazê-lo na construção do carater de seus alunos.

    ResponderEliminar
  69. Diante do artigo apresentado, das indagações feitas no texto e lendo os comentários de outros colegas, acredito que educar em contextos sociais marcados por radicalismos não é uma tarefa fácil. No entanto, podemos ver a escola como um espaço de aprendizagem de novos saberes, do debate democrático e de liberdade de pensamento. Para isso, é fundamental insistir na busca por uma educação baseada em fatos, valores democráticos e buscar estratégias que promovam uma educação baseada em fatos e no entendimento crítico e autônomo.

    Priscila de Aquino Matos
    Mestranda em Mudança Social e Participação Política (EACH_USP) e discente na disciplina Relações Étnico-Raciais, Educação e Dinâmica Social no Brasil.

    ResponderEliminar
  70. Olá, primeiramente, gostaria de parabenizar às autoras por este Artigo. O artigo apresenta excelente panorama e impulsiona o debate, bem como a reflexão sobre a educação escolar para colaborar e estimular professores visando à construção de uma educação crítica e participativa de crianças, jovens e adultos na vida política que lhe afeta diretamente e indiretamente.
    No Brasil, acabamos de ter uma das eleições mais polarizadas da nossa história, que guarda uma série de ensinamentos e diagnósticos para refletirmos, discutirmos e tirarmos conclusões importantes e necessárias para a ação. Algumas questões que nos devem fazer refletir para provocar discussões e ações pedagógicas em sala de aula, como: o que está por trás dessa polarização?; quem está por trás das mídias sociais digitais que promoveram as fake news?; quem são as classes sociais e grupos que financiam e estimulam o discursos de ódio?; por que houve e há uma receptividade e adesão de massas a este discursos e ideologias conservadoras e fundamentalistas?; “qual a base econômica, política e social dessa polarização?”; “como essa polarização ou contradições sociais se manifestam na comunidade da escola que eu atuo ou vou atuar como educador?”; como meu estudante é afetado por esta situação e em que dimensões essa afetação ocorre (na dimensão econômica, social, racial, emocional, psicológica, etc.)? Sem diretamente fazer essa provocação aos estudantes de uma escola, já tive a experiência de desenvolver esses debates a partir de situações e questões concretas e reais que jovens de uma escola de periferia, onde lecionei, passam em seus cotidianos: estudantes pobres, de maioria de pessoas pretas e pardas, que são vítimas da violência da Polícia Militar e também do narcotráfico, etc. Então, o desafio do educador/professor é fazer esse exercício de relacionar o macro ao micro, e pensar nas relações destes contextos para compreender e ajudar a intervir nessa complexa realidade. Não é tarefa fácil, e muito menos quando é feita de forma muito individual, daí a importância do trabalho coletivo, colaborativo e, por último, da formação continuada de professores, refletindo e ressignificando nossas práticas pedagógicas.Há um projeto político internacional de dominação, imperialista e herdeiro do colonialismo, que ataca a maior parte das populações, inclusive nos países do dito “capitalismo central” (EUA , Europa etc.). Ao mesmo tempo em que as populações resistem, a sua maneira e de forma, muitas vezes, difusa, há frustrações dessas mesmas populações no atendimento de suas necessidades, direitos e reivindicações. Essas frustrações são o terreno aberto para penetrar os discursos de negação da política e entrar a influência de ideologias ultraliberais e autoritárias, como “salvadoras” da pátria.
    O que está em jogo de fato são as conquistas democráticas alcançadas, que, na escola, por exemplo, buscou-se e se busca cercear o professor de fazer seu papel democrático de promotor da reflexão e do debate plural e crítico. Foi esse cerceamento que se manifestou através do Movimento “Escola Sem Partido” – que de fato era a defesa da Escola do partido “Neo-Fascista” do pensamento único.

    Como dizia Paulo Freire; “A Educação não transforma o mundo, mas, tampouco, sem ela não se muda a sociedade”.
    27/05/2023
    Alexander Cavalcanti Valença (Alex Valença) – Olinda/PE; Professor de Matemática de Escolas Públicas em Pernambuco (no Grande Recife);
    Doutorando em Educação da USP (Capital)
    Discente na disciplina Relações Étnico-Raciais, Educação e Dinâmica Social no Brasil.
    alexvalenca@usp.br

    ResponderEliminar
  71. Glenda J. P. Hosomi31 de mayo de 2023, 13:54

    Prezados,
    Sou professora de Biologia há 25 anos, nas redes paulistas pública e privada. Tomei conhecimento deste debate por meio da disciplina Relações Étnico-Raciais, Educação e Dinâmica Social no Brasil, que curso como aluna especial, oferecida pela USP de Ribeirão Preto.
    As questões suscitadas pelo texto são tão urgentes quanto complexas sob as perspectivas dos meus locais de trabalho. No setor privado tenho alunos de Ensino Médio da classe A "plus", se é que se pode dizer assim, e eles reproduzem o discurso hegemônico machista, misógino, aporofóbico e meritocrático sob o qual cresceram e não se veem como os grandes privilegiados que são, nem como possíveis potentes atores na busca por justiça social. Por outro lado, meus alunos da escola pública parecem anestesiados frente à dura realidade que vivem, e as provocações que fazemos para suscitar reflexões muitas vezes geram apenas muxoxos. Somam-se a isso o imediatismo da geração e todas as problemáticas típicas da adolescência... Está pronta a bomba letárgica. Para que as coisas comecem de fato a funcionar nas escolas, entendo que a primeira necessidade a ser suprida seria um projeto político pedagógico vivo e comprometido, traduzido em um cotidiano de atendimento às necessidades específicas do público da unidade e nas demandas formativas dos professores. No entanto, esse documento tão importante tem se constituído uma mera burocracia a ser cumprida e não me parece que o governo recém eleito em SP tenha pretensões de mudar isso. O sistema nos empurra para números, metas, dados e assim o projeto de esvaziar o potencial formativo das escolas se consolida. Infelizmente no momento atual predomina em mim a desesperança.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Rafaela Cristina de França Rocha20 de junio de 2023, 19:30

      Olá Glenda, Também conheci o Geoforo e este debate por meio da disciplina Relações Étnico-Raciais, Educação e Dinâmica Social no Brasil, sou Psicóloga e sua colega de turma na disciplina oferecida pela USP de Ribeirão Preto.

      Concordo com a complexidade e urgência do tema apresentado, lendo seu comentário pude compreender melhor os desafios que os professores tanto na rede pública, quanto privada enfrentam em seu dia-a-dia, a construção de um projeto político pedagógico forte é fundamental para nortear e estruturar estratégias e recursos para o enfrentamento destas problemáticas, a presença de psicólogos escolares também seria de grande valia para o enfrentamento desta e de outras vulnerabilidades dos alunos e professores no Brasil.

      Sei que no momento você se sente desesperançosa em relação ao futuro, não é pra menos, se considerarmos as ações do atual governo do estado em relação a educação, mas se aprendemos algo nessa disciplina foi a importância de resistir e de fazer a diferença por menor que ela seja, conte comigo se precisar.

      Rafaela Cristina de França Rocha
      Pós Graduanda em Psicobiologia FFCLRP-USP
      Discente na disciplina de pós graduação: Relações Étnico-Raciais, Educação e Dinâmica Social no Brasil.
      E-mail: rafaelacf.rocha@usp.br

      Eliminar
  72. Saudações a tod@s,
    Parabenizo as autoras pela artigo escrito de forma objetiva, didática e competência social e acadêmica para todos nós professores e pesquisadores em Ciências Humanas. Admito que o debate do tema é urgente no âmbito pessoal, profissional e científico uma vez que estamos presenciando o levante e permanência dos extremismos e radicalismo no século XXI, a era da superinformação e do desenvolvimento tecnológico digital. Os depoimentos dos colegas são reflexões preciosas que devemos levar em conta para avaliar o momento grave no Brasil e na América Latina. Diante deste situação, concordo e valido os relatos escritos para pensarmos formas de enfrentamento e resistência por meio da Educação crítica e da Escola como espaço vivo da democracia. Das questões postas ao final do artigo deter-me-ei na seguinte: Como seguir o trabalho docente enfrentando o negacionismo científico, a ignorância sobre princípios democráticos e a desvalorização dos saberes dos professores?
    Penso que as formas mais eficazes são duas: o diálogo Iberoamericano e o fazer ciência no/do cotidiano. A primeira estamos realizando muito bem com a possibilidade de dialogar no GEOFORO, não somente deste tema e sim de temas pertinentes da Educação Geográfica que perpassa o ensino, a pesquisa e a extensão. Uma vez que conheço a situação de países latino-americanos, como a Colômbia e o Peru, tenho a possibilidade de redimensionar minha prática pedagógica por meio de uma formação continuada em um espaço de diálogo com meus pares. Para além disso, passo a conhecer colegas que estão comprometidos com prática voltadas para a formação cidadã, rumo a defesa de uma justiça social e uma sociedade que valida a Ciência e que combate o negacionismo.
    A segunda é admitir e explicitar a concepção de professor como intelectual transformadores do conhecimento (GIROUX, 1997) para si, para os outros e nos estabelecimentos de ensino em que atuamos de forma permanente e concreta. Por meio desta concepção podemos demarcar nosso espaço de atuação, dar visibilidade em nossas práticas e nos nossos discursos no, do cotidiano escolar e acadêmico, seja no espaço físico ou mesmo no ciberespaço por meio de intervenções em formato de postagens e comentários. O professor que atua nesta perspectiva apresenta e discute a legislação no espaço escolar com os estudantes e valida a todo momento o conhecimento científico com os estudantes e com seus pares. Por meio destas duas ações tenho resistido, lutado e transformo minha realidade e reforçado a lei e a democracia frente a situações ainda persistentes de obscurantismo em minha localidade que é o município de Ribeirão Preto/SP, no Brasil.

    Referência
    G IR O U X, H e n r y. Os p r o f e s s o r e s c o m o I n t e l e c t u a i s. R u m o a uma p e d a g o g i a c r í t i c a d a a p r e n d i z a g e m . P o r t o A l e g r e: A r t es M é d i c a s, 1 9 9 7

    Odair Ribeiro de Carvalho Filho. Docente do Centro Paula Souza (CPS). Membro do Grupo de Estudos da Localidade (ELO), FFCLRP/UP. Membro do grupo de estudos Investigadores Iberoamericanos em Educação Geográfica (IIEG). Discente na disciplina Relações Étnico-Raciais, Educação e Dinâmica Social no Brasil.

    ResponderEliminar
  73. Primeiramente, parabenizo as autoras por apresentarem um debate tão pertinente e necessário na atual conjuntura política, social e educacional brasileira e mundial. Refletir sobre como podemos contribuir para que nosso fazer docente possa educar de formar mais reflexiva, e questionando qual a melhor abordagem para enfrentar e dialogar com o negacionismo cientifico e histórico. Fatos históricos, sociais e científicos têm sido apresentados por narrativas negacionistas em diversos países. Na Internet, cresce o número de redes sociais, blogs, canais no Youtube, sites, etc., que se dedicam, a negar e mentir sobre diversos temas históricos, políticos e sociais. Os memes, as Fake News, os programas midiáticos, os ‘achismos’ estão presentes cada vez mais no cotidiano das pessoas. Na escola, lidamos com ambiguidades: ao passo que se dialoga com narrativas sobre tolerância, alteridade, democracia, inclusão, também assistimos o discurso de ódio, preconceitos, aversão à democracia, a intolerância manifestada em práticas de bullying. O nosso papel deve ser o de revelar como estas informações, os achismos se constroem, fundamentando o conhecimento cientifico e a visão crítica de nossos discentes. A criticidade nunca foi tão necessária quanto na atual conjuntura em que vivemos, saber como as informações são divulgadas e construídas, suas fontes e estratégias precisam ser desvelados, para que a educação possa construir uma visão mais clara da sociedade em que vivemos e também possa valorizar a diversidade e contribuir para relações mais justas e igualitárias.
    Rosani Cristina Rigamonte. Docente da Faculdade FUNVIC de Mococa. Membro do Grupo de Estudos da Localidade (ELO), FFCLRP/UP.). Discente na disciplina Relações Étnico-Raciais, Educação e Dinâmica Social no Brasil.

    ResponderEliminar
  74. Este comentario ha sido eliminado por el autor.

    ResponderEliminar
  75. Olá,
    Sou professora há 18 anos, nas redes de ensino paulistas públicas, estadual e municipal. Tomei conhecimento deste debate por meio da disciplina Relações Étnico-Raciais, Educação e Dinâmica Social no Brasil, que curso como aluna especial, oferecida pela USP de Ribeirão Preto.
    Diante das exposições, dos relatos apresentados com propriedades e os questionamentos propostos, me indago a como atribuir uma única resposta ou resultado prático que colabore para a reflexão crítica e propositiva sobre “o que fazer desde a escola e suas salas de aula para formar crianças e jovens que se comprometam com seus ambientes e suas comunidades”? Ao meu ver, não é possível dimensionar qual papel a escola pode ocupar no enfrentamento ao negacionismo científico e a ignorância sobre os princípios democráticos, porque agora nossos olhares se voltam para a necessidade de manter a escola viva, diante do cenário de desvalorização dos saberes dos professores estabelecido nos últimos anos. O que podemos especular e acreditar é que essa escola que estamos construindo no período pós-pandêmico, será muito diferente daquela que deixamos antes da adoção das práticas de distanciamentos social. Momento em que a comunidade escolar teve a oportunidade de testar na prática o ensino domiciliar (proposta anti-doutrinação de esquerda em sala de aula). O que se presenciou, no entanto, com o fechamento das instituições de ensino foram impactos econômicos e sociais sobre os diferentes grupos sociais, sobretudo nas populações mais carentes. As crianças e jovens precisam muito mais da escola do que realmente a sociedade estava sendo conduzida a crer a partir da autocensura proposta principalmente por alguns líderes religiosos, em destaque pastores evangélicos. Acredito que a resposta para o questionamento proposto neste fórum está no ato de ensinar e aprender, porém ele só pode ocorrer através de uma articulação em rede: família - escola - gestores públicos, mediante a construção de vínculos fortes e duradouros, colocando em prática o exercício do diálogo, ou seja, a promoção de uma escola aberta, sem muros, sem fronteira, capaz de construir saídas que envolvam todos os territórios. Uma escola que escuta e é ouvida, que transita pelos diversos saberes e culturas, com consciência e coletividade. Pensando e aceitando seu aluno, como sujeito ativo. Principalmente tentando diminuir ao máximo possível as perdas, sem agravar ainda mais as desigualdades pré-existentes.

    ResponderEliminar
  76. Olá, saudações.
    Parabenizo as autoras pela densidade do debate que apresentaram e sua relevância em nossos tempos atuais. Cursei a disciplina "Relações Étnico-raciais, Educação e Dinâmica Social no Brasil" e acredito que muito dos debates propostos em sala de aula são relevantes para compreender esse cenário de polarização e radicalização que cresceu na America Latina. De modo mais explícito nos últimos anos, podemos ver as influências da colonialidade em países que foram colonizados, o desejo de controle e de poder por parte daqueles que detém os privilégios e se enfurecem com a possibilidade de perder as narrativas falaciosas que sempre propagaram.
    Acredito fielmente na educação e nos professores como eixos de transformação e conscientização da realidade em que vivemos. Mas de fato concordo com o destaque das autoras de que os desafios são diversos, as pressões são muitas e a invalidação da classe professorada, principalmente no Brasil, contribui para a ignorância. Apresentar as dominações e os processos históricos que nos fizeram chegar onde chegamos talvez seja um caminho, ao menos plantando a semente da dúvida naqueles que negam o inegável. De fato, se há possibilidade de transformação, esta via é por uma educação que se reconheça libertária, anti toda e qualquer opressão, em especial as de raça, classe, orientação sexual e gênero que são alvos constantes da extrema direita. Reconhecer a partir da perspectiva dos alunos o que os fazem perpetuar alguns discursos também parece inovador e promissor para construção de seres que pensam por si e reconhecem as próprias limitações!
    Danrley Pereira de Castro
    Doutorando no Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social e do Trabalho (PST) do Instituto de Psicologia da USP.

