jueves, 15 de abril de 2021

FORO 27: LOS MUSEOS LOCALES Y LA ENSEÑANZA NO FORMAL. Juan Ramón Durá Ballester

Después de toda visita muy satisfactoria a un museo se produce la reflexión de volver a repetir esa visita y de llevar al alumnado para poder trabajar en clase esta visita museística. Tres objetivos ha de perseguir todo museo. El primero es la de crear al museo una misión e identidad. El segundo es propiciar públicos y audiencias que tengan experiencias agradables y atractivas a la hora de visitar o trabajar un museo. El tercer fin de todo museo               es la de atraer recursos financieros.

 

Respecto al segundo objetivo se trata evidentemente, de abrirse al exterior para atraer, conquistar, ampliar y crear un público, así como fidelizarlo y retenerlo. Todo esto incluye evitar la apatía, la incultura o el aburrimiento ya sea en el público en general como en el alumnado.

 

Los Museos y el aprendizaje de los problemas sociales locales y globales

 

El campo de trabajo donde se parte es el museo etnológico que es el mejor que abarca el ámbito de los museos locales por diversas razones. En efecto, en un mundo tan globalizado y donde la movilidad de las personas ha llegado a ser tan grande, el museo etnológico es el espacio que analiza las causas y los efectos de las migraciones, los problemas asociados a los flujos migratorios, las políticas de incorporación de los inmigrantes, la variedad de costumbres y tradiciones, cultivos, tipos de propiedad, etc.

Una de las conquistas de la nueva museología es el énfasis en la descentralización del museo, que ha estimulado la incesante génesis de museos locales. Además, hemos de considerar que este tipo de museos locales pueden establecer una alternativa a la globalización, como también en el hecho de educar en el gusto por el patrimonio cultural y sin olvidar que el museo posee valores que trascienden la pura patrimonialidad como son la armonía, el respeto ambiental, la solidaridad o la colaboración.

La Xarxa de Museus Etnològics Locals es un ejemplo de red de museos, que ha sido creada por la Diputació de València para dar lugar a una estructura cultural y de cooperación, asesoramiento y formación con el objetivo de romper el aislamiento que sufren los museos locales. Es en estos museos donde debe trabajar el profesorado de secundaria de geografía e historia para ayudar a entender la identidad valenciana y vertebrarla no con un sentido excluyente evidentemente, sino que dando a conocer todo este inmenso patrimonio local cultural e histórico al alumnado.

 

Por otra parte, la educación facilita los hábitos y las destrezas para la convivencia y la evidente diversidad de las culturas en muchos centros educativos no puede ser motivo de diferencias sino la expresión de una complementariedad enriquecedora que contribuya al abrazo de los pueblos encontrando similitudes y diferencias con aquello que tiene un museo local. El museo debe lograr que el ciudadano se sienta constructor de una historia y de una identidad como también responsable de la conservación y de la transmisión del patrimonio cultural.

 

Pero, también hemos de considerar por encima de todo, el hecho de que los museos sirven para trabajar educativamente a partir de los contenidos didácticos y que es precisamente       donde entra el profesorado de geografía e historia que dará a conocer todo aquello que posee un museo como son colecciones, objetos, cosas, ideas, hechos, acontecimientos, conocimientos, valores, criterios, opiniones, personas, potencial patrimonio o experiencias.

 

Sentimientos y argumentos en las visitas a Museos

 

Hay una serie de ítems que se utilizan en una actividad museística como   son la

representación, la creación, el diálogo, la reflexión, la crítica y la empatía. Concepto fundamental en los procesos de enseñanza y aprendizaje.

 

En toda actividad museística establecemos seis consideraciones que ha de tener en cuenta el profesorado para trabajarla en clase. En primer lugar, la actividad museística parte del profesorado que la ha trabajado en clase y son los docentes, un auténtico eje de conexión entre el currículo escolar y el museo. En segundo lugar, son los docentes los que deciden visitar con su alumnado por conocer entre otras cosas la realidad, las necesidades, los contenidos educativos de la asignatura y las expectativas de su grupo escolar y es el museo el que debe ofrecerse a los centros educativos por su función educativa. En tercer lugar, decimos que en este proceso se tiene en cuenta la figura del educador del museo y siendo clave la relación con el/la docente en la programación de la visita del museo. El cuarto aspecto establece que los profesionales de la educación tienen que conocer los museos y son estos los que deben conocer a sus visitantes. En quinto lugar, tenemos que establecer los vínculos necesarios entre el currículum educativo y el museo. Y, por último, tenemos que recalcar el fácil acceso de los maestros a las ofertas educativas de los museos del entorno y siendo estos, una herramienta educativa complementaria a la programación.

 

Las fases de la enseñanza

 

La práctica docente en un museo ha de contener tres fases. La primera de las partes es la introducción donde se establecen unos objetivos y una información previa. Para conseguir una finalidad educativa más efectiva la motivación ha de buscar la adquisición de competencias y el desarrollo de conocimientos, estimulando el pensamiento y armonizarlo con las emociones y la curiosidad. Por otra parte, el profesor debe de informar al alumnado del tipo de visita que se hace, el objetivo y en definitiva un estudio que saldrá de lo que le rodea y no tanto de los libros de texto.

La segunda fase es la visita y punto culminante de la actividad museística donde el educador y el profesorado dirigirán la visita, proporcionarán elementos de análisis de los conocimientos de la visita y resolverán cuestiones.

Si el museo tiene un aula didáctica la visita se completará con un taller para realizar actividades complementarias. En esta fase, se ha de recordar que una visita al museo es más eficaz si los visitantes se sienten implicados y así, el profesorado podrá llegar mejor a los aprendizajes significativos.

Se sugiere completar la visita con itinerarios fuera del museo y hemos de considerar también que con una sola visita no podemos captar toda la riqueza educativa del museo por lo que sería positivo una unidad didáctica realizada por el departamento de educación del museo o el profesorado.

El último aspecto es la reflexión y el momento donde se favorece los conocimientos adquiridos, las conclusiones colectivas y las conexiones del tema estudiado con los conocimientos que se están dando en la asignatura. Aquí, el papel del docente es fundamental ya que planteará preguntas divergentes, aclaratorias o también de consolidación de aprendizajes significativos. Es muy importante también el enfoque multidisciplinar para el profesorado de geografía e historia porque las diferentes áreas ofrecen posibilidades ilimitadas ya que por un lado se llega más fácilmente al alumnado y por otro lado, acercamos al profesorado de otras asignaturas para que nos acompañe. En clase se propondrá al alumnado la realización de una serie de reflexiones y conclusiones de las actividades para que responda el alumnado.

Como conclusión, repetiría una frase esencial en el ámbito de la museística que dice que los museos son como ventanas abiertas al mundo, pero para poder asomarse por esas ventanas hay que entrar.

 

BIBLIOGRAFIA

  • RIBERA GINER, Marc (2011): Un proyecto educativo para el Museo del Azulejo de Onda, ¿A qué huelen los azulejos? Educación artística: revista de investigación (EARI). Núm 2. 175-180 pp.

·         GÓMEZ PELLÓN, Eloy (1993): El papel de los museos etnográficos. In Ll Prats i Canals & M. Iniesta i González (coord.) El patrimonio etnológico. Tenerife. Federación de Asociaciones de Antropología del Estado Español y Asociación Canaria de Antropología.

  • FONTAL MERILLAS, Olaia (coord.) (2013): La educación patrimonial: del patrimonio a las personas. Gijón. TREA.

 

 

 

OS MUSEUS LOCAIS E A EDUCAÇÃO NÃO FORMAL

 

Juan Ramón Durá Ballester

 

Após uma visita bem-sucedida a um museu, passamos a refletir sobre o retorno e o desenvolvimento de práticas educativas com nossos alunos. Três objetivos devem ser perseguidos para tal ação em qualquer museu. O primeiro refere-se a criar uma missão e identidade para o próprio museu. A segunda diz respeito a possibilitar ao público, experiências agradáveis e atraentes, ao visitar ou trabalhar em um museu. O terceiro objetivo, de qualquer museu, é atrair recursos financeiros. Quanto ao segundo objetivo, trata-se, obviamente, de se abrir para o exterior com objetivo de atrair, de conquistar, de expandir e de criar público, bem como retê-lo. Tudo isso permite evitar uma apatia, uma sensação enfadonha ou um tédio, tanto do público em geral quanto dos alunos.

 

Museus e aprendizagem sobre problemas sociais locais e globais

 

 A área de estudo de onde partimos nossas reflexões é o museu etnológico por contemplar aspectos dos museus locais, por vários motivos. Diante do exposto, em um mundo tão globalizado e onde a mobilidade das pessoas tornou-se tão grande, o museu etnológico é o espaço que possibilita analisar as causas e os efeitos da migração, os problemas associados aos fluxos migratórios, as políticas de incorporação dos imigrantes, a variedade de costumes e tradições (safras, tipos de propriedade, dentre outros aspectos). Uma das conquistas da nova museologia é a ênfase na descentralização museológica, o que tem estimulado de maneira incessante, os museus locais. Além disso, devemos considerar que o tipo de museu local pode constituir uma alternativa à globalização, bem como, possibilita educar e gerar gosto pelo património cultural, levando em conta, ainda, que o museu possui valores que transcendem o seu próprio património em si, como a harmonia, o respeito ao meio ambiente, a solidariedade ou a colaboração.

 

A Rede de Museus Etnológicos Locais é um exemplo de rede de museus, que foi criada pelo Departamento de Valência para dar origem a uma estrutura cultural e de cooperação, aconselhamento e formação com o objetivo de quebrar o isolamento sofrido pelos museus locais. É nestes museus que os professores do Ensino Fundamental de Geografia e História devem trabalhar para ajudar a compreender a identidade valenciana e estruturá-la, não com um sentido puramente restrito, mas sim para sensibilizar os alunos tendo em vista todo o imenso património cultural e histórico local.

 

 

Para além, a Educação facilita hábitos e habilidades de convivência e a evidente diversidade de culturas existentes nos centros educativos não pode ser motivo de diferenças, mas sim, motivo para complementar e enriquecer conhecimentos a fim de contribuir para ampliar o diálogo entre os povos, encontrando semelhanças e diferenças. Aspectos que um museu local possui. O museu deve fazer com que o cidadão se sinta um construtor de uma história e de uma identidade e ainda responsável pela conservação e transmissão desse património cultural.