    ResponderEliminar
  77. O artigo traz consigo reflexões de suma importância dentro do contexto que vivemos, trazendo para nosso conhecimento como a bipolarização política se acentuou tanto no cenário brasileiro, assim como no cenário de outros países da América do Sul. Ações antidemocráticas foram financiadas e estimuladas de maneira intensificada por diversos setores da sociedade, culminando no surgimento de movimentos cada vez mais radicais. A sociedade, em geral, necessita entender que o que acontece ao nosso redor influencia na nossa vida, e diante disso, o que acontece nos países vizinhos influencia nosso país, no nosso cotidiano. Sem dúvida, um dos maiores desafios para os futuros educadores será fomentar um ambiente de diálogo, para assim formar comunidades mais tolerantes.

    Vinicius F. Stoppa
    Pedagogia – USP/Ribeirão Preto

    ResponderEliminar
  78. Buenos días compañeras y colegas. Escribo en este foro para resaltar un problema que afecta a toda la comunidad iberoamericana, como es el acceso a la vivienda, en especial en las grandes ciudades por la falta de una política de alquiler de vivienda.
    La reciente polémica suscitada por el veto del presidente de Portugal a la aplicación de medidas legales adoptadas por el parlamento, para sancionar a quienes disponiendo de apartamentos vacíos especulan con ellos, dio lugar a un intercambio de whatsapps entre miembros de esta comunidad del Geoforo en el cual indicábamos que el problema es común a otros países.
    España es el tercer país europeo con más familias con problemas para pagar el alquiler o hipoteca de la casa. Los salarios no suben como los precios inmobiliarios. Se tiene que elegir pagar recibos o no comer ciertos alimentos.
    Desde la Educación Geográfica tenemos un problema social en el cual podemos aportar ideas y soluciones para generar un aprendizaje didáctico y ciudadano.
    Desde Gea-Clío ya hace años hemos participado en este debate con la Unidad Didáctica "Viviendas y Ciudades", que podéis encontrar en la página web del grupo Socials.uv.org de acceso gratuito a través de la entrada de Gea-Clio

    ResponderEliminar
  79. Os acontecimentos que se estão a desenrolar no quadro do conflito israelo-palestiniano são resultado de décadas de ocupação e desrespeito sistemático por parte de Israel do direito do povo palestiniano a um Estado soberano e independente, da permanente violação de todas as resoluções da ONU e acordos internacionais sobre a questão da Palestina, da inexistência desde há muitos anos de um real processo político com vista à resolução do conflito no respeito pelos inalienáveis direitos nacionais do povo palestiniano.
    Todo o acto terrorista é condenável, mas, mais uma vez, tudo é produzido historicamente. Acção gera reacção. Todos os actos extremistas são neste caso consequência do incumprimento e violação de acordos e resoluções, incluindo da ONU, da inviabilização da solução política para o conflito que é do interesse dos EUA, da impunidade face à ocupação israelita e ao bloqueio a Gaza, aos milhares de presos políticos palestinianos, da impunidade da política e crimes de Israel e da condenação sempre e só aplicada à resistência palestiniana.
    É necessária uma solução política, diplomática e pacífica para o conflito, assente na existência de dois Estados, garantindo a concretização do direito do povo palestiniano a um Estado soberano e independente, com as fronteiras de 1967 e capital em Jerusalém Oriental, e a efectivação do direito ao retorno dos refugiados, conforme as resoluções pertinentes da ONU. O futuro da humanidade está em todos nós e a cidadania territorial é um dos instrumentos necessários para que, por via da educação geográfica mais crítica, consigamos desenvolver educação e cidadania políticas conscientes pós-coloniais, transformadoras, emancipatórias, contribuindo para a paz, solidariedade e união entre os povos do mundo. Estão comigo? Luís Mendes, CEG,IGOT-UL

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Tenho acordo com o debate que propõe, Luís Mendes. A questão dos palestinos-israelenses, para além da questão religiosa, apresenta-se como a mais longa disputa territorial na história recente. 7 décadas de disputas, controle territoriais e repressão aos palestinos na faixa de Gaza.

      Eliminar
  80. Bianca Rodrigues Domingues Cardoso, estudante de Ciências Sociais da UNESP - Faculdade de Filosofia e Ciência - Campus Marília.

    O artigo, intitulado "A Necessidade de uma Educação Política a Partir do Sistema Escolar" e elaborado pelos autores Rosmery Alcaraz, Andrea Lastoria, Nancy Palacios e Liliana Pizzinato, aborda a crescente polarização política e mobilização social em países da América Latina e Ibero-América, destacando a importância da educação política no sistema escolar para enfrentar esses desafios.
    No contexto brasileiro, o texto destaca a intensificação da bipolarização política após a eleição do presidente Luiz Inácio Lula da Silva em 2022. A recusa de Jair Bolsonaro em comparecer à posse e os ataques subsequentes a instituições democráticas, como o Palácio do Planalto, refletem a polarização exacerbada. O governo de Lula busca superar obstáculos criados por extremistas, implementando medidas preventivas e novas políticas nas áreas social, econômica, educacional e cultural.
    Na Colômbia, a polarização política é evidenciada pela divisão entre correntes de esquerda e direita, representadas pelo uribismo e o petrismo. O acordo de paz de 2016 entre o governo e as FARC não foi totalmente eficaz, e a sociedade colombiana continua dividida em relação ao modelo de Estado. Os efeitos econômicos da pandemia agravaram a situação, com altas taxas de inflação e desemprego, aumentando a polarização e alimentando manifestações antidemocráticas.
    No Peru, os protestos iniciados em dezembro de 2022 nas regiões andinas refletem a desconfiança dos povos originários em relação ao Governo Central. A ascensão e subsequente detenção do presidente Pedro Castillo geraram protestos em todo o país, levando a uma crise social, econômica e política. As consequências incluem mortes, inflação elevada e perdas econômicas significativas.
    Diante desse panorama, o artigo questiona a capacidade da escola em lidar com a polarização política e os desafios sociais. A reflexão se concentra na formação de um corpo docente inovador e criativo, capaz de enfrentar as problemáticas sociais, promovendo uma verdadeira democracia nos países. O debate é estendido aos desafios enfrentados pelos professores de Geografia e História, que buscam ensinar em contextos marcados por radicalismos, negacionismo científico e desvalorização dos saberes docentes.
    Logo, o artigo destaca a urgência de uma educação política nas escolas para capacitar os cidadãos a enfrentar conscientemente as crises socioeconômicas e políticas, utilizando exemplos do Brasil, Colômbia e Peru para ilustrar os desafios enfrentados pelos sistemas educacionais em meio a contextos polarizados e mobilizações sociais.

    ResponderEliminar
  81. Malfadamente, não restam dúvidas de que o continente latino-americano encontra-se em verdadeiros tempos de cólera. Como bem pontuado pelo texto, escrito em fevereiro de 2023, países como Brasil, Peru e Colômbia – e agora poderíamos incluir também a Argentina - vem passando por um cenário político, econômico e social demasiadamente instável, caracterizado não somente pela ascensão de ideologias de extrema direita, como também pelo silenciamento e menosprezo ao debate político, ao pensamento crítico e às discussões e levantamentos suscitados pelas humanidades. Em conformidade a isso, em um contexto de negacionismo e de verdadeiro ódio e ojeriza à ciência, em especial às ciências humanas, nós, enquanto estudantes e pesquisadores da geografia, história e das ciências sociais deveríamos nos indagar sobre qual o papel de tais áreas do pensamento frente ao cenário em questão e como a escola, enquanto instituição responsável pela perpetuação de um saber científico, deveria se posicionar em uma situação como essa.
    Isto posto, antes da passarmos para a essência e os objetivos das disciplinas mencionadas anteriormente, assim como a sua devida importância para o combate ao fascismo e todo extremismo oriundo do mesmo, seria oportuno, antes, debatermos um pouco sobre o próprio trabalho educativo e como o mesmo vêm sendo corroído nos últimos anos. Assim sendo, se nós nos pautarmos na teoria histórico-crítica, aquela desenvolvida por Vygotsky e autores similares, o trabalho educativo alcançaria a sua finalidade, tomando de empréstimo as palavras de Newton Duarte, ‘’quando o indivíduo singular se apropria da humanidade produzida histórica e coletivamente, quando o indivíduo se apropria dos elementos culturais necessários à sua formação como ser humano, necessários à sua humanização.’’

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. O professor Saviani, por sua vez, complementando e enriquecendo a nossa discussão, admite o seguinte:

      O trabalho educativo é o ato de produzir, direta e intencionalmente, em cada indivíduo singular, a humanidade que é produzida histórica e coletivamente pelo conjunto dos homens. Assim, o objeto da educação diz respeito, de um lado, à identificação dos elementos culturais que precisam ser assimilados pelos indivíduos da espécie humana para que eles se tornem humanos e, de outro lado e concomitantemente, à descoberta das formas mais adequadas para atingir esse objetivo

      Desta forma, toda a finalidade e objetivos da educação deveriam ser a própria humanização dos nossos alunos, processo esse que, por seu turno, ocorreria mediante a compreensão e apropriação de uma certa parcela do conhecimento produzida pelo gênero humano. Destarte, a escola, teoricamente nesse sentido, seria uma instituição importantíssima para tal finalidade, pois a mesma compreenderia ao locus em que ocorreria a reprodução de tais conhecimentos, permitindo, com isso, uma possível emancipação por parte dos nossos educandos. Todavia, na prática, nós sabemos muito bem que isso não ocorre por diversos motivos.
      Em um primeiro momento, poderíamos tomar os escritos do teórico brasileiro Ruy Mauro Marini, conforme o qual o Brasil e demais países da América latina correspondem a economias dependentes, de tal modo que a educação em tais Estados não apresenta um papel de destaque dentre as pautas políticas e econômicas locais, pois o foco das nossas burguesias seria impossibilitar a perda da maior parcela possível de mais-valia produzida, e não a realização de investimentos em setores estratégicos. Outro ponto importante seria o próprio contexto histórico que o Brasil e os demais países estão submetidos, contexto esse que, por sua vez, vai ao encontro dos enclaves impostos pela nova ideologia neoliberal.
      Nesse sentido, esta última, alimentada e sustentada por um modelo de acumulação flexível, atua tanto no sentido de demonizar o setor público e estatal da nossa sociedade, quanto reforçar determinadas expressões da sua composição ideológica, em especial, no nosso caso, da figura e da atuação do empreendedorismo. Em outras palavras, em que sentido a educação teria relevância em um país que, desde as últimas décadas, vêm passando por um processo de desindustrialização e reprimarização das suas exportações? Em tal caso, seria muito mais oportuno para as nossas classes dominantes privilegiar outros assuntos e pautas, deixando o setor educacional brasileiro perecendo aos poucos. Ora, afinal, em um contexto ideológico que culpabiliza o indivíduo por problemáticas sociais, o fracasso e ruína do jovem que não alcançou uma posição de destaque e que viu todos os seus sonhos diluir em suas mãos seria um problema exclusivamente dele, condicionado e motivado por uma falta de destreza e merecimento.

      Eliminar
    2. Deste modo, é justamente por isso que o professor, como bem pontuado por Saviani, Florestan e outros, apresenta, para além de um papel pedagógico, uma função política dentro de sala de aula. Em outras palavras, se o objetivo da ação educacional é a humanização dos nossos alunos, o professor deve ter em mente, também, de que forma o mesmo ministrará o seu conteúdo e qual a finalidade do mesmo, preocupando-se, sempre, em qual tipo de educação será ofertada, quer dizer, se a mesma será de conformidade e aderência à ideologia dominante ou se ela buscará meios e possibilidades para emancipar, mesmo que minimamente, os seus educandos. Florestan Fernandes, nesse sentido, afirma o seguinte:

      O educador educa os outros, mas ele também é educado. No processo de educar, ele se educa, se reeduca e quando pratica uma má ação no sentido gestaltiano ele se autopune, aprende alguma coisa. A educação do educador é um processo complexo e difícil.{...}O educador está se reeducando, em grande parte, por sua ação militante, à medida que aceita a condição de assalariado, que proletariza a sua consciência, portanto seus modos de ação. Isto apesar de ser uma pessoa da pequena burguesia ou da classe média. Ele rompe com seus padrões ou então passa por um complicado processo de marginalidade cultural, porque compartilha duas formas de avaliação: uma, que é mais ou menos elitista; a outra, que é mais ou menos democrática e divergente. Nessa situação limite, o professor se vê obrigado a redefinir a sua relação com a escola, com o conteúdo da educação, sua relação com o estudante, com os pais dos estudantes e com a comunidade em que vivem os estudantes. E isso vai tão longe que, se um professor primário, que antes era um zero, sair para uma greve, arrastará consigo não só os companheiros, a sua categoria, mas também estudantes, pais de estudantes, a manifestação de massa1


      Mas em relação àquelas disciplinas mencionadas anteriormente, qual a sua relevância das mesmas para o nosso contexto? Bom, é claro que cada uma das matérias citadas apresentam as duas devidas especificidades, particularidades essas que serão abordadas posteriormente, mas todas se assemelham no sentido de conferir ao aluno formas de agir e de pensar no mundo que se distinguem substancialmente do senso comum, pois oferecem ao mesmo recursos e mecanismos capazes de realizar uma averiguação do meio social no qual está inserido qualitativamente mais aprofundada e rica, capaz de correlacionar fatores que, para o senso comum, apresentam pouca dialogicidade entre si. Vejamos isso mais detidamente
      No que se refere à geografia, por exemplo, verifica-se que a ênfase do ensino da mesma é de proporcionar ao estudante aquilo que se denomina de raciocínio ou pensamento geográfico, cujo intuito, muito além de apenas exercitar o pensamento espacial, é o de proporcionar ao sujeito do processo educativo aspectos fundamentais da sua realidade, seja ela de âmbito municipal, estadual, nacional ou internacional. Desta forma, ele deve ser capaz de relacionar elementos sociais com os naturais, de tal forma que o discente possa apreender o homem enquanto sujeito histórico-social e capaz de intervir sobre o meio natural em que reside, modificando-o e, ao mesmo tempo, dialeticamente, alterando a si próprio.

      Eliminar
    3. No que se refere ao ensino de sociologia, muito além de partir de um procedimento meramente positivista e que se pauta exaustivamente na memorização, o objetivo capital de tal disciplina seria o de proporcionar ao aluno diferentes abordagens teórico-metodológicas das mais variadas escolas sociológicas, de tal forma que mesmo possa, a partir dessa rica e prolífica formação, relacionar o que acontece na sua vida, em âmbito mais subjetivo, com os fenômenos políticos, econômicos e sociais mais amplos, de caráter objetivo, na sua cidade, no seu Estado ou país, algo que wright mills denominou de ‘’imaginação sociológica’’ no seu clássico livro de 1959 ‘’A imaginação sociológica.’’
      Por fim, a história, muito além de uma mera memorização de nomes e fatos históricos, deve oferecer ao estudante a concepção segundo a qual a mesma caracteriza-se enquanto a ciência que estuda o homem enquanto ser prático e social, sujeito e modificador do seu entorno, e como tais metamorfoses se deram ao longo dos anos. Todavia, longe de corresponder a uma área do conhecimento presa ao passado, a mesma a utiliza enquanto ferramenta capaz de interpretar o presente, assim como propor os devidos diagnósticos para as suas convulsões políticas, econômicas, sociais e similares.
      Em conformidade aos argumentos apresentados, podemos concluir que a escola e que tais disciplinas, apesar de certos limites estruturais e econômicos próprios de um capitalismo dependente e associado, são fundamentais para enfrentar a onde de extremismo e negacionismo que vem subjugando o nosso continente. Por fim, apesar de certas problemáticas que a escola enquanto instituição apresenta – intempéries essas que devem ser levadas em consideração em qualquer análise sociológica da área e que devem ser tratadas com mais rigor e prolificidade em textos posteriores - , deve-se fazer uma certa defesa da mesma, assim como das humanidades e do pensamento crítico e combativo, que são as principais armas para contextos como esse.

      Eliminar
    4. Referências bibliográficas:
      ABRANTES, A. A. Adolescência adulterada: a (contra) reforma do Ensino médio e a formação do jovem adolescente a partir da Psicologia Histórico-Cultural. In PENITENTE, L.A.A., MENDONÇA, S. G. L., MILLER, S. As (contra)reformas na educação hoje. Marília: Oficina Universitária; São Paulo: Cultura Acadêmica, 2018.
      DUARTE, N. Relações entre ontologia e epistemologia e a reflexão sobre o trabalho educativo.

      DAYRELL, J. A escola “faz” as juventudes? Reflexões em torno da socialização juvenil. Educ. Soc., Campinas, vol. 28, n. 100 - Especial, p. 1105-1128, out. 2007.

      Lefrançois, Guy R. Teorias da aprendizagem, o que a velha senhora disse. São Paulo. 1ed. Cengage Learning. 2012

      LEONTIEV, A. N. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. São Paulo: Ícone, 2001.
      Novaes, Henrique Tahan; Okumura, Julio Hideyshi. Introdução à política educacional em tempos de barbárie. 1ed. São Paulo. Cultura Acadêmica. 2021

      RAMOS, L. O., FERREIRA, R. A.. Sobre uma práxis interdisciplinar: aproximações e proposições. Rev. bras. Estud. pedagog., Brasília, v. 101, n. 257, p. 197-216, jan./abr. 2020.
      Oliveira, Marta Kohl. Vygotsky, aprendizado e desenvolvimento, um processo sócio-histórico. 1 ed. SP. Editora Scipione. 1991

      Eliminar
    5. Trazer à reflexão a contribuição teórica do teórico Dermeval Saviani nos ajuda a refletir sobre o contexto da educação e reporta aos três países analisados, como trouxe o resumo apresentado no comentário feito por Caroline.
      O Brasil, nos ataques de 08 de janeiro expressou a violência que está presente no cotidiano dos países em conflito.

      Eliminar
  82. Olá, muito prazer, o meu nome é Fernanda Rocha Macedo, estou cursando o bacharel em Ciências Sociais pela Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, UNESP-Marília/ SP e estou matriculada na disciplina Tópicos de Geografia, ministrada pela Dra. Prof° Silvia Aparecida de Sousa Fernandes.
    Nesse momento estou aqui para deixar um comentário como forma de um processo avaliativo. Gostaria de pontuar o conceito da bipolaridade política na qual refere-se a uma situação em que há uma clara divisão ou polarização da sociedade em torno de duas posições políticas opostas e muitas vezes extremas. Isso pode ocorrer em vários níveis, como partidos políticos, ideologias, ou até mesmo em questões específicas que geram fortes divisões entre as pessoas. No contexto político, a bipolaridade é muitas vezes associada a uma dicotomia entre dois grandes grupos ou partidos que representam visões políticas distintas. Essa divisão pode criar um ambiente de tensão, confronto e falta de consenso. A bipolarização pode ter várias causas, incluindo questões sociais, econômicas e culturais. Além disso, fatores como mídia, redes sociais e liderança política podem influenciar a intensificação desse fenômeno. É possível reparar essa bipolaridade política no Brasil, Colômbia e Peru, como o artigo “A necessidade de educação política a partir do sistema escolar”, escrito por Rosmery Alcaraz, Andrea Lastoria, Nancy Palácios e Liliana Pizzinato.
    A crescente polarização política e mobilização social na América Latina e na Ibero-América destaca a necessidade urgente de educação política no sistema escolar para lidar com esses desafios. No caso brasileiro, a intensificação da bipolarização política, evidenciada pelos eventos pós-eleição de 2022, destaca a importância de cultivar uma compreensão política sólida desde a juventude. As ações antidemocráticas, como os ataques a instituições e a recusa em aceitar resultados eleitorais, ressaltam a necessidade de uma educação que promova valores democráticos, pensamento crítico e entendimento das instituições políticas.
    O governo de Lula, enfrentando resistência de extremistas, destaca a importância de medidas preventivas e políticas abrangentes nas áreas social, econômica, educacional e cultural. Uma educação política robusta pode ser uma ferramenta vital para construir uma sociedade mais resiliente e participativa, capaz de enfrentar os desafios políticos complexos.
    A necessidade de educação política nas escolas é crucial para formar cidadãos conscientes e participativos na sociedade. Através desse processo, os alunos podem aprender sobre os princípios democráticos, direitos civis, responsabilidades cívicas e como funcionam as instituições políticas. Isso não apenas contribui para o desenvolvimento individual, mas também fortalece a democracia, promovendo o pensamento crítico e a tomada de decisões informadas. A educação política nas escolas desempenha um papel fundamental na construção de uma sociedade mais justa e engajada.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. A polarização política no Brasil, evidenciada pelas discordâncias acirradas entre diferentes grupos e lideranças, está causando impactos significativos na estabilidade democrática do país. As atitudes de desrespeito aos processos democráticos, como a recusa em participar de cerimônias oficiais e as manifestações violentas, refletem uma profunda divisão na sociedade. O cenário descrito no texto revela uma situação de polarização política extrema no Brasil, refletida não apenas nas esferas políticas, mas também em manifestações e eventos que impactam diretamente a democracia. A recusa em participar da transição democrática e os ataques violentos a instituições representativas são sintomas graves dessa divisão política. A utilização de cores patrióticas nas manifestações pode ser interpretada como uma tentativa de apropriação da identidade nacional para promover agendas específicas. Além disso, o papel de agentes externos, como empresários e líderes religiosos, na promoção de ações antidemocráticas destaca a complexidade do cenário político brasileiro. Essas dinâmicas indicam não apenas uma polarização entre diferentes correntes políticas, mas também a presença de interesses particulares que buscam desestabilizar as instituições democráticas.
      A polarização política, a disseminação de fake news, o financiamento de discursos de ódio e a adesão a ideologias conservadoras são fenômenos interligados que demandam uma compreensão profunda. A contextualização dessas questões no âmbito escolar, especialmente em comunidades periféricas, destaca a importância de conectar o macro ao micro, entendendo como esses fenômenos afetam diretamente a vida dos estudantes em diversas dimensões. Além disso, sua abordagem sobre o papel do educador como promotor da reflexão e do debate plural e crítico é crucial. O desafio de articular o ensino com as realidades sociais é evidente, e sua experiência em desenvolver debates reais, relacionados ao cotidiano dos estudantes, exemplifica uma abordagem prática e engajada.
      A compreensão das motivações subjacentes, como frustrações sociais e a busca por soluções "salvadoras", destaca um aspecto fundamental para lidar com esses desafios. A análise da resistência e das conquistas democráticas como elementos-chave ajuda a contextualizar a importância de preservar um ambiente educacional plural e crítico. A menção ao movimento "Escola Sem Partido" como um cerceamento democrático também destaca a necessidade de resistir a iniciativas que buscam limitar a diversidade de pensamento e o exercício da reflexão crítica nas instituições de ensino.
      Esse cenário destaca a importância de promover o diálogo, a educação política e a busca por consensos para fortalecer a democracia e preservar as instituições. O papel da liderança é crucial para unir a sociedade e evitar consequências mais graves decorrentes dessa polarização. A necessidade de um diálogo construtivo, o fortalecimento das instituições democráticas e o combate à desinformação são fundamentais para lidar com essa polarização e preservar os princípios democráticos no Brasil. Integrar a educação política no currículo escolar com as disciplinas de Sociologia, História e Geografia é uma forma de proporcionar aos estudantes as ferramentas intelectuais necessárias para analisar criticamente o mundo ao seu redor. Formar cidadãos capazes de pensar criticamente e participar ativamente nas transformações sociais é essencial para o fortalecimento da democracia. Além disso, é essencial abordar as disparidades sociais e regionais para criar um ambiente educacional mais inclusivo. Nesse contexto, políticas públicas eficazes e a colaboração entre diferentes partes interessadas, incluindo escolas, governo e comunidades, são cruciais para enfrentar esses desafios e promover uma educação que capacite os alunos não apenas academicamente, mas também como agentes de mudança na sociedade.

      Eliminar
  83. No artigo em questão, elaborado pelas autoras Rosmery Alcaraz, Andrea Lastoria, Nancy Palacios e Liliana Pizzinato, é possível análisar a crescente tensão e polarização política, principalmente no que se diz respeito aos países da América Latina e da Ibero-América, onde podemos destacar real urgência e necessidade de se estabelecer meios para uma educação política que se aplique ao sistema escolar como uma forma de auxiliar e pensar em como lidar com os obstáculos e desafios resultantes das inúmeras tensões que enfrentamos e vivenciamos dentro da esfera política.
    O argito conta com o recorte analítico das realidades do Brasil, Colômbia e Peru, onde as autoras delimitam o contexto brasileiro ao processo recente de polarização política, focando diretamente nos conflitos e debates fomentados após a eleição do atual presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, no ano de 2022. Ao levarmos em conta o caráter combativo do ex-presidente, Jair Bolsonaro, e de seus eleitores e apoiadores, que se mostraram em inúmeras ações de cunho antidemocrático, como nos mais variados tipos de ataques voltados às instituições de poder no país, podemos citar como exemplos os ataques violentos voltados às instituições democráticas ocorridos no dia 8 de janeiro de 2023, na cidade de Brasília, que refletem não apenas o cenário de polarização, mas também a própria negação e desconfiança no sistema político brasileiro, presente na negação de aceitação dos resultados eleitorais e de outros variados processos políticos.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Desta forma, se faz necessária a compreensão de que um cenário mais positivo no que diz respeito ao fim da polarização extrema no campo político brasileiro vai além das manobras do governo de Lula em sua busca pela superação de obstáculos criados pelos anos de insatisfação popular e instabilidade criados pelos 4 anos de governo Bolsonaro, além do desenvolvimento de novas políticas e ações de cunho social, econômico e cultural, também é de extrema e fundamental importância a criação e engajamento de ações educacionais que tenham com foco central ressaltar diretamente a necessidade de valores democráticos na vida de todos os indivíduos de nossa sociedade, uma vez que ao se estabelecer os pilares que constituem o pensamento crítico dos mesmos, também torna-se possível aplicar tal pensamento para a escolha mais consciente de líderes políticos, bem como seus papéis e com um entendimento mais claro dos cargos e das instituições políticas de que faram parte e das quais estarão presentes para representar a população brasileira de forma geral.
      Assim, reconhecer a necessidade de se incluir uma educação política nas escolas se torna o primeiro passo para o processo de uma reconstrução do cenário político nacional, bem como a chave para que se estruturem sujeito mais criteriosos em nossa sociedade, onde os alunos estarão expostos aos trâmites e conhecimentos voltados aos princípios não só democráticos, mas também a seus direitos e deveres, sejam estes de caráter civil ou não. Esse processo de construção não se mantém restrito ao campo de desenvolvimento pessoal e singular de cada aluno, ele também atua como a construção de uma base coletiva e mais politizada, permitindo uma coletividade crítica que tem como principal foco o fortalecimento da democracia brasileira, promovendo uma sociedade cada vez engajada e que busca compreender e lutar pela transparência política de seus governantes. Um dos passos adotados para que se caminhe para uma educação política nas escolas brasileiras foi a criação do projeto de lei 1108 de 2015, aprovado pela Câmara dos Deputados no dia 9 de agosto de 2023. Tal projeto de lei torna obrigatório o ensino do que está sendo chamada de “Educação Política e Direitos do Cidadão” em escolas de níveis fundamental e médio do país. Desta forma, é possível notar uma mobilização governamental para que se faça possível o desenvolvimento de uma consciência política dos indivíduos, o que não só atua como uma forma de desmistificar inúmeras dúvidas e incertezas cultivadas durante os anos do governo Bolsonaro, bem como durante o período pandêmico, mas també como ação que visa a construção de uma futuro político mais positivo para o Brasil.

      Milena Guerrero Bannwart – quinto ano de Ciências Sociais (período noturno)
      Disciplina: Tópicos de Geografia
      Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, UNESP-Marília/ SP

      Eliminar
  84. Matheus Chinellato - Ciências Sociais
    Unesp - Marília - FFC

    O texto logo no começo nos apresenta com uma solução bastante pertinente em relação às reflexões ao fim, o papel e contribuição de áreas como a da geografia, história e ciências sociais na escola, não só com o trabalho de pesquisa mas também com o compromisso com a educação e formação de professores para contribuir com o salto ontológico que foge do senso comum vendido pela cultura de massa.
    A dicotomia citada, principalmente sobre o Brasil, país de onde falo, é explícita nas mais diversas relações sociais, convicções de uns que tem palco nas mídias se tornam ‘’mais verdades’’ que outras explicações de caráter científico, até mesmo a chance de diálogo é mitigada por essas bolhas de opiniões, ao iniciar uma reflexão mais profunda com os alunos ou até colegas professores, somos bombardeados com inverdades baseadas em opiniões de influencers que provam seu ponto de vista com chulas lógicas.
    A escola, ou nos educadores, já que está instituição hoje no Brasil, especialmente no estado de São Paulo, vem sofrendo com a burocratização e as influências políticas nas tomadas de decisões, precisamos aproveitar das brechas dos currículos para conseguir montar aulas que desnaturalizam e estranhem relações de poder sobre o que é ou não conhecimento baseado em opinião e convicções.
    O ensino de matérias como história e geografia estão enfrentando com o radicalismo, fatos são revisados a olhos marcados pela opinião mais que pelo olhar científico, o enfrentamento disso é exercício do cidadão, perpassa a atuação dentro da sala, mas deve se tornar práxis para que seja possível lutarmos, o campo da sociologia, na escola, vem também sofrendo com a diminuição das horas/aula e até o acesso aos alunos a essa disciplina fica diminuído.
    Enfrente esses radicalismos na escola, é aproveitar a juventude, que ainda não se percebe no status quo, para criar, mesmo que de maneira rasa e de relação por relação, alunos com senso crítico.
    Nós educadores já reagimos diariamente na nossa atuação ao radicalismo e negacionismo que está se engendrando cada vez mais na sociedade brasileira, o compromisso de ensinar para permitir que o aluno se transforme e desenvolva para si um senso crítico parece ser uma das brechas para lutar contra essa ideologia de opiniões que vem crescendo, mas não é apenas no papel de educador que devemos carregar esse compromisso, ou pelo menos devemos incluir mais pessoas nesse movimento de libertação da palavra do indivíduo, como diria Paulo Freire.