Há que se considerar também, antes de tudo, o fato de que os museus estão acostumados a trabalhar a partir de conteúdos didáticos e que é justamente por tal motivo que os professores de Geografia e História utilizam tal espaço para seu trabalho. Ele envolve conhecer o que um museu possui (coleções, objetos, coisas, ideias, fatos, eventos, conhecimentos, valores, critérios, opiniões, pessoas, patrimônio potencial ou experiências).

 

Sentimentos e argumentos em visitas a museus

 

Há uma série de aspectos que são usados em uma atividade em um museu, como representação, criação, diálogo, reflexão, crítica e empatia. Conceitos fundamentais em processos de ensino e aprendizagem.

Em toda a atividade em um espaço museológico, estabelecemos seis aspectos que o corpo docente deve levar em consideração para desenvolver seu trabalho. Em primeiro lugar, a atividade museológica tem início com os professores que a trabalharam nas aulas e são os verdadeiros eixos de ligação entre o currículo escolar e o museu. Em segundo lugar, são os professores que decidem visitar com os seus alunos, pois são eles que já conhecem, dentre outros aspectos, a realidade, as necessidades, o conteúdo pedagógico da disciplina e as expectativas do seu grupo de estudantes e, é o museu, que deve atender às escolas, por sua função educacional. Terceiro, dizemos que neste processo, a figura do educador do museu é levada em consideração e a relação com o professor é fundamental para o agendamento da visita ao museu. O quarto aspecto diz respeito ao fato de que os profissionais da Educação devem conhecer os museus e são eles que devem conhecer seus visitantes. Quinto, temos que estabelecer as ligações necessárias entre o currículo educacional e o museu. E, por último, há que sublinhar, o fácil acesso dos professores às ofertas educativas que os museus promovem, sendo estas, ferramentas pedagógicas complementares à programação.

 

As etapas de ensino

 

A prática pedagógica em um museu deve conter três fases. A primeira delas é a introdução, onde são estabelecidos os objetivos e as informações prévias. Para atingir um propósito educacional mais efetivo, a motivação deve ser a aquisição de habilidades e o desenvolvimento de conhecimentos, estimulando o pensamento e harmonizando-o com as emoções e a curiosidade. Por outro lado, o professor deve informar aos alunos o tipo de visita que farão e o propósito do estudo, que será centrado na localidade e não nos livros didáticos.

A segunda fase é a visita. Este é o ponto culminante da atividade museológica. Nela, o educador e o corpo docente deverão conduzir a visita, fornecendo os elementos para análise do conhecimento e da visita, alem de oferecerem respostas às dúvidas.

Caso o museu possua uma sala de aula, a visita será complementada com uma oficina para realização de atividades complementares. Nesta fase, deve-se lembrar que uma visita ao museu é mais efetiva se o visitante puder se sentir envolvido e, assim, os professores poderão possibilitar uma aprendizagem mais significativa.

Sugere-se completar a visita com roteiros envolvendo os arredores do museu. É relevante levar em consideração que apenas em uma visita não é possível captar toda a riqueza educativa do museu. Uma atividade didática desenvolvida pelo departamento de Educação do próprio museu ou pelo corpo docente seria mais positivo.

O último aspecto é a reflexão e o momento em que se privilegiam os saberes adquiridos, as conclusões coletivas e as conexões da matéria estudada com os saberes adquiridos. Aqui, o papel do professor é fundamental, pois vai colocar questões divergentes, esclarecendo ou também, consolidando, aprendizagens significativas. A abordagem multidisciplinar também é muito importante para os professores de Geografia e História porque as diferentes áreas do conhecimento oferecem possibilidades ilimitadas, pois, por um lado, mais alunos são envolvidos e, por outro, trazemos professores de outras disciplinas para nos acompanharem. Em aula, os alunos serão convidados a realizar um conjunto de reflexões e atividades para responderem.

Para terminar, voltaria a repetir uma frase essencial no campo de estudos que envolve os museus, a saber: “os museus são como as janelas abertas para o mundo, mas para poder olhar por essas janelas é preciso entrar.”.

 

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

 

RIBERA GINER, Marc (2011): Un proyecto educativo para el Museo del Azulejo de Onda, ¿A qué huelen los azulejos? Educación artística: revista de investigación (EARI). Núm 2. 175-180 pp.

GÓMEZ PELLÓN, Eloy (1993): El papel de los museos etnográficos. In Ll Prats i Canals & M. Iniesta i González (coord.) El patrimonio etnológico. Tenerife. Federación de Asociaciones de Antropología del Estado Español y Asociación Canaria de Antropología.

FONTAL MERILLAS, Olaia (coord.) (2013): La educación patrimonial: del patrimonio a las personas. Gijón.



 

 

80 comentarios:

  1. Olá a todos os amigos do GEOFORO
    Importante debate se inicia. Os procedimento metodológicos e sugestões de práticas descritas no texto são excelentes para organizarmos visitas de estudo a esses espaços específicos.
    Creio que a visita a museus, inclusive os museus virtuais que estão cada vez mais acessíveis em todo o mundo, possibilitam grande aprendizagem aos estudantes.
    No Brasil há inúmeros museus com acervos disponíveis para "tour virtual" e que são de grande interesse para as aulas de Geografia.
    Alguns exemplos são:
    1) Museu Casa de Portinari - para discutir a cultura cafeeira no interior do estado de São Paulo - https://www.museucasadeportinari.org.br/culturaemcasa/
    2) Museu Pedagógico Índia Vanuíre - para conhecer a cultura e arte indígena https://museuindiavanuire.org.br/culturaemcasa/
    3) Museu Afro-Brasil: https://artsandculture.google.com/partner/museu-afro-brasil
    4) Museu da casa brasileira: para investigar as tradições culturais, arquitetura e mobiliário urbano -https://artsandculture.google.com/partner/museu-da-casa-brasileira

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Esqueci a identificação..

      Saudações,
      Silvia Fernandes
      Unesp, Marília.
      Brasil

      Eliminar
    2. Estimados(as) colegas, estou de acordo com a professora Silvia Fernandes, o tema do presente fórum possibilita diversas discussões. Ânimo a todos(as).
      Saudações desde Ribeirão Preto- SP BRASIL
      Andrea Lastória

      Eliminar
    3. A discussão se faz muito necessária, devido a real importância do museu no processo de ensino-aprendizagem, e que necessita ser trabalhada desde o nivel inicial de formação do professor, para chegar de maneira significativa ao estudante. Lembro-me com muita felicidade, que através da disciplina de Arte e Música na graduação, consegui viver essa experiência antes da pandemia. Experiência rica a qual fui revivendo enquanto lia os escritos de Juan Ramón Durá Ballester, e que, a cada avanço na leitura, ficavam cada vez mais claros os sentidos. Neste momento em que é nescessário ficar em casa, ter acesso a diferentes museus virtuais, pode auxiliar o professor a preparar suas aulas integrando a aprendizagem não formal, fazendo com que essa experiência esteja presente para os alunos de alguma forma.
      Agradeço a você Silvia por ajudar na divulgação desses links e coloco também minha contribuição, com um link com 30 museus virtuais do Brasil e do mundo, organizado pela prefeitura de São Paulo. Esperando claro, que em breve possamos reviver a experiência presencial de visita aos museus. Uma abraço a todos!

      30 Museus virtuais para você visitar sem sair de casa
      https://educacao.sme.prefeitura.sp.gov.br/30-museus-virtuais-para-voce-visitar-sem-sair-de-casa/

      Thaís Souza
      Graduanda em Pedagogia pela FFCLRP-USP
      Ribeirão Preto/SP - Brasil.

      Eliminar
    4. Concordo totalmente com a Thais, é uma discussão muito necessária e que deve ser trabalhada desde o nível inicial da formação docente.
      Meu primeiro contato com um Museu foi através do cursinho pré-vestibular, no qual tínhamos aula de história da arte. O trabalho inicial do professor dentro de sala de aula foi essencial para cada visita ao museu ser única e me deixar cada vez mais apaixonada por esses locais e pelos artistas.

      Um abraço a todos!

      Nathalia Stefany da Silva
      Graduanda em Pedagogia pela FFCLRP-USP
      Ribeirão Preto / SP - Brasil.

      Eliminar
    5. El tema de los museos locales se puede introducir en cualquier pais y Brasil es un excelente ejemplo para hablar de las diferentes tradiciones y culturas históricas que han configurado este magnífico país.

      Eliminar
    6. O tema dos museus locais pode ser introduzido em qualquer país e o Brasil é um excelente exemplo para falar sobre as diferentes tradições e culturas históricas que moldaram este magnífico país.

      Eliminar
  2. Saudades à tod@s,

    As reflexões postas pelo texto introdutório de Juan Ramón Durá Ballester são fundamentais para ressignificar nos olhares para os museus e outros espaços não formais de ensino com uma perspectiva de Educação crítica para a cidadania. Os espaços não formais podem promover aprendizagens significativas aos alunos e a ampliação da visão de mundo deles com mediação do professor com os conteúdos escolares. Contudo, como podemos desenvolver um trabalho pedagógico em museus em um contexto de pandemia da COVID-19 e de ensino remoto? A resposta para este questionamento não está dada e apresenta muitos contornos, variantes e contextos específicos em cada país do mundo ou mesmo da ibero américa. A comunidade acadêmica, escolas, professores, alunos e a comunidade escolar experimentam o isolamento social e o ensino remoto como alternativa para a continuidade do ensino. Deste novo cenário, professores e museus desenvolveram a prática pedagógica chamada “trabalho de campo virtual monitorado”. Destaco que esta prática não substitui um trabalho de campo no formato presencial. Os detalhes, os comportamentos dos jovens, as dúvidas e o processo de ensino aprendizagem não são os mesmos. Como professores temos consciência disso, no entanto esta prática possibilita a “continuidade” de um trabalho docente voltado para a cidadania com destaque para estudos do entorno dos alunos, da(s) localidade (s) e dos lugares desses alunos. Como desenvolver o trabalho de campo neste novo formato? Quais são os museus que promovem este tipo de prática? Os professores tem formação para este tipo de prática remota? Quais os impactos na aprendizagem dos alunos? Outras questões que não temos respostas e sim apenas caminhos possíveis de serem trilhados. Neste sentido, a Universidade, as Escola e os espaços não formais de ensino poderiam ampliar diálogos para oferecer aos professores e alunos esta prática. Apresento aqui duas possibilidades para refletirmos sobre esta prática pedagógica, sendo a primeira uma live denominada “El trabajo de campo em tempos de Covid-19” ministrada pela professora Dra. Liliana Angêlica Rodríguez Pizzinato https://www.youtube.com/watch?v=_VAEdIEr0wY). Nesta live a professora relava práxis do trabalho de campo durante a pandemia. A segunda possibilidade foi feita por este professor com alunos do Ensino Médio (Brasil) no município de Ribeirão Preto/SP em um museu local chamado “Casa da Memória Italiana” (https://www.casadamemoriaitaliana.com.br). Realizamos a referida prática juntamente com monitoras da instituição, no qual segui o processo descrito por Juan no texto introdutório deste Fórum. Considero a prática exitosa para o professor, as monitoras e os alunos participantes. Destaco que apresentei um breve relato no sentido de contribuir com as futuras e necessárias discussões sobre o tema.