    ResponderEliminar
  85. A questão do avanço da extrema-direita tem sido muito cara ao cenário geopolítico mundial, mas, principalmente, a América-Latina pelo seu longo histórico de repressão e resistência, colonização, ditaduras, imperialismo, movimentos sociais, entre outros.
    O cenário político atual é um constante resultado das propostas neoliberais que se expandem desde os anos 90. Mesmo com a chamada “Onda Rosa” (tendência à esquerda) na América do Sul, os políticos responsáveis se destacaram por projetos sociais e progressistas, mas sem nenhuma proposta significativa e interrupção com o neoliberalismo e a ordem do capital. Lula e o Partido dos Trabalhadores são os exemplos mais próximos de nós quando se trata de Brasil.
    Mesmo no processo de redemocratização, o PT foi o único partido de esquerda forte, mas que não foi capaz de desenvolver um projeto político, ao longo de 14 anos, contra-hegemônico para combater a direita e a extrema-direita. Estas sempre prevaleceram e, portanto, nunca foram dissolvidas. Pelo contrário, estão mais fortes do que nunca.
    O artigo proposto trata de Colômbia e Peru, do avanço da extrema direita, a fascistização da sociedade como um todo, mas também pode-se comentar a recente vitória de Javier Milei na Argentina. Por mais absurdo que pareça para os olhos da esquerda, a eleição de um político extremo, como Milei ou Bolsonaro, reflete os interesses da burguesia local, ou até mesmo internacional. Essa classe possui o poder econômico e político o suficiente para agitação e propaganda a ponto de captar as classes médias e baixas.
    E claro, a fascistização da sociedade ataca vários ramos desta. A educação, talvez, seja a mais significativa. Os fantasmas que a direita cria são tão críticos como, por exemplo, a proliferação da fake news do “kit gay”, da proposta da Escola Sem Partido ou da Reforma do Ensino Médio. Os alunos ficam à mercê de uma violência silenciosa, mas extrema, e os professores, reféns desse sistema, com medo de perderem seus empregos por causa de pais conservadores.
    Por isso, acredito que, por mais que ondas progressistas possam voltar a acontecer (como a derrota de Bolsonaro e a eleição de Lula em 2022), a democracia liberal burguesa está enraizada em pressupostos muito mais profundos, possibilitando sempre a volta do fenômeno fascista. É preciso travar uma luta anticapitalista e antifascista, resistir, continuar compondo movimentos sociais, partidos e sindicatos para o fortalecimento das classes populares. Nas escolas, tentar levar atividades aos alunos que levem essas reflexões, driblar o sistema que impõe a retirada das disciplinas de humanas e as lecionar mesmo assim.

    Bê de Mello Barros — graduando no 4º ano de Ciências Sociais na UNESP/FFC
    Comentário realizado ref. à disciplina Tópicos de Geografia, ministrada pela prof.ª Silvia Aparecida de Sousa Fernandes

    ResponderEliminar
  86. Victoria Fernanda T. S. M de Jesus, estou cursando o bacharel em Ciências Sociais pela Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, UNESP-Marília/ SP e estou matriculada na disciplina Tópicos de Geografia, ministrada pela Dra. Prof° Silvia Aparecida de Sousa Fernandes.

    Como já declarado no começo do texto, a complexidade das situações políticas no Brasil, Colômbia e Peru revela a necessidade urgente de uma educação política sólida que vá além do simples fornecimento de informações. A polarização extrema, a desconfiança nas instituições e os protestos sociais destacam a importância de abordar as crises socioeconômicas de forma consciente e reflexiva. Nesse cenário, as disciplinas como Geografia, História e Ciências Sociais desempenham um papel crucial no desenvolvimento de uma compreensão mais ampla e crítica por parte dos cidadãos.
    No Brasil, a polarização política se manifesta de maneira intensa, evidenciada pelos eventos após a eleição de 2022. A falta de diálogo e respeito às instituições democráticas culminou em atos de vandalismo e desrespeito ao processo democrático. Este ataque à democracia constitucional do Brasil é um exemplo claro de como a falta de compreensão política pode levar a ações destrutivas e antidemocráticas. Essa falta de compreensão, evidencia também o corte nos investimentos necessários para manter uma educação no mínimo básica e consciente, feitos pelo governo anterior, para os mais jovens e a disseminação de fake news, que atingiu os mais velhos (também sem uma consciência política básica)
    A educação política, especialmente nas disciplinas de Geografia e História, pode oferecer uma compreensão mais profunda das estruturas políticas, promovendo o respeito às diferenças e estimulando o pensamento crítico desde a juventude.
    Na Colômbia, a polarização entre correntes políticas de esquerda e direita é agravada pela desconfiança nas instituições e pelos impactos econômicos da pandemia. O papel das disciplinas sociais torna-se crucial na formação de cidadãos capazes de analisar criticamente propostas políticas e compreender as complexidades do sistema. A educação política deve incentivar o debate saudável e a busca por soluções consensuais, promovendo a estabilidade social.
    No Peru, os protestos revelam descontentamento com a liderança política e as decisões tomadas. A educação política pode desempenhar um papel fundamental ao abordar a diversidade cultural e social do país, promovendo uma compreensão mais profunda das necessidades das diferentes regiões. A resistência à mistura de ensino com política deve ser superada, permitindo que os estudantes compreendam a relação entre suas realidades locais e as decisões políticas.
    Diante dos desafios apresentados, os educadores, especialmente aqueles de Geografia e História, têm a responsabilidade de proporcionar aos alunos ferramentas para analisar criticamente os eventos políticos. A reflexão sobre as crises socioeconômicas deve ser parte integrante do currículo, incentivando a participação cívica informada e o respeito pela diversidade de opiniões; não excluindo o apoio e investimento que devemos ter do governo, para que situações do tipo possam, de fato, serem possíveis de executar.
    O debate proposto sobre o papel da escola e dos educadores nesse contexto é essencial. Como acadêmicos, é vital refletir sobre a melhor forma de abordar temas sensíveis, promovendo uma educação política que vá além da transmissão de informações, mas que estimule o pensamento crítico, a empatia e pensamentos de possíveis resoluções. A construção de uma sociedade mais justa e democrática começa nas salas de aula, onde os alunos podem desenvolver habilidades para enfrentar os desafios políticos com consciência e reflexão.

    ResponderEliminar
  87. A educação no Brasil, nos anos 90 passou por um processo de universalização, no qual foi garantido o direito ao acesso de todos ao sistema escolar, é sabido que esta política foi de cunho neoliberal, política qual garantiu o acesso as escolas públicas mas os investimentos nas escolas continuaram os mesmos. Os resultados logo foram apurados, e os dados obtidos embasavam que a população continuava analfabeta. Somente o acesso não garante a qualidade de ensino.
    E um ensino de qualidade é a base para que se formem seres pensantes e críticos.
    Isso se reflete também na política, por as massas, bombardeadas de informações, fake news, etc., acabarem por não ter ferramentas conscientes de discernimento da realidade, e do que chega até elas como informação. A bipolarização partidária e ideológica no Brasil, sobretudo no governo Bolsonaro, e agora com Melei na Argentina, se dá de uma forma caricata; um representante abertamente intolerante a minorias, com falas machistas, racistas, com projetos indigenistas, dentre outras falcatruas que visavam apenas o bem-estar de poucos em detrimento do bem-estar social. Estas artimanhas, no caso do governo citado, foram difundidas principalmente por grupos de WhatsApp e redes sociais, quais não tinham legislação em vigor que se preocupassem com a veracidade dos fatos difundidos, tornando tais fake news ferramentas incorporadas pelos eleitores de direita (ou extrema direita) na disputa política.
    Em linhas gerais, não há educação democrática se a sociedade não é verdadeiramente democrática. Tampouco haverá uma educação crítica, em um sistema escolar que visa a mão de obra mais barata possível. E este não é um problema da escola em si, mas do aparato burguês-capitalista no qual a escola está inserida. É preciso pensar para além da sala de aula na formação escolar, mas atentar-se para o fato de que o processo de criar pensamento crítico, produzir conhecimento, ter contato com a realidade, etc., se dá no ambiente escolar, e não em grupos de WhatsApp.
    Vitor Pavan dos Santos - graduando em Ciências Sociais - UNESP/FFC.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Como trazem Be, Matheus, Fernanda, Milena e Victoria, problematizar o ensino e propiciar a educação democrática é um modo de fortalecer as instituições políticas e o exercício da cidadania.
      A escola é o local do diálogo, debate de ideias e formação para a cidadania democrática. Contudo, as redes sociais e demais mídias podem contribuir para o ensino e reflexão sobre as realidades sociais. Como destaca Vitor, o uso das redes para articulação dos grupos de extrema direita no país demonstra o uso nefasto das tecnologias.

      Eliminar
  88. Olá, meu nome é Emiliana, sou do curso de Ciências Sociais da UNESP de Marília, aluna da professora Silvia Fernandes, na disciplina de Tópicos de Geografia.

    Como aluna da Licenciatura, futura professora, tentarei contribuir para a chamada deste fórum: pensar o que podemos fazer, a partir da escola, diante aos difíceis cenários apresentados. Para isso, levarei as perguntas propostas. Primeiramente, a situação no Brasil apresentada, demonstra o grande momento de polarização que temos vivenciado, no entanto, gostaria de ressaltar a Reforma do Ensino Médio, como ponto crucial para o retrocesso que temos vivido em nosso país. Ao longo do texto de entrada, foi citado que “Muitos desafios estão colocados, inclusive para professores, especialmente os de Geografia e História, que estão lidando com estudantes imersos nesse universo bipolarizado repleto de ódio, pouco diálogo, preconceitos e ignorância.”, no entanto, para além deste desafio, digamos que de não acolhimento aos nossos conhecimentos, por parte dos estudantes, há também o combate massivo das disciplinas de humanas, por parte dos últimos governos, nas escolas de ensino básico. A primeira situação, ilustrada no texto base, é apenas um reflexo de uma conjuntura maior.
    Atualmente, no Brasil, não há espaço para as humanidades na escola. E eu acredito fielmente que o clamor por uma educação política é sim reflexo da precarização do caráter pedagógico nas escolas. As escolas devem ensinar a pensar! (E. V. Ilyénkov) Pensar críticamente.
    Ao início do texto base chamou-se a atenção para uma situação que ilustra bem o problema que estamos vivenciando no momento: “Neste âmbito o exercício cidadão toma partido frente à informação divulgada nos meios de comunicação, polarizando ainda mais as condições nos países; cuja influência midiática pode ser mais forte que a formação proporcionada na escola.”, isto se dá, pois, as escolas já não ensinam mais a pensar. Os alunos, assim como os professores, estão cada vez mais inertes ao processo de alienação, que tem tomado conta do ambiente escolar a partir do momento que este passou a ser também mercantilizado. Hoje, com a Reforma do Ensino Médio, os alunos creem ter adquirido poder de escolha, para optar pelo o que aprender, quando na verdade o que recebem é a precarização e limitação de seus aprendizados. A História, a Geografia, as Ciências Sociais, aqui colocadas como essenciais à Educação Política, hoje no Brasil são substituídas por aulas de empreendedorismo, projeto de vida, ou mesmo, ministradas a partir de professores da matemática, da física, que não apresentam domínio algum dos conteúdos ofertados por essas disciplinas. A justificativa é de que hoje se faz necessário uma educação interdisciplinar, mas se esquecem que para ser de fato interdisciplinar é necessário que existam primeiramente, as disciplinas. Coloca-se o aluno como protagonista, mas se esquecem que sem um professor para guiar, não há rota a se seguir. E para quem não sabe para onde ir, qualquer caminho serve, não é mesmo? Como continuar a ensinar História, Geografia e Sociologia em contextos sociais marcados por radicalismos que ignoram os avanços das pesquisas educacionais? Eu me pergunto todos os dias. Até porque esta questão, para nós no Brasil, já está institucionalizada e sem previsão de volta. No entanto, eu aposto na curiosidade da juventude, no processo de tentar entender o mundo, pelo qual elas passam neste momento em que a escola é ponto crucial em suas vidas. Evidenciar os processos históricos, os fatos e evidências, trazer junto a elas os processos metodológicos pelos quais a ciência e os conteúdos científicos passam para serem validados, me parece um bom caminho. Isto, apesar de pedagógico, é também extremamente político. Pois, ensinando a validade de um conhecimento científico, a fim de buscar adesão entre os alunos, ensinamos também que nem toda informação é verdadeira, assim como os meios seguros para se certificar sua validade. O quão importante é este “ensinar a pensar” no enfrentamento às Fake News?

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Aproveitando este gancho, deixo a indicação de uma pequena coletânea, chamada “Socialização do Saber Escolar”, de Betty A. Oliveira e Newton Duarte, acerca do caráter extremamente político já contido na educação pedagógica, das classes populares em especial.
      Quanto às contribuições da instituição educativa/escola, penso que para formarmos alunos politizados, primeiro temos de reconhecê-los enquanto sujeitos políticos. Neste sentido, acredito que a escola precisa aderir cada vez mais a organização política e democrática como meio de estruturação. Incentivar a (r)existência de grêmios estudantis, a organização de assembléias, entre os estudantes, e as reivindicações no ambiente escolar é essencial para uma educação política. Entender, desde o ensino básico, que somos capazes de fazer política, é essencial!
      O que proponho, não é algo extraordinário, no Brasil, inclusive esta possibilidade é regulamentada, no entanto o desincentivo é tamanho que muitos alunos não têm conhecimento destas ferramentas, ferramentas, sim, políticas.
      Por fim, respondo a última pergunta: Como seguir o trabalho docente enfrentando o negacionismo científico, a ignorância sobre princípios democráticos e a desvalorização dos saberes dos professores? Tendo a certeza de que o conhecimento é uma ferramenta, também política, a qual os alunos não têm acesso, se não na escola, a partir de nós, professores.

      Eliminar
  89. O artigo traz contextos históricos de alguns países e quais as dificuldades encontradas no meio educacional para se falar sobre questões emergentes da sociedade, política, cultura, meio e movimentos sociais e o pensamento crítico, além de mostrar a importância que têm, e as dificuldades enfrentadas pelos professores de história, geografia e sociologia para trabalhar as suas disciplinas, conteúdos de grande visibilidade na atualidade dentro e para fora das escolas. No Brasil, por exemplo, tais disciplinas vêm sofrendo ataques diretos, mudanças negativas no currículo, como o currículo paulista do estado de São Paulo, que promovem ao estudante uma educação voltada à formação de mão de obra, sem construção do conhecimento e muito menos estimulação ao pensamento crítico e à participação de forma ativa da sociedade que vive e por conseguinte, poderia transformá-la. Desafios que se vê também na Colômbia e no Peru, ambos tratados no texto, acerca de questões políticas radicais que permeiam os países, lembro ainda da Argentina pelo resultado das últimas eleições presidenciais, cenários banhados pela ascensão da extrema direita e por movimentos negacionistas contra o fazer da ciência, ao pensamento crítico das pessoas e a todo trabalho educacional desenvolvido. Dentro de todo esse trabalho educacional, a importância das disciplinas de ciências humanas já citadas, ainda que com toda dificuldade exposta no texto, assumem o caráter maior do que apenas informar, mas produzir e estimular pensamentos acerca de temas que a mídia também trata na atualidade, apontando as problemáticas espalhadas pelo mundo e mais que isso, fazendo dentro da sala de aula de criar com o estudante todo o panorama do que está se vivendo, quais fatores analisar e a partir deles, buscar reflexões e formas de discussões coerentes, nas palavras do sociólogo e professor Florestan Fernandes, “a educação para os alunos, deveria ter caráter de experiências transformadora, à medida que desenvolvessem a criatividade e assim pudessem se libertar da opressão social”.
    Como futuros professores, é preciso estar sempre firme no propósito de reforçar a importância das disciplinas de geografia, história e das ciências sociais dentro da escola, fazendo com que os estudantes se sintam pertencentes aos assuntos tratados e estimulados a pensarem de forma crítica, ativa e politizada, com método e de forma clara, dessa forma, dentro e fora da sala de aula teremos uma sociedade mais justa, igualitária e democrática. Pensar politicamente é alguma coisa que não se aprende fora da prática, se o professor pensa que sua tarefa é ensinar o ABC e ignora a pessoa de seus estudantes e as condições em que vivem, obviamente não vai aprender a pensar politicamente ou talvez vá agir politicamente em termos conservadores, prendendo a sociedade aos laços do passado, ao subterrâneo da cultura e da economia. (FERNANDES, 1989, p. 165).