    Odair Ribeiro de Carvalho Filho
    Professor de Geografia Centro Paula Souza
    Mestre em Educação -FFCLRP/USP
    Membro do grupo ELO

    ResponderEliminar
  3. ESTIMADOS(AS) PROFESSORES(AS)
    Gostaria de saber com que frequência vocês planejam e executam atividades educativas em museus e outros espaços não formais de ensino. Muito grata, Andrea Lastória (USP - RIBEIRÃO PRETO - BRASIL)

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Cara Andrea e outros colegas
      Pela minha experiéncia em Secundária e na Universidade posso dizer que nós fazemos uma visita trimestral extra-escolar (fóra do recinto escolar, mas no tempo letivo escolar).
      Resulta complexo fazer este trabalho pela necesidade de ter permisos familiares, administrativos e ademais coordinarse com o resto de professores e professoras da turma.
      Na Universidade eu faço duas ou tres saídas na preparação do futuro professorado
      Este tipo de analizar ás praticas escolares está moito bem. Gostaría saber doutras experièncias nas escolas de outros países.
      Abraço

      Eliminar
    2. Estimado Xosé Souto e demais colegas professores,
      Em minha atuação como professora formadora de professores na Universidade de São Paulo também realizo duas visitas extraescolares (também chamadas de excursões didáticas ou visitas técnicas) em espaços não formais de ensino. O objetivo é que os futuros professores conheçam as potencialidades educativas do espaço (que pode ser um museu local, um centro cultural, um parque, um assentamento rural, uma estação meteorológica, dentre outros) e, também, aprendam a planejar atividades de ensino para os estudantes dos anos iniciais ou educação infantil. Também gostaria de saber da experiência de outros colegas. Saudações desde a FFCLRP - USP - BRASIL. Andrea Lastória

      Eliminar
  4. Este comentario ha sido eliminado por el autor.

    ResponderEliminar
  5. Olá a todos

    Muito importante essa visão sobre os museus, principalmente os locais, como sendo espaços de ação,reflexão crítica e identificação pessoal, e não apenas de contemplação passiva. Infelizmente, a pouca exploração desses espaços colabora com a construção do senso comum de que os museus são monótonos e restritos às pessoas com um capital cultural muitas vezes elitista. Por isso, é extremamente importante ocupar e valorizar esses espaços juntamente com nossos educandos, em especial os de classes mais vulneráveis, para que eles reconheçam que fazem parte da história e se empoderem disso.

    Grata

    Monalisa da Silva de Freitas
    FFCLRP/USP- Brasil

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Monalisa, concordo com você sobre o senso comum de muitos brasileiros que consideram os museus locais monótonos e, ainda, destinados para parte da população e não para todos. Andrea Lastória - FFCLRP - USP - BRASIL.

      Eliminar
    2. Olá a tod@s!
      Monalisa, concordo plenamente com você. É necessário que a visão sobre os museus seja mudada, para que haja uma maior contemplação desse espaço que promove tantas aprendizagens e experiências.
      Particularmente, por morar em cidade pequena, não tive a oportunidade de conhecer muitos museus. Porém, os que eu conheço, facilitaram e me instigaram a conhecer um pouco mais sobre a minha cidade e sobre outros conhecimentos históricos do mundo. Espero que, em um futuro próximo, as pessoas saibam a importância desse espaço e suas potencialidades educativas.

      Grata,
      Ana Julia Costa.
      FFCLRP/USP/Brasil – graduanda em pedagogia.

      Eliminar
    3. Olá a tod@s novamente!

      Gostaria de acrescentar a valorização da importância dos mapas nos museus, já que estes nos ajudam a planejar nossas visitas antecipadamente, além de nos guiar nas exposições. Dessa forma, além de todos os conhecimentos que os museus nos proporcionam, eles também agem de forma interdisciplinar com a cartografia, sendo um espaço de aprendizagem fora das escolas.

      Grata,
      Ana Julia Costa.
      FFCLRP/USP/Brasil - graduanda em pedagogia.

      Eliminar
    4. Obviamente, museus são entidades vivas e não realidades mortas que sofrem mutações ao longo do tempo. São realidades que refletem não só a história, mas todas as mudanças que estão sendo apreciadas. Os usuários têm que atrair e seduzir. E para isso você tem que ter um bom passeio e uma visita satisfatória. Também deve conter atividades que implementem a visita e façam do museu local uma referência daquele local para poder transmitir toda a riqueza e beleza de um museu local.

      Eliminar
  6. Saudações a todos.

    A interação que as escolas tem com os museus em pleno 2021 chega a ser preocupante, muitas até desvalorizando e colocando entre as últimas prioridades no planejamento pedagógico, algo que pra nós graduandos da pedagogia não deveria estar no espectro utópico, uma vez que (complementando o que foi apresentado), as excursões pedagógicas nos museus sempre ficam marcadas no estudante.
    É um espaço distante (fisicamente) da escola mas tão próximo dialogicamente. Destaco também as interpretações que cada pessoa concede para as obras apresentadas, cada um expondo sua subjetividade na interação do "o que isso significa para você?"

    Um abraço brasileiro <3

    Deriel Renan Ponce
    FFCLRP-USP - Brasil

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Obviamente, no tema dos museus locais há uma parte muito subjetiva que nos une muito a um lugar que nos leva à ideia da geografia dos lugares vividos. Os museus locais transmitem um modo de vida passado que tem essa parte nostálgica e é inegável.
      Mas essa não é a abordagem, mas é para tornar conhecido para as novas gerações esse modelo de vida sustentável e integrador das diferentes atividades econômicas que foi feito no passado. Para que nuestro alumnado lo conozca y le de el valor que tiene. Sin un afán localista, nacionalista o excluyente sino totalemente integrador y con todas las espicificades locales existentes. Para que nossos alunos saibam e dêem o valor que ele tem. Sem uma ânsia localista, nacionalista ou excludente, mas totalmente integrativa e com todos os espiões locais existentes.

      Eliminar
  7. Este comentario ha sido eliminado por el autor.

    ResponderEliminar
  8. Saúdo a todos.

    “Os museus são como as janelas abertas para o mundo, mas para poder olhar por essas janelas é preciso entrar”, faz me lembrar de outra frase que ouvia de minha professora de História no Ensino Fundamental: “só sabemos para onde vamos quando descobrimos de onde viemos”. Ambas nos fazem ter conexões com o passado e nos induz tomar uma atitude, a atitude de buscar o conhecimento.

    Os museus trazem parte desse conhecimento, possuem uma estrutura didática que com a mediação adequada em muito estimula seus visitantes. Percebemos que não se trata de uma visita aleatória, existe uma introdução, desenvolvimento e conclusão.

    Como cidadã e futura educadora sinto por alguns ainda acreditarem que o acesso a esse conhecimento é privilégio das classes mais abastadas, isso é algo que precisa ser desmistificado.

    Sem mais, o texto acima de Juan Ramón me faz pensar como é poderosa uma visita bem-sucedida a um museu.

    Ana Beatriz V. Morais
    Graduanda em Pedagogia pela FFCLRP-USP
    Ribeirão Preto/SP – BRASIL.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Palavras muito bonitas Ana Beatriz que você escreveu. Concordo totalmente com o que você diz. Os museus são uma arma poderosa e indispensável da educação da geografia, história e história da arte.

      Eliminar
  9. Ana Beatriz, muito bonita a sua citação do texto de Juan Ramón. Abraços da Andrea Lastória. FFCLRP - USP, Ribeirão Preto-SP, BRASIL.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Muito obrigado e vamos tentar trabalhar para construir um caminho educativo dos museus locais,

      Eliminar
  10. Olá a todas e todos.

    Tema de abordagem relevante, visto que demonstra a importância de práticas pedagógicas que extrapolem os muros da escola, permitindo assim que os alunos entendam determinado tema com maior amplitude, de uma forma mais dinâmica, criando ligações com a realidade.
    Além disso, outro ponto que devemos ressaltar, é a interdisciplinaridade abordada no texto, isto é, a possibilidade de um mesmo conhecimento perpassar por diversas áreas, incentivando que os alunos deixem de pensar em pequenas “caixinhas” separadas, permitindo vislumbrarem um cenário mais amplo, completo e coeso.

    Lorena Maria Laxa
    Graduanda em Pedagogia pela FFCLRP-USP
    Ribeirão Preto/SP – BRASIL.

    ResponderEliminar
  11. Lorena Soares Gonçalves11 de mayo de 2021, 11:13

    Olá a todos.
    Durante a leitura do texto não consegui deixar de pensar como esse contexto de aprendizagem em ambientes de ensino não formal muitas vezes está muito distante da realidade dos estudantes de escolas publicas brasileiras, nas quais os alunos muitas vezes chegam a não ter acesso a aulas de matérias como história e geografia, e muitas vezes quando um professor sente a necessidade de apresentar seus alunos a um ambiente como os dos museus ele acabar por ter que encontrar métodos alternativos de arrecadar dinheiro para o transporte dessas crianças.
    Entretanto, quando uma professora consegue realizar essas atividades com seus alunos de maneira bem organizada, estar presente nesses locais pode mudar a forma como os alunos veem as disciplinas apresentadas nas escola, que muitas vezes são apresentadas de forma desconexa da realidade, fazendo com que a criança compreenda essas assuntos de maneira mais concreta e conectada a sua realidade.

    Lorena Soares Gonçalves
    Graduanda em Pedagogia pela FFCLRP-USP
    Ribeirão Preto/SP - Brasil

    ResponderEliminar
  12. Olá a todos.

    O Museu é um lugar de grande contribuição para a formação do aluno, isto posto, o texto aborda que para um resultado mais efetivo é fundamental que a realização da visita seja feita de forma articulada, com objetivos claros e que haja uma continuidade ao regressar à sala de aula, pois esse cuidado fará toda a diferença para uma experiência completa.

    Daniely Rosa
    FFCLRP/USP-Brasil


    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Boa tarde a todos,
      gostaria de dizer que concordo com a perspectiva trazida pelo texto, assim como as ideias expostas pelos demais participantes do fórum.
      Como Daniely bem afirmou, acredito que o museu pode ser sim um grande aliado no processo de ensino e aprendizagem, e nunca devemos esquecer de incluir a visita em um contexto de trabalho com os alunos através de uma boa mediação do professor.
      Também gostaria de ressaltar que em geral os espaços de vivência dos alunos ou do entorno podem ser grandes espaços não formais de ensino, pois nas experiências também há aprendizagem.

      Giulia Cereser
      FFCLRP/ USP- Brasil

      Eliminar
  13. Olá a todos e todas.

    No decorrer da leitura do texto, não pude deixar de pensar no poder da abordagem dessa temática, uma vez que ela demonstra a importância das práticas pedagógicas fora do ambiente escolar, o que permite aos alunos compreender um determinado tema com maior amplitude, de forma mais dinâmica, criando vínculos com a realidade.

    Além disso, ao realizar esses tipos de atividades o professor consegue trazer os alunos mais pertos de si, transformando, assim, a forma como alguns deles veem as disciplinas apresentadas na escola, despertando o interesse deles pelo conhecimento.

    Giovanna Martins Corrêa
    Graduada em Pedagogia pela FFCLRP-USP
    Ribeirão Preto / SP - Brasil

    ResponderEliminar
  14. Buenos días a todxs,
    La temática planteada en este foro por Juan Ramón es una oportunidad para seguir reflexionando sobre la educación geográfica e histórica. Los museos etnológicos son espacios que deben propiciar el pensamiento crítico sobre temas diversos que pueden tratarse didácticamente en las aulas de educación básica y en la formación docente. Los museos no solo deben ser lugares que visitar cuando tenemos tiempo libre, sino espacios donde tomar conciencia de identidades y problemáticas sociales y ambientales que afectan a nuestra vida cotidiana. En un museo etnográfico podemos reconocer nuestra identidad y percibirla a través de elementos del paisaje y del patrimonio con un enfoque glocal (local+ global). Así empezaremos a sentir los elementos culturales como parte del espacio vivido y sentiremos como lugares otros territorios más lejanos.
    Coincido con la profesora Silvia Sousa y Odair en señalar algunos riesgos de los museos virtuales. Me preocupa la pérdida de empatía al no poder visitar in situ el museo y que tengamos dificultades para conectar con otros sujetos que pueden explicarnos desde sus vivencias algunos aspectos que pueden convertirse en contenidos escolares. Por ello la labor docente es conseguir diseñar experiencias con fines didácticos en los museos y otros espacios, por encima del entretenimiento personal (que es necesario) y de pretensiones exclusivamente lúdicas.
    En mi caso realizo una salida de campo por la huerta de Valencia, pero lo que quiero destacar son las visitas que realizan mis estudiantes (futuras maestras de Educación Infantil) en sus localidades de la Comunidad Valenciana. Diseñan salidas escolares y tienen en cuenta los museos locales (museo del arroz, chocolate, miel...) para conectar con las tradiciones y costumbres que no deben perderse frente al devenir del mundo globalizado. Este alumnado puede experimentar parcialmente sus actividades durante las prácticas regladas y obtiene resultados satisfactorios, que le ayudan a tomar conciencia de la escala local y de otros asuntos que ya se han debatido en foros anteriores. En este momento es importante que se ayude a formar al profesorado para que colabore con los museos locales a proporcionar una visión más compleja y didáctica de temáticas que permitan valorar las identidades y complementarse con otras técnicas de investigación que pueden enseñarse en escuelas y universidades.
    Diego García Monteagudo
    Universitat de València y proyecto Gea-Clío

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Hay algunos museos locales que han conseguido cierta importancia y repercusión pero por desgracia otros museos han desaparecido por la falta de voluntad política,de inversores y de dinero y de iniciativas individuales como el Museu de la Taronja de Borriana, del museo del arroz de Almenara o del Museo local de Almàssera. Es un camino largo, complicado...

      Eliminar
  15. Olá a todos e todas.
    O texto aborda um tema muito rico para o ensino e aprendizagem. Ao visitar um museu, você é inserido parcialmente naquele contexto e pode viver, refletir e compreender mais de uma determinada sociedade, época e cultura. As reflexões acerca do conhecimento adquirido promovem análises críticas sobre o mundo e a sociedade, além de trazer uma ligação viva do indivíduo com a história.
    Para o professor, elaborar uma aula com visitação a um memorial ou museu fará com que o aluno veja o conteúdo didático dos livros em objetos, cartas, arquitetura e arte, sendo uma grande possibilidade de apropriação de determinado tema trabalhado.
    Gostaria de aproveitar e fazer um convite a todos que puderem visitar Ouro Preto, uma cidade histórica, no estado de Minas Gerais (Brasil). A cidade é patrimônio cultural da humanidade, sendo até hoje um museu a céu aberto, com suas igrejas do período colonial e arquitetura barroca. Conserva também a história da escravidão no Brasil, com detalhes de como foi o ciclo do ouro e as consequências humanas e ambientais, que são relfetidas até hoje.
    Débora Rodrigues
    Graduanda em Pedagogia pela FFCLRP-USP
    Ribeirão Preto/SP Brasil

    ResponderEliminar
  16. Como venimos diciendo el museo es un espacio que posibilita nuevos conocimientos, reforzar lo que se tienen o que se adquieren en el aula. Normalmente se trata de un espacio concreto y delimitado, un recinto creado, reformado o rediseñado para la difusión cultural. Una de las consideraciones que me gustaría compartir es la relación del aprendizaje en los museos y el espacio vivido. Me parece importante que en la preparación de la visita al museo se trabaje además la interrogación para proyectar la imaginación. Mediante los cuestionamientos de lo que se podrá ver, transportar nuevas hipótesis al imaginario del alumnado, esto ayudará a que la visita al museo se convierta en una experiencia que de significado al espacio vivido y ya sabemos la fuerza que tienen la emociones en los procesos de aprendizaje. Abrir los ojos ante lo que podrán ver es como cuando estamos planificando un viaje o leemos antes un libro de viajes, anteponemos en nuestra mente lo que esperamos y en los espacios vividos de los museos se puede producir la inspiración hacia el conocimiento.
    Benito Campo
    Gea-Clio
    Univ. de Valencia-UV

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Exactamente Benito, los museos locales son un excelente ejemplo de la llamada geografia de los espacios vividos. Cada lugar tiene unas experiencias y unas vivencias que son reflejadas en un museo local y que se tienen que dar a conocer en el mundo de la didáctica de la geografia e historia.

      Eliminar
  17. Boa noite a todos!
    Este texto me trás boas lembranças do ambiente de ensino que tive durante o ensino fundamental e vivi durante os primeiros anos da faculdade, o quanto é importante a experiência fora da sala de aula, e o despertar que o(a) aluno(a) vive em frequentar ambientes que não fazem parte do seu convívio, como o museu. A escola na maior parte das vezes é a proporcionadora fundamental e até única desta vivência do aluno.
    O professor é mediador e possibilitador para este momento de vivência fora do ambiente escolar, o qual instiga seus alunos para apreciarem a visita no museu e após a visita a as discussões que possibilitam outros estudos, possibilitando uma troca de aprendizados que será marcado para a vida toda daquele aluno.
    Sendo assim, a visita a um museu sempre é enriquecedora e despertadora de novos aprendizados e possibilidades, independente da idade e do número de visitas, sempre haverá algo a mais para se aprender.
    Portanto, como futura pedagoga penso em um futuro sem pandemia, o qual pretendo incluir no currículo dos meus alunos a saída do ambiente escolar para permitir a apreciação e estudos em ambientes enriquecedores, como os museus.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Esqueci de me identificar... rs
      Arielle Souza
      Pedagogia - FFCLRP
      Ribeirão Preto - SP

      Eliminar
    2. Concordo com a colega Arielle. Ao ler o texto as lembranças são nítidas das visitas a museus com as escolas, e o quanto foi marcante essa experiência, e é o que quero proporcionar aos meus futuros alunos.

      Os museus são importantes para a aprendizagem dos alunos pois transmitem um outro olhar, uma nova perspectiva além dos livros e sala de aula. O professor tem o papel de transmitir todas as informações necessárias e passar os novos conhecimentos ali vividos aos seus alunos, sempre questionando e explicando todas as informações possíveis. Os espaços dos museus possibilitam para as disciplinas de história e geografia diversos tópicos a serem estudados e trabalhados com o professor.

      Para a disciplina trabalhada esse semestre, de Cartografia para criança vejo como esses espaços também são ricos em conhecimentos e como conseguimos trabalhar com as crianças através do passeio. Os museus possuem seus próprios mapas, onde a criança consegue se localizar e saber onde está cada coisa e para onde quer ir primeiro, além do museu trazer a história de várias localidades que também pode ser trabalhada através dos mapas em sala de aula.

      Marina de Souza Castilho
      Pedagogia - FFCLRP
      Ribeirão Preto - SP

      Eliminar
  18. Olá, colegas do Geoforo. É um prazer conhecê-los através dos textos e dos comentários.

    Esse texto é muito interessante! Levantei alguns pontos que selecionei de extrema relevância na minha leitura e trago este comentário:

    Concordo com a importância de espaços de formação para além da escola. O museu local, por exemplo, contribui e complementa, de forma enriquecedora, a formação dos estudantes. Na minha cidade (Ribeirão Preto - SP), tem o Museu do Café , localizado na Universidade de São Paulo, que nos meus anos iniciais do ensino fundamental, os professores levaram nós (os alunos) para explicar demandas locais, falar sobre o hino da cidade e algumas questões histórica que perpassam a importância do café para a cidade de Ribeirão Preto- SP, cidade interiorana do Brasil. Com isso, trago essa experiência para concordar que o museu, quando tem uma boa mediação dos professores, pode trazer uma aprendizagem mais significativa.