    Matheus Augusto M. Leite
    Licenciado e Bacharelando em Ciências Sociais
    Faculdade de Filosofia e Ciências - Unesp Marília

    ResponderEliminar
  90. Kamila Juliana Paixão Benetoli28 de noviembre de 2023, 11:11

    O texto nos propõe a refletir sobre as tensões políticas que vêm ocorrendo na América Latina, em especial no Brasil, Colômbia e Peru, nos últimos anos. Tensões essas que apesar de atuais, são resultados de um longo conflito político marcado pela formação histórica desses territórios, que vai desde a colonização, a dominação imperialista e as políticas neoliberais que foram implementadas ao longo dos anos. Não é de hoje que as ações dos movimentos sociais se faz presente na luta em defesa da democracia e da garantia ao exercício dos direitos sociais dos cidadãos. Mesmo imersos em milhares de informações, a população ainda se vê em meio aos conflitos causados pela bipolarização dos partidos de extrema-direita e esquerda.
    Neste contexto o papel midiático tem um grande peso no que se diz respeito à formação da opinião pública, porém a mídia, também polarizada, não contribui para uma conscientização integral da população, trazendo notícias e informações tendenciosas que influenciam as pessoas a acreditarem no que está sendo exposto e não em refletir e criticar o que vem ocorrendo na sociedade. Desse modo a esperança sempre está na educação, que se fosse exercida de maneira eficiente formaria cidadãos politizados e capazes de intervir na realidade.
    O presente fórum traz a necessidade de pensar meios para uma educação política a partir do sistema escolar. É importante ressaltar que este sistema escolar, seja no Brasil ou nos outros países aqui analisados, sempre vai atender as demandas do Estado e seus representantes atuais, sendo assim o problema é muito mais complexo do que meramente investir em formação de professores que tragam essas questões para as salas de aula, mas enfrentar todo o aparato estatal que não quer que que os estudantes tenham acesso a esse conhecimento, oferecendo materiais vazios de conteúdos e negando a ciência, principalmente as disciplinas da área de humanas, como Geografia, História e Sociologia. Essa necessidade de uma educação pública e de qualidade é uma luta contra o próprio Estado que não oferece condições para que o ensino seja efetivo.
    De maneira geral, enquanto educadores e cientistas sociais, o espaço de luta ultrapassa os muros da escola, mas é na sala de aula que ele se inicia. É responsabilidade dos professores e da comunidade, de maneira organizada, enfrentar as dificuldades institucionais e trazer a reflexão da realidade social para a sala de aula e para os espaços públicos. É preciso valorizar o ensino e as ciências, em especial das humanidades que trazem o debate histórico da formação dos países e suas relações, e trazer para a atualidade através das sensações e percepções dos estudantes mediante aos acontecimentos recentes. Os métodos utilizados para o processo de formação vão desde o uso da lousa, lápis e papel até apresentações e exposições artísticas.

    Kamila Juliana Paixão Benetoli
    Ciências Sociais - Unesp/Marília 2023
    Tópicos de Geografia II

    ResponderEliminar
  91. O texto apresenta exemplos da polarização política nos países da América Latina e Iberoamérica, como a eleição de Jair Bolsonaro no Brasil, a ascensão do uribismo na Colômbia e os protestos dos povos originários no Peru. O autor destaca que essas situações são resultado de complexas dinâmicas sociais e econômicas, mas que a educação política pode contribuir para a formação de cidadãos mais informados e participativos.
    A seguir, são apresentadas algumas sugestões específicas para a implementação da educação política no sistema escolar:
    • Inserção da educação política nos currículos escolares. É importante que a educação política seja uma disciplina obrigatória nos currículos escolares, desde o ensino fundamental até o ensino médio.
    • Formação de professores para a educação política. Os professores precisam ser capacitados para ensinar educação política de forma crítica e reflexiva.
    • Criação de espaços de diálogo e participação política na escola. A escola deve ser um espaço de diálogo e participação política, onde os alunos possam aprender sobre os diferentes modelos de governo, os direitos e deveres dos cidadãos e os mecanismos de participação política.
    A implementação da educação política no sistema escolar é um desafio, mas é um desafio necessário para a construção de sociedades mais democráticas na América Latina e Iberoamérica.
    A educação política é essencial para a construção de sociedades mais democráticas na América Latina e Iberoamérica. No contexto peruano, a educação política deve abordar temas específicos relacionados aos protestos sociais, a fim de ajudar os alunos a desenvolver uma compreensão crítica da política e a participar de forma construtiva da vida política do país.
    Está acontecendo algo similar no seu país?
    Sim, a polarização política também é um fenômeno presente em muitos países da América Latina e Iberoamérica. No Brasil, por exemplo, a eleição de Jair Bolsonaro em 2018 foi um resultado da polarização entre os extremos políticos. Na Colômbia, o conflito armado e a desigualdade social também contribuem para a polarização política.
    Que pode fazer a instituição educativa/escola face às situações de mobilização social em social?
    A escola pode desempenhar um papel importante na mediação das situações de mobilização social. A escola pode promover o diálogo e o debate entre os diferentes grupos sociais, buscando encontrar soluções pacíficas para os conflitos. A escola também pode educar os alunos sobre os direitos e deveres dos cidadãos, para que eles possam participar de forma consciente e responsável das mobilizações sociais.
    A Geografia e a História são disciplinas que podem contribuir para a formação de cidadãos mais críticos e reflexivos. Essas disciplinas podem ajudar os alunos a compreender as diferentes realidades sociais, econômicas e políticas do mundo. No entanto, é importante que os professores estejam preparados para lidar com os radicalismos que ignoram os avanços das pesquisas educacionais. Os professores precisam ser capazes de apresentar os conteúdos de forma crítica e reflexiva, mostrando aos alunos os diferentes pontos de vista sobre os temas abordados.
    O negacionismo científico, a ignorância sobre princípios democráticos e a desvalorização dos saberes dos professores são desafios que afetam a educação em todo o mundo. Esses desafios dificultam o trabalho docente e comprometem a qualidade da educação.
    Para enfrentar esses desafios, é importante que os professores estejam preparados para lidar com eles. Os professores precisam estar atualizados sobre as últimas pesquisas científicas, precisam conhecer os princípios democráticos e precisam valorizar seus próprios saberes. Os professores também precisam estar conectados com outros profissionais da educação, para trocar experiências e buscar soluções para os desafios que enfrentam.
    O texto é um importante contributo para o debate sobre a educação política na América Latina e Iberoamérica.
    Jamil A. Hakme - Campus de Marília da Unesp – Universidade Estadual Paulista.

    ResponderEliminar
  92. O texto "A necessidade de uma educação política a partir do sistema escolar" faz uma reflexão sobre a importância da educação política no contexto da América Latina e Iberoamérica. O autor argumenta que a polarização política, a influência da mídia e as desigualdades sociais contribuem para a desinformação e o desinteresse dos cidadãos pela política, o que pode levar a situações de instabilidade democrática.
    O texto apresenta exemplos da polarização política nos países da América Latina e Iberoamérica, como a eleição de Jair Bolsonaro no Brasil, a ascensão do uribismo na Colômbia e os protestos dos povos originários no Peru. O autor destaca que essas situações são resultado de complexas dinâmicas sociais e econômicas, mas que a educação política pode contribuir para a formação de cidadãos mais informados e participativos.
    Ele é uma importante contribuição para o debate sobre a educação política na América Latina e Iberoamérica. Os autores apresentam argumentos convincentes sobre a importância da educação política para a construção de sociedades mais democráticas.
    A seguir, são apresentadas algumas sugestões específicas para a implementação da educação política no sistema escolar:
    • Inserção da educação política nos currículos escolares. É importante que a educação política seja uma disciplina obrigatória nos currículos escolares, desde o ensino fundamental até o ensino médio.
    • Formação de professores para a educação política. Os professores precisam ser capacitados para ensinar educação política de forma crítica e reflexiva.
    • Criação de espaços de diálogo e participação política na escola. A escola deve ser um espaço de diálogo e participação política, onde os alunos possam aprender sobre os diferentes modelos de governo, os direitos e deveres dos cidadãos e os mecanismos de participação política.
    A implementação da educação política no sistema escolar é um desafio, mas é um desafio necessário para a construção de sociedades mais democráticas na América Latina e Iberoamérica.
    A continuação do texto apresenta informações importantes sobre as consequências dos protestos no Peru, incluindo mortes, inflação, perdas econômicas e impacto no ano letivo. O texto também destaca a importância da educação política para a formação de cidadãos mais informados e participativos.
    A seguir, são apresentadas algumas sugestões específicas para a implementação da educação política no contexto peruano:
    • Incorporação da educação política no currículo escolar de forma transversal. A educação política não deve ser ensinada apenas em uma disciplina específica, mas deve ser transversal a todas as disciplinas, a fim de permitir que os alunos desenvolvam uma compreensão holística da política. (segue)

    ResponderEliminar
  93. • Formação de professores para a educação política. Os professores precisam ser capacitados para ensinar educação política de forma crítica e reflexiva, a fim de evitar a disseminação de desinformação e ideologias radicais.
    • Criação de espaços de diálogo e participação política na escola. A escola deve ser um espaço de diálogo e participação política, onde os alunos possam aprender sobre os diferentes modelos de governo, os direitos e deveres dos cidadãos e os mecanismos de participação política.
    Sugestões específicas para o contexto dos protestos no Peru:
    Além das sugestões gerais apresentadas acima, a educação política no Peru também deve abordar os seguintes temas específicos:
    • A importância do diálogo e da negociação política. Os protestos no Peru evidenciam a necessidade de diálogo e negociação política para resolver conflitos sociais. A educação política deve ajudar os alunos a entender a importância desses mecanismos e a desenvolver habilidades para utilizá-los de forma eficaz.
    • Os direitos dos povos originários. Os protestos no Peru foram liderados por povos originários que reivindicam seus direitos. A educação política deve ajudar os alunos a entender os direitos dos povos originários e a importância de sua participação na vida política do país.
    • A importância da democracia. Os protestos no Peru são um desafio à democracia peruana. A educação política deve ajudar os alunos a entender os valores da democracia e a importância de defendê-los.
    Conclusão
    A educação política é essencial para a construção de sociedades mais democráticas na América Latina e Iberoamérica. No contexto peruano, a educação política deve abordar temas específicos relacionados aos protestos sociais, a fim de ajudar os alunos a desenvolver uma compreensão crítica da política e a participar de forma construtiva da vida política do país.
    As informações apresentadas no texto sobre os protestos no Peru são alarmantes. Os impactos negativos são significativos, tanto na esfera política, quanto econômica e social. A morte de 55 pessoas é um número trágico, que demonstra a violência que tomou conta do país. A inflação, as perdas econômicas e o impacto no ano letivo básico também são preocupantes.
    O texto também destaca a importância da educação política para a construção de sociedades mais democráticas. A educação política pode ajudar a formar cidadãos mais informados e participativos, que sejam capazes de compreender os diferentes modelos de governo, os direitos e deveres dos cidadãos e os mecanismos de participação política.
    A seguir, são apresentadas algumas sugestões específicas para a implementação da educação política no Peru: (segue)

    ResponderEliminar
  94. • A inclusão da educação política no currículo escolar de forma transversal. A educação política não deve ser tratada como uma disciplina isolada, mas deve ser integrada a diferentes disciplinas, como Geografia, História, Ciências Sociais e Ética.
    • A formação de professores para a educação política. Os professores precisam ser capacitados para ensinar educação política de forma crítica e reflexiva.
    • A criação de espaços de diálogo e participação política na escola. A escola deve ser um espaço de diálogo e participação política, onde os alunos possam aprender sobre os diferentes modelos de governo, os direitos e deveres dos cidadãos e os mecanismos de participação política.
    Questões relevantes:
    Está acontecendo algo similar no seu país?
    Sim, a polarização política também é um fenômeno presente em muitos países da América Latina e Iberoamérica. No Brasil, por exemplo, a eleição de Jair Bolsonaro em 2018 foi um resultado da polarização entre os extremos políticos. Na Colômbia, o conflito armado e a desigualdade social também contribuem para a polarização política.
    Que pode fazer a instituição educativa/escola face às situações de mobilização social em social?
    A escola pode desempenhar um papel importante na mediação das situações de mobilização social. A escola pode promover o diálogo e o debate entre os diferentes grupos sociais, buscando encontrar soluções pacíficas para os conflitos. A escola também pode educar os alunos sobre os direitos e deveres dos cidadãos, para que eles possam participar de forma consciente e responsável das mobilizações sociais.
    Como continuar a ensinar Geografia e História em contextos sociais marcados por radicalismos que ignoram os avanços das pesquisas educacionais?
    A Geografia e a História são disciplinas que podem contribuir para a formação de cidadãos mais críticos e reflexivos. Essas disciplinas podem ajudar os alunos a compreender as diferentes realidades sociais, econômicas e políticas do mundo. No entanto, é importante que os professores estejam preparados para lidar com os radicalismos que ignoram os avanços das pesquisas educacionais. Os professores precisam ser capazes de apresentar os conteúdos de forma crítica e reflexiva, mostrando aos alunos os diferentes pontos de vista sobre os temas abordados.
    Como seguir o trabalho docente enfrentando o negacionismo científico, a ignorância sobre princípios democráticos e a desvalorização dos saberes dos professores?
    O negacionismo científico, a ignorância sobre princípios democráticos e a desvalorização dos saberes dos professores são desafios que afetam a educação em todo o mundo. Esses desafios dificultam o trabalho docente e comprometem a qualidade da educação.
    Para enfrentar esses desafios, é importante que os professores estejam preparados para lidar com eles. Os professores precisam estar atualizados sobre as últimas pesquisas científicas, precisam conhecer os princípios democráticos e precisam valorizar seus próprios saberes. Os professores também precisam estar conectados com outros profissionais da educação, para trocar experiências e buscar soluções para os desafios que enfrentam. (segue)

    ResponderEliminar
  95. O texto "A necessidade de uma educação política a partir do sistema escolar" é um importante contributo para o debate sobre a educação política na América Latina e Iberoamérica. O texto apresenta argumentos convincentes sobre a importância da educação política para a construção de sociedades mais democráticas. As informações apresentadas sobre os protestos no Peru são alarmantes e demonstram a necessidade de uma educação política que forme cidadãos mais informados e participativos.
    Jamil A. Hakme – RA. 181.065.738 - Aluno da Disciplina de Tópicos de Geografia I, Da Faculdade de Filosofia e Ciências – Campus de Marília da Unesp – Universidade Estadual Paulista. (Final).

    ResponderEliminar
  96. O contexto apresentado sobre os países da América Latina e da Ibero-América revela um cenário complexo de polarização política, manifestações sociais e desafios democráticos. No Brasil, a polarização política exacerbada levou a um questionamento da democracia após a eleição de Luiz Inácio Lula da Silva, com episódios de desrespeito às instituições democráticas e atos violentos contra o patrimônio público. Na Colômbia, a polarização entre esquerda e direita é evidente, com implicações significativas na economia, no desemprego e nas tensões sociais, exacerbadas por anos de conflito armado e lutas políticas. No Peru, os protestos recentes refletem a desconfiança em relação ao governo central, evidenciando disparidades socioeconômicas e confrontos internos.