    Além disso, lembrar que ele contribui para a história e a identidade das pessoas, além de enfatizar a importância e a responsabilidade de conservar e transmitir o patrimônio cultural. Outro ponto, relacionado a minha formação, estou cursando pedagogia, é a figura do educador do museu. Ele cria uma parceria no diálogo entre a mediação e os conteúdos já trabalhados na escola. Pois, os museus trazem essa representação, criação, diálogo, reflexão, crítica e empatia . Conceito fundamental nos processos de ensino e aprendizagem.

    Portanto, é de extrema relevância, ler sobre a riqueza pedagógica do museu, sobressaindo, as aquisições de habilidades, o desenvolvimento de conhecimentos, a reflexão e a curiosidade. Também, lembrar das possibilidades dos espaços não formais para a formação dos estudantes. Só tenho a agradecer por ler esse texto que vai contribuir para a minha formação.


    Michelle D. Brito da Silva
    Graduanda do curso de pedagogia
    FFCLRP-USP/ Ribeirão Preto -SP / Brasil

    ResponderEliminar
  19. Olá a todos.

    A leitura deste texto me fez refletir sobre as minhas vivências em espaços não formais de ensino, muitas que guardo com enorme carinho. Reflito sobre o potencial que os museus possuem no processo de ensino-aprendizagem quando valorizados e em parceria a prática docente reflexiva e crítica. A experiência de vivenciar espaços de ensino para além da sala de aula, como os museus, requer planejamento docente e da equipe do museu. Quando bem planejada, desperta o aprendizado significativo e afetivo durante todas as etapas do ensino neste espaço, como é bem explicitado no texto.
    Sou formada em Ciências Biológicas e cursei uma disciplina sobre o ensino de ciências em espaço não formais, nela o professor nos propôs a experiência de montarmos um museu refletindo todos os aspectos que o compõe, como localidade, recurso financeiro, estrutura, finalidade e até mesmo o percurso e sequência das exposições para o público. Estar no papel, mesmo que fictício, da equipe de um museu foi ainda mais enriquecedor a minha formação docente e me faz admirar mais o papel e trabalho dos museus.
    Os museus são parte da nossa sociedade, da nossa trajetória histórica e fonte de muitos ensinamentos. Valoriza-los é manter viva nossa identidade como grupo social.

    Marina de Campos Jardim
    Graduanda em Pedagogia
    FFCLRP-USP/Ribeirão Preto-SP/Brasil

    ResponderEliminar
  20. Olá a todos.

    Os museus trazem uma nova perspectiva de ensino, uma maneira mais envolvente ao aluno de estar diante de um amplo conhecimento saindo da frente de livros e do ambiente da sala de aula, assim colaborando com que os alunos se sintam parte da história ali apresentada. Para as crianças esse contato direto e visual em ambientes diferentes como os museus faz com que o ensino seja mais proveitoso, as crianças aprendem mais através de experiências e pelo contato direto com o conhecimento que está ali presente para elas.
    Muitas vezes, inclusive para os alunos de escolas públicas, essa experiência é a primeira oportunidade de estar conhecendo um lugar novo e primeiro contato com novas culturas, assim contribuindo muito mais para seu aprendizado, surgindo a vontade de aprender cada vez mais. Essa experiência é importante estar inserida no processo de ensino das escolas, tornando significativa para a formação das crianças do ensino fundamental e contribuindo para a valorização dos museus que são partes fundamentais da nossa história e nossa cultura.
    No Brasil possuímos museus com acervos riquíssimos cheios de conhecimentos, histórias, obras e artefatos importantes, e arquitetura histórica que tem o poder de nos levar para outra época, possibilitando muita aprendizagem. No interior de São Paulo temos exemplos muito importantes da nossa história, como o Museu Casa de Portinari que fica na cidade de Brodowski - SP, bem próximo a Ribeirão Preto - SP, um museu que nos aproxima da história e da arte brasileira.


    Marina de Souza Castilho
    Graduanda em Pedagogia
    FFCLRP-USP
    Ribeirão Preto - SP. Brasil

    ResponderEliminar
  21. Olá professores e demais leitores,

    Vivendo em uma realidade brasileira, onde a cultura vem sendo tratada com tanto descaso, lembrar e ocupar os museus se torna essencial. Além de nos proporcionar uma experiência pedagógica tão rica, que com certeza marca a memória de inúmeros alunos, estar em um museu é, sem dúvidas, um ato político e de protesto contra tantos governantes que insistem em repetir em seus discursos, ações e planejamentos momentos da história que deveriam ser tomados apenas como aprendizado do que não se deve repetir.
    Pensar em diferentes espaços de aprendizagem, como o museu, contribui também para formação de um aluno cada vez mais próximo da cultura e conhecendo a cultura temos a sua preservação e sua continuidade.

    Ester Ferreira.
    Graduanda de Pedagogia, FFCLRP-USP
    Botucatu, SP. Brasil.

    ResponderEliminar

  22. Olá,



    Durante a leitura do testo fiquei pensando sobre como amo visitar museus, sempre “arrasto” as pessoas que estão viajando comigo para algum museu ou exposição da cidade, meus irmãos falam que eu gosto de visitar “prédio velho” , mas o que eu encontro na maioria de minhas visitas são patrimônios históricos de valor inestimável em estado de descuido.



    Infelizmente, no Brasil, estamos deixando de lado e esquecendo de apreciar nossos museus e de cobrar que eles sejam bem cuidados e restaurados. Os museus são ótimos lugares de aprendizado, lembro de todas as visitas que fiz quando criança e todas as perguntas que me surgiam quando olhava cada coisa naquele espaço e por isso, como professora, espero que esses espaços recebam o devido respeito.



    Beatriz Duarte Santana

    Estudante da matéria Metodologia do Ensino de História e Geografia

    FFCLRP-USP

    Brasil

    ResponderEliminar
  23. Olá!

    Espero que todos e todas estejam bem.

    Ler esse texto foi um presente. Eu vim até aqui com uma expectativa e fui surpreendida positivamente. Ao mesmo tempo em que lia sobre o assunto exposto, fui revisitando meu passado e revivendo minhas experiências como aluna nos momentos em que estive em museus e também em outros lugares informais. A sensações vividas nessas experiências foram tão significativas que eu pude relembrar dos momentos com muito nitidez… que presente!

    Concordo com a perspectiva do autor em como a experiência de ir à um museu, quando bem construída e guiada pelos educadores, possibilitam gerar um apreço pelo patrimônio cultural juntamente com a fomentação de práticas que promovam diálogos, reflexões e alteridade. E, além disso, em como é importante que os educares estejam preparados para estimular o pensar em um ambiente que tem o poder despertar diversas emoções, interesses e curiosidade.

    O autor diz que “os museus são como as janelas abertas para o mundo, mas para poder olhar por essas janelas é preciso entrar.” E eu, particularmente, acredito que ao entrar e olhar pela janela, você faz mais do que ver o mundo, você pode (mesmo que por um instante) reviver outros lugares e cotidianos na imaginação. Esse sentir, esse aproximar, carrega várias sensações que corroboram em um movimento mais significativo nos processos de ensino-aprendizagem.

    Aline De Carvalho Cornélio
    Graduanda em Pedagogia pela FFCLRP-USP
    Ribeirão Preto/SP – BRASIL.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Ainda no início de 2021, eu realizei a leitura e reflexão sobre o texto em questão a partir da perspectiva da disciplina de Metodologia de História e Geografia na faculdade em que estudo pedagogia. Agora, quatro meses após o meu primeiro comentário aqui no geoforo, tive a experiência de reler o mesmo texto mas, diferente da primeira vez, pude refletir sobre o tema “os museus locais e a educação não formal” a partir da ótica da atual disciplina que estou cursando: cartografia escolar. Nesse movimento, vou complementar o meu primeiro comentário.

      Achei bem interessante pensar em como as atividades não formais de ensino podem fazer parte de diversos planos e projetos pedagógicos, dentre os quais podemos citar a cartografia. É extremamente importante e necessário promover momentos em que os educandos vivam experiências reais, saiam da sala de aula e coloquem as aprendizagens em prática em um contexto social.

      Visitar um museu ou um local desconhecido exige planejamento e conhecimento sobre quais caminhos percorrer até chegar aos locais/pontos desejados. Promover essas atividades, alinhada com os diversos assuntos da cartografia, acaba por trazer um sentido no uso dessa ferramenta tão indispensável dentro de um contexto real. Assim, os educandos podem se apropriar – de fato – da cartografia e fazer uso de todas as possibilidades que ela promove e oferece no nosso dia-a-dia.

      Aline De Carvalho Cornélio
      Graduanda em Pedagogia pela FFCLRP-USP
      Ribeirão Preto/SP – BRASIL.

      Eliminar
  24. Esse texto possibilita reflexões riquíssimas para a construção de um pedagogo. Enfatiza a importância de incentivar a ida ao museu. Algo que deve ser abordado logo na infância, para que assim a criança tenha o conhecimento e a vontade de cada vez conhecer mais.

    Os professores devem estar preparados para esses momentos, planejar com calma e lembrar a importância de cada passo, cada discussão e cada reflexão.

    O professor deve ser símbolo da influencia na valorização da arte para formação do sujeito. Por esse e tantos outros motivos eu acredito que a educação não formal é de extrema importância para a escola.

    Letícia Cristina Torres Gomes
    FFCLRP-USP - Brasil

    ResponderEliminar
  25. Olá! Realmente este texto é muito rico, pois nos ajuda a compreender a importância de espaços não formais de educação, além das incríveis possibilidades de aprendizado que existem em locais assim.
    A Parte que mais me toca é "(...) os museus servem para trabalhar educativamente a partir dos conteúdos didáticos e que é justamente onde entram os professores de geografia e história que darão a conhecer tudo o que um museu tem (...)"
    Me chama a atenção a grande importância do professor de História e geografia nos anos iniciais - um papel do pedagogo que muitas vezes é deixado de lado. É dever do professor conhecer esses locais históricos para que a experiência da criança em seus primeiros contatos com a história e geografia sejam marcados por curiosidade e desejo de aprender mais.

    Achei o fórum maravilhoso! Parabéns!


    Maítha Fran Santos Canácia
    FFCLRP-USP
    Pedagogia

    ResponderEliminar
  26. Olá a todas e todos do GEOFORO! Muito interessante a reflexão sobre museus - que pode se expandir para outros espaços não formais de ensino, cada um com sua especificidade.

    Lembro-me de quando estudava na USP de São Paulo e uma das disciplinas da licenciatura no proporcionava um estudo/trabalho em conjunto com o MAE-USP (Museu de Arqueologia e Etnologia da USP). O museu em si já era bastante interessante, com um trabalho muito profícuo de ensino, pesquisa e extensão. Ademais, lá discutíamos bastante sobre como utilizar o museu enquanto um espaço de ensino.

    O que mais me recordo foi uma exposição que vimos sendo preparada, na qual os próprios indígenas fizeram toda a curadoria, além de receberem os alunos de escola que fossem visitar. A proposta de diálogo e aprendizado, dentro de um museu de etnologia, foi algo que nunca me esqueci.

    Deixo aqui o link para o portal do MAE: http://mae.usp.br/

    Muito obrigado!!


    Nicolau Augusto Musa.
    FFCLRP-USP.
    Curso de Pedagogia, disciplina de Metodologia do Ensino de História e Geografia.
    Brasil.

    ResponderEliminar
  27. Boa noite a todos!
    Este texto me trás boas lembranças do ambiente de ensino que tive durante o ensino fundamental e vivi durante os primeiros anos da faculdade, o quanto é importante a experiência fora da sala de aula, e o despertar que o(a) aluno(a) vive em frequentar ambientes que não fazem parte do seu convívio, como o museu. A escola na maior parte das vezes é a proporcionadora fundamental e até única desta vivência do aluno.
    O professor é mediador e possibilitador para este momento de vivência fora do ambiente escolar, o qual instiga seus alunos para apreciarem a visita no museu e após a visita a as discussões que possibilitam outros estudos, possibilitando uma troca de aprendizados que será marcado para a vida toda daquele aluno.
    Sendo assim, a visita a um museu sempre é enriquecedora e despertadora de novos aprendizados e possibilidades, independente da idade e do número de visitas, sempre haverá algo a mais para se aprender.
    Portanto, como futura pedagoga penso em um futuro sem pandemia, o qual pretendo incluir no currículo dos meus alunos a saída do ambiente escolar para permitir a apreciação e estudos em ambientes enriquecedores, como os museus.

    Arielle Santos de Souza
    Graduanda de Pedagogia
    FFCLRP-USP

    ResponderEliminar
  28. Saudações a todos!

    Primeiramente gostaria de parabenizá-los e destacar a importância desta reflexão de Juan Ramón, para minha formação.
    Ao ler este texto, pude observar, o quanto a educação conecta os museus e tantos outros espaços não formais, a sociedade. E que essas aproximações, faz com que as pessoas aprendam a conhecer e resgatar as origens de determinada cultura, para um melhor convívio social. Pois através destes aspectos, podemos romper os paradigmas do senso comum, que infelizmente, impedem o acesso da grande maioria, a estes lugares tão enriquecedores.

    Beatriz de Cássia Santos
    FFCLRP-USP - Curso de Pedagogia
    Ribeirão-Preto - Brasil

    ResponderEliminar
  29. Isis Gonçalves Tiraboschi6 de julio de 2021, 19:59

    Saudações a todos.

    Ao ler o texto, me recordei com carinho das minhas vivências em museus.
    Minha lembrança mais antiga, me remete à uma excursão pedagógica ao Museu Casa de Portinari (Brodowski / SP - Brasil), realizada quando eu tinha cerca de 10 anos de idade, junto com minha professora e meus colegas de sala. A professora havia trabalhado previamente conosco uma unidade didática sobre o pintor Cândido Portinari e suas obras, e me lembro do fascínio que senti ao ver aquela "personagem" dos meus livros didáticos representada no museu, a casa onde ele morou, algumas obras e afrescos que ele pintou, entre outros fatos e curiosidades sobre sua vida, tornando aquele um momento de aprendizagem afetiva e significativa para mim.
    A partir dessa experiência desenvolvi um certo fascíinios por espaços museológicos e já tive o privilégio de visitar muitos museus em diferentes países, e ainda pretendo visitar muitos mais, sempre que puder.
    Inspirada por essa memória e consciente do valor pedagógico que esse tipo de visita pode proporcionar, pretendo me empenhar ao máximo para proporcionar oportunidades semelhantes aos meus futuros alunos, durante toda a minha carreira docente, a qual espero que seja longa e proveitosa.
    Foi um grande prazer conhecer o Geoforo, pretendo continuar acompanhando seus artigos e discussões, que certamente contribuirão para minha formação continuada como docente.

    Isis Gonçalves Tiraboschi
    Graduanda em Pedagogia
    FFCLRP - USP / Ribeirão Preto - SP / Brasil

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Olá!
      Senti o mesmo ao ler o texto. Me lembro da ansiedade da minha sala ao ir pela primeira vez em um museu, no caso o Museu do Café aqui na minha cidade, Ribeirão Preto. Vejo a importancia desse tipo aprendizado logo nos anos inicias pois atraves dessas e outras visitas, esses espaços se naturalizaram para mim se tornando mais próximos e presentes na minha vida. Acredito que hoje, a curiosidade que tenho sobre o tema venha dessas experiencias base e da naturalização desses espaços que muitas vezes podem parecer distantes. Assim nosso papel como futuras professoras é também diminuir essa distancia dos alunos e esses espaços, sabendo e tendo consciencia de como essas experiencias foram de extrema importancia para nós e será para nossos alunos.

      Victoria Toni
      Graduanda em Pedagogia
      FFCLRP-USP

      Eliminar
    2. Victoria, fico feliz em saber que sua experiência como aluna despertou sua curiosidade e hoje você reconhece a importância dos professores planejarem atividades nos espaços não formais de ensino. Andrea Lastória - Professora da Universidade de São Paulo - Brasil.

      Eliminar
    3. O museu do café é um excelente exemplo de aprimoramento e trabalho em museus locais, aplicando sua especificidade a cada território geográfico.

      Eliminar
  30. Olá a todos.

    Este texto nos ajuda a compreender a importância do espaço da educação não formal e das diferentes formas de aprendizagem que aí existem. Além disso, quero enfatizar a importância das reflexões discutidas no texto para a formação de professores. No processo de leitura, lembrei-me de minha experiência como aluna no Museu da Casa de Portinari em Brodowski- SP Brasil, Museu Catavento em São Paulo- SP Brasil e no Museu de Paleontologia localizada em Monte Alto- SP Brasil. Durante essas experiências, fiquei maravilhada de quanta riqueza há em museus e hoje, ao ler o texto e relembrar minha vivência, vejo como a educação conecta museus e os espaços informais com a sociedade, de forma que seja possível criar valorização do patrimônio cultural.

    Luisa Scarpa
    FFCLRP-USP - Curso de Pedagogia de Ribeirão Preto- Brasil

    ResponderEliminar
  31. Me curé de 4 años de diabetes tipo 2 y estaba usando metformina que resultó en disfunción eréctil, pero con la ayuda de la mezcla de hierbas del Doctor Nelson me curé por completo. Me encontré con el testimonio de uno de sus pacientes que se curó de la ampliación de la próstata en 21 días con el doctor Nelson Herbs sin efectos secundarios en esta plataforma. Me comuniqué con el especialista en hierbas y después de mucha discusión, me envió la medicina a base de hierbas a través del servicio de dhl que recibí en 3 días a mi dirección que le envié y con sus instrucciones, usé el producto durante 21 días y mi nivel de azúcar en sangre fue completamente reducido de 8.5 a 4.5% y mi erección estaba completamente activa. Recomiendo al doctor Nelson a cualquier persona con virus del herpes, fibroma, cáncer de próstata y agrandamiento, EPOC, hepatitis, enfermedades del corazón y enfermedades del hígado, su correo: drnelsonsalim10@gmail.com
    o mensaje de texto de WhatsApp al +212703835488.

    ResponderEliminar
  32. Este comentario ha sido eliminado por el autor.

    ResponderEliminar
  33. Olá a todos!

    Lendo esse texto, me lembrei das visitas escolares aos museus da minha cidade e da cidade de São Paulo. Essas visitas foram de enorme importância para meu aprendizado e para melhor entender a história da minha cidade, fazendo com que o meu entendimento sobre a região em que vivo fosse ampliado.
    Agradeço meus professores por esse incentivo de grande importância para mim.

    Laura Farnetani Friedrich
    Graduanda em Pedagogia pela FFCLRP-USP
    Brasil

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Gostaria de acrescentar a importância dos mapas nos museus para o aprendizado sobre a cartografia, auxiliando na localização do visitante no local em que está, além de ser um assunto que poderá ser levado para a sala de aula para discussões e ensinamentos.

      Laura Farnetani Friedrich
      Graduanda em Pedagogia pela FFCLRP-USP
      Brasil

      Eliminar
  34. Hola, mi nombre es Sara Aroca Benavent y soy estudiante de 3ºA de Magisterio de Educación Primaria en la Universidad de Valencia.

    Tras leer el artículo, he de decir que estoy totalmente de acuerdo con el hecho de que las excursiones y salidas extraescolares a los museos pueden ser un gran complemento en la enseñanza y educación del alumnado, no solo en cuanto a contenidos curriculares teóricos sino también en cuanto a valores como el respeto o la empatía tanto por el pasado, como por las obras de arte expuestas en dicho museo o por el entorno en que se encuentra el alumnado, que ha de entender que hay determinados comportamientos no aceptados en algunos espacios y unas normas que han de cumplir si quieren participar de la experiencia.

    Por otra parte, destacar que una visita al museo no sirve de nada si no se acompaña de un contexto o marco teórico específico dado en el aula con anterioridad. Además, a pesar de que una visita al museo puede resultar muy gratificante e interesante, es importante asegurarse de que antes o después de la visita el tema del que trate la exposición se vaya a ver en profundidad.