    No Brasil, a discussão sobre a democracia está intrinsecamente ligada à polarização política, manifestada em atos de desrespeito às instituições democráticas e atos de vandalismo. Na Colômbia, as diferentes correntes políticas intensificaram a polarização, afetando a economia, o desemprego e a coesão social. No Peru, os protestos refletem a insatisfação com a gestão governamental, levando a consequências socioeconômicas severas.

    Diante desse cenário, a atuação da escola e dos professores se torna crucial. A educação, especialmente nas áreas de Geografia e História, pode fornecer ferramentas para que os cidadãos compreendam as crises de forma consciente e reflexiva. No entanto, enfrentar o desafio de educar em meio a radicalismos, desinformação e polarização requer um compromisso firme com o ensino baseado em fatos, diálogo e no fortalecimento da consciência cívica.

    Esses desafios destacam a importância de repensar o papel da educação em meio a contextos sociais complexos, estimulando debates sobre como as instituições educacionais podem responder às mobilizações sociais, ensinar disciplinas humanísticas e científicas de forma crítica e eficaz, e fortalecer os saberes dos professores diante de obstáculos como o negacionismo científico e a desvalorização do conhecimento docente.

    Aline do Prado Pascoal - Aluna da Disciplina de Tópicos de Geografia I, Da Faculdade de Filosofia e Ciências – Campus de Marília da Unesp – Universidade Estadual Paulista.


    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Aline, Jamil e Matheus fazem um resumo do debate propiciado por Andrea, Nancy e Rose. Ao refletir sobre os conflitos provocados pelos ultraconservadores no Brasil no início deste devemos discutir com os estudantes, também, qual o papel do Estado e as diferenças entre movimentos sociais e manifestações de massa.

      Eliminar
  97. Lendo o texto, não podemos deixar de refletir sobre a responsabilidade da educação, em especial das Ciências Sociais, em moldar as mentes que enfrentarão o futuro desses países. A polarização política no Brasil, evidenciada pela invasão em Brasília e a resistência à democracia, mostra uma urgência na abordagem das questões sociais em sala de aula. Por sua vez, a democracia parece enfrentar desafios cada vez maiores, e a escola deve ser um meio de defendê-la em meio a tantos ataques.
    Já na Colômbia, onde as divisões entre esquerda e direita se aprofundaram, a sociedade se vê imersa em um cenário de inflação, desemprego e descontentamento. A polarização política se estende além das urnas, mas também nas relações sociais. Aqui, questiono como as Ciências Sociais podem contribuir para uma melhor compreensão desse cenário, permitindo uma análise crítica das estruturas políticas e econômicas. O papel do educador desse contexto é crucial para fomentar diálogos construtivos e promover uma visão acerca da realidade.
    No Peru, a situação revela um cenário também de descontentamento por parte da população que por sua vez manifesta através de protestos que refletem as demandas por mudanças. A figura do presidente, inicialmente vista como uma esperança para as regiões rurais, é apagada em meio às acusações de corrupção. As ruas tornam-se palco de manifestações que reivindicam não somente sua saída, mas uma reestruturação profunda no sistema político. Subentende-se que em uma situação complexa como essa, a educação cumpre um papel de preparar os estudantes para compreender complexidades da vida política e social.
    Contudo, a reflexão vai além das crises apresentadas. Fica claro que a resistência em abordar temas atuais nas salas de aula, mencionada no texto, reflete um desafio fundamental na educação. Como educadores, enfrentamos a tarefa de fornecer uma compreensão crítica da realidade. A resistência em "misturar" ensino com política é, na verdade, uma recusa em reconhecer que a política permeia todos os aspectos de nossa sociedade. A educação deve ir além dos fatos históricos e geográficos, adentrando os debates contemporâneos.
    Agora, mais do que nunca, a sala de aula deve ser um espaço de diálogo aberto, onde os estudantes são desafiados a questionar, a refletir e a desenvolver um pensamento crítico. Ignorar os problemas sociais, políticos e econômicos é privar a geração futura das ferramentas necessárias para enfrentar os desafios que se apresentam. Como educadora, vejo a necessidade de repensar nossa abordagem, incorporando temas atuais e promovendo discussões construtivas que capacitam os alunos a compreender e a transformar suas realidades.

    Maria Eduarda Silva Garcia Soares
    Graduanda de Ciências Socias na FFC - Unesp - Campus de Marília
    Aluna da Disciplina de Tópicos de Geografia I

    ResponderEliminar
  98. Os últimos anos no Brasil têm sido marcados por momentos de instabilidade política, golpes, assassinatos e polarização… Retomemos as jornadas de junho de 2013 e a ascensão de movimentos conservadores como o ‘ESP’ Escola Sem Partido, a intensificação e manifestação de grupos reacionários em escolas públicas, o debate político vetado, a ascensão de figuras jovens como Kim Kataguiri que foram o estopim da série de eventos que se desdobram no cenário educacional do Brasil em 2023.
    É dentro desse contexto que podemos observar não apenas tendências fascistas na sociedade brasileira, mas também seu reflexo na educação, tomando corpo como reformas tecnológicas e inovadoras repletas de protagonismo juvenil travestidas de precarização. Ainda é preciso se questionar sobre a instabilidade das ciências sociais nos currículos escolares, a diminuição das cargas horárias de disciplinas, principalmente das ciências humanas para a implementação de itinerários sem sentido e a flexibilização do currículo são fatores que esvaziam as escolas de saberes científicos e enchem de notório saber. Esse problema se perpetua quando o atual presidente Luiz Inácio Lula da Silva se recusa a atender às exigências da classe educacional em revogar o ‘NEM’ Novo Ensino Médio.
    Apesar dos diversos entraves vivenciados nesse momento é preciso recordar quando Adorno nos escreve sobre educação pós Auschwitz “Lembrar para não esquecer, para não repetir” é preciso tocar na memória, na nossa história e nas relações que se constroem com o passar da mesma.
    É preciso aprender com a história da educação e com as escolas públicas modelo que tem se constituído com autonomia regional, profissionais capacitados e investimento que visam qualidade acima de índice. E acredito que nesse caminho é entender que a escola do século XIX não cabe no século XXI, que precisa ser reformulada com menos controle e mais autonomia, com menos muros e mais inclusão na sociedade para qual esse indivíduo quer se formar político.
    Acredito ainda que temos boas referências para nós inspirar, ultimamente tenho conhecido muito Bell hooks, trabalhado com questões norteadoras e buscando fontes alternativas aos livros didáticos que me permitem explorar as mais diversas situações dentro da sala de aula, cada professor conhece sua sala, sua escola, seus alunos e será mais fácil encontrar o que cabe a cada realidade.

    Débora Rodrigues Viana
    Bacharelado em Sociologia pela UNESP campus Marília

    ResponderEliminar
  99. O texto discute a situação política de Brasil, Colômbia e Peru, destacando problemas como a polarização política, os conflitos sociais e as crises econômicas, no entanto, um fato relevante é a falta de propostas claras sobre como a educação política poderia ser implementada de forma prática no sistema escolar para enfrentar esses desafios visto que a precarização desse aspecto ocorre factualmente.
    Historicamente, esses países enfrentam problemas políticos profundos. No Brasil, após a eleição de Lula, a divisão política se intensificou, resultando em ataques às instituições democráticas e uma profunda crise política, na Colômbia, há polarização entre esquerda e direita, com altos níveis de desemprego e desigualdade o que resulta também em uma crise política significativa, é necessário também ressaltar a crise econômica que compõe o Peru. Todos esses fatos compõem a histórica da América Latina desde a sua colonização até os tempos atuais, onde todo esse contexto corrobora para uma educação fadada ao revés do conhecimento.
    No contexto atual de instabilidade política e social vivenciada em países como Brasil, Colômbia e Peru, é imperativo que disciplinas como Geografia e História sejam abordadas de maneira a proporcionar uma compreensão crítica e contextualizada dessas crises, essas disciplinas têm o potencial não apenas de transmitir conhecimentos sobre os eventos históricos e geográficos, mas também de oferecer uma análise aprofundada dos desafios contemporâneos.
    Ao promover uma visão crítica da realidade por meio da educação, essas disciplinas capacitam os alunos a entenderem não apenas os acontecimentos isolados, mas também as causas subjacentes e os diversos pontos de vista envolvidos. Dessa forma, os estudantes são capacitados a desenvolver habilidades analíticas, interpretativas e reflexivas necessárias para participar ativamente na sociedade.
    Preparar os alunos para uma participação engajada e informada na sociedade é essencial para lidar com os desafios sociais e políticos contemporâneos. Uma educação que fomente a visão crítica da realidade e promova a formação integral dos estudantes é fundamental para capacitá-los a se tornarem cidadãos ativos, capazes de contribuir positivamente para a transformação e melhoria das condições em suas comunidades.
    Luana Beatriz de Melo Silva
    Graduanda de Ciências Sociais na Universidade Estadual Paulista - FFC- Campus de Marília
    Aluna da Disciplina de Tópicos de Geografia I



    ResponderEliminar
  100. A polarização política pode ser entendida como um conceito a que se refere a divisão da sociedade em dois grupos extremos e opostos, que põe em dúvida a moral do outro grupo constantemente e assim dividindo e cada vez mais a sociedade e facilitando a ignorância e o preconceito. Por isso, percebemos que em uma democracia, a pluralidade de ideias e posicionamentos políticos é muito importante para sustentar um sistema democrático.
    Em vista disso, no cenário brasileiro temos o acirramento entre esquerda e direita desde 2013 no governo da presidenta Dilma Rousseff – PT (Partido dos Trabalhadores) por conta da operação lava jato, que seria fundamental para outros eventos como o golpe sofrido pela ex-presidenta Dilma, a prisão do ex-presidente Lula, a vitória nas urnas de Jair Bolsonaro e o crescimento de movimentos antidemocráticos que culminaram na invasão e depredação das sedes dos Três Poderes públicos em Janeiro de 2023.
    Diante de tantos cenários históricos enfrentados pelos brasileiros nos últimos tempos, fica nítido que o entendimento da política é essencial para uma vida em sociedade, principalmente em relação a garantia de direitos que influenciam em nossas vida, como por exemplo os direitos trabalhistas. Tendo em vista tal cenário pode-se dizer que a política é um instrumento criado pelo homem para entender a si mesmo dentro de uma sociedade, ajudar a compreender como as organizações políticas, econômicas e sociais se constituem, como as noções de ordem e moralidade podem moldar o sujeito e o mundo a sua volta, por isso a política é importante, pois ela é quem determina ou no mínimo influencia como muitas ações na sociedade vão ocorrer, seja de um ou mais indivíduos para uma organização ou de indivíduos para indivíduos, a mais que isso, ela determina coisas importantes do cotidiano, como preço dos alimentos e sua qualidade, preço da gasolina, entre outras coisas.
    Logo, em um cenário de polarizações em que a credibilidade e a moralidade do grupo opositor pode ser posta em xeque a qualquer momento, mesmo que sem razão, o aprimoramento do entendimento da sociedade é imprescindível para sermos sujeitos autônomos, isto é, sermos capaz de entender o mundo em que vivemos a partir da ciência e questionar o status quo. Nesse sentido, as ciências sociais como a história, a sociologia e geografia são valiosos instrumentos para compreensão da sociedade e para a formação de pessoas autonomias e críticas. Logo, onde não há espaço para o debate, para a razão, o conhecimento e o respeito, a ignorância, o preconceito e o ódio prevalecem e tal ignorância também pode ser refletida na política, por isso a educação pode contribuir enormemente nesse processo. A história ensina sobre o desenvolvimento das sociedades e os valores da humanidade, a geografia ensina entender o espaço e as ações do homem sobre ele e a sociologia que estuda o comportamento humano e suas dinâmicas com instituições e o grupos.
    Portanto, quando nós enquanto sociedade buscamos valorizar o desenvolvimento do debate político, tanto em escala como em qualidade, devemos buscar antes de tudo, valorizar a figura de quem está à frente e é responsável por este processo. Valorizar a figura do professor, vai desde o valorizar e respeitar a sua profissão, como também defender melhorias nas suas condições de trabalho que vai desde melhores salários como estruturas e materiais necessários para o ensino e aprendizagem. Não há caminho para o desenvolvimento do debate político, que não perpasse pela educação e diretamente pelo professor.

    Mariá Costa Leal Rodrigues
    Tópicos de Geografia I
    Professora: Silvia

    ResponderEliminar
  101. Olá, meu nome é Lucas, sou aluno do 4º ano do curso de Ciências Sociais da UNESP de Marília, aluno da professora Silvia Fernandes, na disciplina de Tópicos de Geografia.

    No contexto do artigo "A Necessidade de uma Educação Política no Sistema Escolar", é importante refletir sobre os rumos da educação política diante das complexidades sociopolíticas. Este comentário que aqui trago, indo além de uma análise mediante uma reflexão com a teoria de Paulo Freire, busca tentar refletir também com outros pensadores, como Karel Kosik e Antonio Gramsci, que acredito que permitem proporcionar uma compreensão reflexiva dos desafios no cenário educacional e político do Brasil, da Colômbia e do Peru.

    A questão central de Freire sobre conscientização é essencial para a reflexão. A educação, segundo Freire (1970), é intrinsecamente política, e é capaz de despertar uma compreensão crítica da realidade. Esse princípio se alinharia às ideias de Karel Kosik, que destacaria a importância de uma compreensão crítica e abrangente da realidade, como exposto em "Dialética do Concreto”.

    Na visão freireana, a educação transcende a simples transmissão de conhecimento, pois busca a conscientização e transformação social. Isso implica respeitar o outro, sua história e cultura, de forma a iniciar e finalizar processos com reflexão e visão crítica. Karel Kosik alerta que aceitar o cotidiano como real e natural pode limitar a percepção da realidade. Ao entender a educação como um ato político, conforme Freire, ressalta a relevância na análise da polarização política no Brasil, especialmente durante a ascensão do presidente Lula. Freire não apenas traz a proposta de contrapor discursos polarizados, mas também traz um incentivo à reflexão dos estudantes para os fundamentos democráticos que seriam essenciais para a sociedade.

    Ao conectar essa abordagem com as reflexões gramscianas sobre hegemonia, é possível compreender sobre a luta pela hegemonia cultural e sua influência na visão de mundo no contexto político brasileiro. A capacidade de do pensamento freireano para abrir possibilidade ao estímulo da reflexão crítica de estudantes sobre fundamentos democráticos se alinharia à uma necessidade gramsciana de desenvolver o "bom senso" crítico.

    Na dinâmica política brasileira, se evidencia uma disputa por narrativas e ideias, onde grupos extremistas buscam impor uma visão hegemônica. A interseção desses pensamentos visa refletir sobre a importância da educação na formação de cidadãos capazes de contribuir ativamente para uma sociedade justa e equitativa. Diante da polarização exacerbada, a pedagogia freireana e as ideias de Gramsci ressaltariam uma necessidade de promover diálogo, compreensão das diversas perspectivas e construção de consciência crítica, enfrentando tentativas de imposição de uma única narrativa.

    No contexto colombiano, a polarização política entre esquerda e direita, representada por uribismo e petrismo, é acentuada. O Acordo de Paz de 2016 entre governo e FARC não evitou o surgimento de movimentos mais radicais, intensificando a polarização. Freire destaca a importância da consciência crítica nesse cenário, onde posições políticas extremas geram legitimação de ações ditatoriais. A polarização se entrelaça aos efeitos econômicos da pandemia na Colômbia, como o aumento da inflação e do desemprego. Freire, ao enfatizar a necessidade de uma abordagem que fosse educacional e ativa, aponta para a importância diante dessas circunstâncias que são complexas. A compreensão gramsciana da hegemonia cultural mostra-se também relevante, pois reflete uma luta mais ampla pelo controle cultural diante da disputa ideológica.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. O contexto político colombiano, marcado por conflitos armados e dificuldades na implementação dos acordos de paz, amplifica as complexidades enfrentadas pela sociedade. O deslocamento forçado de famílias e o assassinato sistemático de líderes sociais são desafios que demandam análise cuidadosa. A capacidade da escola de enfrentar essas problemáticas, a partir de Freire, poderia tornar-se uma esperança, mas também suscita críticas diante das limitações.