    Para esto último pongo un ejemplo: un grupo de estudiantes realiza una visita a un museo donde hay una exposición relacionada con las migraciones. Está bien introducir este tipo de temáticas entre el alumnado, ya que son aspectos que se ven día a día en los medios de comunicación debido a su actualidad pero, ¿cómo se trata realmente el tema de las migraciones en el centro escolar? De nada sirve una visita a una exposición que hable de esto si luego la teoría se resume únicamente a un párrafo en uno de los temas del libro en el que solo se encuentran las definiciones de “inmigración” y “emigración”, que es lo que comúnmente encontramos en los libros de texto del alumnado de Educación Primaria.

    Desde mi punto de vista, una visita así se debería aprovechar para sacar en el aula problemáticas actuales, con hechos reales donde los niños y niñas puedan ver que en el colegio no solo se les enseñan definiciones descontextualizadas de la realidad, sino que también se relacionan los conceptos teóricos con aspectos de la vida cotidiana. La capacidad de entendimiento del alumnado respecto a temas de este calibre no debe ser infravalorada nunca, y mucho menos por sus propios docentes.
    Es necesario darles a los alumnos libertad para conocer detalles que, explicados de manera adaptada al nivel en que se encuentran, pueden resultarles muy atrayentes y, sobre todo, les pueden hacer darse cuenta de que no son conceptos tan lejanos a sus vidas como creen.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Evidentemente la experiencia educativa del museo local en el tema de las migraciones se ha de trabajar también al aula de la misma manera que se trabaja en el museo. Es por ello, que el profesorado y los educadores de los museos han de hacer un documento único para trabajarlo al museo y en el aula. En este aspecto el museo y el aula han de ser un único espacio educativo separados sólo por una separación que es solo material o física.

      Eliminar
    2. A experiência educativa do museu local sobre o tema da migração também deve ser trabalhada em sala de aula da mesma forma que funciona no museu. É por isso que os professores e educadores dos museus têm que fazer um documento único para trabalhar nele no museu e na sala de aula. Nesse aspecto, o museu e a sala de aula devem ser um único espaço educativo separado apenas por uma separação que seja apenas material ou física.

      Eliminar
  35. Hola a todos.

    Mi nombre es María Signes Pérez, y soy alumna de 3º A de Magisterio de Primaria en la Universidad de Valencia.

    Después de leer el artículo a cerca de "Los museos locales y la enseñanza no formal” y leer varios comentarios sobre este, estoy convencida de que estas visitas son un complemento muy enriquecedor para la enseñanza formal; puesto que, a veces, vale más una imagen que mil palabras. Por esta razón, estoy convencida de que hay que defender una educación donde los alumnos aprendan a través de experiencias como la de ir a visitar un museo.

    Esta demostrado científicamente que muchos conceptos teóricos que se enseñan se adquieren mejor cuando se acompaña al concepto con una imagen práctica; pues cómo bien dice el artículo, los muesos son ventanas abiertas al mundo. Estos los podemos utilizar como apoyos didácticos a los aprendizajes, ya que están creados de forma consciente por gente profesional; además, su función principal es la de sintetizar de manera clara y objetiva la temática tratada. Por tanto, la visita a un mueso se convierte en el descubrimiento de un mundo de posibilidades didácticas y metodologías para hacer del proceso de enseñanza-aprendizaje, un proceso con el que los niños/as estén motivados y tengas ganas de aprender todo aquello que estos les pueden proporcionar. Por esta razón, pienso que es muy importante la coordinación entre centros y museos para la realización de una preparación anterior a la visita por parte del profesorado; ya que esto puedo ayudar a que los alumnos sientan curiosidad y estén más receptivos sobre la temática del museo.

    En conclusión, los museos son espacios llenos de cultura y por tanto su finalidad es la de ayudar a realizar un aprendizaje significativo. Los museos están para visitarlos, disfrutarlos y aprovecharlos. ¡De ellos podemos sacar experiencias inolvidables!

    ResponderEliminar
  36. ¡Hola a todos y todas!

    Mi nombre es Raquel García García, y soy alumna de 3ºA de Magisterio de Primaria en la Universidad de Valencia.

    Tras la lectura del Foro 27, he estado reflexionando sobre el papel que tienen los museos como espacios de cultura y de aprendizaje. Siempre he pensado que tienen una función fundamental en la sociedad, ya que contribuyen a la evolución de esta en aspectos como son la cultura, la ciencia, el turismo, la educación, etc. Además, siento que cuando voy a un museo salgo de él sabiendo algo nuevo, con una perspectiva distinta o reafirmada sobre algún tema, siento que crezco. Por todo ello, desde pequeña he ido a cientos de museos de todo tipo, en cada viaje que he hecho, en mi ciudad...

    En relación con la educación, estos espacios pueden aportar muchos beneficios para los estudiantes. En ellos pueden ver cuadros, documentos u objetos reales de primera mano, por tanto, todo aquello que estudian en los libros de texto puede cobrar sentido al acudir a los museos. Sin embargo, es imprescindible que haya una colaboración y una relación cercana entre estos y los centros escolares. Es así puesto que en muchas ocasiones (basándome en mi experiencia) los y las docentes acuden a los museos con sus alumnos, la persona encargada hace una explicación de la exposición y vuelven a clase. En el caso de que esto ocurra, que en muchas ocasiones es así, no se producirá un aprendizaje significativo, ya que habrá una descontextualización. En cambio, si el docente trabaja el temario previamente en clase, los alumnos están informados y conocen de qué tratará la exposición, si el docente habla con el museo y acuerdan enlazar el temario de clase con la exhibición, si se permite al alumnado realizar preguntas durante la visita e incluso se preparan previamente en clase, y si tras la visita se lleva a cabo una reflexión, una puesta en común o un debate, entonces se estará aprovechando al máximo esa salida. Por tanto, como docentes debemos trabajar muy bien aquellas salidas que organicemos, ya que no pueden limitarse únicamente a salir del aula para visitar un lugar, deben cumplirse las tres fases de la enseñanza.

    Por otro lado, creo que debería fortalecerse la relación museo-centro de enseñanza, ya que los museos tienen un gran papel como espacios de enseñanza y de transmisión de conocimientos. Deberían colaborar en el desarrollo de ofertas y programas educativos de calidad y útiles para el alumnado de Primaria y Secundaria. En España podríamos llevar a cabo un proyecto nacional, como se hizo en Dinamarca con “The Learning Museum”, para que los maestros aprendan a hacer uso de los museos como espacios de aprendizaje y, al mismo tiempo, para profesionalizar y fortalecer estos espacios para que tengan un papel útil en la enseñanza.

    En definitiva, pienso que las visitas a los museos pueden ser muy útiles, siempre y cuando se cumplan las tres fases de la enseñanza. Al igual que podrían ser aún más beneficiosas si se estableciera un vínculo fuerte entre estos espacios y las escuelas.

    ResponderEliminar
  37. Saudações a todos
    Muito interessante o texto. Primeiramente por ressaltar a importância dos museus e por dar dicas para que o aprendizado seja mais conceitual nas visitas em museus e não mais um passeio como muitas crianças pensam que é a ida a um museu. Como professora de história sempre vi os alunos tento a história como matéria não tão legal e tento aversão também por museus, creio que visitaram do jeito errado ou nunca visitaram, (o que é a realidade da maioria) pois uma expedição monitorada e bem planejada faz toda diferença.
    Nayara Cristina Schimidt
    Estudante de Pedagogia FFCLRP- USP
    Brasil

    ResponderEliminar
  38. Buenas tardes a todos y todas:

    Soy Marta Estarca Andrés, alumna de 3º A de la asignatura de Didáctica de las Ciencias Sociales: aspectos básicos, en la Universitat de València. En primer lugar, me gustaría reconocer el valor de este artículo, pues pone en un buen lugar a los museos locales, a diferencia del rechazo que multitud de personas le han manifestado tradicionalmente.

    Evidentemente, lo que deseo transmitirles es que la identidad puede englobar a menos o más personas, según el tipo de sociedad de la que hablemos, pero no significa, por ello, que tenga más valor aquella identidad que recoge a más individuos; en otras palabras, en la cultura no puede existir una lucha de egos, según mi punto de vista.

    Algo que me gustaría enfatizar del artículo es de la relación currículum-museo. Evidentemente, si hay una propuesta realizada desde el centro para visitar el museo, ambos deberán trabajar conjuntamente, especialmente para dar sentido a los contenidos didácticos y, como es normal, habrá un feedback mutuo: tanto el museo se podrá enriquecer de las ideas que pueda tener el alumnado como los alumnos y alumnas, ya que esa visita les ayudará a interpretar aquello que han estudiado.

    En definitiva, creo que la visita al museo debería enfocarse como una oportunidad para reconocer si aquello que estudian está completo, erróneo o descontextualizado y partir de esa deconstrucción para comprender qué ocurre a su alrededor.

    En breves palabras, si atienden a otras referencias de su entorno local como sus museos y las toman en cuenta, podrán ampliar su cultura y, en concreto, su amor y respeto por su territorio o zona. Espero que estas reflexiones sirvan a alguien y les invito a que me den una respuesta para que haya más dinamismo en el geoforo y podamos conversar.

    ¡Muchas gracias y un saludo!

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Muchas gracias por este escrito Marta. La idea de un museo local no es sólo recoger la identidad valenciana en si ya que esa identidad valenciana es la suma de diferentes culturas como la romana, la árabe, la americana etc. Las identidades se forman sumando y no excluyendo. Ejemplos los hemos tenido en productos importados como la naranja, el arroz o más recientemente el cultivo del aguacate. La idea es integrar y poner en valor la importancia de este hinterland tan peculiar y específico que ha sido el hinterland de la ciudad de Valencia. Un espacio geográfico donde han existiendo actividades económicas como la cerámica, la agricultura, la industria etc

      Eliminar
  39. Muito obrigado por escrever Marta. A ideia de um museu local não é apenas coletar a identidade valenciana em si, já que essa identidade valenciana é a soma de diferentes culturas como o romano, o árabe, o americano etc. As identidades são formadas por adicionar e não excluir. Tivemos exemplos em produtos importados como laranjas, arroz ou, mais recentemente, o cultivo de abacates.A ideia é integrar e valorizar a importância desse sertão tão peculiar e específico que tem sido o interior da cidade de Valência. Um espaço geográfico onde houve atividades econômicas como cerâmica, agricultura, indústria etc.