      No Peru, as desconfianças sociais e desigualdades políticas, econômicas e educacionais evidenciadas pela ascensão de Pedro Castillo demandam uma abordagem sensível. A proposta de Freire de uma educação que parte das experiências dos estudantes ganha relevância diante da desconfiança em relação ao governo central. As análises de Alcaraz, Lastoria, Palacios e Pizzinato oferecem ideias importantes considerando os desafios que são enfrentados pelos professores. Ao trazer essas perspectivas, os educadores poderiam se entender como mediadores de um diálogo crítico, promovendo assim espaços de reflexão e construção coletiva de conhecimento.

      Dessa forma, o papel do educador vai além da mera transmissão de informações e conhecimento, e se estende também à promoção de uma práxis educativa que integre tanto teoria quanto a prática. Essa abordagem permite capacitar os alunos não apenas a compreenderem, mas também a transformarem ativamente sua realidade, alinhando-se à proposta freireana e superando desafios contemporâneos. A educação política proposta não apenas prepara para se compreender o mundo, mas também para atuar na transformação do mesmo.

      Referências:
      LINO, L. A.; ARRUDA, M. da C. C. Paulo Freire e a política educacional atual: possibilidades e perspectivas contra-hegemônicas em defesa da educação e da vida. Revista Brasileira De Política E Administração Da Educação - Periódico científico Editado Pela ANPAE, v. 37, n. 2, p. 736–752, 2021.

      HERMIDA, J. F.; SANTOS, H. V.; FERREIRA, R. de F. Educação e política em Paulo Freire: fundamentos para compreensão da realidade contemporânea. Formação em Movimento, v. 4, n. 8 / 9, p. 480-507, 2022.

      Eliminar
  102. Saudações! Me chamo Laraysa e sou aluna do Curso de Ciências Sociais da Unesp de Marília/SP.

    O presente fórum é convidativo e nos traz diversas questões, dentre elas a que mais me chama atenção é a tendência de crises que vem se construindo dentro dos países latino-americanos e da Ibero-América, as quais emergem e ampliam questões das mais diversas ordens mas que sempre se afunilam e recaem sobre dentro político, sobretudo no que diz respeito à disputa hegemônica. Importante ressaltar que o processo democrático é ainda algo recente na história destes países mas que ao longo de sua trajetória, contou também com algumas tentativas de golpe e períodos de ditadura. Ao longo do artigo e dos textos apresentados, as autoras tomaram cuidado de demonstrar o período e processo histórico em que nos inserimos hoje, marcado por aquilo que denominaram de “polarização”; polarização política esta que se tornaram evidentes no Brasil, Colômbia e Peru, e ainda mais recentemente na Argentina, cuja eleições ocorreram no último mês tendo votação favorável à Javier Milei, figura que se destacou por meio de discursos ultraliberais - o que, diga-se de passagem, se mostrou semelhante ao mesmo cenário desenhado no Brasil durante as eleições presidenciais de 2018 e à chamada da extrema direita para os organismos do Estado em suas mais diversas esferas, perpassando pela esfera política, a economia, a educação, a previdência, etc.
    O maior desafio que se posta atualmente para professores e futuros professores que atuarão dentro das disciplinas de Ciências Humanas e Sociais, como é o caso das disciplinas de História e Geografia, é a capacidade de articular e convidar os alunos a refletirem sobre todo este panorama, fazer com que assimilem as semelhanças e nuances dos elementos que compõem este cenário de crises e bipolarização, não só no Brasil como também em outros países. A necessidade de uma educação política é fundamental mas para isto, os próprios educadores precisam se munir desta capacidade de reflexão para que em sala de aula e dentro do ambiente escolar consigam estimular seus alunos a compreender o mundo em que vivem e a tomarem consciência de si enquanto classe e também, enquanto sujeitos sociais capazes de transpor este quadro. Aqui me deparo com o seguinte questionamento: quem educa o educador?
    Como bem se sabe, a educação em nosso país foi construída dentro de bases capitalistas, ou seja, voltada para a formação de mão-de-obra barata e capaz de atender às demandas do mercado, inicialmente dentro da produção agrícola exportadora, posteriormente dentro do cenário de industrialização. Dentro dessa perspectiva, nossas escolas e os currículos e planos nacionais de educação não foram formulados visando a transformação social ou a emancipação humana, pelo contrário, reproduzem o sistema de classes e a ordem capitalista de exploração vigente. Nesse sentido, o mais próximo que chegamos de um modelo de educação emancipador e com potencial de superar essa lógica vigente, é aquele desenhado pelas escolas e práticas pedagógicas anunciadas pelos movimentos sociais de nosso país, sobretudo pelas escolas do MST, o qual, na luta por direitos sociais e de acesso à uma educação de qualidade, propõe a formação de um sujeito social que se identifica dentro da cultura à qual pertence e dentro da classe do qual faz parte, e neste movimento, o objetivo de sua existência e produção deixa de ser o lucro e passa a ser sua emancipação humana e a de seu trabalho, em outras palavras, para que nós enquanto povo, professores e estudantes possamos ser capazes de compreender o contexto no qual nos inserimos, precisamos ter acesso justamente à uma educação democrática e política que seja capaz de fazer essa mesma articulação. O atual cenário de violência, negacionismo científico e bipolarização somente poderá ser subvertido por meio de uma educação política que dê arsenal teórico e reflexivo suficiente para isto.

    ResponderEliminar
  103. Me chamo Nicole Trivellini de Alcantara, estou cursando meu 3° ano em Ciências Sociais na Unesp de Marília (FFC) e faço a matéria conexas Tópicos de Geografia I, ministrada pela Prof.ª Dr.ª Silvia Aparecida de Sousa Fernandes.
    O contexto político dos países da América Latina e Ibero-América é marcado pelo avanço das mídias sociais, na qual a produção e disseminação de notícias falsas (fake news) é arrebatadora, incomparável com 20, ou até mesmo 10 anos atrás. Com o desenvolvimento da inteligência artificial, seu modo simples de uso e sua qualidade, acredito que será uma arma a ser utilizada durante as próximas eleições. É muito fácil criar um vídeo no qual algum possível candidato falará algo que nunca disse, que seja até mesmo o completo oposto de seu pensamento.
    Ligado ao avanço das mídias sociais e seu fácil acesso, a crescente “onda neoliberal conservadora” (pode-se dizer até mesmo fascista) atinge o mundo, utilizando como exemplo recente a eleição de Javier Milei na Argentina, com 55,69% dos votos válidos. O caso das eleições brasileiras de 2018 demostram a ascensão do conservadorismo militar cristão, representado pela figura de Jair Bolsonaro. As eleições de 2018 foram marcadas pelo antipetismo, associado a reprodução do discurso neoliberal e principalmente a disseminação de fake news. A eleição de Lula em 2022 foi acirrada, sendo 50,90% para o atual presidente e 49,10% para Bolsonaro, demostrando os efeitos da ideologia neoliberal no resultado.
    A solução para a desinformação gerada é a educação política para o cidadão. Deveria existir apoio do governo para que desde criança, houvesse uma educação política por parte da escola. Entretanto, o avanço de conhecimento para a população (principalmente dos alunos da rede pública) é evitado, como a reforma do ensino médio, que os alunos devem escolher uma área de aprofundamento. A defasagem nas matérias das ciências humanas é proposital, desestimulando o pensamento crítico da população.
    Cabe a nós, estudantes das ciências sociais e futuros professores, assim como os que já exercem a profissão, estimular os pensamentos dos jovens. Os alunos demonstram interesse por temas que se relacionam ao cotidiano, sendo necessária dinâmicas que considerem a curiosidade dos estudantes. É necessária uma educação libertadora, para libertar-se das amarras da ideologia dominante.

    Referências bibliográficas:
    https://jornal.unesp.br/2023/11/21/eleicao-de-milei-com-mais-de-55-dos-votos-validos-expressa-descontentamento-do-povo-argentino-com-politica-tradicional/

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. De grande importância a reflexão feita por Mariá, Débora, Izaura e Nicole.
      O negacionismo científico que imperou em discursos do governo ultraconservador no Brasil encontra eco recém eleito presidente da Argentina.
      Se a guerra na Ucrânia e as invasões israelenses na Palestina representam conflitos históricos na Europa e Ásia, os governos de ultradireita conservadores avançam na América Latina. Um papel fundamental da escola é discutir os conflitos e a identidade dos povos.

      Eliminar
  104. A educação política é um tema intrinsecamente ligado ao desenvolvimento e à consolidação do regime político de um pais. Ao longo de sua história, o Brasil memso, como um dos países situados no texto, experimentou diferentes formas de organização política, desde o período colonial até a atualidade, e a educação política desempenhou um papel crucial na formação da identidade cívica no processo político do pais em si.
    Historicamente, essa educação política no Brasileira passou por transformações significativas. Durante boa parte do período colonial, o acesso à educação era restrito a uma elite privilegiada, o que limitava a participação política àquela parcela da sociedade, principalmente maior parla da população brasileira que era escravizada, o que se manteve por anos até mesmo após a abolição no brasil. A democratização do ensino só foi iniciada no século XX, o que representou um avanço significativo, permitindo um maior acesso à informação e formação política.
    Apesar destes avanços se persistem os desafios na educação política brasileira, a falta de recursos e importância para a educação nas escolas públicas e as desigualdades regionais, étnicas, de gênero e de classe contribuem para disparidades no acesso ao debate político até hoje no país. Com isso também vem questões de falta de representatividade na história do meio político governamental, onde na maioria das vezes a diversidade étnica, cultural social do Brasil não se reflete adequadamente nas estruturas políticas e, por vezes, essa sub-representação impacta diretamente na falta de interesse populacional real na educação política. A falta de identificação com figuras políticas e a percebida distância entre o cidadão comum e os representantes políticos podem desencorajar a participação ativa na vida política.
    Então chegamos na conjuntura atual, onde podemos analisar onde toda essa ausência do conhecimento político de gerações da população brasileira levou a toda essa à falta de discernimento crítico que vemos atualmente. Onde como dito no texto mesmo o Brasil é um dos países latinos que tem enfrentado o desafio da polarização política há alguns anos. Onde se criou todo esse ambiente político polarizado que dificultar a promoção de um debate construtivo e objetivo e faz com que o cenário político do pais se torne uma grade “briga de torcidas”, que muitas vezes não levar a lugar algum de uma real melhoria social ao pais, pelo contrário, tem se caracterizado em uma real regressão social e até econômica para os pais.
    Pois um cidadãos despolitizado e desinformados têm dificuldade em distinguir entre fatos e narrativas manipuladoras, tendo uma população desprotegida que abri espaço para a propagação de teorias conspiratórias e notícias falsas. Isso cria um ambiente propício para a radicalização, onde indivíduos, privados de uma análise crítica, podem se alinhar a ideologias extremas sem questionamento.
    A participação ativa na vida política exige um entendimento das consequências das decisões políticas. Quando a população não é educada sobre como suas escolhas afetam a sociedade como um todo, ela pode ser levada a apoiar medidas que, a longo prazo, comprometem os princípios democráticos. Isso inclui o apoio inadvertido a governos que, em nome da estabilidade ou segurança, podem minar gradualmente as liberdades civis e instituir práticas autoritárias.
    A falta dessa educação política também contribuiu para a erosão das instituições democráticas. Cidadãos desinformados podem se tornar apáticos em relação aos processos eleitorais e à fiscalização do governo, permitindo que líderes autoritários consolidem poder sem enfrentar resistência significativa. A fragilidade dessas instituições democráticas abre espaço para o surgimento de governos que subvertem a democracia em favor de estruturas autoritárias. +



    Maria Izaura de A. Moradei
    Graduanda de Ciências Socias na FFC - Unesp - Campus de Marília

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. O ambiente educacional realmente desempenha um papel crucial na formação da consciência cívica, na compreensão dos processos políticos e na promoção de uma participação ativa dos cidadãos na vida democrática do país.
      Tendo isso em mente devemos também colocar em reflexão aqui como a recente reforma no ensino público brasileiro, que vem com o intuito diminuir/retirar da grade curricular obrigatória matérias da área de humanas, como a Sociologia, a Filosofia e até mesmo História e Geografia, em favor de um modelo mais técnico e pragmático, representa mais um regresso para a educação política no país. Ao restringir o espaço dedicado às disciplinas humanísticas, como sociologia e filosofia, a reforma compromete o desenvolvimento de habilidades críticas, reflexivas e essenciais para a formação de cidadãos ativos e conscientes no cenário político.
      Visando como a educação política é intrinsecamente ligada às disciplinas de humanas, pois é nesse contexto que os alunos têm a oportunidade de compreender os fundamentos da sociedade, as relações políticas e os valores que permeiam a convivência democrática. Disciplinas como sociologia e filosofia proporcionam as ferramentas necessárias para a análise crítica, o questionamento e a compreensão das estruturas sociais, econômicas e políticas.
      Ao priorizar um modelo educacional mais técnico, baseado predominantemente em disciplinas voltadas para o mercado de trabalho, a reforma do ensino público brasileiro pode desencorajar a reflexão sobre questões éticas, sociais e políticas. A educação política não se resume apenas à compreensão dos mecanismos de produção e serviços, mas envolve uma compreensão profunda das dinâmicas sociais e políticas que afetam a vida dos cidadãos.
      A remoção das disciplinas de humanas também pode resultar em uma formação mais estreita e especializada, limitando a visão dos alunos sobre o mundo e suas complexidades. Além disso, a educação política é fundamental para promover a diversidade de pensamento e o respeito à pluralidade de opiniões, aspectos cruciais em uma sociedade democrática. A compreensão das diferentes perspectivas oferecida pelas disciplinas de humanas contribui para a formação de cidadãos tolerantes e abertos ao diálogo, fundamentais para o fortalecimento de uma democracia madura. Uma educação política robusta é essencial para capacitar os alunos a participarem ativamente na construção de uma sociedade mais justa e igualitária.
      Devemos lutar por essa educação política nas escolas que contribui para a formação de cidadãos críticos e conscientes. Ao compreenderem os princípios e valores que regem a sociedade, os estudantes tornam-se capazes de analisar criticamente as decisões políticas, questionar o status quo e desenvolver um pensamento reflexivo sobre as questões sociais. Isso não apenas fortalece a capacidade individual de tomar decisões informadas, mas também contribui para a construção de uma sociedade mais participativa.
      Além disso, desempenhando um papel fundamental na promoção da igualdade e na superação das desigualdades sociais. Ao oferecer acesso igualitário a conhecimentos políticos, independentemente de origem socioeconômica, as escolas ajudam a diminuir as disparidades no entendimento e na participação política. Isso é crucial para a construção de uma democracia verdadeiramente inclusiva, onde todos os cidadãos têm voz e agência. +


      Maria Izaura de A. Moradei
      Graduanda de Ciências Socias na FFC - Unesp - Campus de Marília

      Eliminar
    2. Uma educação politizada e humanista nas escolas prepara os jovens para o exercício pleno de sua cidadania. Ao compreenderem o funcionamento do sistema político, os estudantes estarão mais aptos a participar de maneira informada em processos democráticos, como eleições e plebiscitos. Isso fortalece a base democrática da sociedade e contribui para a construção de uma cultura política participativa e engajada.
      Logo a implementação de uma educação política no sistema escolar brasileiro não é apenas uma necessidade, mas uma medida estratégica para a construção de uma sociedade mais justa, igualitária e participativa. Com a formação política dos jovens, o Brasil pavimentará o caminho para uma democracia robusta e para cidadãos ativos, conscientes de seu papel na construção do futuro do país.
      A educação política no Brasil é um campo dinâmico que reflete a complexidade da sociedade brasileira. O desafio está em garantir que essa educação seja acessível a todos, promovendo a compreensão dos processos políticos e estimulando a participação cidadã, para que a democracia brasileira continue a evoluir de maneira inclusiva e participativa.

      Maria Izaura de A. Moradei
      Graduanda de Ciências Socias na FFC - Unesp - Campus de Marília

      Eliminar
  105. Em meio à polarização política e ao desmonte da educação pública, a reflexão da realidade se torna essencial. Alunos politizados conseguem se situar na realidade e enfrentá-la, pois estão inseridos e integrados nela.
    Paulo Freire, um educador que desenvolveu uma abordagem educacional inovadora, não visava apenas à transmissão de conhecimento, mas também à conscientização e emancipação dos estudantes. A conscientização implica na compreensão crítica das estruturas sociais e na busca por transformações sociais e a formação de cidadãos ativos e reflexivos.
    Os objetivos psicológicos e pedagógicos envolvem a formação do homem como cidadão do mundo, como agente transformador e sujeito de sua própria história. O papel do educador nas escolas é estimular a autonomia e a liberdade de expressão dos estudantes, integrando estudos sociais e práticas que abrangem diversas facetas da vida em sociedade.
    A escola não deve se isolar dos problemas da sociedade; ao contrário, deve discuti-los. Comunicar o conhecimento produzido para a comunidade, adotar uma atitude crítica perante a realidade e promover a autocritica são passos importantes.

    Ana Beatriz F. de Oliveira
    Unesp Marília

    ResponderEliminar
  106. Olá, me chamo Aretha S. P. Campozana, sou aluna de Ciências Sociais na UNESP de Marília e estou matriculada na disciplina de Tópicos de Geografia I ministrada pela Prof. Dra. Silvia Fernandes.

    "Educação e mudança precisam ter, como ponto de partida, a compreensão da realidade." (FREIRE, 2021a, 2021b, 2021c, 2011, 2005, 1981 e 1979; SCOCUGLIA, 2006; FERREIRA e HERMIDA, 2021).

    A necessidade de uma educação política a partir do sistema escolar é amplamente reconhecida como crucial para o desenvolvimento de pessoas participativas e que as permitam questionar as ações políticas de seus governantes. A escola não pode se abster da realidade ao seu redor e é dever nosso (professores) propiciar uma perspectiva crítica na formação de nossos alunos. Aqui estão algumas razões pelas quais essa educação é fundamental:

    1. Formação emancipadora: A educação política nas escolas pode ajudar os alunos a compreender os fundamentos da política, os sistemas de governo, os direitos, responsabilidades dos cidadãos e de seus governantes. Isso cria uma base para a formação de pessoas mais conscientes e informadas.

    2. Participação ativa e a luta por uma socidade mais democrática: Uma compreensão sólida da política incentiva os jovens a se envolverem no processo democrático. Isso pode se manifestar através do voto, da participação em atos políticos e até mesmo do interesse em seguir carreiras públicas.

    3. Desenvolvimento de habilidades ríticas: O estudo da política pode ajudar os alunos a desenvolver habilidades críticas de pensamento, análise e avaliação. Eles aprendem a questionar informações, entender diferentes perspectivas e tomar decisões informadas.

    4. Prevenção de Manipulação: A compreensão política permite que os indivíduos identifiquem e resistam à manipulação política. Eles são mais propensos a discernir informações falsas ou tendenciosas, contribuindo para a formação de uma sociedade mais resistente à desinformação.

    5. Preparação para o futuro: Em um mundo cada vez mais interconectado e complexo, compreender os mecanismos políticos é essencial. A educação política fornece ferramentas para a juventude entender e questionar os desafios políticos, sociais e econômicos que perpassam a sociedade a qual estão inseridos.

    Integrar a educação política no sistema escolar não significa doutrinação, mas sim proporcionar aos estudantes as ferramentas e conhecimentos necessários para entenderem o mundo ao seu redor e participarem ativamente na construção de uma sociedade mais justa e democrática.

    "A conscientização faz do homem um ser transcendente, capaz de poder discernir sobre sua temporalidade, sua cultura e sua historicidade. “Criando e recriando, integrando-se nas condições do seu contexto, respondendo aos desafios, auto-objetivando-se, discernindo, o homem vai se lançando no domínio que lhe é exclusivo, o da história e da cultura” (FREIRE, 2021c, p. 85-6). https://periodicos.ufrrj.br/index.php/formov/article/view/5/464

    ResponderEliminar
  107. Como citado no texto, os meios de comunicação influenciam diretamente os cidadãos são formadores de opinião, e no mundo capitalista, a mídia hegemônica dissemina e defende seus interesses que são contrários aos interesses da classe trabalhadora. Acredito que se a educação fosse visada como meio de formação de indivíduos críticos, essa influência não seria tão grande. Também é preciso trazer para o debate como os sistemas educacionais são um reflexo dos interesses das pessoas que estão no poder, em uma sociedade capitalista neoliberal o principal objetivo é criar mão de obra barata para dar continuidade ao sistema e isso torna a tarefa dos professores -principalmente da área de humanidades- ainda mais complexa.
    Como estudante e futura professora, acredito que a sala de aula é um grande espaço de troca entre professores e alunos, isso vai de encontro a hierarquização que geralmente estamos acostumados: professor ensina, aluno aprende. Apesar dessa troca entre aluno e professor é papel dos educadores guiar o caminho a ser seguido, é claro que como professores, devemos sempre estar alinhados com pesquisas e conhecimentos científicos, tentando fazer com que esses debates encontrem os alunos, estimulando o pensamento crítico e a autonomia desses indivíduos.
    Trazer a realidade que os alunos estão inseridos é fundamental na construção de pessoas mais conscientes e politizadas. Usar da própria experiência de cada indivíduo, para auxiliar na compreensão do lugar que cada um ocupa em uma sociedade é uma estratégia para estimular o pensamento político e ajudar a (re)formular uma sociedade mais justa, democrática e igualitária.
    Caroline Pires, aluna do 3º ano de ciências sociais, comentário referente à matéria "Tópicos de Geografia".

    ResponderEliminar
  108. Olá, meu nome é Lia Manhães, sou graduanda do terceiro ano de Ciências Sociais pela UNESP/FFC. Frequento a disciplina de Tópicos de Geografia, ministrada pela professora Silvia Aparecida de Sousa Fernandes, que nos indicou a participação neste espaço.
    Falar sobre a educação exige que pensemos nos atores que compõem o espaço do sistema escolar, e exige também observar em que contexto e tempo histórico este sistema escolar está inserido. Refletindo sobre este espaço mais amplo temos assistido o avanço da extrema direita em diversos países e a implementação de uma agenda reacionária nos mais diversos campos de atuação política. No Brasil não foi diferente, os retrocessos se deram nas políticas ambientais, de saúde, segurança pública, e claro, na educação. O novo ensino médio é um dos primeiros atos políticos aprovados depois do golpe de 2016, com a falsa proposta privilegiar o protagonismo juvenil, retirou do currículo saberes científicos importantes sem disfarçar a intenção de oferecer uma educação apenas para o trabalho em detrimento da formação pessoal. Para citar apenas um dos muitos avanços do desmonte da educação pleiteada em 1988, por estudiosos do tema como Florestan Fernandes que acreditavam em uma educação transformadora e que fomentasse a criatividade, dando condições aos estudantes de lutar contra a opressão social.
    A educação é uma ciência e como tal não é neutra como se pretendia até pouco tempo, é preciso então não se esquecer disso, essa clareza é necessária para que não nos enganemos. Assim como outros campos, a educação tem sido disputada entre alas mais progressistas e reacionárias da sociedade. Sendo um importante ato político, a forma de apresentar um tema pré-estabelecido ainda é uma decisão de cada educador dentro de sala aula, apesar do aparente controle exercido pelo estado, e como tal é necessário que nos programemos e nos organizemos para tal atuação.
    Dito isso sobre ‘quem fala’, o professor, devemos pensar também sobre ‘quem ouve’, o estudante. Há muito não se vê o estudante com outrora se viu, uma ‘folha em branco’ a ser preenchida pelos ensinamentos escolar. Temos, ou deveríamos ter, o entendimento de que os estudantes são atores sociais nos espaços em que estão inseridos e como tal são indivíduos políticos com agendas próprias e não estão aguardando que os educadores dêem a eles as pautas para lutar. Ao contrário, os jovens esperam ser ouvidos e ter suas pautas encampadas pelo espaço escolar também.
    Mas pensar no jovem como indivíduo político não diminui o papel da escola como transmissora do conhecimento produzido pela humanidade e neste sentido tanto a geografia, a geopolítica como a história tem papel fundamental. Fundamental mas não garantidor porque, se pensarmos na segunda opção como uma certeza, teremos que pensar que a educação falhou, e não apenas no Brasil, mas em grande parte do mundo onde vemos a extrema direita avançando a passos largos. Retornando a educação, a ideia é: existe um poder exercido por quem detém o conhecimento, e sendo assim é preciso que a educação forneça ao jovem (indivíduo político) os elementos históricos, conhecimentos necessários para que ele, o jovem, possa se ver como indivíduo no mundo e ter argumentos para atuar politicamente, ser capaz de se posicionar em meio a enxurrada de informações recebidas diariamente, identificar onde é possível pesquisar, e como escapar das armadilhas da desinformação. Para que todo este conjunto de ações seja realizado a formação do professor é um diferencial, e as condições de trabalho também. Repensar nossa atuação profissional na educação é imprescindível, analisando inclusive porque vimos tantos jovens participando das destruições ao patrimônio nacional no último 08 de janeiro e dos acampamentos nos quartéis.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Concordo com o apontamento de que a escola é transmissora do conhecimento produzido pela humanidade e com isso, não podemos nos furtar a discutir esta difícil realidade de conflitos e com os estudantes na educação básica e ensino superior.
      Saudações,
      Silvia Fernandes

      Eliminar
  109. Hola mi nombre es Marco Antonio Martinez Medina, estoy en el primer semestre de la carrera de enseñanza en la geografia en la ENSM. Vivo en Mexico.
    El caso de Brasil resalta la necesidad de superar la polarización y restaurar la seguridad pública después de eventos violentos. Colombia examina la complejidad de la polarización política y su impacto en la economía y la sociedad, así como los desafíos del gobierno para abordar el desempleo y el sector informal. En Perú se hace mención al giro inesperado de la presidencia de Pedro Castillo, su relación con las comunidades rurales y las polémicas que surgieron, incluida la percepción de traición.
    El papel de la escuela parece crucial en este contexto, ya que es necesario preparar docentes innovadores, creativos e investigadores que puedan resolver los problemas actuales. Se destaca la importancia de construir escenarios escolares reflexivos, dispuestos a actuar directa y decisivamente ante los desafíos. A pesar de las limitaciones, se enfatiza la importancia del sueño de una verdadera democracia en estos países.
    Brevemente, el texto examina la complejidad de las situaciones políticas, sociales y económicas en Brasil, Colombia y Perú, enfatizando la polarización como un factor clave. Se enfatiza la importancia de la educación, especialmente de los docentes, para abordar estos temas y trabajar por una sociedad más consciente y reflexiva.

    ResponderEliminar
  110. De acordo com a autoridade de saúde da Palestina, o conflito com Israel já fez mais de 23 mil mortos, dos quais 9 mil são crianças, 25 mil crianças ficaram órfãs. O diretor-geral da OMS diz que, em média, morre uma criança a cada 10 minutos em Gaza.
    De acordo com a ONU, os quatro grandes hospitais de Gaza, localizados no norte do território, foram completamente cercados pelo exército israelita, com as organizações humanitárias a afirmarem estar "horrorizadas" com os bombardeamentos e outros ataques incessantes contra estas infraestruturas. Pacientes, que incluem bebés, e civis que procuram ajuda estão sob ataque e não têm para onde ir. É uma afronta travar uma guerra à volta e contra os hospitais
    São profundamente preocupantes as consequências da recente escalada de violência, com inúmeras vítimas entre as populações israelita e palestiniana, o que merece o mais vivo repudio e condenação.
    Impõe-se parar de imediato a escalada de guerra de forma a impedir ainda mais trágicas consequências para a população palestiniana, martirizada por décadas de ocupação e opressão, e para a população israelita – árabes e judeus –, em luta contra as arbitrariedades do governo de Israel.
    No seguimento das graves consequências já verificadas da recente escalada para as populações, são particularmente inquietantes os bombardeamentos indiscriminados, a dimensão da destruição, o corte de abastecimento de água, de alimentos e de energia à Faixa de Gaza – agravando um bloqueio imposto por Israel desde 2006, que levou a ONU a considerar as condições neste território impróprias para sustentar a vida humana –, assim como a ameaça da entrada de forças israelitas, procurando colocar a população palestiniana entre a morte e a expulsão das suas casas.
    O Governo português deve assumir uma clara posição de rejeição da escalada de guerra e em prol de uma solução política para o conflito assente no direito internacional, no cumprimento das resoluções da ONU que há décadas preveem a criação de dois Estados, no respeito pelos inalienáveis direitos nacionais do povo palestiniano.
    Há 75 anos a Assembleia Geral da ONU aprovou um plano de partilha prevendo a criação de dois Estados no território histórico da Palestina. O Estado de Israel existe desde 1948. A criação do Estado da Palestina está por cumprir.
    Ao longo de todos esses anos, Israel impôs a ocupação, violando as resoluções da ONU, como a Resolução 194 da Assembleia Geral e as Resoluções 242 e 338 do Conselho de Segurança. Não cumpriu os acordos que assinou, como o de Oslo. Desencadeou guerras, agressões, massacres do povo palestiniano, provocando milhares de mortos. Bombardeou e ocupou territórios de países limítrofes, como os Montes Golã da Síria. Assassinou dirigentes políticos palestinianos. Encarcerou milhares de palestinianos. Impôs um cruel bloqueio à população palestiniana na Faixa de Gaza. Inviabilizou a criação dum Estado da Palestina nos territórios ocupados em 1967, através da construção e expansão dos colonatos, que são ilegais ao abrigo da Resolução 2334 do Conselho de Segurança da ONU, e da construção do Muro de separação, considerado ilegal pelo Tribunal Internacional de Justiça.
    Política de ocupação, opressão e provocação que foi gravemente intensificada pelo governo de extrema-direita de Netanyahu e pela ação de colonos israelitas, agravando a situação e conduzindo ao incremento da confrontação e da violência em Israel, na Palestina e no Médio Oriente.
    A substituição dos processos políticos, assentes nas resoluções da ONU, pela negação brutal dos direitos do povo palestiniano, só pode conduzir ao agravamento da situação e a trágicos acontecimentos. Quem finge não ver e deixa impune a criminosa política de ocupação de Israel alimenta a escalada da violência e o perigo do seu alastramento no Médio Oriente.
    A paz só será possível com justiça para o povo palestiniano, com o respeito pelo direito internacional, com a concretização de uma solução política através do cumprimento das relevantes resoluções da ONU, com o fim da política de ocupação e opressão por parte de Israel.

    ResponderEliminar
  111. Este comentario ha sido eliminado por el autor.

    ResponderEliminar

Para participar en el debate tan solo tienes que hacer click en el título del debate, donde a continuación, además de aparecerte el texto a debatir, encontraras la manera de dejar tu comentario. Periódicamente, cada quince días, se renovarán los contenidos con el objetivo de de precisar el sentido, alcance y límite de los mismos. Para proponer nuevos debates escribe a:geoforo@gmail.com .