    ResponderEliminar
  40. Quisiera concluir y resaltar que los museos locales sufren en todos los lugares un olvido de la sociedad y del mundo escolar en general. Este olvido puede significar un alejamiento de nuestras raices y de nuestro espacio vivido. Conocer los museos locales es conocer nuestra historia y nuestra geografia porque es experimentar plenamente aquello inmediato que nos envuelve. Muchas gracias a todos y todas

    ResponderEliminar
  41. Gostaria de concluir e enfatizar que os museus locais sofrem em todos os lugares a partir de um esquecimento da sociedade e do mundo escolar em geral. Esse esquecimento pode significar uma distância de nossas raízes e de nosso espaço vivido. Conhecer os museus locais é conhecer nossa história e nossa geografia porque é vivenciar plenamente o que é imediato que nos cerca. Muito obrigado a todos

    ResponderEliminar
  42. os museus são como as janelas abertas para o mundo, mas para poder olhar por essas janelas é preciso entrar.

    ResponderEliminar
  43. Buenas, mi nombre es Carlos y soy estudiante de cuarto curso del grado en educación primaria de la universidad de Castilla la Mancha.

    Nuestros tutores nos han pedido que trabajemos de manera grupal sobre una noticia que trate del Covid-19 ¿Porque España aun respetando las normas y seguridad y manteniendo el uso de mascarillas como obligatorias era de los países con mayor índice de contagios? Hemos realizado nuestra investigación y hemos sacado una serie de conclusiones.

    En España hemos vivido un confinamiento bastante insoportable y duro, incluso después de la cuarentena hemos tenido la obligación de llevar mascarilla en todo momento y evitar el contacto con las demás personas, pero, a pesar de estas medidas tan extremas no hemos conseguido frenar el avance del virus. ¿Cuál es la razón de esto? Algunos echan la culpa al gobierno otros a los jóvenes… En resumen, la gente ha perdido el miedo que tenían a la enfermedad durante la primera ola y esto es uno de los motivos que hace que cada vez más gente incumpla las normas que a su llevaría al incremento del número de personas infectadas.

    Esta pandemia es algo que nunca antes habíamos vivido por lo que no critico la actuación del gobierno, una situación así seria muy difícil de manejar para cualquier persona al mando del gobierno. No obstante, tampoco apruebo la gestión que han mantenido ya que se podrían haber dejado aconsejar por el personal sanitario y haber actuado de manera cooperativa con los demás países.

    En conclusión, todos estamos cansados de esta pandemia, de no poder hacer nuestra vida con total libertad como antes. En mi opinión creo que debemos perder el miedo a este virus e intentar vivir con él ya que vamos a estar un buen periodo de tiempo juntos. Sin embargo, no podemos confiarnos ya que es algo que ha arrebatado la vida de mucha gente.

    ResponderEliminar
  44. Mi nombre es Delfín, estudiante de cuarto de primaria de la UCLM, nos centramos con un trabajo sobre la pandemia, del que sacamos una serie de conclusiones. En primer lugar, las personas deben comprender y empatizar con lo que estamos viviendo, y debemos respetar todas las normas que se nos imponen para evitar el aumento de las infecciones COVID-19. El hecho de llevar una máscara ralentiza o reduce el número de casos, pero para ello debemos llevarla en todos los ambientes en los que nos encontremos, tanto con los amigos, cuando salgamos de noche, etc. En nuestro día a día nos encontramos irresponsabilidades como el uso de mascarillas, geles hidroalcohólicos, distancias de seguridad, metros establecidos...
    Las consecuencias de todo esto han provocado que nuestro país se estanque y la economía no se haya desarrollado. En lo que respecta al sector educativo, se cerraron escuelas, universidades y guarderías cuando comenzó la pandemia, y todos los estudiantes se quedaron en casa. La mayoría de la gente apenas podían seguir con sus etapas escolares, todo esto creaba incertidumbre para el público y el temor de lo que sucedería la situación a continuación y como se afrontaría.
    Debemos mostrar un mayor interés por la situación que vivimos, entendernos y dejar de lado el individualismo y empezar a pensar de manera global, porque esto no es un juego, sino la vida de muchas personas, no solo a nivel nacional. Si es global es porque el virus ya existe, esta situación no se puede evitar, pero si lo podemos prevenir, podemos concienciar a través de campañas publicitarias más adecuadas, las diferentes formas de los padres de sus hijos, y también a través de la papel de los docentes. Sensibilizar, porque es muy importante en la sensibilización de los estudiantes sobre este tema. Muchas familias se han visto afectadas.
    Esta será una gran oportunidad no solo para sensibilizar a los jóvenes, sino también para sensibilizar a los más pequeños. Se ha visto que hemos estado encerrados en nuestras casas durante un tiempo, y tenemos que pasar por la fase de seguimiento que nos impone cada comunidad autónoma

    ResponderEliminar
  45. El texto del profesor Juan Ramón Durá Ballester nos hace reflexionar sobre el papel fundamental que tienen los museos en el proceso formativo de nuestros estudiantes. Así mismo nos hace reflexionar sobre las consideraciones que debemos tener nosotros los docentes previamente a la hora de diseñar una visita a estos espacios culturales.
    Los museos deben estar presente en el proceso formativo de los estudiantes pues los incita a estar en reflexión constante de los problemas sociales, locales y globales. Tanto para profesores como para estudiantes los museos incentivan el gusto por el patrimonio cultural, sin olvidar el museo como lo dice el autor, posee valores que trasciende la pura patrimonialidad y hace que el ciudadano se sienta constructor de una historia y de una identidad, en la cual es responsable de conservar y transmitir ese legado cultural.

    ResponderEliminar
  46. Olá a todos,

    lendo esse texto e como professora em formação, minha mente me remeteu a visitas a museus que fiz durante o ensino médio e agora no superior; e em como ao comentar com pessoas de fora dos âmbitos acadêmicos tive minhas visitas classificadas como algo inalcançável para estes. Acredito que seja de fundamental importância a ocupação de espaços assim pois possibilitam uma expansão dos conceitos didáticos ensinados no teórico além de "limpar" essa imagem de museus como "lugar de coisas antigas" ou entediantes.
    Pensando também no museu como espaço de análise geográfica e histórica de um local, seria impossível o fazê-lo sem a presença dos mapas pois nestes se encontram na forma de uma representação gráfica tudo aquilo que o museu quer nos dizer; e sem esquecer de que um mapa ambientando a organização do museu traz maior familiaridade ao visitante para que ele se sinta mais confortável e menos “perdido”.
    Sou muito grata aos professores que tive durante minha vida que me possibilitaram mudar minha visão sobre esses espaços, e espero que possa me tornar uma professora com estes mesmos conceitos.

    Camila G. de Freitas
    Graduanda em Pedagogia pela FFCLRP-USP
    Ribeirão Preto/SP - Brasil

    ResponderEliminar
  47. Olá a todos!

    Gostaria de concordar com o texto pois, além de serem uma ótima forma de democratizar o acesso ao conhecimento, os museus são uma ferramenta excelente a ser usada pelos professores, principalmente de história e geografia, na tentativa de concretizar e aproximar a teoria ensinada em sala de aula aos alunos. Também acho importante ressaltar a grande importância de cuidar e preservar nossos museus, tendência que infelizmente não está presente no pensamento brasileiro, como vimos com o incêndio no Museu Nacional do Brasil em 2018. Isso ilustra o grande descaso e falta de interesse da maioria dos brasileiros em preservar a história, resultando em grandes perdas também no campo da educação.

    Kimberly Kuwahara Alves
    Graduada em Pedagogia pela FFCLRP-USP
    Bragança Paulista / SP - Brasil

    ResponderEliminar
  48. Olá a todos,

    Que texto mais interessante! Sempre tive uma ideia totalmente diferente do museu, como algo distante e até intocável. Mas na verdade, pós a leitura do texto, principalmente na parte “ O museu deve fazer com que o cidadão se sinta um construtor de uma história e de uma identidade e ainda responsável pela conservação e transmissão desse património cultural” vejo que os museus vão muito além disso.

    Além disso, pensar o museu como verdadeiras oficinas do aprendizado, demais! O papel de qualidade do professor também se faz jus. Lembro das minhas visitas guiadas pela escola a esses espaços com frases como “cuidado” e “não toque”, não que as frases não sejam importantes, mas não deve ser o resumo da visita. Precisamos incentivar e mudar essa visão desses espaços tão ricos, trazendo-os mais pertos da escola.

    Lívia Maria Rocha,
    Graduanda em Pedagogia pela FFCLRP-USP (Ribeirão Preto)
    Santa Bárbara d’Oeste, São Paulo - Brasil

    ResponderEliminar
  49. Você precisa de um empréstimo???? Empréstimos pessoais ou empréstimos comerciais ???? Fale comigo sobre isso. NOME DO CONTATO: Wang Yongli Se estiver interessado, entre em contato conosco: :::::: kirkleonfinances@gmail.com
    Whatsapp agora: +639451256230

    ResponderEliminar
  50. Olá a todos!
    Através desse texto percebi como sempre tive a ideia de museus como algo elitista e distante da população fora dos âmbitos acadêmicos, talvez pela falta de familiaridade e da falta de estímulo a convivência nesses espaços.
    Acredito que para a educação, utilizar os museus como práticas educativas constantes abriria um leque de possibilidades de abordagens sobre os diversos temas que eles levantam e sem dúvida estimularia a aprendizagem dos alunos, possibilitando educar e gerar gosto pela cultura.
    Para o professor, o ideal seria usar esses espaços como espaços dialógicos e de reflexão crítica, incentivando a busca e interpretação dos alunos para os conhecimentos expostos a eles.
    Vinicius F. Stoppa
    Graduando em Pedagogia pela FFCLRP-USP
    Batatais/SP – Brasil

    ResponderEliminar
  51. Leitura fundamental para formação do futuro professor.
    Os museus fazem parte do processo de ensino-aprendizagem em sala e oferecem maior profundidade na compreensão dos conteúdos, pois podem ser vividos na prática.

    Débora Rodrigues
    Aluna do curso de Pedagogia da FFCLRP

    ResponderEliminar

Para participar en el debate tan solo tienes que hacer click en el título del debate, donde a continuación, además de aparecerte el texto a debatir, encontraras la manera de dejar tu comentario. Periódicamente, cada quince días, se renovarán los contenidos con el objetivo de de precisar el sentido, alcance y límite de los mismos. Para proponer nuevos debates escribe a:geoforo@gmail.com .